Translate this Page

Rating: 3.0/5 (914 votos)



ONLINE
5




Partilhe este Site...

 

 

<

Flag Counter


versões da biblia
versões da biblia

                                HISTORIA DAS VERSÕES DA BIBLIA

 

BÍBLIA, ENGLISH versões. Nos primeiros dias do cristianismo Inglês da Bíblia só foi conhecida a Vulgata Latina, feita por Jerome entre ad 383 e 405 Isso pode ser lida pelo clero e pelos monges, os únicos que estavam familiarizados com a linguagem . Em 670 Caedmon, um monge em Whitby, produzido em Inglês Antigo uma versão métrica de algumas das narrativas mais interessantes da OT. A primeira tradução direta de qualquer parte da Bíblia para a língua do povo era o Saltério, feito em cerca de 700 por Aldhelm, o primeiro bispo de Sherborne em Dorset. Algumas partes do NT foram traduzidos para o Inglês por Bede, o monge aprendeu de Jarrow, autor da famosa História Eclesiástica da Nação Inglês. Segundo uma carta de seu discípulo Cuthbert, Bede ainda estava empenhado em traduzir o Evangelho de João para o Inglês em seu leito de morte. Não é certo se ele completou, mas, infelizmente, sua tradução não sobreviveu. Rei Alfred (871-901) produzidos durante seus reinados versões Inglês de partes do Antigo e do Novo Testamento, incluindo uma parte do Saltério. Alguns evangelhos latinos que sobreviveram a partir deste período ter escrito nas entrelinhas o que são conhecidos como "glosas", uma tradução palavra por palavra do texto em Inglês, sem levar em conta a linguagem eo uso do vernáculo. A partir do mesmo período que estas glosas venha o que são conhecidos como os Evangelhos de Wessex, o primeiro independente versão Inglês Antigo dos evangelhos. Perto do final do século décimo Aelfric, arcebispo de Canterbury, partes dos sete primeiros livros do Antigo Testamento, bem como partes de outros livros do Antigo Testamento traduzido.

Por quase três séculos depois da conquista normanda, em 1066, as condições incertas da língua impediu qualquer progresso literário real, mas alguns manuscritos de traduções de partes da Bíblia em anglo-normando francês sobreviver. Sobre o início do século XIII, um monge agostiniano chamado Orm ou Ormin produziu uma versão poética dos Evangelhos e os Atos dos Apóstolos, chamado de Ormulum. partir da primeira metade do século XIV não sobreviver duas traduções em prosa do Saltério, feito em dois dialetos diferentes; e desde o final do século XIV, uma versão das letras principais NT, aparentemente, fez, no entanto, não para o uso das pessoas comuns, mas para os monges e freiras. Não havia pensamento ainda de fornecer layfolk comum com a Bíblia em sua própria língua. Foi Wycliffe que primeiro entretido esta ideia revolucionária. E foi Wycliffe que primeiro fez toda a Bíblia disponível em Inglês.

