Translate this Page

Rating: 3.0/5 (889 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

esboço do livro de Apocalipse (escatologia)
esboço do livro de Apocalipse (escatologia)

Esboço do livro de Apocalipse

 

O Apocalipse é um livro de mui difícil interpretação. Isto é um fato reconhecido por todos os estudiosos das Es­crituras.

 Apocalipse é o apogeu da revelação divina. É qual um imenso caudal onde desembocam todos os rios (livros), tanto os do Antigo, como os do Novo Testamento. Ele é o oposto do livro de Gênesis. Este é o livro dos começos; aquele, o das consumações. É também o Apocalipse a resposta da oração do povo de Deus em todos os tempos: “Ve­nha o teu reino”.

 Deus divide a raça humana em três grupos, a saber: ju­deus, gentios e a Igreja de Deus (1 Co 10.32), e na sua Pala­vra Ele apresenta uma mensagem definida para cada um desses três grupos. Por exemplo, o livro de Daniel, trata somente de judeus e gentios. Nos Evangelhos temos a aparição ou manifestação da mensa­gem divina para a Igreja, e nas Epístolas a explanação des­sa mensagem. Já no Apocalipse temos a mensagem final de Deus para os judeus, gentios e a Igreja.

 Contém o livro a última mensagem de Jesus à Igreja, uma mensagem referente à sua volta: “Certamente venho sem demora” (22.20). Daí dizer-se que nos Evangelhos so­mos levados a crer em Cristo; nas Epístolas somos levados a amá-lo; e no Apocalipse somos levados aesperá-lo.

 

1       Advertência aos estudantes das Escrituras. É bom que cada estudante leia agora 1 Coríntios 2.10-16 e medite cuidadosamente em cada um de seus versículos. Os versí­culos 14 e 15, na Versão ARC (Almeida Revisada e Corrigi­da), advertem o seguinte: “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se dis­cernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido”.

 O homem espiritual a que se refere o versículo 15 é aquele que é nascido do Espírito, que é submisso ao Espíri­to, que é guiado pelo Espírito, que é possuído pelo Espíri­to, que é cheio do Espírito. Por sua vez, o discernimento re­ferido nos ditos versículos é aquele que dimana da opera­ção do Espírito Santo no crente.

 O estudante precisa distinguir corretamente os senti­dos literal, figurado, e simbólico da Escritura, para inter­pretar corretamente o texto bíblico. Por exemplo, sabemos que o cavalo de Apocalipse 19.11 é simbólico devido ao uso simbólico da espada no versículo 15 do mesmo capítulo. Às vezes, o próprio texto adverte que a sua linguagem é figu­rada, como em Apocalipse 17.5, onde a palavra “mistério”indica isto.

 2       O autor do livro é João, o Evangelista, um dos após­tolos de Jesus. Isto é declarado em 1.1,4,9; 22.8. Seu pai, Zebedeu, era homem de posses, pois tinha empregados nas atividades pesqueiras que explorava (Mc 1.20). João foi um dos primeiros discípulos de Jesus (Mt4.21; Mc 1.19). A ele e a seu irmão Tiago, Jesus chamou “Boanerges”, que quer dizer filhos do trovão (Mc 3.17), ou por causa do po­der com que testemunhavam, ou devido ao seu zelo (sem entendimento) ao desejarem fogo do Céu para consumir uma cidade (Lc 9.54,55). É ele sem dúvida, o “discípulo amado” citado em João 13.23; 19.26; 21.20. João, por mo­déstia, escondeu-se atrás dessa frase.

 João assistiu ao julgamento de Jesus e sua crucificação, demonstrando, assim, sua fidelidade, firmeza e amor (Jo 18.15,16; 19.26). Ele integrava o grupo íntimo de discípulos de Jesus, constituído de três deles (Mt 17.1; 26.37; Mc 5.37; 13.3).

 Irineu, nascido cerca de 130 d.C., discípulo de Policarpo, que por sua vez, foi discípulo de João, afirma que após o retorno de João, do seu banimento em Patmos, ele per­maneceu em Éfeso, vivendo ali até sua morte, no reinado de Trajano. 

3       Época e local do livro. Pastoreava João a igreja em Éfeso quando foi banido por Domiciano, em 95 d.C. Voltou a Éfeso no ano seguinte. Nesse meio tempo foi escrito o li­vro. A data comumente aceita é 96 d.C.

 A divisão geral do livro. Jesus mesmo faz essa divisão em 1.19. É uma tríplice divisão:

 

Parte I - CONCERNENTE AO SENHOR

Capítulo 1

São coisas passadas no tempo de João - “coisas que vis­te” (1.19).

 

Parte II - CONCERNENTE À IGREJA

Capítulos 2 e 3

São coisas presentes - “coisas que são” (1.19).

