Translate this Page

Rating: 3.0/5 (891 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


Ética cristã (1) introdução
Ética cristã (1) introdução

                                                         

                                       INTRODUÇÃO GERAL 

                                                Por  John Murray

                                DEFINIÇÃO

O termo ética se deriva do vocábulo grego ethos ou ethos. A palavra ‘maneiras' é usada para denotar conduta ou prática; esse uso corresponde ao significado do termo grego em 1Co15.33, ‘bons costumes' (ethe chresta). A ética se refere, portanto, à maneira de vida ou de conduta. No Novo Testamento o termo usado para denotar a maneira de vida é, mais caracteristicamente, anastrophe, e seu verbo correspondente (cf. 2Pe 3.11). A ética bíblica diz respeito à maneira de vida que a Bíblia prescreve e aprova. De conformidade com as Escrituras, entretanto, conduta ou ‘maneiras' nunca podem ser disassociadas do complexo de disposições que se expressa em comportamento observável. A ética que é requerida pela Bíblia diz respeito ao coração do homem, porque ‘dele procedem as fontes da vida' e ‘como imagina em sua alma, assim ele é' (cf. Pv 4.23; 23.7; Mc 7.18-21; Lc 16.15; Hb 4.12). Os mandamentos de Deus são freqüentemente vasados em termos da ação externa requerida ou proibida. Porém, não devemos supor que esses mandamentos dizem respeito meramente às ações (cf. Mt 5.28; Rm 13.9, 10).

 

ÉTICA pode ser definida como o estudo crítico da moralidade, e consiste  na análise da natureza da vida do homem, incluindo a verificação dos padrões de certo e de errado pelos quais sua conduta possa ser guiada ou dirigida. Ou seja, quando estudamos sobre ÉTICA, imediatamente somos levados a refletir sobre aquilo que nós pensamos e no reflexo dessas decisões sobre as nossas ATITUDES! Segundo o entendimento popular seria aquilo que o mundo considera ser o “politicamente correto” ou de fato, uma atitude “antiética” ou imoral.

 

Porém, no universo bíblico, a ÉTICA CRISTàverificada ao longo das Escrituras, é na verdade a representação de um somatório de princípios que formam e dão sentido à vida cristã diária, e deve ser confirmada na vida do cristão através do seu testemunho individual perante Deus e os homens.

 

Enfim, podemos afirmar que a ÉTICA CRISTàé o que cada crente pensa e faz com relação a Deus e ao seu próximo, exatamente como o próprio Senhor Jesus definiu ao escriba acerca do Grande mandamento deixado pelo Senhor ao Seu povo em Mc 12:29-31:

 

Mc 12:29-31 – “Respondeu Jesus: O principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! 30 Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. 31 O segundo é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes.“

 

Comentário de Mc 12:29-31 – Esse texto é maravilhoso, pois através da sabedoria divina presente em sua encarnação, Jesus nesta situação soube com profundidade dissecar a Lei dada pelo Senhor a Moisés a tal ponto de afirmar para aqueles Judeus que o primeiro e o segundo mandamento nunca podem ser separados um do outro! Ou seja, o Senhor Jesus nos ensinou aqui, que nós nunca podemos separar a Ética que precisamos viver diante de Deus, ou seja, o nosso Testemunho, da Ética que precisamos praticar diante dos nossos semelhantes, pois a Bíblia declara que Deus do Seu alto e sublime Trono, observa todas as nossas atitudes, e certamente retribuirá aos homens segundo as suas obras, sejam eles crentes ou não.

 

Mt 16:27 – “Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras.”  

Pv 15:3 – “Os olhos do SENHOR estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons.”

2ª Co 5:10 – “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo.”

 

Ou seja, o que aprendemos na Palavra de Deus, é que não existe amor verdadeiro, se antes o homem não estiver em comunhão profunda com Deus, que na essência é o próprio amor. Por isso, através da Bíblia aprendemos que só podemos amar de verdade, ou exteriorizar o amor de Deus para as pessoas à nossa volta, se de fato, estivermos em comunhão real com o Deus da Bíblia.

 

1ª Jo 4:7 – “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.”

1ª Jo 4:8 – “Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor.”

1ª Jo 4:12 – “Ninguém jamais viu a Deus; se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor é, em nós, aperfeiçoado.”

1ª Jo 4:16 – “E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.”

 

Enfim, se não estivermos em Deus fatalmente estaremos apoiados em nossa própria sabedoria e estaremos vivenciando um falso testemunho cristão.

