Translate this Page

Rating: 3.0/5 (946 votos)



ONLINE
4




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter

mmmmmmmmmmm


// ]]>


subsidio CPAD jovens justiça 4 trim-2016 (1-13)
subsidio CPAD jovens justiça 4 trim-2016 (1-13)

               

                                                   

   

 SUBSIDIO (1) JOVENS CPAD ROMANOS 13.8-10

        LIÇÃO N.13 / SUBSIDIOS 3 NO TOTAL

A ninguém fiqueis devendo coisa - Não seja "em dívida" a ninguém. No verso anterior, o apóstolo tinha sido discursando do dever que temos para com os magistrados. Ele tinha particularmente intimados sobre os cristãos a pagar para "eles" que merecerem. A partir deste comando para descarregar totalmente esta obrigação, a transição foi natural para o tema das dívidas "em geral", e para uma liminar para não ser grato a "qualquer um." Esta lei é ordenada neste lugar:

 

(1) Porque é uma parte do nosso dever como bons cidadãos; e,

 

(2) Porque é uma parte do que a lei que nos ensina a amar o nosso próximo, e para "fazer nenhum ferimento a ele," Romanos 13:10.

 

A interpretação deste comando é para ser tomado com esta limitação, que não devem ser gratos a ele, de modo a "ferir" a ele, ou para o trabalho "doente" para ele.

 

Esta regra, em conjunto com as outras regras do cristianismo, iria propor um remédio para todos os males da dívidas incobráveis ​​da seguinte maneira.

 

(1) que iria ensinar as pessoas a ser "trabalhador", e isso geralmente evitar a "necessidade" de contrair dívidas.

 

(2) que iria torná-los "frugal, econômico," e "humilde" em seus pontos de vista e modo de vida.

 

(3) que iria ensiná-los a trazer suas famílias nos hábitos da indústria. A Bíblia freqüentemente ordena isso; veja a nota em Romanos 0:11; comparar Philemon 4: 8; Provérbios 24: 30-34; 1 Tessalonicenses 4:11; 2 Tessalonicenses 3:10; Efésios 4:25.

 

(4) Religião produziria sóbrio, vistas repreendidos pelo fim da vida, do grande projeto de vida; e gostaria de tirar as afeições das esplendor, alegria, e extravagâncias que levam muitas vezes à contração de dívidas; 1 Tessalonicenses 5: 6, 1 Tessalonicenses 5: 8; 1 Pedro 1:13; 1 Pedro 4: 7; Tito 2:12; 1 Pedro 3: 3, 1 Pedro 3: 5; 1 Timóteo 2: 9.

 

(5) A religião iria colocar um ponto aos "vícios" e desejos ilícitos que agora levam as pessoas a contrair dívidas.

 

(6) que iria fazê-los "honesto" em pagá-los. Seria torná-los consciente, alerta, amigos de verdade, e disposto a manter as suas promessas.

 

Mas, para amar uns aos outros - o amor é uma dívida que "pode" não ser descarregada. Devemos sentir que nós "devemos" isso para todas as pessoas, e embora por atos de bondade que pode ser constantemente descarregá-la, mas devemos sentir que ele pode "nunca" ser cumpridas integralmente enquanto há oportunidade de fazer o bem.

 

Para quem ama ... - De que maneira isso é feito é afirmado em Romanos 13:10. A lei em relação ao nosso próximo é lá dito ser simplesmente que o que fazemos não "doente" para ele. Amor com ele levaria a nenhuma lesão. Ele tentaria fazer-lhe bem, e que, assim, cumprir todos os propósitos de justiça e da verdade que devemos a ele. Para ilustrar isso, o apóstolo, no versículo seguinte, passa por cima das leis dos Dez Mandamentos em relação ao nosso próximo, e mostra que todas essas leis prosseguir no princípio de que devemos "amor" dele, e que o amor levaria a todos eles.

 

verso 9

Para este - "Este", que se segue é a soma das leis. "Isto" é para nos regular em nossa conduta para com o nosso próximo. A palavra "presente" aqui se opõe à "que" em Romanos 13:11. Esta lei do amor iria levar-nos a procurar o nosso vizinho do bem; "Que" verdade, que nossa salvação está perto, iria levar-nos a ser ativo e fiel no cumprimento de todos os deveres que devemos a ele.

 

Tu não cometerás adultério - Todos os comandos que se seguem são concebidos como uma ilustração do dever de amar o nosso próximo; ver esses comandos considerados nas notas em Mateus 19: 18-19. O apóstolo não enumerou "todos" os comandos da segunda tabela. Ele tem mostrado geralmente o que eles pediam. O comando de honrar nossos pais que ele tenha omitido. A razão pode ter sido que ele não era tão imediatamente o seu propósito ao discorrer de amor a um "próximo" - uma palavra que não sugere imediatamente a ideia de parentes próximos. A expressão "Não dirás falso testemunho", é rejeitada pelos melhores críticos como de autoridade duvidosa, mas não afeta materialmente o espírito da passagem. Está faltando em muitos manuscritos e na versão siríaco.

 

Se há algum outro mandamento - A lei respeitando os pais; ou se há algum dever que não parece ser "determinada" por essas leis, está implícito no comando para amar o nosso próximo como a nós mesmos.

 

É brevemente compreendido - grega, pode ser reduzido a "esta cabeça", ou se resume nisso.

 

Neste ditado - Esta palavra, ou de comando,

 

Amarás ... - Este é encontrada em Levítico 19:18. Veja-o considerado nas notas em Mateus 19:19. Se esse comando foram cumpridas, seria impedir todas as fraudes, injustiça, opressão, mentira, adultério, assassinato, roubo e cobiça. É o mesmo que regra de ouro do nosso Salvador. E se cada homem iria fazer aos outros o que gostaria que fizessem a ele, todo o projeto da Lei seria de uma vez cumprida.

 

verso 10

Amor não faz mal ... - Love procuraria fazer-lhe bem; é claro que impediria toda desonestidade e ao crime para com os outros. Ele levaria à justiça, verdade e benevolência. Se esta lei foram gravadas no coração de cada homem, e praticado em sua vida, o que uma mudança seria imediatamente produzir na sociedade! Se todas as pessoas de uma só vez "abandonar" o que é adequado para "trabalhar mal" para os outros, o que influência isso teria sobre os assuntos de negócios e comerciais de pessoas. Quantos planos de fraude e desonestidade seria ao mesmo tempo prender. Quantos esquemas que iria esmagar. Seria silenciar a voz do caluniador; ele iria ficar os planos do sedutor e adúltero; seria pôr fim ao engano e fraude, e todos os regimes de lucro desonesto. O jogador deseja a propriedade de seu vizinho sem qualquer compensação; e, portanto, funciona "doente" para ele. O negociante em "loterias" desejos propriedade para que ele nunca trabalharam e que deve ser obtida à custa e perda de outros. E há muitos "empregos" tudo cuja tendência é trabalhar "doente" para um vizinho. Este é pré-eminentemente verdadeiro do tráfego nas "bebidas alcoólicas." Não pode fazer-lhe bem, eo resultado quase uniforme é privá-lo de sua propriedade, saúde, reputação, paz e conforto doméstico. Ele que vende o seu fogo vizinho líquido, sabendo o que deve ser o resultado do mesmo, não está buscando um negócio que não faz mal a ele; e amor para que o vizinho iria levá-lo a abandonar o tráfego; veja Habacuque 2:15 "Ai daquele que dá de beber ao seu, que põe a tua garrafa para ele, e fazendo-lhe de beber, também, para que possas ver a sua nudez."

 

Portanto ... - "Porque" o amor não faz mal ao outro, ele é ", portanto," o cumprimento da lei, o que implica que tudo o que a lei exige é a "amar" os outros.

 

É o cumprimento - é a "conclusão", ou de cumprir os requisitos da Lei. A Lei de Deus neste "cabeça", ou em relação ao nosso dever para com o próximo, obriga-nos a fazer justiça para com ele, para observar verdade, etc. "All" esta será recebido pelo "amor", e se as pessoas realmente "amado" outros, todas as exigências da Lei ficaria satisfeito.Da lei - da Lei de Moisés, mas particularmente os Dez Mandamentos.comentario bíblico Albert Barnes (N.T)

 

 

 

 

PAZ DO SENHOR POSTAMOS 3 SUBSIDIOS LIÇÃO N.12

           SUBSIDIO(1) CPAD JOVENS O ESTADO

Romanos 8.17; Hebreus 11.13; Provérbios 28.12,28.

 

 CONTATO

Converse com a turma sobre o conceito de política e suas implicações no dia-a-dia. Até que ponto somos afetados por ela? O que o desempenho do Presidente da República tem a ver com a minha saúde? Com a educação de meus filhos? Com o meu salário? Como a política se desdobra afetando, ou beneficiando, o cidadão tanto individual como coletivamente? De que forma a política pode atingir ou influenciar a comunidade cristã?

É importante saber que a política exerce influência em todas as áreas da vida, portanto, não faz sentido o crente dizer que não quer envolver-se com ela. Ainda que não seja militante nesta área, ele deve procurar estar informado sobre o desempenho de seus governantes, orar por eles, e saber que eles são eleitos para trabalhar a seu favor. Para exercer cidadania é necessário estar consciente de seus direitos e deveres, e isto demanda uma compreensão do que vem a ser o verdadeiro exercício político.

 

ORIENTAÇÃO

O método de discussão, sem dúvida alguma, é o mais indicado para o estudo de temas mais complexos como a ética cristã estudada durante este trimestre. Este método oferece oportunidade para troca de ideias e opiniões entre os membros do grupo. Se usado com seriedade todos tomarão parte dele. O curioso é que ninguém pode imaginar o que virá em seguida, quando todo o grupo está pensando no que vai falar. Para que este método tenha êxito devemos levar em conta os seguintes pontos:

  1. a) A pergunta para iniciar a discussão deve despertar o interesse dos alunos e levá-los a pensar. Por exemplo: Deve o cristão envolver-se em política partidária? O cristão deve sempre votar em candidato cristão?
  2. b) O professor deve fazer com que a discussão permaneça presa ao assunto principal e guiá-la com sabedoria para conclusões definidas. As perguntas e os problemas suscitados podem ser transformados em tarefas para o domingo seguinte e usados como temas de discussão. Isto capacita o aluno a dar opiniões corretas, baseadas na informação conseguida durante a semana. 

De todas as áreas da vida do cidadão, a política tem sido uma em que muitos cristãos não têm sido bem sucedidos, por não se conduzirem de modo digno diante de Deus, diante da pátria, da consciência e de seus pares, como o fizeram Daniel e seus companheiros no reino babilônico. Na realidade, porém, a política é atividade necessária ao bom ordenamento e desenvolvimento da vida de uma nação, na qual a Igreja está inserida. 

  1. CONCEITO DE POLÍTICA
  2. Política. O vocábulo política vem do grego, polis, “cidade”. A política, pois, procura determinar a conduta ideal do Estado, pelo que seria uma ética social.

 

  1. O CRISTÃO COMO CIDADÃO DOS CÉUS 
  1. Nascidos de novo. Quando nos convertemos a Cristo, imediatamente somos registrados no “cartório do céu”. Nos registros divinos, nosso nome passa a fazer parte do Livro da Vida (Fp 4.3; Ap 13.8). Tornamo-nos seus filhos e cidadãos do céu “Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem em seu nome” (Jo 1.12). Já somos eleitos e temos um representante divino que é o Espírito Santo: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo, em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa” (Ef 1.3,13).
  2. Nossa pátria está nos céus. A filiação divina nos dá o direito de sermos herdeiros de Deus, como diz a Bíblia em Romanos 8.17. Por isso, nossa pátria (ou cidade), é celestial: “Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Fp 3.20).
  3. Não temos permanência aqui. “Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura” (Hb 13.14). Essa é uma realidade da qual muitos crentes não têm consciência. Vivem neste mundo, tão arraigados com ele, que perdem a visão da cidadania celestial. Na verdade, nem somos deste mundo! (cf. Jo 15.18,19). Somos peregrinos e forasteiros (Hb 11.13). Aqui, a corrupção “destrói grandemente” (Mq 2.10). Se há uma atividade em que há corrupção, esta é a política aqui na terra.

 

III. O CRISTÃO COMO CIDADÃO NA TERRA

  1. Os direitos políticos. O cristão, como cidadão brasileiro, tanto pode votar, como candidatar-se a cargos eletivos.
  2. O cristão como eleitor. É de grande importância que o servo ou serva de Deus saiba exercer o seu direito, quando do momento das eleições municipais, estaduais ou federais. É hora de mostrar que é cidadão do céu, exercendo um direito de cidadão da terra. Como tal, lembrar-se de que é sal da terra e luz do mundo (Mt 5.13,14).
  3. a) Antes de votar. Antes de qualquer decisão, o crente em Jesus deve orar a Deus, pedindo sua direção pois um voto errado pode ser motivo de tristeza, frustração e arrependimento tardio. É votar por fé, pois “tudo o que não é de fé é pecado” (Rm 14.23). Conheço casos de crentes que votaram em alguém, e depois choraram de amargura pelos prejuízos que sofreram.
  4. b) Jamais vender seu voto. Ele é arma de grande valor. Diante dos candidatos, o cristão jamais deve aceitar vender seu voto. Isso é anti-ético para um cidadão do céu e revela um profundo subdesenvolvimento cultural.
  5. c) Preferência por candidato cristão. Havendo um cristão que tenha um perfil claramente identificado com Cristo, sério, comprometido com o Reino de Deus, de bom testemunho na igreja, que seja honesto, cumpridor de seus deveres como pai e esposo, que tenha vocação para a vida pública, o eleitor crente deve dar preferência à sua candidatura, em lugar de eleger um descrente, que não tem qualquer compromisso com a igreja do Senhor. A Palavra de Deus recomenda: “Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé” (Gl 6.10). Não convém (1Co 6.12; 10.23), o envolvimento de pastores na política, se têm chamada divina para o ministério. Que isso fique para os membros que têm vocação terrena para tal.
  6. d) Exemplos de políticos sábios. É bom lembrar o que diz a Bíblia: “Não havendo sábia direção, o povo cai, mas, na multidão de conselheiros, há segurança” (Pv 11.14). Ninguém melhor que um servo de Deus, para ter “sábia direção” na condução de cargos públicos, administrativos ou políticos. Exemplo disso, temos na Bíblia, com José, que foi governador do Egito (Gn 41.14-44); no reinado de Artaxerxes, rei da Pérsia, Esdras destacou-se como líder sobre seu povo (Ed 7 a 10); Neemias, um copeiro de confiança do rei, foi designado para reconstruir Jerusalém, tornando-se governador exemplar (Ler Neemias); Daniel, na Babilônia, foi o principal dos príncipes, nomeado pelo rei Dario, e trabalhou tão bem que estava cotado para ser o governante sobre todo o reino (Dn 6.1-3).
  7. e) Quando os justos são eleitos. “Quando os justos triunfam, há grande alegria; mas, quando os ímpios sobem, os homens escondem-se” (Pv 28.12). Os cidadãos cristãos precisam orar a Deus para que levante candidatos que honrem seu nome ao serem eleitos, pois “quando os justos triunfam, há grande alegria”.
  8. f) Quando os ímpios são eleitos. A Bíblia é realista: “Quando os ímpios sobem, os homens se escondem, mas, quando eles perecem, os justos se multiplicam” (Pv 28.28). É verdade. Quando são eleitos ímpios, homens carnais, materialistas, muitos ateus, macumbeiros, adoradores de demônios, infiéis aos compromissos, soberbos, corruptos, ingratos, insolentes e insensíveis, os quais, se eleitos, não querem servir e sim serem servidos. Não temem a Deus, nem respeitam o próximo (Lc 18.2). Quando os tais são eleitos, os verdadeiros homens de bem desaparecem de cena. É bom os crentes pensarem bem, em oração, e não usarem seus votos para elegerem ímpios. Aqui, cabe um esclarecimento. Nem todo descrente é ímpio no sentido em que estamos usando o termo. Todo ímpio é incrédulo, mas nem todo incrédulo é ímpio. Há não evangélicos que são homens de bem. E há evangélicos que não são honestos. Se não houver um candidato com perfil cristão, o crente pode sufragar o nome de um cidadão de boa reputação. A Bíblia diz que devemos examinar tudo e ficar com o bem (1Ts 5.21).
  9. g) O que a igreja pode sofrer com os maus políticos. No novo milênio, a Igreja poderá sofrer grandemente, com a ação de homens ímpios. Já há, no Congresso, projeto de lei, propondo a “união civil entre pessoas do mesmo sexo”, que nada mais é que a legalização pura e simples do homossexualismo, que é na Bíblia, um pecado gravíssimo, “uma abominação ao Senhor” (cf. Lv 18.22,23; Rm 2.24-28). Projeto, legalizando o aborto já foi apresentado. Em breve, poderão vir projetos, legalizando a eutanásia, a clonagem de seres vivos (inclusive humanos), o jogo do bicho, os cassinos, e a maconha, além de outros, que destroem a dignidade da raça humana, conforme os princípios do Criador. A Nova Era já está nas ruas e na mídia apregoando “a paz”, iludente e absurda. Em muitas escolas, é utilizada “meditação transcendental”. Quem faz as leis? Os pastores? Evangelistas? Missionários? Não! São aqueles que são eleitos, inclusive com o voto dos cristãos. Portanto, é tempo de despertar; de agir com santidade mas sem ingenuidade.
  10. h) O perigo do envolvimento da igreja local. Os crentes, como cidadãos, podem votar e ser votados. Mas a igreja, como instituição de Cristo, não deve ser envolvida com a política, mediante a troca de favores de quaisquer espécie. O prejuízo pode ser irreparável. É de bom alvitre que os pastores não declarem sua preferência. Estes foram chamados para unir o rebanho. A política divide as pessoas, pela própria natureza partidária (Ler 1Co 1.10). O púlpito, de igual modo, não é lugar para os políticos. A eles, deve ser dada honra, mas o uso do púlpito é para os homens santos, consagrados a Deus.

O cristão não pode ser contrário a uma atividade que busca a “conduta ideal do Estado”. Como cidadãos da terra, precisamos viver num determinado local físico e social, que faz parte de um Estado, que faz parte de um País. Esses precisam ser administrados por homens de bem. Melhor seria que fossem cristãos. Que Deus nos dé sabedoria e visão.

 

“A vida social envolve, por um lado, harmonia e cooperação e, por outro, conflito e colisão de interesses. O modo como trabalhamos por harmonia e resolvemos os conflitos políticos implica em política. No centro da política está o poder (...).

Os cristãos hesitam em admitir que usam o poder, mas todas as relações humanas envolvem questões de poder. Os cristãos podem se sentir mais à vontade falando sobre virtude e justiça, mas mesmo que evitemos discutir sobre o poder, não podemos fugir dele. Nem devemos, porque o poder é usado para o mal ou para o bem. O poder é a capacidade de usar ou influenciar outros a comportarem-se como você deseja (...). Precisamos de poder defensivo para nos proteger daqueles que nos fariam mal. Usamos o poder interveniente até para proteger alguém do prejuízo ou da injustiça. Necessitamos de poder econômico para cuidar de nossas famílias e nos preparar para a velhice. As nações têm necessidade de poder militar para se protegerem de agressores. Todos nadamos num mar de poder. Não chamar poder por seu verdadeiro nome e não reconhecer sua importância nas relações humanas é estar cego à realidade do poder usado contra nós e como o usamos nos outros” (Panorama do Pensamento Cristão. CPAD, pp.443,444).   

  

 

              SUBSIDIO (2) JOVENS ”O ESTADO”  CPAD

                     LIÇÃO N.12  ROMANOS 12.1-10

                                 Introdução

Há três boas lições nos ensinou neste capítulo, onde o apóstolo amplia mais sobre os seus preceitos do que tinha feito no capítulo anterior, encontrando-los mais necessário para ser totalmente pressionado. I. Uma lição de sujeição à autoridade legal, Romanos 13: 1-6Romanos 13: 1-6 . II. Uma lição de justiça e de amor aos nossos irmãos, Romanos 13: 7-10Romanos 13: 7-10 . III. Uma lição de sobriedade e piedade em nós mesmos, Romanos 13: 11-14Romanos 13: 11-14 .

versículos 1-6

A obediência aos magistrados Forçados.          AD 58.

1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores. Pois não há poder, mas de Deus: os poderes que são ordenados por Deus. 2 Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. 3 Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, então, não tenha medo do poder? fazer o que é bom, e terás louvor do mesmo: 4 Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se tu fizeres o que é mal, teme pois ele não dá a espada em vão; porque ele é o ministro de Deus, vingador para executar ira contra aquele que pratica o mal. 5 Pelo que vós deveis estar sujeitos, não somente por causa da ira, mas também por causa da consciência. 6 Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, para atenderem a isso mesmo. 

Estamos aqui ensinados a nos conduzir para com os magistrados, e aqueles que estão em autoridade sobre nós, chamados aqui os poderes superiores, sugerindo a sua autoridade (eles são potências), e sua dignidade (são poderes superiores), incluindo não só o rei como supremo, mas todos os magistrados inferiores debaixo dela; e ainda assim se expressa, não pelas pessoas que estão em que o poder, mas o lugar do próprio poder, em que estão. No entanto, as mesmas pessoas pode ser mau, e das pessoas vis quem o cidadão de Sião despreza ( Salmo 15: 4Salmo 15: 4 ), mas a apenas o poder que eles têm deve ser submetido e obedecido. O apóstolo nos tinha ensinado, no capítulo anterior, não nos vingar, nem recompensar o mal com o mal, mas, para que isso não deve parecer como se isso fez cancelar a ordenação de um magistrado civil entre os cristãos, ele aproveita a ocasião para afirmar a necessidade de -lo, e do devido infligir punição sobre malfeitores, no entanto, pode olhar como recompensar mal por mal. Observar, 

  1. O dever intimados: Toda alma esteja sujeita. Toda alma - cada pessoa, tanto um como o outro, sem excluir o clero, que se chamam as pessoas espirituais, no entanto, a Igreja de Roma não só pode isentar esses da sujeição ao poderes públicos, mas colocá-los em posição de autoridade acima deles, fazendo os maiores príncipes sujeitos ao papa, que, assim, exalta acima de tudo que se chama Deus .-- toda alma. Não que as nossas consciências devem ser submetidos à vontade de qualquer homem . É prerrogativa de Deus para fazer leis imediatamente para prender a consciência, e devemos dar a Deus o que é de Deus. Mas dá a entender que nossa sujeição deve ser livre e voluntária, sincero e caloroso. Maldição não o rei, não, não no teu pensamento, Eclesiastes 10:20Eclesiastes 10:20 . Para bússola e imaginar são traição começou. A sujeição da alma aqui exigida inclui dentro honra ( 1 Pedro 2:171 Pedro 2:17 ) e reverência para fora e respeito, tanto em falar com eles e em falar deles - obediência aos seus comandos em coisas lícitas e honestas, e em outras coisas um paciente sujeição à pena sem resistência - uma conformidade em todas as coisas para o local e o dever dos indivíduos, trazendo nossas mentes para a relação e condição, e a inferioridade e subordinação do mesmo. "Eles são os poderes mais elevados ser conteúdo que deve ser assim, e submetê-los em conformidade." Agora havia uma boa razão para a prensagem de este dever de sujeição aos magistrados civis, 1. Por causa do opróbrio que a religião cristã estava sob no mundo, como um inimigo a paz pública, da ordem e do governo, como uma seita que se transformou o mundo de cabeça para baixo, e os embracers dele como inimigos a CAE sar, e quanto mais porque os líderes eram galileus - uma calúnia de idade. Jerusalém foi representada como uma cidade rebelde, prejudicial para reis e províncias, Esdras 4:15 , 16Ezra 4: 15,16 . Nosso Senhor Jesus foi tão difamado, embora ele disse que seu reino não era deste mundo: não é de admirar, então, se seus seguidores foram carregados em todas as idades com as calúnias como, chamados facciosos, sedicioso, e turbulento, e encarado como os perturbadores da terra, seus inimigos tendo encontrado tais representações necessário para a justificação da sua fúria bárbara contra eles. O apóstolo, portanto, para a redução das causas de esta afronta, e no clearing do cristianismo a partir dele, mostra que a obediência aos magistrados civis é uma das leis de Cristo, cuja religião ajuda as pessoas a bons assuntos e foi muito injusto para carregar sobre o cristianismo que facção e rebelião a que os seus princípios e regras são tão diretamente contrária. 2. Por causa da tentação que os cristãos leigos sob a ser afetado de outra maneira para magistrados civis, alguns deles sendo originalmente judeus, e assim fermentado com um princípio que era impróprio para qualquer da descendência de Abraão para ser sujeita a um dos outros nação - seu rei deve estar de seus irmãos, Deuteronômio 17:15Deuteronômio 17:15 . Além disso, Paulo ensinou-lhes que eles estavam não sob a lei, elas foram feitas livre por Cristo. Para que essa liberdade deve ser transformado em licenciosidade, e mal interpretado a aprovar facção e rebelião, o apóstolo ordena obediência ao governo civil, que era mais necessária a ser pressionado agora, porque os magistrados eram pagãos e incrédulos, que ainda não destruir suas poder civil e autoridade. Além disso, os poderes civis estavam perseguindo poderes do corpo da lei foi contra eles.

 

  1. As razões para fazer cumprir este dever. Por que devemos ser assunto? 
  1. Por causa da ira. Por causa do perigo que corremos se estabeleceu pela resistência. Magistrados traz a espada, e se opor a eles é arriscar tudo o que é caro para nós neste mundo, pois é sem propósito de lutar com ele que leva a espada. Os cristãos eram então das vezes, perseguia desagradável para a espada do magistrado para sua religião, e eles não precisavam tornar-se mais detestável por sua rebelião. A menos demonstração de resistência ou de sedição em um Christian logo seria agravada e melhorado, e seria muito prejudicial para toda a sociedade e, portanto, eles tinham mais necessidade do que outros para ser exato em sua sujeição, que aqueles que tinham tanta ocasião contra eles no assunto do seu Deus não pode ter nenhuma outra ocasião. Para esta cabeça deve esse argumento ser encaminhado ( Romanos 13: 2Romanos 13: 2 ), os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação: krima lepsontai, eles serão chamados para uma conta para ele. Deus irá contar com eles por isso, porque a resistência reflete sobre ele. Os magistrados contará com eles para ele. Eles virão sob o chicote da lei, e vai encontrar os poderes superiores demasiado elevado para ser espezinhada, todos os governos civis sendo justamente rigorosa e severa contra a traição e rebelião assim segue-se ( Romanos 13: 3Romanos 13: 3 ), Governantes são um terror. este é um bom argumento, mas é baixo para um cristão.

 

  1. Devemos estar sujeitos, não somente pelo castigo, mas por causa da consciência não tanto formidine p & oelig NAE --do o medo de punição, como virtutis amore -. Do amor da virtude Isso faz com que escritórios civis comuns agradáveis ​​a Deus , quando são feitos para a consciência amor ', com um olho para Deus, para sua providência colocando-nos em tais relações, e para o seu preceito fazendo sujeitou o dever dessas relações. Assim, o mesmo pode ser feito a partir de um princípio muito diferente. Agora, para obrigar a consciência a esta sujeição ele argumenta, Romanos 13: 1-4,6 ,Romanos 13: 1-4 , 6 

(1) A partir da instituição da magistratura: Não há poder, mas de Deus. Deus como governante e governador do mundo tem determinado à ordenação de magistratura, de modo que todo o poder civil seja derivada dele como de sua original, e ele Hath por sua providência colocou a administração para aquelas mãos, quaisquer que sejam, que a têm. Por ele, reinam os reis, Provérbios 08:15Provérbios 08:15 . A usurpação do poder e o abuso de poder não são de Deus, porque ele não é o autor do pecado, mas o próprio poder é. Como os nossos poderes naturais, embora muitas vezes abusado e fez instrumentos do pecado, são de poder criar de Deus, os poderes de modo civis são do poder governante de Deus. Os príncipes mais injustas e opressivas do mundo não têm poder, mas o que lhes é dada de cima ( João 19:11João 19:11 ), a providência divina estar em uma maneira especial versado sobre essas mudanças e revoluções dos governos que têm uma influência tal quando estados e reinos, e uma tal multiplicidade de pessoas particulares e comunidades menores. Ou, pode ser significado de governo em geral: é um exemplo de sabedoria, poder e bondade de Deus, na gestão da humanidade, que ele dispôs-los em um estado como faz a distinção entre governantes e governados, e não deixou -los como os peixes do mar, onde a maior devorar a menos. Ele fez aqui consultar o benefício de suas criaturas .-- os poderes que: seja qual for a forma eo método de governo em particular são - se pela monarquia, aristocracia, ou a democracia - onde quer que o poder governante é apresentado, é uma ordenança Deus, e isso deve ser recebida e submetidos a conformidade embora imediatamente uma ordenança do homem ( 1 Pedro 2:131 Pedro 2:13 ), contudo, originalmente, uma ordenação de Deus .-- Ordenado por Deus - tetagmenai uma palavra militar, significando não só a ordenação dos magistrados, mas a subordinação dos magistrados inferiores ao Supremo, como em um exército de entre os magistrados, há uma diversidade de dons, e confia, e serviços. Daí segue-se ( Romanos 13: 2Romanos 13: 2 ) para que todo aquele . Resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus Há outras coisas de Deus que são as maiores calamidades, mas magistratura é de Deus como uma instituição, ou seja, é uma grande lei, e isso é uma grande bênção: para que os filhos de Belial, que não vai suportar o jugo do governo, será encontrado quebrando uma lei e desprezando uma bênção. Magistrados são, portanto, chamados deuses ( Salmos 82: 6Salmos 82: 6 ), porque eles trazem a imagem da autoridade de Deus. E aqueles que desprezam em seu poder refletir sobre o próprio Deus. Isso não é de todo aplicável aos direitos específicos de reis e reinos, e os ramos da sua constituição, nem pode qualquer determinada regra ser obtido a partir desta para a modelagem dos contratos originais entre os governantes e governados mas destina-se para a direção para o privado pessoas a título particular, a se comportar-se calmamente e pacificamente na esfera em que Deus criou-os, com o devido respeito aos poderes civis que Deus em sua providência tem posto sobre eles, 1 Timóteo 2: 1,2 . Magistrados são aqui novamente e novamente chamados ministros de Deus. Ele é o ministro de Deus, Romanos 13: 4,6 . Magistrados são de uma forma mais peculiar servos de Deus a dignidade que eles têm as chamadas para o serviço. Apesar de serem senhores de nós, eles são servos de Deus, temos trabalho a fazer por ele, e que prestar contas a ele. Na administração da justiça pública, a determinação de discussões, a proteção dos inocentes, o endireitamento do injustiçado, a punição dos infratores, ea preservação da paz e da ordem nacional, que todo homem não pode fazer o que é certo em sua própria olhos - nestas coisas é que os magistrados agem como ministros de Deus. Como o assassinato de um magistrado inferior, enquanto ele está realmente fazendo seu dever, é contabilizado traição contra o príncipe, de modo a resistir de qualquer magistrados no cumprimento desses deveres de seu lugar é a resistência de uma ordenança de Deus.1 Timóteo 2: 1 , 2 Romanos 13: 4 , 6

 

(2.) A partir da intenção da Magistratura: os magistrados não são terror para as boas obras, mas para o mal, & c. Magistracy foi concebido para ser,

[1] Um terror para obras más e maus obreiros. Eles carregam a espada não só a espada de guerra, mas a espada da justiça. Eles são herdeiros de contenção, para colocar criminosos à vergonha Laís queriam tal, Juízes 18: 7Juízes 18: 7 . Tal é o poder do pecado e da corrupção que muitos não haverá restrição para as maiores atrocidades, e os que são mais perniciosa à sociedade humana, por qualquer relação com a lei de Deus e da natureza ou da ira vindoura, mas apenas pelo medo de penas temporais, que a obstinação e perversidade da humanidade degenerada fizeram necessárias. Por isso, parece que as leis com penalidades para os injustos e obstinados ( 1 Timóteo 1: 91 Timóteo 1: 9 ) deve ser constituído de nações cristãs, e estão de acordo com, e não contraditório, o evangelho. Quando os homens se tornaram tais bestas, tais bestas vorazes, uns aos outros, eles devem ser tratados em conformidade, tomada e destruída em terrorem -. Para dissuadir outros o cavalo ea mula deve, assim, ser realizada com freios e rédeas. Neste trabalho, o magistrado é o ministro de Deus, Romanos 13: 4Romanos 13: 4 . Ele atua como agente de Deus, a quem a vingança pertence e, portanto, deve tomar cuidado de infundir em seus julgamentos quaisquer ressentimentos pessoais privadas de sua própria .-- Para castigar o que pratica o mal. Neste os processos judiciais dos magistrados fiéis mais vigilantes , embora alguma semelhança fraca e prelúdio dos acórdãos do grande dia, ainda vêm longe de o juízo de Deus: eles chegam apenas ao ato de maldade, pode executar a ira apenas em ele que faz o mal, mas o juízo de Deus se estende para o mal pensou, e é apta para discernir os propósitos do coração .-- ele não dá a espada em vão. não é à toa que Deus pôs um tal poder nas mãos do magistrado, mas destina-se à restrição e supressão de distúrbios . E, portanto, " Se tu fazer o que é mau, que cai sob o conhecimento e censura do magistrado civil, ter medo de poderes civis têm olhos rápidos e braços longos." É uma coisa boa quando a punição dos malfeitores é gerida como uma ordenança de Deus, instituído por ele escolhido. Em primeiro lugar, como um Deus santo, que odeia o pecado, contra a qual, como ele aparece e coloca a sua cabeça, um testemunho público é assim suportado. Em segundo lugar, como Rei das nações, e o Deus de paz e ordem, que são aqui preservada. Em terceiro lugar, como o protetor do bem, cuja pessoas, famílias, propriedades, e nomes, são por este meio de uma sebe. Em quarto lugar, como um que não deseja a ruína eterna dos pecadores, mas pelo castigo de algum iria aterrorizar os outros, e assim evitar a maldade como, para que outros possam ouvir e medo, e nunca mais se ensoberbecerá. Nay, que se destine a uma gentileza para aqueles que são punidos, que pela destruição da carne o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus. 

[2] Um louvor dos que fazem o bem. Aqueles que mantêm no caminho de seu dever terão o louvor ea protecção dos poderes públicos, para seu crédito e conforto. "Faça o que é bom ( Romanos 13: 3Romanos 13: 3 ), e não precisas ser medo do poder, que, embora terrível, atinge ninguém, mas aqueles que, por seu próprio pecado tornar-se desagradável para que o fogo queima somente o que é combustível : ou melhor, terás louvor dela ". Esta é a intenção da magistratura, e, portanto, devemos, por causa da consciência, estar sujeito a ela, como uma constituição projetada para o bem público, ao qual todos os interesses particulares devem ceder. Mas pena que é que alguma vez esta intenção gracioso deve ser pervertido, e que aqueles que carregam a espada, enquanto eles tolerar e coniventes com o pecado, deve ser um terror para os que fazem o bem. Mas assim é, quando os homens mais vis são exaltados ( Salmo 12: 1,8 ) e, no entanto, mesmo assim, a bênção e benefício de uma protecção comum e uma face do governo e da ordem, são tais que é nosso dever, nesse caso, em vez de submeter-se a perseguição por fazer o bem, e levá-lo pacientemente, do que por quaisquer práticas irregulares e desordenadas para tentar uma reparação. Nunca fez pervertido príncipe soberano as extremidades do governo como Nero fez, e ainda lhe Paul recorreu e, sob ele tinha a proteção da lei e os magistrados inferiores mais de uma vez. Melhor um mau governo do que nenhum.Salmo 12: 1 , 8

 

(3.) A partir do nosso interesse nele: "Ele é ministro de Deus para teu bem. Tu tens o benefício e vantagem do governo e, portanto, deve fazer o que puderes para preservá-lo, e nada para perturbá-la." Protecção chama lealdade. Se tivermos proteção do governo, devemos sujeição a ele por defender o governo, mantemos a nossa própria cobertura. Esta sujeição é igualmente consentido pelo tributo que pagamos ( Romanos 13: 6Romanos 13: 6 ): " Por esta causa pagar-lhe tributo, . Como um testemunho de sua submissão, e um reconhecimento de que, em consciência, você pensa que para ser devido Você faz através do pagamento impostos contribuir com a sua parte para o apoio do poder se, portanto, você não ser sujeita, você faz, mas puxar para baixo com uma mão o que você apoia com o outro e é que a consciência? " "Por seu tributo a pagar-lhe não só possui a autoridade do magistrado, mas a bênção de que a autoridade para si mesmos, uma sensação de que você, assim, testemunhar, dando-lhe que, como uma recompensa para os grandes dores que ele leva no governo para a honra é um fardo : e, se ele faz como convém, ele está atendendo sempre a isto mesmo, . por isso é o suficiente para eliminar todos os pensamentos e tempo de um homem, na consideração de que a fadiga, prestamos homenagem, e deve estar sujeito "- - pagar-lhe tributo, seleite phorous. ele não diz, "você dá-lo como uma esmola", mas, "você paga-o como uma dívida justa, ou emprestá-lo para ser reembolsado em todas as bênçãos e vantagens do poder público, de que você colher os benefícios ". Esta é a lição do apóstolo ensina, e torna-se a todos os cristãos para aprender e praticá-lo, que o divino na terra pode ser encontrado (o que quer que outros são) o silêncio e os pacíficos na terra.

 

versículos 7-10

Justiça e Caridade.       AD 58.

7 Dai a cada um o que deveis: a quem tributo tributo é devido a quem imposto, temem a quem temer honra a quem honra. 8 A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, senão o amor recíproco; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei. 9 Por isso, Tu não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não cobiçarás, e se houver algum outro mandamento, que é resumidamente compreendida nesta palavra, a saber: Tu Amarás o teu próximo como a ti mesmo. 10 O amor não faz mal ao próximo: amai, pois, é o cumprimento da lei.

 

Estamos aqui uma lição de justiça e caridade. 

  1. de Justiça ( Romanos 13: 7Romanos 13: 7 ): Dai, pois, a todas as suas dívidas, especialmente aos magistrados, por isso se refere ao que se passa antes e também a todos com quem nós temos que fazer. Para ser justo é dar a todos os que lhes é devido, para dar a cada corpo sua própria. O que temos que temos como mordomos outros têm um interesse nele, e deve ter suas dívidas. "Dai a Deus que lhe é devido, em primeiro lugar, para vós, para vocês famílias, suas relações, à comunidade, à igreja, aos pobres, àqueles que têm relações com a compra, venda, troca, & c. Rendem a todas as suas dívidas e que prontamente e alegremente, não tardando até que você é por lei obrigado a isso. " Ele especifica, 1. impostos devidos: Homenagem a quem tributo é devido, a quem imposto,. A maioria dos países onde o evangelho foi pregado primeiro estavam sujeitos neste momento ao jugo romano, e foram feitas províncias do império. Ele escreveu isso para os romanos, que, como eles eram ricos, por isso eles foram drenados por impostos e imposições, ao pagamento justo e honesto de que são aqui pressionado pelo apóstolo. Alguns distinguir entre tributo e personalizado, a compreensão pelos antigos impostos permanentes constantes, e por último os que foram ocasionalmente necessário, tanto as que estão a ser fiel e conscienciosamente pagos à medida que se tornam legalmente devidos. Nosso Senhor nasceu quando sua mãe iam alistar-se e ele ordenou o pagamento de tributo a CAE sar. Muitos, que em outras coisas parecem ser justo, ainda não fazem nenhuma consciência disso, mas passá-lo com uma máxima falsa desfavorecida, que não é pecado para enganar o rei, diretamente contrária ao governo de Paul, Homenagem a quem tributo é devido. 2. Respeito devido: O medo a quem medo, honra a quem honra. Isso resume o dever que temos, não só para os magistrados, mas para todos os superiores, pais, mestres, todos os que estão sobre nós no Senhor, de acordo com o quinto mandamento: Honra a teu pai ea tua mãe. Compare Levítico 19: 3Levítico 19: 3 , temerás cada um a sua mãe e seu pai não com um medo de espanto, mas um amor, reverente, respeitoso, medo obediential. Onde não há este respeito no coração de nossos superiores, nenhum outro direito será pago corretamente. 3. pagamento devido de dívidas ( Romanos 13: 8Romanos 13: 8 ): " A ninguém fiqueis devendo coisa alguma que seja, não continue em dívida de qualquer um, enquanto você é capaz de pagá-lo, ainda que por, pelo menos, o consentimento tácito do pessoa a quem você está em dívida. Dê a cada um o seu próprio. não gaste que sobre vós, que lhe devo para os outros. " O ímpio, e payeth não de novo, Salmo 37:21o Salmo 37:21 . Muitos que são muito sensíveis do problema acha pouco do pecado de estar em dívida. 
  1. Da caridade: A ninguém fiqueis devendo coisa alguma opheilete - você deve nenhum homem qualquer coisa de modo algum lê-lo: "Tudo o que você deve a qualquer relação, ou a qualquer com quem você tem que fazer, é verão eminentemente-se e incluídas nesta dívida de amor. Mas, para amar uns aos outros, esta é uma dívida que deve estar sempre na pagar, e ainda assim sempre devido ". O amor é uma dívida. A lei de Deus e o interesse da humanidade fazê-lo assim. Não é uma coisa que nós somos deixados em liberdade sobre, mas é-nos ordenado, como o princípio e um resumo de todos os direitos devidos uns aos outros por amor é o cumprimento da lei não perfeitamente, mas é um bom passo em direção a ela . Ele é inclusiva de todas as funções da segunda tabela, a qual ele especifica, Romanos 13: 9Romanos 13: 9 , e estas suponho que o amor de Deus. Veja 1 João 4:201 João 4:20 . Se o amor seja sincero, ele é aceito como o cumprimento da lei. Certamente, servimos um bom mestre, que resumiu todo o nosso dever em uma palavra, e que uma palavra curta e uma word-- doce amor, a beleza ea harmonia do universo. Amar e ser amado é todo o prazer, alegria e felicidade, de um ser inteligente. Deus é amor ( 1 João 4:161 João 4:16 ), e o amor é a sua imagem sobre a alma: onde está, a alma é bem moldado e coração equipado para toda boa obra. Agora, para provar que o amor é o cumprimento da lei, ele nos dá, 1. Uma indução de preceitos particulares, Romanos 13: 9Romanos 13: 9 . Ele especifica o último cinco dos dez mandamentos, que ele observa que ser tudo resumido na presente lei real, amarás o teu próximo como a ti --com um como de qualidade, não da igualdade - "com a mesma sinceridade que tu amas a ti mesmo, embora não na mesma medida e grau ". Aquele que ama o seu próximo como a si mesmo será desejoso de o bem-estar do corpo, bens do seu próximo, e bom nome, como de sua autoria. Nesta é construído que regra de ouro de fazer como nós seria feito por. Se não houvessem restrições de leis humanas nessas coisas, não há castigos incorridos (que nos fez necessária a malignidade da natureza humana), a lei do amor que por si só ser eficaz para prevenir todos esses erros e lesões, e para manter a paz e a boa ordem entre nós. Na enumeração desses mandamentos, o apóstolo coloca o sétimo antes do sexto, e menciona esta primeira, Tu não cometerás adultério pois embora este geralmente vai sob o nome de amor (pena que é que tão bom uma palavra deve ser tão abusado) no entanto, é realmente tão grande uma violação nisso como matar e roubar é, o que mostra que o verdadeiro amor fraternal é o amor às almas dos nossos irmãos em primeiro lugar. Ele que tenta outros ao pecado, e contamina suas mentes e consciências, embora ele pode fingir que o amor mais apaixonado ( Provérbios 7: 15,18 ), realmente odiá-los, assim como o diabo faz, quem guerras contra a alma. 2. A regra geral sobre a natureza do amor fraterno: amor não faz mal ( Romanos 13:10 ) - aquele que anda no amor, que é accionado e regido por um princípio de amor, não faz mal ele não pratica nem inventa qualquer mal ao seu próximo, a qualquer um que ele tem alguma coisa a ver com: . ouk ergazetai a projeção do mal está em vigor a realização do mesmo. Daí conceber iniqüidade é chamado o mal trabalhando em cima da cama, Micah 2: 1 . Amor pretende e desenhos não faz mal a qualquer organismo, é totalmente contra a obra daquele que pode se transformar em prejuízo, ofensa, ou dor de qualquer. Ele não faz mal , isto é, que proíbe o funcionamento de qualquer doente: mais do que está implícito é expresso que não só não faz mal, mas opera tudo de bom que pode ser, nobre projeta coisas liberais. Por que é um pecado, não só para maquinam o mal contra o teu próximo, mas para reter o bem àqueles a quem é devido tanto são proibidos juntos, Provérbios 3: 27-29 . Isto prova que o amor é o cumprimento da lei, responde a todas o fim de tudo o que mais é que mas para nos impedir de maldade, e para restringir-nos a fazer o bem? O amor é um princípio ativo vivendo de obediência a toda a lei. A lei inteira é escrita no coração, se a lei do amor estar lá.Provérbios 7:15 , 18Romanos 13:10Micah 2: 1Provérbios 3: 27-29.
  2. FONTE www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

             PAZ DO SENHOR 3 SUBSIDIO LIÇÃO N.11

             SUBSIDIO(4)JOVENS DIVERSIDADE

                       E DONS NA COMUNIDADE

                   1 CORINTOS versículos 12-26

O apóstolo aqui faz a verdade do que acima foi afirmado, e coloca os homens dotados entre os Corinthians na mente do seu dever, comparando-se a igreja de Cristo a um corpo humano.

  1. Ao dizer-nos que um corpo pode ter muitos membros, e que os muitos membros do mesmo corpo fazer, mas um só corpo ( 1 Coríntios 00:12 ): Como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros desse um corpo, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também; isto é, Cristo místico, como teólogos comumente falar. Cristo e sua igreja fazer um corpo, como cabeça e membros, este órgão é composto de muitas partes ou membros, mas um só corpo; para todos os membros são batizados em um mesmo corpo, e fez a beber do mesmo Espírito, 1 Coríntios 12:13 . Judeus e gentios, escravo e livre, estão em um nível no seguinte: todos são batizados em um mesmo corpo, e fizeram participantes do mesmo Espírito. Cristãos tornam-se membros deste órgão pelo batismo: eles são batizados em um corpo. O rito exterior é de instituição divina, significativa do novo nascimento, chamada, portanto, a lavagem da regeneração, Tito 3: 5 . Mas é pelo Espírito, pela renovação do Espírito Santo, de que somos feitos membros do corpo de Cristo. É a operação do Espírito, representado pela administração para fora, que nos faz membros. E pela comunhão na outra ordenança somos sustentados; mas então não é apenas por beber o vinho, mas por beber de um só Espírito. A administração externa é um meio designado por Deus para a nossa participação neste grande benefício; mas é o batismo pelo Espírito, é renovação interna e beber de um só Espírito, participando de sua influência santificadora de tempos em tempos, que nos verdadeiros membros do corpo de Cristo faz, e mantém a nossa união com ele. Sendo animada por um Espírito faz os cristãos um só corpo. Nota, Todos os que têm o espírito de Cristo, sem diferença, são os membros de Cristo, sejam judeus ou gentios, escravos ou livres; e nenhum, mas tal. E todos os membros de Cristo tornar-se um só corpo; os membros muitos, mas um só corpo. Eles são um só corpo, porque eles têm um princípio de vida; todos são vivificados e animados pelo mesmo Espírito.

 

  1. Cada membro tem a sua forma particular, lugar e uso. 1. O membro mais médio faz uma parte do corpo. A pé e orelha são menos úteis, talvez, do que a mão eo olho; mas porque não é uma mão, eo outro olho, que deve dizer, portanto, que eles não pertencem ao corpo? 1 Coríntios 0:15 , 1 Coríntios 12:16 . Assim, cada membro da mística corpo não pode ter o mesmo local e escritório; mas o que então? Deve-o hereupon repudiar relação ao corpo? Porque não é fixo na mesma estação, ou favorecido com os mesmos dons como os outros, ele dirá: ldblquote Eu não pertenço a Cristo? dblquote Não, o membro mais malvada de seu corpo é tanto um membro como o mais nobre, e como verdadeiramente considerado por ele. Todos os seus membros são caro a ele. 2. Deve haver uma distinção de membros no corpo: era o olho inteiro corpo, onde estaria o ouvido? Eram todo o ouvido, onde estaria o olfato? 1 Coríntios 00:17 . Se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo? 1 Coríntios 00:19 . Eles são muitos membros, e por isso deve ter distinção entre eles, e ainda assim são um só corpo, 1 Coríntios 12:20 . Um membro de um corpo não é um corpo; esta é constituída por muitos; e entre estes muitos, deve haver uma distinção, diferença de situação, forma, uso, etc. Por isso, é no corpo de Cristo; os seus membros devem ter usos diferentes e, portanto, têm diferentes poderes e estar em lugares diferentes, alguns tendo um dom, e outros um diferente. Variedade nos membros do corpo contribui para a beleza da coisa. Que monstro seria um corpo seria se tudo fosse ouvido, ou olho, ou braço! Por isso, é pela beleza e boa aparência da igreja que deve haver diversidade de dons e escritórios na mesma. 3. A disposição dos membros em um corpo natural, e sua situação, são como Deus agrada: Mas agora Deus colocou os membros, cada um deles, no corpo, como quis, agradou 1 Coríntios 00:18 . Podemos claramente perceber a sabedoria divina na distribuição dos membros; mas foi feito de acordo com o conselho da sua vontade; distinguiu e distribuiu-os como quisesse. Assim é também nos membros do corpo de Cristo: eles são escolhidos para essas estações, e dotado de tais dons, como Deus quiser. Aquele que é soberano Senhor de toda dispõe seus favores e presentes como quer. E quem deve contradizer o seu prazer? O fundamento está aqui para murmuração em nós mesmos, ou invejando os outros? Nós deveríamos estar fazendo os deveres de nosso próprio lugar, e não murmurando em nós mesmos, nem brigar com os outros, que não estão na deles. 4. Todos os membros do corpo são, em algum aspecto, útil e necessário para o outro: O olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de sua: ou melhor, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos (os intestinos, etc.) são necessários ( 1 Coríntios 0:21 , 1 Coríntios 12:22 ); Deus tem provido e temperado-los juntos que todos eles são necessários uns aos outros, e para todo o corpo; não há nenhuma parte redundante e desnecessário. Cada membro serve um bom propósito ou outro: é útil para seus companheiros de membros, e necessário para o bom estado de todo o corpo. Também não há um membro do corpo de Cristo, mas pode e deve ser útil para seus companheiros de membros, e em alguns momentos e, em alguns casos, é necessária a eles. Ninguém deve desprezar e inveja outros, pois Deus fez a distinção entre eles o que quisesse, mas, de modo a mantê-los todos em algum grau de dependência mútua, e torná-los valiosos para o outro, e preocupado com o outro, por causa de sua utilidade mútua. Aqueles que se destacam em qualquer presente não pode dizer que eles não têm necessidade daqueles que nos esse dom são seus inferiores, embora talvez, em outros presentes, eles ultrapassá-los. Nay, os menores membros de todos têm seu uso, eo mais alto não pode fazer bem sem eles. O olho tem necessidade de mão, ea cabeça dos pés. 5. Tal é a preocupação do homem por todo o seu corpo que os membros menos honoráveis ​​muito mais honra é concedida, e as nossas peças uncomely tem formosura mais abundante. As partes que não são adequados, como o resto, a ser exposta à vista, o que ou são deformadas ou vergonhoso, que mais cuidadosamente vestir e cobrir; Considerando que as partes nobres não têm essa necessidade. A sabedoria da Providência tem coisas tão artificial e temperado que a relação mais abundante e honra devem ser pagos ao que mais queria, 1 Coríntios 12:24 . Assim, devem os membros do corpo de Cristo se comportam em relação aos seus companheiros de membros: em vez de desprezá-los, ou repreendendo-os, por suas enfermidades, eles devem se esforçar para cobrir e esconder-los, e colocar o melhor rosto sobre eles que eles podem. 6. A sabedoria divina maquinou e ordenou as coisas desta maneira que os membros do corpo não deve ser cismáticos, divididos entre si e agindo sobre interesses distintos, mas também afetados uns com os outros, ternamente em causa para o outro, tendo uma compatriotas sentimento de mágoas um do outro e uma comunhão com os prazeres e alegrias de cada um, 1 Coríntios 0:25 , 1 Coríntios 12:26 . Deus tem temperado os membros do corpo natural da maneira mencionados, que pode não haver divisão no corpo ( 1 Coríntios 00:25 ), sem ruptura nem desunião entre os membros, nem tanto como a desconsideração menos mútuo. Isso deve ser evitado também no corpo espiritual de Cristo. Não deve haver nenhum cisma neste corpo, mas os membros devem estar estreitamente unidos pelos fortes laços de amor. Todos os decaimentos de essa afecção são as sementes do cisma. Onde os cristãos se tornam frias em direção ao outro, eles vão ser descuidado e indiferente para o outro. E este desrespeito mútuo é um cisma começou. Os membros do corpo natural são feitos para ter um cuidado e preocupação com o outro, para evitar um cisma na mesma. Assim deve ser no corpo de Cristo; os membros devem simpatizam umas com as outras. Como no corpo natural da dor de um lado aflige o todo, a facilidade e prazer de uma parte afeta o todo, de modo que os cristãos devem contar-se honrado na honras dos seus companheiros cristãos, e deve sofrer em seus sofrimentos. Nota, simpatia cristã é um grande ramo do dever cristão. Devemos estar tão longe de desprezar o sofrimento das nossos irmãos que devemos sofrer com eles, longe de invejar suas honras que devemos nos alegrar com eles e considerar-nos honrados neles.

Comentario bíblico Mattew Henrys (N.T) 

 

 

  SUBSIDIO (3) JOVENS PAZ NA COMUNIDADE E HARMONIA  LIÇÃO N.11

 

Havia sérias divergências entre os crentes de Roma sobre a ingestão de carne. Uns achavam que deviam comer somente legumes; outros supunham não haver nenhum problema em se consumir até mesmo os alimentos que ofendiam os cristãos de origem judaica.

A questão, explica Paulo, não estava no ato de comer em si, mas na postura pessoal entre eles. Por isso, devemos ter cuidado com o julgamento que fazemos de nossos irmãos em Cristo.

O que o apóstolo desejava, em outras palavras, é que os cristãos romanos não julgassem uns aos outros por causa dessas coisas, mas se aceitassem mutuamente conforme Cristo ensinara.

 

  1. DEVEMOS NOS ACEITAR MUTUAMENTE

 

  1. Cristo nos aceita do modo como somos. Paulo ensina que judeus e gentios devem amar uns aos outros assim como Cristo amou a ambos: “recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu para a glória de Deus” (Rm 15.7).

Isto significa que, na comunidade dos santos, não há lugar para prejulgamentos: “Quem és tu que julgas o servo alheio?”. Todos somos iguais perante Cristo, e somente Ele, por meio de sua graça redentora, pode firmar os fracos (v.4).

  1. Somos imperfeitos. Se desejamos, de fato, crescer e alcançar a perfeição exigida pela Palavra de Deus, devemos acrescentar diariamente à nossa fé a virtude, e à virtude o conhecimento (2 Pe 1.5).

Ora, se ainda não chegamos à estatura de varões perfeitos, como poderemos julgar nossos irmãos por causa de coisas insignificantes como acontecia entre os crentes romanos?

  1. Somos membros de uma mesma família. Como filhos de Deus, devemos cuidar uns dos outros e nos amarmos com o amor que nos concedeu o Pai (1 Jo 3.1). A Bíblia nos ensina que somos um só corpo: o corpo de Cristo (1 Co 12.27) que está sendo edificado (Ef 4.12-15). Portanto, acima de nossos direitos e desejos está o bem comum, o cuidado dos outros e o crescimento da Igreja do Senhor.

 

  1. TIPOS DE CRISTÃOS

 

Um ponto interessante a ser destacado, no texto em estudo, é a diferença entre os vários tipos de crentes na igreja de Roma. Isto significa que há, entre os filhos de Deus, diferentes níveis de conhecimento e de fé. Há os crentes meninos, os maduros, os carnais, os espirituais, os fracos, os fortes etc. (Ef 4.14; 1 Co 3.11; 1 Co 8.11).

Todos somos crentes, nascidos de novo. No entanto, cada um de nós tem um modo próprio de vivência cristã e de enfrentar os problemas e as necessidades do cotidiano. Todos temos uma reação diferente diante das mesmas circunstâncias; um jeito peculiar de ver e julgar as situações.

  1. Cristãos fortes. A igreja de Roma enfrentava problemas semelhantes aos de Corinto e de Colossos (1 Co 8; Cl 2.16-23): conflitos entre os cristãos fracos e os fortes (1 Co 8.7). Os fortes são os que conhecem a Palavra de Deus; os fracos ainda não alcançaram o verdadeiro entendimento das coisas espirituais.

Quando o homem aceita a Cristo, sente imediatamente a necessidade de crescer no conhecimento da fé que abraçou e de desenvolver-se na salvação conforme nos ordena a Bíblia: “Operai a vossa salvação com temor e tremor” (Fp 2.12).

Muitos, infelizmente, negligenciam a busca pelo crescimento espiritual. O escritor aos Hebreus chegou a dizer que gostaria de ministrar um ensino mais substancial aos seus leitores; estes, porém, ainda não podiam receber algo mais substancial devido à sua falta de crescimento (Hb 5.11-14).

  1. Cristãos fracos. Em geral, por falta de conhecimento, os cristãos fracos suscitam uma infinidade de barreiras que acabam por comprometer o seu crescimento espiritual. Em Roma, por exemplo, os cristãos de origem judaica achavam que comer carne era pecado; outros, ainda presos à lei de Moisés, guardavam o sábado e outros dias tidos como sagrados pelo judaísmo.

Quanto a tais coisas a Bíblia diz: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão” (Gl 5.1).

  1. Perigos para fortes e fracos. Os fortes correm o risco de se tornarem arrogantes, desprezando aos que têm menos conhecimento. A solução, portanto, é que eles se portem com humildade e amor: “Se o manjar escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão se não escandalize” (1 Co 8.13).

Os fortes tendem a se portar como o fariseu que, soberbamente, agradecia a Deus “por não ser como os demais” (Lc 18.11). O orgulho sempre estará rondando os irmãos mais fortes na fé; eis porque estes devem revestir-se de humildade.

Julgar os demais é o pecado em que pode incorrer o irmão mais fraco. Como ele, que não come carne, acha-se no direito de julgar os que o fazem, condena a postura de seus irmãos na fé por causa de questões secundárias e que nenhuma importância têm para a fé cristã.

 

III. VIVENDO A VERDADEIRA LIBERDADE EM CRISTO

 

Se por um lado, os cristãos não mais estão presos às ordenanças cerimoniais da Lei de Moisés, isto não significa que possamos levar uma vida libertina e isenta de limites. Pelo contrário: os filhos de Deus são exortados a ser santos em toda a sua maneira de viver. Sejamos santos, porque Aquele que nos chamou é santo.

Infelizmente, muitos cristãos têm a propensão de carregar consigo certas coisas do passado. Era o que acontecia com alguns crentes de Roma.

  1. A ingestão de carnes. Para os judeus, alguns tipos de carne eram terminantemente proibidos. Levando-se em conta que, em Roma, ofereciam-se também carne aos ídolos, os cristãos de origem judaica não somente a evitavam, como também criticavam os crentes gentios por usarem-na em sua dieta.

Havia também alguns crentes de origem gentílica que se abstinham de carne, já que corriam o risco de comer algo sacrificado aos ídolos.

E o que dizer dos que pregavam o ascetismo? Eles não somente ensinavam que não se podia comer carne como também punham-se contra o casamento. Tais ensinamentos foram considerados por Paulo como “doutrinas de demônios” (1 Tm 4.1-8).

O ensino bíblico quanto a isso é bastante claro. Paulo afirma que todas as coisas que Deus criou são boas (1 Tm 4.4) e que nada, em si, é imundo (Rm 14.14). O próprio Cristo asseverou: “nada há, fora do homem, que, entrando nele, o possa contaminar” (Mc 7.15,18,19).

  1. Guardando dias especiais. No Antigo Testamento, os judeus eram obrigados a observar certos períodos e dias santificados. Além disso, eles, por si mesmos, introduziram outras ordenanças que, conforme denunciara o Senhor Jesus, não passavam de mandamentos de homens (Mt 15.8,9).

Por conseguinte, alguns judeus cristãos sentiam-se na obrigação de guardar sábados e luas novas, não percebendo que, no Novo Testamento, não nos é imposta nenhuma obrigação nesse sentido.

