Translate this Page

Rating: 3.0/5 (934 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


os grandes avivamentos da historia
os grandes avivamentos da historia

OS AVIVALISTAS E SUAS PROEZAS 

 

PRINCIPAIS AVIVAMENTOS DA HISTÓRIA DE ISRAEL

 

 

 

Líder

Referência

Como as pessoas responderam

Moisés

Ex.32:33

Aceitaram as leis de Deus e construíram o Tabernáculo.

Josué

Js.24

Deitaram fora os deuses estranhos e inclinaram seu coração para o Senhor.

Samuel

I Sm.7:2-13

Prometeram colocar Deus em primeiro lugar em sua vida e destruíram os ídolos.

Davi

II Sm.6

Levaram a Arca da Aliança para Jerusalém e louvaram a Deus com cânticos e instrumentos musicais.

Asa

I Rs.15:9-14; II Cr.14,15

Tiraram os ídolos, removeram a prostituição sagrada e observaram a lei do Senhor.

Josafá

II Cr. 20

Decidiram confiar somente na ajuda de Deus e o desânimo deu lugar à alegria.

Elias

II Rs.18

Reconheceram que só o Senhor é Deus e mataram os profetas de Baal e de Asera.

Ezequias

II Cr. 29-31

Purificaram o Templo, livraram-se dos ídolos e levaram os dízimos à Casa de Deus.

Manassés

II Cr.33:11-20

Purificaram o Templo, livraram-se dos ídolos e passaram a sacrificar apenas ao Senhor.

Josias

II Cr.34,35

Fizeram um compromisso de obedecer às ordens de Deus e remover as influências pecaminosas de sua vida.

Esdras

Ed.9,10; Ag.1

Pararam de associar-se com aqueles que os faziam transigir em sua fé, renovaram seu compromisso com os mandamentos de Deus e começaram a reconstruir o Templo

Neemias (e Esdras)

Ne.8-10

Jejuaram, confessaram seus pecados, leram a Palavra de Deus publicamente e prometeram por escrito (II Cr.9:38) servir novamente a Deus, de todo o coração

João Batista

Mt.3; Mc.1:1-8; Lc.3:1-20; Jo.1:15-34.

Arrependeram-se dos seus pecados e se submeteram ao batismo pregado por João Batista.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Os reavivamentos periódicos são fatos históricos, característicos do cristianismo anglo-saxônico que recebeu grande ênfase na formação dos Estados Unidos da América. Os não-crentes precisam ser alcançados e os crentes, motivados de tempos em tempos. A princípio, esses movimentos eram espontâneos. Com o tempo, passaram a ser intensas reuniões de avivamento.

Foi nesse contexto que surgiram grandes pregadores de multidões nos EUA, na Grã-Bretanha e na Europa. Muitas vezes, o número de pessoas era tão grande que os cultos liderados por esses homens só podiam ser realizados ao ar livre.

É impossível ler a biografia desses pregadores e não se entusiasmar com sua vida consagrada e não desejar os mesmos resultados por eles obtidos. A ênfase sobre a santidade e o comprometimento com a salvação das almas era muito grande. Uns poucos olhavam tudo isso com olhar crítico, taxando o movimento de emocionalismo, subjetivismo vazio.

Independente das correntes opinativas, os avivalistas tiveram grande impacto na vida espiritual dos séculos XVIII e XIX, principalmente sobre a Igreja Americana que até hoje colhe os frutos resultantes da atuação desses gigantes da fé. 

Jonathans Edwards (1703 - 1758)                       

Pastor congregacional avivalista, missionário aos índios, escritor, primeiro presidente de Princenton e, na estimativa de alguns, primeiro e maior filósofo-teólogo americano. Em 1741, pregou seu famoso sermão: “Pecadores na mão de um Deus irado”, espalhando o avivamento pelas 13 colônias e até na Inglaterra.

Formou-se precocemente em Yale (1720) aos 17 anos, tornando-se pastor em Nortampton, no Oeste deMassachussetts.

Apesar de ter o hábito de ler seus sermões, sua vida de oração teve grande impacto sobre seu povo. Costumava ficar até 13 horas por dia orando e estudando. Era muito comum entrar na floresta para orar e ali ficar durante duas ou três horas com o rosto em terra, clamando a Deus. Seu referido sermão, que teve tanto impacto sobre o primeiro grande avivamento americano do século XX, foi precedido por três dias de oração e jejum.

Um de seus biógrafos disse: “Em todo o mundo onde se fala o inglês era considerado o maior erudito desde os dias de Paulo e Agostinho”.

Faleceu em 1758, em Princeton, vitima da febre resultante da vacina contra a varíola. 

John Wesley (1703-1791) 

Foi o fundador do Movimento Metodista, hoje uma das maiores denominações do mundo. Ele, com certeza,dominou o cenário religioso no século XVIII, tanto na Inglaterra, seu país de origem, quanto nos EUA. Foi ordenado ao ministério em 1728, tornando-se ministro anglicano. Destacando-se por sua vida piedosa e pelo metódico estudo da Palavra, ganhou, junto com o seu grupo, o apelido de “metodista”, que acabou se tornando o nome oficial de sua denominação.

