Translate this Page

Rating: 3.0/5 (931 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


Ética cristã (19) o sistema mundano
Ética cristã (19) o sistema mundano

 

 

                  CUIDADO COM O SISTEMA MUNDANO

               1 João 2.15-19; João 15.18,19.

1 João 2

15 - Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.

16 - Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.

17 - E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.

18 - Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos; por onde conhecemos que é já a última hora.

19 - Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós.

João 15

18 - Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, me aborreceu a mim.

19 - Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece.

Palavra Chave Mundo (kosmos): Sistema constituído de pessoas, idéias, leis, instituições, comportamentos e atividades conduzidos por Satanás. 

O "sistema do mundo", conforme denominado pela Bíblia, além de manipular, subjugar e manter os seres humanos sob o domínio de Satanás, também objetiva desviar, por todos os meios, os crentes dos caminhos do Senhor. A Igreja jamais pode minimizar, ou ignorar, as ardilosas tramas deste sistema. Ela precisa, sim, posicionar-se contra ele, a fim de prosseguir vitoriosamente em Cristo Jesus (1 Jo 5.4,5).

 

  1. O QUE É O MUNDO?

A palavra "mundo", conforme expressa na Leitura Bíblia em Classe, não diz respeito aos campos, mares, escarpas, acidentes geográficos e nem à ordem geral da criação. Este "mundo" designa a maneira de viver organizada, conduzida por Satanás e caracterizada pela indiferença, rejeição e oposição a Deus, à sua Palavra e ao seu Reino. Trata-se de um sistema constituído de pessoas, idéias, leis, instituições, comportamentos e atividades. Ler Jo 3.19; Tg 4.4; 1.27; 2 Co 4.4.

No princípio, Deus criou o mundo perfeito e bom (Gn 1.31). Todavia, lá no Éden, Satanás, em forma de serpente, induziu Eva a desejar ser igual a Deus (Gn 2.15-17; 3.1-6; 2 Co 11.3; 1 Tm 2.14). Foi a partir desta infeliz circunstância que todos os descendentes de Adão tornaram-se internamente portadores de uma natureza pecaminosa, e externamente opositores de Deus (Rm 5.12; Tg 1.14,15).

Com a contaminação do pecado, "o cosmos" (1 Jo 5.19) tornou-se um sistema maligno (Ef 2.2; Gl 1.4; 2 Co 4.4), controlado por Satanás, o príncipe deste mundo (Mt 4.8; Jo 14.30; 16.11; 2 Tm 2.26; 1 Jo 5.19). Ele exerce autoridade sobre grande parte das atividades típicas deste mundo e chefia um sistema invisível de maldade e destruição, no qual anjos malignos e homens ao seu serviço fazem direta oposição a Deus (At 8.4), à sua Palavra e ao seu povo (1 Pe 1.18,19; At 26.18). Isto pode ser claramente visto na mentalidade mundana dos nossos dias, expressa pelas idéias, opiniões, posicionamentos, leis, objetivos e metas do povo, dos governos, das nações e até mesmo de "certas igrejas" semelhantes à Laodicéia (Ap 3.14-18). Ler 2 Co 4.4; 2 Tm 3.1-5.

