Translate this Page

Rating: 3.0/5 (914 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Dicipulado biblico diversos assuntos n.4
Dicipulado biblico diversos assuntos n.4

    DISCIPULADO BIBLICO DIVERSOS ASSUNTOS N.4

 

      DISCIPULADO 'O VALOR DO ESTUDO DA BIBLIA'              

                  O VALOR DE ESTUDAR A BIBLIA

 

Salmos 119.11-19.

 

11 - Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti.

12 - Bendito és tu, ó Senhor! Ensina-me os teus estatutos.

13 - Com os meus lábios declarei todos os juízos da tua boca.

14 - Folgo mais com o caminho dos teus testemunhos do que com todas as riquezas.

15 - Em teus preceitos meditarei e olharei para os teus caminhos.

16 - Alegrar-me-ei nos teus estatutos; não me esquecerei da tua palavra.

17 - Faze bem ao teu servo, para que viva e observe a tua palavra.

18 - Desvenda os meus olhos, para que veja as maravilhas da tua lei.

19 - Sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos.

 

Estudo: Investigação, ou pesquisa de algum assunto.

 

Nesta lição, iremos enfatizar a importância do estudo dedicado das Escrituras. Estudar a Bíblia é muito mais do que apenas lê-la. Na simples leitura encontramos alguns benefícios para a mente e para a alma. Mas, no estudo, há maior aproveitamento do conteúdo e da mensagem exarados neste Santo Livro.

 

  1. O QUE É LER A BÍBLIA

 

  1. Leitura comum.Em Atos, lemos o relato do encontro de Felipe com o mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes. A Bíblia conta-nos que aquele ilustre homem, vindo de Jerusalém, assentado em seu carro, "lia o profeta Isaías" (At 8.27,28), mas não entendia absolutamente nada. Há, em toda parte, nas igrejas, pessoas que, a despeito de afirmarem com orgulho, "Já li a Bíblia toda tantas vezes", não conseguem apreender nada ou quase nada dela. Ler não é a mesma coisa que estudar.
  2. Leitura persistente.A Palavra de Deus nos adverte: "Persiste em ler, exortar e ensinar" (1 Tm 4.13). Há muitos crentes que começam a leitura da Bíblia em Janeiro, com o firme propósito de lê-la diariamente até o final do ano. Mas, infelizmente, poucos são os que conseguem alcançar esse objetivo. Falta-lhes disciplina e persistência.

 

 

  1. O ESTUDO SIGNIFICATIVO DA BÍBLIA

 

  1. O que é estudar.Estudar consiste no processo de concentrar toda a atenção em um fato, assunto, ou objeto com o fim de apreender-lhe a essência, funcionalidade, utilização, relações de causa e consequências. Estudar exige do estudante certas aptidões intelectuais tais como: aprender a ver, ouvir, redigir, ler, memorizar e raciocinar.

Todo cristão, especialmente os alunos da Escola Dominical, precisa estudar com afinco as Sagradas Escrituras, tendo em vista a necessidade de apreender sua mensagem, essência e significado.

  1. O estudo aplicado da Bíblia.O estudioso da Bíblia deve procurar "conhecer a sabedoria e a instrução" para entender as palavras da prudência (Pv 1.2). O estudo das Escrituras conduz o crente à sabedoria, em todos os aspectos da vida. Entretanto, devemos ter cuidado para que o aprendizado não seja meramente teórico ou mnemônico. O estudo bíblico deve ter como principal objetivo a prática dos princípios divinos na vida cristã diária.

