Translate this Page

Rating: 3.0/5 (868 votos)



ONLINE
6




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

site, fee epub, link, get pdf, enter link, free book, download book, this link, free book, download pdf,

REFORMA protestante Ulrico Zwinglio e João Calvino
REFORMA protestante Ulrico Zwinglio e João Calvino

            REFORMA PROTESTANTE ZWINGLIO E CALVINO

 - Ao lado de Alemanha, Suíça tornou-se a principal fonte da Reforma. Mas enviou diante de duas correntes que nunca totalmente unidos, apesar de muitos canais que ligam foram construídas entre eles, e ambos são agora geralmente reconhecidos como pertencentes a um sistema global; que é comumente designada como a Igreja Reformada. Um dos movimentos originados em alemão, o outro em francês, Suíça. À frente de uma era Ulric Zwingli, na cabeça do outro João Calvino. Os treze cantões, que constituíam a Suíça no início do século 16 ainda estavam em conexão nominal com o império alemão; e as mesmas causas, portanto, que têm sido referidos em nossa conta da Alemanha favoreceu o crescimento da Reforma na Suíça. Insatisfação com desprezo e de Roma foram, além disso, promoveu na Suíça pelo grande número de mercenários que foram empregados no serviço militar dos papas, e que, depois de voltar para casa, não só difundiu o conhecimento da corrupção absoluta predominante em Roma, mas por suas próprias vidas indignas ajudou a trazer Roma em descrédito.

1. Ulric Zwingli, que deu o primeiro impulso para a Reforma na Suíça alemã, (Veja Zwingli ), que recebeu a sua formação nas universidades de Viena e Basiléia, e no último lugar tinha se juntou a um círculo de admiradores entusiasmados da antiga de aprendizagem e de pontos de vista religiosos que se reuniram em torno enlightelned Erasmus. Era uma educação mais clássica e estudo científico das Sagradas Escrituras que, como no caso de Lutero, a experiência religiosa que fez Zwingli um defensor fervoroso da reforma religiosa, embora, como seu professor Erasmus, ele continuou a esperar por uma reforma dentro da Igreja pelas próprias autoridades eclesiásticas. Tais opiniões foram bastante entretido geralmente na Suíça; e, assim, apesar de Zwingli em 1518 levantou sua voz contra o descaramento de um comerciante de indulgências, o monge franciscano Bernardin Sansão, ele foi nomeado capelão papal pelo legado papal. Sua pregação contra a corrupção prevalecente na Igreja tornou-se mais sério depois de ter sido nomeado, em 1519, "padre Quaresma", em Zurique. As influências provenientes de Lutero não ficou sem efeito sobre ele, e ele começou a ser visto em Zurique como um Luterana no coração. Quando ele designou a regra do jejum como uma ordenança do homem, o Conselho de Zurique, em 1522, tomou a sua parte contra o bispo de Constança.

Trabalho primeira reforma de Zwingli, Von Erkiesen und der Freyheit Spysen, que foi publicado, neste momento, deu um novo imptuse ao movimento. No mesmo ano, Zwingli, em nome do partido reformatório entre o clero, dirigiu-se à Dieta de Lutcerne eo bispo de Constança, em nome de um livre pregação do Evangelho; Ele também exigiu a abolição do celibato sacerdotal. De acordo com o desejo de Zwingli, o Conselho de Zurique dispostos em 29 de janeiro de 1523, uma conferência religiosa, na qual Zwingli apresentou as doutrinas reformadoras ele havia pregado em sessenta e sete artigos, e defendeu-los para successfilly que o Conselho de Zurique, a todos os pregadores para pregar o Evangelho puro da mesma maneira. Logo depois, Zwingli recebeu um co-obreiro eficiente em seus esforços reformatórios pela nomeação de Leo judae como padre Quaresma em Zurique. Vários eventos sinalizada neste momento o avanço constante da causa. O conselho permitiu freiras para deixar os seus conventos, vários dos clérigos casados, sem entraves, um culto de batismo alemão foi introduzido, eo capítulo da catedral, a seu pedido, recebido novas andt adequados ordenanças. Em outros cantões, especialmente em Lucerna, Fribourg e Zug, uma violenta oposição se manifestou contra a Reforma, mas em Zurique o seu sucesso era totalmente seguro. O conselho convocou uma nova conferência para 26 de outubro, após as imagens e a massa, para que todos os bispos suíços e cantões foram convidados, mas apenas Schaffhausen e St. Gall enviaram delegados. No campeão para imagens e massa foi encontrado na conferência, e do Conselho de Zurique concluiu a promover a reforma do cantão difundindo a devida instrução nos distritos do país, para o que Zwinigli, o abade Von Cappel, e Conrad Schmidt, commnander dos Cavaleiros de St. John em Kussnacht, foram nomeados. Com o parecer favorável do Conselho, Zwinglio publicou sua Introdução cristã, que era explicar às pessoas mais plenamente o significado da Reforma religiosa. Em breve novas medidas reformadoras foram aprovadas pelo conselho. As imagens shrined nas igrejas foram fechadas, e cada padre foi deixado livre para celebrar a missa ou não, como ele escolheu (dezembro, 1523). Em Whit- domingo 1524, o trabalho de remoção das imagens das igrejas foi iniciada, e foi concluída em 13 dias.

A abolição de muitos outros usos seguidos em rápida sucessão; ea transformação em serviço religioso foi concluído pelo celelration em 13 de Abril, 14 e 16, 1525, da Ceia do Senhor novamente em sua simplicidade original na grande catedral. A publicação de Zwingli De Vera Religione et Falsa ea primeira parte da tradução da Bíblia de Zurique igualmente deu um impulso favorável. Além de Zurique, a Reforma foi realizada em quase todo o cantão de Appenzell, e na cidade de Mühlhausen; uma base ampla foi colocada em Berna pela pregação do prudente Berchtold Haller; em Basileia, Wolfgang Capito Fabricius e Caspar Hédio foram os primeiros pregadores, e em 1524 as autoridades concedidas a John CEcolampadius essas condições no que diz respeito à reforma sob a qual ele aceitou o cargo de ministro. A Reforma também ganhou um chão firme em Schaffhausen e St. Gall. A maioria dos cantões foram, no entanto, ainda se opõem à Reforma, como a Dieta de Lucerna (janeiro de 1525) esforçou-se para satisfazer o anseio por uma reforma, sem rasgar a Igreja. Seus decretos, no entanto, não entrou em vigor; e os cantões católicos, de acordo com o conselho do Dr. Eck, arranjou uma nova disputa religiosa em Baden (19 de maio de 1526), ​​onde (Ecolampadins atuou como porta-voz dos teólogos reformados.

 Embora ambas as partes alegaram a vitória, a Reforma continuou a progredir. No verão de 1526, os Grisões concedida a liberdade religiosa; em abril de 1527, o partido obteve uma reformada por maioria no Conselho de Berna. que, depois de uma nova disputa em Berna (06 de janeiro de 1528), introduziu oficialmente a Reforma. Medidas decisivas para garantir a preponderância da Reforma foram tiradas em 1528 por St. Gall, e em 1529 pelo Basileia e Glarus. Como o mais zeloso dos cantões católicos, especialmente Schwvz, Uri, Unterwvalden, Lucerna, Valais e Fribourg, recorreram a medidas de força para a supressão da Reforma, Zurique e Constance, em dezembro 25,1527, formaram uma aliança defensiva sob o nome dos Direitos Burgher. Ele se juntou em 1528 por Berna e St. Gall; em 1529 por Biel, Mtuhlhausen, Basileia e Schaffhausen; em 1530 por Strasburg, que tinha sido repelido pelos protestantes alemães. O de Hesse também foi recebido para ela, em 1530, pelo menos por Zurique e Basileia. No entretanto, cinco cantões católicos - Lucerna, Zug, Schwvz, Uri, e Unterwalden - concluiu (abril de 1529) uma aliança com o rei Ferdinand para a manutenção da antiga fé. A guerra declarada pelo Zurich em 1529, contra os cinco cantões foi de curta duração, ea paz foi favorável ao primeiro. Em 1531 a guerra foi renovada, e as forças de Zurique foram totalmente derrotados em Cappel, Zwingli ele próprio, encontrando sua morte. A paz que Zurique e Berna foram forçados a concluir-se, por inteiro, humilhante; reconheceu, no entanto, e garantiu as duas confissões de fé. Logo após a batalha de Cappel, Oecolampadius morreu (23 de novembro de 1531) de pesar pelas perdas da Igreja Reformada. Henry Bullinger, em Zurique, e Oswald Myconius em Basileia, agora tornaram-se os principais espíritos entre os reformados, cuja força foi muito prejudicada por dissensões internas e pelo progresso dos anabatistas. Os cantões católicos conseguiu prender a propagação da Reforma na Suíça alemã, e em reprimi-la à força em alguns distritos livres e em partes dos cantões Soleure e Glarus; mas no restante dos cantões reformados, especialmente em Zurique e Berna, a população firmemente continuou a aderir à causa da reforma religiosa.

2. Na Suíça francesa, o movimento de reforma começou em 1526 nas regiões francesas dos cantões de Berna e de Biel, onde o evangelho foi pregado por William Farel, natural de França. Em 1530 ele estabeleceu a Reforma na Neufchatel.

