Translate this Page

Rating: 3.0/5 (908 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


reforma protestante Dinamarca Belgica Holanda
reforma protestante Dinamarca Belgica Holanda

                        A Reforma nos países baixos                                                               REFORMA NA DINAMARCA  

Na Dinamarca, também um rei – Cristiano II – estava à frente da Reforma, e apesar da oposição do partido eclesiástico, que se tornou um sério embaraço para os seus movimentos, e de os bispos terem chegado a promover a sua deposição, continuou sempre a sua boa obra enquanto esteve no exílio, empregando o seu secretário para traduzir o Novo Testamento para a língua dinamarquesa.

Os dinamarqueses deviam muito ao ministério do intrépido monge de Antvorscov, João Tausen, que tendo sido feito prisioneiro por pregar a justificação pela fé, continuou a expor a doutrina pela janela da sua prisão. O novo rei Frederico ouvindo falar nele, deu ordem para o porem em liberdade, e pouco depois nomeou-o um dos seus capelães.

Na conferencia de Odense, que teve lugar em 1527, o rei declarou-se publicamente a favor da Reforma; e, embora os bispos fizessem muita oposição, decretou ele que dali por diante os protestantes gozariam as mesmas regalias que os católicos. Quando Frederico morreu, os bispos fizeram outro esforço desesperado para restabelecer o papismo, e conseguiram o exílio de Tausen, mas o triunfo deles não foi duradouro. O novo rei era tão favorável à Reforma como o seu antecessor; e no ano 1536 foi reunido um Concílio em Copenhague, que estabeleceu a religião protestante no país. Os bispos, acusados de intrigas e de outros atos de traição, foram destituídos dos seus cargos e emolumentos; e os últimos sinais do papismo que ainda existiam acabaram por completo na Dinamarca.

 

                                 BELGICA E HOLANDA 

 Os paises baixos se compunham dos atuais paises da Belgica e Holanda ,no inicio da Reforma ,sob o dominio da ESPANHA.Esses paises receberam logo os ensinos da Reforma,porem foram perseguidos pelos regentes espanhóis.Nos países -baixos a reforma era um clamor de liberdade politica e religiosa e a tirania dos espanhois levou o povo a rebelar-se .Após prolongada guerra a incrivel sofrimento ,os países baixos sob direção de Guilherme ,o Taciturno,finamente conquistaram a indenpendencia desligando-se da Espanha,apesar de somente haverem alcançado o reconhecimento no ano de 1648,  60 anos depois do falecimento de Guilherme.A holanda ,tornou-se protestante .Entretanto a Belgica continuou em sua maioria romana.(notas ibib p.147,J.L.HURLBUT).

Os Países Baixos eram parte do Sacro Império Germânico e depois ficaram sob o domínio da Espanha. Durante o reinado do imperador Carlos V, surgiram naquela região luteranos, anabatistas e principalmente calvinistas, por volta de 1540. Desde o início foram objeto de intensas perseguições, tendo a repressão aumentado sob o rei Filipe II (1555) e o governador Duque de Alba (1567). A revolta contra a tirania espanhola foi liderada pelo alemão Guilherme de Orange, grande defensor da plena liberdade religiosa, que seria assassinado em 1584. Eventualmente, os Países Baixos dividiram-se em três nações: Bélgica e Luxemburgo (católicas) e Holanda (protestante).

  A Igreja Reformada Holandesa foi organizada na década de 1570. No início do século 17, surgiu uma forte controvérsia por causa das idéias de Tiago Armínio. O Sínodo de Dort (1618-1619) rejeitou as idéias de Armínio e afirmou os chamados “cinco pontos do calvinismo”, cujas iniciais formam em inglês a palavra “tulip” (tulipa): Depravação total ( Total depravity), Eleição incondicional (Unconditional election), Expiação limitada (Limited atonement), Graça irresistível (Irresistible Grace) e Perseverança dos santos (Perseverance of the saints).

