Translate this Page

Rating: 3.0/5 (885 votos)



ONLINE
15




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

predestinação e livre arbitero
predestinação e livre arbitero

                                    PRESDESTINAÇÃO E LIVRE ARBITERO

Is 43.11-13; Ef 1.4,5; Jo 3.16. 

Isaías 43

11 - Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador.

12 - Eu anunciei, e eu salvei, e eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor; eu sou Deus.

13 - Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá?

 

Efésios 1

4 - Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade,

5 - e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade. 

João 3

16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

 

COMENTÁRIO 

Palavra Chave

Eleição: Do grego "eklegomai"; selecionar para si; escolher. 

Há diferentes formas de interpretação quanto ao assunto "soberania de Deus e livre-arbítrio humano"; todas envolvidas em intermináveis polêmicas e acirradas discussões. Todavia, o que a Bíblia realmente ensina sobre o assunto? Nesta lição, estudaremos, à luz das Escrituras, a relação entre a soberania divina, o livre-arbítrio do homem e a salvação em Cristo. Oremos, pois, a fim de que, através do estudo do Livro de Deus, possamos conhecer cada vez mais, o Deus do Livro.

 

I. A ONIPOTÊNCIA DE DEUS 

1. Deus é Onipotente. Ele tudo pode:"... operando eu, quem impedirá?" (Is 43.13). Em Gênesis, o Senhor afirma de si mesmo: "Eu sou o Deus Todo-Poderoso" (Gn 17.1). O verdadeiro poder pertence ao Altíssimo (Sl 62.11; 1 Pe 4.11). Ele é o Criador (Gn 1.1; Jo 1.1-4) e, pela sua força, todas as coisas são preservadas (At 17.25,26; Hb 1.2,3; Sl 104.24). Deus é o Senhor, Todo-Poderoso, que sustenta sua criação através das leis por Ele estabelecidas (At 17.25; Sl 119.90,91).

2. A Onipotência e a vontade de Deus. Os atributos de Deus revelam o seu maravilhoso e irrepreensível caráter. Eles operam a vontade divina em perfeita harmonia e equilíbrio. O amor de Deus, por exemplo, não anula sua justiça e vice-versa. O Eterno jamais se contradiz e nunca entra em desacordo com sua revelação aos homens. O mesmo se pode afirmar da onipotência de Deus e sua vontade. O Senhor é poderoso para fazer tudo o que lhe apraz, todavia, só fará de fato o que está de acordo com sua santa vontade.

Certo teólogo afirmou que Deus "pode fazer tudo o que quer, mas não quer fazer tudo que pode". Isso significa que o poder de Deus está sob o controle de sua sábia vontade. Isto é, não há qualquer incoerência entre sua natureza santa e seu poder ilimitado. O Senhor que tudo pode (Jó 42.2), só faz o que lhe agrada (Sl 115.3).

 

O Senhor é poderoso para fazer tudo o que lhe apraz, todavia, só fará de fato o que está de acordo com sua vontade.

 

II. A SOBERANIA DE DEUS E O LIVRE-ARBÍTRIO HUMANO 

Deus, ao criar o homem, proveu-o de livre-arbítrio. Mas... O que é "livre-arbítrio"? É a faculdade mediante a qual o homem é dotado de poder para agir sem coações externas, e de acordo com sua própria vontade ou escolha. Uma vez que o homem fora criado livre, com capacidade de fazer suas próprias escolhas, como conciliar esse direito com a vontade divina? Para responder a esta pergunta, precisamos entender a vontade de Deus sob dois aspectos: ela é permissiva e diretiva.

1. Vontade permissiva e livre arbítrio. Deus fez o homem à sua imagem e semelhança. O que faz dele um ser moralmente semelhante ao Criador, é justamente a capacidade de fazer suas próprias escolhas; inclusive, aquelas que não estão de acordo com a vontade divina. Isto é o que se entende por vontade permissiva. O Eterno tem poder para impedir que o homem faça o mal ou bem, entretanto, lhe dá o direito de escolha (Gn 2.15-17; 3; 4.7; Dt 30.15-20; Gl 6.7-10). Na vontade permissiva, a soberania e a onipotência de Deus não violam o livre-arbítrio humano. No âmbito da salvação, Deus sabe perfeitamente quem o rejeitará, embora jamais interfira nesta decisão. A vontade de Deus é que todos os homens "se é salvem e venham ao conhecimento da verdade" (1 Tm 2.11). Todavia, como está patente em Is 1.19,20; Dt 30.19; Js 24.15; 1 Tm 1.19; 1 Co 10.12, o homem pode rejeitar a salvação.