  1. Os atrativos do mundo (v.16). Quando o cristão se deixa enganar pelas propostas desse mundo espiritualmente tenebroso, torna-se escravo de um sistema maligno que rouba, mata e destrói (Jo 10.10). Sua única saída é retornar imediatamente ao seio do Pai, por Jesus Cristo, nosso libertador (Jo 8.36). Foi o que aconteceu com o filho pródigo: desprezando o amor do pai e a vida abençoada no lar, resolveu bandear-se para o mundo, a fim de desfrutar de seus prazeres. Todavia, após perder toda a sua herança, abandonado e miserável, decidiu regressar a sua família. Retornando ao aconchego do lar, foi festivamente recebido pelo pai, que lhe restituiu tudo o que, no mundo, havia perdido (Lc 15.11-32). Todo crente fiel a Cristo deve evitar tal experiência (1 Jo 2.15). Ananias e Safira não tiveram a mesma sorte: amando o dinheiro e o engano, mentiram ao Espírito Santo e foram punidos com a morte (At 5.1-11).
  2. O mundo sob a ótica de Deus. A Bíblia adverte-nos a não amarmos o mundo, uma vez que ele é dominado pelas trevas (Ef 6.12) e "jaz no maligno" (1 Jo 5.19; Jo 14.30). O mundo, ou seja, as pessoas são alvos do amor de Deus. Nesta perspectiva, temos a responsabilidade de resgatar do mundo todos os que vivem sem Deus, sem luz e sem salvação. "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho" (Jo 3.16). Em sua oração sacerdotal, Jesus rogou ao Pai que não nos tirasse do mundo, mas que nos livrasse do mal. Ele, na verdade, queria que, pelo evangelho, alcançássemos a humanidade perdida neste cosmos (Jo 17.15,18). Deus não tem prazer na condenação do homem. O Senhor tem manifestado seu infinito amor desde que o primeiro homem lhe desobedeceu (Gn 3.15,21; Ez.18.4; 1 Tm 2.4). Todavia, este mundo não escapará da condenação eterna, caso não se arrependa de seus pecados, especialmente da incredulidade. É por isso que o apóstolo João registrou em seu evangelho: "a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz" (Jo 3.19).Com a contaminação do pecado, "o cosmos" tornou-se um sistema maligno, controlado por Satanás, o príncipe deste mundo. Ele exerce autoridade sobre grande parte das atividades típicas deste mundo, e chefia um sistema invisível de maldade e destruição, no qual anjos malignos e homens ao seu serviço fazem direta oposição a Deus.

 

  1. COMO O CRISTÃO DEVE VIVER NESTE MUNDO 

A expressão "não ameis o mundo nem o que no mundo há" (v.15) não é uma sugestão ou conselho, mas uma ordenança severa da Palavra de Deus. Toda desobediência tem suas consequências. Imagine o que aconteceria se, diante de um semáforo assinalando vermelho para os pedrestes, resolvêssemos atravessar uma avenida de grande fluxo. Provavelmente, sofreríamos uma terrível e traumática consequência. Consideremos, pois, este exemplo na perspectiva de nossa salvação eterna (Hb 2.1-3).

  1. Os elementos do mundo (v.16). A Palavra de Deus nos alerta contra a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida.
  2. a) A concupiscência da carne engloba desejos impuros, vícios e prazeres sensuais. A Bíblia exortanosa fugir de toda e qualquer impureza (1 Co 6.18). O corpo não é mau em si mesmo, mas é uma presa fácil para o pecado. Por isso, devemos vigiar e orar sem cessar. O crente deve estar ciente de que ele é templo do Espírito Santo (1 Co 3.16; 6.19) e, portanto, deve viver uma vida piedosa e consagrada a Deus. Seu corpo deve ser um sacrifício vivo, santo e agradável ao Senhor (Rm 12.1,2).

Os vícios podem ser considerados concupiscência da carne. Ninguém que se deixa vencer por eles herdará o Reino dos céus (Gl 5.21, Ef 5.3-5).

  1. b) Pela concupiscência dos olhos, o homem se torna cativo daquilo que ele vê. Para que isto não aconteça, é preciso que o crente mantenha-se constantemente em vigilância e oração (Mt 26.36). Foi por essa via que Eva desobedeceu (Gn 3.6). O mesmo se deu com Acã: "vendo" entre os despojos dos inimigos do povo de Deus uma capa babilônica, desejou-a, trouxe-a para si e morreu com toda sua família (Js 7.20-26). Davi também foi atraído pela concupiscência dos olhos. Olhando com lascívia, deu lugar ao pecado, arruinando sua fidelidade a Deus (2 Sm 11.2). A Palavra de Deus exorta-nos a não nos conformarmos com este mundo, a fim de que possamos viver no centro da vontade do Eterno (Rm 12.1,2).
  2. c) A soberba da vida. Desde o princípio, Satanás engana o ser humano com a falsa idéia de que é possível ser igual a Deus (Gn 3.5). Com isso, o homem tenta a todo custo viver à parte de seu Criador, buscando sua própria exaltação, através de riquezas, "status", títulos e posições, com o intuito de ser honrado por seus pares.