John Wycliffe . Nascido em Yorkshire sobre o ano de 1320, Wycliffe se destaca como uma das figuras mais ilustres do século XIV. Este foi um período de transição, nem a Idade Média , nem a Reforma, uma espécie de meio termo entre os dois. A velha ordem estava lutando com o novo. Ao longo de todo este século o prestígio da Igreja Católica Romana era muito baixo. O " cativeiro babilônico "dos papas em Avignon (1309-1378) foi seguido pelo" Grande Cisma ", quando, durante quarenta anos, havia dois papas rivais, um em Roma e outro em Avignon. Na luta entre o papado eo Parlamento Inglês sobre o tributo papal, Wycliffe alinhou com o Parlamento. O notável teólogo Oxford de sua época e um reformador eclesiástico ardente, ele é chamado de "estrela da manhã da Reforma". Ele estava convencido de que a forma mais segura de derrotar Roma foi colocar a Bíblia nas mãos das pessoas comuns, e Assim, decidiu fazer uma tal tradução disponível. Sob seus auspícios, o NT foi lançado em 1380 ea OT dois anos depois. É incerto exatamente quanto da tradução foi feita pelo próprio Wycliffe. Um número de estudiosos trabalharam com ele no projeto, um deles, Nicholas Hereford, fazendo a maior parte da OT. A tradução foi feita a partir do latim, e não a partir das línguas originais. Desde a impressão não era conhecido, cópias foram feitas à mão e eram naturalmente muito caro. Cerca de 170 estão em existência no presente. Nunca foi impresso até 1850, quando a Oxford Press publicou. O manuscrito original na caligrafia de pelo menos cinco homens diferentes é preservado na Biblioteca Bodleian, em Oxford. Para ajudá-lo em seus esforços de reforma, Wycliffe organizou uma espécie de ordem religiosa de pregadores pobres, chamados de lolardos, que ele enviou por toda a Inglaterra para pregar suas doutrinas e ler as Escrituras para todos os que desejavam ouvir. Foxe relata que as pessoas estavam tão ansiosos para lê-lo que daria toda uma carga de feno para o uso do NT por um dia. Houve oposição à Wycliffe por parte da igreja, mas ao contrário de suas próprias expectativas, ele foi autorizado a retirar-se para sua casa paroquial de Lutterworth, onde ele calmamente morreu em 1384. Doze anos mais tarde, no entanto, seus ossos foram desenterrados e queimados, e as cinzas espalhadas sobre o rio que flui através de Lutterworth. Sua tradução tornou-se indelevelmente na nossa atual Bíblia. Algumas das expressões familiares que se encontram pela primeira vez em sua versão são "porta estreita", "fazer todo", "terra da bússola e do mar", "filho da perdição", "tu entra no gozo do teu Senhor".

Quatro anos após a morte de Wycliffe seu secretário, John Purvey , emitiu uma revisão cuidadosa de sua tradução, introduzida com um prólogo interessante e acompanhadas de notas. A igreja, no entanto, não aprovaram a nova Bíblia. Em 1408 um decreto, conhecido como a "Constituição de Oxford," foi emitida proibindo qualquer pessoa de traduzir ou ler qualquer parte da Bíblia no vernáculo sem a aprovação de seu bispo ou de um conselho provincial. Seis anos mais tarde, uma lei foi promulgada, que todas as pessoas que devem ler as Escrituras em sua própria língua deve "perder terreno, catel, a vida e os bens de seus heyres para sempre". Nicholas Hereford e John Purvey foram presos. A demanda do público para a Bíblia continuou, no entanto, apesar das severas sanções ligadas a sua circulação.

O século XV foi uma das grandes épocas da história humana. Em que século viveu homens como Colombo, Galileu, Francis Bacon, Kepler, e Marco Polo. Outro grande homem da vez foi o inventor da imprensa, Gutenberg, que em 1454 trouxe na Alemanha, o primeiro trabalho impresso datado, um Saltério Latina, e dois anos depois da famosa Bíblia de Gutenberg na Vulgata Latina. Após a tomada de Constantinopla em 1453, estudiosos cristãos foram obrigados a deixar a capital do Império do Oriente, onde há mil anos aprendizagem grega floresceu. Trouxeram com eles para a Europa Ocidental muitos manuscritos gregos. Isso levou a um renascimento do interesse nos estudos bíblicos e tornou possível para Erasmus para emitir em 1516 a primeira edição impressa do grego do Novo Testamento . No início do século XVI grega foi pela primeira vez apresentado como um tema de estudo nas universidades de Oxford e Cambridge. Por volta de 1500 a maioria dos países da Europa tiveram as Escrituras no vernáculo. Inglaterra, no entanto, teve apenas cópias espalhadas da versão manuscrita Wycliffe, a linguagem de que se tornara obsoleto. As Constituições de Oxford ainda estavam em vigor. Inglaterra estava pronta para uma nova tradução da Bíblia, a partir das línguas originais.