  1. A postura correta. Quanto a estas questões, a Bíblia contém a devida diretriz:
  2. a) “Cada um esteja inteiramente seguro em seu próprio ânimo” (v.5). Isto significa que o crente deve agir de acordo com sua própria consciência, que deve estar alinhada com a Palavra e iluminada pelo Espírito Santo.
  3. b) Somente Jesus é Senhor e Juiz. Somos todos irmãos, e não juízes. Isto não significa, porém, que não podemos julgar as questões surgidas entre nós. Este julgamento, no entanto, tem de ser conduzido conforme o recomendado por: “Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça” (Jo 7.24). Aliás, escreve o apóstolo aos coríntios que os santos hão de julgar os anjos (1 Co 6.3). Logo, estamos habilitados também a julgar as coisas desta vida com temor de Deus. Mas que todo julgamento, frisamos, deve ser segundo a reta justiça.

 

O objetivo maior de todo o crente deve ser o crescimento do Reino de Deus e a edificação da Igreja. Tudo o que o cristão vier a ser, ou a fazer, deve objetivar o desenvolvimento do corpo de Cristo, nunca para o seu prejuízo.

Toda sua conduta deve ser guiada pelo amor aos demais irmãos.

“Grande parte da discussão no capítulo 14 diz respeito a certos tipos de alimento que são imundos. A palavra grega ‘koinos’ (imundo, impuro) era usada pelos judeus para simbolizar o que era profano ao invés do que era sagrado (Mc 7.2,5). A proeminência deste conceito em Romanos 14 também sugere que a disputa dietética entre os crentes romanos estava sendo continuada entre judeus, que desejavam observar os regulamentos dietéticos, e gentios, que não tinham interesse em tal restrição de liberdade.

A controvérsia na comunidade cristã em Roma gira em torno das práticas de comer carne, da observância de certos dias como mais santos que os outros e do vinho (a última atividade recebe menos ênfase no texto). Os que comiam carne, bebiam vinho e desconsideravam o valor particular relacionado a certos dias são chamados de ‘forte’ (Rm 15.1); os que faziam o oposto são os ‘fracos’ (15.1), ou débeis na fé. A associação dos fracos com os que se privam de comer carne por causa das categorias de limpo e imundo (Rm 14.2,14) mostra que os judeus eram os que Paulo considerava fraco, e os gentios, fortes.

Claro que esta é uma simplificação do assunto. As divisões nas igrejas que se reuniam nas casas romanas não estavam tão nitidamente delineadas na linha étnica. Certamente havia judeus como Paulo que apoiavam os ‘fortes’. Reciprocamente, havia alguns gentios convertidos ao cristianismo que, tendo entrado na Igreja pela sinagoga como pessoas tementes a Deus ou mesmo como prosélitos judeus, favoreciam a retenção das práticas judaicas que eles tinham adotado. É natural que estas pessoas teriam esperado que os outros cristãos seguissem esse mesmo padrão de obediência à lei de Deus.

[...] A preocupação dos fracos era com a preservação de certas práticas que eles consideravam expressões necessárias da fé cristã. A questão, como Paulo a vê, não é sobre legalismo — se for entendido como um sistema no qual certos rituais são observados como meio de se obter a graça —, porque Paulo aborda os fracos como os que já foram aceitos por Deus (Rm 14.3; 15.7). Em outras palavras, a questão não é sobre como se tornar crente, mas como agir como tal.

Nas palavras de Cranfield, estes crentes judeus sentiam que ‘era somente ao longo deste caminho particular que eles podiam expressar obedientemente sua resposta de fé à graça de Deus em Cristo’. As leis dietéticas e a observância de dias santos, quer sejam sábados ou dias de festa, eram marcas identificadoras dos judeus na Palestina e na Diáspora. Era-lhes difícil conceber que estes identificadores, que tinham sido tão críticos para eles se verem como o povo do concerto de Deus, agora deviam ser abandonados.” (Van Johnson. Romanos. In ARRINGTON, F. L.; STRONSTAD, R. Comentário bíblico Pentecostal. RJ: CPAD, 2003, pp.903-4). 

 

 

 SUBSIDIO (2) JOVENS TALENTO E DONS NA COMUNIDADE   LIÇÃO N.11

 

“Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens” (Ef 4.8).Os dons foram concedidos à igreja para o seu desenvolvimento e aperfeiçoamento.

 

Romanos 12.1-8.

1 - Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

2 - E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

3 - Porque, pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não saiba mais do que convém saber, mas que saiba com temperança, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.

4 - Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação,

5 - assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros.

6 - De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;

7 - se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino;

8 - ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.

A Epístola aos Romanos divide-se em dois principais blocos. No primeiro, a ênfase está no ensino das doutrinas (1-11). O segundo é exortativo e se estende do capítulo 12 ao 16. Temos, portanto, duas características singulares: o ensino e a prática cristã. Nos 315 versículos, distribuídos pelos onze capítulos, o apóstolo ministrou à igreja sobre os profundos mistérios salvíficos da doutrina cristã (11.25). Agora, nesta nova seção, discursa a respeito da prática, devoção e responsabilidades da pessoa justificada. O tema condutor do primeiro era “a justiça divina”, mas nesta última, a ética, os dons e o amor procedentes da justificação. Por conseguinte, pretende ser mais prática do que teórica, mais exortativa do que explicativa. Se na primeira seção, Paulo descreveu a doutrina da graça de Deus, nesta, os atos que se esperam de quem vive na graça.

 

“Rogo-vos”. Este termo no original significa, “eu os exorto” (12.1), isto é, “os encorajo ou admoesto”. O apelo à “compaixão de Deus” conforma-se ao caráter litúrgico da passagem. Os versículos 1 e 2 apresentam termos que lembram os sacrifícios do Antigo Testamento: “apresentar” (o altar), “sacrifício” (a vítima), “culto” (o serviço), “perfeito” (a qualidade). No entanto, diferencia-se deste em razão de ser vivo e racional — dois elementos não encontrados no animal utilizado no sacrifício na Antiga Aliança. O “culto racional” é aquele que procede da plena consciência de que, uma vez livres do pecado pela graça, devemos nos oferecer voluntariamente como sacrifício espiritual, santo e agradável a Deus como demonstração da operação da graça divina em nossas vidas. O crente é chamado para ser “conforme” à imagem de Cristo (Rm 8.29), portanto, não pode se “conformar” ou seguir o modelo do mundo (v.2). Pelo contrário, viver a vida cristã renovada segundo a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Esta nova vida requer o uso diligente dos dons espirituais concedidos aos crentes.

Todo serviço no Reino de Deus deve ser feito à base de verdadeira fé. É o Senhor que habilita o crente, mediante dotação especial, a realizar sua obra da melhor maneira possível. É dele que provém toda a ciência, capacidade e dons ministeriais e espirituais. Por isso, não podemos fazer a obra de Deus com espírito de competição. O único objetivo do nosso labor deve ser o desenvolvimento e o bem-estar do corpo de Cristo.

 

  1. UM APELO À CONSAGRAÇÃO PESSOAL

 

Antes de tratar de alguns dons especiais concedidos pelo Espírito Santo, e de falar sobre o corpo de Cristo, o apóstolo Paulo rogou aos irmãos de Roma que consagrassem suas vidas a Deus, a fim de conhecerem, por experiência, a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Segundo o apóstolo, esta é a única forma de sermos o que Ele quer que sejamos e de fazermos o que deseja que façamos. É justamente esta entrega total como “sacrifício vivo”, este ato de adoração incondicional, que torna o cristão capaz de ser usado plenamente por Deus.

  1. Um apelo à consagração. “Rogo-vos, pois, irmãos” (v.1). Rogar é suplicar, apelar com intenso desejo de alcançar alguma coisa. Paulo rogou aos crentes de Roma, em nome da compaixão divina, que apresentassem seus corpos em “sacrifício vivo, santo e agradável a Deus”, isto é, que se separassem completamente das coisas mundanas e se dedicassem integralmente a Deus e ao seu serviço.

Nesta passagem, Paulo faz-nos um apelo à consagração total. E esta consagração envolve dois atos distintos: o de Deus e o nosso. O nosso é apresentar-nos; o de Deus é tornar-nos capazes de pôr em prática a sua vontade.

  1. Um apelo à humildade. Ao realizarmos a obra de Deus, não devemos fazê-lo por nossa própria sabedoria, mas conforme a medida da fé que é concedida por Deus. Paulo exorta os irmãos romanos a não terem de si mesmos um conceito acima do que se deve. Consideremos, pois, as verdades abaixo:
  2. a) Há sempre a tentação da superestimação da própria importância. É bom notar que Paulo dirigia-se a uma comunidade que estava em Cristo.
  3. b) Não se deve esquecer de que Deus concedeu a cada crente uma certa “medida” de fé. Não devemos nos estribar no próprio conhecimento, mas, com temperança buscar somente o que convém.
  4. c) Somente os que discernem a vontade de Deus e se rendem integralmente a Ele conseguem identificar sua real posição no corpo de Cristo.
  5. d) É imprescindível ao cristão ter uma idéia correta de si mesmo para integrar-se perfeitamente ao corpo de Cristo.

 

  1. A IGREJA COMO O CORPO DE CRISTO

 

O apóstolo Paulo utilizou-se da figura do corpo humano para demonstrar a função de cada membro do corpo de Cristo na administração dos dons.

  1. Um só corpo em Cristo. Cada membro tem sua função, específica a desempenhar e, contudo, num corpo sadio, todas as partes funcionam harmoniosa e independentemente para o bem do todo, assim deve ser na igreja (Ef 1.22,23).

A união de cada membro tem de ser justa e perfeita (1 Co 12.12). Não pode haver desunião nem diferenças entre os irmãos, pois Deus colocou “cada um deles como quis”. Quando um membro sofre, todos padecem com ele! (1 Co 12.25,26).

O valor de cada membro é medido pela contribuição que dá ao bom funcionamento do corpo inteiro (1 Co 12.21-23). Qualquer atividade dentro da igreja só terá valor se estiver relacionada com o todo. O trabalho do corpo como um todo é o que importa!

  1. Diferentes membros, diferentes funções. Somos diversos membros com distintas funções no corpo. Sendo Deus quem confere dons especiais aos crentes (1 Co 12.4-11), cada qual deverá exercer seu trabalho com o único objetivo de enaltecer a Cristo, que é a cabeça do corpo, e não a si mesmo.

Portanto, se somos mãos, pés, ouvidos, boca, etc, Cristo realiza sua obra através de nós. Para isso fomos comissionados. Aleluia! (Mt 28.19,20).

 

III. O USO DOS DONS

 

O apóstolo Paulo não teve a finalidade de listar ou classificar os dons. Ele apenas preocupou-se com o uso destes, entre muitos outros, que podem trazer conforto, unidade e crescimento para a igreja.

  1. Profecia. A profecia é um dos dons verbais colocados à disposição dos santos com o propósito de exortar, edificar e consolar a igreja. Ela é concedida ao crente pelo Espírito Santo, de forma direta e imediata, a fim de trazer à luz a verdade divina. Este dom deve ser exercido segundo a medida da fé (v.6); isto é: o poder espiritual dado a cada crente para o desempenho de sua responsabilidade específica. Há dois pontos que devem ser considerados:
  2. a) O crente que profetiza tem de saber perfeitamente quando está indo além do que lhe foi dado, e deve estar consciente de sua responsabilidade de entregar somente o que Deus lhe autorizou. É necessário que o servo de Deus esteja totalmente sob o controle do Espírito de Deus.
  3. b) O crente que profetiza tem de saber que toda a profecia deve ser julgada, provada (1 Co 14.29; 1 Ts 5.19-21) Toda verdade concedida pelo Espírito Santo é coerente e não se contradiz. Sendo assim, qualquer profecia, para ser aceita, deve ser submetida ao padrão estabelecido pela Profecia Escrita, a Palavra de Deus (Gl 1.8; 1 Jo 2.20,27; 4.1-3).
  4. Serviço. É a disposição, ou capacidade, concedida por Deus, para o crente servir e prestar assistência prática aos membros e aos líderes da igreja. Este dom se manifesta em toda forma de ajuda que os cristãos possam prestar uns aos outros, em nome de Jesus. Os que possuem este dom têm prazer em ministrar aos santos as coisas materiais que lhes são necessárias. O dom do serviço, como qualquer outro, é essencial para o bom funcionamento do corpo de Cristo. Quem o tem deve exercê-lo empregando toda a sua energia, no temor do Senhor.
  5. Ensino. Diferente da profecia, que é de inspiração direta e imediata (1 Co 14.30), o ensino é resultado da preparação do mestre. Ele é exortado a estudar, a ler, a meditar na Palavra de Deus (1 Tm 4.14-16). Quem ensina recebe de Deus uma capacidade especial para expor e esclarecer as Escrituras com poder e eficiência, a fim de edificar o corpo de Cristo.
  6. Exortação. Há uma diferença fundamental entre exortar e ensinar. O ensino tem por objetivo transmitir o conhecimento, lidar com o intelecto, a mente. A exortação toca no coração e atinge a consciência e a vontade de quem está sendo exortado, de modo que a sua fé é estimulada. O crente passa a ter um maior compromisso com o Reino de Deus. Na exortação, as verdades ensinadas são aplicadas imediatamente à vida cristã. Quem tem o dom de exortar não é necessariamente um mestre, embora possa sê-lo (At 11.23).
  7. Repartir. Há pessoas especialmente capacitadas por Deus para dar, repartir com os que não têm. Estas devem fazê-lo com simplicidade, lembrando-se das palavras do Mestre: “não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita” (Mt 6.1-4).
  8. Governo. É o dom de exercer governo ou presidir, de alguma forma, na Igreja. É a tarefa de cuidar do povo e dos bens do Reino (Hb 13.7; 1 Tm 5.17; 1 Ts 5.12,13). Aos que têm este dom, o apóstolo Pedro diz: “apascentai com cuidado, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto, nem como tendo domínio sobre o rebanho de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (1 Pe 5.2-4).
  9. Misericórdia. É o dom de ministrar e prestar ajuda aos necessitados e aflitos. Este dom deve ser posto em prática com todo o coração, bom ânimo e entusiasmo. Aquele que tem este dom comunica todo o amor divino aos angustiados.

Que dom recebeu você de Cristo? Você o tem exercido com amor e piedade? Ou já o enterrou de forma egoísta? No Reino de Deus, há importantes obras a serem executadas. Por isso, é de fundamental importância exercermos os dons que o Espírito Santo tem nos concedido, a fim de que o Reino se expanda até aos confins da Terra. Que Deus nos ajude nesta tão gloriosa tarefa!

                “Os dons individuais (12.6-8)

Antes de examinar os dons individualmente, devemos enfatizar que para cada dom o ponto é o mesmo: Se você tem um, use-o. E por isso que a lista de dons é incompleta — de fato, nenhuma lista de dons feita por Paulo é exaustiva (1 Co 12.8-10,28; Ef 4.11). Embora a passagem diante de nós apresente algumas explicações sobre como esses dons devem ser usados, o propósito primário de Paulo é motivação, não instrução. Isso não é incomum. Paulo não define os vários dons em nenhuma das passagens onde ele os alista. Ele presume um entendimento comum por parte da audiência sobre a natureza desses dons, os quais eles teriam recebido por ensino e por observância dos dons em ação. A exceção — isto é, a extensa discussão sobre a natureza de profecia e línguas em 1 Coríntios 14 — não é uma tentativa de apresentar e definir esses dois dons, mas corrigir a percepção dos coríntios e o uso destes.

A lista de sete dons está dividida em duas partes pela estrutura gramatical da passagem que muda abruptamente com o quarto dom. Para cada um dos primeiros três dons, a frase na qual eles aparecem começa com ‘se’; os últimos quatro começam com ‘o que’” (Van Johnson. Romanos. In ARRINGTON, F. L.; STRONSTAD, R. Comentário Bíblico Pentecostal. RJ: CPAD, 2003, pp.893-4). FONTE CPAD 

 

 

                        SUBSIDIO (1) CPAD JOVENS

                         LIÇÃO N.11 A COMUNIDADE

  1. Quanto ao nosso dever, que respeite-nos este é sobriedade.
  2. Um parecer sóbrio de nós mesmos, Romanos 12: 3. É inaugurou com um prefácio solene: Eu digo, através da graça dada a mim: a graça f sabedoria, pelo qual ele entendeu a necessidade ea excelência deste dever a graça de apostolado, pelo qual ele tinha autoridade para pressionar e recomendam-lo . "Eu digo que, quem sou contratado para dizer que, em nome de Deus. Eu digo que, e não é para você negar isso." Diz-se de cada um de nós, tanto um como o outro. O orgulho é um pecado que é produzido no osso de todos nós, e temos, portanto, cada um de nós precisa ser advertido e armado contra ela .-- Não pense de si mesmo mais alto conceito do que convém. Devemos tomar cuidado de ter muito grande uma opinião de nós mesmos, ou colocar muito alto de uma avaliação sobre os nossos juízos próprios, habilidades, pessoas, performances. Nós não deve ser auto-vaidoso, nem estima muito a nossa própria sabedoria e outras realizações, não pensamos ser alguma coisa, Gálatas 6: 3. Existe um alto pensamento de nós mesmos que pode e deve ter a pensar nos muito bom para ser escravos do pecado e burros de carga para este mundo. Mas, por outro lado, devemos pense com moderação, ou seja, temos de ter uma má opinião e modesto de nós mesmos e nossas próprias capacidades, os nossos dons e graças, de acordo com o que recebemos de Deus, e não o contrário. Não devemos ser confiantes e quente em matéria de disputa duvidoso não nos estendemos além do nosso linha não julgar e censurar aqueles que diferem de nós não deseja fazer uma apresentação justa na carne. Estes e outros, são os frutos de uma opinião sóbria de nós mesmos. As palavras irá suportar o suficiente ainda outro sentido agradável. De si mesmo não está no original, portanto, pode ser lido, para que ninguém se sábios acima do que ele deve ser sábio, mas ser sábio para a sobriedade. Não devemos exercitar-nos em coisas muito altos para nós (Salmo 131: 1,2), e não intrometer em coisas que não temos visto (Colossenses 2:18), essas coisas secretas que não pertencem a nós (Deuteronômio 29:29 ), não cobiçarás a ser sábios acima do que está escrito. Há um conhecimento que incha, que atinge fruta após proibida. Devemos dar atenção a isso, e de trabalho após esse conhecimento que tende a sobriedade, a retificação do coração e a transformação da vida. Alguns entendem que da sobriedade que nos mantém em nosso próprio lugar e da estação, de se intrometer nos presentes e escritórios dos outros. Veja um exemplo desse cuidado modesta sóbrio no exercício dos maiores dons espirituais, 2 Coríntios 10: 13-15. Para esta cabeça refere ainda que a exortação (Romanos 12:16), não sejais sábios aos vossos próprios olhos. É bom ser sábio, mas é ruim para nós pensa assim porque não há mais esperança de um tolo do que aquele que é sábio aos seus próprios olhos. Era uma coisa excelente para Moisés ter resplandecer o seu rosto e não sabem disso. Agora, as razões pelas quais temos de ter uma opinião tão sóbrio de nós mesmos, nossas próprias habilidades e realizações, são estas: -

 

(1) Porque o que temos o que é bom, que Deus repartiu-nos todo dom bom e perfeito vem do alto, Tiago 1:17. O que temos que não receberam? E, se tiver recebido, por que então não contamos? 1 Coríntios 4: 7. O melhor e mais útil homem no mundo não existe mais, não melhor, do que o que a graça de Deus torna-o todos os dias. Quando estamos pensando em nós mesmos, devemos lembrar-nos a pensar e não como nós atingimos, como se a nossa força eo poder do nosso lado nos tinha conseguido esses presentes, mas acho que como tipo Deus sido para nós, pois é ele que nos dá poder para fazer qualquer coisa que é bom, e nele é toda a nossa suficiência.

 

(2.) Porque Deus trata os seus dons em certa medida: De acordo com a medida da fé. Observe, a medida dos dons espirituais que ele chama de a medida da fé, pois esta é a graça radical. O que nós temos e fazer o que é bom é tão extrema direita e aceitável em que se funda na fé, e flui da fé, e não mais. Ora, a fé, e outros dons espirituais com ele, são tratadas por medida, de acordo com sabedoria infinitos vê atender para nós. Cristo tinha o Espírito lhe dado sem medida, João 3:34. Mas os santos tê-lo por medida cf. Ef 4: 7. Cristo, que tinha dons sem medida, era manso e humilde e vamos, que são stinted, seja orgulhoso e auto-vaidoso?

 

(3.) Porque Deus tem lidado presentes aos outros, bem como para nós: repartiu a cada um. Se tivéssemos o monopólio do Espírito, ou uma patente ser os únicos proprietários dos dons espirituais, pode haver algum pretexto para esta presunção de nós mesmos, mas outros têm a sua quota, assim como nós. Deus é um Pai comum, e Cristo uma raiz comum, a todos os santos, que toda a virtude carro dele e, por isso, mal nos torna-se a levantar-nos, e desprezar os outros, como se nós só eram as pessoas em favor com o céu e sabedoria deveria morrer com a gente. Este raciocínio ele ilustra uma comparação feita entre os membros do corpo natural (como 1 Coríntios 12:12, Efésios 4:16):. Como temos muitos membros em um só corpo, & c, Romanos 12: 4,5. Aqui observar, [1] Todos os santos formam um só corpo em Cristo, que é a cabeça do corpo, e do centro comum de sua unidade. Os crentes não residem no mundo como uma pilha desordenada confuso, mas são organizados e unidos, como eles são unidos a uma cabeça comum e accionado e animada por um Espírito comum. [2] crentes particulares são membros deste órgão, partes constituintes, o que lhes falam menos do que o todo, e em relação ao todo, decorrentes vida e espíritos da cabeça. Alguns membros do corpo são maiores e mais úteis do que outros, e cada um recebe espíritos da cabeça de acordo com a sua proporção. Se o dedo mínimo deve receber tanta nutrição como a perna, como indecorosa e prejudicial que seria! Devemos lembrar que não somos o todo que pensamos acima do que é conhecer se pensarmos por isso estamos mas as peças e os membros. [3] Todos os membros não têm a mesma função (Romanos 12: 4), mas cada um tem o seu respectivo lugar e trabalho que lhe é atribuído. O escritório do olho é ver, o escritório da mão é trabalhar, & c. Assim, no corpo místico, alguns são qualificados para, e chamou, um tipo de trabalho outros são, de igual modo, montado para, e chamou, um outro tipo de trabalho. Magistrados, ministros, pessoas, em uma comunidade cristã, têm seus vários escritórios, e não devem interferir uns sobre os outros, nem colidir no desempenho de seus vários escritórios. [4] Cada membro tem o seu lugar e escritório, para o bem e o benefício do todo, e de todos os outros membros. Nós não somos apenas membros de Cristo, mas somos membros uns dos outros, Romanos 12: 5. Nós estamos em relação uns aos outros estamos empenhados para fazer todo o bem que pudermos uns aos outros, e agir em conjunto para o benefício comum. Veja isso ilustrado em geral, 1 Coríntios 00:14, & c. Portanto, não deve ser inchado com um conceito de nossas próprias realizações, pois, o que temos, como a recebemos, por isso, recebemos não para nós mesmos, mas para o bem dos outros.

 

  1. Um uso sóbrio dos dons que Deus nos deu. Como não podemos, por um lado se orgulhar de nossos talentos, por isso, por outro lado, não devemos enterrá-los. Olhai que, sob pretexto de humildade e abnegação, sejamos preguiçosos em colocar para fora de nós mesmos para o bem dos outros. Não devemos dizer: "Eu não sou nada, por isso vou ficar parado e não fazer nada", mas, "eu não sou nada em mim mesmo, e, portanto, eu vou colocar para fora me ao máximo na força da graça de Cristo." Ele especifica os cargos eclesiásticos nomeados em Igrejas particulares, na descarga dos quais cada um deve estudar para fazer o seu próprio dever, para a preservação da ordem e da promoção da edificação da igreja, cada um sabendo seu lugar e cumpri-lo. Tendo, portanto, presentes. A seguir indução de dados fornece o sentido desta geral. Tendo presentes, vamos usá-los. Autoridade e capacidade para o trabalho ministerial são o presente de Deus .-- presentes diferentes. O design imediata é diferente, embora a tendência final de tudo é o mesmo. Segundo a graça, carismas kata dez Charin. A graça de Deus é a fonte e original de todos os dons que são dadas aos homens. É a graça que nomeia o escritório, qualifica e inclina a pessoa, funciona tanto o querer como o fazer. Havia na igreja primitiva dons extraordinários de línguas, de discernir, de cura, mas ele fala aqui dos que são normais. Compare 1Tim. IV. 14 1 Pd. IV. 10. Sete dons particulares que especifica (Romanos 12: 6-8), que parecem ser destinado de tantos ofícios distintos, utilizados pela constituição prudencial das muitas das igrejas primitivas, especialmente o maior. Há dois mais gerais aqui expressas por profetizar e ministrando, o ex-obra dos bispos, este último o trabalho dos diáconos, que foram os dois únicos oficiais de pé, Filipenses 1: 1. Mas o trabalho específico que pertence a cada um deles pode ser, e deve parecer foi, dividido e atribuído de comum acordo e acordo, que poderia ser feito mais efetivamente, porque aquilo que é o trabalho de cada organismo é o trabalho de ninguém, e ele despacha seu negócio melhor que é vir unius negotii - um homem de um negócio. Assim David ordenados os levitas (1 Crônicas 23: 4,5), e nesta sabedoria é proveitosa para dar prosperidade. Os cinco últimos serão, portanto, reduzida para as duas primeiras.

 

(1.) Profecia. Se a profecia, vamos profetizar de acordo com a proporção da fé. Ele não se destina dos dons extraordinários de predizer coisas futuras, mas o escritório ordinário de pregar a palavra: assim profetizar é tomada, 1 Ts. v. 20. O trabalho dos profetas do Antigo Testamento-se não só para foretel coisas futuras, mas para avisar o povo a respeito do pecado e do dever, e para serem seus remembrancers relativas ao que eles sabiam antes. E assim pregadores do evangelho são profetas, e fazer, de facto, na medida em que a revelação da palavra vai, foretel coisas para vir. Pregação refere-se à condição eterna dos filhos dos homens, aponta diretamente para um estado futuro. Agora, aqueles que pregam a palavra deve fazê-lo de acordo com a proporção da fé - kata dez tes analogian pisteos, isto é, [1] Quanto à forma do nosso profetizar, ele deve ser de acordo com a proporção da graça da fé . Ele tinha falado (Romanos 12: 3) da medida da fé que repartiu a cada um. Deixe-o que prega definir toda a fé que ele tem sobre o trabalho, para impressionar as verdades que ele prega em seu próprio coração em primeiro lugar. Como as pessoas não podem ouvir bem, por isso os ministros não podem pregar bem, sem fé. Primeiro acreditar e, em seguida, falar, Salmos 116: 10,2 Coríntios 4:13. E devemos lembrar que a proporção da fé - que, apesar de todos os homens têm fé, mas um grande muitos têm além de nós mesmos e, portanto, devemos permitir que outros a ter uma quota de conhecimento e aptidão para ensinar, assim como nós, mesmo aqueles que em menos coisas diferem de nós. "Tens tu fé? Tê-lo-te, e não torná-lo uma regra de decisão para os outros, lembrando o que tens, mas o teu proporção." [2] Quanto à questão de o nosso profetizar, ele deve ser de acordo com a proporção da doutrina da fé, como está revelada nas escrituras sagradas do Antigo e do Novo Testamento. Por esta regra de fé os bereanos tentou pregação de Paulo, Atos 17:11. Compare Atos 26:22; Gálatas 1: 9. Há alguns grampos-verdades, como eu pode chamá-los, alguns prima axiomas - primeiros axiomas, clara e uniforme ensinadas nas Escrituras, que são a pedra de toque da pregação, pelo qual (embora não devemos desprezeis as profecias) que deve provar tudo coisas, e então retende o que é bom, 1 Tessalonicenses 5: 20,21. Verdades que são mais escura deve ser examinado por aqueles que são mais claras e, em seguida, entretido quando são encontrados a concordar e comportar com a analogia da fé pois é certo uma verdade nunca pode contradizer outra. Veja aqui o que deveria ser o grande cuidado de pregadores - para pregar a sã doutrina, de acordo com a forma de palavras saudáveis, Tito 2: 8,2 Timóteo 1:13. Não é tão necessário que o profetizar ser de acordo com a proporção de arte, as regras da lógica e da retórica, mas é necessário que seja de acordo com a proporção da fé, pois é a palavra da fé que pregamos. Agora, existem duas obras particulares que o que profetiza Hath à mente - ensino e exortando, adequada o suficiente para ser feito pela mesma pessoa, ao mesmo tempo, e quando ele faz o que ele importa que, quando ele faz a outra let -lo fazer isso também, assim como ele pode. Se, por acordo entre os ministros de uma congregação, este trabalho ser dividido, seja constantemente ou alternadamente, para que se ensina e os outros exorta (isto é, em nosso dialeto moderno, um expõe e os outros prega), que cada um faça a sua trabalhar de acordo com a proporção da fé. Primeiro, deixe aquele que o instrui esperar no ensino. Ensino é a nua explicar e provar das verdades do evangelho, sem aplicação prática, como no expounding da escritura. Pastores e professores são os mesmos do escritório (Efésios 4:11), mas o trabalho em particular é um pouco diferente. Ora, o que tem uma faculdade de ensino, e comprometeu-se província, deixá-lo cumpri-lo. É um bom presente, deixá-lo usá-lo e dar a sua mente para ela. Se é ensinar, seja ele no seu ensino de modo algum a oferta dele, Ho didaskon, en te didaskalia. Que ele seja frequente e constante e diligente em que deixá-lo permanecer no que é seu trabalho adequada e estar nele como seu elemento. Ver 1 Timóteo 4: 15,16, onde é explicado por duas palavras, en toutois isthi e autois epimene, estar em essas coisas e continuar nelas. Em segundo lugar, Aquele que exhorteth esperar na exortação. Deixe-o dar-se a isso. Este é o trabalho do pastor, como o ex-do professor para aplicar as verdades do evangelho e regras mais perto para o caso e condição das pessoas, e para pressionar sobre eles aquilo que é mais prático. Muitos que são muito precisos no ensino pode ainda ser muito frio e inexperiente na exortando e, pelo contrário. A única requer uma cabeça mais clara, o outro um coração mais quente. Agora, onde estes dons são evidentemente separados (que o destaca em um e outro no outro) que conduz à edificação de dividir o trabalho em conformidade e, tudo o que o trabalho é que nós empreendemos, vamos mente. Que esperar em nosso trabalho é conferir o melhor do nosso tempo e pensamentos sobre ela, em lançar mão de todas as oportunidades para ele, e para estudar, não só para fazê-lo, mas fazê-lo bem.

 

(2.) Ministério. Se um homem tem diakonian - o ofício de um diácono, ou assistente do pastor e mestre, deixá-lo usar esse escritório bem - um sacristão (suponho), um ancião ou um supervisor dos pobres e talvez houvesse mais put para esses cargos, e não havia mais solenidade neles, e um maior esforço de cuidado e de negócios estava em cima deles nas igrejas primitivas, do que estamos agora bem conscientes. Ele inclui todos os escritórios que dizem respeito ao exo ta da igreja, o serviço externo da casa de Deus. Ver Neemias 11:16. Mesas de serviço, Atos 6: 2. Agora deixá-lo a quem esse cuidado de ministério é transferida atendê-la com fidelidade e diligência particular, [1] o que reparte, faça-o com simplicidade. Essas igrejas-oficiais que estavam os comissários de esmolas da igreja, arrecadou dinheiro, e distribuiu-o de acordo como as necessidades dos pobres eram. Deixe-os fazê-lo en aploteti - generosamente e fielmente não converter o que eles recebem para o seu próprio uso, nem distribuí-lo com todo o projeto sinistro, ou em relação de pessoa: não perverso e mal-humorado com o pobre, nem buscando pretextos para colocá-los por mas com toda a sinceridade e integridade, não tendo nenhuma outra intenção nele do que glorificar a Deus e fazer o bem. Alguns entendem que, em geral, de toda a esmola: Aquele que tem meios, deixe-o dar, e dar abundantemente e liberalmente assim que a palavra é traduzida, 2 Coríntios 8: 2,9: 13. Deus ama quem dá abundante alegre. [2] Aquele que domina com diligência. Deve parecer, ele significa que aqueles que eram assistentes dos pastores no exercício igreja-disciplina, como seus olhos e mãos e boca, no governo da igreja, ou aqueles ministros que na congregação se principalmente comprometem-se e aplicar-se a este trabalho decisão para nós encontrar aqueles decisão que trabalhou na palavra e na doutrina, 1 Timóteo 5:17. Agora como deve fazê-lo com diligência. A palavra denota tanto cuidado e indústria para descobrir o que está errado, para reduzir os que se desviam, a reprovar e admoestar os que caíram, para manter a igreja pura. Aqueles deve tomar uma grande quantidade de dores que vai aprovar próprios fiéis no cumprimento dessa confiança, e não deixou escapar qualquer oportunidade que pode facilitar e promover esse trabalho. [3] Ele que se compadece com alegria. Alguns pensam que se destina, em geral, de todos os que, em qualquer coisa que mostra misericórdia: Deixe-os estar disposto a fazê-lo, e ter um prazer em que Deus ama ao que dá com alegria. Mas parece ser significado de algumas igrejas-oficiais específicas, cujo trabalho era para cuidar dos doentes e estranhos e aqueles eram geralmente as viúvas que estavam nesta matéria servos para a igreja-diaconisas (1 Timóteo 5: 9,10) , embora outros, é provável, pode ser empregue. Agora, isso deve ser feito com alegria. Um semblante agradável aos atos de misericórdia é um grande alívio e conforto ao miserável quando eles vêem isso não é feito de má vontade e de má vontade, mas com olhares agradáveis ​​e palavras gentis, e todas as indicações possíveis de prontidão e entusiasmo. Aqueles que têm a ver com como estão doentes e dolorido, e comumente cruz e rabugenta, tenho necessidade de colocar não só a paciência, mas a alegria, para fazer o trabalho mais fácil e agradável para eles, e quanto mais agradável a Deus.

 

III. A respeito de que parte do nosso dever que respeite os nossos irmãos, dos quais temos muitos casos, em breves exortações. Agora, todo o nosso dever para com o outro é o verão em uma palavra, e que um trabalho doce, amor. No que já está posto o fundamento de todo o nosso dever mútuo e, portanto, o apóstolo menciona esta primeira, que é a farda dos discípulos de Cristo, e a grande lei de nossa religião: O amor seja não fingido não em cumprimento e pretensão, mas na realidade não em palavras e língua única, 1 João 3:18. O amor direito é amor não fingido não como os beijos do inimigo, que são enganosos. Devemos estar contente com a oportunidade de provar a sinceridade de nosso amor, 2 Coríntios 8: 8. Mais particularmente, existe um amor devido aos nossos amigos e aos nossos inimigos. Ele especifica ambos.

 

  1. Para os nossos amigos. Aquele que tem amigos deve mostrar-se amigável. Há um amor mútuo que os cristãos deve, e deve pagar.

 

(1.) Um amor afectuoso (Romanos 12:10): Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, philostorgoi - Significa não só amor, mas uma prontidão e disposição para o amor, o mais genuíno e carinho livre, bondade que flui para fora a partir de uma mola. Ela denota adequadamente o amor dos pais a seus filhos, que, como ele é o mais sensível, por isso é o mais natural, de qualquer, não forçada, sem restrições, tais devem nosso amor ser um ao outro, e tal será onde há uma nova natureza e a lei do amor é escrito no coração. Este tipo carinho coloca-nos a nos expressar, tanto em palavras e ações com a maior cortesia e condescendência que pode ser .-- um para outro. Este pode recomendar a graça do amor para nós, que, como é feito o nosso dever de amar os outros, por isso é tanto seu dever de nos amar. E o que pode ser mais doce sobre este lado do céu do que para amar e ser amado? Aquele que, portanto, rega deve ser regada também a si mesmo.

 

(2.) Um amor respeitoso: Em homenagem preferindo uns aos outros. Em vez de competir pela superioridade, vamos ser para a frente para dar aos outros a preeminência. Isto é explicado, Filipenses 2: 3, Que cada um considere os outros superiores a si mesmo. E existe esta boa razão para isso, porque, se sabemos que os nossos próprios corações, sabemos mais o mal por nós mesmos do que nós por qualquer outra pessoa no mundo. Devemos estar frente a tomar conhecimento dos presentes, e graças, e performances de nossos irmãos, e valorizá-los em conformidade, ser mais para a frente para louvar e mais prazer de ouvir outra elogiado, que nós te tempo proegoumenoi allelous - vai adiante ou conduzem uns aos outros em honra de modo algum lê-lo: não na tomada de honra, mas em dar honra. "Esforçai-vos que de vós será mais para a frente para pagar o respeito àqueles a quem é devido, e para realizar todos os escritórios cristãos de amor (que estão todos incluídos na palavra de honra) para os seus irmãos, porque não há ocasião. Deixe todo o seu contenção de ser, que deve ser mais humilde, e útil, e condescendente ". Assim, o sentido é o mesmo com Tito 3:14, Deixe-os aprender, proistasthai - a percorrer antes de boas obras. Porque, embora deve preferir outros (como a nossa tradução lê-lo), e colocar em outros, como mais capazes e merecedores do que nós mesmos, mas não podemos fazer com que uma desculpa para o nosso deitado sem fazer nada, nem sob uma pretensão de respeitar os outros e sua serviceableness e performances, conceder-se na facilidade e preguiça. Portanto, ele imediatamente acrescenta (Romanos 12:11), não sejais vagarosos no cuidado.

 

(3.) Um amor liberal (Romanos 12:13): A distribuição às necessidades dos santos. É, mas um amor simulada que repousa nas expressões verbais de carinho e respeito, enquanto as necessidades de nossos irmãos pedir suprimentos reais, e é no poder de nossas mãos para fornecê-los. [1] Não é uma coisa estranha para os santos neste mundo para querer coisas necessárias para o apoio de seu viver natural. Naqueles tempos primitivos perseguições prevalecentes deve necessidades reduzir muitos dos santos que estão sofrendo a grandes extremidades e ainda os pobres, mesmo os santos pobres, temos sempre conosco. Certamente as coisas deste mundo não são as melhores coisas se fossem, os santos, que são os favoritos do céu, não seriam adiadas com tão pouco deles. [2] É dever dos que têm meios para distribuir, ou (como ele pode melhor ser lido) para comunicar a essas necessidades. Não é o suficiente para atrair sua alma, mas temos de tirar a bolsa, a quem tem fome. Veja James 2: 15,16,1 João 3:17. Comunicando - koinonountes. Ele sugere que os nossos irmãos pobres têm uma espécie de interesse em que Deus nos deu e que o nosso revivendo-los deve vir de um sentido e sentimento de solidariedade de seus desejos, como se nós sofremos com eles. A benevolência de caridade dos filipenses a Paul é chamado de sua comunicação com sua aflição, Filipenses 4:14. Devemos estar preparados, pois temos capacidade e oportunidade, para aliviar os que estão em falta, mas estamos em uma maneira especial obrigado a comunicar aos santos. Há um amor comum devido a nossos semelhantes, mas um amor especial devido aos nossos companheiros cristãos (Gálatas 6:10), especialmente para aqueles que são da família da fé. Comunicar, Taís mneiais - para as memórias dos santos para alguns dos antigos lê-lo, em vez de Taís chreiais. Há uma dívida devido à memória daqueles que pela fé e paciência herdam as promessas - a valorizá-lo, para reivindicar que, para embalsamar-lo. Deixe a memória de ser abençoado a apenas para que alguns lêem Provérbios 10: 7. Ele menciona um outro ramo deste amor generoso: a hospitalidade. Aqueles que têm casas de sua própria deve estar pronto para entreter aqueles que vão fazendo o bem, ou que, por medo de perseguição, são forçados a vagar em busca de abrigo. Eles não tinham então tanto da conveniência de pousadas comuns como nós temos ou os cristãos errantes não ousavam frequente eles ou eles não tinham meios para suportar os encargos e, portanto, era uma bondade especial para oferecê-los bem-vindos no livre de custos. Também não é ainda um dever substituído antiquada como há ocasião, devemos receber estranhos, pois não conhecer o coração de um estranho. Eu era um estranho, e você me acolheu, é mencionado como um exemplo da misericórdia dos que alcançarão misericórdia: dez diokontes Philoxenian - seguindo ou perseguindo hospitalidade. Ele sugere não só que temos de ter oportunidade, mas que devemos buscar oportunidades, assim, para mostrar misericórdia. Como Abraão, que estava sentado na tenda-door (Gênesis 18: 1), e Lot, que estava sentado à porta de Sodoma (Gênesis 19: 1), espera os viajantes, a quem eles podem atender e prevenir com um convite amável, e assim eles acolheram anjos surpresa, Hebreus 13: 2.

 

(4.) Um amor simpatizante (Romanos 12:15): Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram. Onde há um amor mútuo entre os membros do corpo místico, haverá um tal sentimento de companheirismo. Veja 1 Coríntios 12:26. O verdadeiro amor vai nos interessar nas tristezas e alegrias de um outro, e ensina-nos a torná-los nossos. Observe a mistura comum neste mundo, alguns alegria, e outros chorando (como o povo, Esdras 3: 12,13), para o julgamento, a partir de outras graças, por isso, de amor fraterno e simpatia cristã. Não que devemos participar nas mirths pecaminosas ou lutos de qualquer, mas apenas em justas e razoáveis ​​alegrias e tristezas: não invejar aqueles que prosperam, mas regozijando com eles verdadeiramente contente que os outros têm o sucesso e conforto que não temos não desprezando aqueles que estão em apuros, mas preocupado com eles, e pronto para ajudá-los, como sendo nós mesmos no corpo. Esta é fazer como Deus faz, que não só tem prazer na prosperidade de seus servos (Salmo 35:27), mas é igualmente aflitos em todas as suas aflições, Isaías 63: 9.

 

(5.) Um amor unido: "Tende o mesmo sentimento uns para com os outros (Romanos 12:16), isto é, de trabalho, tanto quanto possível, a concordar em apreensão e, em que você vem menos do que isso, no entanto, concordam no esforço carinho para ser todos um, que não afetam a entrar em conflito, e contradizem, e frustrar o outro, mas manter a unidade do Espírito no vínculo da paz, 1Cor i 10 a auto eis allelous phronountes -.. que desejam o mesmo bom outros que você faz para si mesmos ", de modo algum compreender. Esta é a amar nossos irmãos como a nós mesmos, desejando seu bem-estar como a nossa.

 

(6.) Um amor condescendente: mente não altas coisas, mas condescendente com homens de baixeza, Romanos 12:16. O verdadeiro amor não pode existir sem humildade, Efésios 4: 1,2.Php 4: 1,2.2: 3. Quando nosso Senhor Jesus lavou os pés dos discípulos, para nos ensinar o amor fraternal (João 13: 5,14: 34), que foi projetado especialmente para insinuar-nos que amar uns aos outros corretamente é estar disposto a inclinar-se para os escritórios mais médios de bondade para o bem do outro. O amor é uma graça condescendente: conveniunt Non bene - majestas et amor - Majestade e amor fazer, mas assort mal uns com os outros. Observe como ele é pressionado aqui. [1] não mente coisas altas. Não devemos ser ambiciosos de honra e preferment, nem olhar para pompa e dignidade com qualquer valor ou desejo desordenado, mas sim com um desprezo santo. Quando os avanços de Davi eram elevados, o seu espírito era humilde (Salmo 131: 1): Eu não exercer mim mesmo em grandes assuntos. Os romanos, que vive na cidade imperial, que reinou sobre os reis da terra (Apocalipse 17:18), e foi nesse momento no meridiano do seu esplendor, eram talvez pronto para tomar ocasião dali para pensar o melhor de si mesmos. Mesmo a semente santa foram contaminados com este fermento. Cristãos romanos, como alguns cidadãos fazem sobre o país e, portanto, o apóstolo tantas vezes adverte-os contra a altivez compare Ro 11:20. Eles viviam perto do tribunal, e conversava diariamente com a alegria e grandeza dele: "Bem", diz ele, "não me importo, não ser no amor com ele." [2] condescendente com os homens de baixa estate - Tois tapeinois synapagomenoi. Primeiro, ele pode ser significado de coisas más, para a qual devemos condescendem. Se a nossa condição no mundo ser pobre e de baixa, os nossos prazeres grosseira e escassa, os nossos empregos desprezível e desprezível, mas devemos levar nossas mentes para ele, e o aceita. Assim, a margem: se contentar com coisas ruins. Reconciliar-se com o lugar que Deus em sua providência nos tem colocado, o que quer que seja. Devemos levar em conta nada abaixo de nós, mas o pecado: inclinar-se para dizer habitações, tarifa significam, meio de roupas, acomodações médios quando são nosso lote, e não rancor. Não, temos de ser realizado com uma espécie de impulso, pela força da nova natureza (de modo a palavra corretamente synapagomai significa, e é muito significativo), em relação às coisas dizer, quando Deus nos aponta para eles como a velha natureza corrupta é realizadas em relação às coisas elevadas. Temos de nos acomodar para significar coisas. Devemos fazer uma condição de baixa e média circunstâncias mais o centro dos nossos desejos do que uma condição de alta. Em segundo lugar, podem ser entendidas de pessoas médios por isso lê-lo (acho que ambos são para ser incluído) condescendente com homens de baixeza. Devemos associar e acomodar-nos a, aqueles que são pobres e significa no mundo, se são tementes a Deus. David, embora um rei no trono, era um companheiro para todas estas coisas, Salmo 119: 63. Não precisamos ter vergonha de conversar com os humildes, enquanto o grande Deus tem vista para o céu ea terra para olhar para tal. os verdadeiros valores amo a benevolência em trapos, bem como em escarlate. A jóia é uma jóia, embora deitar no chão. Pelo contrário a essa condescendência é reprovado, James 2: 1-4. Condescender ou seja, adequar-se a eles, se inclinar para eles por sua boa como Paulo, 1 Coríntios 9:19, & c. Alguns pensam que a palavra original é uma metáfora tirada de viajantes, quando aqueles que são mais fortes e mais rápidos do pé estadia para aqueles que são fracos e lentos, fazem uma parada, e levá-los com eles, portanto, deve ser cristãos concurso para com os seus companheiros de viagem. Como um meio para promover este, acrescenta, não sejais sábios aos vossos olhos para o mesmo significado com Romanos 12: 3. Nós nunca encontraremos em nossos corações para condescender com os outros, enquanto que encontramos ali tão grande um conceito de nós mesmos: e, portanto, isso deve acontecer mortificada. Me ginesthe phronimoi

 

heautois - "Não seja sábio por si mesmos, não ser confiável da suficiência da sua própria sabedoria, de modo a desprezar os outros, ou pensa que não têm necessidade deles (Provérbios 3: 7), nem tenha vergonha de comunicar o que você tem para os outros. Nós somos membros uns dos outros, dependem um do outro, são obrigados a um ao outro e, portanto, não sejais sábios por vós, lembrando-se que é a mercadoria de sabedoria que professamos agora mercadoria consiste no comércio, recebendo e retornando. "

(7.) Um amor que nos envolve, tanto quanto reside em nós, de viver em paz com todos os homens, Romanos 12:18. Mesmo aqueles com os quais não podemos viver intimamente e familiarmente, em razão da distância em grau ou profissão, ainda devemos com tal viver em paz, ou seja, temos de ser inofensivo e inofensivo, não dar aos outros a oportunidade de brigar com a gente e temos de ser fel -menos e unrevengeful, não tomando ocasião para discutir com eles. Assim, devemos trabalhar para preservar a paz, para que não seja quebrado, e peça-lo novamente quando ele está quebrado. A sabedoria de cima é puro e pacífico. Observe como a exortação é limitado. Ele não é expressa, de modo a nos obrigar a impossibilidades: Se for possível, tanto quanto está em você. Assim, Hebreus 12:14, Segui a paz. Efésios 4: 3, Esforçando-se para manter. Estudar as coisas que servem para a paz .-- Se for possível. Não é possível para preservar a paz quando não podemos fazê-lo sem ofender a Deus e ferindo consciência: Id possumus quod jure possumus - Isso é possível o que é possível, sem incorrer em culpa.

(1.) Para fazê-las sem nenhum dano (Romanos 12:17): Recompense a ninguém torneis mal por mal, pois essa é a recompensa brutal e condizente com somente os animais não são conscientes, quer de qualquer ser acima deles ou de qualquer Estado antes deles. Ou, se a humanidade foram feitas (como um sonho) em um estado de guerra, tais retribuições como estes foram agradável o suficiente, mas nós não aprendestes assim a Deus, que faz tanto por seus inimigos (Mateus 5:45), e muito menos temos Cristo, de modo aprendido, que morreu por nós, quando éramos inimigos (Romanos 5: 8,10), tanto amou o mundo que o odiavam sem causa .-- "para nenhum homem nem para judeu nem grego não aquele que tem sido o teu amigo, pelo recompensar mal por mal tu certamente perdê-lo para não aquele que tem sido o teu inimigo, porque por não retribuir o mal com o mal, talvez possas ganhar dele. " Para o mesmo propósito, Romanos 12:19, Amados, não vos vingar. E por que isso ser anunciado com uma tal compilação carinhoso, mais do que qualquer outra das exortações deste capítulo? Certamente porque este se destina à composição de espíritos revoltados, que são quentes no ressentimento de uma provocação. Ele dirige-se para tal nesta língua agradável, para acalmar e qualificá-los. Qualquer coisa que respira amor adoça o sangue, estabelece a tempestade, e esfria o calor destemperada. Você pacificar um irmão ofendido? Ligue para ele amados. Uma palavra tão macio, dita a seu tempo, pode ser eficaz para desviam a ira. Vingar Não vos isto é, quando qualquer corpo lhe fez qualquer curva doente, não desejo nem se esforçar para trazer o mal como ou inconveniência em cima dele. Não é proibido ao magistrado para fazer justiça àqueles que são injustiçados, por punir o malfeitor, nem para fazer e executar justas e saudáveis ​​leis contra malfeitores mas proíbe a vingança privada, que flui de raiva e má vontade e isso é fitly proibido, pois presume-se que nós somos juízes incompetentes em nosso próprio caso. Não, se as pessoas prejudicado na busca da defesa da lei, e os magistrados em sua concessão, agir a partir de qualquer pique pessoal particular ou discussão, e não de uma preocupação de que a paz ea ordem pública seja mantida e direita feito, até mesmo tais procedimentos, embora aparentemente regular, cairá sob essa auto-revenging proibida. Veja como estrita da lei de Cristo é nesta matéria, Mateus 5: 38-40. É proibido não só para levá-lo em nossas próprias mãos para nos vingar, mas ao desejo e sede de eventos que o julgamento em nosso caso, que a lei permite, para a satisfação de um humor vingativo. Esta é uma lição difícil de natureza corrupta e, portanto, ele acrescenta: [1] Um remédio contra ela: dai lugar à ira. Não à nossa própria ira para dar lugar para isso é dar lugar ao diabo, Efésios 4: 26,27. Devemos resistir, e sufocar, e sufocar e reprimir isso, mas, em primeiro lugar, a ira de nosso inimigo. "Dê lugar a ele, isto é, ser de um temperamento rendendo não responder ira com a ira, mas com amor, em vez pacifica produzindo grandes ofensas, Eclesiastes 10:.. 4 Receber afrontas e lesões, como uma pedra é recebido em uma pilha de lã, que dá lugar a ele, e que ele não se recuperar de volta, nem ir mais longe ". Por isso, explica que do nosso Salvador (Mateus 5:39), Se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra. Em vez de meditar como vingança errado, se preparar para receber outro. Quando as paixões dos homens estão acima, e a corrente é forte, deixá-lo ter o seu curso, para que de uma oposição unseasonable se transforme em raiva e inchar ainda mais. Quando os outros estão com raiva, vamos ter calma este é um remédio contra a vingança, e parece ser o sentido genuíno. Mas, em segundo lugar, Muitos aplicá-lo à ira de Deus: "Dê lugar a isso, dar espaço para ele tomar o trono do juízo, e deixá-lo sozinho para lidar com o teu adversário." [2] A razão contra ele: Porque está escrito, A vingança é minha. Encontramo-lo por escrito, Deuteronômio 32:35. Deus é o Rei soberano, justo juiz, e para ele, ele pertence a administrar a justiça para, sendo o Deus da sabedoria infinita, por ele são pesadas as ações dos saldos infalíveis e, sendo um Deus de infinita pureza, ele odeia o pecado e não pode suportar a olhar para a iniqüidade. Alguns deste poder ele tem confiança nas mãos dos magistrados civis (Gênesis 9: 6; Romanos 13: 4) suas punições legais, portanto, estão a ser encarado como um ramo da revengings de Deus. Esta é uma boa razão pela qual não devemos vingar-nos para, se a vingança ser de Deus, então, primeiro, não podemos fazê-lo. Nós passo para o trono de Deus se fizermos e tomar o seu trabalho fora de sua mão. Em segundo lugar, não precisamos fazê-lo. Porque Deus, se deixarmos humildemente o assunto com ele, ele vai vingar-nos, tanto quanto não há razão ou a justiça para ele, e ainda não podemos desejá-lo. Veja o Salmo 38: 14,15, eu não ouvi, porque tu ouvir e se Deus ouve o que precisa está lá para me ouvir?

(2.) Devemos não só para não ferir a nossos inimigos, mas nossa religião vai mais alto, e nos ensina a fazer-lhes todo o bem que pudermos. É um comando peculiar ao cristianismo, e que faz altamente recomendá-lo: Amai a vossos inimigos, Mateus 5:44. Estamos aqui ensinado para mostrar que o amor a eles, tanto em palavras e atos.

[1] Em palavras: abençoai aos que vos, Romanos 00:14 perseguem. Tem sido o destino comum do povo de Deus a ser perseguidos, seja com uma mão poderosa e com uma língua maldosa. Agora estamos aqui ensinados a abençoar aqueles que tanto nos perseguem. Bendizei os que é, primeiro, "Fale bem deles. Se há alguma coisa neles que é louvável e digno de louvor, tomar conhecimento dela, e mencioná-lo à sua honra." Em segundo lugar, "Fale com respeito a eles, de acordo como o seu lugar é, não render injúria por injúria, e amargura para a amargura." E, em terceiro lugar, devemos desejar bem para eles, e desejamos o seu bem, tão longe de procurar qualquer vingança. Nay, em quarto lugar, temos de oferecer-se que a vontade de Deus, pela oração por eles. Se não estar no poder da nossa mão para fazer qualquer outra coisa para eles, mas podemos testemunhar a nossa boa vontade orando por eles, para que nosso mestre nos deu não só uma regra, mas um exemplo para apoiar essa regra , Lucas 23: 34-- abençoai, e não amaldiçoar. Ela denota uma boa-vontade completa em todas as instâncias e expressões de que não ", abençoá-los quando você está em oração, e amaldiçoá-los em outros momentos", mas, "os abençoe sempre, e amaldiçoarei não em todos." Amaldiçoando doente se torna a boca daqueles cujo trabalho é dar graças a Deus, e cuja felicidade é para ser abençoados pelo Senhor.

[2] Na ação (Romanos 0:20): "Se o teu inimigo fome, como tu tens capacidade ea oportunidade, estar pronto e encaminhar para mostrar-lhe qualquer bondade, e fazer-lhe qualquer escritório de amor para o seu bem e ser nunca o menos para a frente por ter sido ele o teu inimigo, mas sim a mais, para que possas assim, testemunhar a sinceridade do teu perdão dele. " Diz-se de arcebispo Cranmer que o caminho para um homem para fazê-lo seu amigo estava a fazer-lhe uma vez doente. O preceito é citado em Provérbios 25: 21,22 de modo que, alta como parece ser, o Antigo Testamento não era um estranho para ela. Observe aqui, primeiro, O que devemos fazer. Temos de fazer o bem aos nossos inimigos. "Se ele fome, não insulto sobre ele, e dizer: Agora Deus está me vingar dele, e pedindo a minha causa não fazem tal construção de sua quer. Mas alimentá-lo." Então, quando ele precisa da tua ajuda, e tens uma oportunidade de passar fome ele e pisando sobre ele, em seguida, alimentá-lo (auton psomize, uma palavra significativa) - "alimentá-lo abundantemente, ou melhor, alimentá-lo com cuidado e com indulgência:" PASCE frustulatim - alimentá-lo com pequenos pedaços ", alimentá-lo, como fazemos crianças e pessoas doentes, com muita ternura esforçam para fazê-lo de modo a expressar teu amor Se tiver sede, dá-lhe de beber:.. potize auton - bebida para ele, em sinal de reconciliação e amizade. Então, confirme o seu amor a ele. " Em segundo lugar, por isso que devemos fazer isso. Porque ao fazê-lo tu brasas montão de fogo sobre a sua cabeça. Dois sentidos são dadas a isso, que eu acho que são ambos a serem tomadas em disjuntivamente. Tu carvões montão de fogo sobre a sua cabeça, isto é, "Tu também," 1 "Derreta-o em arrependimento e amizade, e acalmar o seu espírito em direção a ti" (aludindo aos que derreter metais que não só colocam fogo sob eles, mas heap fogo sobre eles, assim, Saul foi derretida e conquistada com a bondade de Davi, 1 Samuel 24: 16,26: 21) - "tu queres ganhar um amigo por ela, e se a tua benignidade não tem esse efeito, em seguida," 2 . "Isso vai agravar a sua condenação, e fazer sua malícia contra ti o mais indesculpável. Tu decide apressar nele os sinais de ira e vingança de Deus." Não que isso deve ser a nossa intenção em mostrar-lhe a bondade, mas, para nosso encorajamento, como será o efeito. Para esta finalidade é a exortação no último versículo, o que sugere um paradoxo que não é facilmente compreendido pelo mundo, que em todos os assuntos de lutas e contendas aqueles que a vingança são os conquistados, e aqueles que perdoar são os vencedores. (1) "Não te deixes vencer do mal. Não fale o mal de qualquer provocação que é dado você tem um tal poder sobre você, ou fazer tal impressão sobre você, como para despojar-lo de si mesmos, para perturbar a sua paz, para destruir o seu amor, para irritar e discompose seus espíritos, para transportá-lo para qualquer indecências, ou para trazê-lo para estudar ou tente qualquer vingança ". Aquele que não pode tranquilamente suportar uma lesão está perfeitamente conquistado por ele. (2.) "mas vence o mal com o bem, com a boa de paciência e tolerância, ou melhor, e de bondade e beneficência aos que errado você. Aprenda a derrotar seus projetos mal contra vós, e quer mudá-los, ou pelo menos para preservar sua própria paz. " Aquele que tem esta regra sobre o seu espírito é melhor do que o poderoso.

  1. Para concluir, restam duas exortações ainda intocadas, que são em geral, e que recomendam a todo o resto como boas em si mesmas, e de boa fama.

(1) Como bons em si mesmos (Romanos 12: 9): Abhor o que é mau, se apegam ao que é bom. Deus nos mostrou o que é bom: esses deveres cristãos são intimados e que é o mal que fica em frente a eles. Agora observe, [1] Nós não só não deve fazer o mal, mas devemos abominar o que é mau. Devemos odiar o pecado com um ódio total e inconciliáveis, têm uma antipatia a ele como o pior dos males, contrariamente à nossa nova natureza, e para o nosso verdadeiro interesse - odiar todas as aparências de pecado, até a roupa manchada com a carne. [2] Não só devemos fazer o que é bom, mas temos de unir a ele. Ela denota uma escolha deliberada de, um carinho sincero para, e uma perseverança constante, o que é bom. "Então unir a ele para não ser seduzido nem espanta com isso, se apegam ao que é bom, mesmo ao Senhor (Atos 11:23), com uma dependência e aquiescência." É subjoined ao preceito do amor fraternal, como directiva de que devemos amar os nossos irmãos, mas não amá-los tanto como por causa deles a cometer algum pecado, ou omitir qualquer dever não acho que o melhor de qualquer pecado por causa de a pessoa que o comete, mas abandone todos os amigos no mundo, para clivar a Deus e dever.

Comentário bíblico Mattew Henrys, (N.T)

 

 

 

 

 

                                           LIÇÕES N.10

SUBSIDIO CPAD JOVENS ROMANOS 12.1-2 COMENTARIO

verso 1

Rogo-vos - O apóstolo, tendo terminado o argumento desta Epístola, prossegue agora para fechá-la com uma aplicação prática ou exortativo, mostrando a sua influência sobre os deveres da vida, ea influência prática da religião. Nenhuma das doutrinas do evangelho são projetados para serem especulações fria e estéril. Eles carregam sobre os corações e as vidas das pessoas; e, portanto, o apóstolo exorta aqueles a quem ele escreveu para dedicar-se sem reservas a Deus.

