Translate this Page

Rating: 3.0/5 (889 votos)



ONLINE
3




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

A Book for Her pdf free, download pdf, download pdf, this site, The Adobe Photoshop CC Book for Digital Photographers 2017 pdf free, fee epub, pdf free, site 969919, this link, link 561655,

reforma Noroega Suécia Dinamarca Irlanda
reforma Noroega Suécia Dinamarca Irlanda

     REFORMA NOROEGA,SUÉCIA,DINAMARCA,IRLANDA 

    Países Escandinavios:                                        

O reino Escadinavio ,que na época se compunha da Dinamarca ,Suécia e Noroéga,sob um mesmo governo ,recebeu prontamente os ensinos de Lutero ,os quais tiveram a simpatia do rei Cristiano 2°.As lutas politicas e a guerra civil ,durante algum tempo paralizaram o progresso da Reforma.Porem ,finalmente ,os 3 paises aceitaram as idéias reformadas luteranas.(notas ibid p.146,h.l.hurlbut).

                       Noruega, Suécia e Dinamarca(esc) 

Estes três países são povoados pela raça germânica, e agora formam três governos separados, cada um com seu rei e com sua constituição. Os escandinavos são um povo robusto, inteligente e industrioso. No tempo da Reforma, a igreja luterana-episcopal foi ali estabelecida, e continuam protestantes até hoje. Devido à sua posição geográfica, a Escandinávia tem gozado mais paz do que muitos países da Europa. O rei Gustavo Adolfo resolveu ajudar a causa protestante que sofria muito na "Guerra dos Trinta Anos", e passou à Alemanha com um exército forte e bem equipado, fazendo pender bem depressa o fiel da balança em favor da "União Protestante". A sua morte, na batalha de Lutzen, em 1632, foi um desastre, mas os seus exércitos continuaram a luta.

 Tem havido liberdade religiosa, e o povo é muito pacífico, notando-se ali ausência de crimes. Na guerra atual, a Noruega e a Dinamarca foram vítimas da agressão alemã, e estão sofrendo as conseqüências da invasão germânica como outros países, e, como eles, anseiam ardentemente (1941) mais uma vez, obter a sua liberdade.(notas historia do cristianismo,A.Knight e W.Anglin,2009,cpad) 

 

Irlanda

 Na Irlanda a história religiosa é muito ligada com a política. Embora nos séculos V, VI, e VII a Irlanda tivesse sido evangelizada e fosse chamada a "Ilha dos santos", as trevas espirituais pairaram sobre essa mesma ilha durante mil anos. A Reforma teve pouca influência no país. Os irlandeses eram ignorantes e a maioria analfabeta e os proprietários mostraram pouco interesse no bem-estar do povo em geral. Os irlandeses falam a língua céltica, que servia de dificuldade para qualquer esforço missionário da Inglaterra. Também durante certo período do século XVI, houve uma rebelião no país contra a autoridade inglesa. Os reis protestantes da Inglaterra queriam impor a religião anglicana na Irlanda, mas foi impossível a não ser em certas cidades como Dublin, a capital. Guerras e revoltas continuaram, e no reino de Tiago I, o governo resolveu fazer experiência com uma província no Norte, chamada Ulster, plantando ali uma grande colônia de ingleses e escoceses. Muitos presbiterianos foram da Escócia, tomando posse de terreno da província. O rei Tiago mandou que todos os sacerdotes católicos saíssem do país, mas foi impossível pôr em execução esta lei injusta.

 No ano 1641, os católicos levantaram-se contra os colonizadores protestantes, e mataram milhares deles com muita barbaridade. Na Inglaterra havia guerra civil, e as autoridades não podiam ajudar os protestantes, mas os escoceses mandaram um exército para ajudar seus patrícios. A guerra civil na Inglaterra terminou com a morte do rei, e o general Oliver Cromwell levou também um exército à Irlanda no ano 1650, e em pouco tempo o aspecto mudou. Cromwell agiu com muita severidade em represália à morte dos protestantes pelos católicos irlandeses, e seu nome ficou odiado na Irlanda. A campanha, porém, trouxe paz ao país, embora não fizesse com que o povo da Irlanda amasse os protestantes.

 Quando Tiago II fugiu da Inglaterra para a França, o rei Luiz XVI prometeu ajudar seu hóspede real, e mandou um exército francês com Tiago à Irlanda. Guilherme de Orange, o novo rei da Inglaterra, foi à Irlanda e venceu os exércitos franceses e irlandeses. Era uma guerra entre protestantes e católicos, e os franceses foram obrigados a deixar a Irlanda, e os irlandeses foram subjugados.

 Durante o século XVIII, João Wesley visitou a Irlanda muitas vezes, viajando a cavalo em toda parte e pregando o Evangelho. Diversas sociedades metodistas foram formadas em várias partes.

 No fim desse século, rebentou outra revolta na Irlanda, mas os rebeldes foram vencidos, e nessa ocasião muita clemência foi mostrada ao povo que tomou parte na rebelião. Durante o século XIX o governo na Inglaterra fez muitos esforços para satisfazer os irlandeses, mas todo aquele século foi assinalado por crimes políticos, assassínios, e descontentamentos.

 No ano de 1828 a Viscondessa Powerscour mantinha conferências em seu palácio, perto da capital (Dublin) sobre assuntos bíblicos, mormente sobre as profecias e a Segunda Vinda do Senhor. Um dos primeiros expositores foi João Nelson Darby, um ministro na igreja Irlandesa, cargo que deixou para ministrar a Palavra de Deus em diversos países. Outro pregador independente, no princípio do século XIX, foi Gideão Ousely, que viajava a cavalo e pregava mesmo a cavalo nas aldeias e cidades. Pertencia a uma antiga família irlandesa de boa posição, mas associava-se com os humildes camponeses, conversando sobre o Evangelho de maneira muito simples. Um ministro evangélico independente chamado Thomas Kelly, formou diversas congregações na Irlanda no princípio do mesmo século, e escreveu muitos hinos que estão em uso geral na língua inglesa, e alguns estão traduzidos em português.

 No Norte, no Ulster protestante, no ano de 1859, houve uma revivificação, e nessa ocasião centenas de pessoas foram convertidas entre todas as classes. Houve manifestações físicas durante as reuniões, isto é, pessoas caíram ao chão e perdiam os sentidos.

 O Ulster é próspero, progressista, com indústrias e comércio sendo a sua capital, Belfast, uma cidade de importância. O povo é muito leal ao governo britânico, e a maior parte deles são protestantes fanáticos. O Sul do país, com quatro províncias, é principalmente católico, sob o domínio dos padres, sofre muito de pobreza, ignorância, preguiça, e um ódio fanático contra o governo britânico. Ê justo dizer que estas condições têm modificado e melhorado desde o afastamento do governo britânico do Eire. Durante a grande guerra, os irlandeses fizeram uma insurreição contra o governo. Depois da guerra, houve uma divisão, ficando o Ulster separada das outras quatro províncias, que agora tem seu próprio governo e presidente, mas os irlandeses não estão satisfeitos, porque o Ulster não está sob o seu domínio: o Estado Livre é chamado Eire, e desde a separação tem feito algum progresso.notas historia do cristianismo,A.Knight e W.Anglin,2009,cpad)