Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site 475389, site 442698, download book, free book, free book, this link, link, book download, site 513789, site 188921,

avivamento nos Estados Unidos
avivamento nos Estados Unidos

 

 

 

 

 

 

             Historia do Avivamento nos Estados Unidos

 

                                            INTRODUÇÃO GERAL

 

Na América do Norte,o Segundo Grande avivamento (1880-1861)foi uma resposta ao racionalismo a industrialização.As pregações reavivalistas e a piedade pessoal grassavam no novo país.Quase todas as denominações se reuniram em campanhas e as conversões ocorriam aos milhares.Os acampamentos tornaram-se lugares  permanebtes de cultos e depois em centros de conferencias biblicas,alguns dos quais até hoje.Charles Finey foi o evangelista de maior destaque naqueles tempos.Ele mudou a forma de evangelização,adaptandoa ao ministério urbano.Mais tarde,no mesmo seculo,Dwight L. Moody empregaria as tecnicas de avivamento de Finey e acrescentaria a colportagem (distribuição de literatura de porta a porta)e a fundação de varias instituições educacionais,das quais a mais conhecidas é o (Instituto Biblico Moody em Chicago).(notas,manual biblico Halley,pp.795,2000).

Por volta de  1789,a influencia do grande avivamento tinha sensivelmente diminuido por causa do deismo levado ás colonias pelos oficiais do exércitos inglês na guerra Francesa e indiana,e por força da entrega da literatura deista e da influencia deixada pela revolução Francesa.A universidade de Yale ilustra a decadente desta época.Poucos estudantes eram regenerados,jogo,a irreverencia,o vicio e a embriagues eram comuns entre os estudantes,que se orgulhavam de serem incrédulos.O segundo avivamento ,que mergulhou este deprimente,quadro,foi o primeiro de muitos avivamentos do seculo 20.A partir da revolução Americana,até a primeira guerra mundial,os Estados Unidos foram moldados por um tipo de protestantismo rural,no qual o protestantismo era em maioria.Com o crescimento do catolicismo romano,devido á imigração após guerra civil,os Estados Unidos têm se tornado mais pluralista e,mesmo,seculares,em sua vida cristã.O protestantismo perdeu a força como era nos seculos passados.(notas,C.Carins,hist.da igreja,pp.397,1984).

 

                                                       

           PRIMEIRA FASE DO AVIVAMENTO NOS ESTADOS UNIDOS

Em 1787,um movimento reavivacionista começou em Hamppen-Sidney,uma pequena universidade da Virginia.Este reavivamento,que despertou o interesse dos estudantes para sua condição espiritual,chegou ao Washinton College e,dai,a igreja Presbiteriana do sul.A fase congregacional do avivamento na nova inglaterra começou em Yale,em 1802,sob a liderança do seu reitor,Timothy Dwight(1752-1817),cujasmenssagens simples e profundas,pregadas na capela,sobre a incredulidade e a biblia acabaram com a propalada incredulidade dos alunos.Um terço do corpo discente converteu-se no periodo do reavivamento,que chegou á Dartmouth,á Williams e a outras universidades.Outro despertamento ocorreu mais tarde,em Yale.Assim,os reavivamentos leste começaram nas universidades.(notas,ibid,pp.397).

 

 

                                  OS GRANDES AVIVAMENTOS NA AMÉRICA

 

 

 

     Com a colonização anglo-saxônica no norte continente americano ,criava-se uma esperança de encontrar a rota marítima para as riquezas da asia ,matérias primas ,bem como mercado para um comercio rentável ,poerem ,não obstante a isso,muitos cristãos viram uma possibilidade de fugir da perseguição na pátria mãe e outros ainda a possibilidade de falar de cristo a pessoas que jamais tinham ouvido o evangelho.