Muitos lutam aferradamente pelo poder, pelo direito de exercer autoridade sobre seus semelhantes, ou pelo simples deleite que isso possa lhe trazer. Ser visto e admirado por todos é o objetivo máximo da vida de muitas pessoas. A Palavra de Deus nos assevera que isto não vem de Deus, mas do mundo; deste sistema que Satanás governa (1 Jo 2.16). Jesus nos ensinou qual deve ser o maior objetivo da nossa vida: buscar o Reino de Deus e a sua justiça (Mt 6.33). Nesta busca devemos investir todas as nossas energias.A expressão "não ameis o mundo nem o que no mundo há" não é uma sugestão ou conselho, mas uma ordenança severa da Palavra de Deus. Toda desobediência tem suas consequências.

O autêntico crente, que pratica os princípios do cristianismo bíblico, não deve adequar-se ao presente sistema mundano que engoda a humanidade e, se possível, até mesmo os filhos de Deus. Fomos chamados a viver uma vida separada deste mundo, com objetivos infinitamente mais nobres e que honram o nome do Altíssimo, que nos chamou das trevas para sua maravilhosa luz (1 Pe 2.9)."Mundo em João não se refere tanto a grandeza como a maldade. No vocabulário de João, mundo é primeiramente a ordem moral em rebelião intencional e culpável contra Deus". D. A. Carson

 

                        Não amar o mundo

O apelo de João a seus leitores é feito de forma negativa, mas o lado positivo precisa ser compreendido também. Os cristãos não devem amar o mundo. Ao mesmo tempo, é preciso dizer que eles devem amar a Deus e fazer sua vontade. De fato, é apenas à medida que o amor de Deus os enche e o desejo de Deus os motiva, o mundo pode ser conquistado.

[...] Quando João diz que os cristãos não devem "amar o mundo ou nada que está no mundo", não está pensando tanto a respeito do materialismo ("coisas"), mas nas atitudes que estão por trás do materialismo. Pois ele sabe, como todos nós deveríamos saber, que uma pessoa sem os bens mundanos pode ser tão materialista como uma pessoa que possui muitos desses bens; e, de igual modo, uma pessoa rica pode ser bastante desapegada dessa e de qualquer outra forma de mundanismo. Na verdade, João está pensando a respeito de ambição egoísta, do orgulho, do amor pelo sucesso ou o luxo e de outras características parecidas. Law reconhece isso em sua excelente paráfrase do apelo do apóstolo. Ele escreve 'não busque a intimidade e o favor do mundo não-cristão que o cerca; não aceite seus costumes como sendo suas leis, não adote ideais nem receba seus prêmios, muito menos busque confraternizar-se com sua vida'"(BOICE, J. M. As Epístolas de João. RJ: CPAD, 2006, pp.73,74.).

Deus quer usar a sua vida para proclamar sua Palavra ao mundo que jaz no maligno. Mas, para que você seja usado pelo Senhor, precisa manter-se puro. É necessário resistir aos impulsos diabólicos, que chegam a sua mente tentando destruí-lo. "... Toda pessoa que diz que pertence ao Senhor precisa abandonar o pecado" (2 Tm 2.19 NTLH). A falta de santidade conduz a inutilidade. Jesus nos advertiu: "Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para ser lançado fora..." (Mt 5.13).