 

Portanto - Como o efeito ou resultado do argumento ou doutrina. Em outras palavras, todo o argumento dos onze primeiros capítulos é adequado para mostrar a obrigação de nos dedicar a Deus. A partir de expressões como estas, é claro que o apóstolo não supõe que a tendência das doutrinas da graça foi o de levar a licenciosidade. Muitos têm afirmado que tal era a tendência das doutrinas da justificação pela fé, da eleição e decretos, e da perseverança dos santos. Mas é claro que Paul não tinha tais apreensões. Depois de ter plenamente afirmado e estabeleceu as doutrinas, ele conclui que devem, portanto, levar uma vida santa, e no terreno deles ele exorta as pessoas a fazê-lo.

 

Pelas misericórdias de Deus - A palavra "por" διὰ diadenotes aqui a razão por que eles deveriam fazê-lo, ou o fundamento do recurso. Tão grande foi a misericórdia de Deus, que se tratava de uma razão por que eles deveriam apresentar seus corpos, etc. veja 1 Coríntios 1:10 ; Romanos 15:30 . A palavra "misericórdia" aqui denota favor mostrado para quem não merece, ou bondade, compaixão, etc. O plural é usado na imitação da palavra hebraica para a misericórdia, que não tem singular. A palavra não é muitas vezes usada no Novo Testamento; veja 2 Coríntios 1: 3 , onde Deus é chamado de "o Pai das misericórdias;" Philemon 2: 1 ; Colossenses 3:12 ; Hebreus 10:28 . A misericórdia especial, de que o apóstolo aqui se refere, é que mostrado para aqueles a quem ele estava se dirigindo. Ele provou que todos estavam por natureza debaixo do pecado; que não tinham qualquer reivindicação sobre Deus; e que ele tinha mostrou grande compaixão em dar Seu Filho para morrer por eles neste estado, e em perdoar os seus pecados. Este foi um terreno ou a razão por que eles deveriam dedicar-se a Deus.

 

Que vos presente - A palavra usada aqui comumente denota a ação de trazer e apresentar um animal ou outro sacrifício diante de um altar. Isso implica que a ação era uma oferta livre e voluntária. A religião é livre; eo ato de dedicar-nos a Deus é um dos mais livre que nunca executar.

 

Seus corpos - Os corpos de animais foram oferecidos em sacrifício. O apóstolo especifica seus corpos particularmente em referência a esse facto. Ainda o animal inteiro foi dedicado; e Paul evidentemente queria dizer aqui o mesmo que dizer, apresentai-vos, toda sua pessoa, ao serviço de Deus; compare 1 Coríntios 6:16 ; James 3: 6 . Não era habitual ou apropriado falar de um sacrifício como oferta de uma alma ou espírito, na língua comum dos judeus; e, portanto, o apóstolo aplicado sua linguagem habitual de sacrifício para a oferta que os cristãos estavam a fazer de si mesmos a Deus.

 

Um sacrifício vivo - Um sacrifício é uma oferta feita a Deus como expiação pelo pecado; ou qualquer oferta feita a ele e seu serviço como uma expressão de agradecimento ou homenagem. Isso implica que aquele que oferece apresenta-lo completamente, libera toda reivindicação ou direito a ele, e deixa de ser eliminados para a honra de Deus. No caso de um animal, ele foi morto, e o sangue oferecido; no caso de qualquer outra oferta, como os primeiros frutos, etc., ele foi separado para o serviço de Deus; e aquele que ofereceu a divulgação de toda reivindicação sobre ele, e apresentou-o a Deus, a ser eliminados de acordo com sua vontade. Esta é a oferta que o apóstolo roga os romanos a fazer: a dedicar-se a Deus, como se não tivessem mais qualquer reivindicação em si mesmos; de ser eliminados por ele; a sofrer e suportar tudo o que ele pode nomear; e promover a sua honra de qualquer maneira que ele poderia comandar. Essa é a natureza da verdadeira religião.

 

Living - ζῶσυν zōsunThe expressão provavelmente significa que eles estavam a dedicar os vigorosos poderes, ativos de seus corpos e almas para o serviço de Deus. O judeu ofereceu sua vítima, imolou-o e apresentou-o morto. Não poderia ser apresentada novamente. Em oposição a isso, devemos apresentar-nos com todas as nossas vida, energias vitais. O cristianismo não precisar de um serviço de morte ou inatividade. Exige poderes vigorosos e ativos no serviço de Deus, o Salvador. Há algo de muito afetando a vista de um tal sacrifício; em relação à vida, com todas as suas energias, seu intelectual e moral, e poderes físicos, como uma longa sacrifício; um continuava oferecendo a Deus. Um ser imortal apresentado a ele; apresentou voluntariamente, com todas as suas energias, de dia para dia, até que a vida deve fechar, para que ele possa Ele disse que ele viveu e morreu uma oferta feita livremente a Deus. Esta é a religião.

 

Santo - Isso significa adequadamente sem mancha ou defeito. Nenhum outro sacrifício poderia ser feito para Deus. Os judeus foram proíbem expressamente para oferecer o que era coxo, ou cego, ou de qualquer maneira deformada; Deuteronômio 15:21 ; Levítico 1: 3 , Levítico 01:10 ; Levítico 3: 1 ; Levítico 22:20 ; Deuteronômio 17: 1 ; comparar Malaquias 1: 8 . Se oferecidos sem qualquer desses defeitos, foi considerado como santo, isto é, apropriadamente separado ou consagrado a Deus. Da mesma maneira que estamos a consagrar a Deus as nossas melhores faculdades; o vigor de nossas mentes e talentos, e tempo. Não é a debilidade da doença meramente; Não velhice só; não o tempo que não possa empregar, mas o primeiro vigor e energias da mente e do corpo; nossa juventude e saúde, e força. O nosso sacrifício a Deus é a de não ser dividido, separado; mas é para ser inteiro e completa. Muitos estão à espera de ser cristãos na doença; muitos na velhice; purposing, assim, a oferecer-lhe os cegos e os coxos. O sacrifício é para ser livre do pecado. Ele não deve ser uma dividida, e quebrado, e serviço poluído. É para estar com os melhores sentimentos de nossos corações e vidas.

 

Agradável a Deus - Eles são exortados a oferecer tal sacrifício como será aceitável a Deus; ou seja, um tal como ele tinha apenas especificado, que estava vivendo e santo. Nenhum sacrifício deve ser feito se não é aceitável a Deus. As ofertas dos pagãos; as peregrinações dos muçulmanos; as penalidades auto-infligidas dos católicos romanos, não comandadas por Deus, não pode ser aceitável para ele. Esses serviços serão aceitáveis ​​a Deus, e só esses, que ele nomeia; comparar Colossenses 2: 20-23 . As pessoas não inventar serviços são; ou fazer cruzamentos; ou procurar perseguições e provações; ou para provocar oposição. Eles estão a fazer exatamente o que Deus requer deles, e que seja aceitável a Deus. E este fato, que o que fazemos é aceitável a Deus, é a recompensa mais elevada que podemos ter. Pouco importa o que as pessoas pensam de nós, se Deus aprova o que fazemos. Para agradá-lo deve ser o nosso maior objetivo; o fato de que nós agradá-lo é a nossa maior recompensa.

 

Que é o vosso culto racional - A palavra traduzida "serviço" λατρείαν latreianproperly denota o culto ou a homenagem prestada a Deus. A palavra "razoável" com a gente significa que é "governado pela razão; pensando, falando ou agindo conformably com os ditames da razão "(Webster); ou o que pode ser mostrado para ser racional ou adequada. Este não expressa o significado do original. Essa palavra λογικὴν denota o que pertence à mente, e um serviço razoável significa que é mental, ou pertencente à razão. Ele se opõe, nem ao que é tola ou irracional, mas ao serviço externo dos judeus, e tal como eles invocado para salvação. A adoração do cristão é o que se refere à mente, ou é espiritual; a do judeu era externo. Crisóstomo torna esta frase "o seu ministério espiritual." O siríaco, "Que vos ofereçais os vossos corpos, etc., por um ministério racional."

 

Podemos aprender com este verso,

 

(1) Que o culto próprio de Deus é a homenagem livre da mente. Não é forçado ou restringida. A oferta de nós mesmos deve ser voluntária. Nenhum outro pode ser uma verdadeira oferta, e nenhum outro pode ser aceitável.

 

(2) estamos a oferecer aos nossos eus inteiros, tudo o que temos e somos, a Deus. Nenhuma outra oferta pode ser tal que ele vai aprovar.

 

(3) o caráter de Deus é como deveria nos levar a isso. É um personagem de misericórdia; de longa e continuada e tolerância do paciente, e deve nos influenciar nos dedicar a ele.

 

(4) deve ser feito sem demora. Deus é tão digno de tal serviço agora como ele nunca vai ou pode ser. Ele tem toda a reivindicação possível sobre os nossos afetos e nossos corações.

 

verso 2

E não vos conformeis ... - A palavra traduzida "conformado" significa adequadamente para colocar em forma, moda, ou a aparência de um outro. Pode referir-se a qualquer coisa que pertence ao hábito, forma, vestido, estilo de vida, etc., dos outros.

 

Deste mundo - τῷ αἰῶνι τούτῳ tō aiōni toutōThe palavra que é comumente traduzida como "mundo", quando aplicada ao universo material, é κόσμος Kosmos "cosmos". A palavra usada aqui adequadamente denota uma idade ou geração de pessoas. Ele pode denotar uma geração específica, ou pode ser aplicado para a corrida. Por vezes é utilizado em cada uma destas sentidos. Assim, aqui pode significar que os cristãos não devem estar em conformidade com as máximas, hábitos, sentimentos, etc., de uma idade má, luxuoso, e idólatra, mas deve ser conformado apenas com os preceitos e as leis do evangelho; ou o mesmo princípio pode ser alargado a todas as idades, ea direção pode ser, que os cristãos não devem estar em conformidade com os hábitos vigentes, estilo e costumes do mundo, as pessoas que não conhecem a Deus. Elas devem ser regidos pelas leis da Bíblia; para moldar suas vidas após o exemplo de Cristo; e para formar-se em princípios diferentes daqueles que prevalecem no mundo. Na aplicação desta regra existe muita dificuldade. Muitos podem pensar que eles não estão conformados com o mundo, enquanto eles podem facilmente perceber que seu vizinho é. Eles entrar em muitas coisas que os outros possam pensar de ser conformidade com o mundo, e se opõem a muitas coisas que os outros pensam inocente. O design desta passagem é, sem dúvida, para produzir um espírito que não deve encontrar prazer na pompa e vaidade do mundo; e que irá considerar todas as diversões vãs e gaieties com desgosto, e levar a mente para encontrar prazer nas coisas melhores.

 

Transformai-vos - A palavra da qual a expressão aqui é derivado significa "forma, hábito" μορφή direção morphēThe é, essa palavra seria adequada referem-se ao exterior "colocar em uma outra forma, alterar a forma do mundo para a do cristianismo." aparência, mas a expressão que o apóstolo usa imediatamente, "renovação da mente ,." mostra que ele não tinha a intenção de usá-lo com referência a que só, mas para a carga de todo o homem. O significado é, não valorizar um espírito. dedicado ao mundo, seguindo suas modas vãs e prazeres, mas cultivar um espírito ligado a Deus e seu reino e causa.

 

Pela renovação - pela tomada de novo; a mudança para novos pontos de vista e sentimentos. O cristão é muitas vezes representado como uma nova criatura; 2 Coríntios 5:17 ; Gálatas 6:15 ; Efésios 4:24 ; 1 Pedro 2: 2 .

 

Sua mente - A palavra traduzida como "mente" denota adequadamente intelecto, como distinguida da vontade e afeições. Mas aqui parece ser usado como aplicável a todo o espírito distinto do corpo, incluindo a compreensão, vontade e afeições. Como se ele tivesse dito, não deixe essa mudança appertain ao corpo somente, mas para a alma. Que não seja uma mera conformidade externa, mas deixe que ele tem a sua sede no espírito. Todas as mudanças externas, se a mente não foi alterada, seria inútil, ou seria hipocrisia. Cristianismo procura a reinar na alma; e que tenha sua sede lá, o comportamento externo e os hábitos será regulado em conformidade.

 

Que vos provar - A palavra usada aqui δοκιμάζω dokimazōis comumente aplicado aos metais, à operação de teste ou tentar-los pela gravidade dos incêndios, etc. Por isso, também significa explorar, investigar, apurar. Este é o seu significado aqui. O sentido é que uma mente renovada é essencial para uma investigação bem sucedida após a vontade de Deus. Tendo uma disposição para obedecer-lhe, a mente vai estar preparado para entender os seus preceitos. Haverá uma correspondência entre os sentimentos do coração e sua vontade; um bom tato ou sabor, que vai admitir suas leis, e veja o decoro ea beleza de seus comandos. Um coração renovado é a melhor preparação para estudar o cristianismo; como um homem que é temperado é o mais adequado para compreender os argumentos para a temperança; o homem que é casto, tem mais claramente e forçosamente os argumentos para a castidade, etc. Um coração no amor com as modas e loucuras do mundo é mal adequado para apreciar os argumentos para a humildade, oração, etc. "Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina se ela é de Deus ", João 7:17 . A razão pela qual o coração é renovado é que nós podemos fazer a vontade de Deus: o coração que se renova é mais adequado para apreciar e compreender a sua vontade.

 

Que bom ... - Esta parte do verso pode ser processado, para que vos investigar a vontade de Deus, ou de tomar conhecimento da vontade de Deus, o que é bom e perfeito, e aceitável. A vontade de Deus se relaciona com seus comandos em relação à nossa conduta, suas doutrinas em relação a nossa crença, seus tratos providenciais em relação às nossas circunstâncias externas. Isso significa que Deus exige de nós, de qualquer maneira ele pode ser conhecido. Eles não errar dos seus caminhos que buscam a sua orientação, e que, se não confiar em sua própria sabedoria, mas em Deus, comprometer seu caminho para ele. "O manso ele guiará em juízo, e aos mansos ensinará o seu caminho", Salmo 25: 9 . A palavra "bom" aqui não é um adjetivo concordando com "vontade", mas um substantivo. ". Para que vos encontrar a vontade de Deus, o que é bom e aceitável" Isso implica que aquilo que é bom é a sua vontade; ou para que possamos encontrar a sua vontade de encontrar o que é bom e perfeito. Isso é bom que promove a honra de Deus e os interesses de seu universo.

 

Perfeito - isentos de defeitos, mancha ou lesão. Aquilo que tem todas as suas partes completa, ou que não é desproporcionada. Aplicada à religião, isso significa que é consistente, que é realizado; que é evidenciado em todas as circunstâncias e as reações da vida.

 

Aceitável - o que será agradável a Deus. ou que ele vai aprovar. Dificilmente há um texto mais difícil na Bíblia do que este, ou aquele que é mais cheia de significado. Ela envolve o principal dever da religião para ser separado do mundo; e expressa a maneira pela qual esse direito pode ser realizada, e em que possamos viver a fim de verificar e fazer a vontade de Deus. Se todos os cristãos obedecer a esta, a religião seria em todos os lugares de honra. Se tudo iria separar os vícios e loucuras, as diversões e gaieties do mundo, Cristo seria glorificado. Se todos foram verdadeiramente renovado em suas mentes, eles perderiam o seu gosto por essas coisas, e que procuram apenas para fazer a vontade de Deus, eles não seria lento para encontrá-lo. 

 

 

 

  SUBSIDIO(2)CPAD JOVENS CUIDADO COM O JUGO DESIGUAL   LIÇÃO N.10

               2 Coríntios 6.14-18; 7.1,8-10.

Todo crente compromissado com o Senhor deseja viver em santidade. A santificação é um processo, longo, é realizada paulatinamente por meio do Espírito Santo naqueles que a buscam com um coração sincero e puro. Paulo amava os coríntios, por isso, os advertiu a viver uma vida de santidade na presença de Deus. O apóstolo, com amor e zelo, advertiu os irmãos a respeito do jugo desigual e da parceria com os incrédulos. Ele enfatizou o fato de que é preciso haver separação entre “luz e trevas”, “justiça e iniquidade”, “templo de Deus” e “templo de ídolos”.

 

ORIENTAÇÃO

Professor, divida a classe em dois grupos. Depois que já estiverem formados, entregue a cada grupo uma das seguintes questões: O que é jugo desigual? É correto o relacionamento do cristão com os não-crentes? Cada grupo terá três minutos no máximo para discutir seu tema e dois minutos para expor sua opinião à classe. Ouça com atenção a cada exposição. Em seguida, peça aos alunos que leiam as seguintes referências: 2 Co 7.1; 1 Pe 1.15,16; 1 Ts 4.3-8 e Rm 6.19. Conclua explicando que a Palavra de Deus nos exorta a termos uma vida de pureza.

 

Santificação: Separação do mal e do pecado, e dedicação total e exclusiva a Deus.Antes da ida de Tito a Corinto, os crentes daquela localidade estavam irredutíveis quanto à rejeição a Paulo. O apóstolo havia escrito uma carta pesada e grave, censurando a atitude dos coríntios por se deixarem influenciar por um grupo rebelde. Porém, ao escrever a segunda carta, além de defender seu ministério perante aquela igreja, Paulo regozija-se por ter havido arrependimento da parte daqueles cristãos. Entretanto, seu zelo com a vida de santidade não foi omitido nesta nova missiva. Ele, mais uma vez, apela à comunhão dos crentes em Cristo, e incentiva-os a viverem em santificação, rejeitando todo envolvimento com as coisas imundas.

  1. PAULO APELA À RECONCILIAÇÃO E COMUNHÃO (6.11-13)

 

  1. Paulo apela ao sentimento fraterno dos coríntios (v.11). Paulo sabia ser terno quando se fazia necessário, especialmente, depois do desgaste causado pela primeira carta. Ele interrompe sua defesa apostólica apelando, com veemência, ao afeto mútuo que deve ser nutrido entre um pai e seus filhos (1 Co 4.15). As expressões empregadas pelo apóstolo, no versículo 11, (“nossa boca está aberta para vós” e “o nosso coração está dilatado”) denotam que seus atos e palavras são a expressão verdadeira do seu sentimento. Isso, entretanto, não significa que ele arrefeceria sua postura para com os falsos mestres.
  2. Paulo dá exemplo de reconciliação. Após ter expressado seu desejo de reatar os laços estreitos que havia entre ele e os coríntios, Paulo, que já havia exposto as motivações de seu ministério, esperava que fosse compreendido e amado fraternalmente em Cristo. Ele declara que o seu coração tem sido alargado para amar a todos os crentes e que ele e seus companheiros não têm limites nem restrições para amar a todos.
  3. Paulo demonstra seu afeto e espera ser correspondido (vv.12,13). Paulo percebeu que o afeto dos coríntios era limitado. Não havia espaço para que eles verdadeiramente amassem seus ministros. No versículo 13, ele dá ênfase ao verbo “dilatar” (o mesmo que alargar). Ao utilizar o imperativo, Paulo insiste com os coríntios que, de igual forma, dilatem (ou alarguem) seus corações, a fim de que recebam o amor que estava no coração do apóstolo. Dessa forma, Paulo visava acabar com os pensamentos negativos a seu respeito.Paulo demonstra seu afeto pelos coríntios e espera ser correspondido.
  4. PAULO EXORTA OS CORÍNTIOS A UMA VIDA SANTIFICADA (6.14-7.1)

 

  1. Uma abrupta interrupção de exortação (vv.14-18). Apesar de Paulo haver expressado seu sentimento de afeto e amor pelos coríntios, era preciso corrigir alguns problemas de ordem espiritual. Assim, ele interrompe o assunto discutido anteriormente, e assume um tom mais grave na discussão.
  2. O perigo que ameaça a fé: o jugo desigual. Ele usa uma linguagem objetiva para falar de uma relação que não podia existir na vida de um crente. Tal relação é denominada de “jugo desigual”, que é uma alusão à proibição veterotestamentária de se lavrar a terra com dois animais diferentes, sendo um mais forte que o outro (Dt 22.10). Isso para mostrar que deve haver separação entre “luz e trevas”, “justiça e iniquidade”, “templo de Deus” e “templo de ídolos”.

Assim como água e óleo não se misturam, a comunhão dos santos com os infiéis equivale a um jugo desigual. No versículo 16 ele declara que não há consenso entre Deus e os ídolos, pois se cada crente é templo do Deus vivo, não pode haver em seu interior imundícias que profanem a vida cristã.

A grande lição que Paulo quer que os coríntios aprendam é que a cultura do mundo exterior, extremamente pagã, não deve interferir na vida dos cristãos. Assim, devemos abster-nos de todo tipo de relacionamento que nos leve a transigir nossa fé ante o paganismo. Evitemos, pois, relacionamentos pessoais, matrimoniais e outros que nos induzam a abandonar a fé e a pureza de nossa vida espiritual (2 Co 11.3).

  1. O correto relacionamento do cristão com os não-crentes. O apelo de Paulo para o crente não se colocar sob um jugo desigual com o incrédulo não é um incentivo à discriminação social. Numa sociedade, as circunstâncias levam-nos a comunicar-nos com os mais variados tipos de pessoas. Todavia, não devemos praticar, jamais, as obras dos ímpios e inimigos da fé. Pois as ações do crente devem influenciar as pessoas de fora, não o contrário.

A pureza moral e espiritual, no trato com os descrentes, objetiva evitar a contaminação da carne e do espírito (2 Co 7.1). Esta expressão, envolvendo carne e espírito, não se refere a duas categorias de pecados, mas à contaminação da pessoa como um todo, física e espiritualmente (1 Ts 5.23).A cultura do mundo exterior, extremamente pagã, não deve interferir na vida dos cristãos.

 

III. PAULO REGOZIJA-SE COM AS NOTÍCIAS DA IGREJA DE CORINTO (7.2-16)

 

  1. Paulo reitera seu amor para com os coríntios (vv.2-4). Como já dissemos (6.1-3), Paulo não perdera seu afeto pelos coríntios. Uma vez que sua consciência e a de seus companheiros estavam limpas, pois não haviam defraudado a ninguém, ou prejudicado a qualquer irmão em Cristo, mais uma vez ele recomenda aos crentes que abram o coração (7.2). Ele tinha razões para escrever desse modo - com ousadia - por causa das boas notícias que obteve da igreja através de Tito, seu companheiro (vv.6,7).
  2. Paulo alegra-se com as notícias trazidas por Tito (vv.5-7). A diversidade de assuntos tratados na carta evidencia que ela não foi escrita de uma só vez, mas em várias etapas. Paulo havia viajado de Éfeso para Trôade, depois foi a Macedônia, e em seguida para o Ilírico (atuais Albânia e Iugoslávia - Rm 15.19).

Durante essas viagens, ele ia escrevendo suas cartas, a exemplo dessa segunda aos coríntios. Foi em uma dessas viagens, quando estava na Macedônia, que Tito veio ao seu encontro (v.6). O jovem pastor era portador de boas notícias: o amor demonstrado pelos coríntios ao receberem Tito com carinho e hospitalidade era a principal delas. O jovem pastor trouxe informações da mudança de atitude dos coríntios para com o apóstolo e, por isso, Paulo louva a mudança de coração daquele povo, que soube reconhecer-lhe o zelo pela igreja.

  1. A tristeza segundo Deus (vv.8-16). Mesmo enfrentando a sua própria reprovação apostólica manifesta nos atos rebeldes praticados pelos opositores de seu ministério, Paulo se sentia consolado porque, ao reprovar tais atitudes, produziu arrependimento e bem-estar em todos. A tristeza provocada pela repreensão paulina gerou arrependimento e concerto (vv.10-12). Se antes as palavras “tristeza” e “entristecer” estiveram nos lábios e pena do apóstolo, agora, nos versículos 13 a 16, “consolar” e “encorajar” são os novos termos que passaram a constar no vocabulário da carta. Tais verbos revelam o sentimento mútuo que passou a dominar o coração de Paulo e da igreja de Corinto.Mesmo tendo enfrentado a reprovação apostólica através dos atos rebeldes praticados por opositores ao seu ministério, Paulo se sentia consolado porque, ao reprovar tal atitude, produziu arrependimento e bem-estar em todos.

Apesar de a relação entre Paulo e a igreja de Corinto ter sido estremecida, a inteireza da fé e a paciência do apóstolo contribuíram para que houvesse uma restauração entre ambos. Assim, após a operação do Espírito Santo na vida da igreja, Paulo pôde então dizer: Regozijo-me de em tudo poder confiar em vós (v.16).

 

     “Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento...

A palavra traduzida como ‘tristeza’ é lupe em cada caso. Esta palavra grega, também traduzida como ‘pesar’ e ‘dor’ no NT, é um termo amplo que abrange todos os tipos de aflições físicas e emocionais. Aqui, no entanto, a ênfase de Paulo está no fato de que a reação de uma pessoa lupe será ‘segundo Deus‘ ou ’segundo o mundo’. Quando a tristeza leva ao arrependimento - aquela mudança no coração e na mente nos coloca no caminho que leva à salvação - esta tristeza cai na categoria das tristezas ‘segundo Deus’. É importante recordar que ‘salvação’ é frequentemente usada no sentido da liberação atual. Aqui, o que Paulo quer dizer é que o arrependimento reverte nossa corrida para o desastre, e redime a situação, de modo que somos libertos das consequências associadas às escolhas anteriores, e erradas, que fizemos. Por outro lado, a tristeza é ‘do mundo’, se tudo o que ela produz é pesar, ou até mesmo um reconhecimento de que estivemos errados - mas, sem nos levar ao arrependimento”.(RICHARDS, L. O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2007, p.378) FONTE CPAD

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    PAZ DO SENHOR POSTAMOS 3 SUBSIDIOS

               SUBSIDIO (1) JOVENS CPAD

      MORTOS PARA O PECADO ROMANOS 6.1-14

                                   Verse 1-2

Romanos 6: 1-2 . Que diremos então - O que devemos pensar dessa doutrina? ou seja, ensinou na última parte do capítulo anterior, que onde abundou o pecado graça fez muito mais abundante? Não se segue daí que possamos continuar no pecado, para que a graça abunde ainda mais, e pode aparecer mais glorioso em perdoar e salvar-nos? O apóstolo aqui coloca-se mais plenamente para vindicar sua doutrina dessa consequência, sugeriu Romanos 3: 7-8 . Ele tinha só então, em termos fortes, negado e renunciou a ele. Aqui, ele remove o próprio fundamento do mesmo; prosseguir para falar de alguns benefícios adicionais (além dos mencionados Romanos 5: 1 ., & c) da justificação pela fé em Cristo, a saber, a promoção da santidade, e não do pecado, como alguns poderiam imaginar: a que sujeita a sua transição está em uma vez fácil e elegante. Deus me livre - que um pensamento tão indigno como a de continuar em pecado nunca deve surgir em nossos corações! Temos negada tal consequência acima, e nós solenemente assumem-lo novamente, e cautela todos os que nos ouvem, contra a imaginar que a nossa doutrina permite que tais inferências amaldiçoados. Pois, ainda que seja verdade, que onde o pecado abunda a graça faz com frequência ainda mais abundante, mas isso não é por causa do pecado, em qualquer grau; que por si só traz a morte, Romanos 6:23 ; Tiago 1:15 ; e quanto mais pecado, o mais punição; mas totalmente à mercê superabundar e do amor de Deus em Cristo. Para Como havemos de que estamos mortos para o pecado - Por profissão, obrigação e comunhão com Cristo nossa cabeça na sua morte; ou que estão livres tanto da culpa e do poder dela; viveremos ainda nele - No amor e prática? Certamente, seria a contradição grosseira à nossa profissão, bem como as obrigações que estão sob a fazê-lo: pelo contrário, é evidente que nada tem tão grande a tendência para nos animar para evitar o pecado, pois esta doutrina da graça evangelho.

 

Verse 3-4

Romanos 6: 3-4 . Não sabeis - Algum de vocês pode ser ignorante deste grande e óbvia verdade, que tantos de nós que fomos batizados em Cristo - Ou seja, para a profissão da fé cristã; ou implantadas e fez uma parte do corpo místico de Cristo pelo batismo, (como εις χριστον parece implicar,) fomos batizados na sua morte - contratado pelo batismo para serem conformes à sua morte, ao morrer para o pecado, como ele morreu por -lo, e crucificar nossa carne com as suas paixões e concupiscências, como seu corpo foi crucificado na cruz; e também foram feitas participantes dos benefícios dos mesmos, uma das quais é a mortificante do pecado, e todas as paixões pecaminosas. Sendo batizados em Cristo, ou enxertados nele pela fé, chamamos a nova vida espiritual desta nova raiz, através de seu Espírito, que modas nos semelhante a ele, e em particular no que diz respeito à sua morte e ressurreição. Portanto, fomos sepultados com ele - aludindo à maneira antiga de batizar por imersão; na morte pelo batismo - Ou seja, a envolver-nos a morrer para o pecado, e para continuar a mortificação ea morte de mais e mais: que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória - Ou seja, o poder glorioso; do Pai, assim também - Em conformidade mesmo, deve subir novamente pelo mesmo poder; e deve andar em novidade de vida - Como, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos vive uma nova vida no céu. De tudo isto, parece, que o batismo, o rito de iniciação na Igreja Cristã, é uma representação emblemática do nosso morrer para o pecado e viver para a justiça, em conseqüência de nossa união com Cristo, como membros do seu corpo; como também da malignidade do pecado, em trazer a morte em Cristo, ( Romanos 6:10 ), e sobre toda a humanidade, e da eficácia da morte de Cristo, na aquisição de toda a misericórdia que perdoa, renovando a graça e glória futura; uma ressurreição tanto da morte espiritual e temporal, para a vida espiritual e eterna.

 

versículos 5-7

Romanos 6: 5-7 . Para - Certamente estes dois devem andar juntos; de modo que, se temos sido unidos a Cristo pela fé, (ao qual o batismo nós, se engaja) e ter sido feito conforme a sua morte, por ser mortos para o pecado, nós também deve conhecer o poder da sua ressurreição, pelo aumento em novidade de vida. Sabendo disso - não na teoria apenas, mas pela experiência; que o nosso velho homem - Coeval com o nosso ser; nossa natureza maligna derivada de Adão; todo o sistema de nossos ex-inclinações e disposições. É uma expressão forte e bonito para todo que a depravação e da corrupção que, por natureza, se espalha ao longo de todo o homem, não deixando nenhuma parte não infectado. Isto em um crente está crucificado com Cristo, mortificado, gradualmente mortos em virtude da união com ele; a lembrança e consideração de sua co-cruz funcionar da forma mais poderosa, com todos os outros motivos que o evangelho sugere, para destruir nossas paixões corruptas, e ex hábitos pecaminosos, e inspirar-nos com uma aversão absoluta de e ódio deles: que o corpo do pecado - o corpo pertencente ao pecado, incluindo temperamentos pecaminosos, palavras e obras. O apóstolo personifica o pecado, segundo o costume de escritores animados, que, para fazer seus discursos animada e afetando, falar das virtudes e vícios de que tratam, como tantas pessoas. Paixões corruptas e más ações são os membros do velho homem, Colossenses 3: 5 . Pode ser destruído - totalmente e para sempre, que doravante não devemos servir pecado - No caso de não estar mais sob o seu poder, como estávamos antes de nos tornarmos savingly familiarizado com Cristo e seu evangelho. Porque aquele que está morto - com Cristo, é liberto do pecado - da culpa do passado, e o poder do presente pecado, como homens mortos a partir dos comandos de seus antigos senhores. A expressão original, aqui traduzida é liberado, é δεδικαιωται , o que significa propriamente, é justificado, isto é, ele é absolvido e descarregado a partir de qualquer outra reclamação que o pecado pode fazer sobre o seu serviço. A palavra como aqui utilizado implica que um sentido da justificação pela cruz de Cristo é o grande meio de nossa entrega da escravidão do pecado, uma vez que anima e nos exercícios de sacudir seu jugo, e é acompanhada com o Espírito de adoção e regeneração, cujo fruto é sempre liberdade, 2 Coríntios 3:17 .

 

versículos 8-11

Romanos 6: 8-11 . Ora, se já morremos com Cristo - conforme a sua morte por morrer para o pecado; cremos que também com ele viveremos - Temos razões suficientes para nos assegurar que seremos conformados com ele na vida também, por viver uma vida ininterrupta de graça aqui, e na glória; e não haverá mais morte, mesmo que Cristo, ressuscitado dentre os morre mortos não mais, Romanos 6: 9 . Ele morreu para o pecado - Para expiar e aboli-la; mas ele vive para Deus - A vida eterna gloriosa, como nós vivereis. da mesma forma - ουτω , assim, em correspondência com a vida ea morte de Cristo, Romanos 6: 8-9 , considerai-vos-vos mortos para o pecado - para ter a obrigação indispensável, do dever e gratidão, morrer para -lo, e nunca mais o retorno sob o seu poder, ou viver na prática do mesmo; mas vivos para Deus - Dotado de vida espiritual e, assim, permitiu viver para a glória de Deus, em um constante, uniforme, e alegre obediência à sua comandos sábio, justo e santo; por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor - em virtude da sua morte e ressurreição, a sua união com ele pela fé e graça recebida dele.

 

 

versículos 12-14

Romanos 6: 12-14 . Não deixe o pecado - Qualquer disposição pecaminosa ou inclinação; portanto - Desde que você é regenerado e espiritualmente vivo; reinar em seu corpo mortal - Ou seja, reinar em sua alma enquanto ele habita em seu corpo. Muitas das nossas inclinações pecaminosas têm a sua sede no corpo, e tais más inclinações, como são de natureza mais espiritual, são sempre de alguma forma mais ou menos voltada para o corpo. Isso obedecerdes - devem produzir e ser superado por ele ; em suas concupiscências - nos desejos irregulares ou desordenadas que excita dentro de você. Nem rendimento vossos membros - os membros dos seus órgãos, ou as faculdades de sua mente; a palavra μελη , aqui utilizado, como também o capítulo Romanos 7: 5 , significando ambos, e certamente cada coisa em nós e que nos pertence, que é empregado como um instrumento na execução das obras da carne, enumerou Gálatas 5: 19-21 . Para alguns destes não requerem que os membros do corpo a serem realizadas, mas são inteiramente confinado no seu funcionamento para a mente. Por isso, Colossenses 3: 5 , desejo maligno ea avareza são mencionados entre os nossos membros sobre a terra que estamos a mortificar. Como instrumentos de iniqüidade - empregados no seu serviço; para o pecado - Para a cometer dele. A palavra original οπλα , prestados instrumentos, denota adequadamente armas militares; e pode ser aqui utilizado para significar que aqueles que empregam seus poderes, seja do corpo ou da mente, ou em qualquer capacidade que possuem, ao serviço do pecado, fazer na luta verdade para ele, e por seu mestre e pai, Satanás; . e os principados e potestades sob seu comando, contra Deus e de Cristo, e toda a companhia do céu mas apresentai-vos a Deus - Seu legítimo rei, governador e capitão: dedicar-se, o corpo ea alma, ao seu serviço; como aqueles que estão vivos dentre os mortos - Quem, depois de ter sido morto espiritualmente, são vivificados e colocar em posse da vida espiritual; isto é, não são mais separados da vida de Deus, mas tenha a união vital com Deus; não como antigamente, inclinação da carne, que é a morte, mas de mente espiritual, que é vida e paz, cap. Romanos 8: 6 ; não está mais sob condenação para a segunda morte, mas justificada e direito à vida eterna; e os vossos membros - Todos os seus poderes e habilidades; como instrumentos de justiça - Instrumentos utilizados na promoção da piedade e virtude; a Deus - por seu serviço e para a sua glória; ou como armas, para combater suas batalhas, e opor-se os desenhos de seus inimigos espirituais. Porque o pecado não terá domínio sobre você - Ele não tem o direito, e não terá o poder de reinar sobre vós. A palavra κυριευσει , denota o governo de um mestre sobre o seu escravo, e pode ser processado, não deve dominar sobre você. Como se ele tivesse dito, embora seja verdadeiro pecado é forte, e você é fraco em si mesmos, mas se você fielmente se esforçam contra ela, olhando para Deus por poder do alto, você deve estar habilitado para conquistar. para não estais debaixo da lei - sob a dispensação de terror e escravidão, o que só mostra o seu dever, mas dá-lhe o poder de realizá-la; e que condena por suas violações do passado dela, mas não oferece perdão a qualquer em seu arrependimento. A lei mosaica parece ser particularmente destinado, eo decoro do que é aqui observada é bem ilustrado, nesse ponto de vista, pelo apóstolo no próximo capítulo. Mas suas palavras pode muito bem implicar também, que não são tão sob qualquer lei a ser absolutamente condenado por falta de um acordo perfeito, ou obediência sem pecado para ele. Não sob a dispensação que requer uma obediência tal, sob a pena de morte; que não oferece assistência para permitir que aqueles que estão sob o desempenho de suas requisições, e não concede perdão a qualquer pecador em seu arrependimento. Para a apreensão de estar sob essa dispensa tenderia totalmente desencorajar-nos em todas as nossas tentativas para vencer o pecado, e nos libertar de seu poder. Mas sob a graça - Sob a dispensação misericordioso do Evangelho, que oferece tudo o que vai aceitá-lo , no caminho do arrependimento para com Deus e fé em Cristo, o perdão gratuito e completo para tudo que é passado, uma mudança completa da natureza e aquelas fontes contínuas de graça, que reforçam a fraqueza humana, e conferem a vontade e o poder para conquistar cada pecado que assedia, e viver na prática da santidade universal e justiça. Pela natureza da graça, isto é, de um novo pacto gracioso, em que somos colocados, é tal, que não requer uma perfeita obediência impossível a lei de Moisés, ou qualquer lei, mas a obediência da fé; promissora, ao mesmo tempo, as ajudas do Espírito Santo, para permitir que os homens para fazer a vontade de Deus com sinceridade, tanto quanto eles sabem disso, e oferecendo o perdão do pecado a todos na condição de arrependimento e fé em Cristo, e nas declarações e promessas do evangelho através dele. Agora sob essa humanidade gracioso concerto foram colocados desde a queda; desde que Deus disse: A semente da mulher ferirá a cabeça da serpente; desde essa altura doutrina do apóstolo aqui, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça, tem sido verdade para toda a posteridade de Adão; uma doutrina que, em vez de enfraquecer a obrigação da lei de Deus, escrita no coração dos homens, ou a lei moral em qualquer das suas necessidades, estabelece-lo da maneira mais eficaz. Veja nota em Romanos 3:31 . 

 

 

SUBSIDIO(2) JOVENS MORTO PARA O PECADO ROMANOS 6.1-14.   (LIÇÃO N.9)

                              Introdução

 

O apóstolo tendo em geral afirmou, abriu, e provou, a grande doutrina da justificação pela fé, por medo de que nenhuma deve sugar o veneno fora dessa flor doce, e transformar essa graça de Deus em libertinagem e licenciosidade, ele, com um zelo como , copiousness de expressão, e poder de persuasão do argumento, pressiona a necessidade absoluta de santificação e uma vida santa, como o fruto inseparável e companheiro de justificação para, sempre que Jesus Cristo é feita por Deus a qualquer justiça alma, ele é feito de Deus para que alma santificação, 1 Coríntios 1:30 . A água eo sangue veio fluindo juntos fora do lado trespassado de Jesus moribundo. E o que Deus assim unidas não vamos nos atrever a pôr separadamente.

 

versículos 1-23

No Santificação.     AD 58.

1 Que diremos, então? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante? 2 Deus me livre. Como é que vamos, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele? 3 Não sabeis vós, que tantos de nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? 4 Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. 5 Porque, se temos sido unidos a ele na semelhança da sua morte, seremos também na semelhança da sua ressurreição: 6 Sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele, que o corpo do pecado seja desfeito, a não devemos servir pecado. 7 Porque aquele que está morto está justificado do pecado. 8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também viveremos com ele: 9 Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre mais morte não tem mais domínio sobre ele. 10 Pois quanto a ter morrido, ele morreu para o pecado uma vez: mas em que ele vive, ele vive para Deus. 11 calculam Da mesma forma vos a vós também ser mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor. 12 Não deixe portanto, o pecado reinar em seu corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências. 13 Nem rendimento vossos membros como instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como aqueles que estão vivos dentre os mortos, e os vossos membros como instrumentos de justiça para Deus. 14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. 15 E então? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? Deus me livre. 16 Não sabeis vós que a quem vos ofereceis como servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis ou do pecado para a morte ou da obediência para a justiça? 17 Mas graças a Deus, que, quando éreis servos do pecado, mas que obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues. 18 Sendo, em seguida, libertados do pecado, vos tornastes servos da justiça. 19 Falo à maneira dos homens por causa da fraqueza da vossa carne; porque, como oferecestes os vossos membros como servos da impureza e da maldade para a maldade, mesmo assim agora os vossos membros para servirem à justiça para a santificação. 20 Porque, quando éreis servos do pecado, éreis livres da justiça. 21 E que fruto tinha ye então das coisas de que agora vos envergonhais? para o fim delas é a morte. 22 Mas agora, libertos do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e fim a vida eterna. 23 Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.

 

Transição do apóstolo, que se junta a este discurso com o primeiro, é observável: " Que diremos, pois Romanos 6: 1 O uso faremos desta doutrina doce e confortável Vamos fazer o mal que venha o bem, como alguns.? dizem que devemos fazer? Romanos 3: 8 . ? Permaneceremos no pecado que a graça abunde Devemos, portanto, tomar incentivo ao pecado com muito mais ousadia, porque quanto mais pecado que cometemos maior será a graça de Deus ser ampliada em nossa perdão? é um uso a ser feito dele? " Não, é um abuso, eo apóstolo assusta com o pensamento dele ( Romanos 6: 2 ): " Deus me livre longe de nós pensar de tal pensamento." Ele entretém a oposição como Cristo fez mais negro tentação do diabo ( Mateus 4:10 ): . Vai-te, Satanás Essas opiniões que dão qualquer semblante ao pecado, ou abrir uma porta para imoralidades práticos, como especioso e soever plausível que ser prestados, pela pretensão de avançar livre graça, devem ser rejeitadas com a maior aversão a verdade como ela é em Jesus é uma verdade segundo a piedade, Titus 1: 1 . O apóstolo é muito completo em pressionar a necessidade de santidade neste capítulo, que pode ser reduzido para duas cabeças: - Suas exortações à santidade, que mostram a natureza do mesmo e seus motivos ou argumentos para fazer cumprir essas exortações, que mostram a necessidade do mesmo.

 

  1. Para o primeiro, podemos, portanto, observar a natureza da santificação, o que é, e em que consiste. Em geral, tem duas coisas nele, a mortificação e vivificação - morrer para o pecado e viver para a justiça, em outros lugares expressa por adiar o velho e colocar no novo, deixando de fazer o mal e aprender a fazer o bem.

 

  1. Mortification, adiando o velho várias maneiras isso é expressa. (1.) Temos de deixar de viver no pecado ( Romanos 6: 2 ), não devemos ser como temos sido nem como temos feito. O tempo passado da nossa vida deve ser suficiente, 1 Pedro 4: 3 . Embora não há nenhum que viver sem pecado, mas, bendito seja Deus, há aqueles que não vivem em pecado, não viver nele como seu elemento, não fazer um comercial do mesmo: este é para ser santificado. (2.) O corpo do pecado deve ser destruído, Romanos 6: 6 . A corrupção que habita em nós é o corpo do pecado, que consiste em muitas partes e membros, como um corpo. Esta é a raiz ao qual o machado devem ser estabelecidas. Não só devemos cessar de atos de pecado (isto pode ser feito através da influência de restrições externas, ou outros incentivos), mas devemos obter os hábitos viciosos e inclinações enfraquecido e destruiu não só rejeitou os ídolos da iniqüidade fora do coração .-- que doravante não devemos servir pecado. a transgressão real é, certamente, em grande medida, impedido pela crucificação e morte de corrupção originais. Destruir o corpo do pecado, e, em seguida, porém deve haver cananeus remanescentes na terra, mas os israelitas não vai ser escravos deles. É o corpo do pecado que balança o cetro, empunha a barra de ferro destruir este, eo jugo é quebrado. A destruição de Eglom o tirano é a libertação de Israel oprimidos dos moabitas. (3.) Devemos ser mortos para o pecado, Romanos 6:11 . Como a morte do opressor é uma versão, muito mais é a morte dos oprimidos, Jó 3: 17,18 . A morte traz um mandado de facilidade para o cansado. Assim devemos ser mortos para o pecado, obedecê-la, observá-lo, considerá-la, cumprir a sua vontade não mais do que aquele que é doth mortos seus quandam capatazes - seja como indiferença aos prazeres e delícias do pecado como um homem que é morrer é aos seus antigos desvios. Ele que está morto está separado de sua antiga empresa, converse, negócios, diversão, empregos, não é o que era, não o que ele fez, não tem o que ele tinha. A morte faz uma poderosa mudança de tal santificação mudança me leva na alma, que corta toda a correspondência com o pecado. (4.) O pecado não deve reinar em nossos corpos mortais que devemos obedecer, Romanos 6:12 . Embora o pecado pode permanecer como um fora da lei, embora possa oprimir como um tirano, mas não deixe que reinar como um rei. Que não fazer leis, nem presidir os conselhos, nem comandar a milícia não deixe que seja superior na alma, de modo que devemos obedecê-la. Embora possamos ser, por vezes, ultrapassado e vencer por ela, mas nunca vamos ser obediente a ele em suas concupiscências não deixe desejos pecaminosos ser uma lei para você, para que você daria uma obediência consentindo. Em suas concupiscências - en such epithymiais autou. refere-se ao corpo, não ao pecado. Pecado está muito no gratificante do corpo, e indulgência isso. E há uma razão implícita na frase vosso corpo mortal , porque é um corpo mortal, e apressando em ritmo acelerado para a poeira, por isso não deixe o pecado reinar nela. Foi o pecado que fez nossos corpos mortais, e, portanto, não rendem obediência a tal inimigo. (5.) Não devemos ceder os nossos membros como instrumentos de injustiça; Romanos 6:13 . Os membros do corpo são feitos pelo uso de a natureza corrupta como ferramentas, através da qual são preenchidas as vontades da carne, mas não devemos consentir que o abuso. Os membros do corpo são feitos de modo assombrosamente maravilhoso é uma pena que eles devem ser ferramentas do diabo de injustiça para o pecado, instrumentos das ações pecaminosas, de acordo com as disposições pecaminosas. Injustiça é para o pecado os atos pecaminosos confirmar e fortalecer os hábitos pecaminosos um pecado encadeia outra é como a quarta locação de água, portanto, deixá-lo antes que haja rixas. Os membros do corpo podem talvez, através da Prevalência da tentação, ser forçado a ser instrumentos de pecado, mas não render-lhes para ser assim, não concorda com ele. Este é um ramo da santificação, a mortificação do pecado.

 

  1. Vivificação, ou na sala de justiça, e que é isso? (1.) É para andar em novidade de vida, Romanos 6: 4 . Novidade de vida supõe novidade de coração, para fora do coração são as questões da vida, e não há maneira de fazer o fluxo de doce, mas, fazendo a mola assim. Andar a pé, na escritura, é colocado para o curso e tenour da conversa, que devem ser novas. Caminhe pelas novas regras, para novos fins, a partir de novos princípios. Fazer uma nova escolha do caminho. Escolha novos caminhos para andar em, novos líderes de andar após, novos companheiros a andar com. As coisas velhas devem passar, e tudo se fez novo. O homem é o que ele não era, faz o que ele não fez. (2.) É estar vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor, Romans 6:11 . Para conversar com Deus, ter uma relação a ele, uma delícia nele, uma preocupação para ele, a alma em todas as ocasiões realizadas em relação a ele como a um objeto agradável, em que é preciso uma complacência: isso é estar vivo para Deus. O amor de Deus que reina no coração é a vida da alma para Deus. Anima est ubi amat, animat não ubi - A alma é onde se ama, em vez de onde vive. É ter os afetos e desejos vivos em direção Deus. Ou, vivendo (nossa vida na carne) a Deus, à sua honra e glória como o nosso fim, por sua palavra e como regra - em todas as nossas maneiras de reconhecê-lo, e ter nossos olhos sempre para ele esta é para viver para Deus .-- através de Jesus Cristo, nosso Senhor. Cristo é a nossa vida espiritual não há vida a Deus, mas através dele. Ele é o Mediador não pode haver recebimentos confortáveis ​​de Deus nem a relação agradáveis ​​a Deus, mas em e através de Jesus Cristo sem a relação sexual entre almas pecadoras e um Deus santo, mas pela mediação do Senhor Jesus. Através de Cristo como o autor e mantenedor desta vida por meio de Cristo como a cabeça de quem recebemos influência vital por meio de Cristo como a raiz pela qual deriva seiva e nutrição, e assim viver. Em vivos para Deus, Cristo é tudo em todos. (3) É a submeter-nos a Deus, como aqueles que estão vivos dentre os mortos, Romanos 6:13 . A própria vida e ser de mentira santidade na dedicação de nós mesmos ao Senhor, dando a nós mesmos ao Senhor, 2 Coríntios 8: 5 . "-Se render a Ele, não só como os rendimentos conquistado ao conquistador, porque ele pode suportá-lo para fora já não, mas como a esposa a si mesma produz a seu marido, a quem o seu desejo é, como o discípulo rende-se ao professor, o aprendiz de seu mestre, para ser ensinado e governado por ele não deu suas propriedades com ele, mas apresentai-nada menos do que toda a sua si mesmos ". parastesate eautous - acomodar vos ipsos Deo - acomodar-se a Deus de modo Tremellius, a partir do siríaco . "não só submeter a ele, mas cumprir com ele não só apresentai-vos a ele uma vez por todas, mas estar sempre pronto para servi-lo. apresentai-se a ele como a cera para o selo, para tomar qualquer impressão, para ser, e têm , e fazer, o que lhe agrada. " Quando Paulo disse: Senhor, que queres que eu faça? ( Atos 9: 6 ). Ele foi então entregue a Deus . Como aqueles que estão vivos dentre os mortos para produzir uma carcaça morta para um Deus vivo não para agradá-lo é , mas a zombar dele: "vós Yield como aqueles que estão vivos e bom para alguma coisa, um sacrifício vivo, " Romanos 12: 1 . A evidência mais segura de nossa vida espiritual é a dedicação de nós mesmos a Deus. Torna-se aqueles que estão vivos dentre os mortos (que pode ser entendido de uma morte na lei), que são justificados e libertos da morte, para dar-se a ele que fez o redimiu. (4) É para produzir nossos membros como instrumentos de justiça para Deus. Os membros do nosso corpo, quando retirados do serviço do pecado, não estão a mentir ocioso, mas para ser feito uso de no serviço de Deus. Quando o homem forte armado é despossuídos, deixá-lo cujo direito é dividir os despojos. Embora os poderes e faculdades da alma ser os assuntos imediatos de santidade e justiça, no entanto, os membros do corpo estão a ser instrumentos do corpo devem estar sempre pronto para servir a alma no serviço de Deus. Assim, ( Romanos 6:19 ) ", os vossos membros para servirem à justiça para a santificação. Sejam sob a condução e ao comando da justa lei de Deus, e que o princípio da justiça inerente que o Espírito, como santificador, plantas em a alma. " justiça para a santificação, que sugere crescimento e progresso, e moído obtido. Como todo ato pecaminoso confirma o hábito pecaminoso, e faz com que a natureza cada vez mais propenso ao pecado (daí os membros de um homem natural estão aqui a ser dito servos de maldade para maldade --one pecado torna o coração mais dispostos para outra), assim que cada ato gracioso confirma o hábito gracioso: servir a justiça é a santidade de um dever-nos se encaixa para o outro e quanto mais fizermos, mais podemos fazer por Deus. Ou servir a justiça, eis hagiasmon - como uma evidência de santificação.

 

  1. Os motivos ou argumentos aqui usado para mostrar a necessidade de santificação. Há uma tal antipatia em nossos corações, por natureza, à santidade que não é fácil para trazê-los a apresentar-lhe: é obra do Espírito, que convence por tais incentivos como estes set casa sobre a alma.

 

  1. Ele argumenta a partir de nossa conformação sacramental a Jesus Cristo. Nosso batismo, com o projeto ea intenção dele, realizada nele uma grande razão pela qual devemos morrer para o pecado e viver para a justiça. Assim, devemos melhorar a nossa batismo como um freio de contenção para manter-nos no pecado, como um estímulo de restrição para estimular-nos ao dever. Observe este raciocínio.

 

(1) De um modo geral, estamos mortos para o pecado, isto é, na profissão e na obrigação. Nosso batismo significa a nossa corte fora do reino do pecado. Nós professamos não ter mais a ver com o pecado. Estamos mortos para o pecado por uma participação de força e potência para a morte dela, e pela nossa união com Cristo e interesse por ele, e por quem é morto. Tudo isso é em vão se persistirmos em pecado que contradizem uma profissão, violam uma obrigação, voltar para aquilo a que estávamos mortos, como andam fantasmas, de que nada é mais imprópria e absurda. Para ( Romanos 6: 7 ) aquele que está morto está justificado do pecado , isto é, aquele que está morto para ele é liberado da regra e domínio do mesmo, como o servo que está morto está justificado do seu mestre, Job 03:19 . Agora vamos ser tão tolos como a retornar para que a escravidão a partir da qual são descarregadas? Quando são entregues fora do Egito, vamos falar de voltar a ele novamente?

 

(2) Em particular, sendo batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte, Romanos 6: 3 . Fomos batizados eis Christon - a Cristo, como 1 Coríntios 10: 2 , eis Mosen - . A Moisés Batismo nos une a Cristo, que nos une aprendiz de Cristo como nosso professor, é a nossa fidelidade a Cristo como nosso soberano. O batismo é externa ANSA Christi - a alça externa de Cristo, pelo qual Cristo se apodera de homens, e os homens oferecem-se a Cristo. Particularmente, fomos batizados na sua morte, em uma participação dos privilégios adquiridos por sua morte, e uma obrigação tanto para cumprir com o desenho de sua morte, que era para nos resgatar de toda a iniqüidade, e em conformidade com o padrão de sua morte, que, como Cristo morreu para o pecado, por isso, devemos morrer para o pecado. Esta foi a profissão e promessa de nosso batismo, e nós não se dão bem, se não responder a essa profissão, e fazer boa essa promessa.

 

[1] A nossa conformidade com a morte de Cristo nos obriga a morrer para o pecado, assim, sabemos que a comunhão dos seus sofrimentos, Filipenses 3.10 . Assim, estamos aqui disse a ser plantados juntamente com ele na semelhança da é a morte ( Romanos 6: 5 ), para homoiomati, não é apenas uma conformidade, mas uma conformação, como o estoque enxertada é plantada junto à semelhança do tiro, da natureza da qual ele doth participar. Plantio está em fim de vida e fecundidade: estamos plantados na vinha em uma semelhança a Cristo, que semelhança devemos evidenciar na santificação. Nosso credo a respeito de Jesus Cristo é, entre outras coisas, que ele foi crucificado, morto e enterrado agora o batismo é uma conformidade sacramental a ele em cada uma delas, como o apóstolo aqui toma conhecimento. Em primeiro lugar, o nosso velho homem foi crucificado com ele, Romanos 6: 6 . A morte de cruz foi uma morte lenta do corpo, depois que ele foi pregado na cruz, deu muitos um throe e muitos uma luta: mas foi uma morte certa, tempo em que expira, mas expirou no passado tal é a mortificação do pecado nos crentes. Foi uma morte maldita, Gálatas 3:13 . Sin morre como um malfeitor, devotado à destruição, é um anátema. Embora se trate de uma morte lenta, mas isso deve necessidades apressá-la que ele é um homem velho que não é crucificado no auge de sua força, mas decadente: a que envelhece está pronto para desaparecer, Hebreus 08:13 . Crucificado com -lo - synestaurothe, não em relação ao tempo, mas em relação de causalidade. . A crucificação de Cristo por nós tem uma influência sobre a crucificação do pecado em nós Em segundo lugar, estamos mortos com Cristo, Romanos 6: 8 . Cristo foi obediente até a morte: quando ele morreu, nós pode ser dito para morrer com ele, como o nosso morrer para o pecado é um ato de conformidade tanto à concepção e ao exemplo da morte de Cristo para o pecado. Batismo significa e sela a nossa união com Cristo, nosso enxerto em Cristo, de modo que estamos mortos com ele, e engajados não ter mais a ver com o pecado do que ele. Em terceiro lugar, fomos sepultados com ele pelo batismo, Romanos 6: 4 . A nossa conformidade é completa. Estamos na profissão bastante afastado de todo o comércio e comunhão com o pecado, como aqueles que estão enterrados são bastante afastado de todo o mundo não só não é dos vivos, mas não mais entre os vivos, não tem mais nada a ver com eles. Assim, devemos ser, como Cristo foi, separado do pecado e dos pecadores. Estamos enterrado, ou seja, na profissão e obrigação: nós professamos a sê-lo, e somos obrigados a sê-lo: era a nossa aliança e engajamento no batismo somos selados para ser o Senhor, portanto, de ser cortado do pecado. Por isso sepultamento no batismo deve tanto como aludir a qualquer costume de mergulhar sob a água no batismo, não mais do que a nossa crucificação baptismal ea morte deve ter quaisquer tais referências, confesso que não pode ver. É claro que não é o sinal, mas a coisa significada, no batismo, que o apóstolo aqui chamadas que estão sendo sepultados com Cristo, ea expressão de enterrar alude ao enterro de Cristo. Assim como Cristo foi enterrado, para que pudesse subir novamente a uma vida nova e mais celestial, por isso estamos no batismo enterrado, ou seja, cortado da vida de pecado, para que possamos subir novamente para uma nova vida de fé e amor.

 

[2] A nossa conformidade com a ressurreição de Cristo nos obriga a subir novamente em novidade de vida. Este é o poder da sua ressurreição que Paulo era tão desejosos de saber, Filipenses 3.10 . Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, isto é, pelo poder do Pai. O poder de Deus é a sua glória é o poder glorioso, Colossenses 1:11 . Agora no batismo somos obrigados a estar de acordo com esse padrão, a ser plantada na semelhança da sua ressurreição ( Romanos 6: 5 ), para viver com ele, Romanos 6: 8 . Ver Colossenses 2:12 . A conversão é a primeira ressurreição da morte do pecado para a vida de retidão e esta ressurreição é conforme à ressurreição de Cristo. Esta conformidade dos santos para a ressurreição de Cristo parece ser intimado com o surgimento de muitos dos corpos de santos, que, embora mencionados antes, por antecipação, é suposto ter sido concomitante com a ressurreição de Cristo, Mateus 27:52 . Todos nós já ressuscitastes com Cristo. Em duas coisas que devem estar de acordo com a ressurreição de Cristo: - Em primeiro lugar, Ele subiu para não mais morrer, Romanos 6: 9 . Lemos sobre muitos outros que foram levantadas dos mortos, mas eles se levantaram para morrer novamente. Mas, quando Cristo ressuscitou, ele subiu para não mais morrer, portanto, ele deixou suas mortalhas atrás dele, enquanto Lázaro, que estava para morrer de novo, trouxe-os para fora com ele, como aquele que deve ter a oportunidade de usá-los novamente, mas mais Cristo a morte não tem mais domínio que ele estava morto, de fato, mas ele está vivo, e tão viva que ele vive para sempre, Apocalipse 1:18 . Assim nós temos que subir da sepultura do pecado para nunca mais voltar a ele, nem ter mais comunhão com as obras das trevas, depois de ter deixado que a sepultura, que a terra da escuridão como a própria escuridão. Em segundo lugar, Ele subiu para viver para Deus ( Romanos 6:10 ), para viver uma vida celeste, para receber glória que lhe estava proposta. Outros que foram levantadas dos mortos voltou para a mesma vida em todos os aspectos que tinham antes vivido, mas isso não fez Cristo:. Levantou-se novamente para deixar o mundo Agora eu não estou mais no mundo, João 13: 1,17: 11 . Levantou-se para viver para Deus, isto é, para interceder e regra, e tudo para a glória do Pai. Assim devemos subir para viver para Deus: isto é o que ele chama de novidade de vida ( Romanos 6: 4 ), para viver a partir de outros princípios, por outras regras, com outros objetivos, do que temos feito. Uma vida dedicada a Deus é uma nova vida antes, auto foi o principal e maior efeito, mas agora Deus. Para viver na verdade, é viver com Deus, com os nossos olhos sempre em direção a ele, tornando-se o centro de todas as nossas ações.