Holanda e Bélgica (B)

 A Holanda e a Bélgica são países que têm sido unidos sob o mesmo governo, e separados por diversas vezes. São chamados Países Baixos devido à pouco altitude de seus terrenos.

 Já vimos como na luta contra a tirania de Felipe II, os Países Baixos obtiveram sua independência. Guilherme de Orange (chamado também Guilherme, o Taciturno) era holandês, e o povo protestante. A maioria do povo belga era católica e de outra raça, e não queria Guilherme como seu príncipe, preferindo o velho regime; algumas províncias aceitaram o rei da Espanha, e duas convidaram um príncipe francês, o Duque d'Anjou. Finalmente este príncipe retirou-se, e as duas províncias foram restauradas ao rei da Espanha, e assim sacrificaram seu progresso e prosperidade. Milhares de seus habitantes, os mais progressistas e inteligentes, fugiram da Inquisição para habitarem na Holanda. Todo o comércio ficou paralisado nas cidades principais, e o capim crescia nas ruas. A Bélgica não prosperou até o século XIX, foi um campo de batalha em diversas guerras entre as potências vizinhas.

 Depois da queda de Napoleão, que havia conquistado os Países Baixos, a Bélgica e a Holanda foram unidas, e começou um tempo de prosperidade para eles. Surgiram tantas questões entre os dois países, devido às diferenças de idéias, língua e religião, que a Bélgica acabou por revoltar-se e escolher como rei um príncipe alemão que foi coroado com o nome de Leopoldo I. Este rei era protestante, e sob a sua direção, o país prosperava rapidamente, e continuou seu progresso durante o século XIX.

 A história da Holanda é muito diferente. A prosperidade começou logo depois de obtida a sua independência. Os holandeses são excelentes marinheiros, e fundaram diversas colônias no além-mar, e suas indústrias e comércio interno prosperaram. Na cidade de Leiden, uma universidade foi fundada no ano 1575. Os primeiros professores eram homens piedosos e moderados e ensinavam o valor da tolerância, mas geralmente os ministros calvinistas se opuseram a tais inovações, sustentando que o país devia ter somente uma religião. Um dos estudantes desta universidade era Tiago Armínio. Depois passou ele algum tempo em Genebra com Teodoro Beza (sucessor de Calvino). Armínio era homem liberal, tolerante e piedoso, e muito contra os princípios rígidos de uma uniformidade forçada. Não era contencioso, mas possuía mente clara e lógica. Um dos seus princípios era que a providência ou governo de Deus, embora soberana, é exercida em harmonia com a natureza das criaturas governadas, isto é: a soberania de Deus é exercitada numa maneira compatível com a liberdade do homem.

 Quando Armínio morreu, a Holanda foi dividida em dois sistemas religiosos, os calvinistas e os seguidores de Armínio, que foram chamados "os remonstrantes". O primeiro ministro do estado, chamado Oldenbarnevedt, deu seu apoio aos "remonstrantes". O príncipe Maurício de Orange, querendo debelar o movimento, mandou prender e processar os aderentes. Dois chefes foram condenados à prisão perpétua, um foi o célebre Hugo Grotio. Outro, o grande estadista Oldenbarnevedt, foi degolado em 1619. Este ministro de estado fez mais do que qualquer outro para a libertação da pátria, estabelecendo também justiça, paz e prosperidade durante 30 anos. Grotio era doutor em direito pela Universidade de Leiden, e um dos homens mais eruditos na Europa. Depois de muitos anos na prisão, pelo auxílio da sua esposa, Grotio escapou da fortaleza onde estava preso. A julgar por estes fatos, podemos entender que a liberdade de consciência e a tolerância não eram ali apreciadas nos séculos XVI e XVII.

