Translate this Page

Rating: 3.0/5 (867 votos)



ONLINE
2




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

os pais da igreja ORIGENES
os pais da igreja ORIGENES

                                                              ORIGENES 

  

Ele era nascido na montanha região, à qual seus pais haviam se retirou para escapar da perseguição), 'Adamantius também de sobrenome, por conta de sua notável firmeza e assiduidade de ferro, é chamado o pai da crítica bíblica e exegese na Igreja. Mas não é só neste ramo de atividade literária que ele tem se destacado. Orígenes pode muito bem ser pronunciado um dos mais capazes e dignos dos Padres da Igreja - de fato, um dos maiores prodígios morais da raça humana. Ele é universalmente considerado como um dos estudiosos mais laborous e aprendi que tem aparecido na cristandade, e apesar de sua ortodoxia tem em alguns pontos doutrinários importantes foi posta em causa, a sua fama e influência vai perseverar até o fim dos tempos, e sua memória seja reverenciado entre todos os seguidores de Jesus Cristo.

 . Vida - Orígenes nasceu, de acordo com o cálculo mais confiável, na cidade de Alexandria, no Egito, em 185 dC Seu pai, Leônidas, que era cristão, tem a fama de ter sido um homem de cultura e de piedade; e enquanto ele tentava imbuir a mente dos jovens, cujo primeiro instrutor estava ele, com o amor das letras e das ciências, que cada grego livre era estar familiarizado com, ele ainda deu uma atenção especial ao conhecimento sagrado, de modo que Orígenes pode realmente entender o conteúdo das Escrituras; e antes que o menino tinha atingido a maturidade, ele evidenciou que sua mente só não tinha sido preenchido com o conhecimento, mas que seu peito brilhava com um zelo igual para a prática das verdades que tinha aprendido a partir das páginas sagradas. No ano 202, durante a perseguição de Severo, que durou por todas as igrejas, mas caiu com mais tremenda devastação sobre a Igreja em Alexandria, muitos dos cristãos mais ilustres de outras partes foram levados a sofrer o martírio nesta cidade notável.

 Em vez de esconder suas próprias convicções, Orígenes corajosamente avançou, e expôs-se a uma multidão selvagem, ministrando a estes homens santos; e quando seu pai, também, foi por sua fidelidade à religião cristã preso, e propensos a sofrer o martírio, Orígenes foi com grande dificuldade impedida por sua mãe de compartilhar o destino de seu pai. Na verdade, tão firmemente foram suas convicções enraizadas que ele enviou exortação após exortação para a prisão de seu pai para tamponar a morte ao invés de se retratar. "Acautelai-vos", escreveu o jovem imberbe de dezessete anos - "Vede, ó pai, que você não mudar sua mente para o nosso bem."

Leonidas permaneceu firme e foi decapitado; e Orígenes, sua mãe e irmãos mais novos - seis no total -ficaram desprovidos de proteção e de propriedade também, como a propriedade que possuía foi confiscado. Nesta condição desamparada Orígenes encontrou um patrono nobre e defensor de uma senhora rica, que desejava ser ensinado as verdades do cristianismo. Mas não muito tempo depender dela, pois no ano seguinte, "abandonado" a casa dela, porque ela entretido um herege de renome, a quem, apesar de alta na reputação pela sua aprendizagem; Orígenes não consideraria um ajuste associado. Ele apoiou-se durante algum tempo, ensinando a língua e literatura grega e copiando MSS. Em 203 dC bispo Demétrio, depois o seu adversário, colocou-o no comando da escola catequética deixado vago pela fuga de Clemente (qv), cujo inistructions Orígenes tinha gostado, e cuja amizade e estima que ele tinha garantido enquanto um aluno. Para preencher dignamente este importante cargo Orígenes fez-se conhecer as várias heresias, especialmente o gnóstico, e com a filosofia grega. Ele não era nem vergonha de estudar com os pagãos Amônio Sacas (qv) o fundador do célebre neoplatonismo (qv).

 É claro que um aplicativo tão fiel a pesquisa foi recompensado com aplausos populares, e uma multidão de pessoas se reuniram para suas palestras. Entre seus alunos estavam muitos de o sexo mais fraco; e como em seus estudos, ele empregadas do sexo feminino como copistas, ele decidiu arrumar toda a aparência do mal possível por sua própria castração, baseando este ato injustificado com as palavras de Cristo ( Mateus 9:12 ), que Orígenes interpretado em um sentido literal em Naquela época, embora em um período posterior da vida de seu lamento por seus primeiros pontos de vista.

Ele também neste período inicial da vida procurado estrita conformidade com a doutrina pregada por Paulo em 1 Coríntios 07:25 , e praticou a pobreza voluntária, e levou uma vida estritamente ascética. Ele fez questão de princípio a renunciar a todas as coisas terrenas não indispensavelmente necessário; recusou os presentes de seus alunos tinha apenas um casaco, sem sapatos, não levaram pensamento do 'amanhã. Ele raramente comia carne, nunca bebeu vinho; dedicou a maior parte da noite para a oração eo estudo, e dormia no chão nu. Por esses meios, ele comandou o respeito de ambos os sábios e os ignorantes em uma época e país onde um tal modo de vida foi tida na mais alta reputação, tanto por cristãos e pagãos, e assim, em conexão com a sua instrução pública e privada, ele fez uma multidão de convertidos de todas as fileiras dos pagãos. Entre aqueles a quem sua pregação, apoiado por uma vida tão repleta de consistência, recuperado foi um herege Valentiniano, uma pessoa rica, chamado Ambrósio, que depois assistida Origem materialmente na publicação de seus comentários sobre as Escrituras.

Foi um pouco de tempo que precede esses atos importantes (cerca AD 211) que Orígenes visitou Roma, a fim de familiarizar-se com as doutrinas, as práticas, e de caráter geral da sua Igreja verdadeiramente antiga. As opiniões alexandrinos e romanos da Igreja eram muito diferentes. Por último, a Igreja eo corpo de Cristo foram contemplados como uma organização visível, pela primeira como um invisível. Em Roma e Cartago nepotismo foi temido como o pior dos males, e os batizados eram vistos como constituindo a Igreja. Em Alexandria a alienação da mente e do coração da verdade foi considerado como o chefe do mal, e os santos, tanto no céu como na terra, eram vistos como constituindo a verdadeira Igreja.