 

 

 

                     O GRANDE AVIVAMENTO /1703-1758/ 

 

      O inicio do seculo 18 foi marcado pelo declínio de fervor e moral nas colonias .A nova geração não sentia o zelo e a piedade dos primeiros puritanos peregrinos.Somente uma minoria inexpressiva frequentava as igrejas.Nesta época de frieza e desanimo ,DEUS levantou um dinâmico jovem pastor chamado jonatas edwars (1703-1738),homem de grande erudição e cheio do Espirito SANTO ,formo-se precocemente em haye,aos 13 ANOS JA DOMINAVA O GREGO E ,HEBRAICO E OLATIM.Aos 17 anos tornou-se pastor de igreja congregacional em NORTHAMPTON EM MASSACHUSSETS .Não obstante ler os seus sermões "pecadores nas mãos de um DEUS irado",ilustra  o poder com que pregava .James packer diz 'que ele era dotado de um dom unico de fazer as idéias adquirirem vida ,atravez da brilhante precisão com que as expunha .Podia fazer duas horas parecerem 20 minutos".As menssagens de jonathas desencadeavam um movimento espiritual poderoso na nação que ficou conhecido como"O grande avivamento".

 

   JONATHAS E. cria na nessecidade da conversão passoal e ele mesmo passara por ela ,perdeu o pulpito de sua igreja por exigir dos menbros da sua igreja  um testemunho passoal de salvação.Dai tornou-se missionario aos indios em STOKBRIDGE,e neste tempo escreveu seus livros mais importantes:a liberdade da vontade ,e o pecado original.em 1757 ,foi escolhido reitor da universidade de pricenton,e ao tomar vacina contra variula ,a propia inoculação lhe transmitiu uma febre muito alta e faleceu em 1758.Edwards foi o mais importante teológo pentecostal que já surgiu neste lado do atlantico.

 

      Em new jersey,gilbert tennant pastor da igreja presbiteriana de new brunscik em 1728,começou a pregar de uma forma tão ungida que despertou a sua igreja a as adjacencias.Em fim todas as populações da colonia foram sacudidas pelo grande avivamento e as igrejas congregacionais ,batista e presbiterianas cresceram em membresia e em poder.

 

      Os resultados do grande avivamento foram maravilhosos.Cerca de 30 a 40 mil pessoas foram salvas e mais 150 novas igrejas foram plantadas na nova inglaterra,numa população de 300 mil pessoas.As famílias foram moralmente fortalecidas.Universidades como PRINCETON,Colúmbia,hampden-sidney foram criadas para preparar os ministros para as igrejas que iam sendo fundadas.

 

 

 

                    SEGUNDO GRANDE AVIVAMENTO( 1787) 

 

     EM em 1787 um novo reavivamento ocorreu na universidade hampden-sidney chamando atenção dos estudantes para o seu estado espiritual,chegando até as igrejas.O avivamento chegou em yale em 1802,sob a liderança de timothy dwight(1752-1817),neto de jonathas edwards ,cujas menssagens simples e profundas acabaram com a incredulidade dos alunos.O avivamento chegou ao oeste que viva um estado moral deploravel .O consumo de bebidas alcolicas era alto e o indice de imoralidade alarmante .O avivemento espiritual contribuiu para o fortalecimento da moral no oeste.A embriagues e a obscenidade deram lugar ao pudor e a modestia.Em dez anos ,mais de 10 mil pessoas uniram-se somente a igreja batista em kentuck ,neste periodo de oração e em 1786 foi implantada a escola dominical.O avivamento também ,o manifestou a preocupação com a obra missionaria ,foi fundada a junta americana de comissões para missões estrangeiras ,como resultados das reuniões de oração no monte feno,de samuel mille (1783-1818).

 

      Entretanto ,o mais conhecido nome do segundo avivamento foi CHARKLES G.FINEY(1792-1895),um advogado convertido em 1821, que trouxe inovações que tornaram -se eficientes,como cultos anunciados previamente,linguagem coloquial na pregação ,horários não padronizados para os cultos ,e citação de nomes em oração publicas e a criação do lugar dos aflitos"onde as pessoas com inquietações espirituais poderiam ir.

 

   Após a gerra civil ,destaca-se a figura de DWIGT L.MOODY,que conseguiu combinar o reaviamento com a evangelização de massas.Após excursões evangelisticas bem sucedidas na  inglaterra ,fundou a sociedade para a evangelização de chicago em 1886,de onde surgiu o instituto biblico moody.Seus sucessores neste novo tipo de evangelização mundial foram;Ruben Archer .torrey,gyspy,billy sunday,e desde 1949 ,Billy gran é o mais proeminente evangelista internacional.