Em Genebra, um início foi feito já em 1528; em 1534, depois de uma conferência religiosa realizada por sugestão do Bernese, em que Farel defendeu a Reforma, o culto público foi autorizado a Reformada; rápido progresso foi, então, feita através do zelo de Farel. Froment, e Viret; e em 1535, depois de outra disputa, o papado foi abolido pelo conselho ANID Reforma adotado. Em 1536 João Calvino, (Veja CALVIN ) chegou em Genebra, e foi induzido por Farel para permanecer na cidade e para ajudá-lo em sua luta contra um grupo de livres pensadores que se diziam Spirituels. Em outubro do mesmo ano, participou com Farel e Viret em uma disputa religiosa realizada em Lausanne, o que resultou na adesão do Pavs-de-Vaud à causa da Reforma. Em 1538 ambos Calvinn e Farel foram banidos pelo conselho, que tinha tomado ofensa à disciplina rigorosa Igreja introduzido pelos reformadores. Logo, porém, os amigos da Reforma recuperou a ascendência, e Calvino foi chamado em 1541, enquanto que Farel permaneceu em Neufchatel. Durante vários anos, Calvin teve de sustentar uma luta desesperada contra os seus adversários, mas em 1555 foram finalmente subjugados em uma insurreição definir a pé por Ami Perrin. A partir desse momento as ideias reformadoras de Calvin foram realizados em ambos Igreja e Estado com consistenc ferro ,. e Genebra tornou-se um centro de onde influências reformatórios se espalhou para as partes mais remotas da Europa. Por uma extensa correspondência e numerosos escritos religiosos, ele exerceu uma influência pessoal forte longe bevond as fronteiras da Suíça. A Academia Teológica de Genebra, fundada em 1588, forneceu as igrejas de muitos países estrangeiros, especialmente a França, com pregadores formados no espírito de Calvin. Quando Calvin morreu, em 1564, a continuação de seu trabalho recaiu sobre o aprendido Theodore Beza. Calvin discordavam em muitos pontos com Zwingli, cujos pontos de vista gradualmente perderam terreno como as de Calvin avançado. A Segunda Confissão Helvética, o mais importante entre os livros simbólicos da Igreja Reformada, que foi compilado por Bullinger, em Zurique, publicado em 1566, e reconhecida em todos os países reformados, completou a superioridade dos princípios de Calvino sobre os de Zwingli.

3. Embora a maioria das igrejas protestantes alemãs permaneceram em conexão com a Reforma Luterana, a Igreja Reformada alemão que usava um aspecto moderadamente calvinista surgiram em várias partes da Alemanha.

Em 1560, o eleitor Frederico III do Palatinado abraçaram o credo Reformada, e organizou a Igreja de seus domínios de acordo com os princípios da Reforma. Por sua autoridade, Ursinus e Olevianus compôs o Catecismo de Heidelberg, que logo passou a ser considerada não só como o livro simbólico padrão da Igreja Reformada alemão, mas era muito apreciado em todo o mundo reformada. Maurice. o landgrave aprendeu de Hesse-Cassel, depois de várias tentativas infrutíferas para reconciliar igrejas luteranas e reformadas, juntou-se a este último, em 1564, e obrigou a Igreja Luterana do seu domínio para entrar em comunhão com o calvinismo. Em Anhalt, o calvinismo foi introduzida principalmente do apego a Melanchton, e Nassau introduziu o Catecismo de Heidelberg, em conseqüência de sua relação com a casa de Orange. A adesão mais importante para a Igreja Reformada da Alemanha foi a de John Sigismund, eleitor de Brandemburgo, que onl dia de Natal de 1613, recebeu a ceia do Senhor na igreja tribunal de Berlim de acordo com o ritual calvinista. Apesar de ter tentado, como todos os príncipes destes tempos fez, para induzir as pessoas a seguirem o seu exemplo, a esmagadora maioria do país continuou a permanecer Luterana. Entre as cidades imperiais livres, foi especialmente Bremen que adotou o credo reformada.

  

            A Reforma na  Suiça-Reformador Ulrico Zuinglio

                                     (1484-1531)-ZURIQUE

DIFUSÃO DO MOVIMENTO REFORMADO NA CONFEDERAÇÃO SUÍÇA. 

O reformador Ulrico Zuínglio foi impelido por dois tipos de motivações: humanismo bíblico e fervor patriótico. Quanto ao primeiro elemento, Zuínglio se tornou um grande estudioso das Escrituras nas línguas originais, um notável pregador e expositor bíblico, e um firme defensor da autoridade da Palavra de Deus. Ele entendia que a essência da vida cristã é a conformidade com a vontade de Deus conforme expressa em sua Palavra e que esta deve ser o único fundamento para a fé cristã e o culto cristão. Somente o que a Bíblia ordena ou indica claramente é obrigatório ou permissível (“princípio regulador”). Suas idéias estão contidas nos Sessenta e Sete Artigos que redigiu para o primeiro debate de Zurique (1523), no seu Comentário Sobre a Verdadeira e a Falsa Religião(1525) e em outras obras.

      Além de pregador e teólogo, Zuínglio era um patriota e foi, no aspecto político, o mais talentoso dos reformadores. Ele desejava que o evangelho bíblico fosse pregado livremente em todos os treze cantões da confederação suíça e nas regiões adjacentes da Alemanha. Inicialmente, apenas Zurique abraçou a fé reformada. Em seguida, a partir de 1522, houve a adesão gradual de Basiléia, especialmente mediante os esforços do reformador João Ecolampádio (1482-1531). Berna, o maior dos cantões, foi ganha para a reforma em 1528, através de um debate público em que Zuínglio teve papel destacado. O cantão natal de Zuínglio, St. Gallen, também foi ganho, bem como Schaffhausen e Glarus, e as cidades de Constança e Mülhausen, na Alsácia. Outra conquista importante para a fé reformada foi a cidade alemã de Estrasburgo, onde atuaram os reformadores Wolfgang Köpfel ou Capito (1478-1541) e o notável Martin Bucer (1491-1551).

 Lamentavelmente, como foi visto no artigo anterior, Lutero e Zuínglio não chegaram a um consenso no que diz respeito à Ceia do Senhor. O primeiro acreditava na presença real ou física de Cristo na Ceia e o segundo interpretava o sacramento de maneira simbólica, comemorativa. Tal divergência enfraqueceu o movimento evangélico mais amplo. Além disso, os velhos cantões rurais de Uri, Schwyz, Unterwalden e Zug, bem como a cidade de Lucerna, rejeitaram a reforma e criaram um forte partido católico. Quando os dois grupos se enfrentaram na segunda batalha de Kappel (11 de outubro de 1531), o próprio Zuínglio foi uma das vítimas fatais. Outra vítima foi a reforma na Suíça alemã, cujo progresso foi permanentemente detido. Zuínglio foi sucedido na liderança da igreja de Zurique por Johann Heinrich Bullinger (1504-1575), líder hábil e conciliador, que, entre outras contribuições, teve participação destacada na redação do Acordo de Zurique (Consensus Tigurinus, 1549) e nas chamadas Confissões Helvéticas.

       A filiação da cidade de Berna ao protestantismo reformado foi da mais alta relevância. Esse fato salvou o zuinglianismo do isolamento na confederação suíça e – o que é mais importante – contribuiu para a adesão de Genebra à causa reformada, livrando-a do domínio dos duques católicos de Savóia. Com isso, tornou-se possível a obra do expoente mais ilustre da causa reformada – João Calvino.

   ULRICO ZUÍNGLIO: O FUNDADOR DA TRADIÇÃO REFORMADA

  A grande importância atribuída a João Calvino, o mais destacado teólogo e organizador do movimento reformado, muitas vezes obscurece a figura do reformador Ulrico Zuínglio, o líder inicial desse movimento. Zuínglio nasceu no dia 1º de janeiro de 1484 (apenas dois meses após o nascimento de Lutero) na vila de Wildhaus, no Cantão de St. Gall, nordeste da Suíça. Após freqüentar uma escola latina em Berna, ingressou na Universidade de Viena, onde entrou em contato com o humanismo. Em seguida, estudou na Universidade de Basiléia, na qual foi influenciado pelo interesse bíblico de alguns mestres e formou um círculo de amigos que mais tarde o puseram em contato com o grande humanista holandês Erasmo de Roterdã.

  Após obter o grau de mestre em 1506, foi ordenado ao sacerdócio e tornou-se pároco na cidade de Glarus. As influências humanistas e as suas próprias experiências como capelão de mercenários suíços na Itália o levaram a opor-se a esse sistema. Tal fato contribuiu para a sua transferência para Einsiedeln em 1516 e dois anos mais tarde para Zurique, onde se tornou sacerdote da principal igreja da cidade. Tendo lido recentemente a tradução do Novo Testamento feita por Erasmo, começou em 1519 a pregar uma série de sermões bíblicos que causaram forte impacto. A partir dessa época, defendeu um grande programa de reformas em cooperação com os magistrados civis. Suas idéias sobre o culto público e os sacramentos representaram uma ruptura mais radical com as antigas tradições do que fez o movimento luterano.

  O ano de 1522 foi decisivo. Zuínglio protestou contra o jejum da quaresma e o celibato clerical, casou-se secretamente com Ana Reinhart, escreveu Apologeticus Archeteles (seu testemunho de fé) e renunciou ao sacerdócio, sendo contratado pelo concílio municipal como pastor evangélico. Nos dois anos seguintes, uma série de debates públicos levou à progressiva implantação da reforma em Zurique, culminando com a substituição da missa pela Ceia do Senhor em 1525. Infelizmente, alguns de seus primeiros colaboradores, tais como Conrado Grebel e Félix Mantz, adotaram posturas radicais quanto ao batismo, dando início ao movimento anabatista, que gerou fortes reações das autoridades.