De acordo com Henry Blackaby, na sua obra Santidade, "Deus está chamando seu povo para voltar para Ele e ser um caminho de santidade, por meio do qual Ele possa alcançar o mundo perdido. Devemos construir nosso relacionamento com Deus de tal forma que nossas vidas possam ser uma estrada, por meio da qual, Deus possa alcançar o resto de nossa nação mediante um grande reavivamento entre o povo de Deus e um grande despertamento espiritual nos corações daqueles que não conhecem ao Senhor". O Senhor quer usá-lo neste mundo tenebroso.(FONTE CPAD)

 

              O ALERTA CONTRA O ADULTÉRIO

                              Provérbios 5.1-6.                   

1 - Filho meu, atende à minha sabedoria: à minha razão inclina o teu ouvido;

2 - para que conserves os meus avisos, e os teus lábios guardem o conhecimento.

3 - Porque os lábios da mulher estranha destilam favos de mel, e o seu paladar é mais macio do que o azeite;

4 - mas o seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois fios.

5 - Os seus pés descem à morte; os seus passos firmam-se no inferno.

6 - Ela não pondera a vereda da vida; as suas carreiras são variáveis, e não as conhece.

O livro dos Provérbios, talvez, seja o principal dos livros bíblicos a falar sobre o adultério, os seus caminhos e suas artimanhas destruidoras. O sábio não economiza palavras e ironias ao denunciar a pessoa que adere essa prática como um estilo de vida: ela não passa de um jovem displicente (Pv 7). Displicência, imaturidade e fraqueza são palavras que denotam o perfil do homem que, inexplicavelmente, deixa a casa da sua esposa a fim de unir-se com uma estranha. Esta não é a mãe dos seus filhos, a mulher que, juntamente com ele, conquistou tudo o que tem. Não! A estranha é a mulher que deseja tirar tudo o quanto ele construiu: a sua família e a sua vida.

 

          ESBOÇO DO LIVRO DOS PROVÉRBIOS

  1. Prólogo: Propósito e Temas de Provérbios (1.1-7)
  2. Treze Discursos à Juventude sobre a sabedoria (1.8-9.18)
  3. A) Obedece a Teus Pais e Segue Seus Conselhos (1.8,9)
  4. B) Recuse Todas as Tentações dos Incrédulos (1.10-19)
  5. C) Submeta-se à Sabedoria e ao Temor do Senhor (1.20-33)
  6. D) Busque a sabedoria e Seu Discernimento e Virtude (2.1-22)
  7. E) Características e Benefícios da Verdadeira Sabedoria (3.1-35)
  8. F) A Sabedoria Como Tesouro da Família (4.1-13,20-27)
  9. G) A Sabedoria e os Dois Caminhos da Vida (4.14-19)
  10. H) A Tentação e Loucura da Impureza Sexual (5.1-14)
  11. I) Exortação à Fidelidade Conjugal (5.15-23)
  12. J) Evite Ser Fiador, Preguiçoso e Enganador (6.1-19)
  13. K) A Loucura Inominável da Impureza Sexual a Qualquer Pretexto (6.20-7.27)
  14. L) O Convite da Sabedoria (8.1-36)
  15. M) Contraste entre a Sabedoria e a Insensatez (9.1-18)

III. A Compilação Principal dos Provérbios de Salomão (10.1-22.16)

  1. A) Provérbios Contrastantes sobre o Justo e o Ímpio (10.1-15.33)
  2. B) Provérbios de Incentivo à Vida de Retidão (16.1-22.16)
  3. Outros Provérbios dos Sábios (22.17-24.34)
  4. Provérbios de Salomão Registrados pelos homens de Ezequias (25.1-29.27)
  5. A) Provérbios sobre Vários Tipos de Pessoas (25.1-26.28)
  6. B) Provérbios sobre Vários Tipos de Procedimentos (27.1-29.27)
  7. Palavras Finais de Sabedoria (30.1-31.31)
  8. A) De Agur (30.1-33)
  9. B) De Lemuel (31.1-9)
  10. C) Acerca da Esposa sábia (31.10-31)

 

                                COMENTÁRIO

Adultério: Violação, transgressão da regra de fidelidade conjugal imposta aos cônjuges pelo contrato matrimonial.