 

Parte III - CONCERNENTE ÀS NAÇÕES

Capítulos 4 a 22

São coisas futuras - “coisas que hão de acontecer” (1-19). 

Nesta última divisão está compreendida a 70ª “semana” de Daniel 9.27, nos capítulos 6 a 19. Apocalipse é, pois, um livro profético: aliás, o único livro profético do Novo Testa­mento. Isso está explicitado em 1.3; 22.7,10,18,19, onde lemos a expressão “as palavras da profecia deste livro”.

 4       Tema do Livro. É a vinda de Jesus em glória, isto é, sua revelação pessoal em glória e poder a Israel e às nações. Isso é declarado no primeiro versículo do livro: “Revelação de Jesus Cristo”. O texto-chave do livro todo está em 1.7: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quan­tos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamenta­rão sobre ele. Certamente. Amém”.

 Uma das formas de estudo da santa Palavra de Deus é a do método sintético, o que inclui o esboço de cada livro. O estudo sintético da Bíblia considera e estuda, entre ou­tras coisas, o seguinte:

 a.       A Bíblia como um todo, isto é, seus 66 livros em con­junto.

b.      Cada grupo de livros da Bíblia como um todo.

c.       Cada livro da Bíblia como um todo.

d.      Esboço de cada livro da Bíblia.

 O método de estudo sintético da Bíblia é prioritário para quem quiser passar à análise dela. Noutras palavras: jamais se deve procurar analisar a Bíblia, seus livros, seus capítulos, versículos, palavras, frases e ideias, sem primei­ro fazer uma acurada e completa síntese de tudo isso. Es­piritualidade, discernimento espiritual, e maturidade são de vital importância aqui - seja síntese ou análise da bíblia.

 O método sintético pode ser comparado ao viajante que sobe à montanha para obter uma visão global e panorâmi­ca de toda a região que pretende conhecer e explorar deta­lhadamente. Em se tratando da Bíblia, significa estudar o conteúdo geral de cada um de seus livros antes de cuidar de sua interpretação e/ou análise. Sintetizar é abreviar, es­boçar; analisar é ampliar decompondo.

 Tema do livro: A revelação pessoal de Cristo em glória, em sua vinda.

 

Cap. 1         - A VISÃO DE CRISTO GLORIFICADO

Caps. 2,3    - A IGREJA NO PASSADO E NO PRESENTE

Cap. 4         - A IGREJA ARREBATADA

Cap. 5         - A IGREJA GLORIFICADA

Caps. 6-18  - A GRANDE TRIBULAÇÃO

Cap. 19       - A VOLTA PESSOAL DE JESUS EM GLÓRIA

Cap. 20   -O MILÊNIO E O JUÍZO FINAL

Cap. 21,22 - O PERFEITO ESTADO ETERNO

 

Uma palavra explicativa sobre cada ponto do esboço:

 

Cap. 1 - A VISÃO DE CRISTO GLORIFICADO 

Trata-se de uma visão de Cristo, como Ele está atual­mente na Glória. 

Caps. 2,3 - A IGREJA NO PASSADO E NO PRESENTE As sete igrejas aí mencionadas representam sete perío­dos da história da Igreja Universal como o corpo de Cristo. Para tanto, basta que se faça um confronto entre as igrejas locais mencionadas nos capítulos 2 e 3 e os períodos da história da Igreja. Quanto às 7 cartas como número representativo, compare-se o fato de que o apóstolo Paulo também escreveu a sete igrejas, quan­do, nos seus dias, existiam muito mais igrejas. Essas sete igrejas foram: Roma, Corinto, Galácia, Éfeso, Filipos, Colossos, e Tessalônica. As suas demais cartas fo­ram dirigidas a pessoas, não a igrejas.

 

Cap. 4 - A IGREJA ARREBATADA 

O arrebatamento à altura dos fatos do capítulo 4, prefigura claramente o arrebatamento da Igreja após sua história neste mundo.

 

Cap. 5 - A IGREJA GLORIFICADA 

Aqui temos representados os santos do Antigo e do Novo Testamento sob a forma de 24 anciãos perante o trono do Cordeiro, integrando um culto em que tomam parte todos os seres celestiais. Trata-se da Igreja já glorificada, após seu arrebatamento.

 

Caps. 6-18 - A GRANDE TRIBULAÇÃO 

A Grande Tribulação é um período de aflição sem para­lelo que sobrevirá aos judeus e aos gentios após o arrebatamento da Igreja. Não há palavras que possam des­crever os horrores do sofrimento nesse período.

É um período de 7 anos, segundo um estudo comparati­vo da Bíblia. Os capítulos 6 a 10 abrangem a primeira metade da Tribulação, isto é, seus primeiros 3 anos e meio. Os capítulos 11 a 18 abrangem a segunda metade dessa Grande Tribulação, isto é, os últimos três anos e meio.