 

 

III. BENEFÍCIOS NO ESTUDO DA BÍBLIA

 

  1. Crescer em conhecimento.Todo crente necessita ler e estudar a Bíblia diariamente, para crescer no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo (2 Pe 3.18). Infelizmente, há em muitas igrejas, crentes fracos, franzinos, raquíticos espiritualmente, por falta de alimento, que é o conhecimento da Palavra de Deus.
  2. Evitar as "meninices".Quando os crentes não lêem a Bíblia, nem tampouco a estudam, quase sempre, portam-se como meninos espirituais. Daí, porque há tanto emocionalismo nos cultos em muitas igrejas. Conforme afirma as Escrituras, tais pessoas, por não estarem fundamentadas na Palavra, são levadas "em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente" (Ef 4.14; Os 4.6; 6.3; Pv 4.7).
  3. Meditação."Oh! Quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia!" (Sl 119.97). Como vemos, o salmista tinha prazer em ler e meditar na Palavra de Deus. Meditar é ter uma atitude interior de reflexão, ponderação, e exame daquilo que estamos pensando. Hoje, com a agitação da vida moderna, é muito difícil refletirmos habitualmente.
  4. Prevenção.Precisamos ter a Palavra de Deus escondida em nosso coração para não pecarmos contra o Senhor (Sl 119.11). Um dos fatores que mais contribuem para a queda do crente é a falta de prevenção. Orar (Mt 26.41), ler e estudar a Bíblia, de maneira que o coração e a mente fiquem saturados da Palavra de Deus, são atitudes preventivas imprescindíveis para vencermos todas as sutis tentações do Maligno. 

 

 

  1. COMO ESTUDAR A BÍBLIA

 

  1. Com atitude espiritual.
  2. a) Humildade.O estudioso da Bíblia deve curvar-se com humildade diante de Deus. Paulo disse: "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!" (Rm 11.33; Mt 11.25).
  3. b) Fé e oração.O estudioso da Bíblia só poderá extrair dela lições aplicáveis à sua vida se tiver fé. A oração e a fé são as chaves que abrem as portas da percepção das verdades emanadas da Palavra de Deus.
  4. c) Santidade.A Bíblia determina que devemos ser santos em toda a maneira de viver (1 Pe 1.15). A leitura e o estudo da Bíblia devem levar o estudioso a não pecar contra Deus (Sl 119.11). "Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade" (Jo 17.17).
  5. Com atitude intelectual.
  6. a) Método.Um método simples, porém eficaz de leitura bíblica, é seguir uma tabela de leitura, que se encontra em muitas Bíblias. Outro método, também simples, é ler três capítulos por dia, de segunda a sexta-feira, e cinco capítulos aos domingos e feriados.
  7. b) Anotações.Ao ler um texto bíblico, o estudante, ou o estudioso, deve ter o hábito de destacar certos aspectos relevantes, que observa. Poderá sublinhar o que lhe chama a atenção; e poderá anotar à margem, termos ou frases, que são significativas, no estudo, ou ter uma caderneta de anotações.
  8. c) Observar regras de interpretação bíblica.O estudioso da Bíblia pode conhecer as regras de interpretação, adquirindo um bom livro de Hermenêutica.

 

CONCLUSÃO

 

A Bíblia não é apenas um livro; nem mais um livro entre tantos outros. Ela é a Palavra de Deus. O crente deve valorizar não somente a leitura, mas, principalmente, o estudo sistemático, diário e persistente do Sagrado Livro. É de grande proveito para a formação do caráter cristão, individual, familiar, e de toda a igreja local. O estudo bíblico contribui decisivamente para o crescimento na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo.

 

 

“Ler e Compreender, atos necessários à exegese

A exegese bíblica é a extração, explicação, narração ou interpretação dos textos bíblicos. No entanto, o comentário da perícope bíblica, tradicionalmente chamado de exegese, somente é realizado pelo exegeta após a compreensão do texto em análise. Portanto, antes de explicar o texto é necessário compreendê-lo. Essa dimensão da interpretação foi captada maestricamente pelo filósofo do sentido, Paul Ricoeur, quando afirmou que 'a exegese se propõe a compreender um texto a partir de sua intenção, sobre o fundamento daquilo que esse texto significa'. Logo, a exegese quanto ciência da interpretação, se ocupa da compreensão e explicação do texto; isto é, do entendimento, elucidação do contexto, de sua trama, contextura e das conexões lógicas que existem entre as diferentes partes do texto a fim de torná-lo coerente. Logo, dois binômios são necessários à tarefa da exegese: compreenderexplicar. O primeiro procede da investigação metódica e conscienciosa do exegeta, enquanto o segundo, do resultado derivado da análise".