William Tyndale . William Tyndale, o próximo grande figura na história da Bíblia em Inglês, nasceu por volta do ano 1494 e passou dez anos estudando na Universidade de Oxford e Cambridge. Logo após deixar Cambridge, enquanto trabalhava como capelão e tutor, ele disse em uma polêmica com um clérigo, "Se Deus poupar minha vida, dentro em pouco farei com que um menino que impeliu um arado de saber mais do escrituras do que tu . "Isto tornou-se a determinação fixa de sua vida. Em sua tradução projetada tentou obter o apoio do bispo de Londres, mas sem sucesso. Um rico comerciante de tecidos de Londres finalmente chegou ao seu apoio, mas depois de seis meses, em 1524, Tyndale partiu para o continente, porque, segundo ele, "entendida no último não só que não havia espaço no meu senhor do palácio de Londres para traduzir o NT, mas também que não havia lugar para fazê-lo em toda a Inglaterra, como a experiência doth agora declaram abertamente. "Ele nunca foi capaz de voltar para a Inglaterra. Ele parece ter visitou Lutero em Wittenberg, e depois foi para Colônia, onde encontrou uma impressora para seu NT. Um padre descobriu seu plano, e Tyndale foi obrigado a fugir. Em Worms ele encontrou outra impressora, e ali, em 1525, três mil cópias da primeira impressão Inglês NT foram publicados. Até 1530 seis edições, totalizando cerca de quinze mil exemplares, foram publicados. Todos foram contrabandeadas para a Inglaterra escondida em fardos de algodão, sacos de farinha e feixes de linho.

Assim que Tyndale NT chegou a Inglaterra, houve uma grande demanda para isso: por leigos que pudessem lê-lo, e pelas autoridades eclesiásticas, para que possam destruí-lo! Um decreto foi emitido para sua destruição. Bispos comprou edições inteiras consignar às chamas. Como resultado, apenas algumas cópias imperfeitas sobreviver. Tyndale Inglês NT começou uma nova época na história da Bíblia em Inglês. Não era uma tradução do latim, como Wycliffe de fora, mas foi traduzido do original grego, o texto publicado pelo Erasmus. A cada edição sucessiva, Tyndale fez correções e melhorias. Tão bem que Tyndale fazer o seu trabalho que a KJV reproduz cerca de 90 por cento de Tyndale no NT. Após a conclusão do NT, Tyndale começou a trazer uma tradução do Antigo Testamento do texto hebraico, mas viveu apenas para completar o Pentateuco, Jonas e, provavelmente, os livros históricos de Josué a 2 Crônicas. Depois de dez anos no continente, principalmente na clandestinidade, ele foi traído em Antuérpia por um Inglês Católica Romana e foi condenado à morte por ser um herege. Ele foi estrangulado e seu corpo queimado na fogueira. Suas últimas palavras foram uma oração: "Senhor, abre o olhos do Rei da Inglaterra." Mas Tyndale havia vencido sua batalha. Apesar de seu NT foi queimado em grandes quantidades pela igreja, o que contribuiu grandemente para a criação de um apetite para a Bíblia em Inglês. O governo, por outro lado, começou a ver a sabedoria ea necessidade de prover a Bíblia em Inglês para uso comum. A ruptura com o papado, em 1534, ajudou muito nisso.

Miles Coverdale . Enquanto Tyndale foi preso na Bélgica, uma Bíblia Inglês apareceu de repente na Inglaterra em 1535 Ele tinha vindo do Continente. O título da página declarou que havia sido traduzida para fora do alemão e latim para o Inglês. Esta Bíblia foi a prestação de Miles Coverdale, embora no NT e nas partes do AT feita por Tyndale, não era mais do que uma ligeira revisão do trabalho deste último. Foi a primeira completa impressa da Bíblia no idioma Inglês. Não foi traduzido do hebraico e grego, pois na dedicação (para Henry VIII ) Coverdale diz que ele usou o trabalho de cinco tradutores diferentes. Sua versão dos Salmos ainda aparece no Livro de Oração Comum , usado diariamente no ritual da Igreja da Inglaterra . Duas novas edições da Bíblia de Coverdale apareceu em 1537, a folha de rosto contendo as palavras significativas "estabelecidos com licença graciosa do rei." Então, dentro de um ano da morte de Tyndale, toda a Bíblia foi traduzida, impresso e distribuído, aparentemente com real aprovação.