 

  1. Ele argumenta das preciosas promessas e privilégios da nova aliança, Romanos 6:14 . Pode-se argumentar que não podemos conquistar e subjugar o pecado, é inevitavelmente muito difícil para nós: "Não", diz ele, "você lutar com um inimigo que pode ser tratada e suave, se você vai, mas manter o seu terreno e ficar para os braços é um inimigo que já está frustrada e perplexa há força depositada no pacto de graça para a sua assistência, se você vai, mas usá-lo. o pecado não terá domínio. " As promessas de Deus para nós são mais poderoso e eficaz para o mortificante do pecado de nossas promessas a Deus. O pecado pode lutar em um crente, e pode criar-lhe uma grande quantidade de problemas, mas não terá domínio pode maltratareis, mas não terá domínio sobre ele. Porque nós não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça, não sob a lei do pecado e da morte, mas sob a lei do espírito de vida, que está em Cristo Jesus, que são acionados por outros princípios do que temos sido: novos senhores, novas leis. Ou, não sob o pacto das obras, o que requer tijolo, e não dá palha, que condena sobre a menos falha, que funciona assim: "Faça isso, e viver não fazê-lo, e morrer", mas sob o pacto da graça, que aceita a sinceridade como a nossa perfeição evangélica, que não exige nada, mas o que promete a força para executar, que é aqui bem ordenada, que toda transgressão na aliança não nos coloca fora da aliança, e especialmente que não deixar a nossa salvação em nossa própria mantendo-se, mas coloca-se nas mãos do Mediador, que se compromete para nós que o pecado não terá domínio sobre nós, quem se condenou, e vai destruí-lo de modo a que, se buscamos a vitória, vamos sair mais que vencedores. Cristo governa por o cetro de ouro da graça, e ele não vai deixar o pecado tenha domínio sobre aqueles que são sujeitos dispostos a essa regra. Esta é uma palavra muito confortável para todos os verdadeiros crentes. Se estivéssemos sob a lei, que foram desfeitas, pois a lei amaldiçoa todo aquele que não continua em todas as coisas, mas estamos sob a graça, a graça que aceita o espírito voluntário, o que não é extremo para marcar o que fazemos de errado, o que deixa espaço para o arrependimento, que promete perdão mediante o arrependimento eo que pode ser para uma mente ingênua um motivo mais forte do que isso não tem nada a ver com o pecado? Havemos de pecar contra tanta bondade, abusar tanto amor? Alguns, talvez, pode sugar o veneno fora desta flor, e disingenuously usar isso como um incentivo para o pecado. Veja como o apóstolo começa em tal pensamento ( Romanos 6:15 ): Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? Deus me livre. O que pode ser mais negro e mal-humorada do que de expressões extraordinárias de um amigo de bondade e boa vontade para tomar ocasião de afrontar e ofendê-lo? Para rejeitar a tais entranhas, para cuspir na cara de tal amor, é aquele que, entre homem e homem, todo o mundo clamariam que vergonha.

 

  1. Ele argumenta a partir da evidência de que este será do nosso estado, fazendo por nós ou contra nós ( Romanos 6:16 ): A quem você deu-vos servos para lhe obedecer, sois servos. Todos os filhos dos homens são ou os servos de Deus, ou servos do pecado estas são as duas famílias. Agora, se quisermos saber para qual destas famílias que pertencem, devemos perguntar ao qual desses mestres que prestar obediência. Nossos obedecendo as leis do pecado será uma prova contra nós que pertencem a essa família na qual a morte está implicado. Como, pelo contrário, a nossa obediência às leis de Cristo vai evidenciar a nossa relação com a família de Cristo.

 

  1. Ele argumenta a partir de sua antiga pecado, Romanos 6: 17-21 , onde se pode observar,

 

(1.) O que tinham sido e feito anteriormente. Temos necessidade de ser sempre lembrava do nosso estado anterior. Paulo frequentemente se lembra respeito a si mesmo, e aqueles a quem ele escreve. [1] Vocês foram os servos do pecado. Aqueles que agora são os servos de Deus faria bem em lembrar o tempo em que eles eram escravos do pecado, para mantê-los humildes, penitente, e vigilante, e para acelerar-los no serviço de Deus. É uma vergonha para o serviço do pecado que tantos milhares têm deixado o serviço, e sacudido o jugo e nunca qualquer que sinceramente abandonou-a e deu-se ao serviço de Deus, voltaram para o antigo trabalho penoso. " Graças a Deus que você fosse assim, ., Isto é, que se fosse assim, mas você ter obedecido Você estava tão graças a Deus que podemos falar dele como uma coisa passada: você fosse assim, mas você não é agora tão . Não, o seu ter sido tão antiga tende muito para o aumento da divina misericórdia e graça na mudança feliz. Graças a Deus que o primeiro pecado é como uma folha e tal estímulo para a sua santidade presente ". [2] Você produziram seus membros para servirem à imundícia, e à maldade para maldade, Romanos 6:19 . É a miséria de um estado pecaminoso que o corpo é feito um burro de carga para o pecado, de que não poderia haver um baser ou uma escravidão mais difícil, como a do filho pródigo que foi enviado para os campos, a apascentar porcos. Você renderam. os pecadores são voluntários no serviço do pecado. O diabo não poderia forçá-los para o serviço, se não deu-se a ela. Isto irá justificar Deus na ruína dos pecadores, que eles venderam-se para trabalhar maldade: era seu próprio ato e ação. Para maldade para maldade. A cada fortalece ato pecaminoso e confirma o hábito pecaminoso: a iniqüidade como a obra para a iniqüidade como a salários. Semeiam o vento, e colhe tempestades crescendo cada vez pior, cada vez mais endurecido. Isso ele fala , à maneira dos homens, isto é, ele busca uma semelhança do que é comum entre os homens, mesmo a mudança de serviços e sujeições. [3] Você estava livre de justiça ( Romanos 6:20 ) não é livre de qualquer liberdade dada, mas por uma liberdade tomada, que é licenciosidade: " Você estava completamente vazio de que o que é bom, - desprovido de qualquer bons princípios , movimentos, ou inclinações, - vazio de toda a sujeição à lei e à vontade de Deus, de toda a conformidade com a sua imagem e isso você foram altamente satisfeitos com, como uma liberdade e uma liberdade, mas uma liberdade da justiça é o pior tipo de escravidão."

 

(2) Como a mudança abençoada foi feito, e em que ele tinha composto.

 

[1] É a obedecer de coração à forma de doutrina que foi entregue a você, Romanos 6:17 . Isto descreve a conversão, o que é que é a nossa conformidade com, e cumprimento, o evangelho que foi entregue a nós por Cristo e seus ministros .-- Margem. Whereto fostes entregues eis hon paredothete - em que fostes entregues. E assim observar, primeiro, A regra de graça, à forma de doutrina - . Typon didaches O evangelho é a grande regra tanto da verdade e santidade que é o selo , a graça é a impressão de que o selo é a forma de palavras de cura, 1 Timóteo 1:13 . em segundo lugar, a natureza da graça, como é a nossa conformidade com essa regra. 1. Trata-se de obedecer a partir do coração. O evangelho é uma doutrina, não só para ser acreditado, mas para ser obedecida, e que a partir do coração, o que denota a sinceridade ea realidade de que a obediência não em profissão única, mas em poder- -da coração, a parte mais interna, a parte comandando de nós. 2. É para ser entregue para ele, como em um molde, como a cera é lançada a impressão do selo, respondendo-lo linha por linha, acidente vascular cerebral por acidente vascular cerebral, e totalmente representando a forma e figura dele. Ser cristão na verdade é para ser transformado à semelhança e similitude do evangelho, nossas almas respondendo a ele, cumprindo com ele, de acordo com ela - o entendimento,, afetos, objectivos, princípios, ações, tudo de acordo com essa forma de doutrina.

 

[2] , libertos do pecado, fostes servos da justiça ( Romanos 6:18 ), servos de Deus, Romanos 6:22 . A conversão é, primeiro, A liberdade do serviço do pecado é a agitação fora desse jugo, a resolução de não ter mais a ver com isso. Em segundo lugar, uma renúncia de nós mesmos para o serviço de Deus e da justiça, a Deus como nosso mestre , a justiça, como o nosso trabalho. Quando estamos libertos do pecado, não é que nós podemos viver como nós lista e ser nossos próprios mestres não: quando são entregues fora do Egito, nós somos, como Israel, levou ao monte santo, para receber a lei , e estão lá trazidos para o vínculo do pacto. Observe, nós não pode ser feita dos servos de Deus, até que somos libertos do poder e do domínio do pecado não podemos servir a dois senhores tão diretamente opostos um ao outro como Deus eo pecado são. Devemos, com o filho pródigo, saia do trabalho penoso do cidadão do país, antes de podermos chegar à casa de nosso Pai.

 

(3.) O que apreensões agora tinham de seu trabalho anterior e forma. Ele apela para si mesmos ( Romanos 6:21 ), se eles não tinha encontrado o serviço do pecado, [1] Um serviço infrutífera: " ? E que fruto tinha você, então ? Alguma vez você receber qualquer coisa por ela Sente-se, e elenco a conta, calculam os seus ganhos, o que fruto tínheis então? " Além das perdas futuras, que são infinitamente grande, os muito presentes ganhos do pecado não são dignos de menção. E que fruto? Nada que merece o nome de fruta. O presente prazer e proveito do pecado não merecem ser chamados de frutas que são, mas palha, arar iniqüidade, semeando a vaidade, e colher o mesmo. [2] É um serviço imprópria é a de que estão agora vergonha --ashamed da loucura, vergonha da sujeira, do mesmo. A vergonha veio ao mundo com o pecado, e ainda é o determinado produto dela - ou a vergonha de arrependimento, ou, se não isso, vergonha eterna e desprezo. Quem iria voluntariamente fazer o que mais cedo ou mais tarde, ele é a certeza de que se envergonhar?

 

  1. Ele argumenta a partir do final de todas estas coisas. é prerrogativa das criaturas racionais que eles são dotados de um poder de perspectiva, são capazes de olhar para a frente, considerando o último estado de coisas. Para convencer-nos do pecado para a santidade aqui estão a bênção ea maldição, bem e mal, vida e morte, colocada diante de nós e estamos a colocar a nossa escolha. (1.) O fim do pecado é a morte ( Romanos 6:21 ): O fim delas é a morte. Embora o caminho pode parecer agradável e convidativo, mas o fim é sombrio: no último morde será amargura em este último fim. o salário do pecado é a morte, Romanos 6:23 . A morte é como devido a um pecador quando ele pecou como os salários são um servo quando ele fez o seu trabalho. Isto é verdade para todos os pecados. Não há pecado em sua própria natureza venial. A morte é o salário do pecado menos. O pecado é aqui representado quer o trabalho para o qual os salários são dadas, ou como o mestre por quem os salários são dadas todos os que são servos do pecado e fazer a obra de pecado deve esperar para ser pago assim. (2.) Se o fruto seja a santidade, se há um princípio ativo de uma verdadeira e crescente graça, o final será a vida eterna - um final muito feliz - Apesar de o caminho ser up-hill, ainda que seja estreita e a vida espinhoso, e rodeia, ainda eterna no final é certo. Assim, Romanos 6:23 , O dom de Deus é a vida eterna. O céu é vida, que consiste na visão e fruição de Deus e é a vida eterna, não há enfermidades que frequentam isso, nenhuma morte para colocar um ponto final para ele. Este é o presente de Deus. A morte é o salário do pecado, se trata de deserto, mas a vida é um dom, ele vem por favor. Pecadores merecem o inferno, mas santos não merecem o céu. Não há proporção entre a glória do céu e da nossa obediência devemos agradecer a Deus e não a nós mesmos, se alguma vez chegarmos ao céu. E este presente é através de Jesus Cristo nosso Senhor. É Cristo que comprou, preparou, nos prepara para isso, nos preserva a ele que ele é o Alfa eo Ômega, Tudo em tudo em nossa salvação.

 

                                    (LIÇÃO N.9)

          Subsidio(3) CPAD jovens romanos 6.1-14

  1. Que diremos, pois, todo este capítulo o apóstolo prova, que os que imaginar que a justiça gratuita nos é dado por ele, além da novidade de vida, vergonhosamente rasgar Cristo em pedaços: não, ele vai mais longe, e refere-se a esta objecção , - que não parece, neste caso, ser uma oportunidade para a exibição de graça, se os homens continuou fixo em pecado. Nós, na verdade sabemos que nada é mais natural do que a carne deve entrar-se sob qualquer pretexto, e também que Satanás deve inventar todos os tipos de calúnia, a fim de desacreditar a doutrina da graça; que para ele não é de forma difícil. Por uma vez que tudo o que é anunciado a respeito de Cristo parece muito paradoxal julgamento humano, ele não deve ser considerado uma coisa nova, que a carne, a audição da justificação pela fé, deve tantas vezes greve, por assim dizer, contra tantos tropeço-pedras . Vamos, no entanto, continuar em nosso curso; nem deixar Cristo ser suprimida, porque é para muitos uma pedra de escândalo e uma pedra de tropeço; Porque, como ele é para a ruína para os ímpios, então ele é o justo para uma ressurreição. Devemos, ao mesmo tempo, nunca para evitar perguntas razoáveis, para que a fé cristã deve aparecer para conter qualquer coisa absurda.

 

O apóstolo agora toma conhecimento dessa acusação mais comum contra a pregação da graça divina, que é isso, - "que se é verdade que quanto mais generosamente e abundantemente vão a graça de Deus nos ajudar, o mais completamente que estão sobrecarregados com a massa do pecado; então nada é melhor para nós do que para ser afundado na profundidade do pecado, e muitas vezes para provocar a ira de Deus com novas infracções; para, em seguida, por fim vamos encontrar mais abundante graça; além do qual nada melhor pode ser desejado. "A refutação desta iremos aqui depois de reunir-se com.

 

verso 2

  1. . De maneira nenhuma Para alguns, o Apóstolo parece apenas ter pretendido indignado reprovar uma loucura tão ultrajante; mas parece de outros lugares que ele comumente usados ​​uma resposta deste tipo, mesmo enquanto carregava em uma longa discussão; como, aliás, ele faz aqui, pois ele procede com cuidado para refutar a calúnia proposto. Ele, no entanto, em primeiro lugar rejeita por uma negativa indignada, a fim de impressionar-lo nas mentes de seus leitores, que nada pode ser mais inconsistente do que a graça de Cristo, o reparador da nossa justiça, deve nutrir nossos vícios.

 

Que morreram para o pecado, etc. Um argumento derivado do que é de um caráter oposto. "Aquele que peca certamente faz para o pecado; já morremos para o pecado através da graça de Cristo; então é falsa, que o que abole o pecado dá vigor a ele "O estado do caso é realmente isso, - que os fiéis nunca são reconciliados com Deus sem o dom da regeneração.; nay, estamos para este fim justificava, - para que possamos posteriormente servir a Deus em santidade de vida. Cristo, de fato não nos purificar pelo seu sangue, nem tornar Deus propício a nós por meio de expiação, de qualquer outra forma que, fazendo-nos participantes de seu Espírito, que nos renova a uma vida santa. Seria, então, a mais estranha inversão da obra de Deus eram pecado a ganhar força por causa da graça que nos é oferecido em Cristo; para a medicina não é um alimentador da doença, que destrói. (183) Devemos ainda ter em mente, o que já referido - que Paulo não declarar aqui que Deus nos encontra a ser, quando nos chama a um união com seu Filho, mas o que nos convém ser, depois que ele teve misericórdia de nós, e nos adotou livremente; para por um advérbio, denotando um tempo futuro, ele mostra que tipo de mudança deve seguir justiça.

 

O mesmo argumento exige esse significado. A questão no primeiro verso, - vamos continuar em pecado "não certamente dizer -? Permaneceremos no ou sob a culpa do pecado? mas em seu serviço, e na prática do mesmo. Foi o capítulo da licenciosidade prática que o Apóstolo refuta; e ele emprega um argumento adequado à finalidade, "Se estamos mortos para o pecado, livre do-lo como nosso mestre, como é absurdo supor que podemos viver mais tempo em seu serviço?" Em seguida, ele mostra no que se segue como isso tinha sido efectuada. Esta é claramente a importação da passagem, e assim tomada por quase todos os comentaristas.

 

Mas ele deve ser adicionado, que [Venema] e [Chalmers] materialmente concordar com [Haldane] O primeiro diz que a "morrer para o pecado" é dar ao pecado o que exige e que é, a morte; e que, quando este é dado, ele pode exigir nada mais. Neste sentido, acrescenta, Cristo morreu para o pecado ( Romanos 6:10 ); e nas mesmas crentes sentido morrer para o pecado, sendo, como são, unidos a Cristo, sua morte está sendo visto como a sua morte. No entanto verdade essa teologia pode ser, (e [Chalmers] mostra isso na sua própria maneira inimitável,) não parece ser ensinado aqui: embora possa haver alguma coisa em uma ou duas expressões favorecê-la; ainda todo o teor da passagem, e muitas das frases, parecem claramente nos constrange a adotar o outro ponto de vista. - Ed.

 

verso 3

  1. Não sabeis , etc. O que ele insinuou no último versículo - que Cristo destrói o pecado do seu povo, ele prova aqui mencionando o efeito do batismo, pelo qual são iniciados em sua fé; por isso está além de qualquer dúvida, que colocamos em Cristo no batismo, e que somos batizados para este fim - para que possamos ser um com ele. Mas Paulo ocupa outro princípio - que são, então, realmente unida ao corpo de Cristo, quando sua morte produz em nós o seu fruto; sim, ele nos ensina, que esta irmandade como a morte é o que deve ser considerado principalmente no batismo; para não lavar sozinha é estabelecido na mesma, mas também a colocação à morte e o morrer do velho. É, portanto, evidente que, quando nos tornamos participantes da graça de Cristo, imediatamente a eficácia da sua morte aparece. Mas o benefício desta bolsa como a morte de Cristo é descrito no que se segue. (184)

 

verso 4

  1. Em seguida, foram sepultados com ele, etc. Ele agora começa a indicar o objeto do nosso tendo sido batizados na morte de Cristo, embora ele ainda não se desdobram-lo completamente; eo objeto é - que nós, mortos para nós mesmos, pode tornar-se novas criaturas. Ele, com razão, faz uma transição de uma comunhão na morte de uma bolsa na vida; para estas duas coisas estão ligadas entre si por um nó indissolúvel - que o velho é destruído pela morte de Cristo, e que sua ressurreição traz justiça e nos torna novas criaturas. E, certamente, uma vez que Cristo foi dado a nós para a vida, para que propósito é que nós morremos com ele, exceto que pode subir para uma vida melhor? E, portanto, não por outra razão faz ele matar o que é mortal em nós, mas que ele pode nos dar vida novamente.

 

Deixe-nos saber, que o apóstolo não se limita a exortar-nos a imitar Cristo, como se ele tivesse dito que a morte de Cristo é um padrão que todos os cristãos devem seguir; sem dúvida, ele sobe mais alto, como ele anuncia uma doutrina, com a qual ele se conecta, como é evidente, uma exortação; e sua doutrina é esta - que a morte de Cristo é eficaz para destruir e demolir a depravação da nossa carne, e sua ressurreição, para efetuar a renovação de uma natureza melhor, e que pelo batismo que são admitidos em uma participação desta graça. Esta fundação que está sendo colocado, os cristãos podem muito apropriadamente ser exortados a se esforçar para responder a seu chamado. Mais distante, não é ao ponto de dizer, que este poder não é aparente em todos os batizados; para Paulo, de acordo com sua maneira habitual, onde ele fala dos fiéis, conecta a realidade e o efeito com o sinal externo; pois sabemos que o que o Senhor oferece pelo símbolo visível é confirmada e ratificada por sua fé. Em suma, ele ensina o que é o verdadeiro caráter do batismo quando corretamente recebido. Assim, ele atesta aos Gálatas, que todos os que foram batizados em Cristo, vos revestistes de Cristo. ( Gálatas 3:27 ). Assim, de fato devemos falar, desde que a instituição do Senhor ea fé dos piedosos se unem; pois nunca ter símbolos nus e vazios, exceto quando nossa ingratidão e maldade dificultam o trabalho de beneficência divina. (185)

 

Pela glória do Pai, isto é, por esse poder ilustre pelo qual ele exibiu-se como realmente gloriosa, e como que se manifesta a grandeza de sua glória. Assim, muitas vezes é o poder de Deus, que foi exercido na ressurreição de Cristo, estabelecido na Escritura em termos sublimes, e não sem razão; por isso é de grande importância, que, tão explícito um registro do poder inefável de Deus, não só a fé na última ressurreição, o que excede em muito a percepção da carne, mas também como a outros benefícios que recebem da ressurreição de Cristo, deve ser altamente recomendado para nós. (186)

 

"Sepultados com ele," significa enterrado como ele, ou de forma idêntica; e assim "crucificado com ele," em Romanos 6: 6 , é o mesmo : συν prefixo verbos, tem claramente este significado. Veja Romanos 8:17 ; Colossenses 3: 1 ; 2 Timóteo 2:11 . "Into morte" não é para ser conectado com "plantada", mas com "batismo", que era "um batismo na morte", isto é, o que representou a morte, até mesmo a morte para o pecado. - Ed.

 

verso 5

  1. Porque, se temos sido enxertados , etc. Ele fortalece em palavras mais claras o argumento de que ele já declarou; para a similitude que ele menciona folhas agora nada duvidoso, na medida em que o enxerto designa não só a conformidade de exemplo, mas uma união secreta, pela qual estamos unidos a ele; para que ele, nos reviver pelo seu Espírito, transfere sua própria virtude para nós. Portanto, como o enxerto tem a mesma vida ou morte em comum com a árvore na qual é enxertado, por isso é razoável que devemos ser participantes da vida nada menos do que da morte de Cristo; pois se somos enxertados de acordo com a semelhança da morte de Cristo, que não foi sem uma ressurreição, então a nossa morte não deve ser sem uma ressurreição. Mas as palavras admitir uma explicação dupla, - tanto que estamos enxertados em Cristo na semelhança da sua morte, ou, que estamos simplesmente enxertados na sua semelhança. A primeira leitura exigiria o dativo grego ὁμοιώματι , para ser entendido como apontar para fora da forma; nem eu negar, mas que tem um significado mais amplo: mas como o outro se harmoniza mais com a simplicidade de expressão, preferi-la; embora ele significa, mas pouco, pois ambos vêm para o mesmo significado. [Crisóstomo] pensou que Paulo usou a expressão "semelhança da morte," para a morte, como ele diz em outro lugar, "que está sendo feito na semelhança dos homens". Mas parece-me que há algo mais significativo na expressão ; por isso não serve apenas para insinuar uma ressurreição, mas também parece indicar isso - que nós não morrer como Cristo uma morte natural, mas que existe uma semelhança entre a nossa ea sua morte; Porque, como pela morte morreu na carne, que ele tinha assumido a partir de nós, então nós também morrer em nós mesmos, para que possamos viver nele. Não é, em seguida, o mesmo, mas uma morte semelhante; pois estamos a notar a ligação entre a morte de nossa vida presente e renovação espiritual.

 

Enxertados , etc. Há uma grande força nessa palavra, e ela mostra claramente, que o apóstolo não exortar, mas sim nos ensine o que benefícios que derivam de Cristo; pois ele não exige nada de nós, o que deve ser feito por nossa atenção e diligência, mas fala do enxerto feito pela mão de Deus. Mas não há nenhuma razão porque você deve procurar aplicar a metáfora ou comparação em cada detalhe; por entre o enxerto de árvores, e isto que é espiritual, uma disparidade em breve encontrar-nos: no primeiro o enxerto extrai seu alimento a partir da raiz, mas mantém a sua própria natureza no fruto; mas neste último não só obtemos o vigor e alimento da vida de Cristo, mas também passar de nossa própria à sua natureza. O Apóstolo, no entanto, quis expressar nada mais, mas a eficácia da morte de Cristo, que se manifesta em colocar à morte nossa carne, e também a eficácia da sua ressurreição, na renovação dentro de nós uma natureza espiritual. (187)

 

Porque, se fomos unidos (ou, conectado) por uma semelhança com sua morte, vamos certamente ser também unidos por uma semelhança de sua ressurreição.

 

O caso genitivo aqui pode ser considerado como o do bem, como o amor de Deus significa às vezes o amor a Deus. Evidentemente, a verdade destinada a ser transmitida é que, assim como a morte do cristão para o pecado traz semelhança com a morte de Cristo, para ele se levantar para uma vida espiritual é certo para suportar uma semelhança semelhante à ressurreição de Cristo. Em seguida, nos seguintes versos isso é mais plenamente explicadas.

 

"O Apóstolo", diz [Beza], "usa o tempo futuro," nós seremos, "porque nós ainda não são totalmente morto, ou totalmente ressuscitado, mas são diárias emergente." Mas o futuro aqui, como [Stuart] observações, pode ser considerado como expressar o que é seguir a morte mencionado anteriormente, ou como designando uma obrigação , como em Mateus 4:10 ; Lc 3:10 ; ou uma certeza quanto ao resultado. - Ed.

 

verso 6

  1. Que o nosso velho homem , etc. O velho, como o Antigo Testamento é assim chamado em referência ao Novo; pois ele começa a ser velho, quando ele está por graus destruídas por uma regeneração início. Mas o que ele quer dizer é toda a natureza que trazemos desde o ventre, e que é tão incapaz de o reino de Deus, que deve, até agora morrer como somos renovados à vida real. Este velho, diz ele, é preso à cruz de Cristo, pelo seu poder, ele é morto, e ele expressamente referida a cruz, que ele pode mostrar mais claramente, que não pode ser de outra forma colocar à morte do que ao tomarmos sua morte. Porque eu não concordo com aqueles que pensam que ele usou a palavra crucificado, em vez de mortos, porque ele ainda vive, e é, em alguns aspectos vigorosa. Na verdade, é um sentimento correto, mas não é adequado para essa passagem. O corpo do pecado, que depois menciona, não significa carne e ossos, mas a massa corrompida; para o homem, deixou à sua própria natureza, é uma massa feita de pecado. (188)

 

Ele aponta o fim para o qual essa destruição é efectuada, quando ele diz, para que possamos não servem mais pecado . É, portanto, segue-se que, desde que somos filhos de Adão, e nada mais do que os homens, estamos em escravidão ao pecado, que nós podemos fazer mais nada, mas o pecado; Mas o que foi enxertado em Cristo, estamos entregues a partir deste miserável escravidão; Não que se imediatamente cessar inteiramente para o pecado, mas que nos tornamos finalmente vitoriosa no concurso.

 

verso 7

  1. Para aquele que está morto , etc. Este é um argumento derivado do que pertence à morte ou a partir de seu efeito. Para se a morte destrói todas as ações da vida, nós que morremos para o pecado deveria cessar a partir dessas acções por ela exercidas durante a sua vida. Tome justificada por libertado ou valorizadas do cativeiro; para que ele se liberta do vínculo de uma taxa, que é absolvido por sentença de um juiz; assim também a morte, por libertar-nos desta vida, nos liberta de todas as suas funções. (189)

 

Mas, ainda que entre os homens não é encontrado nenhum tal exemplo, ainda há nenhuma razão para que você deve pensar, que o que é dito aqui é uma vã especulação, ou despond em suas mentes, porque você encontrar não-vos como do número de pessoas que tem total crucificaram a carne; para esta obra de Deus não está concluída no dia em que se iniciou em nós; mas, gradualmente, continua, e por avanços diários é trazido por graus até o fim. Então, em seguida, tomar isso como a soma do todo, - "Se és um cristão, não deve aparecer em ti uma evidência de uma bolsa de estudos quanto à morte de Cristo; o fruto do que é, para que a tua carne está crucificado juntamente com todos os seus desejos; mas essa comunhão não é para ser considerada como não existente, porque achares que as relíquias da carne ainda vivem em ti; mas o seu aumento deveria ser diligentemente trabalhou para, até que te arrivest de marcar "Na verdade, é bem com nós, se nossa carne está continuamente mortificado.; nem é uma pequena realização, quando o poder reinante, sendo levado para longe dele, é exercido pelo Espírito Santo. Há uma outra comunhão quanto à morte de Cristo, do qual o apóstolo fala muitas vezes, como ele faz em 2 Coríntios 4: 0 , isto é, o rolamento da cruz, que é seguido por uma joint-participação também da vida eterna.

 

verso 8

  1. Mas, se já morremos , etc. Ele repete isso para nenhum outro fim, mas que ele pode juntar em anexo a explicação que se segue, que Cristo, depois de ter ressuscitado, já não morre mais. E nisto ele nos ensina que novidade de vida é para ser perseguido pelos cristãos, enquanto eles vivem; Porque desde que eles devem representar em si mesmas uma imagem de Cristo, tanto por crucificar a carne e por uma vida espiritual, é necessário que o primeiro deve ser feito uma vez por todas, e que este último deve ser realizado em contínuo: não que o carne, como já dissemos, morre em nós em um momento, mas que não deveria retrógrado na obra de crucificar-lo. Porque, se nós rolar novamente em nossa própria sujeira, nós negar a Cristo; dos quais não podemos ser os participators exceto através de novidade de vida, na medida em que ele vive uma vida incorruptível.

 

verso 9

  1. A morte não mais regras sobre ele, etc. Ele parece implicar que a morte uma vez governou sobre Cristo; e, na verdade, quando ele se entregou à morte por nós, ele de uma maneira rendeu e se submeteu ao seu poder; Foi, no entanto, de tal forma que era impossível que ele deve ser mantido ligado pelas suas dores, assim como a sucumbir à ou pode ser engolida por eles. Ele, portanto, submetendo-se a seu domínio, por assim dizer, por um momento, destruiu para sempre. No entanto, a falar de forma mais simples, o domínio da morte é para ser encaminhada ao estado de morte sofrido voluntariamente, que a ressurreição encerrado. O significado é que Cristo, que agora vivifica os fiéis pelo seu Espírito, ou respira a sua própria vida para eles por seu poder secreto do céu, se libertou do domínio da morte, quando ele se levantou, que, em virtude do mesmo domínio que ele poderia tornar gratuitos todos os seus povos.

 

verso 10

  1. Ele morreu uma vez para o pecado, etc. O que ele tinha dito - que, segundo o exemplo de Cristo, são para sempre libertos do jugo da morte, ele agora se aplica a seu propósito presente, e que é isso - que nós não são mais sujeitos à tirania do pecado, e isso ele prova a partir do objeto projetado da morte de Cristo; pois ele morreu para que pudesse destruir o pecado.

 

Mas devemos observar o que é adequado a Cristo nesta forma de expressão; pois ele não é dito para morrer para o pecado, a fim de cessar a partir dele, como as palavras devem ser tomadas quando aplicado a nós, mas que ele sofreu a morte por causa do pecado, que tendo-se tornado ἀντίλυτρον , um resgate, ele pode aniquilar o poder e domínio do pecado. (190) e ele diz que ele morreu uma vez , não só porque ele tem por ter obtido redenção eterna com uma só oferta, e por ter feito uma expiação para o pecado pelo seu sangue, santificou os fiéis para sempre; mas também a fim de que uma semelhança mútua pode existir entre nós. Pois, embora a morte espiritual faz avanços contínuos em nós, estamos ainda propriamente dita morrer apenas uma vez, ou seja, quando Cristo, reconciliando-nos com o seu sangue ao Pai, nos regenera, ao mesmo tempo, pelo poder do seu Espírito.

 

Mas que ele vive , etc. Se você adicionar com ou em Deus, se trata de o mesmo significado; pois ele mostra que Cristo vive uma vida sujeita a nenhuma mortalidade no reino imortal e incorruptível de Deus; um tipo de que deveria aparecer na regeneração dos piedosos. Devemos aqui lembrar a partícula de semelhança, de modo ; pois ele diz que havemos de agora viver no céu, como Cristo vive lá; mas ele faz com que a vida nova, que após a regeneração vivemos na terra, similar à sua vida celeste. Quando ele diz que devemos morrer para o pecado , de acordo com o seu exemplo, não é de se supor que ele seja o mesmo tipo de morte; para nós morremos para o pecado, quando o pecado morre em nós, mas era de outra forma com Cristo; ao morrer era que ele venceu o pecado. Mas ele tinha acabado de dizer antes, que acreditamos que teremos vida em comum com ele, ele mostra totalmente pela palavra acreditar que ele fala da graça de Cristo, pois se ele só recordado de um dever, seu modo de falar teria sido isso, "Desde que nós morremos com Cristo, também nós devemos viver com ele." Mas a palavra acreditar denota que ele trata aqui de doutrina que se baseia nas promessas; como se ele tivesse dito, que os fiéis devem sentir-se seguro de que eles são através da bondade de Cristo morto como a carne, e que o mesmo Cristo vai preservá-los em novidade de vida até o fim. Mas o tempo futuro do verbo ao vivo , não se refere à última ressurreição, mas simplesmente denota o curso continuado de uma nova vida, contanto que peregrinar na terra.

 

É comum com o Apóstolo a adotar a mesma forma de palavras em diferentes sentidos, que só podem ser distinguidos pelo contexto ou por outras partes das Escrituras, como tem sido notado em uma nota em Romanos 4:25 . - Ed.

 

verso 11

  1. Então conte também vós vos , etc. Agora é adicionada uma definição de que a analogia a que me referi. Por ter afirmado que Cristo, uma vez morreu para o pecado e vive para sempre a Deus, ele agora, aplicando-se tanto a nós, lembra-nos como temos agora morrer enquanto viver, isto é, quando renunciar ao pecado. Mas ele omite e não o outro, isto é, como estamos a viver depois de ter pela fé recebeu a graça de Cristo, pois embora o mortificante da carne é apenas começou em nós, mas a vida de pecado é destruído, para que depois novidade espiritual, que é divina, continua perpetuamente. Para exceto Cristo eram para matar o pecado em nós de uma só vez até o fim, sua graça não seria de modo certifique-se e durável.

 

O significado, então, as palavras podem ser assim expressa: "Tome este ponto de vista do seu caso, - que, como Cristo morreu uma só vez com o propósito de destruir o pecado, para que uma vez ter morrido, que no futuro você pode parar de pecar; sim, você deve proceder diariamente com que o trabalho de mortificante, que é iniciado em que, até que o pecado seja totalmente destruída: como Cristo é levantado para uma vida incorruptível, assim que você está regenerado pela graça de Deus, que você pode levar uma vida de santidade e justiça, na medida em que o poder do Espírito Santo, pelo qual fostes renovado, é eterno, e sempre continuará o mesmo. "Mas eu prefiro a reter as palavras de Paulo, em Cristo Jesus , em vez de traduzir com [Erasmus], por meio de Cristo Jesus; porque assim o enxerto, o que nos torna um com Cristo, é melhor expressa.

 

verso 12

  1. Não deixar o pecado, então , etc. Ele agora começa com a exortação, o que naturalmente surge a partir da doutrina que ele tinha entregue respeitando a nossa comunhão com Cristo. Embora o pecado habita em nós, é incoerente que ele deve ser tão vigoroso como exercer o seu poder reinante; para o poder da santificação deve ser superior a ela, para que a nossa vida pode testemunhar que estamos realmente os membros de Cristo. Eu já lhe lembrou que a palavra corpo não é para ser tomado por carne e pele e ossos, mas, por assim dizer, para o conjunto do que é o homem. (191) Isto pode, sem dúvida, ser inferida a partir da passagem; para a outra cláusula, que ele imediatamente subjoins respeitando os membros do corpo, inclui também a alma: e, portanto, de uma maneira depreciativa que Paulo designar homem terrestre, por devido à corrupção de nossa natureza que aspiram a nada digno de nosso original. Assim também que Deus diz em Gênesis 6: 3 ; onde ele se queixa de que o homem foi-se carne como os animais irracionais, e, portanto, permite-lhe nada, mas o que é terrestre. Para a mesma finalidade é a declaração de Cristo, ( "O que é nascido da carne é carne." João 3: 6 ). Mas se algum faz essa objeção - que o caso com a alma é diferente; a esta a resposta imediata - que em nosso estado degenerado presente nossas almas são fixadas à terra, e assim por escravos de nossos corpos, que caíram de sua própria superioridade. Em uma palavra, a natureza do homem é dito ser corpóreo, porque ele é destituído de graça celestial, e é apenas uma espécie de sombra vazio ou imagem. Podemos acrescentar, que o corpo, por meio de desprezo, é dito por Paulo para ser mortais , e isso para nos ensinar, de que toda a natureza do homem tende a morte e ruína. Ainda mais, ele dá o nome de pecado para a depravação original, que habita em nossos corações, e que nos leva a pecar, e da qual atos de fato todo o mal e abominações transmitir diante. No meio, entre o pecado ea nós, ele coloca concupiscências, como o primeiro tem o ofício de um rei, enquanto desejos são os seus decretos e comandos.

 

verso 13

  1. Nem apresentar seus membros , etc. Quando uma vez que o pecado tenha obtido o domínio em nossa alma, todas as nossas faculdades são continuamente aplicada ao seu serviço. Ele, portanto, descreve aqui o reino do pecado pelo que o segue, que ele pode mostrar mais claramente o que deve ser feito por nós, se iria sacudir seu jugo. Mas ele pede uma similitude do escritório militar, quando ele chama de nossos membros armas ou armas ( Arma ); (192) , como se dissesse: "Como o soldado tem sempre seus braços prontos, para que ele possa usá-los sempre que ele é ordenado por seu general, e, como ele nunca usa-los, mas em seu comando; por isso os cristãos devem considerar todas as suas faculdades para ser as armas da guerra espiritual: se, em seguida, eles empregam qualquer um de seus membros na condescendência da depravação, eles estão a serviço do pecado. Mas eles fizeram o juramento de soldados para Deus e para Cristo, e por isso eles estão sujeitava:. Que, portanto, cabe a eles para estar longe de qualquer relação com os campos do pecado "- Aqueles também podem aqui ver com que direito eles orgulhosamente reivindicar o nome cristão, que têm todos os seus membros, como se fossem as prostitutas de Satanás, preparados para cometer todo tipo de abominação.

 

Por outro lado, ele agora nos convida a nos apresentar inteiramente a Deus, de modo que restringindo nossas mentes e corações de todas as peregrinações em que os desejos da carne pode nos chamar, nós podemos considerar a vontade de Deus sozinho, estar pronto para receber seus mandamentos, e preparado para executar suas ordens; e que nossos membros podem também ser dedicado e consagrado a sua vontade, de modo que todas as faculdades, tanto da nossa alma e do nosso corpo pode aspirar depois de nada, mas a sua glória. A razão para isso também é adicionado - que o Senhor, tendo destruído a nossa vida anterior, não em vão criou-nos para outro, o que deve ser acompanhado com medidas adequadas.

 

verso 14

  1. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, etc. Não é necessário continuar por muito tempo em repetir e confuting exposições, que têm pouca ou nenhuma aparência de verdade. Não é aquele que tem mais probabilidade a seu favor do que o resto, e é esta - que, por lei , devemos entender a letra da lei, o que não pode renovar a alma, e por graça , a graça do Espírito, pelo qual somos libertos das paixões depravadas. Mas isso eu não inteiramente aprovar; para se tomarmos este significado, o que é o objeto da questão que segue imediatamente, "Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei?" Certamente o apóstolo nunca teria colocado esta questão, se ele não tivesse entendido, que são libertados a partir do rigor da lei, de modo que Deus não nos trata de acordo com as altas exigências da justiça. Então, não há dúvida de que ele queria dizer aqui para indicar alguma liberdade da própria lei de Deus. Mas deixando de lado a controvérsia, vou explicar brevemente a minha vista.

 

Parece-me, que há aqui especialmente um consolo oferecido, pelo qual os fiéis devem ser reforçadas, para que não desmaiar em seus esforços depois de santidade, através de uma consciência da própria fraqueza. Ele os havia exortado a devotar todas as suas faculdades ao serviço da justiça; mas como eles carregam com eles as relíquias da carne, eles não podem fazer outra coisa senão caminhar um pouco sem jeito. Por isso, para ser dividido por uma consciência da sua doença devem desalentar, ele sazonalmente vem em seu auxílio, através da interposição de um consolo, derivada desta circunstância - que as suas obras não estão agora testado pela regra estrita da lei, mas a Deus, remetendo a sua impureza, faz gentil e misericordiosamente aceitá-los. O jugo da lei não pode fazer outra coisa senão rasgo e esmagará aqueles que carregá-lo. É, portanto, segue-se que os fiéis devem fugir para Cristo, e implorar para ser o defensor de sua liberdade; e, como tal, ele exibe a si mesmo; para ele foi submetido a escravidão da lei, a que ele próprio não devedor, para este fim - de que ele poderia, como o Apóstolo diz, resgatar os que estavam sob a lei.

 

Assim, não estar sob a lei significa não só que não estamos sob a carta que prescreve o que nos envolve em culpa, já que não são capazes de realizá-lo, mas também que não estamos mais sujeitos à lei, de modo a exigir perfeita justiça, e da morte pronunciar-se sobre todos os que se desviam-lo em qualquer parte. Da mesma maneira, pela palavra graça , devemos entender ambas as partes da redenção - a remissão dos pecados, pelo qual Deus atribui justiça para nós, - e a santificação do Espírito, por quem nos forma de novo para as boas obras. A partícula adversativa, [ ἀλλὰ , mas ,] eu tomo no sentido de alegar uma razão, que não é raro o caso; como se dizia - "Nós, que estão sob a graça, não são, portanto, sob a lei".

 

O sentido agora é clara; para o Apóstolo destinados para nos confortar, para que não devem ser cansado em nossas mentes, enquanto se esforça para fazer o que é certo, porque ainda encontramos em nós mesmos muitas imperfeições. Para por mais que sejamos perseguidos pelas picadas de pecado, ele ainda não pode superar-nos, pois somos capazes de conquistá-la pelo Espírito de Deus; e, em seguida, sendo debaixo da graça, somos libertos os rigorosos requisitos da lei. Devemos ainda compreender, que o apóstolo assume isso como certo, que todos os que estão sem a graça de Deus, presos sob o jugo da lei, estão sob condenação. E assim podemos por outro lado, concluir que, enquanto eles estão debaixo da lei, estão sujeitos ao domínio do pecado. (194)

 

 

 

 

 

 

 

PAZ DO SENHOR FORAM POSTADOS 2 SUBSIDIOS LIÇÃO N.8 JOVENS.

 

   SUBSIDIO n.1 CPAD JOVENS N.2 SALVOS PELA GRAÇA

                                   Romanos 6.1-7.

1 - Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça seja mais abundante?

2 - De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?

3 - Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?

4 - De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.

5 - Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;

6 - sabendo isto: que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, a fim de que não sirvamos mais ao pecado.

7 - Porque aquele que está morto está justificado do pecado.

Professor, antes de lecionar o tema da lição, comente com os alunos a respeito da influência da Epístola aos Romanos na vida do maior avivalista inglês, John Wesley. Use o texto a seguir como referência. O Avivamento Evangélico do século XVIII teve na figura de John Wesley o seu mais destacado representante. Mas, nem todos sabem que a Carta aos Romanos foi responsável pela profunda renovação espiritual de Wesley. O renovo espiritual que sacudiu a Inglaterra, na verdade, iniciou em 24 de maio de 1738, quando Wesley visitou uma comunidade cristã na rua Aldersgate. Naquela noite, estava sendo lido o Prefácio de Lutero concernente a Epístola aos Romanos. Assim Wesley se expressou em seu diário, às oito horas e quarenta e cinco minutos: “[...] enquanto ele estava descrevendo a mudança que Deus opera no coração pela fé em Cristo, senti meu coração aquecer-se estranhamente. Senti que confiava em Cristo, somente em Cristo, para a minha salvação. Foi me dada a certeza de que Ele tinha levado embora os meus pecados, sim, os meus. E me salvado da lei do pecado e da morte”.

No capítulo 5.12-21, Paulo descreve a libertação do crente a partir da ação salvífica e graciosa de Jesus Cristo. Na desobediência de Adão, o pecado abundou, mas na obediência de Jesus, a graça superabundou (v.20). Cristo, pelo seu ato, garante a justificação ao que crê (5.1). No capítulo 6.1-23, entretanto, a salvação graciosa de Deus é apresentada ao fiel, mas este precisa corresponder à realidade da nova vida em Cristo. O crente regenerado, cuja graça de Deus manifestou-se em sua vida, deve rejeitar o pecado e produzir frutos santos (v.22).

Dois conceitos distorcidos operavam entre os crentes. O primeiro era que a obediência à lei mosaica justificava o homem diante de Deus (3.20). Logo, a graça é ineficiente, pois necessita da lei. O segundo é que a graça isenta o indivíduo das obrigações morais (6.1). Por conseguinte, a graça é contraditória, pois liberta o homem para que este peque mais. Estas duas posições torcem a graça de Deus e, por isso, Paulo as combate.

DIDÁTICA

As perguntas investigativas prendem a atenção, desenvolvem o raciocínio e permitem a participação ativa dos alunos. Então, que tal elaborar algumas questões sobre o tema central da lição, “Salvação pela Graça”. Utilize-as para introduzir a lição e observe as que podem ser trabalhadas nesta lição. Relacione-as no quadro-de-giz. Qual é a principal função da lei em relação ao pecado? O crente pode ser justificado pelas obras da lei (Rm 3.20)? Se a lei não salva, que compromisso temos com ela? O que significa ser salvo pela graça por meio da fe (Ef 2.8-10)?

Os versículos 4 e 5 da Leitura Bíblica em Classe destacam a expressão “com ele”, demonstrando claramente os dois modos pelos quais o crente é identificado com Cristo. Peça aos alunos que, baseados nos versículo supracitados, respondam quais são estes dois modos de identificação.

 

À medida que avançamos no estudo da Epístola de Paulo aos Romanos, duas afirmações doutrinárias tornam-se evidentes. Primeira, o homem é salvo mediante a graça de Deus, sem as obras da lei (Rm 3.24; 4.16; 5.2,15,18; Gl 2.16,21; 3.2).

Segunda, a graça não autoriza o crente a pecar, para que seja manifestada com mais profusão. Pelo contrário, liberta o homem do poder do pecado (Rm 5.20, 6.1,2,11-15).

 

  1. COMPREENDENDO A GRAÇA
  2. Definição. O termo graça, do original charis, é usado cerca de cem vezes nas epístolas paulinas. Destas, vinte e quatro aparecem apenas em Romanos (1.5,7; 3.24; 4.4; 4.16; 5.2,15,17,18,20,21; 6.1,14,15; 11.5,6; 12.3,6; 15.15; 16.20,24). Na Antiga Aliança, o termo hebraico hesed corresponde ao sentido do Novo Testamento. Em diversas passagens é traduzido por “favor”, “misericórdia”, “bondade amorosa”, ou “graça que procede de Deus” (Êx 34.6; Ne 9.17; Sl 103.8; Jn 4.2).

No contexto da doutrina da salvação, charis é o dom ou favor imerecido de Deus, mediante o qual os homens são salvos por meio de Cristo (Ef 1.7; 2.5,8; Rm 3.24; Tt 2.14).

  1. A extensão da graça. Estudar a respeito da graça de Deus implica descrever os principais ramos da doutrina da salvação: o perdão (At 10.43), a salvação (Tt 2.11; Rm 1.16), a regeneração (Tt 3.5), o arrependimento (At 11.18; Rm 2.4) e o amor divino (Jo 3.16; Rm 5.8).

A graça de Deus é dinâmica. Não somente salva, mas vivifica aqueles que estão destruídos pelo pecado, capacitando-os a viver em santidade (Ef 2.1-8). O capítulo 6 de Romanos mostra que a vida cristã requer santidade. Na igreja em Roma, muitos acreditavam que, se a salvação é pela fé, então, cada um podia fazer o que bem desejasse. Se a lei não salva, temos algum compromisso com ela? Paulo, portanto, escreve para evitar o mal-entendido. Somos salvos pela graça, por meio da fé (Ef 2.8-10). No entanto, a fé não anula a lei, mas a estabelece (Rm 3.30-31).

 

  1. A CONTESTAÇÃO DA DOUTRINA DA GRAÇA

Havia duas correntes antibíblicas no período apostólico que procuravam contestar a doutrina da graça: o legalismo e o antinomismo.

  1. Legalismo. Segundo este, só se adquire a salvação e a excelência moral mediante a lei mosaica. Este sistema, defendido por certos judeus cristãos em Roma, ensinava que a justificação era decorrente das obras da Lei (Rm 3.27-31; Gl 3-4). Paulo os exorta: “Nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei” (Rm 3.20).
  2. Antinomismo. O termo significa “contrário à lei”. Os antinomianos acreditavam que podiam viver no pecado e, ainda assim, estarem livres da condenação eterna (Rm 6.1-7; 3.7; 4.1-25). Segundo os adeptos dessa teoria, uma vez que o homem foi justificado pela fé em Cristo, nenhuma obrigação moral é necessária agora. O apóstolo os persuade: “Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis, então, da liberdade para dar ocasião à carne” (Gl 5.13; Rm 6.1-3).

 

III. OS RELACIONAMENTOS DA GRAÇA

  1. Graça e justificação (Rm 3.24; 5.18). A graça de Deus garante gratuitamente a justificação em Cristo Jesus. Através da morte expiatória de Cristo, a graça manifestou-se aos homens, garantindo-lhes a justificação e a vida eterna.
  2. Graça e redenção (Tt 2.11,14; Rm 3.24; Ef 1.7). Segundo as Escrituras: “A graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens”. Cristo trouxe-nos completa redenção (1 Co 1.30); comprou a todos com o seu sangue (Ap 5.9; Cl 1.14); redimiu-nos da maldição da lei e de nossos pecados (Gl 3.13; Ef 1.7; Cl 1.14); e, por meio do Espírito, selou-nos para o dia da redenção (Ef 4.30; Rm 8.23), segundo as riquezas da graça (Ef 1.7,14).
  3. Graça e purificação (Tt 2.11-14b). A graça salvadora não apenas ensina os homens a renunciarem a vil concupiscência, a impiedade e as mazelas morais da sociedade rebelada contra Deus, mas também capacita o crente a viver sóbria, justa e piamente no presente século. Vejamos o que se deve esperar de alguém cheio da graça de Deus.
  4. a) Evitar a impiedade. A impiedade é uma categoria de pecado que se opõe à piedade (Jd v.4). Logo, inclui tudo o que a pessoa faz sem considerar a Deus e as suas leis morais (Sl 10.13; Rm 1.18). O ímpio não reconhece nem admite sua dependência de Deus (Sl 10.3,4). Os pecados de impiedade incluem: a blasfêmia contra Deus (Sl 10.13); a malícia (Sl 34.21); a violência (Sl 140.4) e as iniqüidades (Pv 5.22). O cristão deve rejeitar a impiedade (Tt 2.12a), pois os que negligenciam a piedade serão condenados (Jd vv.14,16).
  5. b) Evitar as paixões mundanas. Ser ímpio constitui não apenas uma maneira de pensar, mas um estilo de vida específico (Jd vv.15,16). Os ímpios são materialistas e sensuais (2 Pe 2.12-14) e buscam as coisas que conduzem aos apetites carnais (Rm 1.18). Em lugar do Reino e da justiça de Deus, procuram tudo o que satisfaça seus desejos pecaminosos desregrados (Tt 2.12b; Ef 2.3; 1 Pe 4.2; 1 Jo 2.15-17).
  6. c) Viver vida sensata. A palavra sensato, no original (sophroneo), quer dizer “de mente sã”, “mente sóbria” ou “temperante”. Este termo se refere à prudência e ao autocontrole proveniente de uma reflexão criteriosa. O temperante é alguém que não se deixa dominar pela ansiedade; é alguém que pondera seus atos e suas respectivas conseqüências de acordo com a Palavra de Deus (1 Tm 3.2; Gl 5.22; Tt 2.8-12; 2 Pe 2.3-8; At 24.25).
  7. d) Viver justa e piedosamente. A graça de Deus possibilita ao crente uma vida justa e piedosa diante de Deus e dos homens. O termo “piedoso” refere-se ao cristão que é reverente a Deus e que pratica o bem em todos os seus relacionamentos (2 Pe 3.11; 2 Tm 3.12; Tt 2.12; At 10.2,7; 2 Pe 2.9). Uma pessoa piedosa tem como centro a vontade de Deus em todos os seus caminhos (Pv 3.5,6; 1 Co 10.31).Nesta lição, aprendemos que a graça de Deus é imensurável. Ela inspira e cultiva. Santifica e transforma. Tudo isso vai muito além do que a lei confere, tornando a salvação da alma um empreendimento divino, embora, mediante a fé, seja necessária uma resposta positiva do homem (Ef 2.8-10).

                               “A graça liberta-nos

Em Romanos 6, Paulo faz-nos a pergunta crucial: ‘Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele?’ (v.2). Como podemos nós, que temos sido justificados, não viver justamente?

Como podemos nós, que temos sido amados, não amar também? Como podemos nós, que temos sido abençoados, não abençoar? Como podemos nós, a quem se oferece a graça, não viver graciosamente?

Paulo parece chocado com tal possibilidade! Como poderia a graça resultar em qualquer coisa que não um viver gracioso? ‘Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma!’ (vv.1,2a).

O termo para esta filosofia é antinomianismo: anti significa ‘contra’, e nomi, ‘lei moral’. Os promotores da idéia vêem a graça mais como uma razão para se fazer o mal, do que para fazer o bem. A graça concede-lhes um brevê para o mal. Quanto piores forem os meus atos, melhor Deus aparecerá. Esta não é a primeira referência de Paulo sobre o assunto. Lembra de Rm 3.7? ‘Mas, se pela minha mentira abundou mais a verdade de Deus para glória sua, por que sou eu ainda julgado também como pecador?’.

Que desculpa! Ninguém respeitaria um mendigo que recusasse trabalho, alegando: ‘Estou dando ao governo a oportunidade de demonstrar sua benevolência’. Zombaríamos de tal hipocrisia. Não a toleraríamos, e não a cometeríamos” (LUCADO, M. Nas garras da graça. RJ: CPAD, 1999, p.111).FONTE CPAD  

 

 

     SUBSIDIO(2) JOVENS CRISTO E GRAÇA RM 5.15-21

                               LIÇÃO N.8

verso 15

15.But não como a ofensa, etc. Agora segue a retificação ou a conclusão da comparação já introduzida. O apóstolo não, no entanto, muito minuciosamente indicar os pontos de diferença entre Cristo e Adão, mas ele evita erros em que nós poderiam facilmente cair, e o que é necessário para uma explicação vamos adicionar. Embora ele menciona muitas vezes a diferença, mas há nenhuma dessas repetições em que não há uma falta de uma cláusula correspondente, ou em que não há, pelo menos, uma elipse. Tais casos são de fato defeitos em um discurso; mas eles não são prejudiciais para a majestade de que a sabedoria celestial que nos é ensinado pelo apóstolo; ele tem, pelo contrário, por isso aconteceu através da providência de Deus, que os maiores mistérios foram entregues para nós na feição de um estilo humilde, (168), a fim de que a nossa fé não depende da potência da eloqüência humana, mas sobre o funcionamento eficaz do Espírito sozinho.

 

Ele não é, de facto, mesmo agora fornecer expressamente a deficiência da frase anterior, mas simplesmente nos ensina que há uma maior medida de graça adquiridos por Cristo, do que de condenação introduzido pelo primeiro homem. O que alguns pensam, que o apóstolo traz aqui uma cadeia de raciocínio, eu não sei se ele será considerado por todos suficientemente evidente. Com efeito, pode ser justamente inferido, que, desde a queda de Adão teve um efeito de molde a produzir a ruína de muitos, muito mais eficaz é a graça de Deus para o benefício de muitos; na medida em que é admitido, que Cristo é muito mais poderosa para salvar, do que Adão era destruir. Mas, como eles não podem ser refutadas, que desejam fazer a passagem sem essa inferência, estou querendo que eles devem escolher um desses pontos de vista; embora o que vem depois segue não pode ser considerado uma inferência, mas é o mesmo significado. É, portanto, provável que Paul retifica, ou por meio de modifica exceção, o que ele tinha dito sobre a semelhança entre Cristo e Adão.

 

Mas observar que um número maior (plures) não estão aqui em contraste com muitos (multis,) para que ele não fala do número de homens: mas como o pecado de Adão destruiu muitos, ele tira essa conclusão, - que a justiça de Cristo não será menos eficaz para salvar muitos. (169)

 

Quando ele diz, por uma só ofensa, etc., compreendê-lo no sentido de este, - que a corrupção tem dele desceu para nós, pois que não perecem por culpa dele, como se fôssemos irrepreensível; mas como seu pecado é a causa do nosso pecado, Paulo atribui a ele nossa ruína: o nosso pecado Eu chamo isso de que é implantada em nós, e com a qual nascemos.

 

A graça de Deus eo dom de Deus através da graça, etc. Graça está devidamente definido em oposição ao crime; o dom que provém de graça, até a morte. Daí graça significa a bondade gratuita de Deus ou amor gratuito, da qual ele nos deu uma prova em Cristo, para que pudesse aliviar a nossa miséria: e presente é o fruto dessa misericórdia e vem para nós, até mesmo a reconciliação, através da qual obtivemos vida e salvação, a justiça, a novidade de vida, e todas as outras bênçãos. Por isso, vemos como absurdamente escolásticos ter definido a graça, que têm ensinado que é nada mais do que uma qualidade infundido nos corações dos homens: por graça, propriamente falando, está em Deus; eo que está em nós é o efeito da graça. E ele diz, que é por um homem; para o Pai fez dele a fonte de cuja plenitude todos devem desenhar. E assim ele nos ensina, que nem mesmo a menor gota de vida pode ser encontrado fora de Cristo, - de que não há outro remédio para a nossa pobreza e querem, do que aquilo que ele nos transmite a partir de sua própria abundância.

 

Toda esta passagem, 12-19, é construído de acordo com o modelo do estilo hebraico; e quando bem compreendido, ele aparecerá para conter nenhum desses defeitos atribuídos a ele. - Ed.

 

"O muitos" são chamados de "todos" no versículo Romanos 5:18, e novamente, "os muitos", em Romanos 5:19. Eles são chamados de "muitos" e "todos" iguais no que diz respeito tanto a Adão e Cristo. Alguns sustentam que os termos têm a mesma extensão nos dois casos. Que toda a raça do homem é significado nos casos um não pode ser posta em dúvida: e não há qualquer razão para que toda a raça humana não deve ser incluído na segunda? Mais claramente que existe. O apóstolo fala de Adão e sua posteridade, e também de Cristo e seu povo, ou aqueles "que recebem a abundância da graça", ou, "são feitos justos", e "muitos" e "todos" são, evidentemente, aqueles que pertencem para cada um separadamente. De nenhuma outra forma podem as palavras com toda a consistência ser compreendido. Todos os que caiu em Adão não certamente "recebem a abundância da graça", e não são "feitos justos." E isso não é possível, como Professor [Hodge] observa, "para estripar tais declarações como estas, a fim de torná-los para não contêm nada mais do que isso a chance de salvação é oferecida a todos os homens. "Esta é certamente contrária aos fatos evidentes. Também não podem dizer, que uma forma de aceitação foi aberto, que é adequado para todos; para que isto seja verdadeiro, ele ainda não pode ser o significado aqui. Daí "muitos" e "todos", como a Adão, estão todos os seus descendentes; e "muitos" e "todos", como a Cristo, são aqueles que crêem. - Ed.

 

verso 16

16.This é especialmente uma explicação do que ele tinha dito antes, - que por uma culpa ofensa emitido na condenação de todos nós, mas que a graça, ou melhor, o dom gratuito, é eficaz para a nossa justificação de muitas ofensas. Na verdade, é uma expansão do que o último verso contém; pois ele não tinha até então expressas, como ou em que medida Cristo destacou Adam. Esta diferença a ser resolvido, parece evidente que a sua opinião é ímpio, que ensinou que nós recuperamos mais nada por Cristo, mas a liberdade do pecado original ou a corrupção derivada de Adão. Observe também, que estes muitas ofensas, a partir do qual ele afirma que são liberados por meio de Cristo, não deve ser entendido apenas por aqueles que cada um deve ter cometido antes do batismo, mas também daqueles pelos quais os santos contrato novo culpa diária; e por conta de que eles seriam justamente expostos à condenação, se não fossem continuamente aliviada por esta graça.

 

Ele define presente em oposição ao julgamento: por este último, ele significa estrita justiça; pelo ex-perdão, gratuita. A partir de estrita justiça vem condenação; de perdão, absolvição. Ou, o que é a mesma coisa, fosse Deus para lidar com nós de acordo com a justiça, todos nós devemos ser desfeita; mas ele nos justifica livremente em Cristo.

 

verso 17

17.For se a ofensa de um, etc. Ele novamente subjoins uma explicação geral, em que ele ainda mora mais longe; pois era de nenhuma maneira o seu propósito de explicar todas as partes do assunto, mas de indicar os pontos principais. Ele havia antes declarado, que o poder da graça tinha ultrapassado a do pecado, e por isso ele se consola e fortalece os fiéis, e, ao mesmo tempo, estimula e encoraja-os a meditar sobre a benignidade de Deus. Na verdade, o projeto de tão estudiosa uma repetição era, - que a graça de Deus pode ser dignamente estabelecido, que os homens poderiam ser levados de auto-confiança para confiar em Cristo, que tendo obtido sua graça eles podem desfrutar de plena certeza; e, portanto, por fim surge a gratidão. A soma do todo é isto - que Cristo supera Adam; o pecado de um é superado pela justiça de outro; a maldição de um é apagada pela graça do outro; a partir de um, procedeu morte, a qual é absorvida pela vida que as outras confere.