(HORTON, S. M. Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.586-7.)

 

 

A Exegese é a ciência da compreensão e explicação de textos, isto quer dizer que devemos acima de tudo entender que na prática existe um abismo entre "ler" e "compreender", embora no grego neotestamentário as duas palavras estejam etimologicamente relacionadas. É possível ler um texto das Escrituras e não compreender o sentido ou a mensagem do mesmo. O eunuco de Atos 8.30-35 lia, mas não compreendia. A leitura deve nos conduzir a uma compreensão do texto, pois o próprio ato de ler leva-nos ao de compreender.

Postado por GOSPEL GOSPEL BRASIL 

 

 

 

.... DISCIPULADO 'DEUS FALA CONOSCO '

                                

                                      DEUS FALA CONOSCO

 

Salmos 29.1-10.

 

1 - Dai ao SENHOR, ó filhos dos poderosos, dai ao SENHOR glória e força.

2 - Dai ao SENHOR a glória devida ao seu nome; adorai o Senhor na beleza da sua santidade.

3 - A voz do SENHOR ouve-se sobre as águas; o Deus da glória troveja; o SENHOR está sobre as muitas águas.

4 - A voz do SENHOR é poderosa; a voz do SENHOR é cheia de majestade.

5 - A voz do SENHOR quebra os cedros; sim, o SENHOR quebra os cedros do Líbano.

6 - Ele os faz saltar como a um bezerro; ao Líbano e Siriom, como novos unicórnios.

7 - A voz do SENHOR separa as labaredas do fogo.

8 - A voz do SENHOR faz tremer o deserto; o SENHOR faz tremer o deserto de Cades.

9 - A voz do SENHOR faz parir as cervas e desnuda as brenhas. E no seu templo cada um diz: Glória!

10 - O SENHOR se assentou sobre o dilúvio; o SENHOR se assenta como Rei perpetuamente.

 

Embora Deus seja o Todo-Poderoso, Ele sempre procurou comunicar-se de modo pessoal com o homem. Isso não é maravilhoso?! Você tem ouvido a voz do Pai? Como está a sua comunicação com o Altíssimo? Estamos vivendo na era da informática e da comunicação, todavia, devido ao corre-corre da vida diária, e diante das muitas vozes, muitos já não conseguem mais ouvir ou reconhecer a voz do Pai. Por isso, queremos desafiá-lo a não se limitar, somente a buscar a ajuda de Deus, a ter somente um diálogo unilateral, mas desejamos que você almeje estabelecer canais autênticos de comunicação com o Pai. Ele deseja falar com você diariamente. Ouça-O. 

 

Comunicar: Do latim comunicare, significa “pôr em comum”, “ligar”, “fazer saber”, “estabelecer comunicação”.

 

Os deuses, criados pela imaginação humana, eram inacessíveis aos seus adoradores. Os doze do Olimpo, por exemplo, não desciam para ouvir ou falar com os gregos. O mesmo tem acontecido com os adoradores dos deuses falsos das muitas religiões não-cristãs dos nossos dias. Eles não podem dirigir-se aos seus deuses diretamente. Somente o fazem através de intermediários, também falsos. Todavia, o Deus da Bíblia, desde o princípio se comunica com suas criaturas. Por intermédio de Jesus Cristo, o ser humano tem livre acesso a Deus, seu soberano Senhor, e criador de todas as coisas, visíveis e invisíveis (Cl 1.16).