Thomas Matthew. Em 1537 outra Bíblia surgiu na Inglaterra, este por Thomas Matthew (um pseudônimo para John Rogers , um ex-associado de Tyndale), que foi queimada na fogueira por Queen Mary em 1555 Toda a NT e sobre metade da OT são Tyndale, enquanto o restante é de Coverdale. Trazia em sua página título as palavras: "Segue com licença graciosa do rei." Esta Bíblia tem a distinção de ser a primeira edição da Bíblia inteira Inglês realmente a ser impresso na Inglaterra. Então agora duas versões da Bíblia em Inglês circulou na Inglaterra, com a permissão do rei, Coverdale e de Mateus, ambos fortemente dependente de Tyndale.

A Grande Bíblia . Na próxima Bíblia a aparecer foi a revisão da Bíblia Mateus , feito por Coverdale. A impressão deste foi iniciado em Paris, mas a Inquisição entrou em cena eo trabalho foi concluído na Inglaterra. Ela apareceu em 1539 e foi chamado de Grande Bíblia por causa de seu grande tamanho e suntuosidade. Em sua revisão Coverdale fez uso considerável dos hebreus e gregos textos então disponíveis. As edições subseqüentes foram chamados Bíblia de Cranmer por causa de um prefácio que escreveu para ele no qual ele recomenda a leitura generalizada das Escrituras e declararam que eram a regra suficiente de fé e vida. Ao pé da página de rosto foram as palavras "Isto é a Bíblia nomeado para o uso das igrejas." Isso torna explícita uma ordem que foi emitida em 1538, enquanto que a Bíblia estava sendo impressa, que uma cópia do que era para ser colocado em cada igreja na terra. As pessoas cordialmente recebido a Grande Bíblia, mas seu tamanho e custo limitam em grande parte para usar em igrejas.

Os últimos anos de Henrique VIII foram marcados por uma reação séria contra o movimento de reforma. Em 1543 o Parlamento aprovou uma lei para proibir o uso de Tyndale NT, fez dele um crime para uma pessoa sem licença para ler ou expor a Bíblia publicamente aos outros, e restringiu ainda a leitura privada da Bíblia para as classes mais altas. Três anos depois, o Parlamento proibiu o uso de tudo, mas a Grande Bíblia. Em Londres, grandes quantidades de NT de Tyndale e Bíblia de Coverdale foram queimados na Cruz de São Paulo.

No breve reinado de Edward VI, que sucedeu seu pai Henry VIII, em 1547, nenhum novo trabalho de tradução foi feito. No entanto, grande incentivo foi dado à leitura da Bíblia e para a impressão das versões existentes e liminares foram reeditados que uma cópia do Grande Bíblia ser colocado em cada igreja paroquial.

A Bíblia de Genebra. Com a adesão de Maria, em 1553, centenas de protestantes perderam a vida, entre eles alguns homens intimamente associados com a tradução da Bíblia, como John Rogers e Thomas Cranmer . Coverdale escapou martírio fugindo para o Continente. Alguns dos reformadores ingleses fugiu para Genebra, onde a figura principal foi João Calvino . Um deles, William Wittingham, que havia se casado com a irmã de Calvin, produzido em 1557, uma revisão do Inglês NT. Esta foi a primeira Inglês NT impressos em tipo romano e com o texto dividido em versos. Ele e seus associados, em seguida empreendeu a revisão de toda a Bíblia. Isto apareceu em 1560 e é conhecido como a Bíblia de Genebra, ou como a Bíblia culatras de sua prestação deGen.3.7"Eles costuraram árvore folhas de figueira, e fizeram para si calças." Ele teve uma longa popularidade, passando de 160 edições, 60 deles durante o reinado da rainha Elizabeth sozinho, e continuou a ser impressa, mesmo após a publicação da KJV em 1611.