O advento das mídias eletrônicas, e de forma mais específica as redes sociais, facilitou muito para a possibilidade de alguém vir a ter um “caso” extraconjugal. As estatísticas demonstram essa triste realidade. A cada dia, cresce o número de lares desfeitos e, juntamente com este fenômeno, as consequências nefastas para a sociedade. E as igrejas? Estas também têm sofrido o efeito de tais males.

Apesar de a infidelidade conjugal ser uma prática pecaminosa antiga, é preciso entender que a sexualidade é algo intrínseco ao ser humano. Logo, o desejo por satisfação sexual acompanha tanto o homem como a mulher desde sempre. O problema está na forma de expressão do desejo e em como é satisfeito. Segundo o entendimento mundano, não há regras para o homem e a mulher viverem a sua sexualidade. No entanto, as Escrituras demarcam um limite bem preciso: o casamento legitimamente instituído por Deus. Aqui, encontraremos os conselhos da sabedoria bíblica para orientar-nos contra as ilusões e as artimanhas do adultério.

 

  1. CONSELHOS SOBRE A SEXUALIDADE HUMANA
  1. Uma dádiva divina. Boa parte dos conselhos de Salomão diz respeito à sexualidade humana. Ele dedicou quase três capítulos do livro de Provérbios para falar sobre o sexo e seus desvios (Pv 5.1-23; 6.20-35; 7.1-27). Nesses provérbios, há dezenas de máximas que nos ensinam muito sobre como estabelecer o parâmetro de um relacionamento saudável.

Quando ainda discorria sobre os perigos da infidelidade conjugal, o sábio advertiu: “Porque os caminhos do homem estão perante os olhos do Senhor, e ele aplana todas as suas carreiras” (Pv 5.21). Isto é, Deus considera os caminhos do homem e a forma deste conduzir até mesmo a sua sexualidade, pois se trata de uma criação divina e como tal é uma dádiva do Criador à humanidade. Se o Senhor “aplana todas as nossas carreiras”, demonstrando cuidado pelo exercício correto da sexualidade, concluímos não ser o sexo algo mau ou maligno, mas algo honroso e nobre (Hb 13.4; 1Pe 3.7).

  1. Uma predisposição humana. Ao iniciar a sua coletânea de conselhos sobre como evitar os laços do adultério, Salomão chama a atenção do seu “filho” para que ouças os seus conselhos e aja em conformidade com estes (Pv 5.1,2). O texto hebraico de Provérbios, nesse versículo, apresenta a palavra ben traduzida em nossas Bíblias como “filho”. O mesmo termo ocorre também nas advertências contra o adultério em Provérbios 6.20 e 7.1. A palavra ben pode se referir tanto a um filho biológico quanto a um discípulo. Em todos os casos, a admoestação é dirigida a um ser humano que, como todos nós, está sujeito à tentação! Portanto, a fim de vivermos o gozo da nossa sexualidade nos parâmetros estabelecidos pelo Criador, que é o casamento, ouçamos o conselho do sábio. O sexo, portanto, foi criado por Deus para ser praticado entre um homem e uma mulher, mas somente no casamento. Antes do casamento e fora do casamento é pecado.A sexualidade humana é uma dádiva de Deus ao ser humano. Ela se manifesta na predisposição do indivíduo em vivê-la no parâmetro do casamento.