 Opiniões de Orígenes em relação à organização eclesiástica e disciplina eram substancialmente os mesmos que os que são mais comumente entretidos por cristãos evangélicos. Eles eram muito mais espiritual e racional do que os mantidos pela Igreja Romana, e por Cipriano e Agostinho. (O capítulo em que Redepenning apresenta um resumo do sistema de disciplina prática Igreja de Orígenes é um tratado muito valioso, sobre o assunto, para efeitos práticos, em geral, o meio termo entre o formalismo e latitudinarianism está feliz escolhido: ainda parece que Orígenes admitiu uma modificação supremacia da Igreja de Roma.) estadia de Orígenes em Roma, foi curto. Após o seu regresso a Alexandria, a pedido do bispo Demétrio, retomou as suas lições, e, em seguida, reuniu-se com os resultados notáveis ​​e abençoadas em seus trabalhos acima referidos. Problemas susceptíveis de conduzir a dissensão grave que eclodiu naquela cidade, em 215 dC tornou evidente que os professores cristãos não poderiam efetivamente processar o seu trabalho, e Orígenes aposentado secretamente para a Palestina. Isso enfureceu o bispo; e quando o clero daquela província pediu Orígenes para expor as Escrituras em público, Demetrius escreveu a protestar com eles, sobre o fundamento de que tal missão não deve ser confiada a um que não era um sacerdote ordenado.Alexandre, bispo de Jerusalém, e Theocritus de Casarea defendeu sua conduta, alegando que os bispos sempre empregado para esse fim, como foram melhor qualificados para ele por sua erudição e piedade, sem indagar se eram padres ou leigos. Demetrius finalmente lembrou Orígenes e depois mandou-o para a Grécia para se opor a algumas novas heresias que tinham surgido na Acaia. No caminho para lá, em 228, foi ordenado presbítero em Cesaréia, na Palestina, por Teócrito.

 Este modo desagradou Demetrius que ocupou dois conselhos (AD 231 e 232) em Alexandria, pelo qual Orígenes foi proibido de ensinar, e excomungados. Ele foi acusado, 1. de ter castrou a si mesmo; 2, de terem sido ordenados sem o consentimento de seu bispo regular; 3, de ensinar doutrinas errôneas, como a dizer que o demônio seria salvo, e ser resgatados dos tormentos do inferno, etc Orígenes negou a veracidade destas acusações, e retirou-se para Cesaréia, em 231, onde foi recebido com muita honra por Theocrituis; para as igrejas da Palestina, Arábia, Fenícia, e Acaia, que foram muito bem informado sobre Orígenes, desaprovou esta sentença injusta, em que a inveja, a arrogância hierárquica e zelo cego para a ortodoxia unidos. A Igreja Romana, sempre pronto a anatematizamos, só concordou, sem uma investigação mais aprofundada.Jerome afirma que os trabalhos dos conselhos não eram devidas a qualquer crença na culpa de heresia de Orígenes, mas unicamente ao ciúme de sua eloqüência e reputação.

Enquanto residente em Cesaréia, Orígenes não abriu uma nova escola filosófica e teológica, que logo ofuscar a de Alexandria. A instituição cesariana foi adotado por pessoas de lugares mais distantes, que estavam ansiosos para ouvir suas interpretações das Escrituras. Dentre seus discípulos estavam muitos que depois subiu para grande eminência na Igreja. Com a morte de Demétrio toda a oposição a Orígenes morreu, e, posteriormente, seu conselho foi em todos os lugares ansiosamente procurado. Ele foi chamado para consultas em várias disputas eclesiásticas, e tinha uma extensa correspondência; até mesmo a sua presença pessoal era frequentemente solicitado. Assim Mammaea, mãe do imperador Alexandre Severo, mandou-o para Antioquia, que ela pode conversar com ele sobre religião; e em um período posterior, ele tinha uma correspondência com o imperador Philip e sua esposa Severa. As perseguições renovada sob Maximin contra os cristãos, e particularmente contra os padres e professores causado Orígenes se aposentar em silêncio por dois anos. Quando a paz foi restaurada por Gordian em 237, Orígenes aproveitou para visitar a Grécia. Ele permaneceu por algum tempo em Atenas; e tendo retornado a Cesaréia ele foi a pedido dos bispos da Arábia para participar de dois sínodos realizados no país. Aqui ele gozava o sucesso (raro, de fato, na controvérsia religiosa) de convencer seus oponentes: estes eram Beryllus, bispo de Bostra, na Arábia, que negou a pré-existência de Cristo; e alguns que considerou que a alma morre com o corpo, para ser revivido com ele na ressurreição.

Quando cerca de 60 anos de idade Orígenes permitida seus discursos a serem tomadas para baixo em taquigrafia, e desta forma mais de mil de suas homilias foram preservados. Na perseguição Décio (250 dC) Orígenes foi novamente preso, sofreu grande tortura, e chegou perto de sofrer o martírio. Ele foi, no entanto, finalmente lançado, mas morreu pouco depois, alguns dizem que em Tiro, em 253 ou 254, provavelmente em conseqüência da violência sofrida na prisão. Ele pertence, portanto, como Schaff disse com propriedade ", pelo menos entre os confessores, se não entre os mártires" (Ch Hist. 1:. 504). Seu túmulo, perto do altar-mor da catedral de Tiro, foi mostrado por muitos séculos, até que foi destruída durante as Cruzadas.

Orígenes é, sem dúvida, um dos homens mais notáveis ​​entre os antigos escritores cristãos. Seu talento, eloquência e aprendizagem têm sido comemorado não só pelos escritores cristãos, mas também por filósofos pagãos, incluindo o próprio Porfírio. Jerome o chama de "um homem de gênio imortal, que entendeu a lógica, geometria, aritmética, música, gramática, retórica e todas as seitas dos filósofos, de modo que ele foi adotado por muitos estudiosos da literatura secular quem recebeu principalmente que ele pode abraçar a oportunidade de instruí-los na fé de Cristo "(De Vir. Illust. 54 c.). Em outro lugar ele chama de o maior mestre desde os apóstolos.

 Encontramos esse mesmo Jerônimo, no entanto, em um período posterior de sua vida violentamente atacando Orígenes, e aprovação da perseguição contra seus seguidores. "Orígenes", diz o professor Emerson (no Repositório bíblica, 47 janeiro 1834, art. I, p.) ", É um entre os poucos que marcaram os anais da nossa raça, levantando-se como uma definição de vida o que se entende por um homem de gênio, de aprendizagem, piedade e energia. Tudo isso ele possuía em combinação amável. Qualquer assunto que valia a pena dominar tinha dominado, e quando ele tinha feito isso iria dedicar a aquisição de um propósito específico para o qual .. que o buscou Assim, ele aprendeu música, filosofia e literatura pagã, que ele poderia ganhar a estima e ganhar as almas dos devotos para tais realizações Assim, ele estudou hebraico, para que pudesse transmitir as Escrituras e conheça os judeus, e depois Ele escreveu comentários sem fim Perseguiu nada sem um projeto A alma do homem era o seu grande objetivo,.. que o mundo era seu teatro, que era o seu propósito de fazer-se em casa em todos os lugares e em todas as coisas, para que pudesse ganhar todos os homens. Como o grande apóstolo, vamos encontrá-lo em todos os lugares fiel ao seu propósito e preparado para seu trabalho: em Alexandria, na escola e no meio de seus filósofos e população heterogénea; na Arábia, na Palestina, em Atenas; entre os cristãos e entre os pagãos; entre perseguidores e os hereges bem entre amigos.