Bíblia dos Bispos. Rainha Elizabeth, que sucedeu a Maria Tudor como rainha, restabeleceu o regime de Edward VI. A Grande Bíblia foi novamente colocado em cada igreja, e as pessoas foram incentivadas a ler as Escrituras. A excelência da Bíblia de Genebra fez óbvio as deficiências da Grande Bíblia, mas alguns dos renderings do genebrino da Bíblia e as notas marginais tornou inaceitável para muitos do clero. Arcebispo Parker, auxiliados por oito bispos e alguns outros estudiosos, portanto, fez uma revisão da Grande Bíblia, que foi concluído e publicado em 1568 e passou a ser conhecido como a Bíblia dos Bispos. Ele ganhou considerável circulação, mas a Bíblia de Genebra foi muito mais popular e foi usado mais amplamente.

Rheims e Douai Version. Este veio da Igreja de Roma e é o trabalho de Gregory Martin, que, com uma série de outros romanistas inglês deixou a Inglaterra no início do reinado de Elizabeth e se estabeleceram no nordeste da França, onde em 1568 fundaram a faculdade. O NT foi publicado em 1582, e foi feito enquanto o colégio estava em Reims, e por isso é conhecido como o Rheims NT; mas o OT não foi publicado até 1609-1610, após o colégio mudou-se para Douai, e por isso é chamado de Douai OT. O prefácio advertiu os leitores contra os então existentes traduções "profanas" e acusa os protestantes para lançar o que era sagrado aos cães. Como a versão de Wycliffe, este foi feito não a partir das línguas originais, mas do latim, e é, portanto, apenas uma tradução secundária. A principal objeção à versão é a sua muito perto adesão às palavras do original em latim ea grande demais latinizing do Inglês. Ele incluiu os livros apócrifos e continha um grande número de notas, a maioria deles para interpretar o texto sagrado em conformidade com a doutrina católica romana e para responder aos argumentos dos reformadores. A Rheims-Douay Bible em uso hoje não é o mesmo que a feita por Gregory Martin, mas é uma revisão completa feita de que entre 1749 e 1763 pelo bispo Richard Challoner . Ele foi autorizado pela primeira vez para uso por americanos católicos romanos em 1810.

King James (ou autorizado) Versão. Quando Elizabeth morreu em 1603, a coroa passou para James I, que tinha sido rei da Escócia por 36 anos como James VI. Vários meses depois que ele subiu ao trono da Inglaterra, ele convocou uma conferência de bispos e clérigos puritanos para harmonizar as diferenças que existiam na igreja. Nesta conferência o Dr. John Reynolds , presidente do Corpus Christi College, Oxford, líder do partido puritano na Igreja da Inglaterra, sugeriu que uma nova tradução da Bíblia ser feita para substituir a Bíblia dos Bispos, que muitas pessoas acharam inaceitável . A proposta agradou ao rei, que não gostava violentamente a Bíblia de Genebra; a resolução foi aprovada para produzir uma nova tradução da Bíblia a partir do original hebraico e grego, sem quaisquer notas marginais, para o uso de todas as igrejas na Inglaterra.

Sem demora King James nomeado cinqüenta e quatro dos melhores estudiosos hebraicos e gregos do dia. Apenas quarenta e sete, na verdade, participaram do trabalho, que não começou até 1607, divididos em seis grupos: três para o OT, dois para o NT, e um para os livros apócrifos. Dois dos grupos reuniram-se em Oxford, dois em Cambridge, e dois em Westminster. Regras elaboradas foram estabelecidas para a sua orientação.Quando um grupo havia completado sua tarefa, o seu trabalho foi submetido a doze homens, dois de cada painel. Diferenças finais de opinião foram assentadas em uma assembléia geral de cada companhia. Em casos de especial dificuldade, aprendi homens fora do conselho de revisores foram consultados. Notas marginais foram utilizados apenas para explicar palavras hebraica e grega e chamar a atenção para passagens paralelas.Itálico foram utilizados para palavras não encontradas no original, mas necessário para completar o sentido.