 

Mas as partes de esta comparação não correspondem; em vez de adicionar, "o dom da vida reinará mais plenamente e florescer através da exuberância da graça", diz ele, que "os fiéis devem reinar," o que equivale à mesma coisa; para o reinado do fiel é na vida, e o reinado de vida está no fiéis.

 

Pode ainda ser útil notar aqui a diferença entre Cristo e Adão, que o Apóstolo omitido, não porque ele considerou sem importância, mas não relacionada com o seu tema presente.

 

A primeira é que, pelo pecado de Adão não estamos condenados através de imputação sozinho, como se nós foram punidos apenas para o pecado do outro; mas sofremos o seu castigo, porque também nós somos culpados; por tanto a nossa natureza está viciada nele, é considerado por Deus como tendo cometido o pecado. Mas pela justiça de Cristo somos restaurados de uma forma diferente para a salvação; por isso não é dito para ser aceito por nós, porque está em nós, mas porque possuímos o próprio Cristo com todas as suas bênçãos, como dado a nós através da bondade abundante do Pai. Daí o dom da justiça não é uma qualidade com que Deus nos concede, como alguns absurdamente explicar, mas a imputação gratuita da justiça; para o Apóstolo declara claramente o que ele entendia pela palavra graça. A outra diferença é que o benefício de Cristo não veio para todos os homens, enquanto Adam tem envolvido toda a sua raça na condenação; ea razão disto é fato evidente; para que a maldição que derivam de Adam é transmitida a nós por natureza, não é de admirar que ele inclui toda a massa; mas para que possamos chegar a uma participação da graça de Cristo, devemos ser enxertados no capricho pela fé. Assim, a fim de participar da miserável herança do pecado, é suficiente para ti, para ser homem, porque habita na carne e sangue; mas, a fim de aproveitar a justiça de Cristo é necessário para ti ser um crente; para uma participação dele é alcançada somente pela fé. Ele é comunicada às crianças de uma forma peculiar; pois eles têm por convênio o direito de adoção, pelo qual passaremos àqueles uma participação de Cristo. (172) das crianças dos piedosos eu falo, a quem se destina a promessa de graça; para os outros não são de forma isentos da sorte comum.

 

verso 18

18.Therefore, etc. Esta é uma sentença com defeito; será completa se as palavras condenação e justificação ser lido no caso nominativo; como, sem dúvida, você deve fazer a fim de completar o sentido. Temos aqui a conclusão geral a partir da comparação anterior; para, omitindo a menção a explicação intervir, ele agora completa a comparação ", assim como por uma só ofensa que foram feitas (constituem) pecadores; de modo que a justiça de Cristo é eficaz para nos justificar. Ele não diz a justiça - δικαιοσύνην, mas a justificação - δικαίωμα, (173) de Cristo, a fim de lembrar-nos que ele não era como um indivíduo apenas para si mesmo, mas que a justiça com a qual ele foi dotado chegou mais longe, em ordenar que, ao conferir este presente, ele pode enriquecer os fiéis. Ele faz esse favor comum a todos, porque é proposto a todos, e não porque é, na realidade, estendida a todos; pois embora Cristo sofreu pelos pecados de todo o mundo, e é oferecido através de benignidade de Deus indiscriminadamente a todos, mas todos não recebê-lo. (174)

 

Estas duas palavras, que ele tinha antes usados, julgamento e de graça, também podem ser introduzidos aqui nesta forma, "Como foi através do juízo de Deus que o pecado de um emitido na condenação de muitos, a graça vai ser eficaz para a justificação de muitos. "justificação de vida é para ser tomado, em meu julgamento, para a remissão, que restaura a vida para nós, como se ele a chamou vivificante. (175) Para onde vem a esperança da salvação, a não ser que Deus é propício para nós; e temos de ser justos, a fim de ser aceite. Então, a vida procede de justificação. (176)

 

18.So então, como através de uma transgressão era, como a todos os homens, para condenação; assim também por um só a justiça é, como a todos os homens, para justificação de vida.

 

Isto concorda melhor com o seguinte verso, embora o significado é substancialmente o mesmo com o que é dado na nossa versão. - Ed.

 

verso 19

19.Isso não é tautologia, mas uma explicação necessária do ex-verso. Para ele mostra que somos culpados pela ofensa de um homem, de tal forma a não ser nós mesmos inocente. Ele havia dito antes, que estamos condenados; mas que ninguém pode reivindicar para si a inocência, ele também subjoined, que cada um é condenado, porque ele é um pecador. E então, como ele declara que nós somos feitos justos pela obediência de Cristo, portanto, concluir que Cristo, em satisfazer o Pai, providenciou uma justiça para nós. Segue-se então, que a justiça está em Cristo, e que é para ser recebido por nós como o que peculiarmente pertence a ele. Ele, ao mesmo tempo mostra que tipo de justiça é, chamando-a obediência. E aqui vamos nós, especialmente observar o que temos de trazer à presença de Deus, se nós procuramos ser justificados pelas obras, mesmo a obediência à lei, e não a esta ou àquela parte, mas em todos os aspectos perfeita; pois quando um homem só cai, toda a sua ex-justiça não será lembrado. Também podemos, portanto, aprender, como falsa são os esquemas que tomarem para pacificar Deus, que de si mesmos conceber o que elas obstruem ele. Para só então nós realmente adorá-lo quando seguimos o que ele nos ordenou, e prestar obediência à sua palavra. Longe, em seguida, com aqueles que confiantemente reivindicar a justiça de obras, que não possa existir do que quando há uma observância plena e completa da lei; e é certo que este é longe de ser encontrada. Aprendemos também, que são loucamente tolo que glorie perante Deus de obras inventadas por eles mesmos, que ele considera como as coisas mais imundos; para a obediência é melhor do que sacrifícios.

 

verso 20

20.But a lei interveio, etc. Este assunto depende do que ele havia dito antes - que havia pecado perante a lei foi publicado. Sendo este o caso, então segue-se imediatamente esta questão - Com que finalidade a lei foi dada? Era, portanto, necessário para resolver esta dificuldade; mas como uma digressão já não era adequado, adiou o assunto e tratadas-lo em outro lugar: e agora pela forma como ele só diz que a lei entrou, (178) que o pecado abundasse; pois ele não descreve aqui todo o escritório e uso da lei, mas só toca em uma parte, que serviu o seu propósito presente. Ele realmente nos ensina, que era necessário que a ruína dos homens devem ser mais plenamente descoberto a eles, a fim de que uma passagem pode ser aberto para o favor de Deus. Eles estavam realmente naufragou antes de a lei foi dada; como no entanto eles pareciam-se a nadar, enquanto na sua destruição, eles foram empurrados para dentro do fundo, que a sua libertação pode parecer mais evidente, quando dali emergem além de toda a expectativa humana. Também não era razoável, que a lei deve ser parcialmente introduzida para este fim - de que poderia novamente condenar os homens já condenados; pois nada é mais razoável do que os homens devem, por todos os meios ser trazido, ou melhor, forçado, por ser provado culpado, para conhecer os seus próprios males.

 

Essa ofensa abundasse, etc. É bem sabido como alguns, seguindo [Agostinho], geralmente explicar esta passagem, - que a luxúria é irritado o mais, enquanto ele estiver marcada pelas restrições da lei; pois é a natureza do homem para lutar por o que é proibido. Mas eu entendo nenhum outro aumento para destinar aqui do que de conhecimento e de obstinação; para o pecado é definido pela lei perante os olhos do homem, para que ele possa ser continuamente forçado a ver que a condenação está preparada para ele. Assim, o pecado perturba a consciência, que, quando emitidos por trás deles, os homens se esquecem. E mais longe, aquele que antes só passou ao longo dos limites da justiça, torna-se agora, quando a lei for introduzida, que desprezava da autoridade de Deus, uma vez que a vontade de Deus é dado a conhecer a ele, que ele agora desenfreadamente atropela sob os pés. É, portanto, segue-se que o pecado é aumentada pela lei, já que agora a autoridade do legislador é desprezado e sua majestade degradada. (179)

 

Graça superabundou. Após o pecado ocupou homens afundados em ruína, a graça, em seguida, vem a sua ajuda, porque ele nos ensina, que a abundância da graça, torna-se, por essa razão mais ilustre. - Que, embora o pecado é transbordante, derrama-se para trás de modo exuberante, que não só supera a inundação do pecado, mas totalmente absorve. (180) E podemos, portanto, saber, que a nossa condenação, não nos está proposta na lei, para que possamos permanecer nela; mas que, tendo plenamente conhecida a nossa miséria, podemos ser levados a Cristo, que é enviado para ser um médico para os doentes, um libertador aos cativos, um cachecol para os aflitos, um defensor dos oprimidos. (Isaías 61: 1).

 

verso 21

21.That como o pecado reinou, etc. Assim como o pecado é dito ser o aguilhão da morte, e que a morte não tem poder sobre os homens, a não ser por causa do pecado; assim também o pecado executa seu poder com a morte: é, portanto, disse a exercer, assim, o seu domínio. Na última cláusula a ordem das palavras é perturbado, mas ainda não sem razão. O contraste simples poderia ter sido assim formado, - "que a justiça reine através de Cristo." Mas Paulo não se contentou em se opor ao que é contrário ao que é contrário, mas acrescenta a palavra graça, para que ele possa mais profundamente imprimir esta verdade sobre o memória - que o todo é para ser atribuído, e não para o nosso mérito, mas à bondade de Deus. (181) Ele tinha dito anteriormente, que a morte reinou; agora ele atribui reinante para o pecado; mas a sua extremidade ou, o efeito é a morte. E ele diz, que tem reinado, no passado; Não que ele tenha deixado a reinar naqueles que nascem apenas carne, e ele, portanto, distingue entre Adão e Cristo, e atribui a cada um o seu próprio tempo. Por isso, logo que a graça de Cristo começa a prevalecer em qualquer um, o reino do pecado e da morte cessa. (182)

 

A primeira parte é diferente prestados: em vez de "até a morte" [Hammond] torna, como [Calvin], "através da morte", e [Grotius], "pela (per) a morte". A preposição é εν e não εἰ , e seu significado comum é "in", e pode ser traduzida aqui, "na morte", ou seja, em um estado de morte. O reino do pecado foi o de morte e miséria; o reinado de graça por meio da justiça de Cristo é o da vida e felicidade, que é não ter fim. - Ed.

 

12.Para esta razão, - como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens - Porque todos pecaram:

 

13.Sin fato foi até a lei no mundo, mas o pecado não é imputado quando não há lei;

 

14.Yet reinado fez morte desde Adão até Moisés. Mesmo sobre aqueles que não pecaram, à semelhança da transgressão de Adão, o qual é o tipo do que estava por vir.

 

15.But não como a transgressão, assim também a favor livre; Porque, se pela transgressão de um Muitos morreram. Muito mais tem a graça de Deus, e seu dom gratuito através da graça de um só homem, Jesus Cristo, abundou muitos:

 

16.And não como por um só pecado, para o dom gratuito; Para o julgamento era realmente Através de um senhor para condenação, mas o favor livre é de muitas ofensas para justificação, -

 

17.For se para uma transgressão, a morte reinou por um; Muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um, Jesus Cristo.

 

18.So então, como por uma só ofensa, Judegment foi em todos os homens para condenação, Assim também através de uma retidão, A favor livre está em todos os homens para justificação de vida:

 

19.For como pela desobediência de um só homem, Sinful foram feitos muitos; Assim também pela obediência de um, de justiça será feita muitos.

 

20.But a lei entrou em, que multiplicou pode ser transgressão; Mas onde o pecado se multiplicou, superabundou tem graça: Para que, como o pecado reinou para a morte; Assim também a graça reinarão pela justiça, para a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor. - Ed.

FONTE comentario biblico Mathew Henry

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

SUBSIDIO  JOVENS A QUEDA DE ADÃO ROMANOS 5.6-21 Lição n.7

                            versículos 6-21

O Primeiro eo Segundo Adão a influência da graça.   AD 58.

6 Pois, quando ainda éramos fracos, no devido tempo, Cristo morreu pelos ímpios. 7 Porque apenas por um justo, alguém morreria: ainda porventura para um bom alguém se anime a morrer. 8 Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós. 9 Logo muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos salvos da ira por meio dele. 10 Porque se nós, quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida. 11 E não somente isso, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora temos recebido a reconciliação. 12 Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram: 13 (Porque antes da lei havia pecado no mundo, mas o pecado não é imputado quando não há não há lei. 14 no entanto a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir. 15 Mas não como a ofensa, assim também é a livre presente. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, eo dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos. 16 e não como foi por um que pecou , assim é o dom: o julgamento foi por um para condenação, mas o dom gratuito é de muitas ofensas para justificação 17 Porque, se pela morte ofensa de um só reinou por um muito mais os que recebem a abundância da graça e do dom da. justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.) 18 Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, mesmo assim pela justiça de um veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. 19 Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos. 20 Além disso, a lei para que a ofensa não faltam. Mas onde abundou o pecado, a graça fez muito mais abundantes: 21 que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor.

 

O apóstolo aqui descreve a fonte eo fundamento da justificação, colocado na morte do Senhor Jesus. Os fluxos são muito doce, mas, se você executá-los até a primavera-cabeça, você vai encontrá-lo para ser de Cristo morrer por nós, é no precioso fluxo do sangue de Cristo que todos esses privilégios vêm fluindo para nós, e, portanto, ele amplia sobre esta instância do amor de Deus que é derramado. Três coisas que ele toma conhecimento de para a explicação e ilustração desta doutrina: - 1. As pessoas que morreram por, Romanos 5: 6-8 . 2. Os preciosos frutos de sua morte, Romanos 5: 9-11 . 3. O paralelo que corre entre a comunicação do pecado e da morte pelo primeiro Adão e de justiça e vida pelo segundo Adão, Romanos 5: 12-21 .

 

  1. O caráter estávamos sob quando Cristo morreu por nós.

 

  1. Nós éramos fracos ( Romanos 5: 6 ), em uma condição triste e, o que é pior, totalmente incapaz de ajudar-nos para fora desta condição - perdido, e não há maneira visível aberto para a nossa recuperação - nossa condição deplorável, e de uma forma desesperada e, portanto, a nossa salvação está aqui dito para vir a seu tempo. o tempo de Deus para ajudar e salvar é quando aqueles que são para ser salvo está sem força, que o seu próprio poder e graça pode ser a mais ampliada, Deuteronômio 32:36 . É a maneira de Deus para ajudar em um elevador mortos,

 

  1. Ele morreu pelos ímpios criaturas indefesas não só, e, portanto, provável que perca, senão criaturas pecadoras culpados, e, portanto, merecer a perecer não significa apenas e sem valor, mas vil e odioso, indigno de tal favor com o Deus santo. Sendo ímpios, eles tinham necessidade de um para morrer por eles, para satisfazer a culpa, e para trazer a justiça. Isso ele ilustra ( Romanos 5: 7,8 ) como um exemplo incomparável de amor neste documento pensamentos e caminhos de Deus estavam acima do nosso. Compare João 15: 13,14 , Ninguém tem maior amor do homem. (1.) Um dificilmente morrer por um justo, isto é, um homem inocente, que é injustamente condenado cada corpo terei pena uma tal, mas poucos vontade colocar esse valor em sua vida como quer arriscar, ou muito menos para depositar, a sua própria em seu lugar. (2.) Pode ser, pode, talvez, ser persuadidos a morrer por um bom homem, isto é, um homem útil, que é mais do que apenas um homem justo. Muitos que são bons-se ainda fazer, mas pouco bom para os outros, mas aqueles que são úteis comumente obter-se bem amado, e se reunir com alguns que, em caso de necessidade arriscaria para ser seu antipsychoi - iria envolver vida por vida, seria o seu fiança, o corpo para o corpo. Paul foi, neste sentido, um homem muito bom, um que foi muito útil, e ele reuniu-se com alguns que por sua vida expuseram as suas cabeças, Romanos 16: 4 . E, no entanto observar como ele qualifica esta: que é, mas alguns que iria fazê-lo, e é um ato ousado se eles fazem isso, deve ser alguma alma se aventurar em negrito e, afinal de contas, é apenas uma peradventure. (3.) mas Cristo morreu pelos pecadores ( Romanos 5: 8 ), nem justo, nem bom não só como eram inúteis, mas, como eram culpados e desagradável não só como não haveria perda de que eles deveriam perecer, mas tais cuja destruição seria de grande redundará para a glória da justiça de Deus, sendo malfeitores e criminosos que deveriam morrer. Alguns pensam que ele faz alusão a uma distinção comum entre os judeus do seu povo em ndyqym - justo, hsdym - misericordioso (compare Isaías 17: 1 ), e rssym - . Ímpios Agora aqui Deus elogiou o seu amor, não só provou ou evidenciado seu amor (ele poderia ter feito isso em uma taxa mais barata), mas ampliada e fez isso ilustre. Esta circunstância foi grandemente ampliada e avançar o seu amor, não só colocá-lo passar disputa, mas tornaram o objeto da maior maravilha e admiração: "Agora minhas criaturas veremos que eu os amo, vou dar-lhes uma tal instância dele como aplica-se sem paralelo. " prova o seu amor, como comerciantes elogiar seus bens quando eles iriam colocá-los fora. Este elogiar o seu amor estava em ordem ao derramamento no exterior do seu amor em nossos corações pelo Espírito Santo. Ele evidencia seu amor no mais premiado, afetando, maneira cativante que se possa imaginar. Enquanto nós ainda pecadores, o que implica que não estávamos a ser sempre os pecadores, não deve ser uma mudança forjado para que ele morreu para nos salvar, não em nossos pecados, mas dos nossos pecados, mas nós ainda pecadores quando ele morreu por nós. (4.) Não, o que é mais, éramos inimigos ( Romanos 5:10 ), e não apenas malfeitores, mas traidores e rebeldes, em armas contra o governo o pior tipo de malfeitores e de todos os malfeitores a mais detestável. A mente carnal não é apenas um inimigo de Deus, mas a própria inimizade, Romanos 8: 7 ; Colossenses 1:21 . Essa inimizade é uma inimizade mútua, Deus detestando o pecador e o pecador detestando Deus, Zacarias 11: 8 . E que para tal uma vez que estas Cristo deveria morrer é um mistério, tal paradoxo, uma instância sem precedentes de amor, que pode muito bem ser o nosso negócio para a eternidade para adorar e admirar-lo. Este é um elogio do amor, de fato. Justamente poderia aquele que tinha, assim, amou-nos a tornar-se uma das leis de seu reino que devemos amar nossos inimigos.

 

  1. Os preciosos frutos de sua morte.

 

  1. Justificação ea reconciliação são a primeira e principal fruto da morte de Cristo: Nós estamos justificados pelo seu sangue ( Romanos 5: 9 ), reconciliado com a sua morte, Romanos 5:10 . O pecado é perdoado, o pecador aceito como justo, a discussão retomada, a inimizade morto, um fim feito de iniqüidade, e uma justiça eterna trazido para dentro. Isso é feito, isto é, Cristo fez tudo o que era exigido de sua parte para ser feito a fim hereunto, e, imediatamente após a acreditar, estamos realmente colocar em um estado de justificação e reconciliação. justificados pelo seu sangue. nossa justificação é atribuída ao sangue de Cristo, porque sem sangue não há remissão Hebreus 9:22 . o sangue é a vida, e que deve ir para a sua expiação. Em todos os sacrifícios propiciatórios, a aspersão do sangue era da essência do sacrifício. Foi o sangue que fez expiação para a alma, Levítico 17:11 .

 

  1. resulta Daí a salvação da ira: salvos da ira ( Romanos 5: 9 ), salvos pela sua vida, Romanos 5:10 . Quando isso o que dificulta a nossa salvação é tirado, a salvação deve necessidades seguir. Não, o argumento prende muito fortemente se Deus justifica e nos reconciliou quando éramos inimigos, e pôs-se a muito custo para fazê-lo, muito mais ele vai nos salvar quando estamos justificados e reconciliados. Aquele que fez o maior, que é de inimigos para nos fazer amigos, certamente o menos, que é quando somos amigos para usar nos amigável e ser gentil com a gente. E, portanto, o apóstolo, uma e outra vez, fala dela com um muito mais. Aquele que cavou tão profundo para estabelecer as bases, sem dúvida, construir sobre essa fundação .-- Vamos ser salvos da ira, do inferno e condenação. É a ira de Deus, que é o fogo do inferno da ira vindoura, por isso é chamado, 1 Tessalonicenses 1:10 . A justificação final e absolvição dos crentes no grande dia, juntamente com a montagem e preparação deles para ele, são a salvação da ira que se fala aqui é o aperfeiçoamento do trabalho da graça .-- reconciliados pela sua morte, salvo por sua vida. sua vida se fala aqui não é para ser entendido de sua vida na carne, mas a sua vida no céu, que a vida que se seguiu após a sua morte. Compare Romanos 14: 9 . Ele estava morto, e reviveu, Apocalipse 1:18 . Nós estamos reconciliados por Cristo humilhado, somos salvos por Cristo exaltado. O Jesus morrer, o fundamento, na satisfação pelo pecado, e matando a inimizade, e assim tornando-nos salvável, portanto, é a partição-parede quebrada, expiação, ea attainder revertida, mas é o Jesus vivo que aperfeiçoa o trabalho: ele vive para fazer intercessão, Hebreus 7:25 . É Cristo, em sua exaltação, que por sua palavra e Espírito chama eficazmente, e muda, e nos reconcilia com Deus, é nosso Advogado junto ao Pai, e assim por concluída e consuma a nossa salvação. Compare Romanos 4: 25,8: 34 . Moribundos Cristo foi o testador, que nos legou o legado mas Cristo vivo é o executor, que paga-lo. Agora a discussão é muito forte. Aquele que se coloca à acusação de compra de nossa salvação não vai diminuir a dificuldade de aplicá-lo.

 

  1. Tudo isso produz, como mais um privilégio, a nossa alegria em Deus, Romanos 5:11 . Deus agora está tão longe de ser um terror para nós que ele é a nossa alegria e nossa esperança no dia do mal, Jeremias 17:17 . Estamos reconciliados e salvos da ira. Iniqüidade, bendito seja Deus, não deve ser a nossa ruína . E não somente isso, não há mais nela ainda, um fluxo constante de favores que não só vão para o céu, mas ir para o céu em triunfo não só entrar no porto, mas chegam com a vela cheia: Nós alegria em Deus, não só salvo de sua ira, mas solacing-nos no seu amor, e isso por meio de Jesus Cristo, que é o Alfa eo Omega, a pedra fundamental eo topo-de pedra de todos os nossos confortos e espera - não só a nossa salvação, mas a nossa força e nossa música e tudo isso (que ele repete como uma string ele gostava de ser insistam em cima) em virtude da expiação, porque nele nós, cristãos, nós crentes, têm agora, agora em tempos evangélicos, ou agora nesta vida, recebido a reconciliação, que foi tipificado pelos sacrifícios debaixo de ti lei, e é o penhor da nossa felicidade no céu. Verdadeiros crentes fazer por Jesus Cristo recebem a expiação. Recebendo a reconciliação é a nossa reconciliação real com Deus na justificação, fundamentada na satisfação de Cristo. Para receber a expiação é: (1) para dar o nosso consentimento para a expiação, aprovando, e concordar com, esses métodos que a sabedoria infinita tomou de salvar um mundo culpado pelo sangue de Jesus crucificado, estar disposto e contente de ser salvo de uma maneira evangelho e em condições evangelho. (2) Para tirar o conforto da expiação, que é a fonte e o fundamento da nossa alegria em Deus. Agora temos alegria em Deus, agora nós realmente receber a expiação, kauchomenoi - glorying nele. Deus tem recebido a reconciliação ( Mateus 3: 17,17: 5,28: 2 ): se nós, mas recebê-lo, o trabalho é feito.

 

III. O paralelo que as corridas apóstolo entre a comunicação do pecado e da morte por o primeiro Adão e de justiça e vida pela segunda Adam v. 12, até o fim), que não só ilustra a verdade ele está discorrendo de, mas tende muito ao elogiar o amor de Deus e do reconfortante dos corações dos verdadeiros crentes em mostrar uma correspondência entre a nossa queda e nossa recuperação, e não apenas uma como, mas um poder muito maior no segundo Adam para nos fazer felizes, do que havia no primeiro a fazer-nos infelizes. Agora, para a abertura desta, observar,

 

  1. A verdade geral previsto como a fundação de seu discurso - que Adão era um tipo de Cristo ( Romanos 5:14 ): . Quem é a figura daquele que havia de vir Cristo, portanto, é chamado o último Adão, 1 Coríntios 15:45 . Compare Romanos 5:22 . Neste Adão era um tipo de Cristo, que nos aliança de transações que estavam entre Deus e ele, e nos eventos conseqüentes dessas transações, Adam era uma pessoa pública. Deus tratou com Adam e Adam agiu como tal pessoa, como um pai comum e fator, raiz e representativo, de e para toda a sua posteridade, para que o que ele fez essa estação, como agente para nós, pode ser dito ter feito nele, eo que foi feito para ele pode ser dito ter sido feito para nós nele. Assim, Jesus Cristo, o Mediador, agiu como uma pessoa pública, a cabeça de todos os eleitos, de que trata a Deus por eles, como seu pai, fator, raiz, e representativo - morreu por eles, levantou-se para eles, entraram dentro do véu para eles, fez tudo para eles. Quando Adão falhou, nós falhamos com ele quando Cristo realizou, ele se apresentou para nós. Assim foi Adam erros tou mellontos - a figura daquele que havia de vir, para vir a reparar que a violação que Adam tinha feito.

 

  1. A explicação mais particular do paralelo, em que observar,

 

(1) Como Adão, como uma pessoa pública, o pecado comunicada e morte para todos os seus descendentes ( Romanos 5:12 ): . Por um só homem o pecado entrou Vemos o mundo sob um dilúvio de pecado e da morte, cheio de maldades e cheia de calamidades. Agora, vale a pena para perguntar o que é a mola que o alimenta, e você vai encontrá-lo para ser a corrupção geral da natureza e em que gap entrou, e você vai encontrá-lo para ter sido o primeiro pecado de Adão. Foi por um homem, e ele o primeiro homem (por se algum tinha sido antes dele teriam sido livre), que um homem de quem, a partir da raiz, nós toda a primavera. [1] Por ele, o pecado entrou. Quando Deus pronunciou tudo muito bom ( Gênesis 1:31 ) não havia pecado no mundo era quando Adão comeu o fruto proibido que o pecado fez a sua entrada. Sin tinha antes entrou no mundo dos anjos, quando muitos deles se revoltaram de sua fidelidade e deixou o seu principado, mas nunca entrou no mundo da humanidade até Adão pecou. Em seguida, ele entrou como um inimigo, para matar e destruir, como um ladrão, para roubar e saquear e uma entrada sombria que era. Em seguida, entrou a culpa do pecado de Adão imputada a posteridade, e uma corrupção geral e depravedness da natureza. Ef ho - para isso (para que lê-lo), e no qual, todos pecaram. O pecado entrou no mundo por Adam, por nele nós todos pecaram. Como, 1 Coríntios 15:22 , em Adão todos morrem por isso aqui, em todos dele pecaram por isso é agradável para a lei de todas as nações que os atos de uma pessoa pública ser contabilizados deles que representam e que um corpo inteiro faz todos os membro do corpo do mesmo pode ser dito para fazer. Agora Adam agiu assim, como uma pessoa pública, pela ordenação soberana e nomeação de Deus, e ainda que fundada sobre a necessidade natural de Deus, como o autor da natureza, tinha feito esta a lei da natureza, que o homem deve gerar em sua própria semelhança, e assim as outras criaturas. Em Adão, portanto, como em um receptáculo comum, toda a natureza do homem foi reposited, dele a fluir para baixo em um canal à sua posteridade por toda a humanidade são feitas de um só sangue ( Atos 17:26 ), de modo que, de acordo como essa natureza prova através de seu pé ou cair, antes que ele coloca-lo fora de suas mãos, de acordo com ele é propagado a partir dele. Adam, portanto, pecar e cair, a natureza tornou-se culpados e corruptos, e é assim derivada. Assim nele todos pecaram. [2] pelo pecado a morte, pois a morte é o salário do pecado. O pecado, uma vez consumado, gera a morte. Quando o pecado entrou, é claro morte veio com ele. A morte está aqui para colocar tudo o que a miséria que é a função do deserto do pecado, a morte física, espiritual, eterna. Se Adão não tivesse pecado, ele não tinha morrido a ameaça era, no dia em comeres tu certamente morrerás, Gênesis 2:17 . [3] Assim, a morte passou, isto é, uma sentença de morte foi aprovada, como sobre um criminoso, dielthen - passou por todos os homens, como uma doença infecciosa passa por uma cidade, de modo que ninguém escapar. É o destino universal, sem exceção: a morte passa sobre todos. Não são comuns calamidades incidente à vida humana que não abundantemente provar isso. A morte reinou, Romanos 5:14 . Ele fala da morte como um poderoso príncipe, e sua monarquia monarquia mais absoluta, universal e duradoura. Nenhum estão isentos do seu cetro é uma monarquia que vai sobreviver todos os outros terrena regra, autoridade e poder, pois é o último inimigo, 1 Coríntios 15:26 . Aqueles filhos de Belial, que serão sujeitas a nenhuma outra regra não pode evitar ser sujeitos a isso. Ora, tudo isso podemos agradecer Adam porque dele pecado e descer morte. Bem podemos dizer, como aquele bom homem, observando-se a mudança que um ajuste de doença tinha feito em seu rosto, Ó Adão o que fizeste?

 

Além disso, para esclarecer isso, ele mostra que o pecado não começou com a lei de Moisés, mas foi no mundo até, ou antes, que a lei, portanto, que a lei de Moisés não é a única regra de vida, pois não havia uma regra, e que regra foi transgredida, antes de a lei foi dada. Ele também dá a entender que não pode ser justificada pela nossa obediência à lei de Moisés, mais do que nós foram condenados por e para nossa desobediência a ele. O pecado estava no mundo antes de a testemunha lei assassinato de Caim, a apostasia do velho mundo, a maldade de Sodoma. Sua inferência, portanto, é, portanto havia uma lei para o pecado não é imputado quando não há lei. O pecado original é uma falta de conformidade com, e pecado atual é uma transgressão, a lei de Deus: portanto, todos estavam sob alguma lei. Sua prova é, a morte reinou desde Adão até Moisés, Romanos 5:14 . É certo que a morte não poderia ter reinado se o pecado não tinha posto o trono para ele. Isto prova que o pecado estava no mundo perante a lei, e o pecado original, a morte reinou sobre aqueles que não pecaram qualquer pecado real, que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, nunca pecou em suas próprias pessoas como Adam fez- -que deve ser entendido de crianças, que nunca foram culpados de pecado atual, e mesmo assim morreram, porque o pecado de Adão foi imputado a eles. Este reino da morte parece especialmente para referir-se aos juízos violentos e extraordinárias que eram muito antes de Moisés, como o dilúvio ea destruição de Sodoma, que envolveu crianças. É uma grande prova do pecado original que as crianças pequenas, que nunca eram culpados de qualquer transgressão real, são ainda susceptíveis de muito terrível doenças, acidentes e mortes, o que poderia de forma alguma ser conciliado com a justiça e justiça de Deus se eles não imputáveis ​​de culpa.

 

(2) Como, em correspondência com isso, Cristo, como uma pessoa pública, comunica justiça e vida para todos os crentes verdadeiros, que são a sua semente espiritual. E nisso ele mostra não só em que a semelhança se mantém, mas, ex abundanti, em que a comunicação da graça e do amor por Cristo vai além da comunicação de culpa e ira por Adam. Observar,

 

[1] Em que a semelhança se mantém. Isso é estabelecido mais plenamente, Romanos 5: 18,19 .

 

Em primeiro lugar, por infracção e desobediência de um só muitos foram feitos pecadores, e veio o juízo sobre todos os homens para condenação. Aqui observar, 1. Que o pecado de Adão foi a desobediência, desobediência a um comando simples e expressa: e foi um comando de julgamento. A coisa que ele fez foi, portanto, mal, porque era proibido, e não o contrário, mas isso abriu a porta para outros pecados, embora em si aparentemente pequena. 2. Que a malignidade e veneno do pecado são muito fortes e se espalhando, então a culpa do pecado de Adão não teria alcançado até agora, nem ter sido tão profunda e longa de um córrego. Quem iria pensar que deve haver tanto mal no pecado? 3. Que pelo pecado de Adão, muitos são feitos pecadores: muitos, isto é, toda a sua posteridade disse ser muitos, em oposição ao que ofendido, pecadores feita, katestathesan. Denota a confecção de nós tal por um ato judicial: nós foram lançados como pecadores por oportunamente de direito. 4. Que julgamento é vindo a condenação sobre todos aqueles que pela desobediência de Adão se tornaram pecadores. Ser condenado, estamos condenados. Toda a raça humana se encontram sob uma sentença, como um attainder sobre uma família. Não é decisão proferida e registrados contra nós no tribunal do céu e, se o julgamento não ser revertida, estamos propensos a afundar sob ele para a eternidade.

 

Em segundo lugar, Da mesma maneira, pela retidão e obediência de um só (e que é Jesus Cristo, o segundo Adão), muitos feitos justos, e assim o dom gratuito vem sobre todos. É observável como o apóstolo inculca esta verdade, e repete uma e outra vez, como uma verdade de grande importância. Aqui observar, 1. A natureza da justiça de Cristo, como ele é trazido é por sua obediência. A desobediência do primeiro Adão nos arruinado, a obediência do segundo Adão nos salva, - sua obediência à lei de mediação, o que foi que ele deve cumprir toda a justiça, e, em seguida, fazer a sua alma como oferta pelo pecado. Por sua obediência a esta lei, ele efetuou uma justiça para nós, satisfez a justiça de Deus, e assim abriu caminho para nós em seu favor. 2. O fruto dela. (1) Há um dom gratuito veio sobre todos os homens, ou seja, ele é feito e oferecido indiscriminadamente a todos. O forjado a salvação é uma salvação comum as propostas são gerais, o concurso livre quem quer que pode vir e tomar destas águas da vida. Este dom gratuito a todos os crentes, em cima de sua crença, para justificação de vida. Não é apenas uma justificativa que livra da morte, mas que dá direito à vida. (2.) Muitos serão feitos justos --many em comparação com um, ou como muitos como pertencem a eleição da graça, que, embora apenas alguns como eles estão espalhados cima e para baixo no mundo, mas será um grande número quando eles vêm todos juntos. Katastathesontai - que será constituído justo, como por cartas patentes. Agora, a antítese entre estes dois, nossa ruína por Adão e nossa recuperação por Cristo, é bastante óbvio.

 

[2] Em que a comunicação de graça e amor por Cristo vai além da comunicação de culpa e ira por Adam e isso ele mostra, Romanos 5: 15-17 . Ele é projetado para a ampliação das riquezas do amor de Cristo, e para o conforto e encorajamento dos crentes, que, considerando o que uma ferida pecado de Adão fez, pode começar a desesperar de um remédio proportionable. Suas expressões são um pouco complicado, mas isso parece que ele pretende: - Em primeiro lugar, Se a culpa e ira ser comunicada, muito menos graça e amor para ele é agradável para a ideia que temos da bondade divina para supor que ele deve ser mais pronto para salvar em cima de uma justiça imputada do que condenar em cima de uma culpa imputada: . Muito mais a graça de Deus, eo dom pela graça a bondade de Deus é, de todos os seus atributos, de um modo especial a sua glória, e é essa graça que é a raiz (seu favor a nós em Cristo), eo presente é pela graça. Sabemos que Deus é bastante inclinado a mostrar misericórdia punir é a sua estranha obra. Em segundo lugar, Se havia tanto poder e eficácia, como parece que houve, no pecado de um homem, que era da terra, da terra, para condenar nós, muito mais estão lá potência e eficácia na justiça e graça de Cristo, que é o Senhor do céu, para justificar e salvar-nos. A um homem que nos salva é Jesus Cristo. Certamente Adão não poderia propagar tão forte um veneno, mas Jesus Cristo poderia propagar um antídoto tão forte, e muito mais forte. 3. É, mas a culpa de uma única transgressão de Adão do que já está posto para a nossa carga: O julgamento foi ex henos eis katakrima, por um, ou seja, por uma ofensa, Romanos 5: 16,17 , . Margin Mas a partir de Jesus Cristo que recebemos e derivar uma abundância da graça, e do dom da justiça. a corrente de graça e justiça é mais profunda e mais ampla do que o fluxo de culpa por essa justiça não é só tirar a culpa do que uma ofensa, mas de muitos outras infracções, mesmo de todos. Deus em Cristo perdoa todos os pecados, Colossenses 2:13 . 4. Até o pecado de Adão , a morte reinou , mas pela justiça de Cristo não há somente um período colocar ao reino da morte, mas os crentes são os preferidos para reinar de vida, Romanos 5:17 . E pela justiça de Cristo, temos não só uma carta de perdão, mas uma patente de honra, não só libertou dos nossos cadeias, mas, como José, avançado para o segundo carro, e fez a nossos reis Deus e priests- -não única perdoado, mas preferiu. Veja este observado, Apocalipse 1: 5,6,5: 9,10 . Estamos por Cristo e sua justiça o direito de, e instalada em, mais e mais privilégios do que perdemos pela transgressão de Adão. O gesso é maior do que a ferida, e mais cura do que a ferida está matando.

 

  1. Nos Romanos 5: 20,21 o apóstolo parece antecipar uma objeção que se expressa, Gálatas 3:19 , ? Por que, pois serve a lei Resposta, 1. A lei para que a ofensa abundasse. Não fazer pecado abundam o mais em si mesmo, senão como o pecado leva ocasião pelo mandamento, mas para descobrir a pecaminosidade abundante dele. O vidro descobre as manchas, mas não lhes causa. Quando veio o mandamento no pecado mundo ressuscitado, como a locação de uma luz mais clara em uma sala descobre a poeira e sujeira que estavam lá antes, mas não foram vistos. Era como a busca de uma ferida, que é necessário para a cura. O crime, a paraptoma - esse delito, o pecado de Adão, o que se estende da culpa do que para nós, e o efeito da corrupção em nós, são a abundante desse delito que apareceu a partir da entrada da lei. 2. Que graça pode muito mais abundante --que os terrores da lei pode fazer evangelho-conforto muito mais doce. Abundou o pecado entre os judeus e, para aqueles dentre eles que foram convertidos à fé de Cristo, não graça muito mais abundante na remissão de tanta culpa e a subjugar a tanta corrupção? Quanto maior a força do inimigo, maior a honra do conquistador. Este Abundante da graça que ele ilustra, Romanos 5:21 . Como o reinado de um tirano e opressor é uma folha para detonar o reinado sucesso de um príncipe justo e gentil e para torná-lo o mais ilustre, assim o faz o reinado do pecado detonar o reino da graça. O pecado reinou para a morte foi um reinado sangrenta cruel. Mas a graça reina para a vida, a vida eterna, e isso através da justiça, justiça imputada a nós para a justificação, implantada em nós para a santificação e ambos por Jesus Cristo nosso Senhor, através do poder e eficácia de Cristo, o grande profeta, sacerdote e rei , de sua igreja.

 

 

 

 

 

 

         SUBSIDIO CPAD JOVENS BENÇÃO DA

      JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ  ROMANOS 5.1-11

                           LIÇÃO N.6

Versículo 1

  1. Sendo então justificada, etc. O apóstolo começa a ilustrar pelos efeitos, o que ele tem dito até agora sobre a justiça de fé: e, portanto, a totalidade do presente capítulo é retomada com amplificações, que são nada menos calculados de explicar do que para confirmar. Ele havia dito antes, que a fé é abolida, se a justiça é procurado pelas obras; e neste caso inquietude perpétua iria perturbar as almas miseráveis, como eles podem encontrar nada de substancial em si: mas ele nos ensina agora, que sejam prestados calmo e tranquilo, quando obtivemos a justificação pela fé, temos paz com Deus, e este é o fruto peculiar da justiça da fé. Quando qualquer um se esforça para buscar a tranquilidade de consciência pelas obras, (que é o caso de profano e homens ignorantes,) ele trabalha para ele em vão; tanto para o seu coração está dormindo através de seu descaso ou esquecimento do juízo de Deus, ou então ela é cheia de tremor e temor, até que repousa em Cristo, que é a nossa paz sozinho.

 

Em seguida, a paz significa tranquilidade de consciência, que decorre esta, - que ele sente em si a se reconciliarem com Deus. Isso não o fariseu, que incha com falsa confiança em suas próprias obras tem; nem o pecador estúpido, que não está inquieto, porque ele está embriagado com a doçura de vícios: pois, embora nenhuma delas parece ter uma inquietação manifesto, como ele é que está ferida com uma consciência do pecado; Ainda como eles realmente não abordar o tribunal de Deus, eles não têm a reconciliação com ele; para insensibilidade da consciência é, por assim dizer, uma espécie de recuar de Deus. Paz com Deus se opõe à segurança mortos da carne, e por esta razão, - porque a primeira coisa é, que cada um deve tornar-se despertado quanto à conta, ele deve render de sua vida; e ninguém pode ficar com ousadia diante de Deus, mas aquele que confia em uma reconciliação gratuita; durante o tempo que ele é Deus, todos devem tremer de outra forma e ser confundidos. E este é o mais forte de provas, que os nossos adversários não fazem nada, mas tagarelam sem nenhum propósito, quando eles atribuem a justiça de obras; para esta conclusão de Paulo é derivado deste fato, - que as almas miseráveis ​​sempre tremer, exceto que eles repousam sobre a graça de Cristo.

 

Verso 2

  1. Por meio de quem temos acesso, (153) etc. A nossa reconciliação com Deus depende apenas de Cristo; apenas para ele é o Filho amado, e todos nós somos por natureza filhos da ira. Mas esse favor nos é comunicada por meio do evangelho; para o evangelho é o ministério da reconciliação, por meio das quais fazemos de uma forma trazidos para o reino de Deus. Justamente então faz Paul set diante de nossos olhos em Cristo uma garantia segura do favor de Deus, que ele pode mais facilmente atrair-nos longe de toda a confiança em obras. E como ele nos ensina pela palavra de acesso, que a salvação começa com Cristo, ele exclui as preparações pelo qual os homens tolos imaginam que eles podem antecipar a misericórdia de Deus; como se dissesse: "Cristo não vem a você, nem o ajuda, por conta de seus méritos." Em seguida, ele imediatamente acrescenta: que é através da continuação do mesmo favor que nossa salvação se torna certa e segura; por que ele sugere, que a perseverança não se baseia em nosso poder e diligência, mas em Cristo; embora, ao mesmo tempo, dizendo que nós estamos, ele indica que o evangelho deve atacar raízes profundas nos corações dos piedosos, de modo que está sendo fortalecida por sua verdade, eles podem permanecer firmes contra todos os dispositivos de Satanás e do carne. E pela palavra ficar, ele quer dizer, que a fé não é uma persuasão mutável, apenas por um dia; mas que é imutável, e que ele afunda profundamente no coração, de modo que perdura por toda a vida. Em seguida, ele não é ele, que por um impulso repentino é levado a acreditar, que tem fé, e está a ser contado entre os fiéis; mas aquele que constantemente, e, por assim dizer, com um pé firme e fixo, que permanece na estação designada a ele por Deus, de modo a unir sempre a Cristo.

 

E glória, na esperança, etc. A razão que a esperança de uma vida futura existe e se atreve a exultar, é isso, - porque nós descansamos em favor de Deus, como em uma fundação certa: para o significado de Paulo é que, embora os fiéis estão agora peregrinos na terra, eles ainda pela esperança escalar os céus, para que eles desfrutar tranquilamente em seus próprios seios sua herança futura. E nisto são subvertidos dois dos dogmas mais pestilentos dos sofistas. O que fazer em primeiro lugar é, eles lance cristãos para estar satisfeito com conjectura moral quanto à percepção do favor de Deus para com eles; e em segundo lugar, eles ensinam que tudo está incerto quanto à sua perseverança final; mas sem que ser no momento certo conhecimento, e uma firme e persuasão undoubting quanto ao futuro, quem se atreveria a glória? A esperança da glória de Deus brilhou sobre nós através do evangelho, o que comprova que seremos participators da natureza divina; para quando veremos a Deus face a face, seremos semelhantes a ele. (2 Pedro 1: 4; 1 João 3: 2).

 

  1. Tendo sido, em seguida, justificados pela fé,

temos paz com Deus,

por nosso Senhor Jesus Cristo;

 

  1. Através de quem tivemos, sim, o acesso pela fé

a esta graça, na qual estamos firmes,

e exultai na esperança da glória de Deus.

 

O ilativo, em seguida, deve ser preferido para portanto, como é uma inferência, e não a partir de um determinado versículo ou uma cláusula, mas pelo que o apóstolo estava ensinando. Pela frase, "a glória de Deus," significa a glória que Deus dá: é, para usar as palavras do Professor [Stuart] ", genitivus auctoris."

 

A palavra "acesso", προσαγωγὴν tem dois significados, - introdução (adductio) - e de acesso (accessio.) O verbo προσάγειν, é usada em 1 Pedro 3:18, no sentido de introduzir, levando ou trazendo para. Assim Cristo, como [] Wolfius observações, pode ser considerada como aqui representado como o introdutor e reconciliador, por meio do qual os crentes vêm a Deus e manter relações sexuais com ele. "Introdução" é a versão de [Macknight]; e [Doddridge] também adotou essa idéia. - Ed.

 

Versículo 3

  1. Não só isso, etc. Que ninguém pode scoffingly objeto e dizer, que os cristãos, com toda a sua jactância, mas estranhamente são perseguidos e angustiados nesta vida, que condição está longe de ser feliz, - ele conhece essa objeção e declara, não apenas que os piedosos são impedidos por essas calamidades de ser abençoado, mas também que a sua jactância é assim promovido. Para provar isso, ele leva seu argumento dos efeitos, e adota uma gradação notável, e por fim conclui, que todas as tristezas que suportamos contribuir para a nossa salvação e bom final.

 

Ao dizer que a glória santos nas tribulações, ele não é para ser entendido, como se não temia, nem adversidades evitada, ou não estavam angustiados com sua amargura quando aconteceram, (pois não há paciência quando não há nenhum sentimento de amargura ;), mas como em sua dor e tristeza eles não são sem grande consolação, porque eles consideram que tudo o que eles carregam é dispensado a eles para o bem, pela mão de um Pai mais indulgente, eles são justamente disse à glória: para sempre que a salvação é promovida , não está querendo um motivo para gloriar-me.

 

Estamos, então, ensinou aqui o que é o design de nossas tribulações, se é certo que iria revelar-nos a ser filhos de Deus. Eles deveriam habituar-nos a paciência; e se eles não responderem este fim, a obra do Senhor é anulado e de nenhum efeito através de nossa corrupção; porque como ele provar que as adversidades não impedem a jactância dos fiéis, a não ser que, pela sua paciência em suportá-las, eles sentem a ajuda de Deus, que nutre e confirma a sua esperança? Eles, então, que não aprender a ter paciência, não, é certo, fazer um bom progresso. Também não é qualquer objecção, que não são registrados nas Escrituras algumas queixas cheio de desânimo, que os santos haviam feito, porque o Senhor às vezes tão deprime e straitens por um tempo o seu povo, que mal consegue respirar, e quase não me lembro de nenhuma fonte de consolação; mas em um momento em que ele traz à vida daqueles a quem ele tinha quase afundado na escuridão da morte. Então, o que Paulo diz que é sempre realizado neles -

 

"Estamos em todos os sentidos oprimido, mas não fez ansioso; estamos em perigo, mas não estamos em desespero; que sofrem perseguição, mas não estamos desamparados; nós estão derrubados, mas não estamos destruídos ".

(2 Coríntios 4: 8.)

 

A tribulação produz (efficiat) paciência, etc. Este não é o efeito natural da tribulação; pois vemos que uma grande parte da humanidade são, assim, instigado a murmurar contra Deus, e até mesmo para amaldiçoar seu nome. Mas quando essa mansidão para dentro, que é infundida pelo Espírito de Deus, ea consolação, que é transmitida pelo mesmo Espírito, ter sucesso no lugar de nossa teimosia, então tribulações se tornar o meio de geração de paciência; sim, essas tribulações, que no obstinado pode produzir nada, mas indignação e descontentamento clamoroso.

 

Versículo 4

  1. Paciência, prisão preventiva, etc. James, adotando uma gradação semelhante, parece seguir uma ordem diferente; pois ele diz, que a paciência sai da prisão preventiva, mas o diferente significado da palavra é o que vai conciliar ambos. Paulo toma liberdade condicional para a experiência que os fiéis têm da certeza de proteção de Deus, quando invocando a sua ajuda que superar todas as dificuldades, mesmo quando eles experimentam, enquanto na suportando pacientemente as que se manter firme, quanto aproveita o poder do Senhor, que ele prometeu estar sempre presente com o seu povo. James leva a mesma palavra para si tribulação, de acordo com o uso comum da Escritura; Pois por estas Deus prova e tenta seus servos, e eles são freqüentemente chamados de ensaios. (155)

 

Segundo, em seguida, para o presente passagem, então, nós só fazer avanços em paciência como convém, quando nós consideramos isto como tendo sido continuou a nós pelo poder de Deus, e assim entreter esperança quanto ao futuro, que o favor de Deus, que tem sempre nos socorreu em nossas necessidades, nunca vai estar querendo nós. Por isso, ele acrescenta: que a partir de liberdade condicional surge a esperança; para ingrato devemos ser para benefícios recebidos, exceto a lembrança deles confirma a nossa esperança quanto ao que está por vir.

 

A palavra é proferida aqui, não muito inteligível, "aprovação", tanto por [Macknight] e [Stuart]; mas mais corretamente, "experiência" por [Beza] e [Doddridge]. - Ed.

 

Versículo 5

  1. A esperança não traz confusão, etc.; (156), isto é, que considera a salvação como mais certo. É, portanto, parece, que o Senhor nos tenta por adversidades para este fim, - que a nossa salvação pode, assim, ser gradualmente avançado. Esses males, em seguida, não pode tornar-nos infelizes, o que fazer de uma forma promover a nossa felicidade. E, assim, está provado que ele tinha dito, que os piedosos têm motivos para gloriar-se em meio a suas aflições.

 

Pelo amor de Deus, etc. Não me refiro apenas à esta última frase, mas para o conjunto da passagem anterior. Por isso, gostaria de dizer, - que por tribulações que são estimulados a paciência, paciência e que encontra um experimento de ajuda divina, pela qual somos mais encorajados a entreter a esperança; para no entanto, pode ser pressionado e parecem ser quase consumida, nós ainda não deixa de sentir o favor de Deus em relação a nós, que dá o consolo mais rico, e muito mais abundante do que quando todas as coisas acontecem prosperously. Porque, assim como que a felicidade, que é tão na aparência, é a própria miséria, quando Deus é adverso para e descontente com a gente; Então, quando ele é propício, mesmo calamidades si certamente será virou-se para uma próspera e uma questão alegre. Vendo todas as coisas devem servir a vontade do Criador, que, de acordo com seu favor paternal em relação a nós, (como Paulo declara, no oitavo capítulo,) anula todas as provas da cruz para a nossa salvação, esse conhecimento do amor divino em relação a nós é incutiu em nossos corações ao Espírito de Deus; para as coisas boas que Deus tem preparado para seus servos estão escondidos das orelhas e os olhos e as mentes dos homens, e do Espírito sozinho é aquele que pode revelá-los. E a palavra difundida, é muito enfático; pois significa que a revelação do amor divino em relação a nós é tão abundante que enche os nossos corações; e sendo assim, se espalhar através de cada parte deles, não só atenua tristeza no adversidades, mas também, como um tempero doce, torna tribulações de ser amado por nós. (157)

 

Ele diz ainda que o Espírito é dada, ou seja, concedido através da bondade gratuita de Deus, e que não sejam atribuídas por nossos méritos; de acordo com o que [Agostinho] bem observou que, embora ele está errado em sua visão do amor de Deus, dá sua explicação, - que corajosamente suportar adversidades, e são, portanto, confirmada em nossa esperança, porque, depois de ter sido regenerada pelo Espírito, fazer amar a Deus. Na verdade, é um sentimento piedoso, mas não o que Paulo quer dizer: para o amor não é para ser tomado aqui em um ativo, mas um sentido passivo. E certo é que nenhuma outra coisa é ensinada por Paulo de que a verdadeira fonte de todo o amor é, quando os fiéis estão convencidos de que são amados por Deus, e que eles não estão ligeiramente tocado com esta convicção, mas têm suas almas completamente imbuído com ele.

 

A primeira vista, o nosso amor a Deus, tem sido adotado por [Agostinho], [Mede], [Doddridge], [Scott] e [Stuart]; e do outro, o amor de Deus para nós, por [Crisóstomo], [Beza ], [Pareus], ​​[Grotius], [Hodge] e [Chalmers], e também por [Schleusner] que dá a esta paráfrase, "Amor Dei abunde nobis declaratus est -. Pelo amor de Deus é abundantemente declarou-nos" - Ed.

 

Versículo 6

  1. Para Cristo, etc. I não se aventurou na minha versão para permitir-me tanta liberdade quanto a dar a esta prestação, "No tempo em que éramos fracos", e ainda assim eu prefiro este sentido. Um argumento começa aqui, que é do maior para o menor, e que depois prossegue mais em geral, e embora ele não teceu o fio do seu discurso tão distintamente, mas sua estrutura irregular não perturbar o significado. "Se Cristo", diz ele, "teve misericórdia de o ímpio, se reconciliou inimigos a seu pai, se ele fez isso pela virtude de sua morte, muito mais facilmente ele vai salvá-los quando isso se justificar, e manter aqueles restaurados para favorecer na posse dela, especialmente quando a influência de sua vida é adicionado à virtude da sua morte. "(158) O tempo de fraqueza alguns consideram ser a de que, quando Cristo começou a se manifestar ao mundo, e eles acho que aqueles são chamados fraco, que eram como as crianças sob a taxa de matrícula da lei. Eu aplicar a expressão para cada um de nós, e eu considero que o tempo a ser destinado, que precede a reconciliação de cada um com Deus. Porque, assim como todos nós nascemos filhos da ira, por isso, são mantidos sob essa maldição até que nos tornamos participantes de Cristo. E ele chama os fracos, que não têm nada em si, mas o que é pecaminoso; pois ele chama o mesmo imediatamente depois ímpios. E isso não é nada novo, que a fraqueza devem ser tomadas nesse sentido. Ele chama, em 1 Coríntios 00:22, as partes cobertas do corpo fraco; e, em 2 Coríntios 10:10, ele designa sua própria presença corporal é fraca, porque não tinha dignidade. E este significado em breve novamente ocorrer. Quando, portanto, éramos fracos, isto é, quando estávamos em nenhuma maneira digna ou ajuste que Deus deve olhar sobre nós, neste mesmo tempo, Cristo morreu pelos ímpios: para o início da religião é a fé, a partir do qual eles foram todos alienado, por quem Cristo morreu. E isto também é verdade quanto aos pais antigos, que obtiveram justiça antes de morrer; para eles derivada este benefício de sua futura morte. (159)

 

O versículo 7

  1. Para um homem justo, etc. O significado da passagem constrangeu me para tornar a partícula γὰρ como uma afirmativa ou declarativa e não como um causador. A importação da frase é esta: "A maioria raro, na verdade, é um exemplo a ser encontrado entre os homens, que morre para um homem justo, embora isso às vezes pode acontecer, mas que isto seja concedido, ainda para um homem ímpio nenhum serão encontrados dispostos a morrer: isso é o que Cristo fez ". (160) Assim, é uma ilustração, derivado de uma comparação; para tal um exemplo de bondade, como Cristo exibiu para nós, não existe entre os homens.

 

Há aqui um contraste evidente entre estas palavras e os empregados em Romanos 5: 6, para designar o caráter daqueles por quem Cristo morreu. O justo, δίκαιος, é o oposto do "ímpios", ἀσέβης; que, por não adorar e honrar a Deus, é culpado de injustiça do tipo mais elevado, e neste sentido de ser injusto é encontrado em Romanos 4: 5, onde Deus é dito para "justificar o ímpio", isto é, aquele que é injusto por retenção na fonte de Deus a homenagem que justamente pertence a ele. [Phavorinus] dá ἀθέμιτος, ilegal, injusto, como um dos seus significados. - O que forma um contraste com "bom" é pecador, ἁμαρτωλός, que muitas vezes significa perverso, pernicioso, um dado ao vício e ao fazer do mal. [Suidas] descreve ἁμαρτωλοί como aqueles que determinam a viver em transgressão, οἱ παρανομίᾳ συζὢν προαιρούμενοι; e [Schleusner] dá "scelestus - ímpios", "flagitiosus - completo do prejuízo", como sendo por vezes o seu significado.

 

Mas a descrição vai mais longe, pois em Romanos 5:10 a palavra "inimigos ἐχθροὶ," é introduzida a fim de completar o caráter daqueles por quem Cristo morreu. Eles não eram apenas "ímpios", e, portanto, injusta para com Deus, e "maus", dado a todos os males; mas também "inimigos", entreter o ódio a Deus, e levando em guerra, por assim dizer, contra ele. - Ed.

 

Versículo 8

  1. Mas Deus confirma, etc. O verbo, συνίστησι, tem vários significados; o que é mais adequado para este lugar é que de confirmar; pois não era objeto do Apóstolo para excitar a nossa gratidão, mas para fortalecer a confiança ea segurança de nossas almas. Ele, então, confirma, ou seja, apresenta o seu amor a nós como mais certo e completo, na medida em que, por causa dos ímpios que não poupou o seu próprio Filho Cristo. Neste, na verdade, o seu amor parece, que não sendo movido pelo amor de nossa parte, ele de sua própria boa vontade nos amou primeiro, como João nos diz. (1 João 3:16.) - Esses são aqui chamados de pecadores, (como em muitos outros lugares,) que são totalmente cruel e dada até pecado, de acordo com o que é dito em João 09:31: "Deus não ouve os pecadores, "isto é, homens abandonada e completamente perverso. A mulher chamou "um pecador," era uma de caráter vergonhoso. (Lucas 7:37). E este significado parece mais evidente a partir do contraste que se segue imediatamente, - para sendo agora justificados pelo seu sangue, pois desde que ele define os dois em oposição, a um para o outro, e chama aqueles que são justificados livrou da culpa do pecado, segue-se necessariamente que esses são os pecadores que, por suas más ações, estão condenados. (161) A importação do todo é, - uma vez que Cristo alcançou justiça para pecador por sua morte, muito mais os que protegê-los agora, sendo justificados, da destruição. E na última cláusula que ele se aplica a sua própria doutrina a comparação entre o menor eo maior, pois não teria sido suficiente para a salvação de uma vez ter sido adquiridos para nós, não foram Cristo para torná-lo seguro e seguro até o fim. E é isso que o apóstolo agora mantém; de modo que não devemos ter medo, que Cristo vai cortar a corrente de seu favor enquanto estamos no meio do nosso curso: para, na medida em que nos reconciliou com o Pai, nossa situação é tal, que se propôs mais eficazmente para estendeu e diariamente para aumentar seu favor para nós.

 

Verso 10

  1. Esta é uma explicação do ex-verso, amplificado através da introdução de uma comparação entre a vida ea morte. Nós éramos inimigos, diz ele, quando Cristo interposto com a finalidade de propiciar o Pai: através desta reconciliação agora somos amigos; uma vez que esta foi efectuada por sua morte; muito mais influente e eficaz será a sua vida. (162) Nós, portanto, têm amplas provas para fortalecer nossos corações com confiança respeitando a nossa salvação. Ao dizer que fomos reconciliados com Deus pela morte de Cristo, ele quer dizer, que era o sacrifício de expiação, pelo qual Deus se tranqüilizou em relação ao mundo, como já mostrou no quarto capítulo.

 

Mas o apóstolo aqui parece ser inconsistente consigo mesmo; pois se a morte de Cristo foi um penhor do amor divino em nossa direção, segue-se que já eram aceitáveis ​​para ele; mas ele diz agora, que éramos inimigos. Para esta resposta, que, como Deus odeia o pecado, nós também são odiados por ele sua medida em que somos pecadores; mas como em seu secreto conselho ele nos escolhe para dentro do corpo de Cristo, ele deixa de nos odeiam, mas restauração para favorecer é desconhecido para nós, até que atingi-lo pela fé. Daí que diz respeito a nós, estamos sempre inimigos, até a morte de Cristo interpõe, a fim de propiciar Deus. E este duplo aspecto de como as coisas deveriam ser notado; para nós não sabemos a misericórdia gratuita de Deus, exceto como aparece a partir deste - que ele não poupou o seu Filho unigênito; porque ele nos amou numa altura em que não havia discórdia entre ele e nós: nem podemos entender suficientemente o benefício trazido até nós pela morte de Cristo, exceto este ser o início de nossa reconciliação com Deus, que estamos persuadidos de que é pela expiação que foi feita, que ele, que era antes justamente com raiva de nós, é agora propício para nós. Desde então, a nossa recepção em favor é atribuída a morte de Cristo, o significado é que a culpa é assim levado, ao qual devemos ser de outra forma exposto.