 

Vejamos algumas verdades bíblicas sobre o amor:

 

1ª verdade – Só podemos amar de fato a nossos irmãos a quem vemos, quando amarmos primeiramente a Deus a quem não vemos em espírito e em verdade.

 

1ª Jo 5:2 – “Nisto conhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e praticamos os seus mandamentos.”

1ª Jo 4:20 – “Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê.”

 

2ª verdade – Só podemos amar de verdade, se de fato conhecermos ao verdadeiro Deus.

 

1ª Jo 3:11– 20 – “Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros; 12 não segundo Caim, que era do Maligno e assassinou a seu irmão; e por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas. 13 Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia. 14 ¶ Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte. 15 Todo aquele que odeia a seu irmão é assassino; ora, vós sabeis que todo assassino não tem a vida eterna permanente em si. 16 Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos. 17 Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus? 18 Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade. 19 E nisto conheceremos que somos da verdade, bem como, perante ele, tranqüilizaremos o nosso coração; 20 ¶ pois, se o nosso coração nos acusar, certamente, Deus é maior do que o nosso coração e conhece todas as coisas.”

 

Enfim, o AMOR é a condição básica para o relacionamento de todos aqueles que um dia nasceram de novo, e nos leva a refletir sobre 2 atitudes relacionadas a falta da ÉTICA CRISTÃ que nós nunca devemos demonstrar aos nossos semelhantes. Vejamos:

 

1ª atitude – O ódio – Segundo a Palavra de Deus, aquele que odeia a seu irmão é assassino, e permanece na morte – 1ª Jo 3:15.

2ª atitude – A Indiferença – Este sentimento nos faz ficar desinteressados pelas pessoas que convivemos e pelos seus problemas – 1ª Jo 4:20-21.

                                                    

Portanto, aqui está a diferença entre ÉTICA CRISTÃ e ÉTICA CONVENCIONALapenas como um simples estudo crítico da moralidade. Precisamos entender que como dinâmica de vida, a ÉTICA CRISTÃ deve ser manifestada através do conceito ou julgamento que se faz a respeito de determinados valores que integram o nosso dia-a-dia.

 

E é sobre estes valores que trataremos nessa apostila. É nosso desejo, portanto, que ao final desta matéria, nossos alunos estejam habilitados sobre os seguintes ítens:

 

  1. Definiro que é ÉTICA, particularmente ÉTICA CRISTÃ.
  2. Relacionaras bases bíblicas da ÉTICA CRISTàdada neste livro;
  3. Enumeraros principais conceitos éticos os quais o crente deve evitar;
  4. DestacarÉTICA CRISTànos ensinos das epístolas do Novo Testamento;
  5. Falardas diferentes maneiras de evidenciar a ÉTICA CRISTàno seio da família.
  6. Tratarda importância da ÉTICA CRISTànos deveres sociais e civis do cristão;
  7. Mostraro valor da ética ministerial e as suas diferentes maneiras de ação;
  8. Salientara importância da ÉTICA CRISTàno culto a Deus.

 

LIÇÃO 1 - O SIGNIFICADO DE  ÉTICA:

 

Como já citamos anteriormente, ÉTICA pode ser definida como a análise da natureza da vida humana, incluindo os padrões do certo e do errado, pelos quais nossa conduta possa ser guiada e dirigida. Ou seja, em resumo, ÉTICA é na prática aquilo que o homem pensa e faz em relação a si mesmo ou ao seu meio social. Quanto à aplicação existem diferentes tipos de ética, entre as quais destacamos:

 

 

1Ética imediatista; 2 - Ética da tradição; 3 - Ética hedonista; 4 - Ética naturalista

5 - Ética relativista;    6 - Ética estética;       7 – ÉTICA CRISTÃ

 

 

TEXTO 1 – DEFINIÇÃO DE ÉTICA

 

            Antes de definirmos o que vem a ser ÉTICA, precisamos lembrar que todos nós tomamos diariamente dezenas de decisões, fazemos escolhas, resolvemos situações e determinamos aquilo que tem a ver com nossa vida individual; com a vida da empresa onde trabalhamos, com a vida da igreja onde congregamos, com a vida da nossa família, etc. Por isso, NINGUÉM TOMA DECISÕES aleatoriamente SEM ESTAR INFLUENCIADO POR ALGUM TIPO DE ÉTICA.

 

Antigamente pensava-se que era possível pronunciar-se sobre um determinado assunto de forma inteiramente objetiva, isto é, isenta de quaisquer pré-concepções ou pré-convicções. Hoje, porém, sabe-se que nem mesmo na área das chamadas “ciências exatas” é possível fazer pesquisa, sem que haja a influência do que a pessoa é, acredita, deseja, objetiva e vive.