 Embora a Holanda tenha sofrido com guerras, a igreja ali tem gozado liberdade e tranqüilidade, mas, como as demais igrejas protestantes nacionais, seu estado durante os séculos XVIII e XIX era semelhante ao da igreja de Sardo, descrita no Apocalipse. Atualmente (1941) o país está sofrendo sob a tirania dura de Hitler. A boa rainha junto com o governo, fugiu para a Inglaterra, onde aguarda o dia de voltar à sua pátria, isto é, quando o país for liberto dos seus opressores.(NOTAS historia do cristianismo,A.Knight e W.Anglin,cpad,2009)

 Mas vamos à nossa história. Voltamos a nossa atenção para a Holanda, que na época era conhecida como Países Baixos (o território que hoje é ocupado por Bélgica, Holanda e Luxemburgo). É lá que toda a trama acontece. Na época da Reforma o Rei da Espanha, Filipe II, governava os países baixos. O crescimento do protestantismo foi severamente coibido com fortíssimas perseguições e mortes. Estima-se que dezenas de milhares de protestantes foram mortos pelos dirigentes católicos que governavam o país.

A revolta contra os espanhóis foi crescendo até que Guilherme de Orange conseguiu, depois de muitas tentativas, conquistar a tão sonhada independência, mais tarde consolidada por seu filho Maurício de Nassau. Surgia uma nova nação protestante já que o país era, naquela época, de maioria calvinista. Os novos líderes resolveram adotar a religião reformada como religião oficial, utilizando-a como elemento de integração e estabilidade do novo país. Todos os oficiais da igreja reformada holandesa tinham que jurar seguir a Confissão Belga e o Catecismo de Heidelberg.

É importante ter em mente a forte ligação entre o estado e a igreja, comum nos tempos da reforma. Só que na Holanda as igrejas tinham uma autonomia relativamente grande, podendo nomear seus oficiais e exercer disciplina sobre os membros. Isso perturbava alguns membros do Estado. Em 1591, uma comissão, presidida por Johannes van Oldenbarnevelt e James Arminius, propôs uma estrutura mais ao gosto do poder secular: a escolha de oficiais da igreja passaria a ser feita por um grupo de representantes (quatro do Estado e quatro da igreja). Isso permitiu uma ingerência muito maior do Estado nos assuntos da igreja. Esta situação – a história mostra – costuma causar problemas. Levando-se em conta que outras religiões eram meramente toleradas (mas não tinham nem o direito de ter seus próprios templos), muitas pessoas vieram para a igreja, cuja vinda não teria ocorrido caso a igreja não fosse oficial do Estado holandês. Repetia-se algo como nos tempos do imperador romano Constantino – a igreja passava a atrair pessoas não regeneradas, muitas vezes com seg.

 

                           Reforma Igreja da Holanda

 - Em nenhum lugar a Reforma encontrar um solo mais favorável do que na Holanda, que estavam intimamente unidos com a Alemanha. ser considerado como um feudo do império. As pessoas eram conhecidos por sua indústria e amor à liberdade e, portanto, estavam inclinados a uma oposição séria de toda forma de despotismo eclesiástico e civil. Além disso, os Irmãos da Vida Comum, o Beghards, e outras comunidades religiosas tinham despertado e estimulado um interesse em uma mais pura, a forma mais bíblica do cristianismo, que, no início do século 16, estava longe de ser extinto. Portanto escritos de Lutero, apesar de terem sido condenados pela Universidade de Louvain, foram entusiasticamente recebido nas cidades florescentes da Flandres, Brabant e Holanda. Como os Países Baixos foram a terra hereditária do imperador Charles V, ele fez o máximo esforço para suprimir o movimento de reforma: a lei penal e que foi emitida em Worms, em 1521 foi realizada com maior seriedade na Holanda do que na Alemanha. Em 1523 dois monges agostinianos, Henry Vos e John Esch, foram executados em Bruxelas, o primeiro mártir da Reforma. Outros decretos contra os protestantes seguiram, e com eles novas execuções. O progresso da Reforma foi, no entanto, não controlados; mas, em conseqüência da maior ligação das pessoas com a França ea Suíça, levou um Reformada em vez de um tipo luterano.