 Os últimos anos da vida de Zuínglio foram marcados por crescente atividade política. No interesse da causa reformada, ele defendeu a luta contra o império alemão e também contra os cantões católicos da Suíça. Buscando fazer uma aliança com os protestantes alemães, encontrou-se com Lutero no célebre Colóquio de Marburg, convocado pelo príncipe Filipe de Hesse em 1529. Embora concordassem em quase todos os pontos discutidos, os dois reformadores não puderam chegar a um acordo com relação à Ceia do Senhor. No dia 11 de outubro de 1531, quando acompanhava as tropas protestantes na segunda batalha de Kappel, Zuínglio foi morto em combate. Segundo se afirma, suas últimas palavras foram: “Eles podem matar o corpo, mas não a alma”.(Notas Portal Makenzie São Paulo)

 Ulrico Zuínglio recebeu uma educação esmerada, com forte influência humanista. Inicialmente, foi sacerdote em Glarus (1506) e em Einsiedeln (1516). Influenciado pelo Novo Testamento publicado por Erasmo de Roterdã, tornou-se um estudioso das Escrituras e um pregador bíblico. Com isso, foi chamado para trabalhar na catedral de Zurique em 1518. Quatro anos mais tarde, surgiram as primeiras divergências com a doutrina católica. Zuínglio defendeu o consumo de carne na quaresma e o casamento dos sacerdotes, alegando não serem essas coisas proibidas nas Escrituras. Ele propôs o princípio de que tudo devia ser julgado pela Bíblia.

Em 1523, houve o primeiro debate público em Zurique e a cidade começou a tornar-se protestante. O reformador escreveu os Sessenta e Sete Artigos – a carta magna da reforma de Zurique – nos quais defendeu a salvação somente pela graça, a autoridade da Escritura e o sacerdócio dos fiéis, bem como atacou o primado do papa e a missa. Esse movimento suíço, conhecido como a “segunda reforma”, deu origem às igrejas “reformadas”, difundindo-se inicialmente na Suíça alemã e no sul da Alemanha. Em 1525, o Conselho Municipal de Zurique adotou o culto em lugar da missa e em geral promoveu mudanças mais radicais do que as efetuadas por Lutero.

 Como estava acontecendo na Alemanha, também na Suíça houve guerras entre católicos e protestantes. Em 1529, travou-se a primeira batalha de Kappel. No mesmo ano, aDieta de Spira mostrou aos protestantes a necessidade de uma aliança contra os seus adversários. Para tanto, era necessário que resolvessem algumas diferenças doutrinárias. Isso levou ao Colóquio de Marburg, convocado pelo príncipe Filipe de Hesse. Luteranos e reformados concordaram sobre a maior parte das questões doutrinárias, mas divergiram seriamente sobre o significado da Santa Ceia. Em 1531, Zuínglio morreu na segunda batalha de Kappel.

 2.5 Os Reformadores Radicais (Anabatistas)

 O terceiro movimento da Reforma Protestante surgiu na própria cidade de Zurique. Em 1522, homens como Conrado Grebel e Félix Mantz começaram a reunir-se com amigos para estudar a Bíblia. Inicialmente, eles apoiaram a obra de Zuínglio, mas a partir de 1524 passaram a condenar tanto Zuínglio quanto as autoridades municipais, alegando que a sua obra de reforma não estava sendo profunda o suficiente. Por causa de sua insistência no batismo de adultos, foram apelidados de “anabatistas”, ou seja, rebatizadores, sendo também chamados de radicais, fanáticos, entusiastas e outras designações. Por causa de suas atividades de protesto, nas quais chegavam a interromper cultos e celebrações da ceia, os líderes anabatistas sofreram punições de severidade crescente. Em 1526, Grebel morreu em uma epidemia, mas seu pai foi decapitado, Mantz foi afogado e outro líder, Jorge Blaurock, foi expulso da cidade.

 O movimento logo se difundiu nas vizinhas Alemanha e Áustria e em outras partes da Europa. Um importante líder em Estrasburgo foi Miguel Sattler (c.1490-1527), que presidiu a conferência de Schleitheim (1527), na qual os anabatistas aprovaram aConfissão de Fé de Schleitheim. Essa confissão definiu os princípios anabatistas básicos: ideal de restauração da igreja primitiva; igrejas vistas como congregações voluntárias separadas do Estado; batismo de adultos por imersão; afastamento do mundo; fraternidade e igualdade; pacifismo; proibição do porte de armas, cargos públicos e juramentos. Os anabatistas foram os únicos protestantes do século 16 a defenderem a completa separação entre a igreja e o estado.

 Os anabatistas adquiriram uma reputação negativa por causa de acontecimentos ocorridos na cidade de Münster (1532-1535). Influenciados por Melchior Hoffman, que anunciou o fim do mundo e a destruição dos ímpios, alguns anabatistas implantaram uma teocracia intolerante naquela cidade alemã. Finalmente, foram todos mortos por um exército católico. Já na Holanda, o movimento teve um líder equilibrado e capaz na pessoa de Menno Simons (1496-1561), do qual vieram os menonitas. Outro líder de expressão foi Jacob Hutter (†1536), na Morávia. Os menonitas e os huteritas viviam em colônias, tendo tudo em comum (ver Atos 2.44; 4.32). Cruelmente perseguidos em toda a Europa, muitos deles eventualmente emigraram para a América do Norte.         

   NOTAS´PORTAL MAKENZIE

   A reforma na Suiça despontou indenpendente por completo do movimento na Alemanha ,apesar de se haver manifesto simultaneamente ,sob a orientação de Ulrico Zuinglio ,o qual ,em 1517,atacou 'a remissão de pecados",que muitos procuravam por meio de peregrinações a um altar da Virgem de Einsiedn .No ano de 1522,Zuinglio rompeu definitavamente com roma.

 A reforma foi então formalmente estabelecida  em Zurique,e que dentro em breve tornou-se um movimento mais radical do que na Alemanha.Entretanto ,p progresso desse movimento foi prejudicado por uma guerra civil entre cantões católicos-romanos e protestantes ,na qual Zuinglio faleceu em 1531.Apesar de tudo ,a reforma continuou a sua marcha ,e mais tarde teve como dirigente João Calvino,o maior teólogo da igreja ,depois de Agostinho;sua obra ,"as institutas ", publicada em 1536,quando Calvino tinha apenas 27 anos ,tornou-se regra da doutrina protestante. (ibid,p.15-146 j.l.hurlbut). 

 MAIS NOTAS SOBRE ZUINGLIO

Deixando Lutero em Wartburgo, notemos o que Deus tinha estado a fazer pelo seu povo em outro ponto da Europa por meio de outros instrumentos. É especialmente digno de menção que ao mesmo tempo em que se ia iniciando a Reforma na Alemanha, ia-se abalando cada vez mais o trono papal, em conseqüência de um despertamento religioso na Suíça, e o instrumento que Deus tinha escolhido para o cumprimento desta obra ali foi um padre de Roma chamado Úlrico Zwínglio. Se Lutero era filho de um mineiro, o reformador suíço não se podia gabar de ser de origem mais nobre, visto que seu pai era pastor, e guardava seu rebanho em Wildaus, no vale de Tockemburgo.

 

Zwínglio nos Estudos

 Se não fosse o fato de o pai de Zwínglio destiná-lo a igreja, podia este ter morrido sem que seu nome jamais chegasse a nós. Mas tudo foi sabiamente ordenado por Deus, que tinha uma obra especial e importante para dar a fazer ao filho do pastor; e a sua mocidade foi regulada em conformidade com isso. Ainda não tinha dez anos de idade quando o mandaram para os estudos, sob a vigilância do seu tio, o deão de Wesen, e ali deu tais provas da sua inteligência, que seu parente tomou a responsabilidade da sua educação e mandou-o estudar sucessivamente em Basiléia, Berne, Viene, e de novo em Basiléia. Quando voltou para esta cidade teve a felicidade de ficar entregue aos cuidados do célebre Tomás Wittembach, homem que via claramente os erros de Roma, e ao mesmo tempo não era estranho à importante doutrina de justificação pela fé. O professor não escondia ao seu discípulo, nem os seus conhecimentos, nem as suas opiniões; e foi ali que Zwínglio ouviu pela primeira vez, com um sentimento de admiração, que "a morte de Cristo era o único resgate para a sua alma".

 Deixando Basiléia após concluir o seu curso de teologia e depois de ter tomado o grau de bacharel em letras, foi escolhido para pastor na comunidade de Claris, onde ficou dez anos. Durante a sua permanência ali, dedicou-se a um estudo profundo das Escrituras e a examinar com atenção as doutrinas e práticas da igreja primitiva, como estavam descritas nos escritos dos antigos doutores, e isso mais o convenceu do estado de corrupção em que se achava a igreja professa; e começou a exprimir as suas opiniões sobre matérias eclesiásticas com uma clareza admirável.