 

Portanto, todas as decisões que tomamos são invariavelmente influenciadas pelo horizonte do nosso próprio mundo individual e social. Podemos verificar essa verdade ao elegermos uma determinada solução em detrimento de outra, pois sempre que isso acontece, na verdade acontece, pois tomamos nossas decisões baseados num padrão e num conjunto de valores do que acreditamos ser certo ou errado. E isso, é exatamente o que chamamos de Ética.

 

ÉTICA - É o produto de nossas decisões baseadas num padrão e num conjunto de valores do que acreditamos ser certo ou errado.

 

E é justamente aqui que mora o perigo, pois para que o homem possa tomar decisões acertadas e eticamente cristãs, ele antes precisa estar em pleno acordo com o que diz a lei de Deus, pois a própria Bíblia nos garante que ao conhecermos a vontade de Deus para nós, seremos não só abençoados como também não pecaremos contra Deus:

 

Sl 119:11 – “Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.”

Rm 12:2 – “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”
             

              Portanto, ao conhecermos a origem da palavra ÉTICA, veremos que ela vem do grego “EQIKH”, que significa um hábito, costume ou rito. Contudo, com o tempo este conceito passou a designar qualquer conjunto de princípios ideais da conduta humana, e têm sido comumente entendido também como o conjunto de valores ou padrões pelo qual uma pessoa entende o que seja certo ou errado. 

RESUMINDO:  ÉTICA é na prática aquilo que você pensa e faz, e é na verdade um somatório de princípios que capacitam o homem fazer uma escolha boa ou má, e ao mesmo tempo transformar essa escolha em uma ação vital, seja para uma pessoa ou para uma comunidade. Na sua aplicação, a Ética tem ocupação dupla:

 

1 – Ocupa-se com as escolhas morais, práticas que o homem faz.

2 – Preocupa-se com os objetivos e princípios ideais, que reconhecemos estarem impondo exigências sobre nós.

 

ÉTICA E LIBERDADE - O estudo de ÉTICA repousa sobre a crença de que o homem é um agente livre e responsável, e como tal, é um ser livre para tomar a decisão que bem desejar. Ele pode opinar na escolha do seu trabalho, seu cônjuge, seus amigos, ou tipo de vida que desejar. Por força do que ele é ele não pode fugir da necessidade de escolher: ele é forçado a ser livre! Quer o homem queira ou não, ele tem de viver tomando decisões constantes e inevitáveis!

 

Porém, as escolhas morais feitas pelo homem não são simples questões do acaso; e também não são imprevisíveis em sua grande maioria! A pessoa cujas ações fossem livres neste sentido, não seria uma pessoa normal, pois ela não teria estabilidade de caráter, já que não haveria base para confiarmos que suas ações futuras seriam certas ou erradas, boas ou más.

 

Precisamos saber que as ESCOLHAS MORAIS não são, portanto, simplesmente indeterminadas, isto é, involuntárias. Estas escolhas representam o produto duma espécie de determinação ou escolha planejada e voluntária.

 

Portanto, no sentido mais amplo que se possa imaginar, principalmente nos domínios da ÉTICA, liberdade moral significa a capacidade de autodeterminação, no sentido de que o homem é livre para escolher os fins, os alvos, os valores que ele quer buscar, e livre para aceitar ou rejeitar as exigências do dever.

 

 

É importante lembrarmos que tanto o CRISTÃO como os ÍMPIOS foram dotados por Deus de capacidades intelectuais e morais para agir livremente segundo o caminho que desejarem. E isto se reflete visivelmente nas decisões que cada homem em particular toma em relação à Palavra de Deus, ou seja, no sentido de submeter-se a Ela ou não, já que Deus respeita o livre-arbítrio do homem em relação às escolhas de suas obras e também no tocante à salvação, conforme registra o profeta Isaías e o evangelista Marcos.

 

Is 1:19 – “Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o melhor desta terra.”

Mc 16:16 – “Quem crer e for batizado será salvo; quemporémnão crer será condenado.”

 

Por isso, pensar de forma contrária a essa realidade bíblica, significa transformar a coroa da criação de Deus que é o homem, num ser autômato que se comportaria como uma espécie de robô, auto-programado que não pensaria e nem agiria por si mesmo.

 

LIBERDADE E RESPONSABILIDADE - ÉTICA também pressupõe não apenas liberdade, mas também responsabilidade, porque liberdade sem responsabilidade tende a converter-se em libertinagem. Ou seja, ainda que a libertinagem tenha se transformado num princípio ético nos dias de hoje, fazendo com que os homens vivam uma vida alheia a vida de Deus, causando a desestruturação da família e da sociedade e sobretudo, o afastamento de Deus, ainda assim, isso não representa a proposta de Deus para o homem! O desejo de Deus é que todos sejam salvos!