O vigor da perseguição durante o reinado de Charles foi um pouco mitigado pela disposição moderada das duas stadtholders, Margarida de Sabóia, e Mary, rainha viúva da Hungria, o último dos quais, a irmã do imperador, foi ainda suspeito de um syrmpathy segredo withi da Reforma; e em muitos lugares a execução dos decretos detestáveis ​​sequer foi impedida pelas inclinações pessoais falado-out de autoridades municipais e provinciais. Um esforço feito por Charles V (1550) para estabelecer uma inquisição regular, após o padrão do espanhol, não foi bem sucedida. Filipe II não me esquivei de medidas de extrema crueldade para impor submissão às leis e ao Concílio de Trento; mas, em vez de submeter, as pessoas reuniram-se para a defesa da liberdade civil e religiosa. A confissão de fé calvinista (Confessio Belgica) foi em 1562 elaborado pelo Guido de Bres, e em 1566 ele foi reconhecido por um sínodo de Antuérpia como um livro simbólico das Igrejas Reformadas da Holanda. No último ano, uma liga defensiva, o Conmpromiss, também foi celebrado pelos nobres, que se espalhou com grande rapidez. O nome de Gueux (Mendigos), pelo qual o juiz de primeira tinha ridicularizado os confederados, foi recebido pelo povo como um título de honra, e serviu como um ponto de encontro para um grande movimento nacional para a liberdade. Quando o stadtholder Margarida de Parma sentiu-se incapaz de conter por mais tempo a oposição crescente, o duque de Alba se comprometeu a extinguir a Reforma com fogo e espada. Nas províncias do sul, ele foi bem sucedido; mas sete das províncias do norte formaram, em 1579, a União de Utrecht, e renunciou lealdade ao rei da Espanha. A longa e sangrenta guerra de independência seguido, que terminou no estabelecimento da independente República Holandesa. Nas províncias do sul, que permaneceram sob a coroa de Espanha, a Reforma foi quase totalmente extinta. A República Holandesa, embora apenas um dos menores estados protestantes da Europa, logo adicionado à reputação da Reforma pela posição conspícua que ocupava em relação à literatura e à arte, à civilização e à conquista marítima.

Na história interior das igrejas reformadas, a controvérsia arminiana, , e o Sínodo de Dort (qv) - que teve a participação de delegados da Igreja Episcopal de Inglês e as igrejas da Escócia, o Palatinado, Hesse, na Suíça, Wetteran, Genebra, Bremen, e Emden - eram de importância considerável. A decisão do Sínodo de Dort liderada por um tempo, tanto na Holanda e nas igrejas reformadas de vários outros países, a uma vitória completa do calvinismo estrito sobre uma festa que exigia simplicidade mais bíblica e menos rígida conformidade com o sistema de qualquer teólogo , ainda que seja Calvin; mas logo o calvinismo estrito perdeu mais terreno na Holanda do que em qualquer outro Reformada Churcli e racionalismo obteve uma ascendência tão decisivo e de tão longa duração que, no século 19 um numeroso grupo de membros da Igreja Ortodoxa Nacional separado do último e constitilted um Igreja Reformada Livre. A Igreja Reformada Holandesa plantou mudas grandes e prósperas da América do Norte e em vários países da África do Sul, e contribuiu, assim, uma parte importante para a ascendência que o protestantismo goza nessas regiões. Na Bélgica, sob o domínio cruel de empate espanhol do, mas muito poucas e pequenas congregações reformadas foram capazes de continuar a sua existência sempre em perigo, até que, no século 19, o reencontro do país com a Holanda começou uma aera de maior liberdade e do progresso , que continuou após a construção da Bélgica em um reino independente. Agora Bélgica tem novamente uma Igreja Reformada Nacional, que ainda é uma das igrejas nacionais menor Reformadas da Europa, mas é reconhecido pelo Estado, goza de um progresso constante, ea simpatia sincera de muitos dos estadistas mais importantes do país.