 Era pior do que em vão para a oposição a fazer qualquer coisa para um homem curto de colocá-lo à morte. Arraste-o, meio morto, ao templo pagão, e oferecê-lo distribuir os emblemas de ritos pagãos, e você ouvi-lo pregar Jesus para aqueles que se aproximam de compreender os ramos sagrados. Deixe Demétrio e seus conselhos expulsar e expô-lo, mas ele não se aposentar para Cesaréia, onde ele abre uma nova escola de maior número, e multidão 'miríades' em torno dele. Ele é o selo de uma verdadeiramente grande e bom homem.Sacrificado para o mundo em sua juventude, e do mundo para ele, restava nada no mundo a fazer a não ser matá-lo - e até isso ele cortejada, ao invés de temer. Ele desejou nenhuma desculpa para cessar de suas labutas cristãs; eles eram a sua carne e beber "De fato, toda a sua vida foi ocupada por escrito e ensino, e, principalmente, na explicação das Escrituras Nenhum homem.. - certamente nenhum nos tempos antigos - fez mais para resolver o verdadeiro texto das escrituras sagradas, e espalhá-los entre as pessoas, ainda, se de um defeito no julgamento ou a partir de uma falha em sua educação, ele aplicou as Sagradas Escrituras o método alegórico, que os platônicos utilizado na interpretação da mitologia pagã Ele mesmo diz que "a fonte de muitos. males é o aderente à parte carnal ou externo das Escrituras. Aqueles que o fazem não deve atingir o reino de Deus.

Vamos, portanto, buscar o espírito e os frutos substanciais da Palavra, que estão escondidos e misterioso. "Mais uma vez," as Escrituras são de pouca utilidade para aqueles que os entendem como eles são escritos. "No século 4 os escritos de Orígenes levou a controvérsias violentas na Igreja. Epifânio, em uma carta preservada por Jerome, enumera oito opiniões errôneas.

 Funciona. -

 Todas as obras existentes de Orígenes foram muito danificados, intencionalmente ou acidentalmente, por copistas e anotadores, etc O número de suas obras é indicado por Epifânio e Rufinus ter ultrapassado 6000, e embora este é, provavelmente, só queria dizer como um número redondo exagerada, ainda. a quantidade de escritos que emitidos a partir de sua sempre ocupado cérebro e as mãos não podem deixar de ter sido enorme. Sete secretários e sete copistas, auxiliados por um número indeterminado de jovens meninas, são por Eusebi do relatado para ter sido sempre a trabalhar para ele. A grande maioria de suas obras está perdido; mas entre aqueles que sobreviveram a mais importante, de longe, é a sua tentativa elaborada para retificar o texto da Septuaginta por cotejar com o original hebraico e outras versões gregas. Por isso, ele passou vinte e oito anos, durante os quais percorreu os materiais de coleta Leste.

A forma em que ele emitido pela primeira vez o resultado de seus trabalhos foi o da Tetrapla,que apresentou em quatro colunas os textos da Septuaginta, Aquila, Symmachus e Thedotion. Em seguida, ele emitiu a Hexapla, em que o texto hebraico foi dada, pela primeira vez em hebraico e depois em letras gregas. De alguns livros que ele deu duas versões gregas adicionais, daí o título Octapla; e houve até uma sétima versão grega adicionado para alguns livros. O arranjo era em colunas, na seguinte ordem: Hebraica de seus personagens apropriados; Hebraico em caracteres gregos; Aquila; Symmachus; Setembro .;Theodotion; Quinta versão; 6; 7. Infelizmente esta grande obra, que se estendeu a quase cinqüenta volumes, nunca foi transcrita, e assim pereceram. Ele tinha sido colocado na biblioteca de Cesaréia, e ainda foi muito usado nos tempos de Jerome.

 Ele provavelmente foi destruída pelos sarracenos em 653. Extratos de que, entretanto, tinha sido feito, e, destes, alguns são preservados. Eles foram coletados por Montfaucon, intitulado supersum Hexaplorum quae, multis partibu. auctiora, quam uma Flaminio Nobilis et Jonne Drusio edita fueint. Ex MSS. et ex libris Editis eruit et notis illustravit 'D. Bernardus de. Montfaucon, Monachus Benedictinus (Paris, 1713, 2 vols. Fol.). Esta edição foi trazido em um revise por Bahrdt, intitulado Hexaplorum Origenis quae supersunt. Edidit, notisque illustravit CF Bahrdt (Leips. 1769-70, 2.Yols.8vo), algumas adições foram feitas para esta coleção uma vez por vários editores. Tinha essa grande obra foi preservada, teria feito mais para a crítica da Bíblia do que as obras exegéticas de Orígenes ter feito para a sua interpretação; pois, embora a princípio ele seguiu o método histórico-gramatical de interpretação, ele logo abandonou-a para o alegórico, no qual ele se entregou a uma medida perniciosa. (.. Eccles Hist) Pensamos Waddington tem a melhor estimativa Orígenes: "Suas obras apresentam o funcionamento de uma mente ousada e abrangente, ardendo de calor religioso, sem restrições por qualquer preconceito ou interesses baixos, e sinceramente empenhados na obtenção da verdade In. o plano principal e contorno de seu curso ele aproveitou os meios que melhor calculadas para o seu objeto, pois seus principais trabalhos foram direcionados para a coleção de cópias corretas das Sagradas Escrituras, para sua tradução rigorosa e fiel, com a explicação de suas inúmeras dificuldades.

 Nos dois primeiros desses objetos era singularmente bem sucedida, mas na realização da última parte de sua nobre esquema o calor de sua imaginação e seu apego à especulação filosófica o levaram ao erro e absurdo, pois ele se candidatou para a explicação da Antigo Testamento, o mesmo método de alegoria fantasiosa pela qual os platônicos estavam acostumados a velar a fabulosa história de seus deuses. Este erro, tão fascinante para a imaginação solta do Oriente, foi rapidamente propagado por numerosos discípulos, e tornou-se a fundação do que sistema duvidoso de teologia chamado filosófico ou escolástico ".

 1. Orígenes comentários coberto quase todos os livros do Antigo e Novo Testamentos, e tem uma vasta riqueza de sugestões profundas, com as mais arbitrárias fantasias alegóricas e místicas. Eles eram de três tipos:

 (A) notas breves sobre passagens difíceis de solteiro para iniciantes; todos estes são perdidos.

(B) exposições prolongadas de livros inteiros, para maior estudo científico; destes, temos um número na original.

(C) aplicações exortativo ou práticas das Escrituras para a congregação ( Ομιλίαι ), que são importantes também para a história do púlpito oratória.

Mas temos apenas em parte, como foi traduzido por Jerônimo e Rufino, com muitas demissões e adições sem escrúpulos, que desconcertam e estão aptos a induzir em erro os investigadores.