2. Vontade diretiva e predestinação. A vontade diretiva de Deus opera em conformidade com sua sabedoria e soberania. Ele rege o curso da história, e controla o universo de acordo com seus eternos propósitos (Sl 33.11; At 2.23; Ef 1.4-9). Tudo o que planejou certamente será executado: "Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá?" (Is 43.13). Ler Is 14.26,27.

Absolutamente nada escapa à vontade diretiva de Deus. É nesse ponto que nos deparamos com a doutrina da predestinação. O Eterno, em seu profundo e inigualável amor, predestinou todos os seres humanos à vida eterna. Ninguém foi predestinado ao lago de fogo que, conforme bem acentuou Jesus, fora preparado para o Diabo e seus anjos (Mt 25.41). Mas o fato de o homem ser predestinado à vida eterna não lhe garante essa bem-aventurança. É necessário que creia no Evangelho. Somente assim poderá ser considerado eleito. Tudo depende de como recebemos o chamamento do Evangelho: quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crê será condenado. Deus predestinou a Igreja para ser "conforme à imagem de seu Filho" (Rm 8.29); para "filhos de adoção em Cristo" (Ef 1.5). 

A vontade divina é permissiva e diretiva. As duas vontades operam em conformidade com os atributos divinos e com o livre-arbítrio humano. 

III. PREDESTINAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO 

1. A predestinação e o livre-arbítrio. A Bíblia enfatiza tanto a doutrina da predestinação divina, quanto o ensinamento do livre-arbítrio humano. Todavia, não encontramos nas Escrituras uma predestinação fatalista, em que uns são destinados à vida eterna e outros, à perdição. Da mesma forma, ela também não ensina uma livre-escolha absoluta, como se a salvação dependesse de obras, esforços ou méritos humanos. Os extremos nesse assunto são muito perigosos e acabam afirmando o que a Palavra de Deus não ensina. Portanto, devemos evitar dois graves erros: enfatizar a soberania divina em detrimento da livre-escolha humana; e enfatizar o livre-arbítrio humano em prejuízo da soberania divina.

A ênfase inconsequente à soberania de Deus leva o indivíduo a crer que sua conduta nada tem a ver com a sua salvação. Enquanto que a ênfase exagerada à livre-vontade do homem conduz a pessoa ao engano de que a salvação é dependente de boa conduta e obras humanas.

2. A obra redentora e a presciência de Deus. Uma interpretação bíblica livre de qualquer preconceito mostrará claramente que Deus predestinou todos os homens à salvação, mediante a obra redentora de Jesus (1 Tm 2.4; Is 55.1; Mt 11.28,29; 2 Co 6.2). A despeito de Deus conhecer, antecipadamente, os que rejeitarão seu plano salvífico, sua presciência não interfere nem viola o livre-direito de escolha do homem. A predestinação é para os que desejam a salvação em Cristo, conforme lemos em 2 Ts 2.13: "elegidos desde o princípio para a salvação". Isso concorda com o que Paulo escreveu a Timóteo: "Tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação" (2 Tm 2.10).

Portanto, a predestinação fatalista contradiz dois atributos divinos: a justiça e o amor. Primeiro, porque torce a justiça divina, pois, nesse caso, Deus destinaria as pessoas antes mesmo de seu nascimento à perdição eterna. E segundo, porque põe em dúvida o ilimitado amor de Deus, por ensinar que o Senhor destinou os pecadores ao inferno sem lhes dar o direito e a oportunidade de arrependerem-se. 

Devemos evitar dois erros: enfatizar a soberania divina em detrimento da livre-escolha; e o livre-arbítrio em prejuízo à soberania divina.

 

IV. OBSERVAÇÕES DOUTRINÁRIAS 

O assunto que estamos estudando tem sido alvo de muitas interpretações. Porém, a Palavra de Deus nunca se contradiz, especialmente a respeito da salvação do homem. Essas doutrinas devem ser analisadas à luz da Bíblia e de forma equilibrada. Vejamos:

1. A segurança salvífica. O crente está seguro quanto a sua salvação enquanto ele permanece em Cristo (Jo 15.1-6). Não há segurança salvífica fora de Jesus e de seu aprisco, como também não há segurança espiritual para alguém que vive em pecado. Jesus guarda o crente do pecado, não no pecado. Lembremos que "mediante a fé" estamos guardados na "virtude de Deus, para a salvação já prestes a se revelar no último tempo" (1 Pe 1.5; Rm 1.17). Portanto, o crente deve obedecer a Deus, não para que a sua obediência o salve ou o mantenha salvo, mas como uma expressão da sua salvação, do seu amor e da sua gratidão para com Aquele que o salvou.