Os revisores, que não receberam remuneração financeira pelo seu trabalho, concluído a sua tarefa em dois anos; mais nove meses foram dedicados a uma revisão do seu trabalho por uma comissão especial composta por dois membros de cada grupo. Em 1611, a nova versão foi publicada. Embora a página de título descreveu como "recém-traduzidos de línguas originais" e como "designado para ser lido nas igrejas", nem declaração está inteiramente de acordo com os fatos. O trabalho era, na verdade, uma revisão da Bíblia dos Bispos sobre a base do hebraico e grego; e nunca foi oficialmente sancionada pelo rei, o Parlamento, ou a igreja. Ele não ganhou aceitação universal imediato, tendo quase 50 anos para substituir a Bíblia de Genebra em favor popular. No decorrer do tempo, pequenas alterações foram feitas, especialmente na grafia, para estar de acordo com a mudança de uso, mas estas foram todas feitas aos poucos pela iniciativa privada. A sua excelência é demonstrado pelo fato de que, depois de 375 anos ainda é usado em preferência a qualquer outra versão no mundo protestante de língua Inglês, tanto para uso público e privado.

Inglês Versão Revisada . Esta versão foi visto como necessário para uma série de razões: foram descobertos (1) no decorrer do tempo, algumas palavras no KJV tinha se tornado obsoleto, (2) uma série de manuscritos gregos que eram mais velhos do que os disponíveis para os tradutores da Bíblia King James, e (3) o conhecimento da língua hebraica 'estudiosos tinha melhorado. Ele teve sua origem em 1870, quando, na Convocação de Canterbury da Igreja da Inglaterra, foi designado um comitê para convidar pendentes eruditos em grego e hebraico, independentemente da denominação religiosa, para juntar-se na revisão da KJV. Eventualmente, uma comissão de cinqüenta e quatro se formou, divididos em dois grupos de vinte e sete anos cada-um para a OT, o outro para o NT. Estudiosos norte-americanos também foram convidados a cooperar, e eles formaram dois grupos correspondentes aos grupos britânicos. Foi acordado que sugestões americano não é aceito pelos revisores britânicos ser gravado em um apêndice do volume publicado e que os revisores americanos dar o seu apoio moral para a nova Bíblia e não emitir uma edição de sua própria até, pelo menos, 14 anos mais tarde. Os revisores foram guiados por uma série de regras, o ser mais importante que eles estavam a fazer o mínimo de alterações possíveis no texto da KJV, ao basear sua tradução de um texto grego diferente.

No total, o texto grego subjacente à revista NT diferiam em 5788 leituras do que é utilizado pelos tradutores KJV-só cerca de um quarto delas fazer qualquer diferença material no conteúdo do texto, embora nenhum tão a sério como a afetar principais doutrinas cristãs. No texto em Inglês do NT, existem cerca de 36 mil mudanças. A nova Bíblia difere de seus antecessores na impressão de passagens poéticas no AT como poesia e no agrupamento de versos em parágrafos acordo com o senso de unidades.

O NT foi publicado em 1881, o OT em 1885 O trabalho ocuparam os tradutores NT por cerca de 40 dias por ano durante dez anos, enquanto o grupo OT foi ocupada por 792 dias durante um período de 14 anos. Os revisores deram o seu tempo e trabalho, sem custo adicional. Quando eles completaram seu trabalho, eles se desfez. Embora a nova versão foi amplamente aceito (três milhões de cópias sendo vendidas no primeiro ano), que não conta com a aprovação imediata, nem fez isso nos anos seguintes sempre superar a KJV pela supremacia entre as traduções da Bíblia; o Inglês da Versão Revisada não era suficientemente legível para substituir o honrado KJV. Embora não faça parte do projeto original, os apócrifos, foi publicado em 1895.