 2. Ao lado de suas obras bíblicas suportar suas apologéticas e polêmicas obras. Destes, o ΚατὰΚέλσου τόμαι r | , ou em latim intitulado ' Contra Celsum (libri 8), que é uma refutação de Celso, (qv), ou, melhor, a defesa da fé cristã contra as objeções de que platônico de Orígenes, em oito livros; escrito em sua velhice, sobre 249, é preservada completa no original, e é uma das produções mais maduras e mais valiosos de Orígenes, e de toda a literatura apologética antiga. Também existe em uma versão em Inglês, intitulado Orígenes contra Celso, traduzido do originial para o Inglês por James Bellamy, Gent.(Lond. 8vo, nd). Seus outros e bastante numerosos escritos polêmicos contra os hereges se foram.

 3. Of de Orígenes dogmáticas escritos que temos, embora apenas na tradução imprecisa latino de Rufino, sua produção juvenil, Περὶ ἀρχῶν ( De Principiis ) , sobre as doutrinas fundamentais da fé cristã, em quatro livros. Esta foi a primeira tentativa da Igreja de Cristo em um dogmático completo; mas é cheia de erros peculiares platonizante e Gnosticizing do autor, alguns dos quais se retratou em seus anos mais maduros. Antes de Orígenes, não existia sistema de doutrina cristã.

O início de uma apresentação sistemática estavam contidas na Epístola de Paulo aos Romanos e na Epístola aos Hebreus. A necessidade de reduzir os ensinamentos da Bíblia e as doutrinas desenvolvidas no curso de controvérsias contra os hereges e não cristãos a uma forma sistemática foi sentida pela primeira vez pelos professores na escola para catequistas, e eles, em que vai trabalhar para atender a essa necessidade, foram guiados pela confissão batismal ea Regula Fidei.

Nos escritos de Clement os temas de seu Gnosis são livremente combinadas, e os tratados divulgar nenhum plano seguido em detalhe; eles são apenas trabalha com um sistema de preparação. Estabelecendo com estes materiais, Orígenes lançou as bases de um sistema regular de dogmas cristãos. No entanto, sua ordem não era muito exata, eo ganho de uma forma doutrinal sistemática não foi assegurado sem perda de material. A doutrina relativa à existência premundane de Deus, que está sendo colocado em primeiro lugar na ordem escolar regular, oculta os germes que vivem sentados no sentimento religioso do homem ou contidos na história da religião, o que poderia ter influenciado beneficamente o desenvolvimento histórico da doutrina cristã; ea doutrina da soteriologia ficou relativamente subdesenvolvida. Orígenes diz: "Os apóstolos ensinaram apenas o que era necessário, muitas doutrinas não foram anunciados por eles com clareza perfeita, eles deixaram a determinação mais precisa e demonstração de muitos dogmas aos discípulos da ciência, que estavam a construir um sistema científico na base nos artigos dado da fé "(De Princ. Praef. p. 3.sq.).

O princípio de que uma exposição sistemática terá início com a consideração de que o que é, naturalmente, primeiro é expressamente anunciada por Orígenes (Tom em Joan 10.:. 178), onde, em uma interpretação alegórica do consumo de peixes, ele diz: "Ao comer , deve-se começar com a cabeça, ele deve defini-lo a partir dos dogmas mais elevados e fundamentais relativas ao celestial, e deve parar com os pés, ele deve terminar com as doutrinas que relacionados com o reino da existência que está mais distante da fonte celestial , seja o que é mais relevante ou ao subterrâneo, ou para os maus espíritos e demônios impuros. " A ordem de apresentação dos quatro livros que respeitam as doutrinas fundamentais é (de acordo com o esboço dado por Redepenning (Orig. 2: 276) o seguinte: "No início é colocada a doutrina de Deus, a eterna fonte de toda a existência, como um ponto de partida para uma exposição em que o conhecimento da essência de Deus, e dos desdobramentos dessa essência, leva para a gênese dos eternos do mundo, viz. dos espíritos criados, cuja primeira queda ocasionou a criação do grosseira mundo material. Este material é sem dificuldade organizados em torno das doutrinas eclesiásticas do Pai, do Filho e do Espírito, da criação, os anjos, e da queda do homem. Tudo isso está contido no primeiro livro da obra de Orígenes sobre doutrinas fundamentais .

No segundo livro que põe os pés sobre a terra, pois é novo vemos decorrentes do mundano ante- que importa não é absolutamente eterna, com o tempo, em que é levar sua existência mudando até a restauração ea emancipação da espíritos decaídos; A este mundo vem do Filho de Deus, enviado pelo Deus do Antigo Testamento, que não é outro senão o Pai de Jesus Cristo;aprendemos sobre a encarnação do Filho, do Espírito Santo, como ele sai do Filho para entrar nos corações dos homens, do pyschical no homem como distinto do puramente espiritual nele, da purificação e restauração do físico homem pelo julgamento e punição, e da salvação eterna. Em virtude da liberdade inalienável pertencente ao espírito, que luta o seu caminho para cima em face dos poderes do mal do mundo espiritual e contra as tentações de dentro, apoiados pelo próprio Cristo, e pelos meios da graça, ou seja, por todos os presentes e operações do Espírito Santo. Esta liberdade, e o processo pelo qual o homem torna-se livre, estão descritos na terceira livro. O quarto livro é diferente do resto e independente, contendo a base sobre a qual a doutrina dos livros anteriores repousa, viz., A revelação feita pelas Sagradas Escrituras "(enquanto dogmáticos posteriores foram acostumados a colocar a doutrina antes do outro conteúdo do sistema).

4. Entre os trabalhos práticos de Orígenes merecem realce especial o seu tratado sobre a oração, com a exposição da Oração do Senhor, e exortação ao martírio. Foi escrito durante a perseguição de Maximino.Além dessas obras, Orígenes escreveu muitas cartas, Επιστολαί ( Epistoli ) , dos quais Eusébio coletados ao longo de oitocentos. Temos, também, alguns fragmentos de resposta a Júlio Africanis sobre a autenticidade da história de Susanna. Delarue deu (1: 1-32), completo ou fragmentário, tudo o que resta deles. Entre as obras de Orígenes também normalmente é inserido o Philocalia ( Φιλοκαλία ) , uma coleção de extratos de seus escritos sobre diversas questões exegéticas. A compilação foi feita, no entanto, por Gregório de Nazianizum e Basílio, o Grande . Ela tem o direito Philocalia, de obscuris S. Scripturae locis, a SS. PP. Basílio Magno et Gregorio theologo, ex va-iis ' Oregenis comnmenfaiis Excerpta, Omnia nunc'primum Grécia edita, ex Bibliotheca Regia, opere et studio Jo. Tarini, Andegavi ,: qui et Latine fecit et notis illustravit (Paris, 1619 "4to).