Assim como Lutero, seu desejo era reformar espiritualmente a igreja na Inglaterra, mas acabou tendo de se desligar. Alguns historiadores julgam que o metodismo impediu a Inglaterra de mergulhar em uma Revolução sangrenta, semelhante à que ocorrera na França.

Ao decepcionar-se com seu trabalho missionário nas Treze Colônias Americanas, Wesley encontrou dois irmãos Morávios, na viagem de volta, que tiveram grande influência sobre sua vida, transformando o seu relacionamento com Deus. A partir de então, multidões de cerca de 5 a 10 mil pessoas afluíam para ouvir seus sermões. Era comum nesses cultos, os pecadores acharem-se angustiados e começarem a gritar e a gemer.

Com 70 anos, pregou para um auditório de 30 mil pessoas. Aos 86, fez uma viagem à Irlanda onde, além de pregar seis vezes ao ar livre, anunciou o evangelho cerca de 100 vezes em 60 cidades. 

George Whitefield (1714 - 177O) 

Converteu-se em 1735, aos 21 anos, e, aos 25, começou a pregar ao ar livre. Foi, no início, um dos maiores colaboradores na obra de John Wesley, de quem se separou mais tarde por motivos teológicos. Pregador por excelência, não havia prédio onde coubessem os auditórios e, por isso, sempre armava seu púlpito nos campos, fora das cidades. Algumas vezes também pregou ao ar livre, devido à oposição da Igreja Oficial (Anglicana).

Viajava intensamente para pregar o evangelho. Atravessou treze vezes o Atlântico para pregar nos Estados Unidos. Organizou seus convertidos em saciedades, conforme o costume metodista, e utilizou largamente o serviço de pregadores leigos.

Seu dom de oratória era tão extraordinário que, certa vez, descrevendo para uns marinheiros um navio perdido em um furacão, estes se levantaram gritando: “Às baleeiras! As baleeiras!”.

Foi o profeta do movimento metodista. Sua preocupação com a área social o levou a criar orfanatos para cuidar dos órfãos.

Whitefield morreu aos 56 anos, na cidade de Newburyport, Inglaterra. 

Charles Grandison Finney (1792-1875) 

Convertido aos 29 anos, seu nome está ligado, como nenhum outro, ao movimento avalista. Durante dez anos, de 1824 a 1834, trabalhou incansavelmente pelo avivamento da Igreja. Depois disso, caiu enfermo, devido aos grandes esforços, tendo de entrar em repouso.

Foi nesse período que publicou seu livro “Conferencias sobre avivamento”. Em 1835, tornou-se professor de teologia no Oberlin College, do qual se tornou presidente mais tarde. Posteriormente, escreveu também extensa obra sobre Teologia Sistemática.

Sua vida foi repleta de milagres. Conta-se que, certa vez, ao entrar em uma fábrica, uma mulher começou a caçoar dele. Diante disso, olhou nos olhos dela e saiu. Após algum tempo, ela estava chorando com o desejo de entregar-se a Cristo.

Em outra ocasião, ele apenas passou por um vilarejo em um trem e as pessoas que estavam nos bares, diri­giram-se às igrejas, sentindo agonia pelo seu pecado. Um repórter que investigava a sua vida para saber o seu segredo espantou-se ao vê-lo entrar na floresta para orar e passar horas prostrado diante de Deus.

Algumas estatísticas demonstraram que cerca de 85% dos convertidos de Finney perseveraram em servir a Deus, enquanto a média dos demais pregadores era de 30%. 

Charles Haddon Spurgeon (1834-1892) 

A família Spurgeon foi para a Inglaterra durante a perseguição de Filipe II, da Espanha, no final do século XVI, nos Países baixos.

Converteu-se aos 17 anos pela pregação de um orador metodista em Cambridge e tornou-se um pregador leigo, isto é, sem formação acadêmica.

Após sua conversão, juntou-se à comunidade batista em Cambridge. Sua fama cresceu e, aos 17 anos, tornou-se pastor. Aos 20, era conhecido, por todo o país, como “o menino pregador”. Seus sermões começaram a ser impressos e lidos pelo mundo inteiro. Era comum, em Londres, as pessoas se reunirem, às segundas-feiras, para ler seus sermões. A leitura abrangia tanto trabalhadores da construção civil quanto o pessoal dos escritórios.

Por quarenta anos pregou para imensas audiências e ganhou cerca de 10.000 almas para Cristo. Entrou para os anais da história eclesiástica como o “príncipe dos pregadores”. Fundou o Colégio de Pastores e, até a sua morte, treinou cerca de 900 pregadores.