 

  1. A COMUNICAÇÃO DIRETA

 

  1. Na criação.A Bíblia nos mostra com clareza que desde o princípio Deus se comunicava com o homem de forma direta. Ao criá-lo, imediatamente infundiu-lhe o fôlego da vida, transformando-o em alma vivente. "E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente" (Gn 2.7).
  2. Evitando a solidão.Antes da Queda, o homem se comunicava com Deus livremente. Todavia, o Eterno percebera que sua criatura necessitava de algo mais. Ela precisava relacionar-se com alguém da mesma natureza. Foi aí que o Senhor decidiu criar a mulher a fim livrar o homem da solidão (Gn 2.18,22,23).
  3. A comunicação com o primeiro casal.Não se sabe quanto tempo nossos primeiros pais viveram em perfeita harmonia, antes de pecarem. O fato é que antes da entrada do mal no mundo, Deus costumava conversar com o casal pela "viração do dia" (Gn 3.8a). Certamente, o Senhor propiciava a Adão e Eva momentos agradabilíssimos de conversa e aprendizado, enchendo-os de muita paz e indizível alegria.

 

 

  1. EFEITOS DA QUEDA

 

  1. A comunicação prejudicada.Com a Queda, o homem perdeu a comunhão e a comunicação com o Criador. Antes, Adão e Eva deleitavam-se em ouvir a suave e melódica voz do Altíssimo. Agora, com o advento do pecado, o medo apoderou-se deles dificultando-lhes o pleno relacionamento com Deus (Gn 3.8-10).
  2. O conhecimento da discórdia.Inquirido sobre seu pecado, o homem pôs-se a culpar sua companheira que, por sua vez, culpou a serpente (Gn 3.9-13). Eis aí a primeira desavença entre os seres humanos e suas funestas consequências. Na maioria das vezes, os homens não se entendem em função da incapacidade de assumirem os próprios erros. Satanás continua enganando aos que se descuidam do relacionamento com Deus (2 Co 11.3). Para lograr êxito nesse intuito, transfigura-se até mesmo em anjo de luz (2 Co 11.14).
  3. A maldição da serpente e a redenção prenunciada.Quase ninguém se sente bem ao lado de uma serpente. Ela nos causa sentimento de pavor e asco, talvez por ser símbolo da maldição e do Diabo (Ap 12.9; 20.2). Após a Queda, Deus pôs inimizade entre a serpente e a mulher. Esta foi condenada a sentir fortes dores no parto, passando a ser dominada pelo marido (Gn 3.16; Ef 5.24). Naquele ambiente tenso, Deus também condenou a serpente, e anunciou a redenção da humanidade através da "semente da mulher", que é Cristo Jesus, nosso Salvador (Gn 3.14,15).

 

 

III. DEUS COMUNICA SE COM O HOMEM

 

Deus é transcendente e imanente. Ou seja, a despeito de habitar nas alturas mais insondáveis, e apesar de infinito e imenso, não permanece alheio às suas criaturas. Assim, ao longo dos séculos, o Eterno vem se comunicando com o homem; direta ou indiretamente.

  1. Por meio dos patriarcas.Deus falou com Noé, anunciando-lhe a destruição do gênero humano (Gn 6.1-7). Também se comunicou com Abraão, ordenando-lhe que saísse do meio de sua parentela a fim de torná-lo uma bênção para todas as famílias da terra (Gn 12.1-3). O Senhor ouviu as orações de Isaque, falou com Jacó, e fez-lhes grandiosas promessas (Gn 25.21-23; 28.13-15). O Todo-Poderoso sempre se comunicou com homens, transmitindo-Ihes sua vontade.
  2. Por meio dos profetas.No Antigo Testamento, Deus usou diversos profetas para transmitir sua poderosa mensagem. Por intermédio desses valorosos arautos, falou o Senhor ao povo, aos reis, aos juízes e tantos quanto quis revelar sua vontade (Hb 1.1,2). Ao profeta Moisés, falou diretamente (Êx 3.1-22; At 3.22). Em o Novo Testamento, usou de modo especial a boca de João Batista, Ágabo, entre outros. Todos esses homens foram porta-vozes dos oráculos divinos à humanidade.