A edição mais completa das obras de Orígenes foi publicado sob o estilo, Opera omnian quae Grécia vel Latine tantun extanu t et ejus nomine circumferuntur, ex variis editionibus et codicibus nmanu exaratis, Gallicanis, Italicis, Germanicis, et Anglicis, Collecta, recensita, Latine versa , atque Illustrata annotatiosnibus, CURM indicibus copiosis, vita auctoris, et multis- dissertationibus. Opere et studio Domini Caroli Delarue, Presbyteri et Monachi Benedictini b Congregatione S. Mauri (Paris, 1733-1759, 4 vols fol..);mas uma edição mais crítica é a de que o direito, Opera omniza quac Grece vel Latine tanztui existente.Edidit CHE Lommatzsch (Berlim, 1831-1848, 25 vols. 8vo). 'Outras boas edições são: Opera [Latine, estúdio J. Merlini]; (Paris ,: 1512, 4 vols fol.). Contra Celsum, libri VIII, ejusdem Philocalia, Gr. Lat et '. cum annotatiouibus Gul. Spenceri (Cantab 1658, 4to;. Reimpresso 1677).

 Doutrinas - História Eclesiástica

 Como Fabricius observa, não pode fornecer qualquer outro exemplo de um homem que foi tão famoso através de um bom relatório e mal relatório como Orígenes. As brigas e disputas que surgiram na Igreja após sua morte, por conta de sua pessoa e dos escritos, parece pouco crível que qualquer que não examinaram a história desses tirmes. A Igreja universal foi dividido em duas partes; e esses partidos lutaram tão furiosamente a favor e contra Orígenes, como se a religião cristã tinha se sido em jogo.

Huetius empregou o segundo livro de sua Origeniana, que consiste acima de 200 páginas em fólio, em apontar e da publicidade sobre esses dogmas desta ilustre pai como são ou completamente indesculpável ou muito censurável. Cave (... Hist Liter Oxon 1740) recolheu dentro de um curto compasso os principais princípios que lhe rendeu detestável; e daí aprendemos que Orígenes foi acusado de manter diferentes graus de dignidade entre as pessoas da Santíssima Trindade; como que o Filho era inferior ao Pai, eo Espírito Santo inferior a ambos, da mesma maneira como os raios emitidos pelo sol são inferiores em dignidade ao próprio sol; que a morte de Cristo foi vantajosa, não apenas aos homens, mas aos anjos, demônios, ou melhor, até mesmo para as estrelas e outras coisas insensíveis, que ele supõe ser possuidor de uma alma racional, e, portanto, ser capaz de pecar; que todas as naturezas racionais, quer demônios, almas humanas, ou qualquer outro, foram criados por Deus desde toda a eternidade, e foram originalmente inteligências puras, mas depois, de acordo com os vários uso de seu livre arbítrio, dispersos entre as várias ordens de anjos, homens , ou demônios; que os anjos e outros seres sobrenaturais estavam vestidos com corpos sutis e etéreos, que consistia em questão, embora em comparação com os nossos corpos mais grosseiros podem ser chamados incorpórea e espiritual; que as almas de todos os seres racionais, depois de colocar fora de um Estado, passar para outra, seja superior ou inferior, de acordo com seus respectivos comportamentos; e que, portanto, por uma espécie de transmigração perpétua, uma ea mesma alma pode, sucessivamente, e até mesmo, muitas vezes, passar por todas as ordens de seres racionais; que, portanto, as almas dos homens foram empurrados para a prisão de corpos de delitos cometidos em algum estado anterior, e que, quando solto daqui eles vão se tornar ou anjos ou demônios, como eles devem ter merecido; que, no entanto, nem o castigo dos homens ou demônios, nem as alegrias dos santos, deve ser eterno, mas que tudo voltará ao seu estado original de inteligências puras, para iniciar a mesma rodada de novo, e assim por diante para sempre.

 Diz Schaff (Ch Hist. 1:. 270): "Orígenes sentiu todo o peso do cristológico e trinitário questão, mas obscurecida-lo por suas especulações estrangeiras e oscilou entre a homoousian, ou ortodoxa, e as teorias de subordinação, que depois entrou em agudo conflito uns com os outros na controvérsia ariana Por um lado, ele traz o Filho o mais próximo possível da essência do Pai;. não só tornando-o absoluto sabedoria pessoal, a verdade, a justiça, a razão etc), mas também previsão de expressamente eternidade dele, e propondo o dogma da Igreja eterna . geração do Filho Esta geração que geralmente representa como proceder a partir da vontade do Pai, mas ele também concebe como processo de sua essência; e, portanto, pelo menos em uma passagem, em um fragmento sobre a Epístola aos Hebreus, ele já aplica o termo ὁμοούσιος para o Filho, declarando assim ele co-igual em substância com o Pai. Essa idéia de geração eterna, no entanto, tem uma peculiar formar nele, a partir de sua estreita ligação com a sua doutrina de uma criação eterna.

Ele não pode mais pensar sobre o Pai sem o Filho, do que de um Deus todo-poderoso, sem criação, ou da luz, sem brilho ( De Princip iv,. 28: sine intelligi Patre 'SICIT lux numquam' msine Splendore ESSE potuit 'ita nec Filius quidem potest). Por isso, ele descreve esta geração não como um ato único, instantâneo, mas, como a criação, já em curso. Mas, por outro lado, ele distingue a essência do Filho da do Pai; fala de uma diferença de substância ( ἑτερότης τῆς οὐσίας , ou τοῦ ὑποκειμενου que os defensores da sua ortodoxia, provavelmente sem razão, ter como meramente opor-se à concepção Patripassian doὁμουσία ) ; e faz o Filho decididamente inferior ao Pai, chamando-o, com referência a João 1: 1 apenasθεός sem o artigo, que é Deus em sentido relativo (Deus de Deo), também δεύτερος θεός , mas o Pai, Deus, no sentido absoluto, ¼ θεός (Deus em si), ou αὐτόθεος , também a fonte ea raiz da divindade (πηγή , ῥίζα τῆς θεότητος ) . Daí ele também ensinou que o Filho não deve ser diretamente abordados na oração, mas o Pai através do Filho, no Espírito Santo. Este deve ser limitado, sem dúvida, a adoração absoluta, pois ele reconhece em outro lugar oração ao Filho e ao Espírito Santo. No entanto, essa subordinação do Filho formou um trampolim para o arianismo, e alguns discípulos de Orígenes, especialmente Dionísio de Alexandria, decididamente abordado essa heresia. "