Versão Americana . Os estudiosos norte-americanos que colaboraram com os revisores inglês na ERV não foram totalmente satisfeito com ele. As alterações sugeridas impressas no apêndice representava apenas uma parte das mudanças que eles queriam feitas; e os revisores inglês manteve um grande número de palavras e frases cujos significados e grafias eram considerados antiquados. Estes revisores também manteve palavras que estavam Inglês, mas não americano em significado. Por essas e outras razões, os estudiosos americanos não dissolver quando o ERV foi publicado, mas a sua revisão do ERV não foi publicado até 1901 e é considerado como sendo em todo o superior ao ERV, pelo menos para usos americanos; mas tem seus defeitos, como, por exemplo, a substituição de "Jeová" para "Senhor", especialmente no Saltério.

Outras versões do século XX. A descoberta no final do século XIX, de muitos milhares de papiros gregos nas areias do Egito, todos escritos na língua grega cotidiano das pessoas, teve uma influência revolucionária no estudo do grego do NT. NT grego até então apresentou um problema grave, uma vez que não era nem grego clássico, nem no grego da Septuaginta. Agora ele mostrou ser o grego dos Papiros, e, portanto, a linguagem coloquial do povo de língua grega no primeiro século. Muitos sentiram, portanto, que o NT deve ser traduzido em linguagem corrente de hoje, não em empolado e antiquado Inglês. Estes desenvolvimentos criaram um grande interesse em trazer para fora traduções novas do NT no Inglês falado de hoje; e nos próximos 45 anos uma série de novas versões modernas de expressão saiu, a maioria deles por indivíduos, mas alguns por grupos de estudiosos.

O primeiro deles a aparecer foi a Twentieth Century Novo Testamento: uma tradução em Inglês Moderno Feita a partir do Grego Original (de Westcott e Hort texto). Este foi publicado em 1902 (reeditado 1961) e foi o trabalho de cerca de vinte tradutores cujos nomes não foram divulgados. Em 1903 RF Weymouth trouxe O Novo Testamento em Discurso Moderno; foi completamente revisto em 1924 por JA Robertson. James Moffatt , o estudioso escocês NT conhecido, trouxe a Bíblia: uma nova tradução em 1913-1914. O colega americano de Moffatt foi A Bíblia completa: An American Translation (1927, revisado em 1935). A parte NT apareceu pela primeira vez em 1923 e foi obra de EJ Goodspeed; quatro estudiosos, liderados por JM Powis Smith, fez o OT. Novo Testamento. A tradução para a língua do povo , pelo CB Williams, saiu em 1937. O Novo Testamento em Inglês Moderno (1958) por JB Phillips, é um dos mais legível das traduções modernas de expressão. The Amplified New Testament (1958 ), o que dá tons variantes de significado no original, foi seguido em 1961 por The Amplified Antigo Testamento . Foi o trabalho de Frances E. Siewert e assistentes sem nome. A Bíblia Sagrada: A Versão Berkeley em Inglês Moderno (1959) foi a obra de Gerrit Verkuyl no NT e de vinte acadêmicos norte-americanos no AT. De Kenneth Wuest O Novo Testamento-An tradução ampliada apareceu completa em 1961, também em 1961 o simplificado Novo Testamento apareceu, uma nova tradução de Olaf M. Norlie.

Durante este período, uma série de novas versões católicas romanas foram trazidos também. O Novo Testamento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (1941) foi uma revisão da Rheims-Challoner NT promovida pela Comissão Episcopal da Confraria da Doutrina Cristã; por isso, foi chamado a versão Confraria. Ele foi seguido pela tradução do Antigo Testamento em quatro volumes sucessivos (1948-1969), o que representou, não uma revisão de Douai-Challoner, mas uma nova versão do hebraico. Parecia razoável ter uma versão secundária do NT ao lado de uma versão preliminar da OT; mas quando foi decidido fazer uma nova tradução do NT do grego também foi decidido realizar uma profunda revisão de toda a Confraria Version. Esta revisão surgiu em 1970 sob o novo título The New American Bible. A versão de Westminster das Sagradas Escrituras apareceu sob a direção de Cuthbert Lattey-o NT em 1935, seguido de partes do OT. Ele foi interrompido após a morte de Lattey na tradução de 1954 RA Knox da Vulgata Latina (NT, 1941; OT, de 1949; revisão de 1955) é uma obra-prima literária e mantém o charme de uma peça de época. A Bíblia de Jerusalém (1966), uma tradução acadêmica e amplamente reconhecidos, segue o padrão do francês Bíblia de Jerusalém (1956), produzido pelo corpo docente da Escola Dominicana Bíblico e Arqueológico de Jerusalém.