 No ano de 1516 estava ele em Einsiedeln, no cantão de Schwyz, tendo recebido um convite do governador do mosteiro dos Beneditinos para paroquiar a igreja de Nossa Senhora de Ermitagem, que era então um foco da idolatria e superstição de Roma. O que Lutero vira em Roma, viu Zwínglio em Einsiedeln; e o seu zelo na obra da Reforma foi estimulado pelas deploráveis descobertas que ali fez. Os seus trabalhos na Ermitagem foram abençoados, e o administrador Geroldseok e vários monges convertidos.

 Depois de um ministério fiel de três anos em Einsiedeln, o reitor dos cônegos da igreja catedral de Zurique convidaram-no para ser seu pastor e pregador, sendo este convite aceito. Alguns, suspeitando das doutrinas reformadas, opunham-se à sua nomeação, mas a sua reputação era tão grande, e os seus modos tão atraente, que estava a maioria a seu favor, e foi devidamente eleito. Zurique tornou-se então a esfera central dos seus trabalhos, e foi ali que travou conhecimento com Oswaldo Myconius, que mais tarde escreveu a sua vida.

  Zwínglio Pregando em Zurique

 Quando ele pregava na catedral, reuniam-se milhares de pessoas para o ouvir; a sua mensagem era nova para os seus ouvintes, e expunha-a numa linguagem que todos podiam compreender. Diz-se que a energia e a novidade do seu estilo produziu impressões indescritíveis, e muitos foram os que obtiveram bênçãos eternas por meio do Evangelho puro e claro, enquanto que todos admiraram-se do que ouviam. Era grande a sua fé no poder da Palavra de Deus para converter as almas sem explicações humanas.

Não quis restringir-se aos textos destinados às diferentes festividades do ano, que limitavam, sem necessidade, o conhecimento do povo com respeito ao livro sagrado e declarou que era sua intenção começar no evangelho de São Mateus e segui-lo capítulo por capítulo, sem os comentários dos homens. "No púlpito", diz Myconius, "não poupava ninguém. Nem papa, nem prelados, nem reis, nem duques, nem príncipes, nem senhores, nem pessoa alguma. Nunca tinham ouvido um homem falar com tanta autoridade. Toda a força e todo o deleite de seu coração estavam em Deus e em conformidade com isso exortava a cidade de Zurique a confiar somente nele". "Esta maneira de pregar é uma inovação!" – exclamavam alguns – "e uma inovação leva a outra; onde irá isto parar?". "Não é a maneira nova", respondia Zwínglio, com modos cortezes e brandos, "pelo contrário é antiga. Recordem-se dos sermões de Crisóstomo sobre S. Mateus, e de Agostinho sobre S. João". Com estas respostas pacíficas, desarmava muitas vezes os seus adversários, chegando até com freqüência a atraí-los a si. Neste ponto ele apresenta um notável contraste com o rude e enérgico Lutero.

 Estava Zwínglio em Zurique havia pouco mais ou menos um ano quando a peste visitou a Suíça, e o reformador foi atacado por ela. Ele orou a Deus sinceramente pelo seu restabelecimento e obteve resposta para a sua oração, e a misericórdia divina em o poupar foi mais um incentivo para uma devoção ainda mais profunda. O poder da sua pregação aumentava sempre, e seguiu-se um tempo de muita benção, convertendo-se centenas de pessoas; e por este motivo os padres ficavam encolerizados e indignados. Zwínglio convidou-os mais do que uma vez para uma disputa pública, mas eles receavam o convite, e por fim, para fazerem calar o reformador, apelaram para o Estado.

Este apelo foi a ruína deles, porque o Estado decretou: "Visto que Úlrico Zwinglio tinha por diferentes vezes convidado publicamente os contrários à sua doutrina a contradizê-la com argumentos das Escrituras, e visto que apesar disto nenhum o tinha querido fazer, ele podia continuar a anunciar e pregar a Palavra de Deus exatamente como até então. E também que todos os ministros de religião, quer residentes na cidade quer no campo, se absteriam de ensinar qualquer doutrina que não pudessem provar pelas Escrituras; e que deveriam igualmente evitar fazer acusações de heresia e outras alegações escandalosas, sob pena de castigo severo". Assim se viu Roma presa na própria rede que armara, e mais uma vez vencida, enquanto que o decreto se tornou um poderoso impulso para a Reforma.

  

Oferta do Papa a Zwínglio 

Entretanto o papa (Adriano VI), que tinha estado a ameaçar a Saxônia com os seus anátemas, recebeu as alarmantes notícias do movimento na Suíça, e, temendo os efeitos de uma segunda reforma, experimentou um novo estratagema com Zwínglio. Sabia que o reformador suíço era um homem mais delicado do que Lutero, e por isso enviou-lhe uma carta mui lisonjeira, certificando-o da sua amizade especial, e chamando-lhe seu "amado filho" e fez acompanhar esta epístola assucarada de provas evidentes da sua consideração. Quando Myconius perguntou ao portador do breve papel o que era que o papa lhe tinha encarregado de oferecer a Zwínglio, recebeu esta resposta: "Tudo menos a cadeira de S. Pedro". Mas Zwínglio conhecia bem a astúcia de Roma, e preferiu a liberdade com que Jesus Cristo o tinha libertado, ao jugo de superstição, e a um barrete de cardeal.

  Progresso da Reforma 

Depois deste acontecimento a Reforma ganhou terreno com muita rapidez, e o reformador recebia constantes incentivos para a obra e as mais agradáveis provas de que Deus estava com ele. Em Janeiro de 1524 foi publicado um decreto que determinava que as imagens fossem destruídas; em abril de 1525 foi abolida a missa, e determinado que desde então, pela vontade de Deus, fosse a Ceia do Senhor celebrada conforme fora instituída por Cristo, e o costume apostólico. Mais tarde ainda, chegou a notícia da conversão das freiras do poderoso convento de Konigsfeldt, onde os escritos de Zwínglio tinham entrado; e o coração do reformador exultou quando recebeu uma carta que lhe tinha sido dirigida por uma dessas convertidas. Isto foi um golpe terrível para Roma.

O efeito que um Evangelho claro e simples produziu nas freiras foi mostrar-lhes a inutilidade de uma vida de celibato e solidão, e pediram ao governo licença para sair do convento. O concílio, mal compreendendo as razões que elas tinham para isso, e assustado com aquele pedido, prometeu-lhes que a disciplina do convento seria menos severa e que lhes aumentaria a pensão. "Não é a liberdade da carne que nós pedimos", responderam elas, "mas sim a liberdade do Espírito". O pedido das freiras foi satisfeito porque o próprio Concílio ficou também esclarecido; e não foram só as freiras de Konigsfeldt que foram libertas; as portas de todos os conventos foram abertas de par em par, e a oferta de liberdade estendeu-se a todas as internas.

  Efeitos da Reforma em Berna 

Em Berna o poder da verdade manifestou-se de outro modo, não menos interessante. Os magistrados em sinal de regozijo pela grande obra, soltaram vários prisioneiros, e concederam completo perdão a dois desgraçados que estavam esperando o dia da sua execução: "Um grande grito", escreve Bullinger, discípulo de Zwínglio, "ressoou por toda a parte. Num dia Roma decaiu em todo o país, sem traições, sem violências, sem seduções; unicamente pela força da verdade". Os felizes cidadãos, despertados pelo poder da verdade, exprimiram os sentimentos dos seus corações da maneira mais generosa. "Se um rei, ou imperador, nosso aliado", diziam eles, "estivesse para entrar na nossa cidade, não perdoaríamos nós as ofensas, e não auxiliaríamos os pobres? E agora que o Rei dos reis, o Príncipe da paz, o Filho de Deus, o Salvador do gênero humano está conosco, e trouxe consigo o perdão dos pecados, a nós que merecíamos ser expulsos da sua presença, que melhor podemos nós fazer para celebrar a sua chegada à nossa cidade do que perdoar aqueles que nos ofenderam?"

 A Obra em Basiléia 

Em Basiléia, uma das comarcas mais poderosas da Suíça, as doutrinas da Reforma espalharam-se com incrível rapidez, e produziram os melhores resultados. Os zelosos burgueses limparam o país das suas imagens, e quando o humilde e piedoso Oecolâmpade (o Melanchton da reforma Suíça), acabou de completar um ministério fiel de seis anos na comarca, adotaram em todas as igrejas o culto reformado, que foi firmemente estabelecido por um decreto do Senado.O coração exulta ao descrever esta gloriosa obra de Deus, e sentimos não poder continuar uma tarefa tão agradável, mas falta-nos espaço.

NOTAS -Historia do cristianismo,W.Knight e W.Anglin,cpad,2009,cpad-Brasil

 A Reforma na Suíça tem uma importância especial. Zwínglio foi um dos primeiros reformadores a pregar o Evangelho, mas quem influiu no caráter da Reforma na Europa mais do que ele foi João Calvino. A Suíça era uma república, constituída de estados, chamados "cantões", cada um com governo independente, mais livre ainda do que os Estados do Brasil ou dos da América do Norte. Sendo uma democracia, o governo da igreja tomou forma democrática também. Na Inglaterra ou nos países que adotaram a forma luterana, a igreja era episcopal, ou governada por bispos. Esta forma era uma adaptação do sistema romanista. Os bispos eram a aristocracia da igreja, e governavam os sacerdotes e o povo. Zwínglio adotou o sistema presbiteriano, que foi mais tarde desenvolvido por Calvino, e copiado na França, Holanda, Escócia, e no Palatinado (dois estados de Alemanha).