"Em sua pneumatologia", diz Schaff, "Orígenes vacila ainda mais do que em sua cristologia entre ortodoxos e opiniões heterodoxas. Ele atribui ao Espírito Santo existência eterna, exalta-lo, como ele faz, o Filho, muito acima de todas as criaturas, e considera-o a fonte de todos os carismas (não como ὕλη τῶνχαρισμάτων , como Neander e outros representá-lo, mas como v ὕλην τῶν χαρισμ . παρέχον , como oferecer a substância ea plenitude dos dons espirituais, portanto como o ἀρχή e πηγή deles [ In Joh , ii, § 6].), especialmente porque o princípio de toda a iluminação e da santidade dos fiéis sob a Antiga Aliança ea Nova. Mas ele coloca o Espírito em essência, dignidade e eficiência a seguir o Filho, tem muito como ele coloca Filho abaixo do Pai, e que ele concede em uma passagem (De Princip. 1: 3, 3) que a Bíblia em nenhum lugar chama o Espírito Santo uma criatura, mas, de acordo com outra frase um tanto obscuro, ele mesmo se inclina para a vista, que, no entanto, ele não confessar, que o Espírito Santo teve um começo (embora, de acordo com o seu sistema, e não no tempo, mas desde a eternidade), e é o primeiro e mais excelente de todos os seres produzidos pelo Logos (In Joh . ii, § 6: Τιμιώτερον - este comparativo, aliás, deve ser notado que, possivelmente, dizer mais do que o superlativo, e talvez projetado para distinguir o Espírito de a mesma conexão que ele aduz três opiniões a respeito do Espírito Santo: um, considerá-lo como não ter uma origem; outro, atribuindo a ele sem personalidade distinta; e um terceiro, fazendo dele um ser originada pelo Logos. A primeira dessas opiniões ele rejeita, porque o Pai é o único sem origem ( ἀγέννητος ) thoc ); segundo ele rejeita, porque em Mateus 12:32 o Espírito é claramente distinto do Pai, e do Filho; a terceira que ele leva para a imagem verdadeira e bíblica, porque tudo foi feito pelo Logos (de acordo com João 1: 3 ).

Na verdade, de acordo com Mateus 12:32 , o Espírito Santo parece estar acima do Filho; mas o pecado contra o Espírito Santo é mais hediondo do que contra o Filho do homem só porque ele que recebeu o Espírito Santo está mais alto do que aquele que tem apenas o motivo do Logos "( Ch Hist.. 1: 280).

Esses erros, e outros relacionados com e fluindo destes, juntamente com a "allegoricus furor" acima mencionado, que o empurrou para transformar até mesmo toda a lei e Evangelho em alegoria, são a base de tudo o que a inimizade que foi concebida contra Orígenes , e de todos os anátemas com que ele foi carregado. Sua condenação por romanistas tem sido muitas vezes decretada em forma; e foi considerado herético mesmo supor-lo salvo. John Picus, conde de Mirandula, tendo publicado em Roma, entre os seus 900 proposições, que é mais razoável acreditar Orígenes salvou de condenados, os mestres indivinity ele censurados por ele, afirmando que sua proposição foi rash, condenável, favorecendo de heresia, e contrário à determinação da Igreja Católica. Isto é o que se relaciona Picus em seu apolog. c. 7.

Stephen Binct, um jesuíta, publicou um livro em Paris, em 1629, a respeito da salvação de Orígenes, em que ele tomou o lado favorável da questão, mas não sem desconfiança e medo. Este trabalho é escrito sob a forma de um ensaio; testemunhas são introduzidas e depoimentos tomados, ea causa é totalmente implorou prós e contras. As testemunhas de Orígenes são Merlin, Erasmus, Génebrard e Picus de Mirandula: depois disso, cardeal Barônio, em nome de Belarmino, e de todos os que são contra Orígenes, faz um discurso para pedir a condenação do acusado.

 Depois de ter expatiated em heresias de Orígenes, o cardeal acrescenta: "Devo, finalmente, ser reduzidos a tal extremo a ser obrigados a abrir as portas do inferno, a fim de mostrar que Orígenes não é? Caso contrário os homens não vão acreditar. Seria não ser suficiente para ter colocado antes de seu crime, seu final infeliz, a sentença de sua condenação entregues pelos imperadores, pelos papas, pelos santos, pelo quinto conselho geral, para não mencionar outros, e quase pela boca de ? próprio Deus No entanto, uma vez que não há nenhum outro método de esquerda, mas descendo ao inferno e mostrando que há réprobo, aquele maldito Orígenes, vem, senhores, eu estou determinado a fazê-lo, a fim de levar esta questão ao mais alto grau de evidência: vamos, em nome de Deus, desce ao inferno para ver se ele realmente estar lá ou não, e decidir a questão de uma vez. "

O sétimo concílio geral citou a partir do Platum Spirituale (Baron. Annal. Ad ann. 532), e, citando que tenha declarado que ele seja de autoridade suficiente para nos fornecer boas e legítimas provas para apoiar a determinação do Conselho no que respeita Orígenes. "Por que não deveríamos, a exemplo do que conselho, fazer uso do mesmo livro para determinar esta controvérsia, que além de já, mas muito esclarecido e decidido é? Diz-se ali que um homem que está em grande perplexidade sobre a salvação de Orígenes, após as orações fervorosas de um velho santo, viu claramente, por assim dizer, uma espécie de inferno aberto, e, olhando para dentro, observados os heresiarcas, que foram todos chamados a ele um após o outro por seus próprios nomes, e no meio deles viu Orígenes, que foi condenado há entre os outros, carregados de horror, chamas, e confusão. "

Os protestantes sempre reverenciaram a memória. Os ortodoxos e heterodoxos freqüentemente discutiam sobre a sua posição relativa na Igreja. Seria difícil para nós determinar sua relação com a Igreja em geral melhor do que já foi feito pelo Dr. Schaff. Por isso, prefiro deixar isso aprendi historiador da Igreja falar."Orígenes", diz Schaff, "foi o maior estudioso de sua idade, e os mais instruídos e genial de todos os pais ante-Nicene. Mesmo ateus e hereges admirado ou temido seus talentos brilhantes. Seu conhecimento abraçou todos os departamentos da filologia, filosofia e teologia de sua época. Com isso, ele uniu profunda e fértil pensamento, a penetração afiada e brilhante imaginação. Como um verdadeiro divino, ele consagrou todos os seus estudos de oração, e transformou-os, de acordo com as suas melhores convicções, ao serviço da verdade e da piedade.

É impossível negar uma simpatia respeitosa a este homem extraordinário, que, com todos os seus talentos brilhantes e uma série de amigos entusiastas e admiradores, foi expulso de seu país, destituído de seu ofício sagrado, excomungado da parte da Igreja, em seguida, atirado em um calabouço, carregado com correntes, atormentado pela tortura, condenada a arrastar seu corpo envelhecido e deslocou membros da dor e da pobreza, e muito tempo depois de sua morte para ter sua memória com a marca, o nome dele anatematizou, e sua salvação negado; mas que, no entanto, fez mais do que todos os seus inimigos combinados para avançar a causa da aprendizagem sagrado, para refutar e converter pagãos e hereges, e para tornar a Igreja respeitada aos olhos do mundo.Orígenes pode ser chamado em muitos aspectos, o Schleirmacher da Igreja grega.