 

Verso 11

  1. E isso só não, etc. Agora, ele sobe para a mais alta estirpe de glória; para quando nós glória que Deus é nosso, qualquer que seja bênçãos pode ser imaginado ou desejado, seguirá e fluxo dessa fonte; para Deus não é apenas o chefe de todas as coisas boas, mas também possui em si mesmo a soma ea substância de todas as bênçãos; e ele se torna o nosso meio de Cristo. Nós, então, alcançar isso pela fé, - que nada está querendo nós como para a felicidade. Também não é em vão que ele tão freqüentemente menciona reconciliação: é, em primeiro lugar, para que sejamos ensinados a fixar os olhos na morte de Cristo, sempre que falamos da nossa salvação; e, por outro, para que saibamos que a nossa confiança deve ser fixado em mais nada, mas na expiação feita pelos nossos pecados.
  2. fonte coment. biblicoJoaõ Calvino 
  3. fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

     SUBSIDIO JOVENS JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ

        COMENTARIO BIBLICO ROMANOS 3.21-31

                                          LIÇÃO N.5

Verso 21

  1. Mas agora, sem lei, etc. Não é certo por que razão distinta ele chama de que a justiça de Deus, que obtemos pela fé; seja ela, porque pode sozinho diante de Deus, ou porque o Senhor, em sua misericórdia confere-lo em nós. Como ambas as interpretações são adequados, sustentamos para nenhum dos dois. Esta justiça então, que Deus se comunica com o homem, e aceita por si só, e possui como justiça, foi revelado, diz ele, sem a lei, isto é, sem o auxílio da lei; ea lei é para ser entendido como obras de significado; pois não é adequada para se referir a este seu ensinamento, que ele imediatamente aduz como testemunhar a justiça gratuita de fé. Alguns confiná-la a cerimônias; mas essa visão vou mostrar hoje a ser doentio e frígida. Devemos então saber, que os méritos de obras são excluídos. Vemos também que ele não combina trabalha com a misericórdia de Deus; mas tendo tirado e totalmente removida toda a confiança em obras, ele configura misericórdia sozinho.

 

Não é desconhecido para mim, isso [Agostinho] dá uma explicação diferente; para ele acha que a justiça de Deus é a graça de regeneração; e esta graça que ele permite ser livre, porque Deus nos renova, quando indigno, pelo seu Espírito; ea partir disso, ele exclui as obras da lei, ou seja, aquelas obras, pelo qual os homens de si mesmos se esforçar, sem renovação, para tornar Deus em dívida para com eles. (Deum promereri - para obrigar Deus.) Eu também sei bem, que alguns novos especuladores orgulhosamente apresentar este sentimento, como se fosse no dia de hoje revelado a eles. Mas que o Apóstolo inclui todas as obras, sem exceção, mesmo aqueles que o Senhor produz em suas próprias pessoas, é evidente a partir do contexto.

 

Para qualquer dúvida Abraão foi regenerado e guiados pelo Espírito de Deus no momento em que ele negou que ele foi justificado pelas obras. Daí ele excluído da justificação do homem não só funciona moralmente bom, como eles geralmente chamá-los, e como é feito pelo impulso da natureza, mas também todos aqueles que mesmo os fiéis podem executar. (110) Mais uma vez, uma vez que esta é uma definição da justiça da fé, "Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas," não há nenhuma pergunta a ser feita sobre este ou aquele tipo de trabalho; mas o mérito das obras a ser abolida, a remissão dos pecados só é estabelecido como a causa da justiça.

 

Eles pensam que essas duas coisas bem de acordo, - que o homem é justificado pela fé através da graça de Cristo, - e que ele é ainda justificado pelas obras, que procedem de regeneração espiritual; pois Deus nos renova gratuitamente, e também receber o seu dom pela fé. Mas Paul ocupa um princípio muito diferente, -. Que as consciências dos homens nunca serão tranquilizados até que decúbito na misericórdia de Deus somente (111) Por isso, em outro lugar, depois de ter-nos ensinado que Deus está em Cristo homens que justificam, ele expressa a maneira, - "por não lhes imputando-lhes os seus pecados." Da mesma maneira, em sua Epístola aos Gálatas, ele coloca a lei em oposição à fé no que diz respeito à justificação; para a lei promete vida para aqueles que fazer o que ele comanda, (Gálatas 3:12;) e que exige não apenas o desempenho fora de obras, mas também o amor sincero a Deus. É, portanto, segue-se que na justiça de fé, nenhum mérito das obras é permitido. Em seguida, ele parece evidente, que é apenas um sofisma frívola a dizer, que somos justificados em Cristo, porque somos renovados pelo Espírito, na medida em que somos membros de Cristo, - que somos justificados pela fé, porque somos unidos pela fé no corpo de Cristo, - de que estamos justificados gratuitamente, porque Deus não encontra nada em nós, mas o pecado.

 

Mas estamos em Cristo, porque estamos fora de nós mesmos; e justificado pela fé, porque temos de decúbito na misericórdia de Deus somente, e em suas promessas gratuitos; e livremente, porque Deus nos reconcilia consigo mesmo por enterrar nossos pecados. Nem pode este fato ser confinada ao início da justificação, como eles sonham; para essa definição - "Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas" - era aplicável a David, depois de ter exercido longa-se ao serviço de Deus; e Abraão, trinta anos após a sua chamada, apesar de um notável exemplo de santidade, teve Ainda não há obras para a qual ele poderia glória diante de Deus, e, portanto, sua fé na promessa lhe foi imputado para justiça; e quando Paulo nos ensina que Deus justifica os homens por não lhes imputando os seus pecados, ele cita uma passagem, que é repetido diariamente na Igreja. Ainda mais, a consciência, pela qual somos perturbados na pontuação das obras, executa seu escritório, não para apenas um dia, mas continua a fazê-lo por toda a vida. É, portanto, segue-se que não podemos permanecer até a morte, em um estado justificado, exceto nós olhamos para somente Cristo, em quem Deus nos adotou, e nos considera agora que foi aceite. Assim também é o seu sofisma refutados, que falsamente acusar-nos de afirmar, que, segundo a Escritura, somos justificados somente pela fé, enquanto a palavra exclusiva somente, está longe de ser encontrado nas Escrituras. Mas se a justificação não quer depende da lei, ou em nós mesmos, por que não deveria ser atribuída somente a misericórdia? e, se for de única misericórdia, então é somente pela fé.

 

A partícula agora pode ser feita adversatively, e não com referência ao tempo; como muitas vezes usamos agora para. mas (112) Mas se você preferir a considerá-lo como um advérbio de tempo, de bom grado admiti-lo, de modo que não pode haver nenhum espaço para suspeitar de uma fraude; ainda a revogação de cerimônias por si só não é para ser compreendido; pois era só o design do Apóstolo para ilustrar através de uma comparação a graça pela qual nós excel os pais. Em seguida, o significado é que, pela pregação do evangelho, após o aparecimento de Cristo na carne, a justiça da fé foi revelada. Não, no entanto, portanto, seguir, que tudo estava escondido antes da vinda de Cristo; para uma dupla manifestação é para ser aqui notado: o primeiro, no Antigo Testamento, que foi pela palavra e dos sacramentos; a outra no Novo, que contém a conclusão de cerimônias e promessas, como exibido no próprio Cristo: e podemos acrescentar, que pelo evangelho que recebeu um brilho mais completa.

 

Sendo comprovado [ou aprovado] pelo testemunho, (113) etc. Ele acrescenta este, para que na atribuição de justiça gratuita o evangelho, que parecem militar contra a lei. Como então ele negou que a justiça da fé necessita da ajuda da lei, de modo que agora ele afirma que é confirmado pelo seu testemunho. Se, então, a lei proporciona ao seu testemunho de justiça gratuita, é evidente que a lei não foi dada para esse fim, para ensinar aos homens como obter justiça pelas obras. Daí eles pervertê-la, que transformá-lo para responder a qualquer finalidade deste tipo. E mais, se você deseja uma prova dessa verdade, examinar, a fim os principais doutrinas de Moisés, e você vai descobrir que o homem, sendo expulsos do reino de Deus, não tinha outra restauração desde o início do que as contidas no evangélica promete através da semente abençoada, por quem, como tinha sido predito, a cabeça da serpente era para ser machucado, e através de quem uma bênção para as nações havia sido prometido: você vai encontrar nos mandamentos uma demonstração de sua iniqüidade, e do sacrifícios e oblações você pode aprender que a satisfação ea limpeza devem ser obtidos somente em Cristo. (114) Quando você vem para os profetas você vai encontrar as mais claras promessas de misericórdia gratuita. Sobre este assunto ver meus institutos.

 

Verso 22

  1. Mesmo a justiça de Deus, etc. (115) Ele mostra em poucas palavras o que esta justificação é, até o que é encontrado em Cristo e é apreendido pela fé. Ao mesmo tempo, introduzindo novamente o nome de Deus, ele parece fazer de Deus o fundador, (autorem, o autor), e não apenas o aprovador da justiça de que ele fala; como se ele tivesse dito, que flui dele sozinho, ou que sua origem é do céu, mas que se manifesta a nós em Cristo.

 

Quando, portanto, vamos discutir este assunto, devemos proceder da seguinte forma: Em primeiro lugar, a questão respeitando nossa justificação deve ser referido, não para o julgamento dos homens, mas para o juízo de Deus, diante do qual nada é contado a justiça, mas perfeita e obediência absoluta à lei; que aparece claramente das suas promessas e ameaças: se ninguém for encontrado que tenha atingido uma medida perfeita de santidade, segue-se que todos são em si mesmos destituídos de justiça. Em segundo lugar, é necessário que Cristo deve vir em nosso auxílio; que em si mesma apenas, pode nos tornar apenas transferindo para nós a sua própria justiça. Agora você vê como a justiça da fé é a justiça de Cristo. Quando, pois, somos justificados, a causa eficiente é a misericórdia de Deus, o meritório é Cristo, o instrumental é a palavra em conexão com a fé. (116) Assim, a fé é dito para justificar, porque é o instrumento pelo qual recebemos a Cristo , em quem a justiça é transmitida a nós. Tendo sido feitos participantes de Cristo, nós mesmos não são apenas justo, mas nossas obras também são contados justos diante de Deus, e por isso, porque o que quer imperfeições pode haver neles, são obliterados pelo sangue de Cristo; as promessas, que são condicionais, são também pela mesma graça cumpriu a nós; Deus recompensa por nossas obras como perfeito, na medida em que os seus defeitos são cobertos por perdão gratuito.

 

Para todos e sobre tudo, (117) etc. Por razões de amplificação, ele repete a mesma coisa de formas diferentes; era, para que pudesse expressar mais plenamente o que já ouvimos, que somente a fé é necessária, que os fiéis não são distinguidos por marcas externas, e que, portanto, não importa se sejam gentios ou judeus.

 

[Stuart] conecta estas palavras com "manifesta", ou revelado, em Romanos 3:21. Ela se manifesta a todos, e que se manifesta por todos; isto é, para o benefício real de todos os que crêem; em outras palavras, é oferecida a todos, mas torna-se de uma verdadeira vantagem apenas para aqueles que acreditam. Mas o modo mais simples consiste em considerar as palavras, o que é, como na nossa versão, para ser compreendido. 'Ερχομένη é a palavra que [Lutero] adota. - Ed.

 

Verso 23

  1. Há, de fato nenhuma diferença, etc. Ele exorta a todos, sem exceção, a necessidade de buscar justiça em Cristo; como se ele tivesse dito: "Não há nenhuma outra maneira de alcançar a justiça; para alguns não podem ser justificadas neste e em outros dessa maneira; mas todos devem igualmente ser justificados pela fé, porque todos são pecadores e, portanto, não têm nada para que eles possam glória diante de Deus. "Mas ele toma como certo que cada um, consciente do seu pecado, quando ele vier perante o tribunal de Deus, é confundida e perdeu sob um senso de sua própria vergonha; de modo que nenhum pecador pode suportar a presença de Deus, como podemos ver um exemplo no caso de Adão. Ele traz novamente para a frente uma razão tirada do lado oposto; e, portanto, temos de perceber o que se segue. Uma vez que somos todos pecadores, Paulo conclui, que são deficientes em, ou destituídos de, o elogio devido à justiça. Há, em seguida, de acordo com o que ele ensina, sem justiça, mas o que é perfeita e absoluta. Houve de fato uma coisa como metade justiça, seria ainda ser necessário privar o pecador inteiramente de toda a glória: e por este meio o fruto da justiça parcial, como eles chamam, é suficientemente refutadas; porque, se fosse verdade que estamos justificados em parte pelas obras, e, em parte, pela graça, esse argumento de Paulo seria de nenhuma força - que todos estão privados da glória de Deus, porque eles são pecadores. Em seguida, é certo, não há justiça, onde há pecado, até que Cristo remove a maldição; e isto mesmo é o que se diz em Gálatas 3:10, que todos os que estão debaixo da lei estão expostos à maldição, e que são entregues a partir dele através da bondade de Cristo. A glória de Deus eu levo para significar a aprovação de Deus, como em João 12:43, onde é dito, que "amavam a glória dos homens do que a glória de Deus." E assim ele nos convoca a partir do aplauso de um tribunal humano ao tribunal do céu. ( 118)

 

Verso 24

  1. Sendo justificados gratuitamente, etc. Um particípio está aqui para colocar um verbo acordo com o uso da língua grega. O significado é, - que desde resta nada para os homens, como para si, mas a perecer, sendo golpeado pelo justo juízo de Deus, eles devem ser justificados gratuitamente por meio de sua misericórdia; para Cristo vem em auxílio da miséria, e se comunica aos crentes, de modo que eles acham só nele todas aquelas coisas em que eles estão querendo. Há, talvez, nenhuma passagem em toda a Escritura que ilustra de uma forma mais evidente a eficácia da sua justiça; pois mostra que a misericórdia de Deus é a causa eficiente, que Cristo, com seu sangue é a causa meritória, que o formal ou a causa instumental é a fé na palavra, e que, além disso, a causa final é a glória da justiça e da bondade divina .

 

No que respeita à causa eficiente, diz ele, que estamos justificados gratuitamente, e, ainda, pela sua graça; e ele, assim, repete a palavra para mostrar que o todo é de Deus, e nada de nós. Poderia ter sido o suficiente para se opor a graça de mérito; mas para que não devemos imaginar uma meia espécie de graça, ele afirma mais fortemente que ele entende por uma repetição, e clama por misericórdia de Deus somente toda a glória da nossa justiça, que os sofistas dividir em partes e mutilar, que eles não podem ser restringidos para confessar sua própria pobreza. - Através da redenção, etc. Este é o material, - Cristo por sua obediência satisfez a justiça do Pai, (judicium - julgamento,) e procedendo a nossa causa, ele nos libertou da tirania da morte, pelo qual foram mantidos em cativeiro; como por causa do sacrifício que ofereceu é nossa culpa removida. Aqui novamente é totalmente refutado o brilho de quem faz justiça a qualidade; pois se somos considerados justos diante de Deus, porque somos redimidos por um preço, nós certamente derivar de outro o que não está em nós. E Paul imediatamente explica mais claramente o que este resgate é, e qual é o seu objeto, que é para nos reconciliar com Deus; para que ele chama de Cristo como propiciação, (ou, se se preferir uma alusão a um tipo antigo,) um propiciatório. Mas o que ele quer dizer é, que não são de outra maneira do que apenas por meio de Cristo propiciando o Pai para nós. Mas é necessário para que possamos examinar as palavras. (119)

 

[Pareus] torna "placamentum - expiação," hoc est, "placatorem", isto é, [Beza] "atoner, ou expiador." 'S versão é a mesma - "placamentum;" [Doddridge] tem "propiciação" e [Macknight] ", um propiciatório", e [Schleusner], "expiatorem - expiador."

 

A palavra ocorre em um outro local com o artigo neutro, ἱλαστήριον τὸ,, Hebreus 9: 5, onde ela significa claramente o propiciatório. Ele está sempre acompanhado com o artigo na Septuaginta, quando, por si só, ver Levítico 16: 2; mas aqui está sem o artigo, e pode ser visto como um adjetivo dependente em diante, "quem", e propiciador prestado. Havia o propiciatório sido destinado, que teria sido ἱλαστήριον τὸ. - Ed.

 

Verso 25

  1. A quem Deus propôs, etc. O verbo grego, προτίθεναι, significa, por vezes, para determinar de antemão, e às vezes para expor. Se o primeiro significado ser tomadas, Paulo refere-se à misericórdia gratuita de Deus, por ter nomeado Cristo como nosso Mediador, que ele poderia apaziguar o Pai pelo sacrifício de sua morte: nem é um pequeno elogio da graça de Deus que ele, de sua própria boa vontade, procurou uma maneira pela qual ele pode remover nossa maldição. De acordo com este ponto de vista, a passagem harmoniza plenamente com isso em João 3:16,

 

"Porque Deus amou o mundo, que deu o seu Filho unigênito."

 

No entanto, se nós abraçamos este significado, ele permanecerá ainda é verdade, que Deus pôs-o em devido tempo, a quem ele havia designado como mediador. Parece haver uma alusão na palavra, ἱλαστήριον, como já disse, para o antigo propiciatório; pois ele nos ensina que a mesma coisa estava realmente exibiu em Cristo, que tinha sido previamente tipificada. Como, porém, o outro ponto de vista não pode ser refutada, deveria qualquer preferir, eu não comprometem-se a decidir a questão. O que Paulo quer dizer aqui é especialmente sem dúvida evidente a partir de suas palavras; e foi isso, - que Deus, sem ter em conta a Cristo, está sempre com raiva de nós, - e que somos reconciliados com ele quando são aceitos através de sua justiça. Deus não realmente odeio em nós a sua própria obra, isto é, como nós somos homens formados; mas ele odeia nossa impureza, que extinguiu a luz da sua imagem. Quando a lavagem de Cristo purifica esta distância, então ele ama e nos abraça como sua própria obra pura.

 

A propiciatório pela fé no seu sangue, etc. Eu prefiro assim, literalmente, para manter a linguagem de Paulo; pois parece-me que na verdade ele pretendia, por um único período, a declarar que Deus é propício para nós, assim que nós temos a nossa confiança de descanso no sangue de Cristo; pois pela fé chegamos à posse deste benefício. Mas, ao mencionar sangue somente, ele não quis dizer para excluir outras coisas ligadas à redenção, mas, pelo contrário, para incluir o todo sob uma palavra: e ele mencionou "sangue", pois por ela somos limpos. Assim, tomando a parte pelo todo, ele aponta toda a obra de expiação. Pois, como ele havia dito antes, que Deus se reconcilia em Cristo, então ele acrescenta agora, que essa reconciliação é obtida pela fé, mencionando, ao mesmo tempo, o que é que a fé deve principalmente a considerar em Cristo - o seu sangue.

 

Para (propter) a remissão dos pecados, (120) etc. As importações causal preposição, tanto quanto se ele tivesse dito, "para o bem da remissão", ou, "para o efeito, para que pudesse apagar os pecados." E esta definição ou explicação novamente confirma o que eu já muitas vezes lembrou-lhe, - que os homens são pronunciadas apenas, não porque eles são de tal ordem na realidade, mas por imputação: para ele só usa vários modos de expressão, que ele poderia declarar mais claramente, que na justiça, não há mérito nosso; para se obtê-lo pela remissão dos pecados, podemos concluir que não é de nós mesmos; e ainda mais, já que a própria remissão é um ato de generosidade de Deus sozinho, cada mérito cai no chão.

 

Pode, no entanto, ser feita, por que ele limita o perdão de pecados anteriores? Embora esta passagem é diversas vezes explicadas, mas parece-me provável que Paulo tinha em conta as expiações legais, que eram de fato evidências de uma satisfação futura, mas não seria capaz de pacificar Deus. Há uma passagem semelhante em Hebreus 9:15, onde diz-se, que por Cristo a redenção foi trazida de pecados, que permaneceram sob o antigo Testamento. Você não está, no entanto, entender que não há pecados, mas os de outros tempos foram expiado pela morte de Cristo - uma noção delirante, que alguns fanáticos têm atraído a partir de uma visão distorcida dessa passagem. Para Paulo nos ensina só isso, - que, até a morte de Cristo não havia nenhuma maneira de apaziguar a Deus, e que isso não foi feito ou realizado pelos tipos legais: daí a realidade foi suspensa até que a plenitude do tempo veio. Podemos dizer ainda, que as coisas que nos envolvem diariamente na culpa deve ser considerado na mesma luz; para lá, mas uma verdadeira expiação para todos.

 

Alguns, a fim de evitar o que parece inconsistente, têm sustentado que pecados anteriores são disse ter sido perdoado, para que não pareça que ele a liberdade dada a pecar no futuro. É verdade que nenhum perdão é oferecido, mas por pecados cometidos; não que o benefício da redenção falhar ou for perdido, quando depois cair, como Novatus e sua seita sonhou, mas que é o caráter da dispensação do evangelho, o que lhe oferecer que vai pecar o julgamento e ira de Deus, e antes que o pecador sua misericórdia. Mas o que eu já disse é o sentido real.

 

Ele acrescenta que a remissão foi através de paciência; e isso eu tomar simplesmente para dizer mansidão, que suspendeu o julgamento de Deus, e sofreu não para estourar adiante para nossa ruína, até que ele tinha longamente nos recebeu em favor. Mas parece haver aqui também uma antecipação implícita do que pode ser dito; que ninguém pode opor-se, e dizer que este favor tinha só apareceu de tarde. Paulo nos ensina, que era uma evidência de tolerância.

 

O que é "justiça" de Deus aqui foi por diversas vezes explicadas. Alguns consideram que a sua justiça no cumprimento de suas promessas, como [Beza]; outros, sua justiça em Cristo aos crentes, mencionado em Romanos 1:17, como [Agostinho]; e outros, a sua justiça como o Deus de retidão e justiça, como [Crisóstomo] Alguns, também, como [Grotius], vê-lo no sentido de bondade ou misericórdia, a respeito da palavra como tendo, por vezes, neste sentido.

 

É o contexto que pode nos ajudar com o significado correto. Deus expôs o seu Filho como propiciação, para expor essa justiça; e esta virtude é conectado com a remissão de, ou em vez; como meio de palavras, a preterição de conivência ou a pecados cometidos sob a antiga dispensação: e esses pecados foram conivente com sob a paciência de Deus, ele não executar a punição que merecia; ea finalidade é indicado para ser, - para que Deus possa ser ou parecer apenas, enquanto ele é o justificador daqueles que crêem em Cristo. Agora, o que pode ser essa justiça, mas a sua justiça administrativa? Como a lei não permitia a remissão, e Deus fez perdoar pecados, não parecia ser uma mancha na justiça divina. A exposição de Cristo como expiação por si só é o que remove-lo. E há uma palavra no versículo anterior, como [Venema] observa com justiça, o que tende a confirmar esta opinião, e essa palavra é a redenção, ἀπολυτρώσις, que é uma libertação obtida por um resgate, ou por um preço, como a justiça exige .

 

Ambos [Doddridge] e [Scott] consideram a passagem a esta luz; e este último dá a seguinte versão do mesmo, -

 

"A quem Deus já dantes ordenados para propiciação, mediante a fé no seu sangue, para demonstração da sua justiça, por conta da passagem por dos pecados, que tinha sido cometido em tempos anteriores, sob a paciência de Deus; eu digo, para uma demonstração de sua justiça, neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. "- Nada pode ser mais claro que esta versão.

 

As últimas palavras são justamente prestados, embora não literalmente; τὸν ἐκ πίστεως Ιησου - ". ele de fé em Jesus" "-lo da fé de Jesus", ou,-Lo de fé é aquele que acredita, como τοῖς οὑκ ἐκ περιτομὢς - "eles não da circuncisão" significa "os que não são circuncidado ", Romanos 4:12; e τοῖς έξ ἐριθείας - "aqueles de discórdia," significa, "aqueles que afirmam", ou, são contenciosos, Romanos 2: 8. - Ed.

 

Verso 26

  1. Para uma demonstração, (121) etc. A repetição desta cláusula é enfático; e Paul resignadamente feito isso, como foi muito necessário; pois nada é mais difícil do que para persuadir o homem que ele deveria assumem todas as coisas como o seu, e atribuir-lhes tudo a Deus. Ao mesmo tempo menção foi feita intencionalmente duas vezes dessa demonstração, que os judeus possam abrir os olhos para contemplá-la. - Neste momento, etc. O que tinha sido sempre em todos os momentos, ele se aplica ao tempo em que Cristo foi revelado, e não sem razão; para o que foi anteriormente conhecido de uma maneira obscura sob sombras, Deus manifestou abertamente em seu Filho. Assim, a vinda de Cristo era o momento de sua boa vontade, e no dia da salvação. Deus teve de facto em todas as idades dadas algumas evidências de sua justiça; mas parecia muito mais brilhante quando o sol da justiça brilhou. Notado, então, deve ser a comparação entre o Antigo eo Novo Testamento; para, em seguida, só foi revelada a justiça de Deus quando Cristo apareceu.

 

Que ele seja justo, etc. Esta é uma definição de justiça que ele tem declarado foi revelado quando Cristo foi dada, e que, como ele nos ensinou no primeiro capítulo, é dado a conhecer no evangelho, e ele afirma que que consiste em duas partes - a primeira é que Deus é justo, na verdade não como um entre muitos, mas como alguém que contém dentro de si toda a plenitude da justiça; para louvor completo e completo, como é devido, não o contrário dado a ele, mas quando só ele obtém o nome ea honra de ser justo, enquanto toda a raça humana está condenada para a injustiça: e depois a outra parte refere-se ao comunicação da justiça; para Deus não significa mantém suas riquezas colocou-se em si mesmo, mas derrama-los pelos homens. Em seguida, a justiça de Deus brilha em nós, sempre que nos justifica pela fé em Cristo; em vão eram Cristo nos deu para a justiça, a menos que houvesse a fruição dele pela fé. É, portanto, segue-se que todos eram injustos e perdido em si, até que um remédio do céu foi oferecido a eles. (122)

 

Verso 27

  1. Onde, então, está glorificando? O Apóstolo, depois de ter, com razões fortes, abundantemente expressos para baixo os homens de sua confiança em obras, agora triunfa sobre a sua loucura; e esta conclusão exultante era necessário; para sobre este assunto, para ensinar-nos não teria sido suficiente; era necessário que o Espírito Santo deve alto trovão, a fim de estabelecer prostrar nossa altivez. Mas ele diz que jactância está além de toda dúvida excluídos, pois não podemos apresentar nada de próprio, o que é digno de ser aprovado ou recomendado por Deus. Se o material de gloriar-me ser mérito, se você citar a de congruência ou de condignity, pelo qual o homem seria conciliar Deus, você vê que ambos são aqui aniquilado; pois ele não trata da diminuição ou a modificação de mérito, mas Paul não deixa uma partícula para trás. Além disso, uma vez que pela fé gloriar-se em obras é tão levado, que a fé não pode ser verdadeiramente pregada, sem totalmente privar o homem de todos os elogios, atribuindo tudo à misericórdia de Deus - segue-se, que são assistidos por nenhuma obra na obtenção de justiça.

 

De obras? Em que sentido é que o apóstolo nega aqui, que nossos méritos são excluídos pela lei, desde que ele tenha antes provou que estamos condenados pela lei? Pois, se a lei nos oferece sobre a morte, o que jactância podemos obter a partir dele? Será que ela não ao contrário nos privar de tudo glorificando e cobrir-nos de vergonha? Em seguida, ele mostrou efectivamente, que o nosso pecado está aberto com o que a lei declara, para a manutenção do que é o que todos nós temos negligenciado, mas ele quer dizer aqui, que eram justiça para ser tido pela lei das obras, nossa glória não seria ser excluídos; mas como ele é somente pela fé, não há nada que possamos reivindicar para nós mesmos; para a fé recebe tudo de Deus, e não traz nada, exceto uma humilde confissão de falta.

 

Esse contraste entre fé e obras devem ser cuidadosamente notado: obras são aqui mencionados sem qualquer limitação, mesmo funciona universalmente. Então ele nem fala de cerimônias única, nem especificamente de qualquer trabalho externo, mas inclui todos os méritos de obras que se possa imaginar.

 

O nome da lei é aqui, sem correção rigoroso, dada a fé: mas isso não significa obscurece o significado do Apóstolo; para o que ele entende é que, quando chegamos à regra de fé, toda a glória nas obras é colocado prostrado; como se dissesse: - "A justiça de obras é de fato elogiado pela lei, mas da fé que tem a sua própria lei, o que deixa a obras, sejam elas quais forem, não há justiça". (124)

 

Verso 28

  1. Concluímos então, etc. Ele agora atrai a proposição principal, como um que é incontestável, e acrescenta uma explicação. A justificação pela fé é de fato muito claro, quando os trabalhos estão expressamente excluídas. Por isso, em nada fazer o nosso trabalho adversários mais nos dias de hoje do que em tentativas de misturar fé com os méritos de obras. Eles de fato permitir que o homem é justificado pela fé; mas não somente pela fé; sim, eles colocam a eficácia da justificação no amor, embora em palavras que atribuí-la à fé. Mas Paulo afirma nesta passagem que a justificação é tão gratuita, que faz com que seja bastante evidente, que ele pode de forma alguma ser associado com o mérito das obras. Por que ele nomeia as obras da lei, já expliquei; e eu também provou que é um absurdo para confiná-los para cerimônias. Frigid também é o brilho, que as obras estão a ser tomadas para aqueles que estão fora, e feito sem o Espírito de Cristo. Pelo contrário, a palavra lei que é adicionado, significa o mesmo como se ele os chamou meritório; para o que é referido é a recompensa prometida na lei. (125)

 

O que, James diz, que o homem não é justificado pela fé, mas também pelas obras, não em tudo militam contra a visão anterior. A conciliação entre as duas visões depende principalmente da deriva do argumento perseguido por James. Para a questão com ele não é, como os homens alcançar a justiça diante de Deus, mas como eles provar aos outros que eles são justificadas, para seu objetivo era refutar hipócritas, que vão se gabou de que eles tinham fé. Gross, então, é o sofisma, de não admitir que a palavra, para justificar, é tomada em um sentido diferente por James, daquela em que ele é usado por Paul; para eles lidar com assuntos diferentes. A palavra, fé, é também, sem dúvida, capaz de vários significados. Essas duas coisas devem ser levadas à conta, antes de um julgamento correto pode ser formado no ponto. Podemos aprender com o contexto, que James não significava mais do que que o homem não é feito ou provou ser apenas por uma fé fingida ou morto, e que ele precisa provar sua justiça por suas obras. Ver sobre este assunto meus institutos.

 

Verso 29

  1. Ele é o Deus dos judeus? A segunda proposição é que essa justiça não mais pertence aos judeus do que para os gentios, e foi uma grande questão que este ponto deve ser instado, a fim de que uma passagem livre might ser feita para o reino de Cristo por todo o mundo. Ele não em seguida, pedir simplesmente ou expressamente, se Deus foi o Criador dos gentios, que foi admitido sem qualquer controvérsia; mas se ele projetou a manifestar-se como um Salvador também a eles. Como ele tinha colocado toda a humanidade em um nível, e os trouxe para a mesma condição, se há alguma diferença entre eles, é de Deus, não de si mesmos, que têm todas as coisas iguais: mas, se é verdade que Deus projeta para fazer todas as nações da terra os participantes de sua misericórdia, então a salvação, ea justiça, que é necessária para a salvação, deve ser estendida a todos. Assim, sob o nome, Deus, é transmitida uma intimação de uma relação mútua, que é frequentemente mencionado nas Escrituras, -

 

"Eu serei vosso Deus, e vós sereis o meu povo." (Jeremias 30:22).

 

Para a circunstância, que Deus, por um tempo, escolheu para si um povo peculiar, não anular a origem da humanidade, que foram todos formados à imagem de Deus, e deviam ser trazidos no mundo, na esperança de uma eternidade feliz.

 

Verso 30

  1. Quem deve justificar, (127) etc. Ao dizer que alguns são justificados pela fé, e alguns por meio da fé, ele parece ter-se o espectáculo de variando sua língua, enquanto ele expressa a mesma coisa, e para este fim, - que ele poderia, por sinal, toque sobre a loucura dos judeus, que imaginou uma diferença entre eles e os gentios, embora sobre o tema da justificação não havia diferença alguma; Porque desde que os homens se tornaram participantes de esta graça pela fé somente, e uma vez que a fé em tudo é o mesmo, é um absurdo fazer uma distinção no que é tão parecidos. Estou, portanto, levados a pensar que há algo irônico nas palavras, como se pode dizer, - "Se os desejos de ter uma diferença feita entre o gentio e judeu, tome isso, - que o obtém justiça pela fé , eo outro através de fé. "

 

Mas pode ser que alguns vão preferir esta distinção, - que os judeus foram justificados pela fé, porque eles nasceram os herdeiros da graça, como o direito de adoção foi transmitida a eles a partir dos Padres, - e que os gentios eram justificadas através da fé, porque o pacto que lhes foi acidental.

 

Verso 31

  1. Será que, em seguida, fazer, etc. Quando a lei se opõe à fé, a carne imediatamente suspeita que haja alguma contrariedade, como se aquele fosse adverso para o outro: e esta falsa noção prevalece, especialmente entre aqueles que estão imbuídos idéias erradas quanto à lei, e deixando as promessas, buscar mais nada por ele, mas a justiça de obras. E por causa disso, não só Paulo, mas o próprio Senhor, foi mal falado pelos judeus, como se em toda a sua pregação, ele visa a revogação da lei. Por isso, foi que ele fez este protesto, -

 

"Eu não vim para desfazer, mas para cumprir a lei." (Mateus 5:17).

 

E essa suspeita que diz respeito à moral, bem como a lei cerimonial; para que o evangelho tem pôr fim às cerimônias mosaicas, que é suposto ter uma tendência para destruir toda a dispensação de Moisés. E ainda mais, uma vez que varre toda a justiça de obras, acredita-se para ser oposição a todos esses testemunhos da lei, pelo qual o Senhor declarou, que ele tem, assim, prescritos no caminho da justiça e da salvação. Entendo, portanto, essa defesa de Paulo, não só como a cerimônias, nem quanto aos mandamentos que são chamados de moral, mas no que diz respeito a toda a lei universal. (128)

 

Para a moral lei é, na realidade, confirmada e estabelecida pela fé em Cristo, na medida em que foi dada para esse fim - para levar o homem a Cristo, mostrando-lhe a sua iniqüidade; e sem isso, não pode ser cumprido, e em vão que vai exigir o que deve ser feito; nem pode fazer nada, mas irritar lust mais e mais, e assim, finalmente, aumentar a condenação do homem; mas onde há uma vinda de Cristo, não é encontrado pela primeira vez em ele a perfeita justiça da lei, que se torna nossa pela imputação, e depois há santificação, por que nossos corações estão preparados para cumprir a lei; é de facto realizado de forma imperfeita, mas existe uma visando o trabalho. Semelhante é o caso com cerimônias, o que de fato cessar e desaparecerão quando Cristo vier, mas eles são, na realidade, confirmada por ele; para quando eles são vistos em si mesmos são imagens vãs e sombrias, e, em seguida, só eles atingir qualquer coisa real e sólido, quando seu fim é considerado. Neste então consiste a sua confirmação chefe, quando tenham obtido a sua realização em Cristo. Vamos então nós também ter em mente, de modo a dispensar o evangelho que por nosso modo de ensinar a lei pode ser confirmado; mas deixá-lo ser sustentada por nenhuma outra força do que a fé em Cristo.

Fonte comentário bíblico de CALVINO

 

 

 

 

 

                      SUBSIDIO JOVENS n.4

ROMANOS CPAD A NESSIDADE DA SALVAÇÃO.

                        ROMANOS 3.9-20

                            Introdução

O apóstolo, neste capítulo, traz em seu discurso sobre a justificação. Ele já tinha provado a culpa tanto de gentios e judeus. Agora, neste capítulo, I. Ele responde a algumas objeções que possam ser feitas contra o que ele tinha dito sobre os judeus, Romanos 3: 1-8. II. Ele afirma a culpa ea corrupção da humanidade em comum, tanto judeus como gregos, Romanos 3: 9-18. III. Ele argumenta daí que a justificação deve acontecer pela fé, e não pela lei, que ele dá várias razões para (Romanos 3: 19-31). As muitas digressões em seus escritos tornar seu discurso às vezes um pouco difícil, mas o seu âmbito é evidente.

 

Versículos 1-18

As vantagens das objeções judeus responderam a depravação de judeus e gentios.   AD 58.

1 Que vantagem, pois, tem o judeu? ou qual a utilidade é lá da circuncisão? 2 Muita, em todo sentido; primeiramente, porque lhe foram confiados os oráculos de Deus. 3 Se alguns não creram? deve sua incredulidade a fidelidade de Deus? 4 De maneira nenhuma, deixar Deus ser verdade, mas todo homem mentiroso, como está escrito, Para que sejas justificado em tuas palavras, e venças quando fores julgado. 5 Mas, se a nossa injustiça prova a justiça de Deus, que diremos? É Deus injusto que tira vingança? (Falo como homem) 6 Deus me livre: para, em seguida, como julgará Deus o mundo? 7 Porque, se a verdade de Deus abundou mais pela minha mentira para sua glória por que sou eu ainda julgado como pecador? 8 E não ao contrário, (como somos blasfemados, e como alguns dizem que dizemos): Façamos males, para que venham bens? cuja condenação é justa. 9 E então? Somos melhores do que eles? Não, de modo algum, porque já demonstramos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado 10 como está escrito: Não há justo, nem sequer um: 11 Não há quem entenda , não há ninguém que busque a Deus. 12 Todos se fora do caminho, eles estão juntos se tornar não rentável não há ninguém que faça o bem, não há sequer um. 13 A sua garganta é um sepulcro aberto com as suas línguas tratam enganosamente o veneno de víbora está nos seus lábios: 14 a sua boca está cheia de maldição e amargura: 15 Os seus pés são ligeiros para derramar sangue: 16 destruição e miséria estão nos seus caminhos : 17 E o caminho da paz eles não têm conhecido: 18 Não há temor de Deus diante de seus olhos.

 

  1. Aqui, as respostas apóstolo várias objeções, o que pode ser feito, para limpar o seu caminho. Nenhuma verdade tão simples juízo e evidentes, mas perversas e corações carnais corruptos terá algo a dizer contra ele, mas verdades divinas devem ser cancelaram do sofisma.

 

Objeto. 1. Se judeus e gentios ficar tanto sobre o mesmo nível diante de Deus, que vantagem, pois, tem o judeu? Ou não tem Deus falado muitas vezes com um grande respeito para os judeus, como um não-tais pessoas (Deuteronômio 33:29), um nação santa, um tesouro peculiar, a semente de Abraão, seu amigo: ele não instituiu a circuncisão como um distintivo de sua igreja-membros, e um selo de sua aliança-relação com Deus? Agora não esta doutrina nivelamento negar-lhes todas essas prerrogativas, e refletir desonra ao ordenar a circuncisão, como uma coisa insignificante infrutífera.

 

. Resposta Os judeus são, apesar disso, um povo muito privilegiados e honrados, têm grandes meios e ajuda, embora estes não ser infalivelmente salvar (Romanos 3: 2):. Muita, em toda maneira a porta está aberta para os gentios, bem como a judeus, mas os judeus têm uma forma mais justa até esta porta, por causa dos seus privilégios de igreja, que não estão a ser desvalorizado, embora muitos que têm-los perecer eternamente por não melhorá-los. Ele calcula-se muitos dos judeus privilégios Romanos 9: 4,5 aqui ele menciona, mas um (que é de fato instar omnium - equivalente a toda), que lhe foram confiados os oráculos de Deus, isto é, as escrituras do Velho Testamento, especialmente a lei de Moisés, que é chamado as palavras de vida (Atos 7:38), e aqueles tipos, promessas e profecias, que dizem respeito a Cristo e ao Evangelho. As escrituras são as palavras de Deus: eles são uma revelação divina, eles vêm do céu, são de verdade infalível, e de conseqüência eterna como oráculos. A Septuaginta chamar o Urim e Tumim a logia -. Oráculos A escritura é o nosso peitoral de julgamento. Temos de recorrer à lei e ao testemunho, como a um oráculo. O evangelho é chamado os oráculos de Deus, Hebreus 5:12, 1 Pedro 4:11. Agora, esses oráculos estavam comprometidos com os judeus do Antigo Testamento foi escrito em sua língua Moisés e os profetas eram de sua nação, viveu entre eles, pregada e escreveu principalmente para e para os judeus. Eles foram autorizados a eles como curadores para sucedendo idades e igrejas. O Antigo Testamento foi depositado em suas mãos, para ser cuidadosamente preservado puro e incorruptível, e assim transmitido para a posteridade. Os judeus eram biblioteca-guardiões dos cristãos, foram confiados com esse tesouro sagrado para seu próprio uso e benefício, em primeiro lugar, e, em seguida, para a vantagem de o mundo e, em preservar a letra da Escritura, eles foram muito fiéis a sua confiança, não perdeu um jota ou um til, em que estamos a reconhecer cuidado e graciosa providência de Deus. Os judeus tinham os meios de salvação, mas eles não tinham o monopólio da salvação. Ora, ele menciona com um sobretudo, prótons homens gar --este era seu privilégio nobre e principal. O gozo de palavra e ordenanças de Deus é o chefe felicidade de um povo, é para ser colocado nas Imprimis de suas vantagens, Ps. cxlvii. 20.

 

Objeto. 2. Contra o que ele tinha dito das vantagens que os judeus tinham em palavras vivas, alguns podem objetar a incredulidade de muitos deles. Para que propósito foram os oráculos de Deus compromete-se a eles, quando muitos deles, não obstante esses oráculos, estranhos continuaram a Cristo e ao seu Evangelho inimigos? Alguns não acreditam, Romanos 3: 3.

 

. Resposta É bem verdade que alguns, ou melhor a maioria dos atuais judeus, não crer em Cristo, mas deve sua incredulidade a fidelidade de Deus? Os startles apóstolo em tal pensamento: Deus me livre! A infidelidade e obstinação da Os judeus não puderam invalidar e derrubar essas profecias sobre o Messias que estavam contidos nos oráculos comprometidas com eles. Cristo será glorioso, embora Israel não ser recolhidas, Isaías 49: 5. As palavras de Deus sejam cumpridos seus propósitos realizadas, e todas as suas extremidades respondeu, apesar de haver uma geração que por sua incredulidade percorrer cerca de fazer de Deus um mentiroso. Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso vamos respeitar este princípio, que Deus é fiel a toda a palavra que ele falou, e vai deixar nenhum de seus oráculos cair no chão, embora, assim, damos a mentira ao homem melhor pergunta e derrubar o crédito de todos os homens no mundo do que dúvida da fidelidade de Deus. O que David disse em sua pressa (Salmo 116: 11), que todos os homens são mentirosos, Paulo afirma aqui deliberadamente. Mentir é um membro de que o homem velho que cada um de nós veio ao mundo vestida. Todos os homens são inconstantes e mutáveis, e dado a alterar, vaidade e uma mentira (Salmo 62: 9), totalmente vaidade, Salmo 39: 5. Todos os homens são mentirosos, em comparação com Deus. É muito confortável, quando encontramos todo homem mentiroso (sem fé no homem), que Deus é fiel. Quando eles falam vaidade, cada um com o seu próximo, é muito confortável para pensar que as palavras do Senhor são palavras puras, Salmo 12: 2,6. Para a mais uma prova disso ele cita o Salmo 51: 4, que sejas justificado, a concepção de que é para mostrar, 1. Que Deus faz e vai preservar sua honra no mundo, apesar dos pecados dos homens. 2. Que é nosso dever, em todas as nossas conclusões a respeito de nós mesmos e os outros, para justificar a Deus e de se afirmar e manter a sua justiça, a verdade ea bondade, no entanto, ele vai. David coloca uma carga sobre si mesmo em sua confissão, para que pudesse justificar Deus, e absolvê-lo a partir de qualquer injustiça. Então, aqui, Deixe o crédito ou a reputação de mudança homem por si só, a questão não é grande se afundar ou nadar retenhamos firmemente a esta conclusão, como soever especioso das instalações pode ser ao contrário, que o Senhor é justo em todos os seus . caminhos, e santo em todas as suas obras Assim é Deus justificado em suas palavras, e apagada quando ele julga (como é o Salmo 51: 4), ou quando ele for julgado, como é aqui traduzida. Quando os homens a pretensão de brigar com Deus e seus processos, podemos ter certeza que a sentença vai do lado de Deus.

 

Objeto. 3. Corações carnais pode, portanto, ter ocasião para encorajar-se em pecado. Ele havia dito que a culpa universal ea corrupção da humanidade deu ocasião para a manifestação da justiça de Deus em Jesus Cristo. Agora pode-se sugerir, Se todos os nossos pecados estar tão longe de derrubar a honra de Deus que ele elogia-lo, e seus fins são garantidos, de modo que não há nenhum dano feito, não é injusto para Deus para punir nossos pecados e incredulidade tão severamente ? Se a injustiça dos judeus deu ocasião ao chamado dos gentios, e assim a maior glória de Deus, por que os judeus tanto censurada? Se a nossa injustiça prova a justiça de Deus, que diremos? Romanos 3: 5. ? O que inferência podem ser extraídas deste Deus é injusto, me adikos ho Theos - Deus não é injusto (por isso pode ser lido, mais na forma de uma oposição), que tira vingança? Corações incrédulos o prazer de tomar qualquer ocasião para brigar com a equidade dos processos de Deus, e para condená-lo que é mais justo, Jó 34:17. Falo como homem, isto é, oponho-me isso como o de corações carnais, sugere-se como um homem, um vão, insensato, criatura orgulhosa.

 

Responda. Deus me livre longe de nós imaginar uma coisa dessas. Sugestões que reflectem desonra a Deus e sua justiça e santidade são em vez de ser assustado com que negociou com. Para trás de mim, Satanás jamais entreter tal pensamento. Do contrário, como julgará Deus o mundo? Romanos 3: 6. O argumento é o mesmo com a de Abraão (Gênesis 18:25): Não fará justiça o juiz de toda a terra? Sem dúvida, ele deve. Se ele não fosse infinitamente justo e reto, ele seria incapaz de ser o juiz de toda a terra. Será mesmo aquele que odeia o direito governará? Jó 34:17. Compare Romanos 3: 18,19. O pecado tem nunca a menos de malignidade e demérito na embora Deus glorificam-se fora dela. É somente acidentalmente que o pecado louva a justiça de Deus. Nenhum graças ao pecador para que, quem pretende existe tal coisa. A consideração de Deus de julgar o mundo deve silenciar para sempre todos os nossos doubtings de e reflexões sobre, sua justiça e equidade. Não é para nós a citar o processo de um Soberano tão absoluta. A sentença do tribunal supremo, onde reside há recurso, não é para ser posta em causa.

 

Objeto. 4. A primeira objeção é repetido e processados ​​(Romanos 3: 7,8), para corações orgulhosos dificilmente será batido fora de seu refúgio da mentira, mas vai segurar firme a fraude. Mas sua desencadeando a objeção em suas próprias cores é suficiente para respondê-la:. Se a verdade de Deus abundou mais pela minha mentira Ele supõe os sofistas a seguir a sua objecção assim: "Se minha mentira, isto é, o meu pecado" ( pois há algo de uma mentira em cada pecado, especialmente nos pecados de professores) "tenha ocasionado a glorificação da verdade e da fidelidade de Deus, por que devo ser julgado e condenado como um pecador, e não em vez de lá levar encorajamento para continuar em meu pecado, que a graça mais abundante? " uma inferência que à primeira vista parece muito negro a ser discutido, e apto para ser lançado fora com horror. Pecadores ousados ​​ter ocasião de se vangloriar na malícia, porque a bondade de Deus permanece continuamente, Salmo 52: 1. Vamos fazer o mal que venha o bem é mais freqüentemente no coração do que na boca dos pecadores, assim eles mesmos justificando em seus maus caminhos. Citam este pensamento perverso, ele observa, em um parêntese, que houve quem cobrado tais doutrinas como esta sobre Paulo e seus companheiros-ministros: Alguns dizem que dizemos isso. Não é coisa nova para o melhor das pessoas e dos ministros de Deus a ser cobrada com a exploração e ensinando coisas como eles fazem mais detestam e abominam e não é para ser pensado estranho, quando o nosso próprio Mestre foi dito ser na liga com Belzebu . Muitos têm sido difamado como se tivessem dito que o contrário do que eles mantêm: é um velho artifício de Satanás, portanto, para lançar a sujeira em cima ministros de Cristo, Fortiter calumniari, aliquid Rebit adhæ - Lay calúnia grossa diante, para alguns será certo para ficar. Os melhores homens e as melhores verdades estão sujeitos a calúnia. Bispo Sanderson faz uma observação sobre isto, como somos blasfemados -. Blasphemoumetha Blasphemy nas escrituras geralmente significa o mais alto grau de calúnia, falar mal de Deus. A calúnia de um ministro e sua doutrina regular é um mais do que o normal calúnia, é uma espécie de blasfêmia, não por causa de sua pessoa, mas pelo amor de sua vocação e amor do seu trabalho, 1 Tessalonicenses 5:13.

 

Resposta. Ele diz que não mais por meio de refutação, mas que, qualquer que seja eles mesmos podem argumentar, a condenação desses é justa. Alguns entendem que os caluniadores Deus condenam justamente aqueles que condenam injustamente a sua verdade. Ou, ao contrário, é para ser aplicado a quem se animar em pecado sob um pretexto de conseguir a glória de Deus para si mesmo fora dele. Aqueles que deliberadamente fazer o mal que venha o bem dele vai estar tão longe de escapar, sob o abrigo dessa desculpa, que vai em vez de justificar a sua condenação, e torná-los o mais indesculpável por pecar em cima de tal suposição, e de tal confiança, argumenta um grande negócio, tanto da inteligência e da vontade no pecado - um ímpio se deliberadamente para escolher o mal, e um humor afiado para paliar-lo com o pretexto de boa decorrente. Portanto sua condenação é justa e, o que quer desculpas deste tipo podem agora agradar a si mesmos com, eles vão nenhum deles ficar bom no grande dia, mas Deus será justificado em seus processos, e toda a carne, mesmo a carne orgulhosa que agora levanta-se contra ele, deve ficar em silêncio diante dele. Alguns pensam que Paulo aqui refere-se à ruína se aproximando da igreja judaica e nação, que sua obstinação e auto-justificação em sua incredulidade apressou-se sobre eles em ritmo acelerado.

 

  1. Paul, depois de ter removido estas acusações, próximo revive sua afirmação da culpa e à corrupção da humanidade em comum, tanto de judeus e gentios, Romanos 3: 9-18. "Será que estamos melhor do que eles, nós, judeus, a quem foram confiados os oráculos de Deus? Será que isso nos recomendar a Deus, ou será que isso nos justificar? Não, de maneira nenhuma." Ou, "somos cristãos (judeus e gentios) muito melhor antecedentemente do que a parte descrente que mereceu a graça de Deus alas não:?! Antes da graça livre fez a diferença, aqueles de nós que tinham sido judeus e os gentios que haviam sido eram todos iguais corrompido. " Eles estão todos sob o pecado. Sob a culpa do pecado: sob ela como sob uma sentença --under-lo como sob uma ligação, pelo qual eles estão vinculados até ruína eterna e condenação --under-lo como sob um fardo (Salmo 38: 4) que vai afundar-los para o inferno mais profundo: nós somos culpados diante de Deus, Romanos 3:19. Sob o governo e domínio do pecado: sob ela como sob um tirano e cruel tarefa-mestre, escravizado a ele --under-lo como sob um jugo --under o poder dele, vendido para trabalhar maldade. E isso ele tinha provado,. Proetiasametha É um termo lei: Temos ordenou-lhes com ele, e fizeram bom nosso encargo temos provado a acusação, temos condenado los pela evidência notória do fato. Essa acusação e condenação ele aqui ilustra ainda mais por várias escrituras fora do Antigo Testamento, que descrevem o estado depravado corrupto de todos os homens, até sepultura restringir ou alterá-las de modo que aqui, como por espelho, podemos todos nós olha para o nosso rosto natural. Os dias 10, 11 e 12 º versos são tomadas a partir de Romanos 3: 10-12; Salmos 14: 1-3, que são repetidos como contendo uma verdade muito pesado, Salmo 53: 1-3; Salmos 14: 1-3. O resto que se segue aqui é encontrado na tradução Septuaginta do Salmo 14: 1-7, que alguns pensam os escolhe apóstolo a seguir como mais conhecido, mas eu prefiro pensar que Paulo tomou estas passagens de outros lugares das escrituras aqui referidos, mas em cópias posteriores da LXX. todos eles foram adicionados em Salmos 14: 1-7 a partir deste discurso de Paulo. É perceptível que, para provar a corrupção geral da natureza, ele cita algumas escrituras que falam das corrupções particulares de pessoas particulares, como de Doegue (Salmo 140: 3), dos judeus (Isaías 59: 7,8), o que mostra que os mesmos pecados que são cometidos por um revestem a natureza de todos. Os tempos de David e Isaías foram alguns dos melhores tempos, e ainda aos seus dias ele se refere. O que é dito Salmo 14: 1-7 é expressamente falado de todos os filhos dos homens, e que em cima de uma visão particular e inspeção feita pelo próprio Deus. O Senhor olhou para baixo, como em cima do velho mundo, Gênesis 6: 5. E este juízo de Deus foi de acordo com a verdade. Aquele que, quando ele próprio tinha feito tudo, olhou para cada coisa que ele tinha feito, e eis que tudo era muito bom, agora que o homem tinha estragado tudo, olhei, e eis que tudo era muito ruim. Vamos dar uma vista das particularidades. Observar,

 

  1. Aquilo que é habitual, que é duplo: -

 

(1.) O defeito habitual de cada coisa que é bom. [1] Não há justo, nenhum que tenha um bom princípio honesto da virtude, ou seja regulada por esse princípio, nenhum que retém qualquer coisa de que imagem de Deus, que consiste na justiça, em que o homem foi criado não há sequer um o que implica que, se tivesse havido apenas um, Deus teria encontrado-o para fora. Quando todo o mundo era corrupto, Deus estava de olho em cima de um Noah justos. Mesmo aqueles que pela graça somos justificados e santificados eram nenhum deles justo por natureza. Sem a justiça é nascido com a gente. O homem segundo o coração de Deus é dono si concebido em pecado. [2] Não há ninguém que entenda; Romanos 3:11. A falha reside no corrupção do entendimento de que é cego, depravado, pervertido. Religião e justiça tem tanta razão do seu lado que, se as pessoas tinham mas qualquer entendimento que seria melhor e fazer melhor. Mas eles não entendem. Os pecadores são tolos. [3] quem busque a Deus, isto é, nenhum que tenha qualquer relação com Deus, qualquer desejo depois dele. Aqueles pode justamente ser considerada não ter nenhuma compreensão que não busque a Deus. A mente carnal é tão longe de buscar a Deus que realmente é inimizade contra ele. [4] Eles estão juntos se tornar inútil, Romanos 3:12. Aqueles que deixaram a Deus em breve crescer bom para nada, fardos inúteis da terra. Aqueles que estão em um estado de pecado são as criaturas mais rentáveis ​​sob o sol para se segue, [5.] Não há ninguém que faça o bem, não, não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque, Eclesiastes 7 : 23. Mesmo naquelas ações de pecadores que têm alguma bondade neles há um erro fundamental no princípio e no fim para que ele possa dizer: Não há ninguém que faça o bem. Malum oritur ex quolibet defectu - Cada defeito é a fonte do mal .

 

(2.) Uma deserção habitual para cada coisa que está mal:. Todos se fora do caminho Não admira que aqueles perca o caminho certo que não buscar a Deus, o mais alto fim. Deus fez o homem no caminho, colocou-a direita, mas ele desamparou-lo. A corrupção da humanidade é uma apostasia.

 

  1. Aquilo que é real. E que bem pode ser esperado de uma tal raça degenerada? Ele casos,

 

(1) Nas suas palavras (Romanos 3: 13,14), em três coisas em particular: - [1.] Crueldade: A sua garganta é um sepulcro aberto, pronto para engolir a pobre e inocente, esperando uma oportunidade para fazer Malícia, como a antiga serpente busca para devorar, cujo nome é Abaddon e Apollyon, o destruidor. E quando eles não confessar abertamente essa crueldade, e desabafar-lo publicamente, mas eles são hipócritas travessuras intenção: o veneno de víbora está nos seus lábios (Tiago 3: 8), o veneno mais venenoso e incurável, com a qual eles explodir o bom Nome do seu vizinho por injúrias, e visam a sua vida por falso testemunho. Essas passagens são emprestados a partir Salmo 5: 9140: 3. [2] Cheating:. Engano Com as suas línguas tratam Aqui mostram-se os filhos do diabo, pois ele é um mentiroso, e pai da mentira. Eles usaram-lo: ele dá a entender que eles fazem um comércio de mentir é a sua prática constante, especialmente desmentindo as formas e povo de Deus. [3] Cursing: refletir sobre Deus e blasfemar contra o seu santo nome desejar o mal a seus irmãos: sua boca está cheia de maldição e amargura. Isso é mencionado como um dos grandes pecados da língua, Tiago 3: 9. Mas aqueles que assim ama maldição deve ter o suficiente dele, Salmo 109: 17-19. Como muitos, que são chamados cristãos, fazem por estes pecado evidenciam que eles ainda estão sob o reinado e domínio do pecado, ainda na condição de que eles nasceram em.

 

(2) Nas suas formas (Romanos 3: 15-17): Os seus pés são ligeiros para derramar sangue, isto é, eles são muito diligentes a rodear todo o projeto cruel, pronto para lançar mão de todas essas oportunidades. Onde quer que vá, destruição e miséria ir junto com eles estes são os seus companheiros - destruição e miséria para o povo de Deus, ao país e bairro onde moram, para a terra e nação, e para si mesmos no passado. Além da destruição e miséria que estão no final de suas formas (a morte é o fim dessas coisas), há destruição e miséria em suas maneiras seu pecado é seu próprio castigo: um homem não precisa de mais fazê-lo infeliz do que ser um escravo de seus pecados .-- E o caminho da paz eles não conhecido ou seja, eles não sabem como preservar a paz com os outros, nem como obter a paz para si próprios. Eles podem falar de paz, tal como é a paz no palácio do diabo, enquanto ele mantém-lo, mas eles são estranhos a toda a verdadeira paz não sabe as coisas que pertencem a sua paz. Estes são cotados a partir de Provérbios 01:16; Isaías 59: 7,8.

 

(3.) A raiz de tudo isso, temos: Não há temor de Deus diante de seus olhos, Romanos 3:18. O temor de Deus é aqui colocado para toda religião prática, que consiste em uma relação terrível e grave para a palavra ea vontade de Deus como a nossa regra, para a honra e glória de Deus como nosso fim. Pessoas más não têm esta diante de seus olhos que é, eles não comandadas pela direção, que eles são regidos por outras regras, visam outros fins. Esta é uma citação de Salmo 36: 1. Onde há temor de Deus é, não é bom é para ser esperado. O temor de Deus é colocaria uma restrição sobre os nossos espíritos, e mantê-los direito, Neemias 5:15. Quando uma vez que o medo é lançado fora, a oração é impedido (Jó 15: 4), e, em seguida, tudo vai para destruir e arruinar rapidamente. Assim que temos aqui um breve relato da depravação em geral e da corrupção da humanidade e pode dizer: Ó Adão! Que fizeste? Deus fez o homem reto, mas assim ele tem buscaram muitas astúcias.

Fonte comentário bíblico Mathew Henry, novo testamento.www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

 

          SUBSIDIO N.3 LIÇÃO CPAD JOVENS N.3

                           1 TRIMESTRE 2016

 

Versículo 1

  1. arte Portanto inescusável, ó homem.] Esta repreensão é dirigido contra hipócritas, que deslumbram os olhos dos homens por exibições de santidade para fora, e até mesmo pensam ser aceito diante de Deus, como se lhe tinha dado satisfação plena. Daí Paulo, depois de ter declarado os vícios mais grosseiros, que ele poderia provar que nenhum são justos diante de Deus, agora ataca saintlings (sanctulos) deste tipo, que não poderia ter sido incluído no primeiro catálogo. Agora, a inferência é muito simples e claro para qualquer um para saber como o Apóstolo derivou seu argumento; para ele torna indesculpável, porque eles próprios sabiam que o julgamento de Deus, e ainda assim transgrediu a lei; como se dissesse: "Ainda que tu não consentiu com os vícios dos outros, e seemest ser declaradamente mesmo um inimigo e um reprovador de vícios; ainda como tu não és livre a partir deles, se tu realmente examinest-te, tu podes não apresentar qualquer defesa. "

 

Pois, em que julgas outro, etc. Além da notável semelhança que existe entre os dois verbos gregos, κρίνειν e κατακρίνειν (para julgar e condenar,) o reforço de seu pecado deveria ser notado; por seu modo de falar é o mesmo, como se dissesse: "Tu és duplamente merecedor de condenação; pois tu és culpado dos mesmos vícios que tu blamest e reprovest em outros "É, de fato, um provérbio bem conhecido, - que os que controlar a vida dos outros reivindicar-se a inocência, a temperança, e todas as virtudes.; e que aqueles que não são dignos de qualquer indulgência que permitem, por si só as mesmas coisas que eles comprometem-se a corrigir em outros.