 

 

 

            RESULTADOS DO SEGUNDO GRANDE AVIVAMENTO 

 

      Alem dos milhões que se converteram-se á     Cristo,o aviamento promoveu profundas mudanças que incluíam até mesmo reformas sociais.O aviamento expôs a ignorância dos duelos á espada e revolver ,e atravez ,e atravez do avivamento foram abolidas a prisão por divida e feita uma reforma prisional.O avivamento despertou a conciencia das igrejas sobre a vergonha da escravidão .Charles finey foi incançavel em seus esforços abolicionistas.O livro de harriet beecher stowe"acabana do tomas "faz o movimento crescer".

 

 

 

                             O SÉCULO MISSIONÁRIO  

 

   O seculo 18 foi sem  duvida um seculo de incertezas.O trabalho missionario dos protestantes até então tinha sodo tímido.Em lugar do cristinismo desaparecer diante dos ataques que sofreu no seculo 19,foi despertado e alastrou-se por todos os continentes ,este seculo é chamado "o grande seculo das missões evangélicas".Este despertamento fez com que os evangélicos exercessem uma grande influencia ,até mesmo nos altos escalões.Noa estados unidos a igreja cresceu de 10 para 40% durante os anos em curso do seculo.Os grandes avivamentos na Europa e na América liderados por WESLEY,WITHENFIELD;E JONATHAN no seculo 18 ,concientizaram os lideres evangelicos da sua responssabiblidade para com os perdidos .Esta verdade inaugurou o movimento missionario moderno com WILLIAM CAREY NA Inglaterra Samuel millis nos estados unidos.

 

 

 

                          SOCIEDADES MISSIONÁRIAS 

 

 

 

    Para que os chamados para o campo missionario pudessem ir e realizar a tarefa,foram criadas sociedades ,primeira destas sociedades missionaria batista (1792)seguida pela sociedade de londres (1795)e da sociedade missionaria da igreja.No continente europeu surgiu a sociedade missionaria dos paises baixos(1797) e a missão de basiléia (1915);nos estados unidos  a junta americana de comissionados de missões estrangeiras (1810)e a junta americana missionaria batista em 1814(notas reflexão teológicas do movimento pentecostal ad/campinas /sp pp.14-16/).

 

 

 

                      

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                HISTORIA DO AVIVAMENTO NOS ESTADOS UNIDOS

 

                                                   Jonatas Edwards(1703-1758)

        Fonte(Herois da fé,OrlandoBoyer,cpad,1985,pp.51-59,cpad).

 

Há dois séculos que o mundo fala do famoso sermão: Pecadores nas mãos de um Deus irado e dos ouvintes que se agarravam aos bancos pensando que iam cair no fogo eterno. Esse fato foi, apenas, um dos muitos que acontece­ram nas reuniões em que o Espírito Santo desvendava os olhos dos presentes para eles contemplarem as glórias do Céu e a realidade do castigo que está bem perto daqueles que estão afastados de Deus.

Jônatas Edwards, entre os homens, era o vulto maior nesse avivamento, que se intitulava O grande desperta­mento. Sua vida é um exemplo destacado de consagração ao Senhor para o desenvolvimento maior do intelecto e, sem qualquer interesse próprio, de deixar o Espírito Santo usar o mesmo intelecto como instrumento nas suas mãos. Amava a Deus, não somente de coração e alma, mas tam­bém de todo o entendimento. "Sua mente prodigiosa apo­derava-se das verdades mais profundas". Contudo, "sua alma era, de fato, um santuário do Espírito Santo". Sob aparente calma exterior, ardia nele o fogo divino, como um vulcão.

Os crentes atuais devem a esse herói, graças à sua per­severança em orar e estudar sob a direção do Espírito, a volta às várias doutrinas e práticas da igreja primitiva. Grande é o fruto da dedicação do lar em que Edwards nas­ceu e se criou. Seu pai foi o amado pastor de uma só igreja durante um período de sessenta e quatro anos. Sua piedosa mãe era filha de um pregador que pastoreou uma igreja durante mais de cinqüenta anos.