 Ele era um guia da filosofia pagã ea Gnosis herética para a fé cristã. Ele exerceu uma influência imensurável para estimular o desenvolvimento da teologia católica e formando as grandes Nicéia, Atanásio, Basílio, os dois Gregórios, Hilary, e Ambrósio, que, consequentemente, a despeito de todos os seus desvios, dão grande valor a seus serviços. Mas seus melhores discípulos mostrou-se infiel a muitos dos seus pontos de vista mais peculiares, e aderiu muito mais à fé reinante da Igreja. Pois, e com isso, também, ele é como Schleiermacher - ele pode de forma alguma ser chamado ortodoxo, tanto na Igreja Católica ou no sentido protestante. Sua inclinada ao idealismo, sua predileção por Platão, e sua nobre esforço para conciliar o cristianismo com a razão. e recomendá-la até mesmo para os pagãos educados e gnósticos, levou em muitos erros grandes e fascinantes "(Ch Hist. 1:. 504, 505)." ciência cristã ", diz Pressensé (Heresia e Mártires cristãos, p 297 sq.. ), "é, na visão de Orígenes a plena fé ou conhecimento, que se eleva para a contemplação direta do seu objeto. e sobe do Cristo visível ", conhecido segundo a carne", a Palavra Eterna.

Ele cai no mesmo erro que Clement em pensar levianamente da fundação deste conhecimento transcendente que o Evangelho histórico, que é a própria substância das verdades e no tratamento a letra das Escrituras como um selo que precisa ser quebrado.

Resta menos verdade que a especulação não é com ele uma mera proeza mental; que é melhor, a aspiração de todo o ser após a vida e posse completa da verdade. Orígenes falava a língua filosófica, do seu tempo. Ele resolutamente tratou dos problemas que ocuparam as mentes de seus contemporâneos.

 A fim de estimar corretamente e compreendê-lo, devemos ter sempre em mente que sublime e panteísmo sutil que era a principal fonte de inspiração tanto de Valentiniano gnosticismo e do platonismo. Se a sua mente com freqüência abandona o terreno sólido de observação psicológica e história exata, a subir em regiões vagas que não são nem o céu nem a terra, é porque ele está desejoso de ocupar uma esfera tão ampla como a de seus adversários. Ansioso para se destacar los na ciência nada menos do que com fé ele não vai abandonar a eles qualquer terreno vantajoso.

 Como eles, os povos do vazio infinito com as criações de sua imaginação. Para os Aeons ele se opõe bons e maus anjos; ele não hesita em inventar uma espécie de mitologia, de que a inspiração é cristão, mas que em seus aditamentos ousadas às demonstrações positivas da revelação torna-se necessariamente visionário. Aqui não é a força ea beleza de seu sistema. Estes são encontrados em que reivindicação ousada da liberdade, que é o seu princípio central e vital. Pode-se dizer que a grande edifício teológico criados por ele é, por assim dizer, o templo da liberdade.

A liberdade é a sua fundação e sua Topstone; ou melhor, é mais, é a alma que anima toda a doutrina nela ensinou. Naturalismo panteísta tinha atingido o mundo inteiro com um frio de morte. Orígenes despertou-o com o sopro de liberdade, restituiu a vida, e tirou-a do alcance petrfying de fatalismo. Na ousadia de seu pensamento, ele nega a existência de necessidade por completo. Todos os fenômenos do mundo material são atos livres. Corpos devem sua existência aos movimentos da vontade. Se a matéria gravita ou sobe, não é por uma lei física simples, mas está conectado com a ação moral. A liberdade é a explicação de todas as coisas.

O grande mérito de Orígenes é seu esforço para rastrear toda a diversidade de coisas para uma ea mesma idéia. Infelizmente a sua concepção de liberdade era incompleta, e seu erro neste ponto fundamental produziu resultados ainda mais grave por causa da coerência lógica perto de seu sistema. "" Mas um homem pode, em tal idade ", diz Schaff," segurar herética opiniões, sem ser um herege.

Para Orígenes propôs suas idéias sempre com modéstia, e de sincera convicção de sua concordância com as Escrituras, e que, em um momento em que a doutrina cristã era ainda muito indefinido em muitos pontos. "Por esta razão, até mesmo teólogos romanos sem preconceitos, como Tillemont e Mohler, mostraram Orígenes o maior respeito e clemência; um fato a mais para ser elogiado, já que a Igreja de Roma tem vindo a recusar-lhe, bem como Clemente de Alexandria e Tertuliano, um lugar entre os santos e os pais, no sentido mais estrito.

 FONTECyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870

Por que Orígenes despertou tanto admiração quanto rivalidade? Que influência ele teve no desenvolvimento das doutrinas da Igreja?

 Zelo pela Igreja: Orígenes nasceu por volta de 185 EC, em Alexandria, no Egito. Obteve amplo conhecimento da literatura grega, mas seu pai, Leonides, o obrigou a dedicar-se igualmente ao estudo das Escrituras. Quando Orígenes tinha 17 anos, o imperador romano baixou um decreto transformando a mudança de religião em crime. O pai de Orígenes foi preso porque havia se tornado cristão. Jovem e cheio de zelo, Orígenes estava determinado a juntar-se ao pai na prisão e no martírio. Ao perceber isso, a mãe dele escondeu suas roupas para impedir que fosse embora de casa. Por carta, ele implorou a seu pai: “Cuidado! Não mude de idéias por nossa causa.” Leonides continuou firme e foi executado, deixando a família na pobreza. Mas Orígenes já estava bem adiantado nos estudos, o suficiente para poder sustentar a mãe e seis irmãos mais novos dando aulas de literatura grega.

 O objetivo do imperador era impedir o avanço do cristianismo. Visto que o decreto não afetava apenas alunos, mas também instrutores, todos os instrutores religiosos cristãos fugiram de Alexandria. Quando alguns não-cristãos apelaram para o jovem Orígenes em busca de orientação bíblica, ele assumiu essa obra como comissão divina. Muitos de seus alunos foram martirizados, alguns mesmo antes de completar os estudos. Correndo grande risco, Orígenes incentivava abertamente seus alunos, quer estivessem diante de um juiz quer na prisão, ou prestes a ser executados. Eusébio, historiador do quarto século, relata que quando eles estavam sendo conduzidos à execução, Orígenes “os cumprimentava corajosamente com um beijo”.

 Muitos que não eram cristãos ficaram irados com Orígenes por considerá-lo responsável pela conversão e morte de seus amigos. Por diversas vezes ele escapou por um triz de turbas e de uma morte violenta. Embora fosse obrigado a mudar-se constantemente para escapar dos seus perseguidores, ele não diminuiu suas atividades de ensino. Sua coragem e dedicação impressionaram Demétrio, bispo de Alexandria. Por isso, Demétrio nomeou Orígenes, de apenas 18 anos de idade, diretor da escola de instrução religiosa em Alexandria.