 Os ministros e um número de presbíteros escolhidos pelo povo governavam a igreja. Lutero e os reformadores ingleses queriam reter, tanto quanto possível, os costumes antigos da Igreja Romana, purificados dos erros e corrupções, continuando também com suas vestimentas e uma liturgia modificada. A Reforma na Suíça foi uma limpeza completa, porque ali os reformadores não tinham respeito nenhum para com os costumes antigos da Igreja Romana.

 Também o ensino de Calvino influía muito nas igrejas reformadas que adotaram seu sistema de governo. Este ensino espalhou-se na Inglaterra entre os puritanos e nas colônias da América do Norte. A doutrina especial de Calvino, hoje chamada "calvinismo", era a da eleição ou predestinação, na qual o reformador pôs muita ênfase. Calvino em sua luta com os romanistas, em vista da tendência da igreja romana de atribuir a salvação da alma aos esforços humanos, frisou a soberania de Deus.

Alguns dos seus seguidores levaram estas doutrinas ao extremo, quase negando a responsabilidade humana. A justa inferência de tais ensinos seria que Deus é o autor do pecado, e a oferta de salvação aos pecadores não é de boa fé, porque a maioria não pode aceitá-la por Deus ter predestinado essa maioria à condenação, e somente os eleitos, à salvação. No princípio foram os teólogos católicos que se opuseram às doutrinas de Calvino, mas, no fim do século XVI, um teólogo protestante chamado Tiago Armínio (1590-1609) começou a ensinar doutrina oposta ao calvinismo; sua doutrina é chamada "arminiana".

 Embora seus seguidores mais tarde também levassem sua doutrina ao extremo, ela tinha moderação, e servia de antídoto às doutrinas extremas do calvinismo. Hoje em dia tais doutrinas ainda são discutidas, mais a maior parte dos crentes reconhece que a graça soberana de Deus e a vontade livre dos homens são como os dois trilhos de uma estrada de ferro, paralelos, não precisando de reconciliação. Mas na Holanda alguns dos seguidores de Armínio sofreram terríveis perseguições, e a contenda tem revivido diversas vezes, notavelmente no tempo de João Wesley. Foi esta questão que dividiu Wesley de Whitefield e do Conde Zinzendorf, e no mesmo século houve muita polêmica entre estes e outros teólogos.

 Devemos mencionar outra contenda no século XVI. Enquanto Zwínglio pregava em Zurique, diversos pastores eruditos e piedosos queriam voltar às práticas primitivas, separando a Igreja do Estado, e recusando batizar as crianças, dizendo que somente pessoas convertidas deviam ser batizadas. Zwínglio se opôs a este povo, e as autoridades de Zurique perseguiram todos os que adotaram tais idéias. Devido ao seu ensino e prática, estes foram chamados "anabatistas" e mais tarde "batistas". Naquele tempo era considerado crime horrível recusar-se a batizar crianças e rebatizar adultos que já haviam recebido o rito na infância. E o imperador da Alemanha, um religioso fanático, mandou queimar ou afogar muitos que praticavam tais "crimes". E na própria Zurique protestante, os chefes batistas, homens eruditos e piedosos recebiam muitas vezes como castigo da sua pregação o afogamento. Há quem acuse Zwínglio de haver, por omissão, consentido nessa perseguição desumana.

 A verdade é que ele não empregou sua grande influência para impedir castigos tão injustos como os usados pela Igreja Romana. Muitos anabatistas foram expulsos da Suíça. Infelizmente, depois da morte dos seus chefes, alguns anabatistas adotaram práticas extravagantes. Na Alemanha, ajuntando-se aos camponeses, por motivos políticos, fizeram a revolta chamada a "Guerra dos camponeses". Este movimento foi condenado por Lutero, e o exército deles foi derrotado e castigado com brutalidade.

 Outros anabatistas numa cidade chamada Munster, enxotaram todos os cidadãos que não aceitaram suas idéias; proclamaram João Leiden seu prefeito e praticaram crueldades e até poligamia. Nesse tempo, a cidade deles foi tomada pelo exército do bispo. Estas extravagâncias deixaram um estigma em todo o movimento.

 De tudo isso, se vê que as atrocidades cometidas pela Inquisição da Igreja Romana durante séculos influíram em alguns que saíram do catolicismo para ingressarem na Reforma, pois muitas vezes se tratava de convencidos, que apenas mudavam de religião, e não de verdadeiramente convertidos ao Evangelho, ou nascidos de novo.

 Um homem chamado Meno Simonis, no ano de 1537, ajuntou-se a esse grupo fanatizado, e a sua piedade e moderação impediram que eles praticassem excessos. Meno morava na Holanda, mas devido a uma forte perseguição foi obrigado a fugir para Fresemburgo, em Holstein, onde o Conde Alefeld o protegeu, com muitos dos seus seguidores, que eram chamados menonitas.

 Alguns se recusaram a tomar armas e participar nas guerras, ou jurar nos tribunais de justiça. Muitos deles viviam no Norte da Alemanha, e no século XVIII uma colônia de menonitas mudou-se para a Rússia, convidada pela imperatriz Catarina, que prometeu-lhes isenção do serviço militar. Ainda hoje seus descendentes vivem ali.

 No tempo da Reforma, os anabatistas não queriam tomar parte na política nem no governo do país, dizendo que a Igreja é um corpo separado do mundo, do Estado e da política. Mas Lutero, Zwínglio, Calvino, Knox e outros reformadores, ligaram a Igreja ao Estado. No sistema episcopal, o Estado dominava a igreja, e no sistema presbiteriano, as autoridades da igreja é que dominavam o Estado. Deve-se admitir que a influência pessoal destes mencionados reformadores fosse boa, porque aconselharam reformas nas leis e melhor constituição do país, mas a aliança da Igreja e o Estado tem introduzido muitos males na Igreja. João Calvino cria na necessidade do novo nascimento, mas tratou a todos os cidadãos de Genebra como membros da Igreja e sujeitos à sua disciplina. Pessoas sem piedade nem santidade foram obrigadas a conformar-se com as regras estreitas da Igreja Calvinista.

 A liberdade de consciência não era entendida por esses reformadores, e Calvino tem sido muito censurado pela morte de Miguel Serveto, que foi queimado vivo em praça pública, por ter negado a doutrina da Trindade, pois Calvino não empregou sua influência para salvar-lhe a vida, deixando-se levar pelo fanatismo da época, embora procurasse, debalde, mudar a forma de execução do fogo para a espada. É verdade que esses fatos lamentáveis da época da Reforma foram atos isolados, em nada comparáveis às dezenas de milhares de pessoas que foram queimadas, trucidadas pela Igreja de Roma durante séculos.

 Calvino morreu no ano de 1564, e seu amigo Teodoro Beza tomou seu lugar, e continuou pregando em Genebra até a sua morte no ano de 1605. Havia diferenças entre os pareceres de Calvino e Zwínglio, mas eles chegaram a um acordo chamado "Confissão Helvética", em 1566. Depois da morte de Calvino, a igreja de Roma fez um grande esforço para restaurar na Suíça a fé antiga, à força e por propaganda. O Duque de Sabóia era governador de cantão perto da cidade de Genebra e fez uma tentativa para tomar a cidade à força, mas foi rechaçado.

 A igreja de Roma nomeou como bispo de Genebra o celebre Francisco de Sales, que embora não pudesse pregar na cidade, pregou no cantão vizinho de Chabelais, e "converteu" milhares de adeptos forçados do calvinismo. Todavia, o bispo era notável pela sua piedade e oratória e depois da sua morte foi canonizado pelo Papa. O bispo ergueu uma grande cruz quase à porta da cidade, mas não ganhou autoridade dentro de Genebra.

 Durante os séculos XVII e XVIII houve muitas contendas entre católicos e protestantes. Os estados protestantes lucraram muito durante a perseguição dos huguenotes, que fugiram da França e acharam abrigo na Suíça.

 O século XVIII foi marcado na Suíça, como em diversos países, por uma decadência espiritual. Um escritor contemporâneo disse: "O domingo é encerrado com divertimentos, e os pastores tomam parte deles com o seu rebanho. Embora haja ainda conservado decência e sobriedade de costumes, o poder do Evangelho é pouco demonstrado entre os ministros e o povo. O ateu Rousseau, com suas opiniões destrutivas, e Voltaire, seu sutil rival, propagavam na vizinhança e especialmente em Genebra, o veneno do seu ceticismo. Há dúvida se ainda resta um professor ou pastor em Genebra que siga a Calvino em princípio e em prática. As convulsões, sob o nome de liberdade, têm aumentado a apostasia geral. Em toda a Suíça o mesmo espírito prevalece, embora não sem muitíssimas exceções felizes da infelicidade geral".

 Nos princípios do século XIX houve um avivamento espiritual. Roberto Haldane, um escocês, pregou em Genebra, e diversos estudantes de teologia receberam uma grande bênção espiritual; como Malan, Teodoro Monod, e Merle d'Aubigné, que vieram a ser pregadores notáveis, havendo o último escrito a "História da Reforma" obra traduzida em diversas línguas. Mais tarde J. N. Darby visitou a Suíça várias vezes, pregando no Cantão de Vaud e em Genebra com muita aceitação.Hoje Genebra tem uma Sociedade Bíblica, seminários para treinar evangelistas e missionários. Como em todos os países, o modernismo está ali ganhando terreno, mas ainda existe uma grande corrente que aceita as antigas verdades bíblicas.(notas historia do cristianismo,A.Knit  e W.Anglin,1984,cpad)

  CALVINO E GENEBRA 

 Em agosto de 1536, Calvino dirigia-se da França para Estrasburgo, onde pretendia residir. Queria tão somente pernoitar em Genebra, na Suíça, e seguir viagem no dia seguinte. Apenas dois meses antes, essa cidade havia abraçado a Reforma Protestante, sob a liderança do ardoroso reformador Guilherme Farel. Este convenceu o jovem autor das Institutas a permanecer em Genebra e ajudá-lo na consolidação do trabalho. Menos de dois anos depois, em virtude de conflitos com as autoridades civis, os dois pastores foram expulsos da cidade (abril de 1538).