Versão Internacional . Esta é uma revisão do ASV (1901), o NT que aparece em 1946 ea OT em 1952, patrocinado pelo Conselho Internacional de Educação Religiosa e é o trabalho de trinta e dois estudiosos norte-americanos que trabalhavam em dois seções, uma lidando com a OT, o outro com o NT. Ele foi projetado para uso no culto público e privado. Nesta versão, a linguagem é modernizado; discurso direto é regularmente indicado pelo uso de aspas; ea política é seguida (como na KJV ) de usar uma variedade de sinônimos para traduzir as palavras gregas onde é pensado para ser aconselhável. Edições especiais católicos da RSV apareceu em 1965 (NT) e 1966 (Bíblia completa). Mas uma nova edição do RSV em 1973 foi aceito como uma "Bíblia comum" para os católicos, protestantes e cristãos ortodoxos iguais.

Nova Bíblia em Inglês . Esta é uma tradução completamente nova, não uma revisão das versões já existentes. A primeira sugestão para esta versão veio em 1946 da Assembléia Geral da Igreja da Escócia , mas é o esforço conjunto de todas as principais denominações religiosas (com as principais Sociedades Bíblicas ) nas ilhas britânicas, além da Igreja Católica Romana. CH Dodd foi o diretor-geral da tradução todo. O primeiro requisito colocar os tradutores era produzir uma tradução genuinamente novo, em que deve ser feita uma tentativa consistente de usar o idioma de Inglês contemporânea para transmitir o significado das línguas originais. Os tradutores foram assistidos por um painel de consultores sobre questões literárias e estilísticas. O NT foi lançado em 1961; a Bíblia completa (incluindo os apócrifos), em 1970 Tal como acontece com a maioria das traduções anteriores, este também foi recebida com uma mistura de elogios e críticas. Mas as críticas da substância estão sob consideração por um comitê revisor, que planeja produzir uma nova edição em breve.

. Outras versões recentes The New American Standard Bible (concluído 1971) foi uma revisão e modernização da Versão Americana de 1901 A mais recente revisão é o New King James Version (NT, 1979; Bíblia completa, 1982), a modernização da a KJV; embora o OT é baseado na mais recente edição do texto da Bíblia hebraica, o NT fica com o tipo de texto grego usado pelos tradutores originais KJV em 1611.

O ano de 1971 viu a conclusão de A Bíblia Viva , uma paráfrase em Inglês simples, o trabalho de um homem, Kenneth N. Taylor. Ele alcançou grande popularidade, especialmente entre os jovens, mas perdeu terreno desde 1976 para o Good News Bible , concluído naquele ano. A parte NT deste último trabalho havia sido publicado dez anos antes, sob o título de hoje Versão Inglês ou Boa Nova para o homem moderno. Os tradutores tiveram especialmente em conta as necessidades das pessoas para quem o Inglês é uma língua adquirida, bem como aqueles que a falam como língua materna. A linguagem é contemporânea; o objetivo foi produzir "equivalência dinâmica" O produtor de o mesmo efeito sobre os leitores de hoje como o texto hebraico e grego produzidos nos leitores originais ou ouvintes.

Nova Versão Internacional já foi publicado. Este foi o trabalho de uma equipe de mais de cem estudiosos evangélicos tiradas a maioria dos países de língua Inglês. Um projecto-piloto foi lançado em 1969, uma versão do Evangelho de João, chamado uma tradução contemporânea. The complete NT seguido em 1973 e toda a Bíblia em 1978 Ao contrário do RSV, e como NEB, é uma tradução direta das línguas originais, não uma revisão de qualquer versão existente.

fonte enciclopedia britanica 1911