Ao morrer, em 1892, 6.000 pessoas assistiram ao seu funeral em cortejo fúnebre. Em seu caixão, a Bíblia aberta no texto usado para convertê-lo: “olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os confins da terra; pois eu sou Deus, e não há outro” (Is 45.22). 

Dwight Lyman Moody (1837 - 1899)           

Foi evangelista por excelência. Convertido aos dezessete anos, começou seu ministério como professor de Escola Dominical, chegando a reunir 1500 crianças, aproximadamente. As crianças sempre foram uma grande preocupação em sua vida. Dava bastante ênfase ao evangelismo pessoal, chegando a fazer, em um só dia, duzentasvisitas. Tinha o propósito de não dormir antes de pregar o evangelho para alguém. Deixou, por fim, seu trabalho secular para dedicar-se inteiramente à obra de Deus.

Em 1871, foi tomado por um forte desejo de salvar muitas almas. Então, devido a esse desejo, em 1873, junto com Ira D. Sankey começou uma missão intensa no norte da Inglaterra, seguindo depois para a Escócia, onde espalhou uma onda de avivamento.

Além de seu trabalho evangelístico, fundou escolas e um Instituto Bíblico em Chicago. Levantou grandes donativos para auxiliar a Associação Cristã de Moços. Conduziu também inúmeras conferências para ministros, estudantes e obreiros cristãos.

Pregou seu último sermão no dia 22 de dezembro de 1899 para uma audiência de 15.000 pessoas, quando ganhou centenas de almas para Cristo.

 

O AVIVAMENTO DA RUA AZUZA 

Willian Joseph Seymour (1906) 

O pentecostalismo surgiu com o norte-americano Charles Fox Parham. Foi ele quem, pela primeira vez, elaborou essa definição teológica para o movimento que sublinhava o vínculo entre o “falar em línguas” e o “batismo com o Espírito Santo”. A glossolalia, fenômeno caracterizado por falar em línguas desconhecidas espontaneamente, tornou-se, então, a evidência inicial do batismo com o Espírito Santo.

Em 1900, Parham alugou a “Mansão de Pedra”, como era conhecida em Topeka, Kansas, para constituir uma escola bíblica chamada Betel. Cerca de 40 estudantes, motivados pelo movimento, ingressaram na escola para o primeiro e único ano de curso plenamente relacionado às doutrinas que envolviam a pessoa do Espírito Santo.

Em janeiro de 1901, os alunos de Parham se reuniram para orar e, neste dia, foram batizados com o Espírito Santo e passaram a emitir palavras desconhecidas. Esse foi o estopim para o movimento da rua Azuza.

Poucos eventos afetaram a história da igreja contemporânea tão profundamente quanto o avivamento da ruaAzuza, cuja explosão é explicada por meio de uma renovação espiritual mundial calcada em princípios pentecostais. O personagem histórico central desse evento foi o pastor William Joseph Seymour, discípulo de Parham. O movimento desenvolveu-se a partir de um pequeno armazém em Los Angeles naquela rua, número 312, justificando assim seu nome.

A contribuição do pregador Seymour foi essencial, pois, se não fosse por ele, talvez o pentecostalismo deParham não tivesse passado de boatos. Daí para frente, Seymour se tornou o grande anunciador do movimento pentecostal. Em 1906, seus ensinos sobre as práticas de falar palavras desconhecidas trouxe grande quantidade de adeptos ao pentecostalismo e, dois anos mais tarde, sua igreja já mandava missionários para 25 países.

 O advento da rua Azuza, de fato, estava exercendo profunda força, tanto centrípeta como centrífuga, no mundo protestante. Funcionava como um potente imã, atraindo líderes de diversos segmentos do protestantismo que desejavam conhecer o que estava ocorrendo ali. E também como centro irradiador da mensagem pentecostal, enviando grupos para diversas localidades do país e do mundo.

O pentecostalismo chegou ao Brasil trazido por operários imigrantes. Primeiro em 1910, pelo italiano LouisFrancescon, fundador da Congregação Cristã no Brasil, e, Logo em seguida, em 1911, pelos suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg, fundadores da Igreja Evangélica Assembléia de Deus. Foi expressiva também a contribuição da missionária Aimee Semple McPherson, fundadora da Igreja do Evangelho Quadrangular, iniciada no Brasil em 1951 pelo pastor Harold Edwin Willians. Todos eles, sem distinção, foram influenciados pelo avivamento da rua Azuza.

Enquanto isso, Seymour Continuou seu pastorado na rua Azuza até sua morte, em 28 de setembro de 1922. O edifício da igreja onde tudo começou foi destruído poucos anos mais tarde.Todavia, quando isso ocorreu, a chama pentecostal já havia atravessado fronteiras.

Hoje, há mais pentecostais no mundo do que luteranos, anglicanos. batistas tradicionais e presbiterianos somados. A maior igreja pentecostal do mundo possui cerca de 700.000 membros e está na Coréia do Sul. 

Fonte: Revista Defesa da fé.

FONTE www.estudarhistoriadaigreja.blogspot.com.br