 

Pois tu, julgar, fazes o mesmo: por isso é literalmente; mas o significado é: "Ainda que julgares, tu ainda fazes as mesmas coisas." E ele diz que eles fizeram, porque eles não estavam em um estado de espírito certo; pelo pecado pertence corretamente à mente. Eles, então, se condenaram por esse motivo, - porque, reprovando um ladrão ou um adúltero, ou um caluniador, eles não se limitou a condenar as pessoas, mas esses mesmos vícios que aderiram a si mesmos. (62)

 

Por esta razão, a arte inescusável, ó homem, quem quer que tu te condenas a outra, porque, no que condenas outra tu ti mesmo te condenas; pois tu que condenas, fazes o mesmo.

 

O verbo, κρίνω, tem aqui a ideia de condenar, ou de passar julgamentos; ao juiz não é suficientemente distinta. - Ed.

 

Verso 2

  1. Mas sabemos que o juízo de Deus, etc. O projeto de Paul é se livrar de hipócritas suas auto-complacências, que eles não podem pensar que eles podem realmente ganhar qualquer coisa, ainda que sejam aplaudidos pelo mundo, e embora eles se consideram inocentes; para um julgamento muito diferente espera por eles no céu. Mas, como ele acusa-os de impurezas para dentro, o que, a ser escondido dos olhos dos homens, não pode ser provado e condenado por testemunhos humanos, ele convoca-los para o tribunal de Deus, a quem a própria escuridão não está escondida, e por cujo julgamento o caso dos pecadores, seja voluntária ou não, deve ser determinada.

 

Além disso, a verdade do juízo vontade de duas maneiras aparecer, porque Deus vai castigar o pecado sem qualquer acepção de pessoas, em quem ele vai ser encontrado; e ele não vai acatar as aparências externas, nem ficar satisfeito com qualquer serviço externo, exceto que procedeu a partir de verdadeira sinceridade de coração. É, portanto, segue-se que a máscara de santidade fingida não vai impedi-lo de visitar maldade em segredo com o julgamento. É, sem dúvida, uma expressão idiomática hebraica; para a verdade em hebraico significa muitas vezes a integridade interior do coração, e, portanto, se opõe não só a falsidade grosseira, mas também para a aparência externa de boas obras. E só então são hipócritas despertado, quando lhes é dito que Deus tomará uma conta, não só de sua retidão disfarçado, mas também de seus motivos e sentimentos secretos. (63)

 

Versículo 3

  1. E tu, ó homem, etc. Como retóricos nos ensinar, que nós não devemos proceder para dar um forte reprovação antes do crime ser provado, Paul possa parecer a alguns que agiram imprudentemente aqui por ter passado tão grave a censura, quando ele ainda não tinha provado a acusação de que ele havia trazido para a frente. Mas o fato é contrário; pois ele não apresentou a sua acusação diante dos homens, mas apelou para o juízo da consciência; e, assim, ele considera que provou que ele tinha em vista - que não podia negar sua iniqüidade, se eles examinaram si e submetidos ao escrutínio do tribunal de Deus. E não era sem necessidade urgente, que ele com tanta nitidez e gravidade repreendeu sua santidade fictícia; para os homens desta classe vai com confiança surpreendente de segurança em si mesmos, exceto a sua confiança vão forçosamente ser abalada a partir deles. Vamos, então, lembre-se, que este é o melhor modo de lidar com a hipocrisia, a fim de despertá-la de sua embriaguez, ou seja, para desenhá-la adiante para a luz do juízo de Deus.

 

Essa fuga tu, etc. Este argumento é retirado do menor; Porque desde que os nossos pecados estão sujeitos ao julgamento dos homens, muito mais são eles para que de Deus, que é o único verdadeiro juiz de todos. Os homens são, de facto liderado por um instinto divino para condenar maldades; mas esta é apenas uma semelhança obscuro e fraco do juízo divino. Eles são, então, extremamente apaixonado, que pensam que podem escapar do julgamento de Deus, embora eles não permitem que outros para escapar de seu próprio julgamento. Não é sem um sentido enfático que ele repete a palavra homem; é para o propósito de apresentar uma comparação entre o homem e Deus.

 

Versículo 4

  1. Tu desprezar as riquezas? etc. Não me parece, como alguns pensam, que não há aqui um argumento, conclusiva em dois fundamentos, (dilema), mas uma antecipação de uma objeção: para tão hipócritas são comumente transportados com a prosperidade, como se tivessem merecido a bondade do Senhor por suas boas ações, e tornar-se, assim, mais endurecidos em seu desprezo de Deus, o apóstolo antecipa sua arrogância, e comprova, por um argumento retirado de uma razão de um tipo oposto, que não há motivo para que eles pensam que Deus, em virtude da sua prosperidade exterior, é propício a eles, uma vez que o projeto de sua benevolência é muito diferente, e que é, para converter os pecadores a si mesmo. Onde, então, o temor de Deus não exclui, confiança, por causa da prosperidade, é um desprezo e uma paródia de sua grande bondade. É, portanto, segue-se que uma punição mais pesada será infligida aqueles a quem Deus tem nesta vida favorecidas; porque, além de sua outra maldade, eles rejeitaram o convite paterno de Deus. E apesar de todos os dons de Deus são tantas evidências de sua bondade paternal, mas como muitas vezes ele tem um objeto diferente em vista, o ímpio absurdamente felicitar-se sobre a sua prosperidade, como se fossem caro a ele, enquanto ele suporta bondosa e generosamente eles.

 

Não reconhecendo que a bondade de Deus, etc. Pois o Senhor pela sua bondade mostra para nós, que é aquele a quem devemos virar, se desejamos assegurar nosso bem-estar, e ao mesmo tempo ele fortalece nossa confiança na misericórdia espera . Se não usar generosidade de Deus para este fim, abusar dela. Mas, no entanto, não é para ser visto sempre sob a mesma luz; para quando o Senhor lida favoravelmente com os seus servos e lhes dá terrenas bênçãos, ele dá a conhecer a eles por símbolos deste tipo a sua própria benevolência, e treina-los ao mesmo tempo para buscar a soma ea substância de todas as coisas boas em si mesmo : quando ele trata os transgressores de Sua lei com a mesma indulgência, seu objetivo é suavizar por sua bondade sua perversidade; ele ainda não testemunhar que ele já está propício a eles, mas, pelo contrário, convida-los ao arrependimento. Mas, se alguém traz essa objeção - que o Senhor canta para os surdos, desde que ele não toca interiormente seus corações; temos de responder - que nenhuma falha pode ser encontrado neste caso, exceto com a nossa própria depravação. Mas eu prefiro render a palavra que Paulo usa aqui, leva, ao invés de convida, por isso é mais significativo; Eu não, no entanto, levá-la no sentido de dirigir, mas de liderança como se não fosse pela mão.

 

Versículo 5

  1. Mas, segundo a tua dureza, etc. Quando nos tornamos endurecido contra as admoestações do Senhor, impenitência segue; e os que não estão preocupados com o arrependimento abertamente provocar o Senhor. (65)

 

Esta é uma passagem notável: podemos, portanto, aprender o que já referido - que os ímpios não só acumular para si diariamente um peso maior dos julgamentos de Deus, contanto que eles vivem aqui, mas que os dons de Deus também, que eles continuamente desfrutar, deve aumentar a sua condenação; para será necessária uma conta de todos eles; e ele será encontrado, que será justamente a eles imputada como uma maldade extrema, que tinham sido agravados através de generosidade de Deus, pelo qual eles devem certamente ter sido melhorado. Vamos, então, tome cuidado, para não por uso ilegal de bênçãos nós colocamos para nós mesmos este tesouro amaldiçoado.

 

Para o dia, etc; literalmente, no dia; mas ele é colocado para εἰς ἡμέραν, para o dia. O ímpio se reúnem agora a indignação de Deus contra si mesmos, a corrente de que neste caso devem ser derramado sobre suas cabeças: eles acumulam destruição oculta, que, em seguida, deve ser elaborado a partir dos tesouros de Deus. O dia do juízo final é chamado o dia da ira, quando é feita uma referência para o ímpio; mas vai ser um dia de redenção para os fiéis. E, assim, todas as outras visitas de Deus são sempre descrita como terrível e cheio de terror para o ímpio; e ao contrário, o mais agradável e alegre para os piedosos. Assim, sempre que a Escritura menciona a abordagem do Senhor, que ordena os piedosos exultar de alegria; mas quando se vira para o réprobo, proclama nada além de medo e terror.

 

"Um dia de ira", diz Sofonias, "será naquele dia, um dia de tribulação e de angústia, dia de calamidade e miséria, dia de trevas e de escuridão, dia de neblina e de turbilhão." (Sofonias 01:15).

 

Você tem uma descrição semelhante em Joel 2: 2, etc. E Amos exclama:

 

"Ai de vós que desejais o dia do Senhor! O que é que vai ser para você? O dia do Senhor será trevas e não luz. "(Amós 5:18).

 

Mais adiante, adicionando a palavra revelação, Paul dá a entender o que este dia da ira é ser, - que o Senhor, então, manifestar seu julgamento: embora ele dá diários algumas indicações de que, ele ainda suspende e detém para trás, até esse dia, o manifestação clara e completa do mesmo; para os livros deve então ser aberta; as ovelhas devem então ser separados das cabras, eo trigo será limpa do joio.

 

Versículo 6

  1. que retribuirá a cada um, etc. Como ele tinha a ver com saintlings cegos, que pensavam que a maldade do seu coração foi bem cobertos, desde que foi espalhado sobre com alguns disfarces, não sei o quê, de obras vazias, ele apontou o verdadeiro caráter da justiça de obras, até o que é da conta diante de Deus; e ele fez isso, para que não se sentir confiante de que era o suficiente para acalmá-lo, se eles trouxeram palavras e ninharias, ou deixa apenas. Mas não há tanta dificuldade neste versículo, como é comumente pensado. Pois o Senhor, ao visitar a maldade dos réprobos com apenas vingança, vai recompensá-los com o que eles têm merecido: e como ele santifica aqueles a quem ele já havia resolvido a glorificar, ele também vai coroar suas boas obras, mas não por conta de qualquer mérito: nem isso pode ser provado a partir deste verso; para que ele declara que recompensa as boas obras são a ter, ele ainda não significa mostrar o que valem, ou o preço é devido a eles. E isso é uma inferência absurdo, para deduzir o mérito de recompensa.

 

O versículo 7

  1. Para eles, de fato, que, com perseverança, etc.; literalmente, a paciência, por que algo mais palavra é expressa. Pois é perseverança, quando não se está cansado constantemente em fazer o bem; mas a paciência também é necessária nos santos, pelo qual eles podem continuar firme, embora oprimidos com várias provações. Para Satanás sofre-los não por um curso livre para vir para o Senhor; mas ele se esforça por tropeços inumeráveis ​​para impedi-los, e para transformá-los além da maneira certa. E quando ele diz, que os fiéis, continuando em boas obras, procuram glória, e honra, ele não quer dizer que eles aspiram depois de qualquer outra coisa, mas o favor de Deus, ou que eles se esforçam para atingir qualquer coisa maior, ou mais excelente : mas eles não podem procurá-lo, sem esforço, ao mesmo tempo, para a bem-aventurança de seu reino, a descrição do que está contido na paráfrase dado nestas palavras. O significado, então, é, - que o Senhor vai dar a vida eterna a todos aqueles que, pela atenção às boas obras, se esforçam para alcançar a imortalidade. (66)

 

Para esta objeção [Pareus] respostas, que o apóstolo fala aqui da salvação pelas obras da lei, na verdade não como uma coisa possível, que ele posteriormente nega, mas como uma declaração de que ele é, assim que ele pode mostrar a necessidade de uma salvação gratuita que é somente pela fé. E esta é a visão que o Sr. [Haldane] leva.

 

Mas não há necessidade de recorrer a esta hipótese: para sempre que o julgamento é falado, mesmo no Novo Testamento, é sempre representado da mesma forma, como sendo regulado com justiça, de acordo com as obras de cada indivíduo. Veja Atos 17:31; 2 Coríntios 5:10; Colossenses 3:24; Apocalipse 20:12; Apocalipse 22:12.

 

Será um julgamento, conduzida de acordo com a regra perfeita de justiça, sem acepção de pessoas, sem ter em conta os indivíduos como tal, seja alta ou baixa, muito ou pouco favorecido como a privilégios externos, mas de acordo com o que sua conduta tem sido, nas circunstâncias de seu caso. A regra, se os pagãos, será a lei da natureza; se os judeus, a lei que tinha sido dado a eles. Acórdão, quanto ao seu caráter, será ainda o mesmo àqueles sob o evangelho; será de acordo com o que o evangelho requer. - Ed.

 

Versículo 8

  1. Mas, para aqueles que são contenciosos, etc. Há alguma irregularidade na passagem; primeiro, por conta de sua tenor ser interrompido, para o fio do discurso necessária, que a segunda cláusula do contraste deve ser, assim, ligado, - "O Senhor retribuirá a eles, que, com perseverança em boas obras, procuram glória, e honra, e imortalidade, a vida eterna; . mas ao contencioso ea, morte eterna desobediente "Então, a conclusão pode ser unida, -" Isso para a ex-são preparados glória, e honra, e incorrupção; e que para este último são colocadas a ira ea miséria "Há outra coisa, -. Estas palavras, indignação, ira, tribulação e angústia, são unidas a duas cláusulas no contexto. No entanto, o significado da passagem é de nenhuma maneira obscuro; e com isso, devemos estar satisfeitos nos escritos apostólicos. A partir de outros escritos deve eloqüência ser aprendida: a sabedoria espiritual aqui está a ser procurado, transmitida em um estilo claro e simples. (67)

 

Contenção é mencionado aqui para a rebelião e teimosia; para Paul foi discutindo com os hipócritas que, pela sua auto-indulgência bruto e supina, brincar com Deus. Pela palavra verdade, é simplesmente significava a vontade revelada de Deus, que por si só é a luz da verdade, pois é o que pertence a todos os ímpios, que eles sempre preferem ser escravos de iniqüidade, em vez de receber o jugo de Deus; e qualquer que seja a obediência podem fingir, mas eles nunca deixam perversamente a clamar e luta contra a palavra de Deus. Porque, assim como os que são abertamente ímpios zombam da verdade, de modo hipócritas temem não constituir em oposição a ela seus modos artificiais de adoração. O Apóstolo acrescenta ainda que as referidas pessoas desobedientes obedecer ou servir iniqüidade; pois não há meio termo, que aqueles que não estão dispostos a estar em sujeição à lei do Senhor pode tomar, de modo a ser guardados de cair imediatamente para o serviço do pecado. E é a justa recompensa de licenciosidade ultrajante, aqueles que se tornam os bondslaves do pecado que não pode suportar o serviço de Deus. Indignação e ira, de modo que o caráter das palavras me induz a torná-los; para θυμος em grego significa que os latinos chamam excandescentia - indignação, como Cícero nos ensina, (4 Tusc,.) até uma queima repentina de raiva. Quanto às outras palavras eu sigo [Erasmus]. Mas observar, que, das quatro, que são mencionados, as duas últimas são, por assim dizer, os efeitos dos dois primeiros; para os que percebem que Deus está insatisfeito e irritado com eles são imediatamente preenchido com a confusão.

 

Podemos acrescentar que, embora ele poderia ter descrito brevemente, mesmo em duas palavras, a bem-aventurança dos justos e também a miséria dos réprobos, ele ainda aumenta em ambos os assuntos, e para este fim - de que ele poderia mais efetivamente atacar homens com o medo da ira de Deus, e aguçar seu desejo de obter a graça através de Cristo: para que nunca temer o julgamento de Deus como deveríamos, exceto que ser definido como se fosse por uma descrição animada diante de nossos olhos; nem nós realmente queimar com o desejo para a vida futura, exceto quando despertado por fortes incentivos, (multis flabellis incitati -. incitado por muitos fãs)

 

  1. que retribuirá a cada um segundo as suas obras, -

 

  1. Para aqueles de fato, que, com perseverança em bem - fazendo, procuram glória, honra e imortalidade, - A vida eterna

 

  1. Mas haverá a eles que são contenciosos e não obedecem a verdade, mas obedecem a injustiça, -Indignation e ira:

 

Em seguida, siga as mesmas coisas, a ordem a ser invertida -

 

  1. aflição e angústia será sobre a alma de todo homem que pratica o mal, - No primeiro do judeu, e em seguida, no grego;

 

  1. Mas, glória, honra e paz a todo aquele que pratica o bem, - primeiro do judeu e também do grego;

 

  1. Pois não há acepção de pessoas com Deus.

 

A idéia no último ea primeira linha é essencialmente o mesmo. Esta repetição é para o benefício de produzir uma impressão. O caráter dos justos, na primeira parte, é que, perseverando em fazer o bem buscam glória, honra e imortalidade, e sua recompensa é a vida eterna: o caráter dos ímpios é a de ser controversa, desobedientes a a verdade e obedientes à iniqüidade, e sua recompensa é ser indignação e ira. O personagem do primeiro, na segunda parte, é que eles funcionam bem; e do outro, que eles funcionam mal, e como recompensa a primeira é a glória, honra e paz, ea recompensa do outro, aflição e angústia; quais são os efeitos da indignação e ira, como a glória e honra e paz são os frutos ou as partes constituintes da vida eterna. Deve ser observado que a prioridade na felicidade, bem como prioridade na miséria, é atribuída ao judeu. - Ed.

 

O versículo 9

  1. primeiro do judeu, etc. Ele simplesmente lugares, eu não tenho nenhuma dúvida, o judeu em oposição ao grego; para aqueles a quem ele chama gregos ele atualmente chamam gentios. Mas os judeus tomar a precedência neste caso, para que eles tinham, em detrimento de outros, tanto as promessas e as ameaças da lei; como se ele tivesse dito: "Esta é a regra universal do juízo divino; deve começar com os judeus, e deve incluir o mundo inteiro. "

 

Verso 11

  1. Não há acepção de pessoas, etc. Ele foi até agora geralmente acusado todos os mortais como culpado; mas agora ele começa a levar para casa a sua acusação aos judeus e aos gentios separadamente: e, ao mesmo tempo, ele nos ensina, que não é nenhuma objeção de que há uma diferença entre eles, mas que eles são ambos sem qualquer distinção expostos a morte eterna. Os gentios fingiu ignorância como sua defesa; os judeus glorificou a honra de ter a lei: a partir do antigo, ele tira seu subterfúgio, e ele priva o último de sua vanglória falso e vazio.

 

Há então uma divisão de toda a raça humana em duas classes; pois Deus havia separado os judeus de todo o resto, mas a condição de todos os gentios era o mesmo. Agora Ele nos ensina, que esta diferença nenhuma razão para que ambos não devem ser envolvidos na mesma culpa. Mas a palavra pessoa é tomada nas Escrituras para todas as coisas exteriores, que são acostumados a ser consideradas como possuindo qualquer valor ou estima. Quando, pois, que lês, que Deus não faz acepção de pessoas, entender que o que ele considera é a pureza do coração ou para dentro integridade; e que ele não tem respeito por aquelas coisas que estão acostumados a ser muito valorizado pelos homens, como parentes, país, dignidade, riqueza e coisas semelhantes; para que o respeito das pessoas deve ser aqui tomada para a distinção ou a diferença que existe entre uma nação e outra. (68) Mas, se alguma, portanto, objetos e diz: "Isso, então não há tal coisa como a eleição gratuita de Deus; "pode ​​ser respondida, que não há uma acepção dupla de homens diante de Deus; o primeiro, quando ele escolhe e chama-nos a partir do nada por meio de bondade gratuita, como não há nada em nossa natureza que pode ser aprovado por ele; a segunda, quando, depois de ter nos regenerou, ele nos confere seus dons, e mostra favor à imagem de seu Filho, que ele reconhece em nós.

 

Um argumento foi tomada, portanto, opor-se à doutrina da eleição; mas isso é aplicar a uma coisa particular que pertence inteiramente e exclusivamente para o outro. Este pertence à administração da justiça, mas a eleição é o exercício da misericórdia. Mesmo [Grotius] admite, que Deus manifesta a diferença na concessão de benefícios, mas não no exercício do julgamento. Com efeito, no presente exemplo, no que diz respeito ao assunto tratado pelo Apóstolo, houve uma diferença manifesto; o gentio tinha apenas a lei da natureza, mas o judeu tinha uma lei revelada. No entanto, quando levados a julgamento não era para ser há acepção de pessoas, cada um estava a ser julgado imparcialmente de acordo com as circunstâncias de sua condição. E ainda mais, a eleição não procede-se no princípio de mostrar respeito das pessoas, isto é, da relação homens de acordo com os seus privilégios ou circunstâncias exteriores, ou relação parentesco ou na vida, ou qualquer coisa no homem; mas o seu fundamento ou razão única e exclusiva é o beneplácito de Deus. - Ed.

 

Verso 12

  1. Todo aquele que pecaram sem lei, (69) etc. Na primeira parte desta seção, ele assalta os gentios; embora nenhuma Moisés foi dado a eles para publicar e para ratificar uma lei do Senhor, ele ainda nega esta omissão a ser uma razão pela qual eles não merecia o justo sentença de morte por seus pecados; como se ele tivesse dito - que o conhecimento de uma lei escrita não era necessária para a justa condenação de um pecador. Veja então que tipo de defesa que se comprometem, que pela misericórdia extraviado, tentativa, em razão da ignorância, a isentar as nações que não têm a luz do evangelho do juízo de Deus.

 

Todo aquele que pecaram nos termos da lei, etc. Como os gentios, que está sendo liderada pelos erros de sua própria razão, ir de cabeça em ruína, de modo que os judeus possuem uma lei pela qual eles estão condenados; (70) para esta frase tem sido há muito tempo pronunciado,

 

"Amaldiçoados são todos os que não continuar em todos os seus preceitos." (Deuteronômio 27:26).

 

Uma condição pior do que aguarda os pecadores judeus, uma vez que sua condenação já é pronunciado em seu próprio direito.

 

O versículo 13

  1. Para os ouvintes da lei, etc. Isso antecipa uma objeção que os judeus poderiam ter apresentado. Como eles tinham ouvido falar que a lei era a regra da justiça, (Deuteronômio 4: 1), eles glorificou o mero conhecimento do mesmo: para evitar esse erro, ele declara que a audiência da lei ou qualquer conhecimento do que é de nenhum como consequência, que qualquer um deve por conta disso reivindicar a justiça, mas que as obras devem ser produzidos, de acordo com este ditado: "Quem vai fazer estas devem viver neles." A importação, em seguida, deste verso é o seguinte, - "Isso, se a justiça ser solicitada a lei, a lei deve ser cumprida; para a justiça da lei consiste na perfeição das obras. "Eles que pervertem essa passagem com a finalidade de construção de justificação pelas obras, merecem mais plenamente para ser ridicularizado até mesmo por crianças. É, portanto, imprópria e além do que é necessário, introduzir aqui uma longa discussão sobre o assunto, com a visão de expor tão fútil um sofisma: para o Apóstolo única insta aqui sobre os judeus que ele tinha mencionado, a decisão da lei, - Que por a lei não podiam ser justificados, se não se cumpriu a lei, que, se eles transgrediram isso, uma maldição foi imediatamente pronunciado sobre eles. Agora nós não negamos, mas que a justiça perfeita é prescrito na lei: mas como todos são condenados por transgressão, dizemos que outra justiça deve ser procurado. Ainda mais, podemos provar a partir desta passagem que ninguém é justificado pelas obras; pois, se só eles são justificados pela lei que cumprir a lei, segue-se que ninguém é justificado; pois ninguém pode ser encontrado que pode se orgulhar de ter cumprido a lei. (71)

 

Verso 14

  1. Porque, quando os gentios, etc. Ele agora afirma que comprova a cláusula anterior; para ele não pensou o suficiente para nos condenar por mera afirmação, e só se pronuncia sobre nós o justo juízo de Deus; mas ele continua a provar isso por razões, a fim de nos excitar para um maior desejo de Cristo, e um amor maior em direção a ele. Ele, de fato mostra que a ignorância é em vão fingiu como desculpa pelos gentios, já que provar por seus próprios atos que têm alguma regra da justiça, que não há nação tão perdido para cada coisa humana, que não se manter dentro do limites de algumas leis. Desde então, todas as nações, de si mesmos e sem um monitor, estão dispostos a fazer leis para si, é sem sombra de dúvida evidente que eles têm algumas noções de justiça e retidão, que os gregos chamam de preconceitos προληψεις, e que são implantados pela natureza em os corações dos homens. Eles têm, em seguida, uma lei, embora eles estão sem lei: para que eles não têm uma lei escrita, são ainda de nenhuma maneira totalmente destituídos do conhecimento do que é certo e justo; como eles não poderiam distinguir entre vício e virtude; a primeira das quais eles conter por castigo, eo último que elogiar, e manifestar sua aprovação dele, honrando-o com recompensas. Ele define a natureza em oposição a uma lei escrita, o que significa que os gentios tiveram a luz natural de justiça, que forneceu o lugar dessa lei pela qual os judeus foram instruídos, de modo que eles eram uma lei para si mesmos. (72)

 

Os pagãos si reconheceu uma lei da natureza. [Turrettin] cita uma passagem de um trabalho perdido de [Cícero], mantido por [Lactantius], que coincide notavelmente com a linguagem de Paulo aqui - Ed.

 

Verso 15

  1. Quem mostram a obra da lei (73) por escrito, etc.; ou seja, eles provar que não é impressa em seus corações uma discriminação e julgamento pelo qual eles distinguir entre o que é justo e injusto, entre o que é honesto e desonesto. Ele não significa que ele estava tão gravada em sua vontade, que eles procuraram e diligentemente perseguido, mas que eles estavam tão dominado pelo poder da verdade, que eles não poderiam desaprová-la. Para por que eles instituir ritos religiosos, exceto que eles estavam convencidos de que Deus deve ser adorado? Por que eles foram vergonha de adultério e roubo, exceto que eles consideraram-los males?

 

Sem motivo, então é o poder da vontade deduzida a partir desta passagem, como se Paul tinha dito, que a manutenção da lei está dentro do nosso alcance; pois ele não fala do poder para cumprir a lei, mas do conhecimento. Também não é a palavra coração a serem tomadas para a sede dos afetos, mas apenas para o entendimento, uma vez que é encontrada em Deuteronômio 29: 4,

 

"O Senhor não tem dado um coração para entender";

 

e em Lucas 24:25,

 

"O néscios, e tardos de coração para crer."

 

Também não podemos concluir a partir desta passagem, que não existe nos homens um completo conhecimento da lei, mas que existem apenas algumas sementes do que é certo implantado em sua natureza, evidenciado por tais atos como estes - todos os gentios ritos religiosos igualmente instituídos , fizeram leis para punir o adultério e roubo e assassinato, eles elogiaram boa fé em negócios e contratos. Eles têm, assim, de fato provado, que Deus deve ser adorado, que o adultério e roubo e assassinato são males, que a honestidade é louvável. Não é nosso propósito para saber que tipo de Deus que eles imaginavam que ele seja, ou quantas deuses que intentou; é o suficiente para saber que eles pensavam que há um Deus, e que honra e adoração são devido a ele. Não importa se eles permitiram a cobiça da esposa de outro homem, ou dos seus bens, ou de qualquer coisa que era seu, - se conivente com ira e ódio; na medida em que não era certo para eles para cobiçar o que eles sabiam ser mal quando terminar.

 

Sua consciência, ao mesmo tempo que ateste, etc. Ele não poderia ter mais força do que pediu a eles pelo testemunho de sua própria consciência, que é igual a mil testemunhas. Pela consciência de ter feito o bem, homens sustentar e confortar-se; aqueles que estão conscientes de ter praticado o mal, são interiormente perseguidos e atormentados. Daí veio estas palavras dos pagãos - "Uma boa consciência é a mais ampla esfera; mas um mau é o carrasco cruel, e mais ferozmente atormenta o ímpio do que qualquer fúrias pode fazer "Há, então, um certo conhecimento da lei por natureza, que diz:" Isto é bom e digno de ser desejado.; que deveria ser abominado. "

 

Mas observe como inteligentemente ele define consciência: ele diz, que razões vêm à nossa mente, pela qual defendemos o que é feito corretamente, e que há aqueles que acusam e repreende-nos para os nossos vícios; (74) e ele se refere este processo de acusação e da defesa para o dia do Senhor; que não irá então começar a primeira, para que é agora exercida continuamente, mas que será, então, também na operação; e ele diz isso, que ninguém deve ignorar este processo, como se fosse vaidoso e evanescente. E ele colocou, durante o dia, em vez de, no dia, - um exemplo semelhante ao que já observamos.

 

Outro ponto de vista desta última cláusula é dada por [Doddridge], [Macknight], [Haldane], e [Chalmers] A última dá a esta paráfrase de todo o verso, - "Para eles mostram que a matéria da lei está escrita na sua corações - tanto a partir de sua consciência testemunhando o que é certo e errado em sua própria conduta, e de seus raciocínios em que quer acusar ou reivindicar um ao outro ".

 

Mas a considerar as duas cláusulas como referindo-se a consciência e os funcionamentos interiores da mente, parece mais coerente com o contexto. Os gentios são aquelas faladas de: Deus não lhes deu fora da lei, mas a lei da natureza que é interior. Daí que no verso seguinte ele fala de Deus como julgar "os segredos dos homens," como a lei interna será a regra de julgamento aos gentios - Ed.

 

Verso 16

  1. Em que Deus há de julgar os segredos dos homens (75) O mais apropriado para a presente ocasião é essa definição periphrastic de julgamento: ele ensina aqueles que deliberadamente escondem-se nos recessos de insensibilidade, que os pensamentos mais secretos e aqueles agora completamente esconderam nas profundezas do seu coração, deve ser então trazido à luz. Então ele fala em outro lugar; a fim de mostrar aos Coríntios que pouco valor pertence ao julgamento humano, que considera apenas a ação para fora, ele pede-lhes para esperar até que o Senhor veio, que traria à luz as coisas ocultas das trevas, e revelar os segredos do coração . (1 Coríntios 4: 5) Quando ouvimos isso, deixá-lo vir à nossa mente, que somos advertidos de que, se quisermos ser realmente aprovado pelo juiz, devemos nos esforçar para a sinceridade de coração.

 

Ele acrescenta, segundo o meu Evangelho, dando a entender, que ele anunciou uma doutrina, para que os julgamentos dos homens, naturalmente implantado neles, deu uma resposta: e ele chama seu evangelho, por conta do ministério; para a autoridade para se estabelece o evangelho reside no verdadeiro Deus; e foi apenas o dispensar-se que estava comprometido com os Apóstolos. É, de facto, não importa de surpresa, que o evangelho é, em parte, chamado o mensageiro eo locutor de julgamento futuro: pois se a realização e conclusão de o que promete ser adiada para a revelação plena do reino celestial, deve necessariamente ser ligado com o último julgamento: e, ainda, Cristo não pode ser pregado sem ser uma ressurreição para alguns, e uma destruição a outros; e ambas tem uma referência para o dia do julgamento. As palavras, por meio de Jesus Cristo, eu aplicar para o dia do julgamento, embora eles são considerados de outra forma por alguns; eo significado é, - que o Senhor executará julgamento por Cristo, pois ele é nomeado pelo Pai para ser o juiz dos vivos e dos mortos, - que os Apóstolos sempre mencionar entre os principais artigos do evangelho. Assim, a sentença será total e completa, que de outra forma estar com defeito.

 

Verso 17

  1. Mas se tu és chamado judeu, etc. Algumas cópias antigas ler δὲ εἰ, embora na verdade; que, se fosse geralmente recebido, iria cumprir minha aprovação; mas como a maior parte dos manuscritos se opõe a ele, ea sensação não é inadequado, eu manter a leitura de idade, especialmente porque é apenas uma pequena diferença de uma letra. (77)

 

Tendo terminado agora o que ele quis dizer dos gentios, ele retorna para os judeus; e que ele pode, com maior força, derrubar a sua grande vaidade, ele permite que todos esses privilégios, por que eles estavam além da medida transportados e inflados: e, em seguida, ele mostra como insuficiente eles foram para a obtenção da verdadeira glória, sim, quão eles se voltaram para as suas afrontas. Sob o nome judeu ele inclui todos os privilégios da nação, que eles vão fingiam foram derivadas da lei e os profetas; e por isso ele compreende todos os israelitas, os quais foram em seguida, sem qualquer diferença, chamados judeus.

 

Mas em que momento este nome originou primeiramente é incerto, exceto que ele levantou-se, sem dúvida, após a dispersão. (78) [Josefo], no décimo primeiro livro de suas Antiguidades, pensa que foi tirado de Judas Macabeu, sob cujas auspícios da liberdade e da honra das pessoas, depois de ter caído por algum tempo, e foi quase enterrado, reviveu novamente. Embora eu permitir que esta opinião seja provável, ainda, se há algum a quem não for satisfatória, vou oferecer-lhes uma conjectura da minha própria. Parece, de fato, muito provável, que depois de ter sido degradada e dispersa por tantas catástrofes, eles não foram capazes de reter qualquer certa distinção de suas tribos; para um censo não poderia ter sido feito naquele momento, nem existe um governo regular, o que era necessário para preservar uma ordem desse tipo; e ficaram dispersos e em desordem; e tendo sido desgastado por adversidades, eles eram sem dúvida menos atentos para os registros de seus parentes. Mas, embora você não pode conceder essas coisas para mim, ainda não se pode negar, mas que o perigo deste tipo foi ligado a esse estado perturbado de coisas. Se, então, que pretende fornecer para o futuro, ou a sanar um mal já receberam, todos eles, eu acho que assumiu o nome dessa tribo, em que a pureza da religião continua a ser o mais longo, e que, por um privilégio peculiar, destacou todo o resto, a partir de que o Redentor era esperado para vir; pois era seu refúgio em todas as extremidades, para se consolar com a expectativa do Messias. No entanto, este pode ser, pelo nome de judeus que confessa-se para ser os herdeiros da aliança que o Senhor fez com Abraão e à sua descendência.

 

E repousas na lei, e glorias em Deus, etc. Ele não significa que eles descansaram em participar com a lei, como se eles aplicaram suas mentes para a manutenção do mesmo; mas, pelo contrário, ele reprova por não observar o fim para o qual tinha sido dada a lei; pois não tinham cuidados para a sua observância, e foram inflados sobre essa conta, - porque eles estavam convencidos de que os oráculos de Deus pertencia a eles. Da mesma forma que glorificou a Deus, não como o Senhor ordena por seu Profeta, - a nos humilhar e buscar a nossa glória só nele, (Jeremias 09:24,) - mas sendo, sem qualquer conhecimento da bondade de Deus, eles fê-lo, de quem eles eram interiormente destituídos, peculiarmente seu próprio, e assumiu a ser seu povo, com o propósito de ostentação vã diante dos homens. Este, então, não era a glorificação do coração, mas a jactância da língua.

 

Verso 18

  1. E conheces a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, etc. Ele agora admite a eles o conhecimento da vontade divina, ea aprovação de coisas úteis; e isso eles tinham alcançado a partir da doutrina da lei. Mas há uma dupla aprovação, - uma de escolha, quando abraçamos o bem que aprovar; o outro do julgamento, pelo que de fato podemos distinguir o bem do mal, mas nem por isso nos esforçamos ou o desejo de segui-lo. Assim, os judeus foram tão aprendido na lei que poderiam julgar a conduta dos outros, mas não tiveram o cuidado de regular a sua vida de acordo com essa decisão. Mas como Paulo reprova sua hipocrisia, podemos, por outro lado, concluir, que as coisas são excelentes então somente com razão aprovado (desde nosso julgamento prossegue a partir sinceridade), quando Deus é atendido; por sua vontade, como é revelado na lei, é aqui apontado como o guia e mestre do que está para ser aprovado com justiça. (79)  

 

 

 

 

 

 

SUBSIDIO JOVENS 1 TRIMESTRE 2016 OS GENTIOS                               Atos 10.44-48; 11.15-18.

                                     LIÇÃO N.2

Atos 10

44 - E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra.

45 - E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os gentios.

46 - Porque os ouviam falarem línguas e magnificar a Deus.

47 - Respondeu, então, Pedro: Pode alguém, porventura, recusar a água, para que não sejam batizados estes que também receberam, como nós, o Espírito Santo?

48 - E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então, rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias.

 

Atos 11

15 - E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o Espírito Santo, como também sobre nós ao princípio.

16 - E lembrei-me do dito do Senhor, quando disse: João certamente batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo.

17 - Portanto, se Deus lhes deu o mesmo dom que a nós, quando cremos no Senhor Jesus Cristo, quem era, então, eu, para que pudesse resistir a Deus?

18 - E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Na verdade, até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida.

Deus seja louvado pela sua iniciativa em prover, quer da perspectiva passada, presente ou futura, graciosamente a salvação. Deus tem de ser louvado, porque nEle surge uma nova comunidade que essencialmente derruba a antiga barreira racial existente entre judeus e gentios. Esse acontecimento ocorre no contexto cuja vontade soberana de Deus é exercida. Busquemos em Deus, no exemplo de seu Filho Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, uma vida autenticamente cristã onde não haja barreira para os relacionamentos com os irmãos em Cristo, que são “a Igreja de Deus”. Uma excelente e abençoada aula!

 

Gentio: Todo aquele nascido fora da comunidade de Israel, e estranho às alianças que o Senhor Deus estabeleceu com o seu povo.

Deus não faz acepção de pessoas (At 10.34). Criador de tudo quanto existe, a todos preserva pela sua bondade e justiça (At 17.25-28). Ele ama a todos indistintamente e deseja a salvação de toda a humanidade (Jo 3.16) através de Jesus Cristo (Mt 1.21; At 4.12). Esta é a mensagem que os apóstolos de Nosso Senhor proclamaram aos gentios. No Filho, todos somos amados pelo Pai, sem quaisquer distinções. Está você também disposto a anunciar o evangelho até aos confins da terra? Há muita terra ainda a ser conquistada.

 

  1.             OS GENTIOS NO ANTIGO TESTAMENTO

Toda a humanidade descende de um único casal a quem Deus formara segundo a sua imagem e semelhança (Gn 1.27; 5.2). Embora criado santo, justo e bom para a glória do Senhor (Gn 5.1; Sl 115.1), o homem desobedeceu-lhe as ordens e veio a conhecer experimentalmente o pecado. Com a sua apostasia, fez com que a maldade tomasse conta do mundo (Gn 4.8,23). A Deus, então, não restou outra alternativa senão destruir a primeira civilização através de um dilúvio universal (Gn 6-9).

  1. Um novo começo com Noé. Apenas Noé e a sua família salvaram-se daquele cataclismo. Por intermédio dos filhos do piedoso e santo patriarca: Jafé (Gn 10.2-5), Cam (Gn 10.6-20) e Sem (Gn 10.21-31), vieram a formarem-se as nações com as suas respectivas geografias (Gn 10 - 11). Infelizmente, a humanidade porfiou em desobedecer a Deus (Gn 11.1-9). Em meio a essa desolação espiritual e moral, Deus santifica um descendente de Sem, Abraão, para que dele uma nova nação fosse formada (Gn 12.1-3). Em Abraão, fomos todos abençoados.
  2. A exclusividade dos descendentes de Abraão (Gn 15.5,6). Ao chamar Abraão, o Senhor dá início à história de Israel (Gn 12.1-3). Seu propósito à nação judaica (Gn 18.18; 22.18) era torná-la uma propriedade peculiar, um reino sacerdotal e um povo santo (Êx 19.5,6). Ele a constituiu para que esta lhe fosse uma possessão distinta e particular (Is 44.1-2), a fim de que, por seu intermédio, alcançasse os gentios.

A partir de então, todas as demais etnias passaram a ser conhecidas como gôyim — gentios (Gn 15.18-21). Isso não significa, porém, que Deus não ame as demais nações. Ele as ama, sim! E de tal maneira amou-as, que deu o seu Único Filho, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Além do mais, em Abraão foram benditas todas as nações da terra (Gn 12.3).

 

  1.             OS GENTIOS EM O NOVO TESTAMENTO

O Novo Testamento faz questão de realçar o amor de Deus não somente por Israel, mas por todos os povos. João 3.16 deixa isso bem claro. Não resta dúvida: a salvação vem dos judeus, mas não se restringe aos judeus, mas através dos judeus deve alcançar a todos os não-judeus.

  1. Nos Evangelhos. Nos evangelhos há várias referências aos gentios (Mt 6.7,32: Mc 10.33; Lc 12.30; 18.32). Descritos às vezes com certa reserva (Mt 20.19; Mc 10.33), são eles vistos como a grande seara a ser alcançada pelos apóstolos que, no cumprimento da Grande Comissão, deixariam Jerusalém e a Judeia para evangelizar e ensinar todas as nações (Mt 28.18-20). Aliás, Isaías já destacava a missão do Cristo entre os gentios (Is 42.1-4). Durante o seu ministério terreno, o Senhor Jesus agraciou alguns destes como a mulher cananeia (Mt 15.21-28) e o centurião (Lc 7.1-10).
  2. Nos Atos dos Apóstolos. Embora Atos 1.8 estabeleça a obrigatoriedade da missão entre os gentios, somente no capítulo 9 e versículo 15, após a conversão de Paulo, é que se declara aberta e enfaticamente a evangelização das nações (ver At 13.44-47). A resistência inicial dos apóstolos em discipulá-Ios (At 10.9-16) é vencida quando Cornélio, sua família e demais assistentes, recebem o batismo com o Espírito Santo (At 10.44-48). O fato trouxe perplexidade no colégio apostólico (At 11.1-3,18), mas após a apologia de Pedro (At 11.4-17 ver 15.7-11), a Igreja glorificou a Deus pelo fato de os gentios serem também objeto do amor de Deus (At 10.45).
  3. Missão e Salvação entre os Gentios. Se Pedro, com o evangelho da circuncisão, é proeminente nos capítulos de 1 a 12 de Atos, nos capítulos de 13 a 28, destaca-se Paulo com o evangelho da incircuncisão (Gl 1.7). O primeiro diz respeito aos judeus, o segundo aos gentios (At 13.44-47). Trata-se, porém, de um só evangelho — o evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Paulo estava consciente de que fora chamado por Deus para anunciar o evangelho aos gentios (At 9.15), sem os entraves da lei (At 15.19,28,29; Rm 4.9-16). Em suas viagens missionárias, não foram poucos os gentios que se converteram ao Senhor (At 11.1,18) e de bom grado ouviram a exposição da graça divina (At 13.42).

Você se preocupa com a evangelização transcultural? Se você não foi chamado ao campo, coopere financeiramente com a Obra Missionária e ore pelos que se acham além-fronteira falando do amor de Deus. A responsabilidade pelo “Ide” também é sua.

 

III. JUDEUS E GENTIOS UNIDOS POR DEUS MEDIANTE A CRUZ

 

  1. A Igreja de Deus. Ao defender a difusão do Evangelho entre as nações, afirmou Pedro: “[...] Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome” (At 15.14). Esse povo é a Igreja formada por judeus e gentios em Cristo (Rm 9.24-33). De ambos, fez Ele um só povo, derribando a parede de separação que estava no meio, e, pela cruz, reconciliou ambos com Deus em um corpo (Ef 2.14-16).

Dessa maneira, o Espírito Santo revela a Paulo (Ef 3.4,5) que os gentios não são mais estrangeiros (gôyim) e nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos, da família de Deus (Ef 2.11-22; 1 Pe 2.5), co-herdeiros e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho (Ef 3.6).

  1. Expansão da Igreja entre os gentios. Através de suas viagens missionárias, Paulo propagou o evangelho entre os povos e culturas conhecidos naqueles dias (Rm 15.19,20). Em várias regiões, estabeleceu ele igrejas constituídas notadamente por gentios (Rm 16.4).

A evangelização dos povos é o maior desafio da igreja moderna. A responsabilidade é nossa. O Senhor confiou-nos a Grande Comissão para que, sem remissões, alcancemos os confins da terra. Ele deseja que todos os gentios sejam salvos. Você sabia que muitos povos ainda não ouviram falar de Jesus? Como responderá você a esse grande desafio? Se o Senhor o chama à Obra Missionária, responda prontamente: “Eis-me aqui, Senhor. Envia-me a mim”.

 

“Israel e a Igreja

Nos capítulos iniciais de Atos dos Apóstolos, a recepção judaica à mensagem do evangelho foi poderosa e inquietou os líderes judaicos. Mas, depois, iniciou-se a reação e a perseguição judaicas para que a Igreja se dispersasse. Em alguns locais, a mensagem foi tirada da sinagoga e oferecida diretamente aos gentios que responderam de forma favorável (At 13.46; 18.6; 28.28). Esse padrão híbrido de recepção judaica, perseguição e busca dos gentios foi comum, em especial, no ministério de Paulo. Os apóstolos iniciaram na sinagoga, pois criam que a mensagem de Cristo era também para os de Israel. As igrejas locais desenvolveram-se por necessidade de sobreviver em face da rejeição. Essas realidades fizeram com que Lucas, em Atos dos Apóstolos, falasse de forma reiterada sobre os mensageiros da Igreja ‘se voltarem para os gentios’ e ‘advertirem Israel’. Esses temas, com frequência, aparecem lado a lado e dominam o último terço do livro de Atos dos Apóstolos. Eles mostram que a Igreja não era Israel e que essa distinção tornou-se uma realidade do ponto de vista histórico” (ZUCK, R. B., et al. Teologia do Novo Testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2008, pp. 160-61).

 

 “A inclusão dos Gentios na Única e Nova Humanidade em Cristo (Ef 2.13-18)

Paulo continua a descrever como a obra da redenção torna as pessoas um só povo em Cristo. O verso 13 começa com duas frases importantes: ‘Mas, agora’ que aparece em contraste com ‘antes’ (v.11) e ‘naquele tempo’ (v.12); e ‘em Cristo Jesus’, que aparece em contraste com ‘sem Cristo’ (v.12). Essas duas expressões enfatizam como a situação dos gentios seria drasticamente modificada, de estarem ‘longe’ para chegarem ‘perto’. Essa nova aproximação de Deus é tanto ‘em Cristo Jesus’ como ‘pelo sangue de Cristo’. Essa última se refere ao evento histórico da morte de Jesus na cruz; e a primeira está relacionada à conversão dos infiéis e sua presente união com Cristo. Os cinco versos seguintes explicam o que foi alcançado pela morte redentora de Cristo na cruz.

Os versos 14-18 revelam o âmago da mensagem de reconciliação de Paulo, e como Deus deu início ao ser eterno plano de reconciliação cósmica (embora não universal) (1.10). A palavra principal nessa passagem é paz, e ela aparece quatro vezes (vv.14,15, e duas vezes no verso 17).

O verso 14 começa com uma declaração enfática: ‘Porque ele [Cristo] é a nossa paz’. Cristo, e somente Cristo, nos deu a solução para esse problema que infesta a raça humana, isto é, a separação de Deus e de outras pessoas. Ele é a Reconciliação do povo com Deus e a Reconciliação das pessoas, umas com as outras. Assim, o evangelho torna-se uma mensagem de reconciliação (2 Co 5.17-21). Por causa de seu sangue redentor (2.14), nesse ponto de Efésios Paulo anuncia, em dois sentidos, o próprio Cristo Jesus como sendo a ‘nossa paz’:

1) Como pecadores, Ele nos reconcilia com Deus pela cruz (v.16) e

2) Reconcilia grupos mutuamente hostis entre si (tais como judeus e gentios) e ‘de ambos os povos faz um’ (v.14b; também vv.15-18).

A reconciliação é o tema central desta passagem. Nada, a não ser o evangelho, poderá nos oferecer, genuinamente, a paz com Deus (Rm 5.1), ‘e nada, a não ser o evangelho, poderá remover as barreiras que dividem a humanidade em grupos hostis em sua própria época’ (Bruce, 1961, 54). A paz entre judeus e gentios exigia a destruição da ‘parede de separação que estava no meio’ (v.14c). Nenhuma distinção de cor, conflito étnico, separação por classes ou divisão política era mais absoluta que a barreira entre judeus e gentios no primeiro século d.C. Bruce acrescenta: ‘O maior triunfo do evangelho na era apostólica foi que ele venceu essa antiga e longa desavença e permitiu que judeus e gentios se tornassem verdadeiramente um único povo em Cristo’” (Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. RJ: CPAD, 2004, pp.1219-20).

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

 

 

             SUBSIDIO (1) JOVENS SALVAÇÃO PELA GRAÇA

 1 TRIMESTRE 2016 COMENTARIO DE ROMANOS 2.1-10

                          Introdução LIÇÃO N.1

 

Este capítulo contém uma conta, I. da condição miserável destes Efésios por natureza (Efésios 2: 1-3) e, novamente, Efésios 2: 11,12. II. Da gloriosa mudança que foi operada neles através da conversão de graça (Efésios 2: 4-10) e, novamente, Efésios 2:13. III. Dos grandes e poderosas privilégios que ambos convertidos judeus e gentios recebem de Cristo, Efésios 2: 14-22. Os esforços apóstolo afetá-los com o devido senso do maravilhoso mudança que a graça divina tinha feito com eles e isso é muito aplicável a esse grande mudança que a mesma graça funciona em todos aqueles que são levados a um estado de graça. Assim que nós temos aqui uma imagem animada tanto da miséria dos homens não regenerados e da condição das almas convertidas feliz, o suficiente para despertar e alarme aqueles que estão ainda em seus pecados e para colocá-los em cima apressando para fora desse estado, e ao conforto e deliciar aqueles a quem Deus se acelerou, com uma consideração sobre os privilégios poderosos com que são investidos.

 

Versículos 1-3

Estado dos efésios pela natureza.  AD 61.

1 E você vivificou, que estávamos mortos em nossos delitos e pecados 2, em que no tempo passado ye caminharam de acordo com o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência : 3 entre os quais todos nós também tivemos a nossa conversa, em tempos passados, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos e éramos por natureza filhos da ira, como os outros.

 

A condição miserável dos efésios por natureza, é aqui descrito em parte. Observado, 1. almas regeneradas são mortos em nossos delitos e pecados. Todos aqueles que estão em seus pecados, estão mortos em pecados sim, em delitos e pecados, o que pode significar todos os tipos de pecados, habituais e os reais, os pecados do coração e da vida. O pecado é a morte da alma. Onde quer que prevalece há uma privação de toda a vida espiritual. Os pecadores são mortos no estado, sendo destituídos dos princípios e poderes da vida espiritual e afastado de Deus, a fonte da vida, e são mortos em lei, como um malfeitor condenado é dito ser um homem morto. 2. O estado de pecado é um estado de conformidade com este mundo, Efésios 2: 2. Nos Efésios 2: 1, ele fala de seu estado interno, neste de sua conversa exterior: Em que, nos quais delitos e pecados, em tempo passado você entrou, você viveu e se comportou-se de tal maneira que os homens do mundo são costumava fazer. 3. Nós somos por natureza obrigacionista-escravos do pecado e de Satanás. Aqueles que andam em delitos e pecados, e de acordo com o curso deste mundo, andam de acordo com o príncipe das potestades do ar. O diabo, ou o príncipe dos demônios, é assim descrito. Veja Mateus 12: 24,26. As legiões de anjos apóstatas são como um poder unidos sob um chefe e, portanto, o que é chamado os poderes das trevas em outros lugares se fala aqui no singular. O ar é representado como a sede do seu reino: e foi a opinião de ambos os judeus e pagãos que o ar está cheio de espíritos, e que não exercem e exercer-se. O diabo parece ter algum poder (pela permissão de Deus) na região inferior do ar lá está ele na mão para tentar os homens, e para fazer tanto mal ao mundo como ele pode: mas é o conforto e alegria de Deus pessoas que aquele que é o cabeça sobre todas as coisas para a igreja conquistou o diabo e tem-lo em sua cadeia. Mas os homens maus são escravos de Satanás, pois eles andam de acordo com ele se conformam suas vidas e ações para a vontade e prazer deste grande usurpador. O curso e tenour de suas vidas estão de acordo com as suas sugestões e em conformidade com suas tentações que estão sujeitos a ele, e são levados cativos por ele à sua vontade, ao que ele é chamado o deus deste mundo e do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Os filhos da desobediência são como escolher desobedecer a Deus, e para servir o diabo nestes ele funciona muito poderosa e eficazmente. Como o bom Espírito trabalha o que é bom nas almas obedientes, de modo que este espírito maligno trabalha o que é mau em homens perversos e ele agora trabalha, não só até agora, mas mesmo desde que o mundo foi abençoado com a luz do evangelho da glória. O apóstolo acrescenta, entre os quais também todos nós tivemos nossa conversa, em tempos passados, que as palavras se referem aos judeus, a quem ele significa aqui para ter sido na condição triste e miserável como por natureza, e ter sido tão vil e perverso como o próprios, e cujo estado natural, ele descreve ainda nos próximos palavras gentios não regenerados. 4. Nós somos por natureza drudges a carne, e para nossos afetos corruptos, Efésios 2: 3. Ao cumprir os desejos da carne e do espírito, homens que contraem a imundícia da carne e do espírito a partir do qual o apóstolo exorta os cristãos a se purificar, 2 Coríntios 7: 1. O preenchimento dos desejos da carne e da mente inclui todo o pecado ea maldade que estão agiu dentro e por tanto o inferior e os poderes mais altos ou mais nobres da alma. Morávamos na comissão real de todos esses pecados a que a natureza corrupta nos inclinados. A mente carnal faz do homem um escravo perfeito para seu apetite feroz .-- O cumprimento das vontades da carne, de modo que as palavras podem ser prestados, denotando a eficácia desses desejos, eo que poder que tem sobre aqueles que se submetem-se -lhes. 5. Nós somos por natureza filhos da ira, como os outros. Os judeus eram tão, bem como os gentios e um homem é tanto assim como outro, por natureza, não só pelo costume e pela imitação, mas a partir do momento em que começou a existir, e por causa das nossas inclinações e apetites naturais. Todos os homens, sendo naturalmente filhos da desobediência, também estão por natureza filhos da ira, Deus está irado com o ímpio todos os dias. Nosso estado e curso são como merecem ira, e terminaria em eterna ira, se a graça divina não interpor. Que razão têm os pecadores, em seguida, olhar para fora para que a graça que irá torná-los, de filhos da ira, filhos de Deus e herdeiros da glória! Até agora o apóstolo descreveu a miséria de um estado natural em Efésios 2: 1-3, o que vamos encontrá-lo perseguindo novamente em alguns seguintes.

 

Versículos 4-10

A mudança operada em Efésios.    AD 61.

4 Mas Deus, que é rico em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, 5 estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo (pela graça sois salvos) 6 E ressuscitou-nos juntos, e fez-nos sentar-se juntos no celestiais lugares em Cristo Jesus: 7 Isso nos séculos vindouros mostrar a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus. 8 Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós; é dom de Deus: 9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie. 10 Porque somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes ordenado que andássemos nelas.

 

Aqui o apóstolo começa sua conta da gloriosa mudança que foi operada neles através da conversão de graça, onde observamos,

 

  1. Por quem, e de que maneira, foi provocada e efetuado. 1. Negativamente: não vem de vós, Efésios 2: 8. Nossa fé, nossa conversão e nossa salvação eterna, não são o mero produto de quaisquer habilidades naturais, nem de qualquer mérito nosso: Não vem das obras, para que ninguém se glorie, Efésios 2: 9. Essas coisas não são trazidos para passar por qualquer coisa feita por nós, e, portanto, toda jactância é ele excluiu que não deve glórias glória em si mesmo, mas no Senhor. Não há lugar para a vanglória de qualquer homem de suas próprias habilidades e poder ou como se ele tivesse feito qualquer coisa que poderia merecer tais favores imensos da parte de Deus. 2. Positivamente: Mas Deus, que é rico em misericórdia,. & C, Efésios 2: 4. O próprio Deus é o autor deste grande e feliz mudança, e seu grande amor é a mola e fontal causa dela, portanto, ele resolveu mostrar misericórdia. O amor é a sua inclinação para o nosso bem considerado simplesmente como criaturas misericórdia nos respeita como apóstata e criaturas tão miseráveis. Observe-se, o amor eterno de Deus ou de boa vontade para com suas criaturas é a fonte de onde todas as suas misericórdias atestar-safed para nós continuar e que o amor de Deus é grande amor, e que a misericórdia de sua misericórdia rico, indizivelmente grande e inesgotável rico. E, em seguida, pela graça sois salvos (Efésios 2: 5), e pela graça sois salvos, mediante a fé - é o dom de Deus, Efésios 2: 8. Note, Todo pecador convertido é um pecador salvo. Tais são libertos do pecado e da ira são levados a um estado de salvação, e têm o direito dado a eles pela graça para a felicidade eterna. A graça que os salva é a bondade imerecida livre e favor de Deus e ele salva-los, e não pelas obras da lei, mas pela fé em Cristo Jesus, por meio do qual eles vêm para participar das grandes bênçãos do evangelho e tanto que a fé e que a salvação em que tem tão grande influência são o presente de Deus. Os grandes objetos de fé são dado a conhecer por revelação divina, e fez credível pelo testemunho e evidências que Deus nos deu e que nós acreditamos que a salvação e obter a salvação através da fé é inteiramente devido à ajuda divina e graça que Deus ordenou tudo para que o todo deve aparecer para ser de graça. Observar,

 

  1. Em que consiste essa mudança, em muitos pormenores, respondendo à miséria de nosso estado natural, alguns dos quais são enumerados nesta secção, e outros são mencionados abaixo. 1. Nós, que estávamos mortos são vivificados (Efésios 2: 5), somos salvos da morte do pecado e ter um princípio de vida espiritual implantada em nós. Graça na alma é uma nova vida na alma. Como a morte encerra os sentidos, veda-se todos os poderes e faculdades, o mesmo acontece com um estado de pecado, como com qualquer coisa que é bom. Graça desbloqueia e abre todos, e amplia a alma. Observe-se, Um pecador regenerado se torna uma alma viva: ele vive uma vida de santificação, ser nascido de Deus e vive no sentido da lei, a ser entregue a partir da culpa do pecado perdoando e justificando graça. Ele nos vivificou juntamente com . Cristo nossa vida espiritual resulta de nossa união com Cristo é nele que vivemos: Porque eu vivo, vós também vivereis. 2. Nós, que foram enterrados são ressuscitados, Efésios 2: 6. O que resta ainda a ser feito se fala aqui como se fosse já passado, embora na verdade somos elevados em virtude de nossa união com Ele a quem Deus ressuscitou dentre os mortos. Quando ele ressuscitou Cristo dentre os mortos, ele fez de fato levantar todos os crentes, juntamente com ele, sendo sua cabeça comum e quando ele colocou-o à sua direita nos lugares celestiais, ele avançou e glorificou-los e com ele, seu levantada e cabeça e precursor exaltado .-- e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus. Isso pode ser entendido em outro sentido. Sinners rolar-se no pó almas santificadas assentar nos lugares celestiais, são levantadas acima do mundo que o mundo é como nada para eles, em comparação com o que tem sido, e em comparação com o que o outro mundo é. Santos não são apenas os homens livres de Cristo, mas eles são avaliadores com ele por a ajuda de sua graça de terem subido com ele acima deste mundo para conversar com o outro, e eles vivem na expectativa constante do mesmo. Eles não são apenas funcionários para o melhor de mestres na melhor trabalho, mas eles são exaltados a reinar com ele, sentar-se no trono com Cristo, como ele sentou-se com o seu Pai no seu trono.