 

 

  1. A COMUNICAÇÃO PELA REVELAÇÃO

 

Deus também se comunica através de suas várias maneiras de se revelar aos homens.

  1. Revelação geral ou natural.É aquela em que o Senhor se revela por meio da natureza e da consciência humana. No que concerne à natureza, a Bíblia nos é clara: "Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos" (Sl 19.1; Rm 1.19,20). Quanto à consciência, Deus se utiliza da comunicação não-verbal para revelar aos homens toda sua vontade, como vemos em sua Palavra"... os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os" (Rm 2.15). A revelação geral ou natural é dirigida a todos os homens, e pode ser absorvida pela razão.
  2. Revelação especial.É aquela em que Deus emprega duas formas especiais para se comunicar com o homem: a Palavra escrita e Cristo.
  3. a) Por meio da Palavra.Deus ordenou a Moisés que escrevesse sua mensagem revelada "num livro" (Êx 17.14). A revelação escrita substituiu a tradição oral, como testemunho da existência e comunicação de Deus (Êx 34.27; Jr 30.2; Ap 1.19). Essa revelação escrita é chamada de Escritura (2 Tm 3.16), ou Escrituras (Mt 22.29; 26.56).
  4. b) Por meio de Cristo.Essa revelação é sublime (Jo 1.14,18). Não se trata de uma comunicação através das palavras de um profeta, mas da revelação de Deus por meio de uma Pessoa santíssima e co-eterna com o Pai (Jo 1.1; 14.9; Hb 1.1-3). O propósito da revelação especial é conduzir o homem a Deus (Jo 14.6-11). Nela, encontramos o plano divino para a salvação de todo ser humano.

A revelação especial de Deus foi dada aos homens tanto pelas Escrituras quanto pelo Verbo de Deus. Estes são os mais completos meios pelos quais Deus se revelou à humanidade (Mt 22.29; Jo 5.39).

 

 

CONCLUSÃO

 

Deus sempre quis comunicar-se com o homem. Nas Sagradas Escrituras, vemos isso com muita clareza. No Éden, de forma direta, Deus falava com Adão. Depois da Queda, afastou-se dele. Mas, através da revelação escrita, a Bíblia, e de sua revelação pessoal, Cristo, o Senhor demonstra o seu amor para com a humanidade. Na verdade, Deus se comunica com o homem, porque Ele "quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade" (1 Tm 2.4).

 

 

“A revelação de Deus à humanidade

Se admitimos que Deus de fato fala, é a Bíblia o único meio de Ele se comunicar conosco? Deus também torna-se conhecido, até certo ponto, a todas as pessoas mediante a criação e através da consciência. Tal maneira de Deus falar é usualmente chamada de revelação geral ou natural. Os capítulos 1 e 2 da epístola aos Romanos esboça a forma pela qual Ele fala conosco. Romanos 1.20 refere-se ao conhecimento divino disponível a todas as pessoas, em todos os lugares; é o conhecimento colhido junto à natureza: "Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder como a sua divindade, se entendem e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis [...].

A Bíblia afiança que Deus fala através da consciência do indivíduo (Rm 2.14,15). O próprio fato de que as pessoas, em todos os lugares, possuem uma consciência, uma idéia de certo e errado que se coaduna com a Bíblia, mostra-nos que há uma autoridade acima de cada indivíduo e das circunstâncias. Até aqueles que rejeitaram a Bíblia retêm a consciência, embora esta opere à base daquilo em quem se acredita ser o certo e o errado".(MENZIES, W. W.; HORTON, S. M. Doutrinas Bíblicas: os Fundamentos da Nossa Fé. RJ: CPAD, 2005, pp.17,18.)