Dez das irmãs de Jônatas, quatro eram mais velhas do que ele e seis mais novas. "Muitas foram as orações que os pais ofereceram a Deus, para que o único e amado filho fos­se cheio do Espírito Santo, e que se tornasse grande peran­te o Senhor. Não somente oravam assim, fervorosa e cons­tantemente, mas mostravam-se igualmente zelosos em criá-lo para Deus. As orações, à volta da lareira, os estimu­laram a se esforçarem, e seus esforços redobrados os moti­varam a orarem mais fervorosamente... O ensino religioso e permanente resultou em Jônatas conhecer intimamente a Deus, quando ainda criança".Quando Jônatas tinha sete ou oito anos, houve um despertamento na igreja de seu pai, e o menino acostumou-se a orar sozinho, cinco vezes, todos os dias, e a chamar ou­tros da sua idade para orarem com ele.

Citamos aqui as suas palavras sobre esse assunto: "A primeira experiência, de que me lembro, de sentir no ínti­mo a delícia de Deus e das coisas divinas, foi ao ler as pala­vras de 1 Timóteo 1.7: 'Ora, ao Rei dos séculos, imortal, in­visível; ao único Deus seja honra e glória para todo o sem­pre. Amém'. Sentia a presença de Deus até arder o coração e abrasar a alma de tal maneira, que não sei descrevê-la... Gostava de passar o tempo olhando para a lua e, de dia, a contemplar as nuvens e os céus. Passava muito tempo ob­servando a glória de Deus, revelada na natureza e cantan­do as minhas contemplações do Criador e Redentor... An­tes me sentia demasiado assombrado ao ver os relâmpagos e ouvir a troar do trovão. Porém mais tarde eu me regozija­va ao ouvir a majestosa e terrível voz de Deus na trovoada". Antes de completar treze anos, iniciou seu curso em Yale College, onde, no segundo ano, leu atentamente a fa­mosa obra de Locke: Ensaio sobre o entendimento huma­no. Vê-se, nas suas próprias palavras acerca dessa obra, o grande desenvolvimento intelectual do moço: "Achei mais gozo nisso do que o mais ávido avarento, em ajuntar gran­des quantidades de ouro e prata de tesouros recém-adquiridos".

Edwards, antes de completar dezessete anos, diplo­mou-se no Yale College com as maiores honras. Sempre es­tudava com esmero, mas também conseguia tempo para estudar a Bíblia, diariamente. Depois de. diplomar-se, con­tinuou seus estudos em Yale, durante dois. anos e foi então separado para o ministério.

Foi nessa altura que seu biógrafo escreveu acerca de seu costume de dedicar certos dias para jejuar, orar e exami­nar-se a si mesmo.

Acerca da sua consagração, com idade de vinte anos, Edwards escreveu: "Dediquei-me solenemente a Deus e o fiz por escrito, entregando a mim mesmo e tudo que me pertencia ao Senhor, para não ser mais meu em qualquer sentido, para não me comportar como quem tivesse direi­tos de forma alguma... travando, assim, uma batalha com o mundo, a carne e Satanás até o fim da vida".

Alguém assim se referiu a Jônatas: "Sua constante e solene comunhão com Deus, em secreto, fazia com que o rosto dele brilhasse perante o próximo, e sua aparência, semblante, palavras e todo o seu comportamento eram acompanhados por seriedade, gravidade e solenidade".

Aos vinte e quatro anos casou-se com Sara Pierrepont, filha de um pastor, e desse enlace nasceram, como na família do pai de Edwards, onze filhos.

Ao lado de Jônatas Edwards, no Grande Despertamento, estava o nome de Sara Edwards, sua fiel esposa e ajudadora em tudo. Como seu marido, ela nos serve como exemplo de rara intelectualidade. Profundamente estudio­sa, inteiramente entregue ao serviço de Deus, ela era co­nhecida por sua santa dedicação ao lar, pelo modo de criar seus filhos e pela economia que praticava, movida pelas palavras de Cristo: "Para que nada se perca". Mas antes de tudo, tanto ela como seu marido eram conhecidos por suas experiências em oração. Faz-se menção destacada es­pecialmente dum período de três anos, durante o qual, apesar de gozar de perfeita saúde, ficava repetidas vezes sem forças, por causa das revelações do Céu. A sua vida in­teira foi de intenso gozo no Senhor.