 

  1. AS CAUSAS DA INFIDELIDADE
  2. Concupiscência. Um fato interessante salta aos olhos de quem lê os conselhos de Salomão contra a mulher adúltera em Provérbios: não há referência ao Diabo em suas advertências! O sábio não responsabiliza o anjo caído pelo fracasso moral dos homens, mas responsabiliza aquele a quem chama de “filho meu”. Somos agentes morais livres e temos a liberdade de escolher entre o bem ou o mal. Desejos bons e ruins são inerentes ao ser humano. Não os subestimemos! Por isso, o sábio aconselha: “Não cobices no teu coração a sua formosura, nem te prendas com os seus olhos” (Pv 6.25; cf. Gl 5.16).
  3. Carências. Em Provérbios 5.15-17, o sábio lança mão de algumas metáforas para aconselhar como deve ser a vida íntima do casal. A frase “bebe a água da tua própria cisterna” mostra que o sexo não deve ser praticado apenas como um dever de um cônjuge para com o outro (1Co 7.3), mas como algo prazeroso, assim como o é beber água! Se esse princípio não for observado, um dos cônjuges ficará com a sensação de que lhe falta alguma coisa! Desgraçadamente, muitos vão saciar-se noutra fonte (Pv 7.18), daí o desastre em muitas famílias.A concupiscência e as carências não supridas na vida do ser humano são algumas das muitas causas da infidelidade conjugal. 

III. AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE

  1. Perda da comunhão familiar. Uma das primeiras consequências da infidelidade conjugal é a desonra da família. O sábio avisa que o “seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois fios” (Pv 5.4). Esse fim amargo respingará nas famílias envolvidas (Pv 6.33). O sentimento de vingança estará presente na consciência do cônjuge traído (Pv 6.34). Se pensássemos na mancha que a infidelidade conjugal produz teríamos mais cuidado quando lidássemos com o sexo oposto. A pergunta inevitável é: “Deus perdoa quem cometeu tal ato?” Não há dúvida que perdoa. Mas apesar do perdão divino, as consequências ficam (Pv 5.9-14).
  2. Perda da comunhão com Deus. É trágico quando alguém perde a comunhão familiar por conta de um relacionamento extraconjugal. Todavia, mais trágico ainda é perder a comunhão com Deus. Salomão sabia desse fato e por isso advertiu: “Mas não sabem que ali estão os mortos, que os seus convidados estão nas profundezas do inferno” (Pv 9.18). A palavra hebraica usada aqui para inferno é sheol, e esta designa o mundo dos mortos. De fato a expressão “ali estão os mortos”, no hebraico, significa: espíritos dos mortos ou região das sombras. O Novo Testamento alerta que os adúlteros ficarão de fora do Reino de Deus (1Co 6.10). O que tudo isso quer dizer? Que essa é a consequência de quem cometeu esse pecado, mas não se arrependeu! Por isso, não flerte com a (o) adúltera (o). Seu caminho pode até parecer prazeroso, mas inevitavelmente o levará à morte (Pv 9.17,18).

Além de perder a comunhão da família, o cônjuge adúltero quebra a sua comunhão com Deus.

  1. CONSELHOS DE COMO SE PREVENIR CONTRA A INFIDELIDADE
  2. Sexo com intimidade. A intimidade sexual (ou a falta dela) é um dos fatores que influenciam a vida conjugal. Há casais na igreja que tem relações sexuais com relativa frequência, mas sem intimidade! Há sexo na relação, mas não há amor nem intimidade! Observe o conselho de Salomão: “Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade, como cerva amorosa e gazela graciosa; saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê atraído perpetuamente. E por que, filho meu, andarias atraído pela estranha e abraçarias o seio da estrangeira?” (Pv 5.18-20).

Há maridos que não demonstram o mínimo afeto à esposa e o oposto também é verdadeiro. Mas Deus criou o sexo para ser desfrutado com afeto, amor e intimidade. Do contrário, o relacionamento sexual não atenderá aos propósitos divinos e nem às expectativas do cônjuge.