 

 

 

A pós-modernidade é conhecida como a era da informação, do conhecimento, dos meios de comunicação, isso se deve ao grande avanço tecnológico. Podemos nos comunicar, com uma pessoa que está do outro lado do mundo em fração de segundos. O avanço da informação e da tecnologia é algo salutar, todavia, parece existir um grande paradoxo quando o assunto é comunicação. Isso porque, diante de tantos recursos tecnológicos que facilitam a comunicação (celulares com tecnologia 3G, internet, computadores de bolso, etc), podemos ver e perceber que existem tantas pessoas solitárias e deprimidas. Isso se deve ao fato de os relacionamentos, a cada dia, se tornarem mais "frios", superficiais, instantâneos e distantes. As pessoas estão se isolando. Muitos não querem mais "perder" tempo com o outro. Alguns relacionamentos se tornaram descartáveis. Precisamos voltar ao primeiro amor e estabelecer canais autênticos e verdadeiros de comunicação com nossos irmãos. Somos a Igreja do Senhor, temos comunicação direta com o Pai e podemos também ter relacionamentos saudáveis com nossos irmãos em Cristo. Que entre nós não haja pessoas solitárias.

Postado por GOSPEL GOSPEL BRASIL

 

 

 

 

 

 

DISCIPULADO 'A INVERSÃO DE VALORES'

                  

                        A INVERSÃO DE VALORES

 

Mateus 23.13-19,28.

          

13 - Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que fechais os homens o Reino dos céus; e nem vós entrais, nem deixais entrar aos que estão entrando.

14 - Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que devorais as casas das viúvas, sob pretexto de prolongadas orações; por isso, sofrereis mais rigoroso juízo.

15 - Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós.

16 - Ai de vós, condutores cegos! Pois que dizeis: Qualquer que jurar pelo templo, isso nada é; mas o que jurar pelo ouro do templo, esse é devedor.

17 - Insensatos e cegos! Pois qual é maior: o ouro ou o templo, que santifica o ouro?

18 - e o que jurar pelo altar, isso nada é; mas aquele que jurar pela oferta que está sobre o altar, esse é devedor.

19 - Insensatos e cegos! Pois qual é maior: a oferta ou o altar, que santifica a oferta?

28 - Assim, também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.

 

 

Palavra Chave

Valores: Normas ou princípios morais que orientam a conduta das pessoas.

 

A palavra “valor” origina-se do latim e significa “ser digno”. “Valores”, no contexto desta lição, referem-se aos princípios éticos e sociais aceitos por uma pessoa ou grupo, isto é, ao comportamento humano; suas regras e padrões.

Atualmente, tem havido uma “inversão” desses valores: a ética e a moral cristãs, antes aprovadas pela sociedade, vêm sendo sistematicamente substituídas por princípios amorais mundanos (Is 5.18-25; Cl 2.8). Em 2 Pedro 1.3-10, a Palavra de Deus estabelece os princípios éticos, as virtudes e valores necessários à boa conduta dos filhos de Deus.

 

  1. INVERSÃO DOS VALORES BÍBLICO-CRISTÃOS

 