 

III. Observe o que é o grande projeto e objetivo de Deus na produção e efetuar essa mudança: E isso, 1. No que respeita aos outros: Que nos séculos vindouros mostram, & c. (Efésios 2: 7), para que pudesse dar uma amostra e prova de sua grande bondade e misericórdia, para o encorajamento dos pecadores no tempo futuro. Observe, A bondade de Deus na conversão e salvação dos pecadores até agora é um incentivo adequado para os outros no pós-tempo para esperam na sua graça e misericórdia, e aplicar-se a estes. Deus ter isso em seu design, pobres pecadores deve ter grande incentivo a partir dele. E o que nós não podemos esperar de tanta graça e bondade, de riquezas da graça, para que esta mudança é devido? Por meio de Cristo Jesus, por e através de quem Deus transmite todo o seu favor e as bênçãos para nós. 2. No que diz respeito aos próprios pecadores regenerados: Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras,. & C, Efésios 2:10. Parece que tudo é de graça, porque todas as nossas vantagens espirituais são de Deus. Nós somos feitura dele, ele quer dizer em relação à nova criação, não apenas como homens, mas como santos. O novo homem é uma nova criatura e Deus é o Criador. É um novo nascimento, e nós nascemos ou gerados de sua vontade. Em Cristo Jesus, isto é, sobre o relato do que ele fez e sofreu, e pela influência e operação de seu bendito Espírito. Para as boas obras, & c . O apóstolo ter antes atribuído esta mudança à graça divina na exclusão de obras, para que ele deve parecer assim para desencorajar as boas obras, ele aqui observa que embora a mudança é para ser atribuídas a nada dessa natureza (para nós são a obra de Deus) , ainda assim, Deus, em sua nova criação, foi concebido e preparado-nos para boas obras: criados para boas obras, com um design que devemos ser frutífera neles. Onde quer que Deus pelos seus implantes de carência bons princípios, que se destinam a ser para as boas obras. Que Deus antes ordenado, ou seja, decretado e nomeado. Ou, as palavras podem ser lidas, para as quais Deus antes preparou-nos, isto é, por nos abençoar com o conhecimento da sua vontade, e com a assistência do seu Espírito Santo e através da produção de uma tal mudança em nós. Isso andássemos neles, ou glorificar a Deus por uma conversa exemplar e pela nossa perseverança em santidade.

 

Versículos 11-13

A condição miserável dos efésios by Nature.    AD 61.

11 Pelo que me lembro, para que vos estar no tempo passado gentios na carne, chamados incircuncisão pelos que se chamam circuncisão na carne feito por mãos 12 Que naquele tempo estáveis ​​sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos aos pactos da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo: 13 Mas agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis ​​longe são feitos perto pelo sangue de Cristo.

 

Nestes versículos o apóstolo prossegue em seu relato da condição miserável destes Efésios por natureza. Por isso, lembre-se, & c., Efésios 2:11. Como se ele tivesse dito: "Você deve se lembrar que você tem sido, e compará-lo com o que você é agora, a fim de humilhar a si mesmos e para excitar o seu amor e gratidão a Deus." Nota, os pecadores convertidos devem com freqüência para refletir sobre o pecado ea miséria do estado em que estavam por natureza. Gentios na carne, isto é, viver na corrupção de sua natureza, e sendo destituído de circuncisão, o sinal exterior de um interesse no pacto de graça. Quem são chamados incircuncisão por que, & c., isto é, "Você foi difamado e repreendido por ele pelos judeus formais, que fizeram uma profissão externa, e que parecia mais longe do que a ordenança para fora." Note, professores hipócritas estão acostumados a valorizar-se principalmente em seus privilégios externos, e para afrontar e desprezar outros que estão destituídos deles. O apóstolo descreve a miséria do seu caso em vários elementos, Efésios 2:12. "Naquele tempo, enquanto você estava gentios, e em um estado não convertido, você estava", 1. "Em uma condição sem Cristo, sem o conhecimento do Messias, e sem qualquer interesse de poupança em relação a ele ou para ele." É verdade de todos os pecadores não convertidos, todos aqueles que são destituídos de fé, que eles não têm interesse de poupança em Cristo e deve ser uma coisa triste e deplorável para uma alma para ser sem Cristo. Ser sem Cristo, eles eram, 2. separados da comunidade de Israel não pertenciam à igreja de Cristo, e não tinha comunhão com ele, que se limita à nação israelita. Não é pouca privilégio de ser colocado na Igreja de Cristo, e para compartilhar com os membros desta organização nas vantagens peculiares a ele. 3. Eles são estranhos às alianças da promessa. O pacto da graça tem sido sempre o mesmo para a substância, no entanto, ter várias adições e melhorias sofridas nas diversas épocas da igreja, ele é chamado de convênios e pactos da promessa, porque ela é composta de promessas, e, particularmente, contém a grande promessa do Messias, e da vida eterna por meio dele. Agora, a Efésios, em sua gentilismo, eram estranhos a esta aliança, sem nunca ter tido qualquer informação, nem insinuação dele e todos os pecadores não regenerados são estranhos a ele, como eles não têm interesse nele. Aqueles que estão sem Cristo, e por isso não têm nenhum interesse no Mediador do concerto, não têm nenhum nas promessas da aliança. 4. Eles não tinham esperança, ou seja, para além desta vida - nenhuma esperança bem fundamentada em Deus, sem esperança de bênçãos espirituais e eternas. Aqueles que estão com a Cristo, e estranhos a aliança, não pode ter uma boa esperança para Cristo e do pacto são a base eo fundamento de todas as esperanças dos cristãos. Eles estavam em um estado de distância e afastamento de Deus: sem Deus no mundo não sem algum conhecimento geral de uma divindade, pois eles adoravam ídolos, mas viver sem o devido respeito a ele, qualquer reconheceu dependência dele, e qualquer interesse especial nele. As palavras são, ateus no mundo para, embora eles adoravam muitos deuses, mas eles estavam sem o verdadeiro Deus.

 

O apóstolo passa (Efésios 2:13) adicionais para ilustrar a mudança feliz que foi feito em seu estado: Mas agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis ​​longe, & c. Eles estavam longe de Cristo, de sua igreja, das promessas, da esperança cristã, e de si mesmo e Deus, portanto, de todo o bem, como o filho pródigo no país distante: esta tinha sido representada no Efésios 2: 11- 13. Pecadores não convertidos retirar-se a uma distância de Deus, e Deus coloca-los à distância: Ele se mantém o orgulho de longe. "Mas agora em Cristo Jesus, & c., Após a sua conversão, por força da união com Cristo, e interesse por ele pela fé, você se aproxima." Eles foram levados para casa para Deus, recebido na igreja, levado para a aliança, e possuidor de todos os outros privilégios, em conseqüência destes. Observe, Os santos são um povo perto de Deus. A salvação está longe dos ímpios, mas Deus é uma ajuda à mão para seu povo e esta é, pelo sangue de Cristo, pelo mérito de seus sofrimentos e morte. Todo pecador crente deve a sua proximidade de Deus, e seu interesse em seu favor, até a morte e sacrifício de Cristo. 

fonte comentario biblico Mathew Henry (N.T)

fonte    www.avivamentonosul21.comunidades.net

 

 

             SUBSIDIO(2) LIÇÕES JOVENS CPAD 2016

                        1 TRIMESTRE JUSTIFICAÇÃO

                   COMENTARIO DE ROMANOS 1.1-17

 

Versículo 1

  1. Paul, etc. (11) - No que diz respeito à palavra Paul, como é um assunto de tal momento como deve nos deter, e como nada pode ser dito que não tenha sido mencionado por outros expositores, devo dizer nada, se não fosse adequada para satisfazer alguns à custa pequeno sem ser tedioso para os outros; para o assunto deverá ser despachado em poucas palavras.

 

Eles que pensam que o Apóstolo atingido esse nome como um troféu por ter trazido Sérgio, o procônsul, à fé de Cristo, são refutadas pelo testemunho de Lucas, que mostra que ele foi chamado antes desse tempo. (Atos 13: 7.) Também não parece provável para mim, que foi dado a ele quando ele se converteu a Cristo; embora essa idéia tão satisfeito [Agostinho], que ele teve a oportunidade refinedly a filosofar sobre o assunto; pois ele diz, que a partir de um orgulhoso Saul foi feito a um muito pouco (parvulum (12)) discípulo de Cristo. Mais provável é a opinião de [Orígenes], que pensava que ele tinha dois nomes; pois não é improvável que seja verdade, que o seu nome, Saul, derivada de sua parentela, foi-lhe dado por seus pais para indicar a sua religião ea sua descendência; e que o seu outro nome, Paul, foi adicionado, para mostrar o seu direito de cidadania romana; (13) que não teria essa honra, em seguida, muito valorizado, para ser de outra forma do que fez evidente; mas não fez muito valor lo como recusar uma prova de sua descendência israelita. Mas ele tem geralmente tomado o nome de Paulo em suas epístolas, e pode ser, pelas seguintes razões: porque nas igrejas para que ele escreveu, foi mais conhecida e mais comum, mais aceitável no Império Romano, e menos conhecido entre os seus própria nação. Foi, aliás, o seu dever de evitar a suspeita de tolo e ódio em que o nome de um judeu, em seguida, trabalhou entre os romanos e em suas províncias, e abster-se de inflamar a ira de seus próprios compatriotas, e para cuidar de si mesmo.

 

Um servo de Jesus Cristo, etc. - Ele assinala-se com estas distinções para o fim de assegurar mais autoridade para a sua doutrina; e isso ele procura assegurar por duas coisas - primeiro, por afirmar a sua chamada para o Apostolado; (14) e em segundo lugar, ao mostrar que sua chamada não foi alheia a Igreja de Roma, pois era de grande importância que ele deveria ser considerado um apóstolo através chamado de Deus, e que ele deveria ser conhecido como aquele destinado à Igreja Romana. Portanto, ele diz, que ele era um servo de Cristo, e chamou para o escritório de um Apóstolo, sugerindo, assim, que ele não tinha presunçosamente se intrometeu em que o escritório. Em seguida, ele acrescenta, que ele foi escolhido, (selectum - selecionado, (15)), pelo qual ele confirma mais plenamente a verdade, que ele não era uma das pessoas, mas um especial Apóstolo do Senhor. Consistentemente com isso, ele tinha antes procedeu a partir do que foi geral para o que era particular, como o Apostolado era um serviço especial; para todos os que sustentam o escritório de ensino devem ser considerados servos de Cristo, mas Apóstolos, no ponto de honra, excedem todos os outros. Mas a escolha para o evangelho, etc., que depois menciona, expressa o final, bem como o uso do Apostolado; para ele pretendia rapidamente para mostrar para que finalidade ele foi chamado para essa função. Ao dizer então que ele era servo de Cristo, ele declarou que ele tinha em comum com outros professores; reivindicando para si o título de apóstolo, ele colocou-se diante dos outros; mas como nenhuma autoridade é devido a ele que voluntariamente se intromete-se, ele nos lembra, que foi nomeado por Deus.

 

Em seguida, o significado é, - que Paulo era um servo de Cristo, e não qualquer tipo de servo, mas um apóstolo, e que até o chamado de Deus, e não pela intrusão presunçoso: Segue-se uma explicação mais clara do escritório Apostólica, - ele foi ordenado para a pregação do Evangelho. Por que eu não posso concordar com aqueles que referem-se esta chamada de que ele fala para a eleição eterna de Deus; e que compreendem a separação, tanto que desde o ventre de sua mãe, que ele menciona em Gálatas 1:15, ou aquilo que Lucas refere-se a, quando Paul foi nomeado para os gentios; mas eu considero que ele simplesmente se gloria em ter Deus como o autor de seu chamado, para que ninguém deve pensar que ele tinha por sua própria imprudência tomado esta honra para si mesmo. (16)

 

Devemos observar aqui, que todos não estão equipados para o ministério da Palavra; para uma chamada especial é necessário, e mesmo aqueles que parecem particularmente equipado deve tomar cuidado para que não se enfiou-se em sem convite. Mas quanto ao caráter do Apostólica e da chamada Episcopal, vamos considerá-lo em outro lugar. Devemos observar ainda, que o escritório de um apóstolo é a pregação do evangelho. É, portanto, parece que apenas objetos do ridículo são os cães mudos, que tornam-se única primam pela mitra e seu cajado, e se gloriam de ser os sucessores dos Apóstolos!

 

A palavra, servo, as importações mais nada, mas um ministro, porque se refere ao que é oficial. (17) Digo isso para remover o erro de quem muito refinar nesta expressão e pensar que não está aqui para ser entendido um contraste entre o serviço de Moisés e de Cristo.

 

Ele era um apóstolo por uma chamada, ou como [Beza] torna ", pela chamada de Deus - ex Dei vocatione Apostolus." O significado é o mesmo que o que ele mesmo expressa em Gálatas 1: 1. [Turrettin] torna ", Apostolus vocatione divina - um apóstolo por vocação divina."

 

A diferença entre "um chamado Apóstolo" e "chamado para ser apóstolo," é este, que a primeira transmite a idéia de que ele obedeceu a chamada, eo outro não. - Ed.

 

Verso 2

  1. Que ele havia prometido antes, etc. - Como a suspeita de serem novos substratos muito com a autoridade de uma doutrina, ele confirma a fé do evangelho por antiguidade; como se dissesse: "Cristo não veio sobre a terra de forma inesperada, nem ele apresentar uma doutrina de um novo tipo e não ouviu falar de antes, na medida em que ele e seu evangelho também, havia sido prometido e esperado desde o começo do mundo . "Mas, como a antiguidade é muitas vezes fabuloso, ele traz testemunhas, e os aprovados, até mesmo os profetas de Deus, que ele possa remover todas as suspeitas. Ele no terceiro lugar acrescenta, que os seus depoimentos foram devidamente registrados, ou seja, nas Sagradas Escrituras.

 

Nós podemos aprender com esta passagem que é o evangelho: ele nos ensina, não que isso foi promulgada pelos Profetas, mas apenas prometeu. Se, em seguida, os Profetas prometeu o evangelho, segue-se que foi revelado, quando nosso Senhor foi finalmente manifestado na carne. Eles são, então, engana-se quem confunde as promessas com o evangelho, uma vez que o evangelho é a pregação devidamente nomeado de Cristo que se manifesta, em quem as promessas próprios estão expostos. (18)

 

Versículo 3

  1. No que diz respeito a seu próprio Filho, etc. - Esta é uma passagem notável, pelo qual somos ensinados que todo o evangelho está incluído em Cristo, de modo que se houver remove um passo de Cristo, ele retira-se do evangelho. Para uma vez que ele é a imagem expressa do Pai, que vive, e não é nenhuma maravilha, que só ele está diante de nós como aquele a quem toda a nossa fé é para ser dirigido e em quem ele é para o centro. É então uma definição do evangelho, pelo qual Paulo expressa o que está resumidamente compreendida na mesma. Tenho prestado as palavras que se seguem, Jesus Cristo, nosso Senhor, no mesmo caso; o que me parece ser mais agradável com o contexto. Nós, portanto, aprender, que aquele que tem feito um devido proficiência no conhecimento de Cristo, adquiriu todas as coisas que podem ser aprendidas com o evangelho; e, por outro lado, que os que procuram ser sábio, sem Cristo, não são apenas tolos, mas ainda completamente insano.

 

Quem foi feito, etc. - Duas coisas devem ser encontrada em Cristo, a fim de que possamos alcançar a salvação nele, até mesmo a divindade ea humanidade. Sua divindade possui o poder, a justiça, a vida, o que por sua humanidade são encaminhados para nós. Por isso, o Apóstolo tenha expressamente mencionado tanto no Resumo ele dá do evangelho, que Cristo foi manifestado na carne - e que nela se declarou ser o Filho de Deus. Então John diz; após ter declarado que o Verbo se fez carne, acrescenta ele, que, em que a carne havia uma glória como do unigênito Filho de Deus. (João 1:14.) Que ele percebe especialmente a descida e linhagem de Cristo de seu pai Davi, não é supérfluo; pela presente que ele chama de volta a nossa atenção para a promessa de que nós não podemos duvidar, mas que ele é a própria pessoa que tinha sido anteriormente prometido. Tão bem conhecido foi a promessa feita a David, que parece ter sido uma coisa comum entre os judeus para chamar o Messias, o Filho de Davi. Isso, então - o que Cristo fez primavera de David - foi dito com a finalidade de confirmar a nossa fé.

 

Ele acrescenta, segundo a carne; e acrescenta este, para que possamos entender que ele tinha algo mais excelente do que carne, que ele trouxe do céu, e não demorou a partir de David, até o que mais tarde menciona, a glória da natureza divina. Paul faz mais por estas palavras não só declarar que Cristo tinha carne real, mas ele também distingue claramente o seu humano a partir de sua natureza divina; e, assim, ele refuta a delirante ímpia de Servet, que atribuiu carne de Cristo, composto por três elementos não tratados.

 

Versículo 4

  1. Declarada (19) o Filho de Deus, etc.: ou, se preferir, determinado (definitus); como se ele tivesse dito, que o poder, pelo qual ele foi ressuscitado dentre os mortos, era algo como um decreto pelo qual ele foi proclamado o Filho de Deus, de acordo com o que é dito em Salmos 2: 7, "Eu tenho esse dia gerei: "para este begetting se refere ao que foi dado a conhecer. Embora alguns de fato encontrar aqui três evidências distintas de que a divindade de Cristo - "poder," Noções básicas desse modo milagres - então o testemunho do Espírito - e, por último, a ressurreição dentre os mortos - Eu ainda preferem para conectá-los juntos, e para reduzir estas três coisas a um, desta maneira - que Cristo foi declarado o Filho de Deus, exercendo abertamente um poder celestial real, isto é, o poder do Espírito, quando ele ressuscitou dos mortos; mas que esse poder é compreendido, quando a convicção de que é imprimido em nossos corações, pelo mesmo Espírito. A linguagem do Apóstolo bem concorda com este ponto de vista; pois ele diz que ele foi declarado pelo poder, porque o poder, peculiar a Deus, brilhou nele, e incontestavelmente provado que ele seja Deus; e este foi de fato evidenciado pela sua ressurreição. Paulo diz a mesma coisa em outro lugar; tendo afirmado, que a morte da fraqueza da carne apareceu, ele ao mesmo tempo exalta a força do Espírito na sua ressurreição; (2 Coríntios 13: 4) Essa glória, no entanto, não é feito conhecido a nós, até que o mesmo Espírito imprime uma convicção de que em nossos corações. E que Paulo inclui, juntamente com a energia maravilhosa do Espírito, que Cristo se manifesta por ressuscitar dos mortos, o testemunho que todos os fiéis sentem em seus corações, é ainda evidente a partir deste - que ele expressamente chama-lhe o Espírito de Santidade; como se ele tivesse dito, que o Espírito, na medida em que santifica, confirma e ratifica que a evidência de seu poder que uma vez exibiu. Porque a Escritura é muitas vezes não vai atribuir esses títulos ao Espírito, como tendem a ilustrar nosso assunto presente. Assim, Ele é chamado por nosso Senhor o Espírito da Verdade, por causa do efeito que ele menciona; (João 14:17)

 

Além disso, um poder divino diz-se que brilhou na ressurreição de Cristo, por esta razão - porque ele se levantou de seu próprio poder, como tinha muitas vezes testemunhou:

 

"Destruí este templo, e em três dias

eu o levantarei novamente," (João 2:19;)

 

"Ninguém ma tira de mim", etc .; (João 10:18)

 

Para ele ganhou vitória sobre a morte, (a que ele cedeu no que respeita à fraqueza da carne,) não procurou por ajuda de outro, mas pela operação celestial de seu próprio Espírito.

 

Professor [Hodge] dá o que ele concebe-se a importação de os dois versos com estas palavras: "Jesus Cristo foi, como a sua natureza humana, o Filho de Davi; mas ele estava claramente comprovado que se, quanto à sua natureza divina, o Filho de Deus, pela ressurreição dentre os mortos. "Este ponto de vista é tomada por muitos, como [Pareus], ​​[Beza], [Turrettin], etc. Mas as palavras, "de acordo com o Espírito de Santidade" - κατὰ πνεῦμα ἁγιωσύνης, são tomadas de forma diferente pelos outros, no sentido do Espírito Santo. Como a frase é encontrada em nenhum outro lugar, pode ser tomado em qualquer sentido. Que a natureza divina de Cristo é chamado de Espírito, é evidente. Veja 1 Coríntios 15:45; 2 Coríntios 3:17; Hebreus 9:14, 1 Pedro 3:18 [Doddridge], [Scott] e [Chalmers], considere o Espírito Santo para ser pretendido. A última dá a esta paráfrase: - "declarado, ou determinadamente marcado por ser o Filho de Deus e com o poder. A coisa foi demonstrada por uma evidência, a exposição de que exigia um colocar diante do poder, que Paulo em outro lugar representa como um grande e árduo esforço, 'De acordo com o trabalho de seu poder quando ele ressuscitou dentre os mortos. ' - O Espírito de Santidade, ou o Espírito Santo. Foi através da operação do Espírito Santo que a natureza divina foi infundida no humano no nascimento de Jesus Cristo; e o mesmo agente, é notável, foi empregado na obra da ressurreição. 'Coloque a morte na carne ", diz Peter, e" vivificado pelo Espírito. " Nós só temos a ver com os fatos do caso. Ele demonstrou ser o Filho de Deus pelo poder do Espírito Santo ter sido formuladas em ressuscitando-o dos mortos ". Quanto ao caso genitivo depois de" ressurreição ", ver uma instância similar em Atos 17:32

 

A idéia deduzida por [Calvin], que ele é chamado aqui "o Espírito de Santidade", em virtude da santidade que ele opera em nós, não parece bem fundamentada, embora avançou por [Theodoret] e [Agostinho]. - Ed.

 

Versículo 5

  1. Por intermédio de quem recebemos, etc. - Tendo completado sua definição do evangelho, que ele apresentou para a recomendação de seu escritório, ele agora retorna para falar de sua própria chamada; e foi um grande ponto de que este deve ser provado aos Romanos. Ao mencionar a graça eo apostolado à parte, ele adota uma forma de expressão, (20) que deve ser entendido no sentido de, apostolado gratuita ou a favor do apostolado; por que ele quer dizer, que era inteiramente através de favor divino, não através de sua própria dignidade, que ele tinha sido escolhido para tão alto de um escritório. Por que ele tem quase nenhuma coisa conectada com ele na estimativa do mundo, exceto perigos, trabalhos, ódio e vergonha; ainda diante de Deus e seus santos, possui uma dignidade de nenhum tipo comum ou vulgar. É, portanto, merecidamente contado um favor. Se você prefere dizer, "Eu recebi a graça que eu deveria ser um apóstolo," o sentido seria o mesmo. (21)

 

A expressão, por conta de seu nome, é processado por [Ambrósio], "em seu nome", como se isso significasse, que o Apóstolo foi nomeado no lugar de Cristo para pregar o evangelho, de acordo com essa passagem: "Somos embaixadores de Cristo ", etc. (2 Coríntios 5:20.) A sua opinião, no entanto, parece melhor, que tomam o nome de conhecimento; para o evangelho é pregado para este fim - para que possamos crer no nome do Filho de Deus. (1 João 3:23). E Paul é dito ter sido um vaso escolhido, para levar o nome de Cristo entre os gentios. (Atos 09:15). Por conta depois do seu nome, que significa o mesmo, como se ele tivesse dito que eu poderia dar a conhecer o que Cristo é. (22)

 

Para a obediência da fé, etc. - Ou seja, temos recebido um comando para pregar o evangelho entre todas as nações, e este evangelho eles obedecem pela fé. Ao afirmar o design da sua vocação, ele novamente lembra os romanos de seu cargo, como se dissesse: "Na verdade, é meu dever para descarregar o escritório empenhados em mim, o que é pregar a palavra; e é seu dever para ouvir a palavra de boa vontade e de obedecê-la; caso contrário você vai anular a vocação que o Senhor tem derramado sobre mim. "

 

Nós, portanto, aprender, que perversamente resistir à autoridade de Deus e perturbar o conjunto do que ele ordenou, que de forma irreverente e desdenhosamente rejeitam a pregação do evangelho; a concepção de que é para nos restringir a obedecer a Deus. Devemos também observar aqui que é a fé; nome da obediência é dado a ele, e por esta razão - porque o Senhor nos chama por seu evangelho; nós respondemos a seu chamado pela fé; como, por outro lado, o principal ato de desobediência a Deus é a incredulidade, eu prefiro render a frase: "Para a obediência da fé", ao invés, "A fim de que eles podem obedecer a fé;" para o último não é estritamente correto, exceto tomado figurativamente, embora ser encontrada uma vez nos Atos 6: 7. A fé é propriamente aquilo pelo qual nós obedecemos o evangelho. (23)

 

Entre todas as nações, etc. Não foi o suficiente para ele ter sido nomeado um Apóstolo, exceto seu ministério tinha referência a alguns que estavam a ser ensinada: portanto, ele acrescenta, que o seu apostolado alargado a todas as nações. Em seguida, ele chama a si mesmo mais distintamente o Apóstolo dos romanos, quando ele diz, que eles foram incluídos no número das nações, a quem tinha sido dado como um ministro. E mais, os apóstolos tinham em comum o comando para pregar o evangelho a todo o mundo; e eles não eram, como pastores e bispos, distribuídos por certas igrejas. Mas Paulo, além do compromisso geral da função apostólica, foi constituída, por um compromisso especial, para ser um ministro para anunciar o Evangelho entre os gentios. Não é nenhuma objeção a isso, que ele foi proibido de passar pela Macedônia e de anunciar a palavra na Mísia: para isso foi feito, não que houvesse limites prescritos para ele, mas que ele foi para um tempo para ir para outro lugar; para a colheita não era tão maduro ainda lá.

 

Ye são chamados de Jesus Cristo, etc. Ele atribui uma razão mais perto relacionada com eles - porque o Senhor já tinha exibido neles uma evidência de que ele havia manifestado que ele os havia chamado para uma participação do evangelho. É, portanto, seguido, que se desejassem a sua própria vocação de permanecer certeza, eles não eram de rejeitar o ministério de Paulo, que havia sido escolhido pela mesma eleição de Deus. Entendo, portanto, esta cláusula ", o chamado de Jesus Cristo", como explicativo, como se a partícula "mesmo" foram inseridos; para ele significa, que eles estavam chamando feitos participantes de Cristo. Para os que hão de herdar a vida eterna, são escolhidos pelo Pai celestial para ter filhos em Cristo; e quando escolhida, eles estão comprometidos com seu cuidado e proteção como seu pastor. (24)

 

"Ipsius nomine Pro", - ὑπὲρ τοῦ ὀνὸματος αὐτοῦ; "ad nominis ejus gloriam - para a glória de seu nome," [Turrettin]; "Com a finalidade de ampliar o seu nome," [Chalmers] [Hodge] observa, "Paul era um apóstolo que todas as nações possam ser obediente, à honra de Jesus Cristo, isto é, para que o seu nome possa ser conhecido." Alguns , como [Tholuck], conecte as palavras com "obediência da fé", como eles processam a frase, e, nesse sentido, "que a obediência pode ser processado da fé entre todas as nações por causa do seu nome." Mas é melhor para ligar as palavras com o recebimento do apostolado: ele foi recebido por dois motivos - que poderia haver a obediência da fé, e que o nome de Cristo pode ser ampliada. - Ed.

 

O versículo 7

  1. Para todos vocês que estão em Roma, etc. Por esta disposição feliz que ele apresenta o que há em nós digno de louvor; diz ele, que primeiro o Senhor através de sua própria bondade nos fez os objetos de seu favor e amor; e depois que ele nos chamou; e em terceiro lugar, que ele nos chamou para a santidade; mas esta alta honra só então existe, quando não estamos querendo o nosso apelo.

 

Aqui uma verdade rico se nos apresenta, ao qual me referirei brevemente, e deixá-lo para ser meditado por cada indivíduo: Paul faz de maneira nenhuma atribuem o elogio da nossa salvação para nós mesmos, mas deriva-lo completamente da fonte de Deus amor livre e paternal em relação a nós; pois Ele faz isso a primeira coisa - Deus nos ama; e qual é a causa do seu amor, a não ser sua própria bondade sozinho? Disso depende a nossa vocação, pelo qual em seu próprio tempo, ele sela seu adoção àqueles a quem ele havia escolhido antes livremente. Nós também aprendemos com essa passagem que nenhum justamente conectar-se com o número de fiéis, se não se sentir seguro de que o Senhor é bom, no entanto indignos e pecadores miseráveis ​​que sejam, e se não forem estimuladas por sua bondade e aspirar à santidade, para que ele não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. (1 Tessalonicenses 4: 7.) À medida que o grego pode ser processado na segunda pessoa, não vejo razão para qualquer mudança.

 

Graça a vós, e paz, etc. Nada é mais desejável do que ter Deus propício para nós, e isso é representado por graça; e depois de ter prosperidade e sucesso em todas as coisas fluem dele, e isto é anunciado pela paz; no entanto para as coisas possam parecer para sorrir em nós, se Deus estar com raiva, mesmo bênção em si está ligada a uma maldição. A própria fundação, em seguida, da nossa felicidade é o favor de Deus, pelo qual podemos desfrutar verdadeira e sólida prosperidade, e por que também a nossa salvação é promovido, mesmo quando estamos em adversidades. (25) E então, como ele reza a Deus pela paz, temos de compreender, que tudo o que de bom vem para nós, é o fruto da benevolência divina. Também não podemos deixar de notar, que reza ao mesmo tempo ao Senhor Jesus Cristo por essas bênçãos. Dignamente na verdade é esta honra rendeu a ele, que não é apenas o administrador e distribuidor de recompensa do Pai para nós, mas também faz todas as coisas em conexão com ele. Foi, no entanto, o objeto especial do Apóstolo para mostrar, que através dele todas as bênçãos de Deus vêm a nós. (26)

 

Há aqueles que preferem considerar a palavra paz como significando tranqüilidade de consciência; e que este significado pertence a ela, às vezes, eu não nego, mas uma vez que é certo que o apóstolo quis nos dar aqui um resumo das bênçãos de Deus, o antigo significado, que é feita através de Bucer, é muito mais adequado. Ansiosamente desejando, em seguida, para os piedosos que compõe a verdadeira felicidade, ele entrega-se, como ele fez antes, para o próprio bem fonte, até mesmo o favor de Deus, que não só sozinho nos traz felicidade eterna, mas é também a fonte de todas as bênçãos Nesta vida.

 

Versículo 8

  1. A primeira vez (28), na verdade, etc. Aqui o início começa, totalmente adaptado para a ocasião, como ele sazonalmente prepara para receber um ensino por razões que se prendem com o próprio bem como com eles. O que ele afirma é respeitá-los, a celebridade de sua fé; pois ele dá a entender que eles estão sendo honrados com a aprovação pública das igrejas, não poderia rejeitar um Apóstolo do Senhor, sem decepcionar a boa opinião deles entretidos por todos; e tal coisa teria sido extremamente descorteses e de uma maneira na fronteira com perfídia. Como então este depoimento justamente induzida Apóstolo, por proporcionando-lhe uma garantia de sua obediência, para empreender, de acordo com seu gabinete, para ensinar e instruir os romanos; por isso, realizou-los obrigado a não desprezar sua autoridade. No que diz respeito a si mesmo, ele descarta-los a um espírito dócil, testemunhando o seu amor para com eles; e não há nada mais eficaz na obtenção de crédito a um conselheiro, do que a impressão de que ele está cordialmente ansiosos para consultar o nosso bem-estar.

 

A primeira coisa é digno de nota, que ele tanto elogia sua fé, (29) que ele implica que ele tinha sido recebido de Deus. Estamos aqui ensinou que a fé é dom de Deus; de ação de graças é um reconhecimento de um benefício. Aquele que dá graças a Deus pela fé, confessa que se trata dele. E uma vez que nós achamos que o Apóstolo já começa suas felicitações com ações de graças, deixe-nos saber que são aqui lembrados, que todas as nossas bênçãos são brindes de Deus. É também necessário para se acostumar com essas formas de falar, que nós podemos ser conduzidos mais plenamente para nos despertar no dever de reconhecer Deus como o doador de todas as nossas bênçãos, e para incitar outros a se juntar a nós no mesmo reconhecimento. Se é certo para fazer isso nas pequenas coisas, quanto mais no que diz respeito à fé; Que não é nem um nem uma pequena (indiscriminado promiscua) dom de Deus. Temos aqui além de um exemplo, que, graças deve ser dada através de Cristo, de acordo com o mandamento do Apóstolo em Hebreus 13:15; na medida em que em seu nome e buscamos alcançar misericórdia do Pai. - Eu observo no último lugar, que ele chama de seu Deus. Esta é privilégio especial dos fiéis, e neles só Deus dá esta honra. Não é, de fato implícito nesta uma relação mútua, que se expressa nessa promessa,

 

"Eu serei o seu Deus;

eles serão o meu povo." (Jeremias 30:22).

 

Eu prefiro, ao mesmo tempo, limitar este ao personagem que Paul sustentada, como um atestado de sua obediência até o fim na obra de pregação do evangelho. Então Ezequias chamado Deus, o Deus de Isaías, quando ele desejar-lhe para dar-lhe o testemunho de um verdadeiro e fiel Profeta. (Isaías 37: 4). Então, ele também é chamado de modo especial o Deus de Daniel. (Daniel 6:20.)

 

. Através de todo o mundo O elogio de homens fiéis era Paul igual ao de todo o mundo, no que diz respeito à fé dos romanos; para os incrédulos, que considerou detestável, não poderia ter dado uma imparcial ou um testemunho correto respeitando-o. Nós, então, entenderam que era pela boca dos fiéis que a fé dos romanos foi proclamado por todo o mundo; e que eles eram o único capaz de julgar corretamente dele, e pronunciar uma opinião correta. Que este pequeno e desprezado punhado de homens eram desconhecidos quanto ao seu personagem para o ímpio, mesmo em Roma, foi uma circunstância que ele considerava como nada; para Paul fez nenhuma conta de seu julgamento.

 

O versículo 9

  1. Porque Deus é minha testemunha, etc. Ele prova seu amor por seus efeitos; para ele não tinha os amava muito, ele não teria tão ansiosamente encomendaram-nos ao Senhor, e, especialmente, ele não teria tão ardentemente desejado para promover o seu bem-estar por seus próprios trabalhos. Sua ansiedade em seguida, e seu desejo ardente eram certas evidências de seu amor; para eles não tinha surgido a partir dele, eles nunca teria existido. E, como ele sabia que isso é necessário para estabelecer confiança em sua pregação, que os romanos devem ser plenamente convencidos de sua sinceridade, acrescentou um juramento - um remédio indispensável, sempre que uma declaração, que deve ser recebido como verdadeiras e indubitáveis ​​vacila através incerteza. Por uma vez que um juramento é nada mais do que um apelo a Deus quanto à verdade do que nós declaramos, mais tola é negar que o Apóstolo utilizado aqui um juramento. Ele não obstante transgredir a proibição de Cristo.

 

É, portanto, parece que não foi desenhado de Cristo (como os anabatistas supersticiosos sonhar) para abolir juramentos por completo, mas, ao contrário de chamar a atenção para o devido cumprimento da lei; e da lei, permitindo que um juramento, única condena perjúrio e juramento desnecessário. Se, então, nós usaríamos um juramento corretamente, imitemos a gravidade ea forma reverente exibida pelos Apóstolos; e que você pode entender o que é, saiba que Deus é assim chamado como testemunha, que ele também é um apelo para que um vingador, para o caso de enganar; que Paulo expressa em outros lugares, com estas palavras,

 

"Deus é testemunha de minha alma." (2 Coríntios 1:23.) (30)

 

A quem sirvo em meu espírito, etc. É comum com os homens profanos, que brincar com Deus, para fingir o seu nome, não menos do que corajosamente presunçosamente; mas o Apóstolo aqui fala de sua própria piedade, a fim de obter crédito; e aqueles em quem o temor de Deus e reverência para com o seu nome prevalecer, irá temer a jurar falsamente. Ao mesmo tempo, ele define seu próprio espírito em oposição à máscara exterior de religião; para tantos falsamente fingir ser os adoradores de Deus, e exteriormente parecem ser assim, ele dá testemunho de que ele, de coração servido, Deus. (31) Pode ser também que ele aludiu às cerimônias antigas, em que só o Judeus pensaram que o culto de Deus consistia. Ele, então, dá a entender que, embora ele não manteve a observância destes, ainda era um adorador sincero de Deus, de acordo com o que ele diz em Filipenses 3: 3,

 

"Nós somos a verdadeira circuncisão, que no espírito servir a Deus,

e glória não na carne."

 

Ele então glórias que ele serviu a Deus com sincera devoção de coração, que é a verdadeira religião e adoração aprovado.

 

Mas era expediente, como eu já disse, a fim de que seu juramento pode atingir mais de crédito, que Paulo deve declarar a sua piedade para com Deus; por perjúrio é um esporte para o ímpio, enquanto o piedoso temor que mais de mil mortes; na medida em que não pode ser, mas que onde há um medo real de Deus, deve haver também uma reverência para o seu nome. Em seguida, é a mesma coisa, como se Paul tinha dito, que ele sabia o quanto santidade e sinceridade pertencia a um juramento, e que ele não precipitadamente apelar a Deus como testemunha, como os profanos estão acostumados a fazer. E assim, pelo seu próprio exemplo, ele nos ensina, que sempre que nós juramos, nós devemos dar essa prova de piedade, que o nome de Deus, que nós usamos em nossas declarações, pode conservar a sua sacralidade. E mais, ele dá uma prova, até pelo seu próprio ministério, que não adoraram a Deus fingidamente; pois era a evidência mais completa, que ele era um homem dedicado à glória de Deus, quando ele negou a si mesmo, e hesitou não se submeter a todas as dificuldades de censura, pobreza e ódio, e até mesmo o perigo de morte, no avanço do reino de Deus. (32)

 

Alguns tomam essa cláusula, como se Paul tenciona recomendar a adoração que ele disse que ele prestado a Deus, por esse motivo, - porque ele se correspondia com o que prescreve o evangelho. Na verdade, é certo que o culto espiritual é intimados sobre nós no evangelho; mas a primeira interpretação é de longe, o mais adequado, - que ele dedicou seu serviço a Deus na pregação do evangelho. Ele, no entanto, faz ao mesmo tempo a diferença entre ele e hipócritas, que têm outra coisa em vista, em vez de servir a Deus; para a ambição, ou qualquer coisa assim, influencia a maioria dos homens; e está longe de ser o caso, para que todos se envolver cordialmente e fielmente neste escritório. O significado é que Paulo realizou sinceramente o múnus de ensinar; para o que ele diz de sua própria devoção que ele se aplica a este assunto.

 

Mas nós, portanto, recolher uma doutrina rentável; por isso deve adicionar nenhum pouco de incentivo para os ministros do evangelho, quando ouvem que, na pregação do evangelho, que prestam um aceitável e um serviço valioso para Deus. O que, na verdade, está lá para impedi-los de considerá-lo um excelente serviço, quando sabem que seu trabalho é agradável a Deus, e é aprovado por ele? Além disso, ele chama o evangelho do Filho de Deus; pois Cristo é nele deu a conhecer, que foi nomeado pelo Pai para este fim, - que ele, sendo glorificado, também deve glorificar o Pai.

 

Que continuamente, etc. Ele ainda mais estabelece o ardor do seu amor pela sua própria constância na orando por eles. Era, de fato, uma forte evidência, quando ele derramou há orações ao Senhor, sem fazer menção deles. Que o significado pode ser mais claro, eu me tornar παντοτε, "sempre"; como se dizia-se: "Em todas as minhas orações", ou, "sempre que me dirijo a Deus em oração, associo-me uma menção de vós." (33) Agora ele não fala de todo tipo de invocar Deus, mas dessas orações para que os santos, estando em liberdade, e deixando de lado todos os cuidados, aplicar toda a sua atenção para o trabalho; pois ele pode ter muitas vezes expressa de repente este ou aquele desejo, quando os romanos não veio em sua mente; mas sempre que ele já tinha previsto, e, por assim dizer, se preparou para oferecer orações a Deus, entre outros que se lembrava deles. Ele então fala peculiar dessas orações, para que os santos deliberadamente preparar-se; como nós encontramos para ter sido o caso do nosso próprio Senhor, que, para este fim, procurou aposentadoria. Ele, ao mesmo tempo dá a entender com que freqüência, ou melhor, como incessantemente ele estava envolvido em tais orações, já que ele diz que ele orava continuamente.

 

  1. O meu testemunho de fato é Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, para que eu incessantemente fazer menção de vós, sempre pedindo nas minhas orações,

 

  1. Que por alguns meios agora finalmente eu pode, pela vontade de Deus, ter um curso livre para vir até você.

 

"No evangelho," tanto pode significar "de acordo com o evangelho", ou, "na pregação do evangelho." [Hodge] prefere o primeiro. A partícula ει significa claramente "que" neste contexto. Que é usada neste sentido no Novo Testamento não pode haver nenhuma dúvida; veja Atos 26: 8; Hebreus 7:15

 

Verso 10

  1. Solicitar, se por qualquer meio, etc. Como não é provável que a partir do estudo do coração de seu benefício, os quais não estão prontos para ajudá pelos nossos labores, ele acrescenta agora, depois de ter dito que ele estava ansioso para seu bem-estar , que ele mostrou por outra prova de seu amor a eles, como diante de Deus, mesmo solicitando que ele seja capaz de avançar seu interesse. Que você pode, portanto, perceber o significado completo, ler as palavras como se a palavra também foram inseridos, solicitando também, se, por qualquer meio, etc., dizendo: Uma viagem próspera, pela vontade de Deus, ele mostra não só que ele parecia graça do Senhor para o sucesso em sua jornada, mas que ele considerada próspera a sua jornada, se ele foi aprovado pelo Senhor. De acordo com este modelo deveria todos os nossos desejos a ser formado.

 

Verso 11

  1. Porque eu desejo muito ver-te Ele pode, de fato, estando ausente, já confirmaram a sua fé por sua doutrina; mas como conselho é melhor tomado de um presente, ele tinha um desejo de estar com eles. Mas ele explica que seu objetivo era, e mostra que ele desejava realizar a labuta de uma viagem, não para si próprio, mas para a sua vantagem. - Os dons espirituais (34) ele chama aqueles que ele possuía, sendo ou aqueles de doutrina, ou de exortação, ou de profecia que ele sabia que tinha chegado a ele através o favor de Deus. Ele tem aqui surpreendentemente apontou o uso de presentes, pela palavra, dando: para diferentes dons são distribuídos para cada indivíduo, para que todos na bondade mutuamente assistência mútua, e transferir para os outros o que cada um possui. Veja Romanos 12: 3

 

Para confirmar que você, etc. Ele modifica o que havia dito de transmitir, para que ele não parecem considerá-los como estavam ainda a ser instruídos sobre os primeiros elementos da religião, como se até então não foram corretamente ensinada em Cristo. Ele então diz que ele desejava de modo a emprestar sua ajuda para eles, que eles que teve para a maior parte feita uma proficiência, poderia ser mais assistida: para uma confirmação é o que todos nós queremos, até que Cristo seja formado em nós plenamente. (Efésios 4:13).

 

Verso 12

  1. Sendo não satisfeito com esta afirmação modesta, ele qualifica-lo, e mostra, que ele não assim ocupar o lugar de um professor, mas que desejava aprender também a partir deles; como se dissesse: "Eu desejo assim para confirmar que você de acordo com a medida de graça conferida em mim, que seu exemplo pode também adicionar coragem (alacritatem - alacridade). para a minha fé, e que pode, assim, beneficiar mutuamente uns aos outros"

 

Veja em que grau de modéstia seu coração piedoso si apresentada, para que ele desdenhava a não buscar a confirmação de iniciantes inexperientes: nem ele falar dissemblingly, pois não há ninguém tão vazio de presentes na Igreja de Cristo, que não é capaz de contribuir com algo para o nosso benefício: mas estamos impedido pela nossa inveja e pelo orgulho de nossa coleta de tal fruto de um outro. Essa é a nossa altivez, tal é a embriaguez produzido pela reputação vão, que a desprezar e ignorar os outros, cada um pensa que ele possui o que é perfeitamente suficiente para si mesmo. Eu prefiro ler com Bucer, exortação (exhortationem - encorajamento), em vez de consolatim; para ele concorda melhor com a primeira parte. (35)

 

O verbo com o prefixo, συμ, só é encontrada aqui; mas o verbo παρακαλέω ocorre com freqüência, e seu significado comum é, a implorar, para exortar a incentivar, e por estes meios para confortar.

 

No que diz respeito a esta passagem, Professor [Stuart] diz, "tenho prestado a palavra, conforto, só porque eu não consigo encontrar nenhuma palavra em Inglês que irá transmitir o sentido completo do original."

 

"A palavra traduzida para o conforto", diz o professor [Hodge] ", significa a convidar, para exortar, para instruir, consolar, etc. Qual desses sentidos é preferível aqui, não é fácil decidir. . Muito provavelmente o Apóstolo pretendia usar a palavra em um sentido amplo, como expressando a idéia, de que ele poderia ser animado, incentivado, e consolado por seu relacionamento com seus irmãos cristãos "- Os dois versos podem ser assim prestados: -

 

  1. Pois eu desejo muito ver-te, para que eu concedo a vós espiritual

 

  1. benefício, de modo que você pode ser reforçado: este também é o que eu desejo, a ser incentivada junto com você, por meio da fé que há em ambos, mesmo em você e em mim.

 

[Grotius] observa, "ἐν ἀλλήλοις impropriè dixit pro em utrisque, em mim et vobis. Dixit sic et Demóstenes, τα πρὸς ἀλλήλοις - Ed

 

O versículo 13

  1. Eu não faria isso que você deve ser ignorante. O que ele tem até agora testemunhou - que ele continuamente solicitado do Senhor, que ele pode visitá-los, poderia ter aparecido uma coisa vã, e não poderia ter obtido crédito, se ele tivesse deixado de aproveitar a ocasião oferecida: ele diz, portanto, que o esforço não tinha sido querendo, mas a oportunidade; pois ele havia sido impedido de executar um propósito muitas vezes formado.

 

Nós, portanto, aprendemos que o Senhor freqüentemente perturba os fins dos seus santos, a fim de humilhá-los, e por tal humilhação para ensiná-los a considerar a sua Providência, que eles podem confiar nele; embora os santos, que projetam nada sem a vontade do Senhor, não pode ser dito, estritamente falando, para ser conduzido longe de seus propósitos. Na verdade, é a presunção de impiedade para passar por Deus, e sem ele para determinar em coisas para vir, como se fossem em nosso próprio poder; e é isso que James repreende acentuadamente em Tiago 4:13.

 

Mas ele diz que ele foi prejudicado: você deve levar isso em nenhum outro sentido, mas que o Senhor o empregou em preocupações mais urgentes, que ele não poderia ter negligenciadas sem perda para a Igreja. Assim, os tropeços dos piedosos e dos incrédulos diferem: o último perceber apenas que eles são impedidos, quando eles são contidos pela forte mão do Senhor, a fim de não ser capaz de se mover; mas o primeiro está satisfeito com um obstáculo que surge alguma razão aprovado; nem eles permitem-se para tentar qualquer coisa para além do seu dever, ou contrária à edificação.

 

Que eu possa obter algumas frutas, etc. Ele, sem dúvida, fala desse fruto, para a recolha de que o Senhor enviou os seus Apóstolos,

 

"Eu vos escolhi a vós, para que vos vá e deis fruto,

eo vosso fruto pode permanecer." (João 15:16).

 

Embora ele se reuniram não para si, mas para o Senhor, que ele ainda chama isso de sua própria; para os piedosos têm nada mais como seus próprios do que o trabalho de promover a glória do Senhor, com o qual está conectado toda a sua felicidade. E ele registra o que tinha acontecido com ele em relação a outras nações, que os romanos pode entreter a esperança, que a sua vinda para eles não seria rentável, que tantas nações tinham encontrado para ter sido atendido com tanto benefício.

 

Verso 14

  1. Eu sou devedor, tanto a gregos como a bárbaros, etc. Aqueles a quem ele quer dizer com os gregos e os bárbaros, ele explica, acrescentando depois, tanto a sábios como a ignorantes; que as palavras Erasmus não tornou errado por "cultos e incultos," (eruditos et rudes,), mas eu prefiro manter as próprias palavras de Paul. Não Em seguida, ele leva um argumento de seu próprio escritório, e sugere que deveria ser atribuída à sua arrogância, que ele pensou-se em uma forma capaz de ensinar os romanos, por mais que se destacou na aprendizagem e na sabedoria e no conhecimento das coisas , na medida em que tinha o Senhor quis fazer dele um devedor até mesmo para o sábio. (36)

 

Duas coisas são para ser aqui considerados - que o evangelho é por um mandato celeste destinado e se ofereceu para o sábio, a fim de que o Senhor pode sujeitar a si toda a sabedoria deste mundo, e fazer toda a variedade de talentos, e todo tipo de ciência, ea altivez de todas as artes, para dar lugar à simplicidade da sua doutrina; eo que é mais, eles devem ser reduzidos para a mesma categoria com os ignorantes, e deve ser feita de modo manso, como ser capaz de suportar aqueles a ser seus condiscípulos sob seu mestre, Cristo, a quem eles não teriam se dignou antes de tomar como seus estudiosos; e, em seguida, que os ignorantes não são de forma a ser conduzido longe desta escola, nem são a fugir para longe dele por medo infundado; para se Paulo estava em débito com eles, sendo um devedor fiel, ele tinha, sem dúvida, descarregado o que devia; e, assim, eles vão encontrar aqui o que eles vão ser capazes de desfrutar. Todos os professores também têm uma regra aqui que eles estão a seguir, e que é, modestamente e gentilmente para acomodar-se às capacidades do ignorantes e iletrados. Por isso, será que eles serão capazes, com mais regularidade da mente, de suportar com muitos absurdos e quase inumeráveis ​​coisas que podem enojam-los, pelo qual eles poderiam ser superados. Eles são, no entanto, de lembrar, que eles não são tão em dívida com os tolos, como que eles são a valorizar sua loucura por indulgência imoderado.

 

Em linguagem moderna, as palavras podem ser prestados, "Tanto para o civilizado e para o incivilizado, tanto para a aprendidas e os ignorantes, eu sou um devedor." Os dois últimos termos não são exatamente paralelos aos dois primeiros, como muitos iletrados estavam entre os gregos, ou o civilizado, bem como entre os Bárbaros. - Ed.

 

Verso 15

  1. Por isso, estou pronto, (37) etc. Ele conclui que ele havia dito antes de seu desejo - que, como ele sabia que era seu dever para espalhar o evangelho entre eles, a fim de colher o fruto para o Senhor, ele era ansioso para cumprir o chamado de Deus, na medida em que ele foi autorizado a fazê-lo pelo Senhor.

 

Verso 16

  1. Eu não sou de fato vergonha, etc. Esta é uma antecipação de uma objeção; para que ele declara de antemão, que ele não se importava para os insultos dos ímpios; e ele, portanto, fornece uma maneira para si, pelo qual ele passa a pronunciar um elogio sobre o valor do evangelho, que não pôde comparecer desprezível aos Romanos. Ele realmente dá a entender que era desprezível aos olhos do mundo; e ele faz isso dizendo, que ele não tinha vergonha dela. E assim ele prepara-los para suportar a reprovação da cruz de Cristo, para que não estima o evangelho de menor valor, encontrando-lo exposto aos escárnios e insultos dos ímpios; e, por outro lado, ele mostra o quão importante era para os fiéis. Se, em primeiro lugar, o poder de Deus deve ser exaltado por nós, que o poder resplandece no evangelho; se, mais uma vez, a bondade de Deus merece ser procurado e amado por nós, o evangelho é uma exposição de sua bondade. Ele deveria, em seguida, para ser reverenciado e honrado, pois veneração é devido ao poder de Deus; e como ele aproveita para nossa salvação, que deveria ser amado por nós.

 

Mas observar o quanto Paulo atribui ao ministério da palavra, quando ele testifica que Deus coloca, assim, o seu poder para salvar; pois ele não fala aqui de qualquer revelação secreta, mas de pregação vocal. É, portanto, segue-se que aqueles como ele foram deliberadamente desprezam o poder de Deus, e conduzi-los longe de sua mão entregar, que se retirar da audição da palavra.

 

Ao mesmo tempo, como ele não funciona eficazmente em todos, mas apenas quando o Espírito, o Mestre interior, ilumina o coração, ele acrescenta: Para todo aquele que crê. O evangelho é de fato oferecida a todos para a sua salvação, mas o poder de que não aparece em todos os lugares, e que é o cheiro de morte para os ímpios, não procede o que é, mas a partir de sua própria maldade. Por estabelecendo mas uma salvação que Ele corta todos os outros confiança. Quando os homens se afastam de um presente salvação, eles encontram no evangelho uma prova segura de sua própria ruína. Desde então, o Evangelho convida todos a participar da salvação, sem qualquer diferença, ele é justamente chamado a doutrina da salvação, pois Cristo é oferecido lá, cujo escritório peculiar é salvar o que estava perdido; e aqueles que se recusam a ser salvos por ele, acharemos um juiz. Mas em todos os lugares na Escritura a palavra salvação é simplesmente definir em oposição à palavra destruição: e, portanto, devemos observar, quando ele é mencionado, o que o sujeito do discurso é. Desde então, o evangelho livra da ruína e da maldição da morte sem fim, sua salvação é a vida eterna. (38)

 

. Primeiro ao judeu e também do grego Sob a palavra grega, que inclui todos os gentios, como é evidente a partir da comparação que é feita; para as duas cláusulas compreender toda a humanidade. E é provável que ele escolheu esta nação especialmente para designar outras nações, porque, em primeiro lugar, ele foi admitido, ao lado dos judeus, em uma participação do convênio do evangelho; e, em segundo lugar, porque os gregos, por conta de suas imediações, ea celebridade de sua língua, foram mais conhecido para os judeus. Em seguida, é um modo de falar, uma parte sendo levado para o todo, pelo qual ele se conecta os gentios universalmente com os judeus, como participators do evangelho: nem ele empurrou os judeus de sua própria eminência e dignidade, uma vez que eram o primeiros participantes da promessa e chamado de Deus. Ele, então, se reserva para eles sua prerrogativa; mas ele imediatamente se junta aos gentios, embora em segundo lugar, como sendo participantes com eles.

 

"O evangelho é um ato divino, que continua a operar através de todas as idades do mundo, e que não em primeiro lugar para fora, mas por dentro, nas profundezas da alma, e para propósitos eternos." - [Dr. Olshausen]

 

Verso 17

  1. Por (39) a justiça de Deus, etc. Esta é uma explicação e uma confirmação do número anterior - de que o evangelho é o poder de Deus para a salvação. Porque, se nós procuramos a salvação, isto é, a vida com Deus, a justiça deve ser procurado em primeiro lugar, por que ser reconciliado com ele, podemos, através dele sendo propício para nós, obter que a vida que consiste apenas em seu favor; para, a fim de ser amado por Deus, precisamos primeiro nos tornar justos, já que ele considera injustiça com ódio. Portanto, ele sugere, que não podemos obter a salvação senão a partir do evangelho, uma vez que em nenhum outro lugar que Deus revela-nos a sua justiça, a única que nos livra da perdição. Agora essa justiça, que é a base da nossa salvação, é revelado no evangelho: o evangelho, portanto, é dito que é o poder de Deus para salvação. Assim, ele raciocina da causa para o efeito.

 

Observe ainda, quão extraordinário e valioso tesouro que Deus concede-nos através do evangelho, até mesmo a comunicação de sua própria justiça. Eu tomo a justiça de Deus para dizer, aquilo que for aprovado antes de seu tribunal; (40) como que, pelo contrário, é geralmente chamado a justiça dos homens, que é por homens contados e deveriam estar justiça, apesar de ser apenas vapor. Paul, no entanto, não duvido, alude às muitas profecias em que o Espírito dá a conhecer em toda a parte a justiça de Deus no futuro reino de Cristo.

 

Alguns explicam isso como a justiça que é livremente nos foi dada por Deus, e eu realmente confessar que as palavras arcará neste sentido; pois Deus nos justifica pelo evangelho, e, assim, nos salva: ainda a antiga visão me parece mais adequado, embora não seja o que eu faço muito de. De maior importância é o que alguns pensam, que esta justiça não consiste apenas na remissão livre de pecados, mas também, em parte, inclui a graça de regeneração. Mas eu considero, que estamos de volta à vida porque Deus nos reconcilia livremente a si mesmo, como veremos a seguir em seu devido lugar.

 

Mas em vez da expressão que ele usou antes, "a todo aquele que crê", diz ele agora, a partir da fé; como justiça é oferecida pelo evangelho, e é recebido pela fé. E acrescenta, a fé, porque como a nossa fé faz progresso, e à medida que avança em conhecimento, então a justiça de Deus aumenta em nós, ao mesmo tempo, ea posse dela é de uma forma confirmada. Quando no primeiro, provar o evangelho, nós realmente ver semblante sorridente de Deus voltou-se para nós, mas a uma distância: quanto mais o conhecimento da verdadeira religião cresce em nós, vindo como se fosse mais perto, vemos o favor de Deus de forma mais clara e mais familiarmente . O que alguns pensam, que há aqui uma comparação implícita entre o Antigo eo Novo Testamento, é mais refinado do que bem fundamentada; para Paulo não aqui comparar os Padres que viveram sob a lei com a gente, mas salienta o progresso diário que é feito por cada um dos fiéis.

 

Como está escrito, etc. Pela autoridade do profeta Habacuque, ele prova a justiça da fé; para ele, prevendo a derrubada do orgulhoso, acrescenta este - que a vida dos justos consiste na fé. Agora nós não viver diante de Deus, exceto pela justiça: ela, em seguida, segue-se que a nossa justiça é obtida pela fé; eo verbo ser futuro, designa o perpetuidade real do que a vida de que ele fala; como se ele tivesse dito, - que não seria momentânea, mas continuar para sempre. Pois mesmo o swell ímpios com a falsa noção de ter vida; mas quando eles dizem: "Paz e segurança", a destruição lhes sobrevirá repentina, (1 Tessalonicenses 5: 3). É, portanto, uma sombra, que dura apenas por um momento. Somente a fé é o que assegura a perenidade da vida; e de onde é este, exceto que ele nos leva a Deus, e faz com que a nossa vida a depender dele? Para Paulo não teria apropriadamente citado este testemunho não tinha o significado do Profeta sido, que só então levantar, quando pela fé nós decúbito em Deus, e ele não tem certamente atribuída vida à fé do piedoso, mas, na medida como eles, tendo renunciado a arrogância do mundo, resignar-se à proteção de Deus sozinho. (41)

 

Ele não é, de facto declaradamente lidar com este assunto; e, portanto, ele não faz nenhuma menção da justificação gratuita: mas é suficientemente evidente a partir da natureza da fé, que este testemunho é justamente aplicada ao presente assunto. Além disso, nós necessariamente reunir a partir de seu raciocínio, de que há uma conexão mútua entre fé e do Evangelho: para que a apenas é dito para viver pela fé, ele conclui que esta vida é recebido pelo evangelho.

 

Temos, agora, o ponto principal ou do principal dobradiça da primeira parte desta epístola, - que somos justificados pela fé, pela misericórdia de Deus. Nós não temos este, de fato, ainda distintamente expresso por Paulo; mas a partir de suas próprias palavras, a seguir vai ficar muito claro - que a justiça, que é fundamentado na fé, depende inteiramente da misericórdia de Deus.

 

Há mais dificuldade conectada com as seguintes palavras, ἐκ πίστεως εἰς πίστιν. A visão que [Calvin] dá foi adotada por alguns dos Padres, como [Teofilato] e [Clemente de Alexandria]; e é essa de [Melancthon], [Beza], [Scaliger], [Locke], e muitos outros. A partir de [Poole] nós achamos que [Crisóstomo] deu esta exposição, "A partir da fé obscura e incipiente do Antigo Testamento para a fé clara e completa do Novo", e que [Ambrósio] 's exposição foi a seguinte: "De a fé ou fidelidade de Deus, que promete a fé de quem crê. "Mas, em todos esses pontos de vista que não é o que comporta com o contexto, nem a construção muito intelligible-" revelada, de fé: "O que isso significa? Para tornar a passagem inteligível, ἐκ πίστεως deve ser conectado com δικαιοσύνη θεοῦ, como sugerido por [Hammond], e seguido por [Doddridge] e [Macknight]. Então seria, "A justiça de Deus pela fé, ou, o que é pela fé:" isso é revelado no evangelho "a fé", isto é, a fim de que ele pode ser acreditado; que é muitas vezes a força de εἰς antes de um substantivo; como, εἰς τὴν ἀνομίαν -, a fim de praticar a maldade; ou, εἰς ἁγιασμόν a fim de praticar a santidade, Romanos 6:19 [Chalmers], [Stuart], [Barnes] e [Haldane] aproveitar esta vista. O verso pode ser assim prestados, -

 

Para a justiça de Deus pela fé é nele revelada, a fim de ser acreditado, como está escrito: "O justo pela fé viva." A mesma verdade é transmitida em Romanos 3:22; e fraseologia semelhante é encontrada em Filipenses 3: 9.

 

[Barnes] parece totalmente para expressar a importação da passagem com estas palavras, "plano de homens que justificam de Deus se revela no evangelho, qual plano é pela fé, e os benefícios de qual plano será alargado a todos os que têm fé, ou que acreditar. "- Ed.

fonte comentario biblico Calvino (N.T)

fonte www.avivamentonosul21.comunidades.net