 Calvino finalmente pode ir para Estrasburgo, onde residiu por três anos e colaborou com o reformador Martin Bucer. Nesse período, pastoreou uma igreja de refugiados franceses, lecionou em uma academia local e casou-se com uma de suas paroquianas, a viúva Idelette de Bure. Também se dedicou a uma intensa atividade literária, escrevendo uma versão ampliada das Institutas, o Comentário de Romanos (seu primeiro comentário bíblico), um tratado sobre a Ceia do Senhor e outras obras. Por insistência dos síndicos de Genebra, acabou retornando para essa cidade em setembro de 1541, ali permanecendo até o final da vida.

 Sob a hábil liderança de Calvino e seus colegas, Genebra se tornou a grande cidadela da fé reformada, recebendo refugiados e visitantes de muitos lugares da Europa. Essas pessoas, ao retornarem para os seus países, contribuíram para a ampla difusão do movimento reformado. Um desses refugiados foi o reformador escocês João Knox, que, em uma carta, referiu-se a Genebra como “a mais perfeita escola de Cristo que já existiu sobre a terra desde os dias dos apóstolos”.

 Ao longo dos anos, Calvino ajudou a estruturar a igreja reformada de Genebra, provendo-a de uma constituição, uma confissão de fé, um catecismo e uma liturgia, além de um hinário, o Saltério de Genebra, também idealizado por ele. O trabalho da igreja era realizado por quatro categorias de oficiais: pastores, mestres, presbíteros e diáconos. O reformador também empreendeu um vasto programa de pregação expositiva, ensino religioso e reflexão teológica, que resultou em um enorme volume de publicações. Suas idéias nos campos da dogmática, interpretação bíblica, política, responsabilidade social e outras áreas têm sido influentes há vários séculos.

 Ao contrário do que dizem muitos livros de história, Calvino jamais exerceu cargos políticos em Genebra e muito menos foi o “ditador” daquela cidade. Na realidade, durante a maior parte do seu ministério, ele teve um relacionamento difícil com as autoridades civis. Uma das causas dessas tensões era a sua insistência no sentido de que Genebra fosse uma cidade verdadeiramente reformada, em que os valores da Palavra de Deus se refletissem em todas as áreas da vida pessoal e comunitária. Algumas das maiores contribuições do reformador ocorreram nos últimos anos da sua vida, como veremos no próximo artigo.notas artigo Portal Makenzie São Paulo)

  JOÃO CALVINO: O SURGIMENTO DE UM NOVO LÍDER

  Com a morte de Ulrico Zuínglio, em 1531, parecia que a reforma suíça havia recebido um golpe fatal. O movimento continuou, sob a hábil liderança de Henrique Bullinger, mas possivelmente teria ficado restrito a algumas partes da Confederação Suíça e da Alemanha, sem causar um impacto mais amplo na Europa e no mundo. Foi então que entrou em cena um novo personagem, cujo brilhantismo intelectual e habilidade diplomática haveriam de dar profundidade teológica e amplitude continental à fé reformada. Esse personagem foi o reformador francês João Calvino.

 

      Inicialmente, parecia pouco provável que Calvino viesse a se tornar um dos maiores vultos da Reforma Protestante. Nascido em 10 de julho de 1509 na cidadezinha de Noyon, na Picardia (nordeste da França), o menino Jean cresceu em um lar profundamente católico. Seu pai era advogado do clero local e secretário do bispo, posição que lhe permitiu obter para o filho um “benefício eclesiástico”, ou seja, um cargo na estrutura da igreja. Aos catorze anos, Calvino ingressou na antiga e prestigiosa Universidade de Paris, visando preparar-se para o sacerdócio. Estudou a teologia escolástica e as chamadas “humanidades”, isto é, as línguas (especialmente o latim) e a literatura da antiguidade clássica. Por três anos (1528-1531), também se dedicou ao estudo do direito em duas cidades do interior, Orléans e Bourges. Nesta última, teve a oportunidade de aprender grego com o erudito luterano Melchior Wolmar. Toda esse preparação esmerada haveria de ser muito valiosa para o seu futuro trabalho como reformador.

  Regressando a Paris, Calvino dedicou-se à sua grande paixão, os estudos humanísticos, publicando um comentário do tratado Sobre a Clemência, do antigo filósofo estóico Sêneca. Pouco depois, ocorreu o primeiro grande ponto de transição em sua vida – sua conversão à fé evangélica –, sobre a qual existem poucas informações. No fim do mesmo ano (1533), ocorreu um incidente curioso. Nicolau Cop, um amigo de Calvino que acabara de ser eleito reitor da Universidade de Paris, fez um discurso polêmico em que expôs idéias protestantes e pediu reformas. As reações foram intensas e os dois amigos tiveram de fugir para salvar a vida. Calvino encontrou abrigo na casa de um amigo em Angoulême, onde começou a escrever a obra notável que o tornaria conhecido em toda a Europa.

 Enquanto isso, crescia assustadoramente a repressão estatal contra os protestantes franceses. Calvino retornou brevemente à sua cidade natal em maio de 1534, a fim de renunciar ao seu benefício eclesiástico, e em janeiro do ano seguinte deixou a França, indo residir em Basiléia, na Suíça. Foi ali que ele teve a oportunidade de concluir asInstitutas da Religião Cristã, publicando-as em março de 1536. Tinham como prefácio uma carta ao rei Francisco I, suplicando tolerância em favor dos evangélicos perseguidos. Com essa obra, Calvino foi reconhecido imediatamente com o principal líder e porta-voz do protestantismo francês. Poucos meses depois ocorreria o segundo grande momento de transição na vida do jovem reformador, que teve conseqüências ainda mais dramáticas e profundas.(Notas Portal Makenzie São Paulo)     

 Guilherme Farel   PIONERO DA REFORMA NA FRANÇA 

Guilherme Farel, natural de Delfinado, pode ser considerado como o apóstolo da Reforma Suíça Francesa. Aprendeu as doutrinas reformadas com um piedoso e sábio doutor de Etaples, chamado Tiago Lefèvre, e ensinou-as primeiro em Paris, onde gozou a amizade e a proteção do bispo de Meaux, Guilherme Briçonnet, o qual ensinava pessoalmente as novas doutrinas. Contudo a perseguição tornou-se, por fim, tão violenta, que foi obrigado a refugiar-se na Suíça, onde travou conhecimento com Oecolâmpade, Bucer, e outros reformadores.

Em Basiléia, Montbeliard, Agle, Vallengin, St. Blaise e Neuchatel, todos lugares na Suíça Francesa, trabalhou com êxito variado, e tal foi o poder da sua pregação nessa última localidade, que o povo declarou que queria viver na fé protestante, e não ficou satisfeito enquanto a Reforma não foi legalmente estabelecida no cantão. Em Genebra onde tinha ido duas vezes, seu trabalho foi cheio de dificuldades e perigos, e tanto monges como padres fizeram várias tentativas para assassiná-lo. Por muitas vezes foi apedrejado e espancado; esteve quase para ser afogado no Reno em duas ocasiões, e uma vez foi milagrosamente salvo de morte mais penosa causada por veneno. Mas a benção do Senhor estava sobre os seus trabalhos, e em breve a missa foi oficialmente suspensa por um decreto do Concílio dos Duzentos, e apareceu um edito ordenando que os serviços de Deus haviam de ser dali por diante feitos conforme os estudos do Evangelho; e que todos os atos de idolatria papal haviam de cessar completamente.

 Foram cunhadas medalhas para celebrar este acontecimento, e os cidadãos escolheram para si esta nova divisa: "Depois das trevas, luz". Resultados igualmente felizes coroaram os trabalhos do intrépido reformador em Lausane, embora a sua primeira visita ali não desse bom resultado. A importante questão foi decidida numa discussão pública que durou oito dias; e acabou por um assinalado triunfo para os protestantes.

 Enquanto esteve em Genebra no ano de 1536, Farel travou conhecimento com Calvino, que era então um jovem de vinte e oito anos. Já se tinha tornado notável pela publicação dos seus "Institutos Cristãos", e Farel pensou que se pudesse persuadir o seu jovem amigo a ficar em Genebra para olhar pelo trabalho, ele poderia ajudar muito os interesses da Reforma. Propôs, pois, isto, mas Calvino estremeceu à idéia de tomar sobre si o peso de uma tal empresa, e recusou. Desculpou-se dizendo que não tinha conhecimento bastante para empreender aquela tarefa; que a sua educação ainda não estava completa, e pelo menos, por enquanto, só podia prestar seu auxílio por meio da pena. Mas Farel, sentindo que ele estava fugindo à vontade de Deus, respondeu à sua recusa com palavras fortes, dizendo: "Que Deus amaldiçoe o seu descanso e os seus estudos se por amor deles fugir da obra que Ele tem para lhe dar a fazer!".