  1. Causas da inversão dos valores.Ao folhearmos alguns jornais e revistas seculares, constatamos o quanto os valores éticos e morais cristãos têm sido desprezados pela sociedade pós-moderna. Vejamos as causas:
  2. a) Ascensão do relativismo moral.Segundo esta teoria filosófica, não existe norma moral ou ética válida para todas as pessoas. As normas variam de cultura para cultura, de pessoa para pessoa. Cada um vive conforme as regras que estabeleceu para si mesmo. Assim, há uma ética para o cristão, outra para o ateu e uma terceira para os que não se enquadrem nas anteriores. Não existe, de acordo com esse pensamento mundano, normas, verdades ou valores que sirvam para todas as pessoas em todos os lugares.
  3. b) Manifestação social do pluralismo.O pluralismo reconhece que há uma multiplicidade de culturas, religiões e posições éticas e morais conflitantes. Essa doutrina filosófica, todavia, diz que essas posições contraditórias podem coexistir, como se cada uma delas trouxesse uma parte da verdade e, nenhuma a verdade completa ou absoluta. Assim, a verdade encontra-se em cada sistema religioso, filosófico ou moral. Então, segundo esse pensamento, o cristianismo traz uma parte da verdade, o budismo outra e assim sucessivamente Segundo o pluralismo, assumir e respeitar diferentes valores em uma sociedade em constante mudança é uma manifestação de empatia e tolerância com o outro.
  4. c) Crescente mundanismo.O mundanismo faz constante oposição à Igreja e aos valores cristãos (Tg 4.4; 1 Jo 2.15-17). A sociedade organizada e rebelada contra Deus, tem estabelecido suas próprias leis, sem a menor consideração aos mandamentos divinos. O que temos visto, infelizmente, é o sagrado e o religioso curvarem-se ante o profano e o secular; até mesmo em certas denominações evangélicas.
  5. Os valores cristãos invertidos.Há uma lista considerável de princípios bíblicos que não apenas foram desvalorizados, mas ultrajados pela sociedade pós-moderna. Vejamos:
  6. a) Quanto ao casamento:Atualmente, em algumas sociedades, já se aceita a abominável união entre pessoas do mesmo sexo. É um atentado contra a Palavra de Deus, a família e os valores cristãos. O Senhor instituiu e abençoou apenas a união entre homem e mulher (Gn 1.27,28; 2.22-24). Quanto aos que querem mudar a ordem natural da criação, (Lv 19.22; Rm 1.26-32) serão amaldiçoados. A Bíblia é implacável neste caso: “Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos... herdarão o Reino de Deus” (1 Co 6.9,10 - NVI).
  7. b) Quanto à família:As virtudes cristãs concernentes à família estão sendo substituídas por valores anticristãos: filhos que não respeitam os pais; pais permissivos quanto à moralidade; e a substituição do culto doméstico por entretenimentos perniciosos etc.
  8. c) Quanto à igreja:Nesses “tempos trabalhosos”, muitas comunidades cristãs valorizam mais o “ministério” bem-sucedido do pregador que a santidade e o testemunho mantido por ele; mais o marketing ministerial do que os verdadeiros sinais do poder de Deus. Pregadores santos e tementes a Deus são preteridos por aqueles que buscam o louvor próprio em vez da glória de Cristo. 

 

  1. FUNDAMENTOS DOS VALORES CRISTÃOS

 

  1. Os valores cristãos.Os valores cristãos estão pautados nas Sagradas Escrituras e são opostos aos do mundo. Enquanto cremos na existência de um só Deus, cujas leis regem não apenas o Universo, mas nossas vidas, planos e vontades, a cultura mundana nega a existência do Altíssimo, e seus adeptos vivem como se o Senhor realmente não existisse (Sl 14; 53).
  2. Os três fundamentos.Os princípios cristãos possuem, pelo menos, três fundamentos básicos: são universais, absolutos e imutáveis.
  3. a) Universais.Os valores cristãos são universais por estarem fundamentados na moral divina. Nosso Deus é um ser moral. Seus atributos atestam que Ele é santo (Lv 11.44; 1 Sm 2.2), justo (2 Cr 12.6; Ed 9.15), bom (Sl 25.8; 54.6), e verdadeiro (Jr 10.10; Jo 3.33). Portanto, o Senhor é o padrão moral daquilo que é santo - oposto ao pecado -, daquilo que é justo - oposto a injustiça -, daquilo que é bom - oposto ao que é mau, e daquilo que é verdadeiro - oposto à mentira. Tudo o que é puro, justo, bom e verdadeiro têm sua origem no caráter moral de Deus. Por conseguinte, os valores morais são universais porque procedem de um Legislador Moral universal.
  4. b) Absolutos.Absoluto é aquilo que não depende de outra coisa, mas existe por si mesmo. Os valores cristãos são absolutos porque procedem de um Deus pessoal que não depende de qualquer outro ser para existir, Ele é eterno (Dt 33.27; Sl 10.16); existe por si mesmo (Êx 3.14), e tem a vida em si mesmo (Jo 5.26). Deus também é absoluto porque não está sujeito às épocas (1 Tm 1.17; 2 Pe 3.8; Jd v.25). Ele governa eternamente o Universo (Sl 45.6; 145.13), e seu reinado é de justiça (Hb 1.8).
  5. c) Imutáveis.Imutável é a qualidade daquilo que não muda. Os valores cristãos são imutáveis porque o Senhor Deus é imutável. Ele não muda (1 Cr 29.10; Sl 90.2), é o mesmo em todas as épocas (Hb 13.8; Tg 1.17). Suas leis se conformam ao seu caráter moral, pois Ele é fiel (2 Tm 2.13). Portanto, devemos viver conforme a orientação de sua Palavra..