2. A predestinação fatalista. Este ensino só considera a soberania de Deus, e não sua graça e justiça (Rm 11.5; 3.21; Tt 2.11). Em Ez 18.23; 33.11 Deus assevera o seu desejo de que o ímpio se converta, e não apenas os "eleitos" e "predestinados" (ver 1 Tm 2.4; Jo 3.16). Deus jamais predestinará alguém para o inferno, sem lhe dar oportunidade de salvação. Isso aviltaria a natureza de Deus. Se todos já estão predestinados quanto ao seu destino eterno, então não há lugar para escolha, decisão, ou livre-arbítrio por parte do homem, o que contradiz os textos de Dt 30.16-19; Js 24.15; 1 Rs 18.21; Sl 119.30,173; Lc 13.34; Ap 22.17.

 

Deus predestinou todos os homens à salvação, mediante a redenção em Jesus. Porém, não viola o livre-arbítrio do homem. 

As doutrinas da predestinação divina e do livre-arbítrio humano não estão na Bíblia para motivar controvérsias, especulações ou coisas semelhantes, mas para encorajar o crente. Através desses ensinamentos, o Senhor demonstra-nos todo o seu amor, justiça e graça, pois antes que o mundo existisse e o homem fosse criado, Ele já havia previsto todas as dificuldades que encontraríamos em nosso caminho. Seu propósito é mostrar-nos que Ele é poderoso para conduzir-nos a salvo para seu reino celestial (Fp 1.6; 2 Tm 4.18; Jd v.24).

 

HORTON, S. Teologia Sistemática. RJ: CPAD, 1996. 

 

"Graça Irresistível

Poder-se-ia afirmar, então, que a expressão 'graça irresistível' é tecnicamente imprópria? Parece ser um oximoro, como 'bondade cruel', porque a própria natureza da graça subentende que um dom gratuito é oferecido, e tal presente pode ser aceito ou rejeitado. E assim acontece, mesmo sendo o presente oferecido por um Soberano gracioso, amoroso e pessoal. E sua soberania não será ameaçada ou diminuída se recusarmos o dom gratuito. Este fato é evidente no Antigo Testamento. O Senhor diz: 'Estendi as mãos todo o dia a um povo rebelde' (Is 65.2). E: 'chamei, e não respondestes; falei, e não ouvistes' (Is 65.12). Os profetas deixam claro que quando o povo não acolhia bem as expressões da graça de Deus, nem por isso ficava ameaçada a sua soberania. Estevão fustiga os seus ouvintes: 'Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim, vós sois como vossos pais' (At 7.51). Parece claro que Estevão tinha em vista a resistência à obra do Espírito Santo, que desejava levá-los a Deus. O fato de alguns deles (inclusive Saulo de Tarso) terem crido posteriormente não serve como evidência em favor da doutrina da graça irresistível".

(PECOTA, D. A Obra Salvífica de Cristo. In HORTON, S. M. Teologia Sistemática: uma perspectiva Pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.366.) 

Deus tem todas as coisas submissas à sua vontade. Ele controla tudo e nada acontece sem o seu conhecimento e vontade. Das aves dos céus ao lodo incrustado às margens do riacho, tudo Ele conhece e preserva. Embora tenha poder para fazer tudo o que deseja, não fará nada que esteja em desacordo com sua sábia e santa natureza. Apesar de o Senhor Deus ser Absoluto e Soberano, estabeleceu certos limites em seu relacionamento com o homem pecador. Ele jamais invade o coração do homem! O Senhor não obriga nenhum ímpio a servi-lo, amá-lo, ou adorá-lo: "Dá-me, filho meu, o teu coração" (Pv 23.26); é o convite salvífico do Senhor. Ele espera uma entrega voluntária, ou um convite gracioso para habitar no coração do homem. Não queres ainda hoje anuir ao convite célico? Não desejas convidá-Lo a fazer morada em tua vida? Lembre-se, Ele pode todas as coisas, mas para entrar em tua casa, você precisa convidá-Lo: "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo" (Ap 3.20).

VEJA MAIS www.avivamentonosul.blogspot.com