 

Ef 4:15-24 – “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, 16 de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor. 17 Isto, portanto, digo e no Senhor testifico que não mais andeis como também andam os gentios, na vaidade dos seus próprios pensamentos, 18 obscurecidos de entendimento, alheios à vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, pela dureza do seu coração, 19 os quais, tendo-se tornado insensíveis, se entregaram à dissolução para, com avidez, cometerem toda sorte de impureza. 20 Mas não foi assim que aprendestes a Cristo, 21 se é que, de fato, o tendes ouvido e nele fostes instruídos, segundo é a verdade em Jesus, 22 no sentido de que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano, 23 e vos renoveis no espírito do vosso entendimento, 24 e vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade.

 1ª Tm 2:4 – “o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.”

Ez 18:23  - “Acaso, tenho eu prazer na morte do perverso? —diz o SENHOR Deus; não desejo eu, antes, que ele se converta dos seus caminhos e viva?”

Ez 33:11 – “Dize-lhes: Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR Deus, não tenho prazer namorte do perverso, mas em que o perverso se converta do seu caminho e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois por que haveis de morrer, ó casa de Israel?”

 

Enfim, a ÉTICA interessa-se por todas as decisões, escolhas e avaliações do homem quanto aos valores da vida. Ocupa-se, por exemplo, com o que o homem pensa a respeito de Deus e da Sua vontade, a respeito de si mesmo, do seu semelhante e da sociedade como um todo. Do mesmo modo, a ÉTICA preocupa-se com escolhas e avaliações feitas pela pesquisa da ciência e da filosofia, na medida em que elas envolvem decisões a respeito do valor dessas disciplinas, da natureza da motivação que se tem para dedicar-se a elas e do uso que se vai fazer do conhecimento adquirido.

 

Concluindo: Ética diz respeito a todas as atividades do homem, sujeitas a serem louvadas ou criticadas e rejeitadas. Ela se interessa por todas as formas de comportamento, às quais são relevantes os conceitos de dever, obrigação e bem. Ela está ligada à escolha dos meios, bem como dos fins.

 

A Ética pergunta não só: Por que isto está sendo feito? Mas também: Que benefício esta realização trará a quem a faz e a quem se destina?

 

Finalmente a Ética se interessa pelas formas de comportamento oriundas do hábito, assim como por decisões e escolhas das mais difíceis.

 

 

TEXTO 2 – DIFERENTES TIPOS DE ÉTICA - Quanto à sua aplicação, a Ética se divide em vários tipos: ÉTICA SOCIALÉTICA POLÍTICA e ÉTICA RELIGIOSA.

 

  • A ÉTICA SOCIAL abrange os princípios que regem o comportamento da família e da sociedade como um todo.
  • A ÉTICA POLÍTICA fala dos princípios de condução e administração do bem público, como sejam: o município, o estado e a federação.
  •  Já a ÉTICA RELIGIOSA tem a ver com os princípios quem regem o comportamento espiritual do homem, pertença ele a religião que pertencer, ou professe ele a crença que professar.

 

Além destes três tipos de ÉTICA, existem alguns outros que serão abordados no decorrer deste e do próximo texto, como também uma análise da ética cristã, que também será tratada num dos próximos textos, ainda desta lição.

 

ÉTICA IMEDIATISTA - Este é o estágio do comportamento no qual a ação parece não ser guiada por nenhum tipo de premeditação. Qualquer pessoa que esteja neste nível de imediatismo não é um indivíduo ético na verdadeira acepção da palavra.

 

Por exemplo: quando um bebê chora ou ri, a sua ação não é resultado d’alguma decisão interior, mas sim o resultado imediato de algum estímulo causado por influência da mãe, do pai, dum irmãozinho ou de outra pessoa que lhe é simpática, que lhe sorriu ou lhe fez cócegas, ou lhe foi causa de algum desconforto. Portanto, chorar ou sorrir para um bebê, não constituem ações boas ou más, pelo que não podemos chamá-las propriamente de ações éticas, pois elas são simples reações a estímulos, e não podem ser consideradas ações éticas, porque esses tipos de ações que não envolvem decisões.

 

Por exemplo: se você fecha os olhos por que um cisco entrou num deles, você não estará fazendo nada que seja moralmente bom ou mau; apenas estará simplesmente reagindo a um estímulo do corpo.