 

Cap. 19 - A VOLTA PESSOAL DE JESUS EM GLÓRIA 

É a última fase da sua volta, sendo a primeira o arreba­tamento da Igreja. No arrebatamento, Jesus virá para os seus santos. Na sua volta em glória, Ele virá com os seus santos para livrar Israel, julgar as nações e estabe­lecer o Milênio.

 Cap. 20 – O MILÊNIO E O JUÍZO FINAL 

O Milênio é o glorioso reinado de Cristo por 1.000 anos aqui na terra. 

O Juízo Final seguir-se-á ao Milênio, ocasião em que todos os ímpios falecidos desde o tempo de Adão res­suscitarão para serem julgados segundo as suas obras.

 

Caps. 21,22 - O PERFEITO ESTADO ETERNO 

Aqui temos um quadro mostrando como serão todas as coisas depois que o pecado for julgado e banido do uni­verso, juntamente com os ímpios e o Diabo. Isto é um quadro da Terra e seus ocupantes quando Deus fizer novas todas as coisas, assim como eram no princípio.

 

SISTEMA DE INTERPRETAÇÃO DO APOCALIPSE

 Há quatro principais sistemas ou escolas de interpreta­ção do livro de Apocalipse. É bom que cada leitor tome co­nhecimento desses sistemas, não esquecendo da advertên­cia que fizemos na introdução do livro.

 Os sistemas mais conhecidos são o futurista, o históri­co, o preterista, e o simbólico. 

O sistema futurista é o que imagina o livro como de cumpri­mento futuro. Considera que a Igreja será arrebatada a qualquer momento, vindo a seguir a Grande Tribulação para Israel e as demais nações da terra, com os juízos divi­nos sob as trombetas, selos e taças da ira de Deus. Há entre os futuristas alguns que ensinam que a igreja passará pelas tribulações, ignorando eles o que a Palavra de Deus decla­ra em 3.10; 1 Tessalonicenses 1.10; Romanos 5.9. Esse dia da ira do Senhor é o período da Grande Tribulação (Ap 6.17). 

O sistema histórico interpreta o Apocalipse como a his­tória bíblica da Igreja, do século primeiro aos tempos atuais. No entender deles, grande parte dessas profecias já estão sendo cumpridas e as demais se estão cumprindo agora mesmo nos acontecimentos mundiais.

 

O sistema preterista interpreta o Apocalipse como sen­do profecias todas cumpridas. João descreveu eventos que ocorreram na terra somente na época do Império Romano. Eles manipulam datas para tudo, inclusive para os dez rei­nos como expressão final do Império Romano. Ora, fatos passados não são mais profecia, estritamente falando: são história. Entretanto, o livro de Apocalipse continua dizendo que ele é uma profecia. (Ler 1.3; 22.7,10,18,19.) 

O sistema simbolista é também chamado idealista e es­piritualista. (Espiritualista, aqui, nada tem com o espiri­tismo.) Este sistema de interpretação ensina que no Apo­calipse tudo é simbólico, representando o conflito entre o bem e o mal. Nesse sistema não há nada de histórico nem de profético, e o que o livro contém são princípios funda­mentais espirituais. O sistema simbolista é, portanto, uma forma de expressão do racionalismo, infelizmente chama­do de racionalismo cristão.

 

Os racionalistas acham que suas próprias opiniões va­lem mais do que a Palavra de Deus. Aquilo da Bíblia que não couber em suas mentes eles recusam como absurdo, como se a Palavra de Deus dependesse do julgamento do homem. Procuram desacreditar o cumprimento literal das profecias de Daniel, Apocalipse, Zacarias, Ezequiel e ou­tros livros da Bíblia. Substituem a inspiração divina pelo raciocínio humano. Noutras palavras: divinizam a razão humana e desprezam a operação interior do Espírito San­to.

 É claro que não estamos aqui para erigir um monumen­to à ignorância, mas também não vamos para o outro ex­tremo e endeusar a sabedoria humana, como habilmente se expressa o respeitado pastor e professor João Pereira de Andrade e Silva.

 Os ensinos bíblicos dos racionalistas, sendo produto ex­clusivo da razão humana, são aparentemente perfeitos, mas... sem vida. São como uma flor artificial - quase per­feita, mas sem vida e sem perfume! Na linguagem mais franca chamemos os racionalistas dehumanistas. São discípulos da filosofia maldita de John Dewey, cujo Mani­festo Humanista, publicado em 1932 continua sua obra de­molidora, negando o sobrenatural e exaltando apenas a ciência e a cultura humanas. A princípio era o humanismo apenas uma filosofia. Hoje é uma religião, um princípio de vida, com multidões de seguidores, dentre todas as cama­das e no mundo inteiro, inclusive influindo em algumas igrejas.

 

FONTE Bibliografia Pr Antonio Gilberto