 Estas palavras produziram o efeito desejado no ânimo do jovem teólogo e ele abandonou os seus projetos de ir pra Strasburgo continuar os estudos, e fixou-se em Genebra. Foi nomeado professor de teologia e começou um árduo ministério de vinte e oito anos, como pastor de uma das mais importantes igrejas da cidade; e aqui estendeu logo a sua influência a todos os países da Europa. "A sua ligação com a antiga igreja", dizia Luiz Hausser, "era muito extraordinária. Ele fazia-lhe uma oposição mais forte do que ninguém. Bastantes coisas iradas e picantes se tinham, na verdade, já dito de Roma, mas nada tão esmagador tinha sido avançado contra a igreja romana em todas as polêmicas que tinham tido lugar, como aquela afirmativa de Calvino feita sem cólera e a sangue frio, de que ela era inteiramente oposta à idéia primitiva da constituição da igreja, e, portanto, foi ele considerado como o inimigo mais perigoso e implacável de Roma do que Lutero".

 Mas o povo de Genebra não podia desde logo habituar-se às medidas de reforma que Calvino introduziu. Toda a cidade tinha caído no vício e no papismo, e os seus novecentos padres governaram a consciência do povo, que não gostava das restrições que Calvino punha aos seus cantos, às suas danças, e a outros divertimentos mundanos nem tampouco tolerava as suas censuras severas aos pecados menos públicos e que muitos não eram estranhos: e quando por fim os proibiu de virem ao altar, e os mandou embora com palavras de censura, o povo levantou-se em massa e expulsou-o da cidade.

 Mas em breve quiseram que ele voltasse outra vez. A cidade estava em desordem, devido aos encolerizados bandos de papistas, e libertinos, e a sua presença era ali muito necessária. Os próprios que o tinham expulsado começaram a clamar em altos brados pela sua volta. "Chamemos de novo o homem que queria reformar a nossa fé, a nossa moral e as nossas liberdades", diziam eles. E assim no ano 1540, foi resolvido pelo Concílio dos Duzentos que, com o fim de promover a honra e glória de Deus, se procurassem todos os meios possíveis para que Mestre Calvino voltasse como pregador.

 Calvino, de início, não tinha muita vontade de voltar, e declarou que não havia lugar na terra que ele mais temesse do que Genebra, acrescentando, porém, que não se negaria a coisa alguma que fosse o bem da igreja. Por causa dos seus amigos, resolveu voltar, sentindo que nesse passo era guiado pela vontade de Deus. A amável recepção que lhe fizeram atenuou de alguma maneira os maus tratos que lhe tinham dado, e daí por diante encontrou poucos obstáculos nos seus trabalhos para o bem do povo.

 A história não levanta a cortina que esconde aos nossos olhos a vida privada e doméstica de Calvino, e por isso a sua vida não oferece tanto interesse como a de Lutero. Morreu em 17 de Maio de 1564, completamente gasto por um excesso de fadiga mental.

 "As aflições d'este tempo presente não são para comparar com a glória quem em nós há de..."aqui parou, porque nesse momento a glória despertou para ele.

 

Na Cidade de Meaux 

Passemos agora de Calvino e da reformação da Suíça Francesa, e voltemos a nossa atenção para a França; observemos o progresso e as dificuldades da obra ali. Já aludimos ao trabalho de Farel e Lefèvre em Paris, e da proteção que receberam de Briçonnet, bispo de Meaux, mas foi na diocese de Briçonnet que as doutrinas reformadas foram primeiro proclamadas publicamente.

 Meaux era nesse tempo uma pequena cidade ativa, cheia de operários, e esta gente simples escutava com profundo interesse as novas doutrinas do seu bispo, convertendo-se muitos deles. A obra aumentou, e os monges e frades pedintes que infestavam os arrebaldes alarmaram-se.

 "Que nova heresia é esta?" exclamavam eles, "a nossa autoridade está sendo contestada, estão-nos tirando os nossos meios de subsistência; precisamos, pois, tomar medidas imediatas para reprimir estas doutrinas estranhas". Conseqüentemente, partiram para Paris, e apresentaram a sua queixa perante a Sorbona e o Parlamento, afirmando que "a cidade de Meaux, e toda a vizinhança estava infestada de heresia, e que essa heresia vinha do palácio episcopal".

 Era então o reino administrado, na ausência do seu verdadeiro monarca Francisco I, pela mãe deste, uma católica fanática; e o partido reformador sabia que não podia esperar clemência da parte dela. A conduta do bispo quando foi citado perante o Parlamento, também não podia de modo algum animá-lo e protegê-lo, porquanto mostrou a maior timidez durante o seu interrogatório, chegando a ceder às propostas da Sarbona. A adoração à virgem e aos santos começou de novo; proibiram a venda e a posse das obras de Lutero e Lefèvre, Farel e quaisquer reformadores foram proibidos de pregar nos púlpitos de Meaux, e até de residirem na vizinhança.

 Este começo não dava muitas esperanças. O principal reformador em Meaux abandonou a obra por medo, e os outros foram dali expulsos. Que se havia de fazer? Devia abandonar-se a obra, e devia a causa de Deus sofrer sem remédio por causa da cólera dos homens? Não. Por algum tempo continuou-se a obra em segredo, e embora nada se pudesse fazer publicamente, não se desprezou o estudo particular da Palavra, nem a oração.

 Então um dos membros principais do partido, o tecelão João Leclerc, fez uma proclamação na qual falava do papa em termos bruscos, e afirmava que o reino do Anticristo estava para ser destruído pelo sopro do Senhor. Colocou esta proclamação numa das portas da Catedral, onde todos a pudessem ler, e esperou o resultado.

 Como se pode calcular, os monges e os padres ficaram desesperados e cheios de confusão; e Leclerc foi preso por suspeita. Quando foi julgado não fez tentativa alguma para esconder o seu ato, e depois de um julgamento que durou uns poucos dias, foi condenado a ser açoitado pela cidade afora, e a ser marcado na testa com um ferro em brasa.

  

Leclerc em Metz 

O tecelão ainda não estava bem curado dos seus ferimentos quando voltou para a obra; mas o seu tempo de ação era outro. Tendo sido expulso de Meaux vamos encontrá-lo em Metz e no caráter de destruidor de imagens. Sentado um dia diante das imagens da Capela da Virgem, um edifício de grande celebridade, próximo àquela cidade, vieram-lhe estas palavras ao pensamento: "Não te inclinarás diante dos seus deuses, nem os servirás nem farás conforme às suas obras; antes os destruirás totalmente, e quebrarás de todo as suas estátuas" (Ex. 23.24), e tomando isto como uma ordem divina, levantou-se imediatamente, e demoliu as imagens que abundavam na capela. Feito isto entrou tranqüilamente na cidade.

 A agitação que este ato produziu entre os católicos não se pode descrever, e o herege marcado foi logo preso. Como no seu primeiro julgamento, também agora confessou prontamente o seu "crime" e exortou o povo a renunciar à idolatria, e voltar para a adoração do verdadeiro Deus. Tendo-lhe sido dada a sentença de morte, apressaram-se a levá-lo para o lugar do seu martírio. Ali uma medonha morte o aguardava, mas ele agüentou tudo milagrosamente até o fim.

 Primeiro foi-lhe decepada a mão direita, aquela que tinha praticado o ato; em seguida rasgaram-lhe a carne com tenazes em brasa; e depois queimaram-lhe o peito horrivelmente. Mas enquanto durou esta tortura ele ia repetindo em voz clara e firme as palavras do Salmista: "Têm boca, mas não falam; olhos têm mas não vêem; têm ouvidos mas não ouvem; narizes têm mas não cheiram; têm mãos, mas não apalpam, pés têm, mas não andam; nem som algum sai-lhes da garganta. A eles se tornem semelhantes os que fazem, assim como todos que neles confiam" (Sl 115.4-8)O seu corpo foi então consumido num fogo lento; e assim entrou no Céu o primeiro mártir da Reforma Francesa.(notas historia da igreja,A.Knight e W.Anglin,2009,cpad)

 João Calvino nasceu em Noyon, no nordeste da França. Seu pai, Gérard Cauvin, era secretário do bispo e advogado da igreja naquela cidade; sua mãe Jeanne Lefranc, morreu quando ele ainda era uma criança. Após os primeiros estudos em sua cidade, Calvino seguiu para Paris, onde estudou teologia e humanidades (1523-1528). A seguir, por determinação do pai, foi estudar direito nas cidades de Orléans e Bourges (1528-1531). Com a morte do pai, retornou a Paris e deu prosseguimento aos estudos humanísticos, publicando sua primeira obra, um comentário do tratado de Sêneca Sobre a Clemência.

 Calvino converteu-se provavelmente em 1533. No dia 1º de novembro daquele ano, seu amigo Nicholas Cop fez um discurso de posse na Universidade de Paris repleto de idéias protestantes. Calvino foi considerado o co-autor do discurso e os dois amigos tiveram de fugir para salvar a vida. Calvino foi para a cidade de Angouleme, onde começou a escrever a sua obra mais importante, Instituição da Religião Cristã ou Institutas, publicada em Basiléia em 1536 (a última edição seria publicada somente em 1559). Após voltar por breve tempo ao seu país, Calvino decidiu fixar-se na cidade protestante de Estrasburgo, onde atuava o reformador Martin Butzer (1491-1551). No caminho, ocorreu um episódio marcante. Impossibilitado de seguir diretamente para Estrasburgo por causa de guerra entre a França e a Alemanha, o futuro reformador fez um longo desvio, passando por Genebra, na Suíça francesa. Essa cidade havia abraçado o protestantismo reformado há apenas dois meses (maio de 1536), sob a liderança de Guilherme Farel (1489-1565). Este, sabendo que o autor das Institutas estava de passagem pela cidade, o “convenceu” a permanecer ali e ajudá-lo.