 Com o tempo, Orígenes tornou-se erudito notável e escritor prolífero. Alguns disseram que ele escreveu 6.000 livros, embora é provável que isso seja um exagero. Sua obra mais conhecida é a Hexapla, uma gigantesca versão de 50 volumes do Antigo Testamento. Ele dispôs a Hexapla em seis colunas paralelas, contendo: (1) o texto hebraico e aramaico, (2) uma transliteração desse texto para o grego, (3) a versão grega de Áquila, (4) a versão grega de Símaco, (5) a Septuaginta grega, que ele revisou para corresponder mais exatamente ao texto hebraico, e (6) a versão grega de Teodocião. “Com essa combinação de textos”, escreveu o erudito bíblico John Hort, “Orígenes esperava elucidar o significado de muitas passagens nas quais o leitor grego ficaria confuso ou seria enganado caso tivesse diante de si apenas a Septuaginta”.

 Ir além das coisas escritas: Contudo, a confusão religiosa no terceiro século afetou profundamente os ensinos de Orígenes sobre as Escrituras. Embora a cristandade estivesse apenas engatinhando, já havia se poluído com crenças antibíblicas, e suas igrejas espalhadas ensinavam diversas doutrinas.

 Orígenes aceitou algumas dessas doutrinas antibíblicas, chamando-as de ensinos dos apóstolos. Mas ele se sentiu à vontade para especular sobre outros assuntos. Muitos de seus alunos se debatiam com questões filosóficas da época. Com o objetivo de ajudá-los, Orígenes fez um estudo profundo sobre as diversas escolas filosóficas que estavam formando a opinião de seus jovens alunos. Ele se empenhou em dar a eles respostas satisfatórias às suas questões filosóficas.

 Na tentativa de conciliar a Bíblia com a filosofia, Orígenes se valeu do método alegórico de interpretar as Escrituras. Ele presumiu que as Escrituras sempre tinham um significado espiritual, mas não necessariamente literal. Como disse um erudito, isso deu a Orígenes “os meios de extrair da Bíblia quaisquer conceitos antibíblicos que se harmonizassem com seu próprio sistema teológico, apesar de ele professar ser (e sem dúvida acreditava sinceramente nisso) um intérprete especialmente entusiasta e fiel do pensamento bíblico”.

 Uma carta de Orígenes a um de seus alunos nos ajuda a entender sua maneira de pensar. Ele disse que os israelitas usaram ouro egípcio para fazer utensílios para o templo de Yehowah, e entendia que isso fornecia apoio alegórico ao uso da filosofia grega para ensinar o cristianismo. Ele escreveu: “Quão úteis para os filhos de Israel foram as coisas levadas do Egito, as quais os egípcios não haviam usado de maneira correta, mas que os hebreus, orientados pela sabedoria divina, empregaram no serviço a Deus!” Dessa maneira, Orígenes incentivou seu aluno a “extrair da filosofia dos gregos o que pudesse servir como assunto de estudo ou preparação para o cristianismo”.

 Essa abordagem irrestrita à interpretação bíblica anuviou os limites entre a doutrina cristã e a filosofia grega. Por exemplo, em seu livro intitulado De Principiis (Primeiros Princípios), Orígenes descreveu Jesus como ‘Filho unigênito, que nasceu, mas que não teve princípio’. E acrescentou: ‘Sua geração é eterna e infinita. Ele se torna Filho não pelo recebimento do fôlego de vida, por algum ato externo, mas pela própria natureza de Deus.’

 Orígenes não encontrou essa idéia na Bíblia, porque as Escrituras ensinam que o Filho unigênito de Deus é “o primogênito de toda a criação” e “o princípio da criação de Deus”. (Colossenses 1:15; Apocalipse 3:14) De acordo com o historiador religioso Augustus Neander, Orígenes chegou ao conceito de “geração eterna” por meio de sua “educação filosófica na escola platônica”. Dessa maneira, Orígenes violou o princípio bíblico básico: “Não vades além das coisas que estão escritas.” — 1 Coríntios 4:6.

 Condenado por heresia: Havia passado pouco tempo desde que Orígenes tinha se tornado instrutor quando um sínodo alexandrino o destituiu do sacerdócio. Isso provavelmente ocorreu porque o bispo Demétrio ficou com ciúme de sua crescente fama. Orígenes mudou-se para a Palestina, onde ainda tinha a fama de defensor da doutrina cristã e continuou a servir como sacerdote ali. De fato, quando surgiram “heresias” no Oriente, ele foi procurado para convencer os bispos errantes a retornar à ortodoxia. Depois de sua morte em 254 EC, a reputação de Orígenes sofreu um abalo. Por quê?

 Depois de o cristianismo nominal tornar-se uma religião importante, a Igreja passou a definir de maneira mais restritiva o que era aceito como ensino ortodoxo. Assim, gerações posteriores de teólogos não aceitaram muitos conceitos filosóficos especulativos e, às vezes, imprecisos de Orígenes. Por isso, os ensinamentos dele provocaram amargas controvérsias dentro da Igreja. Na tentativa de resolver essas controvérsias e preservar sua unidade, a Igreja condenou Orígenes formalmente por heresia.

 Ele não foi o único a cometer erros. Na verdade, a Bíblia havia predito um desvio geral dos ensinos genuínos de Cristo. Essa apostasia começou a se desenvolver no fim do primeiro século, depois da morte dos apóstolos de Jesus. (2 Tessalonicenses 2:6, 7) Com o tempo, certos professos cristãos assumiram a posição de “ortodoxos”, afirmando que todos os outros eram “hereges”. Mas na realidade a cristandade desviou-se muito do verdadeiro cristianismo.

 O falsamente chamado "conhecimento". Apesar das muitas especulações de Orígenes, suas obras contêm elementos benéficos. Por exemplo, a Hexapla conservou a forma original do nome de Deus em quatro letras hebraicas, chamadas de Tetragrama. Isso é uma prova importante de que os primitivos cristãos conheciam e usavam o nome pessoal de Deus, Yehowah. Contudo, Teófilo, patriarca da Igreja que viveu no quinto século, advertiu: “As obras de Orígenes são como uma campina com flores de todo tipo. Se encontro uma flor bonita, eu a apanho; mas se alguma coisa me parece espinhosa eu a evito como faria com um espinho.”

 Por misturar ensinos bíblicos com filosofia grega, a teologia de Orígenes ficou repleta de erros, e as consequências foram desastrosas para a cristandade. O livro The Church of the First Three Centuries (A Igreja dos Primeiros Três Séculos) observa: “O gosto pela filosofia [introduzido por Orígenes] estava destinado a não ser logo extinto.” Com que resultado? “A simplicidade da fé cristã foi corrompida, e uma infinidade de erros foi introduzida na Igreja.”

 Orígenes podia ter seguido o conselho do apóstolo Paulo e evitado contribuir para essa apostasia ‘desviando-se dos falatórios vãos, que violam o que é santo, e das contradições do falsamente chamado “conhecimento”’. Por basear tantos de seus ensinos em tal “conhecimento”, Orígenes ‘se desviou da fé’. — 1 Timóteo 6:20, 21; Colossenses 2:8. 

 VEJA WWW.ESTUDARHISTORIADAIGREJA.BLOPOT.COM

Postado por GOSPEL GOSPEL BRASIL