 

ÉTICA DA TRADIÇÃO - Muitas pessoas ao tomarem quase todas as suas decisões não as tomam somente como um resultado de um esforço da sua inteligência, ou duma escolha independente, mas optam direta ou indiretamente por uma decisão que esteja em acordo com algum hábito predominante, ou com o que a maioria das pessoas está fazendo ou querendo que elas façam. As pessoas tangidas por este tipo de Ética, nunca perguntam:

 

Esta ação é boa ou má? Ou: Esta decisão está certa ou errada? Ou: É isto o que todos fazem ou querem que eu faça?”

Desta sorte, muitos fatos que passam por bons, poderiam ser melhores descritos como sendo mero resultado dos costumes duma sociedade particular. Evidentemente seria uma tolice rejeitar todos os costumes só porque foram aceitos sem crítica noutros tempos. Sua aceitação ou rejeição por outros, não deve de modo algum validar ou invalidar os mandamentos da tradição. No entanto, uma das fraquezas básicas da ação ao nível de simples hábito, do ponto de vista cristão, é que freqüentemente assuntos muito importantes e assuntos absolutamente sem importância, são igualmente objetos de hábito.

 

Por exemplo: Em certos lugares do Brasil é hábito ir-se à igreja aos domingos. No entanto, para a maioria das pessoas que vão à igreja no domingo, tornou-se um hábito meramente social, ao invés de significar uma oportunidade de adoração ao Deus vivo. Como resultado, constatamos que as pessoas que agem segundo a tradição, acabam não crescendo na Graça e no Conhecimento de Deus, tudo porque confundem os conceitos de obediência e tradição, e com isso, o culto a Deus passa a representar uma tradição de família, ao invés de um importante elemento para a formação da vida cristã plena e abundante em Cristo.

 

            Em seus ministérios tanto Jesus como o apóstolo Paulo condenaram qualquer tipo de direção de vida que se submeta as tradições ao invés da sujeição à Palavra de Deus:

 

Mc 7:8 – “Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens. 9 E disse-lhes ainda: Jeitosamente rejeitais o preceito de Deus para guardardes a vossa própriatradição. 13 invalidando a palavra de Deus pela vossa própria tradição, que vós mesmos transmitistes; e fazeis muitas outras coisas semelhantes.”

Cl 2:8 – “Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;”

 

ÉTICA HEDONISTA - Um hedonista é uma pessoa cujo conceito ético supremo é o prazer. Ela acredita que o valor duma ação é medida pela quantidade de prazer que ela assegura. Assim, o bem é identificado com aquilo que dá prazer, e o mal com aquilo que causa dor. Neste particular os cristãos tendem a confundir a vida cristã com alguma forma de hedonismo.

 

Conforme disse George W. Forell,  “quer você espere o prazer aqui na terra ou em uma vida futura, se suas ações são orientadas pelo desejo de prazer e suas tentativas de evitar dor, você é um hedonista, mesmo que o prazer seja esperado no paraíso e a dor no inferno.” (Ética da decisão, páginas 46 e 47).

 

Por conhecer o mal que este conceito ético conduz no seu bojo, foi que certo servo de Deus orou:

 

- “Jesus, se te sigo porque tenho medo do inferno, queima-me nas labaredas do inferno. Se te sigo porque quero entrar no céu, não me permitas entrar no céu. Agora, se te sigo porque te amo, não me impeças entrar na glória e lá contemplar para sempre a tua eterna beleza.”

 

Por isso, a principal característica de todo hedonismo religioso é que ele destrona o próprio Deus do centro de sua vida espiritual e faz da felicidade eterna, o seu verdadeiro objetivo de vida.

 

Com isso, todo o hedonista consciente ou inconscientemente, passa a enxergar a pessoa do Senhor apenas como um Ser que existe para viabilizar os meios para a concretização da felicidade de Seus filhos. Não é assim que muitos fazem com a pessoa do Senhor e com a Igreja ao afirmarem que vão à Casa do Senhor apenas para buscarem as suas bênçãos?

 

Ou seja, milhares de pessoas estão com este discurso mundo afora, alegando que estão na presença de Deus apenas para serem abençoadas, mas na prática, buscam apenas a sua própria felicidade, esquecendo-se que estão deixando para segundo plano o amor a Deus e o amor ao próximo, que representa o resumo de todos os mandamentos.

 

Mc 12:30-31 – “Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força. 31 O segundo é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes.”

Mt 6:31-33 – “Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? 32 Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; 33 buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

 

Infelizmente esse tipo de ÉTICA têm enganado a muitos crentes que deixam-se conduzir por uma teologia cristã em grande parte dominada por esse tipo de proposta hedonista religiosa.

fonte mjcp.com

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net