  1. Apego à Palavra de Deus e à disciplina. Como antídoto e forma de prevenção contra a infidelidade, Salomão aconselha o apego à Palavra de Deus e à disciplina. Para não cairmos na cilada da infidelidade conjugal, devemos guardar a instrução do Senhor, guardando-a em nosso coração. A Palavra do Senhor é luz que ilumina a nossa vida (Pv 6.20-24). O homem e a mulher só estarão livres do perigo da infidelidade conjugal quando a Palavra estiver impregnada em suas mentes e corações. Para isto, o crente deve meditar nela dia e noite. Por isso, seja disciplinado.

Um conselho importante para prevenir-se contra a infidelidade conjugal é apegar-se a Palavra de Deus, à disciplina e relacionar-se intimamente com o cônjuge.

A fidelidade conjugal é o que Deus idealizou aos seus filhos. Sabemos que a tentação é uma realidade, que vem acompanhada da natureza adâmica que herdamos, e ambas pressionam-nos a desprezar o santo ideal da fidelidade. Todavia, o Senhor deixou-nos a sua Palavra com dezenas de conselhos, a fim de prevenir-nos quanto ao abismo chamado adultério. A Bíblia afirma que ser dois é melhor do que ser um, e que onde estiverem dois ou três reunidos, Deus ali estaria (Ec 4.9-12; Mt 18.20). E em 1 Pedro lemos que quando um casal precisa coabitar (verbo que significa relacionar-se sexualmente) com entendimento para que as suas orações sejam respondidas. Ora, isto significa que sexo tem a ver com vida espiritual, e que o casal, sendo dois, têm a possibilidade de serem mais fortes quando unidos, além da promessa da presença de Deus com eles no cotidiano da vida e na oração conjunta.

Não tenho medo de afirmar que muitos casais estão com problemas pessoais, financeiros, profissionais, de saúde, e até ministeriais, porque não estão se entendendo na vida sexual. Por mais que orem suas orações estão impedidas [...]. Outros há que até se acertam na cama, mas vivem às turras e perdem a bênção de Deus pois se magoam mutuamente. Sem falar em casais que não oram juntos, que não fazem cultos domésticos, e que não dividem o sacerdócio do lar. Estes perdem a chance de serem dois, e de vivenciarem uma vida conjugal, profissional, financeira, familiar, ministerial e sexual prazerosa e sadia” (CRUZ, E. Sócios, Amigos & Amados: Os Três Pilares do Casamento. 1 ed., RJ: CPAD, 2005, p.241).I

 

                      “FUGIRÁS DA TENTAÇÃO  

                         CORRA DA TENTAÇÃO

O Antigo Testamento não é o único que trata do assunto ‘fugir da tentação sexual’. Em sua primeira carta aos coríntios, Paulo chama nossos corpos de templos do Espírito Santo. Qualquer outro pecado, ele diz, cometemos contra Deus, mas a imoralidade sexual é um pecado tanto contra Deus quanto contra nossos próprios corpos. O povo de Corinto conhecia bem a imoralidade sexual; muitos juntavam-se a ela em vez de fugir dela. Mas Paulo os instruiu a fugir (1Co 16.18).

O apóstolo repetiu essa ordem ao jovem pastor chamado Timóteo. Como a maioria dos jovens, Timóteo lutava com os desejos. Então Paulo instruiu a seu jovem amigo a ‘fugir das paixões da mocidade’ (2Tm 2.22). Essa instrução reporta-se não apenas a maridos e esposas, mas também àqueles que estão para se casar. A Bíblia ensina que nossos corpos são presentes reservados para nossos futuros cônjuges. Que presente de casamento maravilhoso para se trazer ao seu próprio casamento!

A Bíblia, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, nunca nos encoraja a tentar enfrentar a tentação sexual. Mas insiste em que saiamos completamente do caminho dela.