Jônatas Edwards costumava passar treze horas, todos os dias, estudando e orando. Sua esposa, também, diaria­mente o acompanhava na oração. Depois da última refei­ção, ele deixava toda a lida, a fim de passar uma hora com a família.

- Mas, quais as doutrinas de que a igreja havia esqueci­do e quais as que Edwards começou a ensinar e a observar de novo, com manifestações tão sublimes?

Basta uma leitura superficial para descobrir que a dou­trina, à qual deu mais ênfase, foi a do novo nascimento, como sendo uma experiência certa e definida, em contras­te com a idéia da Igreja Romana e de várias denominações.

O evento que marcou o começo do Grande Despertamento foi uma série de sermões feitos por Edwards sobre a doutrina da justificação pela fé, que fez os ouvintes senti­rem a verdade das Escrituras, de que toda a boca ficará fe­chada no dia de juízo, e que "não há coisa alguma que, por um momento, evite que o pecador caia no Inferno, senão o bel prazer de Deus".

É impossível avaliar o grau do poder de Deus, derrama­do para despertar milhares de almas, para a salvação, sem primeiro nos lembrarmos das condições das igrejas da Nova Inglaterra, e do mundo inteiro, nessa época. Quem, até hoje, não se admira do heroísmo dos puritanos que co­lonizaram as florestas da Nova Inglaterra? Passara, po­rém, essa glória e a igreja, indiferente e cheia de pecado, se encontrava face com o maior desastre. Parecia que Deus não queria abençoar a obra dos puritanos, obra que existiu unicamente para sua glória. Por isso, no mesmo grau que havia coragem e ardor entre os pioneiros, houve entre seus filhos, perplexidade e confusão. Se não pudessem alcan­çar, de novo, a espiritualidade, só lhes restava esperar o juízo dos céus.O famoso sermão de Edwards, ''Pecadores nas mãos de um Deus irado", merece menção especial.

O povo, ao entrar para o culto, mostrava um espírito le­viano, e mesmo de desrespeito, diante dos cinco pregado­res que estavam presentes. Jônatas Edwards foi escolhido para pregar. Era homem de dois metros de altura; seu ros­to tinha aspecto quase feminino, e o corpo magro de jejuar e orar. Sem quaisquer gestos, encostado num braço sobre a tribuna, segurando o manuscrito na outra mão, falava em voz monótona. Discursou sobre o texto de Deuteronômio 32.35: "Ao tempo em que resvalar o seu pé".

Depois de explicar a passagem, acrescentou que nada evitava, por um momento, que os pecadores caíssem no In­ferno, a não ser a própria vontade de Deus; que Deus esta­va mais encolerizado com alguns dos ouvintes do que com muitas pessoas que já estavam no Inferno; que o pecado era como um fogo encerrado dentro do pecador e pronto, com a permissão de Deus, a transformar-se em fornalhas de fogo e enxofre, e que somente a vontade do Deus indig­nado os guardava da morte instantânea.

Prosseguiu, então, aplicando o texto ao auditório: "Aí está o Inferno com a boca aberta. Não existe coisa alguma sobre a qual vós vos possais firmar e segurar. Entre vós e o Inferno existe apenas a atmosfera... há, atualmente, nu­vens negras da ira de Deus pairando sobre vossas cabeças, predizendo tempestades espantosas, com grandes trovões. Se não existisse a vontade soberana de Deus, que é a única coisa para evitar o ímpeto do vento até agora, serieis des­truídos e vos tornaríeis como a palha da eira... O Deus que vos segura na mão, sobre o abismo do Inferno, mais ou me­nos como o homem segura uma aranha ou outro inseto no­jento sobre o fogo, durante um momento, para deixá-lo cair depois, está sendo provocado em extremo... Não há que admirar, se alguns de vós com saúde e calmamente sentados aí nos bancos, passarem para lá antes de ama­nhã..."