  A Reforma em Genebra 

Logo, Calvino e Farel entraram em conflito com os magistrados de Genebra e dois anos depois foram expulsos. Calvino seguiu então para Estrasburgo, onde passou os três anos mais felizes e produtivos da sua carreira (1538-1541). Naquela cidade, ele pastoreou uma igreja de refugiados franceses, casou-se com a viúva Idelette de Bure (†1549), lecionou na academia de João Sturm, participou de conferências religiosas ao lado de Martin Butzer e publicou algumas obras importantes, entre elas a segunda edição dasInstitutas e o Comentário de Romanos, o primeiro dos muitos que escreveu.

 Eventualmente, os magistrados de Genebra insistiram no seu retorno. Calvino aceitou com a condição de que pudesse escrever a constituição da Igreja Reformada de Genebra. Essa importante obra, as Ordenanças Eclesiásticas, previa quatro categorias de oficiais: pastores, encarregados da pregação e dos sacramentos; doutores para o estudo e ensino da Bíblia; presbíteros, com funções disciplinares; e diáconos, encarregados da beneficência. Os pastores e os doutores formavam a Companhia dos Pastores; os pastores e os presbíteros integravam o Consistório, uma espécie de tribunal eclesiástico. Calvino teve um relacionamento tenso com as autoridades municipais até 1555. No final desse período, em 1553, o médico espanhol Miguel Serveto foi condenado e executado por heresia. Calvino teve uma participação nesse episódio, lamentada por seus herdeiros, o que não anula a sua grande obra como reformador, escritor, teólogo e líder eclesiástico. Em 1559, um ano especialmente significativo, o reformador tornou-se cidadão de Genebra, fundou a sua Academia, embrião da Universidade de Genebra, e publicou a última edição das Institutas.

 A visão do reformador francês era tornar Genebra uma cidade-cristã-modelo através da reorganização da Igreja, de um ministério bem preparado, de leis que expressassem uma ética bíblica e de um sistema educacional completo e gratuito. O resultado foi que Genebra tornou-se um grande centro do protestantismo, preparando líderes reformados para toda a Europa e abrigando centenas de refugiados. O calvinismo veio a ser o mais completo sistema teológico protestante, tendo por princípio básico a soberania de Deus e suas implicações, soteriológicas e outras. Foi essa a origem das Igrejas reformadas (continente europeu) ou presbiterianas (Ilhas Britânicas). Os principais países em que se difundiu o movimento reformado foram, além da Suíça e da França, o sul da Alemanha, a Holanda, a Hungria e a Escócia.

 Calvino também se notabilizou como um erudito bíblico. Escreveu comentários sobre quase todo o Novo Testamento e os principais livros do Antigo Testamento. Seus sermões e preleções também expuseram amplamente as Escrituras. Além disso, escreveu muitos opúsculos, tratados e cartas. Mas a maior das suas obras são asInstitutas, nas quais ele expôs todos os aspectos da doutrina cristã, apelando às Escrituras e ao testemunho dos antigos pais da igreja. Em muitas de suas obras, se vê uma mão que sustenta um coração, e ao redor as palavras Cor meum tibi offero Domine, prompte et sincere (“O meu coração te ofereço, ó Senhor, de modo pronto e sincero”).

 Implicações Práticas 

Os reformadores não estavam buscando inovar, mas restaurar antigas verdades bíblicas que haviam sido esquecidas ou obscurecidas pelo tempo e pelas tradições humanas. Sua maior contribuição foi chamar a atenção das pessoas para a importância das Escrituras e seus grandes ensinos, especialmente no que diz respeito à salvação e à vida cristã. Para que as Igrejas Evangélicas atuais possam manter-se fiéis à sua vocação, é preciso que julguem tudo pelas Escrituras, acolhendo o que é bom e lançando fora o que é mau. Os reformadores nos mostraram que o critério da verdade não são os ensinos humanos, nem a experiência espiritual subjetiva, mas o Espírito Santo falando na Palavra e pela Palavra(.notas portal makezie)

 MAIS NOTAS DA REFORMA NA GENEBRA. 

A Reforma em Genebra 

Genebra é nesta altura já uma cidade de espíritos progressivos e abertos para a reforma protestante. Politicamente, a cidade está desde 1285 sob vassalagem aos condes de Sabóia ou à casa episcopal (ao bispo de Genebra), quase sempre ocupada por um bispo também da casa de Sabóia desde que o papa Félix V (Amadeu VIII de Sabóia) se autonomeou bispo da cidade. Na prática, no entanto, Genebra é quase uma cidade-estado, uma república que desde cedo se emancipou na conquista da sua liberdade municipal. Em 1522 inicia-se um conflito entre os pejorativamente chamados "mamelucos", que são conservadores e partidários da casa de Sabóia e os "confederados" (alemão: Eidgenossen; francês: Eidguenot) de onde possivelmente se formará a palavra Huguenotes (francês: huguenot). Estes últimos opõem-se a Sabóia. Em 1524, Karl III, Duque de Sabóia, tinha ocupado militarmente Genebra. Porém, em 1526, Genebra decide-se pela união com Berna e Friburgo, iniciando-se no caminho helvético. A reforma protestante não terá tido um papel determinante neste processo, segundo Bernard Cottret. Mas a partir daqui começam a reunir-se em Genebra elementos da Reforma. Em 1533 há o primeiro culto protestante de que há conhecimento nesta cidade. São então cunhadas moedas com a inscrição: "Post tenebras lux" (após a escuridão, a luz).

  DIFUSÃO DO MOVIMENTO REFORMADO NA CONFEDERAÇÃO SUÍÇA

  O reformador Ulrico Zuínglio foi impelido por dois tipos de motivações: humanismo bíblico e fervor patriótico. Quanto ao primeiro elemento, Zuínglio se tornou um grande estudioso das Escrituras nas línguas originais, um notável pregador e expositor bíblico, e um firme defensor da autoridade da Palavra de Deus. Ele entendia que a essência da vida cristã é a conformidade com a vontade de Deus conforme expressa em sua Palavra e que esta deve ser o único fundamento para a fé cristã e o culto cristão. Somente o que a Bíblia ordena ou indica claramente é obrigatório ou permissível (“princípio regulador”). Suas idéias estão contidas nos Sessenta e Sete Artigos que redigiu para o primeiro debate de Zurique (1523), no seu Comentário Sobre a Verdadeira e a Falsa Religião(1525) e em outras obras.

      Além de pregador e teólogo, Zuínglio era um patriota e foi, no aspecto político, o mais talentoso dos reformadores. Ele desejava que o evangelho bíblico fosse pregado livremente em todos os treze cantões da confederação suíça e nas regiões adjacentes da Alemanha. Inicialmente, apenas Zurique abraçou a fé reformada. Em seguida, a partir de 1522, houve a adesão gradual de Basiléia, especialmente mediante os esforços do reformador João Ecolampádio (1482-1531). Berna, o maior dos cantões, foi ganha para a reforma em 1528, através de um debate público em que Zuínglio teve papel destacado. O cantão natal de Zuínglio, St. Gallen, também foi ganho, bem como Schaffhausen e Glarus, e as cidades de Constança e Mülhausen, na Alsácia. Outra conquista importante para a fé reformada foi a cidade alemã de Estrasburgo, onde atuaram os reformadores Wolfgang Köpfel ou Capito (1478-1541) e o notável Martin Bucer (1491-1551).

 Lamentavelmente, como foi visto no artigo anterior, Lutero e Zuínglio não chegaram a um consenso no que diz respeito à Ceia do Senhor. O primeiro acreditava na presença real ou física de Cristo na Ceia e o segundo interpretava o sacramento de maneira simbólica, comemorativa. Tal divergência enfraqueceu o movimento evangélico mais amplo. Além disso, os velhos cantões rurais de Uri, Schwyz, Unterwalden e Zug, bem como a cidade de Lucerna, rejeitaram a reforma e criaram um forte partido católico. Quando os dois grupos se enfrentaram na segunda batalha de Kappel (11 de outubro de 1531), o próprio Zuínglio foi uma das vítimas fatais. Outra vítima foi a reforma na Suíça alemã, cujo progresso foi permanentemente detido. Zuínglio foi sucedido na liderança da igreja de Zurique por Johann Heinrich Bullinger (1504-1575), líder hábil e conciliador, que, entre outras contribuições, teve participação destacada na redação do Acordo de Zurique (Consensus Tigurinus, 1549) e nas chamadas Confissões Helvéticas. 

      A filiação da cidade de Berna ao protestantismo reformado foi da mais alta relevância. Esse fato salvou o zuinglianismo do isolamento na confederação suíça e – o que é mais importante – contribuiu para a adesão de Genebra à causa reformada, livrando-a do domínio dos duques católicos de Savóia. Com isso, tornou-se possível a obra do expoente mais ilustre da causa reformada – João Calvino.