TRATE A TENTAÇÃO SEXUAL COMO UMA DOENÇA MORTAL

Imagine que você tenha ouvido a respeito de um surto de uma doença mortal em uma área remota. Apenas profissionais médicos treinados ousaram viajar até a área onde houve o surto, e você ficou sabendo que se contrair a doença provavelmente morrerá. Você também sabe que apenas aqueles que viajam para o local da epidemia estão vulneráveis à doença.

Seria um ato de bravura ou de plena estupidez viajar até a área afetada apenas para provar quão ‘resistente’ à bactéria mortal você é? Nenhuma pessoa em sã consciência se poria em tamanho perigo sem uma boa razão. Mas é exatamente isso que muitos cristãos fazem em relação à tentação sexual. Antes e depois do casamento, dedicam-se a ela, flertam com ela e entretêm-se com ela — acreditando que no último instante serão capazes de pisar nos freios e evitar a colisão.

Isso não funciona desse jeito. Deus nos conhece. Ele nos criou, então sabe o quanto a tentação sexual pode arrastar seus filhos. É por isso que Ele nos instrui a fugir. Se tratássemos a tentação sexual como uma doença mortal e altamente contagiosa, entenderíamos melhor e obedeceríamos à admoestação da Bíblia a fugir” (YOUNG, E. Os Dez Mandamentos do Casamento. 1 ed., RJ: CPAD, pp.123-24)

 

               Advertência contra o adultério

Em Provérbios, encontramos uma série de exortações quanto à infidelidade conjugal (Pv 5.7-15). A infidelidade é tida como falta de sabedoria (Pv 6.32). Sabemos que o temor ao Senhor é o princípio da sabedoria. Quando se perde a reverência a Deus, a insensatez toma conta do coração do homem.

Atualmente, muitos veem a infidelidade conjugal como uma prática normal, porém os princípios de Deus são eternos e imutáveis. Na Bíblia, o adultério é, e continuará sendo, pecado. Encontramos tanto no Antigo quanto no Novo Testamentos sérias advertências contra a infidelidade conjugal (Êx 20.14; Dt 5.18; Rm 13.9; Gl 5.19).

Como servos de Deus, precisamos estar atentos, pois “os lábios da mulher estranha destilam favos de mel”. A princípio, a infidelidade pode parecer doce e prazerosa, mas o seu fim é amargoso como o absinto (Pv 5.4). Com a infidelidade, vem a disfunção familiar. Ela é perigosa, é destrutiva para toda família, para a Igreja do Senhor e para a sociedade de um modo geral.

Uma vida conjugal feliz

O capítulo 5 de Provérbios tem início com uma série de conselhos contra o sexo ilícito. A partir do versículo 15, o autor inicia uma seção para falar a respeito do relacionamento íntimo entre marido e mulher. “Bebe a água da sua cisterna” (Pv 5.15). Água é símbolo de vida. O ser humano não pode viver sem ela. Assim também é o relacionamento sexual no casamento. Ele é importante e traz vida aos cônjuges. Um casamento não pode subsistir sem ele. “E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom” (Gn 1.31). Tudo que o Pai criou é bom e isso inclui a sexualidade. E importante ressaltar que o sexo nunca foi, em si mesmo, pecaminoso. Deus o estabeleceu para ser desfrutado no casamento antes que o pecado entrasse no mundo (Gn 2.21-25).

Ao nascer, fomos dotados de instintos (tendência natural) específicos sem os quais nossa sobrevivência seria impossível. O impulso sexual caracteriza o instinto de preservação da espécie. Depois da Queda, no Jardim do Éden, o homem pecador passou a deturpar esse impulso divino, gerando as muitas aberrações que sabemos existir hoje, mas isso não invalida a intenção de Deus de abençoar o homem e perpetuar a espécie através da relação sexual sadia. Provérbio 5.18 diz: “Bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade”. A vida sexual saudável dentro do casamento tem a bênção de Deus, além de dar alegria e prazer ao homem (Hb 13.4).fonte CPAD 

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net