 

III. COMO REAGIR À INVERSÃO DE VALORES

 

  1. Denunciar o pecado e os valores mundanos.Devemos confrontar com a Palavra de Deus, os princípios amorais e antiéticos difundidos através de filmes, peças teatrais, novelas, músicas e revistas (Hb 4.12; Ez 44.23). Certo diretor afirmou que “o cinema e a televisão suplantaram a igreja como grandes comunicadores de valores e crenças”. Mas, quais são a estes valores e crenças? Geralmente, são padrões e crenças anticristãs. A Igreja, “coluna e firmeza da verdade” (1 Tm 3.15), tem como missão, não apenas anunciar o evangelho, mas denunciar os pecados e os valores mundanos dos homens (1 Tm 1.18-20).
  2. Ensinar e viver os valores do Reino de Deus.Como Igreja do Senhor, temos a obrigação de viver e ensinar os mais elevados princípios éticos e morais do Reino de Deus (Lv 20.7; 1 Pe 1.16). A verdadeira mensagem do evangelho não se conforma aos discursos politicamente corretos, mas aos elevados padrões da santidade divina (Mt 5.20, 48; 1 Tm 3.15; 6.11).

 

 “Aceitando o Desafio

[...] A Igreja permanece verdadeira ao seu caráter preservando suadistinguibilidade. Ela não faz nenhum favor à sociedade adaptando-se à cultura popular prevalecente, porque falha em sua tarefa justamente no ponto em que deixa de ser ela mesma. A Igreja não tem uma ética social, mas é uma ética social, [...] na medida em que é uma comunidade que pode ser claramente distinta do mundo. Pois o mundo não é uma comunidade e não tem tal história, visto que está baseado na pressuposição de que os seres humanos, e não Deus, governam a história. Quando a Igreja adota uma ética moral formada pela cultura popular prevalecente, está negando sua natureza. Antes, a Igreja tem de expressar a ética social que já encarna; tem de transmitir a história de Cristo, uma história que continuamente causa impacto nas relações sociais dos seres humanos [...]”.

(PALMER, M. D. (org.) Panorama do pensamento cristão. RJ: CPAD, 2001, p. 314.)

 

Os princípios, leis ou normas que regem a vida cristã encontram-se nos inúmeros mandamentos morais, sociais e religiosos descritos nas Sagradas Escrituras. Podemos afirmar que a base da ética bíblica e dos valores cristãos é o santíssimo caráter de Deus. As Escrituras, nossa única fonte legítima da vontade de Deus, expressam a vontade de Deus para o seu povo. Os inúmeros mandamentos éticos e morais da Bíblia revelam a natureza santa, ética e moral de Deus. Portanto, o estudo dos valores e da ética cristã tem como base o caráter santo de Deus. Como você já sabe: Deus é santo (Lv 11.44; 1 Sm 2.2), justo (2 Cr 12.6; Ed 9.15), bom (Sl 25.8; 54.6), e verdadeiro (Jr 10.10; Jo 3.33). 

Postado por GOSPEL GOSPEL BRASIL

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net