O resultado do sermão foi como se Deus arrancasse um véu dos olhos da multidão para contemplar a realidade e o horror da posição em que estavam. Nessa altura o sermão foi interrompido pelos gemidos dos homens e os gritos das mulheres; quase todos ficaram de pé, ou caídos no chão. Foi como se um furacão soprasse e destruísse uma floresta. Durante a noite inteira a cidade de Enfield ficou como uma fortaleza sitiada. Ouvia-se, em quase todas as casas, o clamor das almas que, até aquela hora, confiavam na sua própria justiça. Esperavam que, a qualquer momento, o Cristo descesse dos céus com os anjos e apóstolos ao lado, e que os túmulos entregassem os mortos que neles havia.

Tais vitórias, contra o reino das trevas, foram ganhas de joelhos. Edwards não abandonara, nem deixara de go­zar os privilégios das orações, costume que vinha desde a meninice. Continuou a freqüentar, também, os lugares so­litários na floresta onde podia ter comunhão com Deus. Como um exemplo citamos a sua experiência com a idade de trinta e quatro anos, quando entrou na floresta, a cava­lo. Lá, prostrado em terra, foi-lhe concedido ter uma visão tão preciosa da graça, amor e humilhação de Cristo como Mediador, que passou uma hora vencido por uma torrente de lágrimas e pranto.

Como era de esperar, o Maligno tentou anular a obra gloriosa do Espírito Santo no "Grande Despertamento", atribuindo tudo ao fanatismo. Em sua defesa Edwards es­creveu : "Deus, conforme as Escrituras, faz coisas extraor­dinárias. Há motivos para crer, pelas profecias da Bíblia, que sua obra mais maravilhosa seria feita nas últimas épo­cas do mundo. Nada se pode opor às manifestações físicas, como as lágrimas, gemidos, gritos, convulsões, falta de for­ças... De fato, é natural esperar, ao lembrarmo-nos da re­lação entre o corpo e o espírito, que tais coisas aconteçam. Assim falam as Escrituras: do carcereiro que caiu perante Paulo e Silas, angustiado e tremendo; do Salmista que ex­clamou, sob a convicção do pecado: 'Envelheceram os meus ossos pelo meu bramido durante o dia todo' (Salmo 32.3); dos discípulos, que, na tempestade do lago, clama­ram de medo; da Noiva, do Cântico dos Cânticos, que fi­cou vencida, pelo amor de Cristo, até desfalecer..."

Certo é que na Nova Inglaterra começou, em 1740, um dos maiores avivamentos dos tempos modernos. É igual­mente certo que este movimento se iniciou, não com os ser­mões célebres de Edwards, mas com a firme convicção deste, de que há uma "obra direta que o Espírito divino faz na alma humana". Note-se bem: Não foram seus sermões mo­nótonos, nem a eloqüência extraordinária de alguns, como Jorge Whitefield, mas, sim, a obra do Espírito Santo no co­ração dos mortos espiritualmente, que, "começando em Northampton, espalhou-se por toda a Nova Inglaterra e pelas colônias da América do Norte, chegando até a Escó­cia e a Inglaterra". De uma época de maior decadência, a Igreja de Cristo, entre a população escassa da Nova Ingla­terra, despertou e foram arrebatadas de trinta a cinqüenta mil almas do Inferno durante um período de dois a três anos.

No meio das suas lutas, sem ninguém esperar, a vida de Jônatas Edwards foi tirada da Terra. Apareceu a varíola em Princeton e um hábil médico foi chamado de Filadélfia para inocular os estudantes. O nosso pregador e duas de suas filhas foram também vacinados. Na febre que resul­tou, as forças de nosso herói diminuíram gradualmente até que, um mês depois, faleceu.

Assim diz um de seus biógrafos: "Em todo o mundo onde se falava o inglês, era considerado o maior erudito desde os dias do apóstolo Paulo ou de Agostinho".

Para nós, a vida de Jônatas Edwards é uma das muitas provas de que Deus não quer que desprezemos as faculda­des intelectuais que Ele nos concede, mas que as desenvol­vamos, sob a direção do Espírito Santo, e que as entregue­mos desinteressadamente para o seu uso.

O ARTIGO BREVE VAI CONTINUAR.....

 

         MAIS ASSUNTOS:WWW.PENTECOSTALTEOLOGIA.BLOGSPOT.COM

        MAIS ASSUNTOS:WWW.MAURICIOBERWALDOFICIAL.BLOGSPOT.COM