A Reforma nos Países Baixos, ao contrário de alguns outros países, não foi iniciado pelos governantes das Dezessete Províncias, mas sim por vários movimentos populares que, por sua vez, foram reforçados com a chegada dos protestantes refugiados de outras partes do continente. Enquanto o movimento Anabatista gozava de popularidade na região nas primeiras décadas da Reforma, o calvinismo, através da Igreja Reformada Holandesa, tornou a fé protestante dominante no país desde a década de 1560 em diante. No início de agosto de 1566, uma multidão de protestantes invadiu a Igreja de Hondschoote na Flandres (atualmente Norte da França) com a finalidade de destruir as imagens católicas,50 51 52 esse incidente provocou outros semelhantes nas províncias do norte e sul, até Beeldenstorm, em que calvinistas invadiram igrejas e outros edifícios católicos para destruir estátuas e imagens de santos em toda a Holanda, pois de acordo com os calvinistas, estas estátuas representavam culto de ídolos. Duras perseguições aos protestantes pelo governo espanhol de Felipe II contribuíram para um desejo de independência nas províncias, o que levou à Guerra dos Oitenta Anos e eventualmente, a separação da zona protestante (atual Holanda, ao norte) da zona católica (atual Bélgica, ao sul).

Teve grande importância durante a Reforma um teólogo holandês: Erasmo de Roterdã. No auge de sua fama literária, foi inevitavelmente chamado a tomar partido nas discussões sobre a Reforma. Inicialmente, Erasmo se simpatizou com os principais pontos da crítica de Lutero, descrevendo-o como "uma poderosa trombeta da verdade do evangelho" e admitindo que, "É claro que muitas das reformas que Lutero pede são urgentemente necessárias.".53 Lutero e Erasmo demonstraram admiração mútua, porém Erasmo hesitou em apoiar Lutero devido a seu medo de mudanças na doutrina. Em seu Catecismo (intitulado Explicação do Credo Apostólico, de 1533), Erasmo tomou uma posição contrária a Lutero por aceitar o ensinamento da "Sagrada Tradição" não escrita como válida fonte de inspiração além da Bíblia, por aceitar no cânon bíblico os livros deuterocanônicos e por reconhecer os sete sacramentos.54 Estas e outras discordâncias, como por exemplo, o tema do Livre arbítrio fizeram com que Lutero e Erasmo se tornassem opositores.

Catedral luterana em Helsinque, Finlândia.

Na Dinamarca, a difusão das idéias de Lutero deveu-se a Hans Tausen. Em 1536 55 na Dieta de Copenhaga, o rei Cristiano III aboliu a autoridade dos bispos católicos, tendo sido confiscados os bens das igrejas e dos mosteiros. O rei atribuiu a Johann Bugenhagen, discípulo de Lutero, a responsabilidade de organizar uma Igreja Luterana nacional.56 A Reforma na Noruega e na Islândia foi uma conseqüência da dominação da Dinamarca sobre estes territórios; assim, logo em 1537 ela foi introduzida na Noruega e entre 1541 e 1550 55 na Islândia, tendo assumido neste último território características violentas.

Na Suécia, o movimento reformista foi liderado pelos irmãos Olaus Petri e Laurentius Petri. Teve o apoio do rei Gustavo I Vasa,57 que rompeu com Roma em 1525, na Dieta de Vasteras. O luteranismo, então, penetrou neste país estabelecendo-se em 1527.55 Em 1593, a Igreja sueca adotou a Confissão de Augsburgo. Na Finlândia, as igrejas faziam parte da Igreja sueca até o início do século XIX, quando foi formada uma igreja nacional independente, a Igreja Evangélica Luterana da Finlândia.

fonte wikipedia